You are on page 1of 106

Curso de Automação Industrial

Laboratório de Controle de Processos


Conteúdo

• Introdução;
• Reconhecimento do Hardware;
• Software: Instalação de RSLogix e RSLinx
• Configuração da comunicação Micro-PLC;
• Configurações Iniciais do RSLogix
• Trabalho com Projetos e Arquivos;
• Endereçamento;
• Introdução a Linguagem Ladder;

2 de 106
Conteúdo
• Programação;
• Comunicação;
• Instruções de Bit;
• Instruções de Temporização e Contagem;
• Instruções de Matemáticas;
• Instruções de Movimentação;
• Instruções de Lógica;
• Instruções de Comparação.
• Projetos Finais

3 de 106
Aula 2

Introdução
Introdução

• Histórico;

• Vantagens;

• Desvantagens;

• Aplicações;

5 de 106
Aula 3

Reconhecimento do Hardware
Hardware

7 de 106
Hardware

• Tipos de PLC:

– Fixo: provê o sistema de alimentação, as entradas e


saídas, e o processador em uma única unidade;

– Modular: provê cada funcionalidade em módulos


separados.

8 de 106
Hardware

9 de 106
Hardware

• O hardware de um PLC modular é


composto basicamente por 5 elementos:

– Fonte de Alimentação
– Chassi ou Rack de Montagem
– Processador ou CPU
– Cartões de I/O
– Unidade de Programação

10 de 106
Fonte de Alimentação
• Fornecer corrente para todos os módulos
do PLC;

• Níveis de tensão de 24 Vdc ou 110/220


Vac;

• A escolha da fonte depende da soma de


corrente dos diversos módulos.

11 de 106
Fonte de Alimentação

12 de 106
Chassi ou Rack
• Concentra todos os módulos;

• Permite sustentação e proteção aos outros módulos;

• Provê conexões para dados e alimentação;

• Possui número variado de ranhuras (slots);

• Permite interligação com outros módulos.

13 de 106
Chassi ou Rack

14 de 106
Cartões de I/O

• Divide-se em:
– Entrada:
• Digital
• Analógica

– Saída
• Digital
• Analógica

15 de 106
Cartões de Entrada e Saída

• Entradas Discretas

• Saídas Discretas

16 de 106
Cartões de Entrada e Saída

17 de 106
Processador
• Executa as instruções previamente programadas;

• Memória: RAM e EEPROM;

• Bateria e Capacitor;

• Controla os dispositivos de entrada e saída;

• Controla os canais de comunicação.

18 de 106
Processador - SCAN

19 de 106
Processador – Chave
• Posição PROG: habilita o processador a ser programado,
para qualquer execução e impede que passe para RUN
remotamente;

• Posição REMPROG: permite que o processador seja


programado e que passe para RUN remotamente (LED RUN
apagado);

• Posição RUN: inicia a execução do código na memória,


impede que o processador seja programado remotamente e
não permite download;

• Posição REMRUN: o programa continua em execução e


permite que o processador seja programado .

20 de 106
Aula 4

Instalação do RSLogix 500 e do


RSLinx
Conceitos

• RSLogix 500:
Programa responsável por provê um ambiente
para programação Ladder

• RSLinx:
Programa responsável por provê uma
comunicação entre PC e PLC através de
drivers / protocolos de comunicação.

22 de 106
Recursos Necessários

• Requisitos mínimos de Hardware:


Intel Pentium II 500MHz
128 MB de RAM, para o Windows XP ou 2000
45 MB de espaço disponível no HD
Placa de vídeo com 256 cores e resolução de
800x600

23 de 106
Recursos Necessários

• Requisitos mínimos de Software:


Windows 98 ou
Windows NT ou
Windows 2000 ou
Windows XP
Obs: para o RSLogix funcionar será necessário
a instalação do RSLinx

24 de 106
Instalação Passo-a-Passo
• Passo 1
 Executar o programa de instalação

25 de 106
Instalação Passo-a-Passo
• Passo 2
 Clique em Install RSLogix 500

26 de 106
Instalação Passo-a-Passo
• Passo 3
 Siga as instruções que aparecerem na tela
 Serial: essa informação pode ser encontrada
na caixa do seu produto
Ativação: para ativar, será preciso inserir o
disquete com a licensa.

