You are on page 1of 4

1) Caracterize o núcleo interfásico de uma célula eucariótica definindo os seus

componentes e mencionando a função de cada um deles.

R.: Núcleo Interfásico:


Além do material genético, o núcleo também possui algumas proteínas com a função de
regular a expressão gênica, que envolve processos complexos de transcrição, pré -
processamento do mRNA (RNA mensageiro), e o transporte do mRNA formado para o
citoplasma. Dentro do núcleo ainda podemos encontrar uma estrutura denominada
nucléolo, que é responsável pela produção de subunidades dos ribossomos. O Núcleo
Interfásico: é o intervalo de tempo que separa duas divisões sucessivas de uma célula. O
núcleo interfásico pode fazer movimentos de rotação e oscilação e foi criado para maior
complexidade da atividade cromossômica. É durante a interfase que a atividade do
núcleo é alta, pois além da duplicação do DNA, ocorre nele uma série de processos que
controlam a vida celular.
1. Aspectos Morfológicos:
O núcleo interfásico é homogêneo e com intensa atividade metabólica. Está presente em
todas as células eucariontes (com exceção em hemácias de mamíferos). Em geral
acompanham a forma da célula, mas pode ser polimorfo nucleares (eosinófilos,
neutrófilos, basófilos). Podem ser encontrados na periferia celular (como adipócitos e
células musculares esqueléticas), mas em geral são centrais. Núcleo Interfásico é o
período de síntese de RNA e duplicação do DNA. Seu volume é de aproximadamente
10% do volume total da célula.
2. Componentes:
No núcleo interfásico temos os seguintes componentes: membrana nuclear,
nucleoplasma, nucléolos e cromatina. A membrana nuclear constitui um envoltório
dentro do qual aparece um líquido, o suco nuclear (cario plasma, nucleoplasma ou cario
linfa), onde estão imersos o nucléolo e a cromatina.
Membrana nuclear ou carioteca: Separa o material nuclear do citoplasma. São
formadas por duas membranas lipoprotéicas, com organização estrutural semelhante às
demais membranas celulares.
Nucleoplasma ou cario linfa: Apresenta – se como uma solução aquosa de proteínas,
metabólitos e íons que preenchem o espaço entre a cromatina e os nucléolos. Entre as
proteínas do nucleoplasma estão às enzimas que contribuem para a produção de energia,
no núcleo interfásico. Além destas enzimas existem outras tais como: as DNA -
polimerize e as RNA - polimerizes. Também nesse líquido ficam em suspensão; os
nucléolos e os cromossomos, quando começam a se formar. É um gel protéico, no qual
ficam mergulhados os componentes no núcleo. Várias reações acontecem nesta região.
O nucleoplasma é de fácil difusão, rico em íons e contém intermediários da glicólise e
alguns da via das pentoses. Nucléolos: É um corpúsculo denso, não delimitado por
membrana, mergulhado no nucleoplasma. É uma estrutura sempre presente nas células
eucarióticas, podendo haver mais de um nucléolo por núcleo interfásico. Durante a
divisão celular, o nucléolo desaparece. É um corpúsculo que tem ao microscópio
eletrônico um aspecto esponjoso. Não possui membrana, ficando mergulhado
diretamente no nucleoplasma. É visível somente no núcleo interfásico. É rico em RNA
ribossômico e tem origem a partir da zona SAT dos cromossomos. O nucléolo
verdadeiro é uma região de intensa síntese de ácido ribonucléico ribossômico (RNAr).
Essa síntese ocorre em certas regiões de determinados cromossomos, denominados
regiões organizadoras do nucléolo. O nucléolo corresponde, portanto, a uma região de
grande concentração de ribonucleoproteínas, RNAr, ao redor de um trecho de um
cromossomo. Os falsos nucléolos são formados por DNA, enquanto que os verdadeiros
são formados por RNA. Naturalmente, em função disso, suas afinidades tintoriais são
também são diferentes: os falsos nucléolos são basófilos; os verdadeiros são acidófilos.
Os primeiros se coram com hematoxilina de roxo. Os últimos se coram pela ensina em
róseo.
Nucleoplasma – Suco nuclear – Caria plasma –
Cario linfa – Nucleolinfa:
É o material protoplasmático do núcleo. É uma substância opticamente homogênea, de
viscosidade variável com a fisiologia celular e que apresenta pouca afinidade por
corantes. Ela mantém, em suspensão os componentes nucleares.
Cromatina: É um material constituído por nucleoproteínas filamentares, observados no
núcleo interfásico e que se espiraliza para formar os cromossomos na mitose. Portanto,
cromatina e cromossomos são o mesmo material, apenas em fases diferentes da
fisiologia celular. A cromatina apresenta-se sob duas formas:
a) Eucromatina: Apresenta-se descondensada ou
Desespiralizada na interfase.
b) Heterocromatina: Apresenta-se condensada ou
Espiralizada na interfase.

