You are on page 1of 9

Biologia e Geologia – 11º ano de escolaridade

Actividade laboratorial – V de Gowin


Diana Miranda, Gonçalo Saraiva, Maria Alvarez, Oxana Dizdari 7; 13; 19; 21
Nome: ____________________________ _______________________Nº:________________Turma:CT2_____Ano:11º______

Assunto Problema Conclusões


Quais as diferentes fases
Observação de imagens da meiose. da meiose? Meiose é o nome dado ao processo de divisão
celular através do qual uma célula tem o seu
Princípios número de cromossomas reduzido pela metade.
Objectivos Nos organismos de reprodução sexuada a
1. Processo de divisão nuclear através do qual
- Identificar, observar e formação dos seus gâmetas ocorre por meio
se formam quatro núcleos haploides a partir legendar as diferentes deste tipo de divisão celular. Quando ocorre
de um núcleo diploide; fases da meiose;
fecundação, pela fusão de dois desses gâmetas,
2. Os descendentes são formados a partir de - Perceber qual é a
diferença entre a ressurge uma célula diplóide, que passará por
dois progenitores que produzem células
Meiose e a mitose; numerosas mitoses comuns até formar um novo
sexuais (gâmetas) que se unem, dando
- Saber distinguir a indivíduo, cujas células serão, também,
origem a um ovo; Divisão I da
3. Cromossomas provenientes de cada Divisão II; Registos / Resultados
progenitor, formando um par. Apresentam - Esclarecer as
forma, estrutura e sequência de genes dúvidas sobre
a reprodução
idêntica;
sexuada.
4. Corresponde a todos os fenómenos que
ocorrem durante a divisão I da meiose e
Conceitos

8. Meiose 1. Fecundação
9. Reprodução sexuada 2. Cromossomas
10. Cromossomas 3. Cromatídios
homólogos 4. Espermatogénese
11. Divisão reducional 5. Oogénese
12. Divisão 6. Haplóide
equacional 7. Diplóide
13. Fases da Meiose
Apresentação
14. Replicação
Classificação _______________ Professora _________________________
1
Princípios (continuação)

5. Células-filhas com metade do número de cromossomas da célula-mae;

6. Interfase I – Replicação dos DNA (durante a fase S), donde resultam cromossomas constituídos por dois
cromatídios iguais;

Prófase I – É a fase mais longa da meiose, em que ocorre a condensação dos cromossomas que ficam mais curtos
e enrolados. Inicio do fuso acromático. União dos cromossomas homólogos no quiasma;

Metáfase I – Os cromossomas unem-se através dos centrómeros ao fuso acromático, os cromossomas homólogos
alinham-se na zona equatorial;

Anáfase I – Rotura dos pontos de quiasma e separação aleatória dos cromossomas homólogos. Após a separação,
um cromossoma (constituído por dois cromatídios) de cada par de homólogos migra para um dos pólos da célula;

Telófase I e citocinese - Passa-se exactamente o contrário da prófase, ou seja, a cromatina vai descondensar e
alongar, o fuso acromático dissolve-se, a membrana nuclear irá reaparecer dispondo-se à volta dos cromossomas,
formando assim dois núcleos novos. A citocinese é a divisão do citoplasma da célula que permite a individualização das
células – filhas do que resulta duas células – filhas. Ocorre no final da mitose;

Prófase II - É a etapa mais longa da mitose, onde os filamentos de cromatina se condensam, originado umas
estruturas grossas e curtas – os cromossomas – que vão ser constituídos por dois cromatídeos unidos por um
centrómero. A membrana nuclear fragmenta-se e o nucléolo desaparece, por fim forma-se o fuso acromático nos pólos
das células;

Metáfase II - É a etapa onde o fuso acromático se vai ligar aos centrómeros dos cromossomas, que já atingiram o
encurtamento máximo, formando assim a placa equatorial;

Anáfase II - Dá-se a fragmentação dos centrómeros, separando assim os cromatídeos, passando cada um destes a
formar agora um cromossoma; as fibras do fuso acromático começam a encurtar levando assim os cromossomas para
os pólos – ascensão polar;

2
Telófase II - Passa-se exactamente o contrário da prófase, ou seja, a cromatina vai descondensar e alongar, o fuso
acromático dissolve-se, a membrana nuclear irá reaparecer dispondo-se à volta dos cromossomas, formando assim dois
núcleos novos;