27 de 106
Instalação Passo-a-Passo
 Ativação: pressione OK e mova a licença.

 O RSLogix 500 está instalado.

28 de 106
Instalação Passo-a-Passo
Agora instale o RSLinx
 Execute a instalação clicando em Install
RSLinx

29 de 106
Instalação Passo-a-Passo

 Os mesmos procedimentos devem ser


tomados para a instalação.

 Ao final os programas instalados poderão ser


encontrados em Iniciar/Programas/Rockwell
Software.

30 de 106
Aula 5

Configurando o RSLinx
O Que é o RSLinx

• Programa usado para configuração de


drivers para a comunicação PC - PLC

32 de 106
Comunicação entre PC e PLC
• Necessidade:
 Quando for preciso fazer download ou
upload de programas.
 Configuração das portas para programação
Ladder.
 Monitoração em tempo real do PLC.
 Programação on-line

33 de 106
Comunicação entre PC e PLC

• Pode utilizar diversos tipos de


comunicação: Serial, DH+, Ethernet...

Canal Serial COM1/COM2

Serial usando padrão


RS232

34 de 106
Configurando o RSLinx
• Configuração do canal serial do computador para
comunicação com o PLC.
 Abra o RSLinx, clicando no ícone na área de
trabalho:

 Ou clicando em Iniciar / Programas / Rockwell


Software / RSLinx / RSLinx

35 de 106
Configurando o RSLinx

 Clique no ícone mostrado abaixo em seu RSLinx


para acessar o item Configure Drivers

 Ou no menu Communications selecione o item


Configure Drivers

36 de 106
Configurando o RSLinx
 No Configure Drivers selecione o driver de acordo
com a conexão

37 de 106
Configurando o RSLinx
 Selecione o driver RS-232 DF1 devices, e clique em
Add New. Em seguida digite um nome para o driver.

 É recomendado colocar um nome que indentifique-o,


para diferenciá-lo de outros que possam está em
rede

38 de 106
Configurando o RSLinx
 Selecione a porta de comunicação e clique em Auto-
Configure

39 de 106
Finalizando

• É necessário que o RSLogix


500 esteja configurado com
esse driver para finalizar a
configuração.

 Abra o RSLogix 500


 Abra ou crie um projeto
 Clique no menu Comm e
selecione o item System
Comms…

40 de 106
Finalizando
 Clique sobre o controlador escolhido e marque a
opção Apply to Project e OK

41 de 106
Aula 6

Configurando o RSLogix
O Que é o RSLogix
• Programa usado para desenvolvimento de aplicações
em LADDER para a família de PLC’s da Rockwell,
bem como download, upload e monitoração de
programas no PLC.

43 de 106
Configuração Inicial
• Necessidade:
 Quando for usar o RSLogix pela primeira
vez.
 Quando for iniciar um novo programa em
LADDER.

44 de 106
Configuração Inicial
• Configuração inicial do RSlogix para
programação
– Abra o RSLogix, clicando no ícone na área de
trabalho:

– Ou clicando em Iniciar / Programas / Rockwell


Software / RSLogix / RSLogix 500 English

45 de 106
Configurando a CPU
 Clique em , abrirá a tela a seguir: selecione a CPU
do PLC com o seu respectivo sistema operacional.
Essas informações se encontram em uma etiqueta
colada na CPU.

46 de 106
Configurando I/O
 Configuração das portas de Entrada e Saída: clique
no item IO Configuration. Essa configuração
permitirá o endereçamento dos cartões de I/O
conectados ao chassi.

47 de 106
Configurando I/O
 Clique em Read IO Config para que a configuração
seja feita automaticamente.

48 de 106
Configurando I/O
 Selecione o driver de comunicação desejado e clique
novamente em Read IO Config. Observe que após a
configuração automaticamente aparecem os
dispositivos de entrada e saída conectados ao chassi.