2) Defina ciclo-celular e caracterize-o:


R: Em biologia, chama-se ciclo celular o conjunto de processos que se passam
numa célula viva entre duas divisões celulares. O ciclo celular consiste na
Interfase e na Fase mitótica, que inclui a mitose e a divisão celular (citocinese).
3) Caracterize os estágios da interfase: A intérfase corresponde ao período entre
o final de uma divisão celular e o início da segunda. Geralmente a célula
encontra-se nesta fase maior parte da sua vida. Durante esta fase o DNA não é
visível ao microscópio óptico. A Intérfase divide-se em 3 fases:
• Fase G1
o Nesta fase sintetizam-se muitas proteínas, enzimas e RNA, verifica-se
também a formação de organitos celulares e, consequentemente, a célula
cresce.

• Fase S
o É nesta fase que ocorre a auto-replicação das moléculas de DNA (diz-se
no plural porque para cada cromossomo existe uma molécula de DNA)
o A partir deste momento os cromossomos passam a possuir dois
cromatídeos ligados por um centrómero.
• Fase G2
o Neste período dá-se a sintese de moléculas necessárias à divisão celular
(como os centríolos). As fases G e S possuem estas denominações em
decorrência de abreviações do inglês - G para gap (intervalo) e S para
synthesis (síntese).

4) Defina o estado G0 de uma célula: R.: Fase G0 é um período em que a célula


mantém a sua taxa metabólica, mas não cresce em tamanho, a não ser que receba sinais
extracelulares.

5) Qual a
finalidade de ocorrência da meiose e da mitose para os organismos?
R.: A meiose é fundamental para a manutenção da vida dos seres pluricelulares,
pois é através dela que se formam as células de reprodução (gametas:
espermatozóide e óvulo) que se juntam para formar o ovo, ou também conhecido
zigoto. A mitose permite propagar com fidelidade o programa genético. As
células-filhas recebem um número de cromossomas idêntico ao da célula-mãe e
a mesma informação genética permitindo a estabilidade genética de geração em
geração. Permite o crescimento e a regeneração de tecidos dos seres
pluricelulares.

6) Defina mitose e meiose:

R.: A mitose é um processo de divisão celular conservativa, já que a partir de uma


célula inicial, originam-se duas células com a mesma composição genética (mesmo
número e tipo de cromossomos), mantendo assim inalterada a composição e teor de
ADN característico da espécie (excepto se ocorrer uma mutação, fenômeno muito raro e
acidental). Este processo de divisão celular é comum a todos os seres vivos, dos animais
e plantas multicelulares até aos organismos unicelulares, nos quais, muitas vezes, este é
o principal ou único processo de reprodução - reprodução assexuada. Meiose (do grego
meíosis, diminuição) é o nome dado ao processo de divisão celular através do qual uma
célula vê o seu número de cromossomos reduzido pela metade. Por este processo são
formados gametas e esporos.

7) Estabeleça uma comparação entre os eventos que caracterizam a mitose e a


meiose.