7. Produção de novas moléculas portadoras de informação genética através da cópia de moléculas já existentes;

8. Fusão do gâmeta masculino com o gâmeta feminino originando uma célula diplóide – o ovo ou zigoto;

9. Cada um dos corpúsculos, de cromatina, que aparecem no núcleo de uma célula, durante a sua divisão;

10. Banda que constitui o cromossoma durante as primeiras fases da divisão celular e que corresponde a cada
uma das duas metades que resultam da divisão longitudinal desse cromossoma;

11. Conjunto dos fenómenos que dizem respeito à evolução formativa dos espermatozóides;

12. Conjunto dos fenómenos da formação e desenvolvimento do ovo;

13. Célula que não apresenta cromossomas homólogos. A sua constituição cromossómica é apresentada por n;

14. Célula que tem cromossomas homólogos. A sua constituição cromossómica é representada por 2n.

3
CONTINUAÇÃO DA CONCLUSÃO

Organismos simples podem reproduzir-se através de divisões simples. Este tipo de reprodução assexuada é
simples e directa e produz organismos geneticamente iguais. A reprodução sexuada por sua vez, envolve uma mistura
de genomas de 2 indivíduos, para produzir um indivíduo que difere geneticamente de seus parentais.
O ciclo reprodutivo sexual envolve a alternância de gerações de células haplóides, com gerações de células
diplóides. A mistura de genomas é realizada pela fusão de células haplóides que formam células diplóides.
Posteriormente, novas células diplóides são geradas quando os descendentes de células diplóides se dividem pelo
processo de meiose.
Com excepção dos cromossomas que determinam o sexo, um núcleo de célula diplóide contém 2 versões
similares de cada cromossoma autossomático, um cromossoma paterno e um cromossoma materno. Estas duas
versões são denominadas de homólogos. Quando o DNA é duplicado pelo processo de replicação, cada um desses
cromossomas é replicado dando origem às cromátides que são então separadas durante a anáfase e migram para os
pólos celulares. Desta maneira cada célula filha recebe uma cópia do cromossoma paterno e uma cópia do cromossoma
materno.
Vimos que a mitose resulta em células com o mesmo número de cromossomas.
A meiose ( meioum = diminuir ) ocorre nas células produtoras de gâmetas. Os gâmetas masculinos e femininos
(espermatozóides e óvulos) que são produzidos nos testículos e ovários, respectivamente, as gónadas femininas e
masculinas.
A meiose é precedida por um período de interfase ( G1, S, G2 ) com eventos semelhantes aos observados na
mitose, mas ainda assim possuem bastantes diferenças como podemos ver pelos seguintes tópicos:

Mitose

• Uma divisão nuclear e uma divisão citoplasmática por ciclo.


• Uma célula-mãe produz duas células-filhas.
• Os conteúdos genéticos das células-filhas são idênticos entre si e também iguais aos da célula- mãe.
• O número de cromossomas das células-filhas é o mesmo que o da célula-mãe.

4
• Os cromossomas não entram em sinapse.
• Não existe permutação entre os cromossomas homólogos.
• Não há formação de quiasmas entre os homólogos.
• Produtos mitóticos geralmente são capazes de sofrer outras divisões mitóticas subsequentes.
• Ocorre normalmente na maioria das células somáticas.

Meiose

• Duas divisões nucleares e duas divisões citoplasmáticas por ciclo.


• Uma célula-mãe produz quatro células-filhas. Os conteúdos genéticos das células-filhas diferem da célula-mãe e
também diferem entre si.
• O número de cromossomas das células-filhas é metade dos da célula-mãe.
• Os cromossomas entram em sinapse.
• Existe permutação entre os cromossomas homólogos.
• Ocorre formação de quiasmas entre os homólogos.
• Produtos meióticos não podem sofrer outra divisão meiótica, embora possam ser submetidos à divisão mitótica.
• Ocorre em células germinativas, em células-mães de esporos e no zigoto de muitas algas e fungos.