49 de 106
Finalizando

• É necessário que o
RSLogix 500 esteja
associado a um driver
para finalizar a
configuração.

 Clique no menu
Comm e selecione o
item System
Comms…

50 de 106
Finalizando
 Clique sobre o controlador escolhido e marque a
opção Apply to Project e OK.

51 de 106
Aula 7

Trabalhando com Projetos e


Arquivos
Ambiente de Trabalho

Barra Barra de
On-line Instruções
Tabuladas

Área de Área de
Memória Inserção
de linhas

53 de 106
Área de Memória

• Dividida em: Área de


Programas
– Área de Programas
– Área de Dados
Área de
Dados

54 de 106
Área de Programas

• Sys 0 e Sys 1: são


arquivos usados pelo
controlador;
• LAD 2: Ladder
principal do ciclo de
varredura;
• Podem ser
aumentada até 256
arquivos.

55 de 106
Área de Dados
• O0 – Saída
• I1 – Entrada
• S2 – Status
• B3 – Binário
• T4 – Temporizadores
• C5 – Contador
• R6 – Controle
• N7 – Inteiros
• F8 – Ponto Flutuante

56 de 106
Área de Dados
• Cada arquivo na área de
dados pode ter até 256
elementos;
• Pode-se ter até 256
arquivos de dados

57 de 106
Aula 8

Endereçamento
Endereçamento

____ : ____ . ____ / ____ ____


Bit (0 – 15)

I = Entrada
O = Saída Palavra 0 – 1º

Número do Slot 1 – 2º

– O índice da palavra pode ser suprimido, se o


dispositivo não possuir mais que 16 bits.
– E o bit pode ser substituído por letras em caso de
arquivos T4, C5, R6.

59 de 106
Aula 9

Introdução a Linguagem Ladder


Linguagem Ladder
• Características:
– Linguagem Gráfica;

– Conjunto de instruções completo;

– Regras gerais:
 Linhas Verticais: linhas-mãe ou linhas de alimentação
 As saídas estão sempre na direita
 O fluxo de execução ocorre de cima para baixo e da esquerda
para a direita
 A habilitação das linhas horizontais depende da lógica de
acionamento à sua esquerda.

61 de 106
Programa em Ladder

62 de 106
Aula 10

Programação
Progamação em Ladder
• Para inserir códigos no Ladder:
– Selecione a linha desejada e pressione Insert para adicionar
uma nova linha;
– Instrução: digitar o nome da instrução ou arrastá-la da barra
de instruções;
– Os comandos Ctrl+C, Ctrl+V, Ctrl+X e Ctrl+Z funcionam
neste ambiente.
• Para inserir comentários no Ladder:
– Comentários por instrução
– Comentários por endereço
– Símbolos
– Comentários de linha e título de página

64 de 106
Aula 11

Comunicação
Comunicação PC - PLC
• A comunicação pode ser feita de diversas formas,
dependendo do processador em uso:

– RS 232
– EthernetIP
– DeviceNet
– ControlNet

66 de 106
Modo On-line e Off-line
 On-line: Ambiente de teste e monitoração;
 Off-line: Ambiente de Programação

67 de 106
Fazendo Download e Upload
 Para enviar programas em LADDER para o PLC,
primeiramente salve-o e clique em Download, como
mostra a figura abaixo:

68 de 106
Fazendo Download e Upload
 Para enviar programas do PLC para o PC, clique em
Upload, como mostra a figura abaixo:

69 de 106
Aula 12

Instruções de Controle de Fluxo


Instruções de Bit

• JSR – Jumper to Subroutine


– Direciona o processador para um arquivo
de sub-rotina.
• SBR – Subroutine
– Usada na primeira linha da sub-rotina.
• RET – Return
– Finaliza a sub-rotina.