R.: Comparações entre a mitose e a meiose. A mitose ocorre em todas as células


somáticas do corpo e, por meio dela, uma célula se divide em duas, geneticamente
semelhantes à célula inicial. Assim, é importante na regeneração dos tecidos e no
crescimento dos organismos multicelulares. Nos unicelulares, permite a reprodução
assexuada. Já a meiose, nos seres pluricelulares, só ocorre em células germinativas, com
duas divisões sucessivas. A célula-mãe se divide em duas, que se dividem de novo,
originando quatro células-filhas (três células-filhas no caso da ogénese) com metade dos
cromossomos da célula inicial: são os gametas, geneticamente diferentes entre si.

8) Caracterize as subfases da prófase I da meiose.

R.: A prófase I é dividida em cinco subdivisões: leptóteno, zigóteno, paquíteno,


diplóteno e diacinese. O leptóteno é a primeira subdivisão da prófase meiótica
em que ocorre a individualização dos cromossomos pelo espiramento largo dos
cromonemas. O Zigóteno é o momento da meiose em que os cromossomas
homólogos se juntam formando pares, os integrantes desses são chamados de
cromátides irmãs. Quando acontece o emparelhamento de cromossomos, ou
sinapse, os cromossomos formam um bivalente. O Paquíteno Ocorre após a
definição do complexo sinaptonêmico ainda na subfase leptóteno. No paquíteno,
os cromossomos tornam-se mais grossos, atingindo o grau máximo de
condensação, formando quatro braços bem definidos. Desses quatro braços, dois
se ligam ao respectivo homólogo formando estruturas denominadas "tétrades"
ou "bivalentes". Devido à proximidade entre os braços dos homólogos, a
percepção das quatro cromátides é prejudicada. Será mais visível na próxima
subfase (diplóteno). Diplóteno é uma fase da meiose em que os cromossomos se
vão afastando e torna-se visível as áreas onde pode ocorrer uma ligação entre os
cromossomas "quiasmas". Com o afastamento recíproco dos cromossomas, os
quiasmas deslizam para as extremidades dos braços dos cromossomas. Última
fase da prófase meiótica em que ocorre a separação dos cromossomas. Já com os
segmentos trocados no paquíteno, e é nessa fase da prófase em que a carioteca
desaparece temporariamente.

9) Qual a importância da ocorrência do “crossing-over” ou permuta durante o


processo meiótico?

R.: A relação existente entre meiose e variabilidade é principalmente devida à


ocorrência de crossing-over. Recombinação é a troca aleatória de material
genético durante a meiose. Na primeira divisão meiótica, mais precisamente no
paquíteno, ocorre o crossing-over, que é o sobre cruzamento das cromátides
homólogas, não-irmãs.

10) A anáfase da mitose se assemelha à anáfase I ou II da meiose? Justifique sua


resposta.

R.: Mitose Anáfase:


Quebram-se (clivagem) os centrômeros, separando-se os dois cromatídeos que
passam a formar dois cromossomas independentes. As fibrilas ligadas a estes
dois cromossomas encolhem, o que faz com que estes se afastem (migrem) para
pólos opostos da célula — Ascensão Polar dos cromossomas-filhos. O que leva a
que no final em ambos os pólos haja o mesmo número de cromossomos com o
mesmo conteúdo genético e igual ao da célula mãe, porém cada cromossomo
tem apenas uma cromátide.
Meiose
Anáfase I: Os cromossomos dos Bivalentes separam-se migrando cada um (com
duas cromátides) para os pólos opostos – Segregação dos Homólogos.
Anáfase II: Quebram-se os centrômeros, separando-se as duas cromátides, que
passam a formar dois cromossomos independentes e ascendem para os pólos
opostos.

11) As duas células que se formam ao final da divisão I da meiose são haplóides ou
diplóides?

R: Haplóides, Divisão I ou Divisão Reducional


Separação de homólogos, 2n —> n