Retomando, as espermatogónias e ovogónias, que são células diplóides, sofrem sucessivas divisões mitóticas. As
células filhas dessas células desenvolvem um ciclo celular, e num determinado momento da fase G2 do ciclo celular,
ocorrem alterações que levam as células a entrar em meiose e darem origem a células háploides ou seja células que
possuem a metade do número (n) de cromossomas da espécie. A regulação do processo meiótico inicia-se durante a
fase mitótica, onde observa-se: 1) Período S longo; 2) aumento do volume nuclear.
Experimentalmente demonstra-se que eventos decisivos ocorrem em G2, devido a activação de sítios únicos para
a meiose. Podemos definir assim a meiose, como sendo o processo pelo qual número de cromossomas é reduzido a
metade.
Na meiose, o cromossoma produzido possui apenas a metade do número de cromossomas, ou seja, somente um
cromossoma no lugar de um par de homólogos. O gâmeta é dotado de uma cópia do cromossoma materno ou paterno.
A meiose permite assim a recombinação génica, de tal forma que cada célula diplóide é capaz de formar quatro
células haplóides (três no caso da oogénese) geneticamente diferentes entre si. Isso explica a variabilidade das
espécies de reprodução sexuada.
A meiose conduz à redução do número dos cromossomas para metade. É constituída por duas divisões celulares:
Divisão I e Divisão II.

5
A primeira divisão é a mais complexa, sendo designada divisão reducional. É durante esta divisão que ocorre a
redução para metade do número de cromossomas. Na primeira fase, os cromossomas emparelham-se e trocam
material genético (crossing-over), antes de separar-se em duas células filhas. Cada um dos núcleos destas células filhas
tem só metade do número original de cromossomas. Os dois núcleos resultantes dividem-se na Divisão II, formando
quatro células (três células no caso da oogénese).
Antes do início da Divisão I, dá-se a Interfase. As células passam por um processo semelhante ao que ocorre
durante a intérfase das células somáticas. Os núcleos passam pelo intervalo G1, que precede o período de síntese de
DNA, período S, quando o teor de DNA é duplicado, e pelo intervalo G2.
De seguida procede-se à Divisão I e que é subdividida em quatro fases, denominadas: Prófase I, Metáfase I,
Anáfase I, Telófase I

PRÓFASE I
A Prófase I é de longa duração e muito complexa. Os cromossomas homólogos associam-se formando pares,
ocorrendo permuta (crossing-over) de material genético entre eles.
Vários estágios são definidos durante esta fase: Leptóteno, Zigóteno, Paquíteno, Diplóteno e Diacinese.

Leptóteno
Os cromossomas tornam-se visíveis como delgados fios que começam a condensar-se, mas ainda formam um
denso emaranhado.
Zigóteno
Os cromossomas homólogos começam a combinar-se estreitamente ao longo de toda a sua extensão. O processo
de sinapse é muito preciso.
Paquíteno
Os cromossomas tornam-se bem mais espiralados. Cada par de homólogos aparece como um bivalente (às vezes
denominados tétrade porque contém quatro cromatídios).
Neste estágio ocorre o crossing-over, ou seja, a troca de segmentos homólogos entre cromátidios de um par de
cromossomas homólogos.
Diplóteno
Ocorre o afastamento dos cromossomas homólogos que constituem os bivalentes. Embora exista a separação dos
cromossomas homólogos, os seus centrómeros permanecem intactos, de modo que cada conjunto de cromatídios-irmãs
continue ligado inicialmente. De seguida, os dois homólogos de cada bivalente mantêm-se unidos apenas nos pontos
denominados quiasmas.

6
Diacinese
Neste estágio os cromossomas atingem a condensação máxima.

METÁFASE I
Há o desaparecimento da membrana nuclear. Forma-se um fuso e os cromossomas que formam um par alinham-
se no plano equatorial da célula com os seus centrómeros orientados para pólos diferentes.

ANÁFASE I
Os dois membros de cada bivalente separam-se e os seus respectivos centrómeros com os cromatidíos são
puxados para pólos opostos da célula.
Os bivalentes distribuem-se independentemente uns dos outros e, em consequência, os conjuntos paterno e
materno originais são separados em combinações aleatórias.

TELÓFASE I
Nesta fase os dois conjuntos haplóides de cromossomas agrupam-se nos pólos opostos da célula.

Divisão II
A divisão II tem início nas células resultantes da telófase I, sem que ocorra a Intérfase. A Divisão II também é
constituída por quatro fases:

PRÓFASE II
É bastante simplificada, visto que os cromossomas não perdem a sua condensação durante a Telófase I. Assim,
depois da formação do fuso e do desaparecimento da membrana nuclear, as células resultantes entram logo na
metáfase II.

METÁFASE II
Os 23 cromossomas subdivididos em dois cromatídios unidos por um centrómero prendem-se ao fuso.

ANÁFASE II
Após a divisão dos centrómeros, os cromátidios de cada cromossoma migram para pólos opostos.

7
TELÓFASE II
Forma-se uma membrana nuclear ao redor de cada conjunto de cromátidios.

8
Divisao II Divisao II - telofase