71 de 106
Aula 13

Instruções de Bit
Instruções de Bit

• XIC – Examine if Close


– Verdadeiro quando o bit for 1
– Falso quando o bit for 0
• XIO – Examine if Open
– Verdadeiro quando o bit for 0
– Falso quando o bit for 1
• OTE – Output Energize
– Seta um bit (1) quando a linha for verdadeira

73 de 106
Instruções de Bit

• OTL – Output Latch


• OTU – Output Unlatch
– Seta um bit (1) quando a linha for verdadeira e
mantém esse estado mesmo que a linha seja
falsa. Sendo resetado (0) somente com um OTU.

• OSR – One Shot Rising


– Seta um bit (1) por um ciclo de scan quando
houver uma transição positiva.

74 de 106
Exercício

• Implemente um flip-flop RS

• Implemente um flip-flop D

• Implemente um flip-flop JK

75 de 106
Exercício
• Com FC1 acionado e com um pulso do botão BL1, deve-se
ligar o motor de descida M1 e o motor de giro M2.
• Quando FC2 for acionado, deve-se desligar o motor M1 e ligar
o motor de subida M3.
• Ao acionar FC1, deve-se desligar os motores M2 e M3.

76 de 106
Aula 14

Instruções de Temporização e
Contagem
Instruções de Temporização

• Arquivos do tipo T: contém dados referente


aos temporizadores.

• Arquivo padrão T4 – Timer.

• Dividido em 3 palavras:
– Estado (EN, TT, DN)
– Preset (PRE)
– Acumulador (ACC)

78 de 106
Instruções de Temporização

• TON – Timer on Delay – inicia a contagem quando a


linha se torna verdadeira.

Endereço

Base para contagem

Valor do Preset

79 de 106
Instruções de Temporização

• EN: indica que a linha do temporizador é verdadeira;


• TT: indica que o temporizador está contando. EN tem que ser
verdadeiro e ACC < Preset;
• DN: indica que o temporizador terminou de contar. EN tem que
ser verdadeiro e ACC = Preset;
• Preset: indica o valor que o temporizador vai contar;
• ACC: indica o valor atual da contagem.

80 de 106
Instruções de Temporização

• TOF – Timer off Delay – inicia a contagem quando a


linha se torna falsa

Endereço

Base para contagem

Valor do Preset

81 de 106
Instruções de Temporização

• EN: indica que a linha do temporizador é verdadeira;


• TT: indica que o temporizador está contando. EN tem que ser
falso e ACC < Preset;
• DN: indica que o temporizador terminou de contar. EN tem que
ser falso e ACC < Preset;
• Preset: indica o valor que o temporizador vai contar;
• ACC: indica o valor atual da contagem.

82 de 106
Instruções de Temporização

• RTO – Retentive Timer on Delay – inicia a


contagem quando a linha se torna verdadeira e mantém o valor
mesmo a linha sendo falsa.
Endereço

Base para contagem

Valor do Preset

83 de 106
Instruções de Temporização

• EN: indica que a linha do temporizador é verdadeira;


• TT: indica que o temporizador está contando. EN tem que ser
verdadeiro e ACC < Preset;
• DN: indica que o temporizador terminou de contar. EN tem que
ser verdadeiro e ACC = Preset;
• Preset: indica o valor que o temporizador vai contar;
• ACC: indica o valor atual da contagem.

OBS: Para resetar o RTO é preciso utilizar a instrução RES.

84 de 106
Exercício

• Faça um diagrama ladder para um sistema que precisa


que um motor passe 6,3 segundos ligados e 6,3
segundos desligados.

• Implemente um semáforo que seja ligado e desligado por


uma chave retentiva. Tempos: vermelho 9s, amarelo 3s e
verde 6s.

• Programar um acionamento seqüencial para a partida de


5 motores a cada 2 seg (usando uma chave) e desligá-los
ao mesmo tempo (usando outro botão).

85 de 106
Instruções de Contagem

• Arquivos do tipo C: contém dados referente


aos contadores.

• Arquivo padrão C5 – Counter.

• Dividido em 3 palavras:
– Estado (CU, CD, DN, OV, UN)
– Preset (PRE)
– Acumulador (ACC)

86 de 106
Instruções de Contagem

• CTU – Count Up – contas as transições de falso para


verdadeiro, crescente.

Endereço

Valor do Preset

87 de 106
Instruções de Contagem

• CU: indica que a linha do contador é verdadeira;


• OV: indica que ACC > 32767;
• DN: indica que ACC >= Preset;
• Preset: indica o valor que o contador vai contar;
• ACC: indica o valor atual da contagem.

OBS: Para resetar o CTU é preciso utilizar a instrução RES.

88 de 106
Instruções de Contagem

• CTD – Count Down – contas as transições de falso


para verdadeiro, decrescente.

Endereço

Valor do Preset

89 de 106
Instruções de Contagem

• CD: indica que a linha do contador é verdadeira;


• UN: indica que ACC < (-32768);
• DN: indica que ACC >= Preset;
• Preset: indica o valor que o contador vai contar;
• ACC: indica o valor atual da contagem.

OBS: Para resetar o CTD é preciso utilizar a instrução RES.

90 de 106
Exercício

• Programe um relógio que mostre minutos e horas.

91 de 106
Aula 15

Instruções Matemáticas
Instruções Matemáticas

93 de 106
Instruções Matemáticas
• Source: local onde o valor está armazenado;
• Dest: local onde o resultado será armazenado;
• ADD: soma as Sources;
• SUB: subtrai as Sources;
• MUL: multiplica as Sources;
• DIV: divide as Sources;
• NEG: inverte o sinal da Source;
• SQR: calcula a raiz quadrada da Source;
• CLR: zera o conteúdo de Dest.

94 de 106
Instruções Matemáticas

• CPT – Compute – executa uma expressão matemática


com várias operações.

Endereço do resultado

Expressão

95 de 106
Exercício

• Programar um sistema de conversão de unidades de


temperatura da seguinte maneira:
– Através de duas chave de duas posições indicar a unidade
origem e a destino (0 – Celsius, 1 – Fahrenheit);
– Executar a conversão usando as instruções ADD, SUB,
MUL e DIV;
– Executar a conversão usando a instrução CPT.

96 de 106
Aula 16

Instruções de Movimentação
Instruções Matemáticas

• MOV – Move – move o valor de Source para Dest.

Origem do Dado

Destino

98 de 106
Aula 17

Instruções de Lógica
Instruções de Lógica

• Realizam operações lógicas bit-a-bit

100 de 106
Exercício

• Utilizando as instruções de lógica repetir os exercícios do


Flip-Flop D, RS e JK.

101 de 106
Aula 18

Instruções de Comparação
Instruções de Comparação

103 de 106
Instruções de Comparação
• Source: local onde o valor está armazenado;
• EQU: testa se dois valores são iguais;
• NEQ: testa se dois valores são diferentes;
• LES: testa se o valor A é menor que o valor B;
• LEQ: testa se o valor A é menor ou igual que o valor B;
• GRT: testa se o valor A é maior que o valor B;
• GEQ: testa se o valor A é maior ou igual que o valor B;
• LIM: testa valores dentro ou fora de uma faixa específica.

104 de 106
Exercício

• Utilizando a instrução LIM, repetir o exercício do


Semáforo utilizando somente 1 temporizador.

• Programe um sistema de empacotamento de remédios


da seguinte forma:
– Acione uma esteira usando uma chave liga / desliga.
– Cada comprimido que passar pelo sensor (use um botão)
conte uma vez;
– No total de 20 comprimidos, para a esteira e espere 10
segundos para empacotar e acione a esteira novamente.

105 de 106
Projetos Finais

• Programar um somador para funcionar conforme


descrição abaixo:
– Iniciar a operação pressionando uma chave;
– O somador deverá somar os valores de 5 em 5 segundo
iniciando no zero;
– Quando o valor for maior que 150, zerar e inicia o ciclo
novamente.

• Exercícios Propostos do Livro Engenharia de Automação


Industrial de Cícero Couto Moraes, pág. 74 a 79.

106 de 106