You are on page 1of 9

CASE » Native

Projeto Cana Verde


Parte I – Produção orgânica Native
Processo orgânico de manufatura de açúcar,
A
Organização Balbo e suas empresas

buscando um sistema auto-sustentável buscam explorar o potencial da cana-


de-açúcar e de outros produtos agroin-
de produção de cana-de-açúcar. O dustriais, mediante a busca de tecnologia para
produzir com competitividade, preservando
trabalho tem base na busca pelo potencial a segurança e o meio ambiente.
Fundada em 1946, a Usina Santo Antônio
ecológico e conservacionista desta cultura, marca o início do empreendimento próprio da
família Balbo. Atualmente, a produção desta
desde o preparo de solo para plantio até usina é de 600 mil litros de álcool e 12 mil sa-

o processamento industrial da cana. cas de 50 quilos de açúcar por dia.


A Usina São Francisco também é pioneira
na produção em escala industrial do açúcar
orgânico no Brasil. A produção do açúcar
ORGANIZAÇÃO BALBO EM NÚMEROS orgânico “Native”, segue uma nova filoso-
Fundação 1946 fia que revoluciona os métodos de produção
Usina Santo Antônio – Produção diária açucareira e envolve desde o preparo da terra
Álcool 600 mil litros até a embalagem especial e sua exposição nas
Açúcar 12 mil sacas/50 quilos prateleiras dos supermercados.

2 www.agendasustentavel.com.br
CASE » Native

Um sistema auto-sustentável
de produção A integração da mais avançada
tecnologia disponível com antigas e
tradicionais técnicas naturais de cultivo.
Em 1986, a Usina São Francisco deu início ao Projeto
Cana Verde, cujo objetivo principal era o desenvolvi-
Certificação Orgânica
mento de um sistema auto-sustentável de produção A certificação orgânica é concedida a produtores de ali-
de cana-de-açúcar, baseado na busca da total mani- mentos que realizam processos de produção sem utilização
festação do potencial ecológico e conservacionista de quaisquer defensivos químicos ou fertilizantes minerais
desta cultura. industrializados. Além disso, são requisitos básicos para
Desde o preparo de solo para plantio até o proces- a obtenção da licença que tais processos não alterem o
samento industrial da cana, há a integração da mais equilíbrio ecológico nos campos de cultivo e que a em-
avançada tecnologia disponível com antigas e tradicio- presa exerça impacto social e econômico positivo sobre a
nais técnicas naturais de cultivo. Como resultado dessa comunidade em que atua. A habilitação é, portanto, um
iniciativa, a Usina São Francisco recebeu, em outubro prêmio aos produtores que implantam sistemas de produ-
de 1997, o certificado de produtor orgânico. ção auto-sustentáveis em todos os seus aspectos.

www.agendasustentavel.com.br 3
CASE » Native

O Projeto Cana Verde é certificado por diversos órgãos nacionais e internacionais,


entre as mais respeitadas e rigorosas agências certificadoras do mundo.
FVO (Farm Verified Organic) Dakota do Norte - EUA ECOCERT International França / Alemanha

IFOAM (International Federation of EEC (European Economic Community)


Organic Agriculture Movements)
O sistema de produção agroindustrial é auditado com periodi-
O sistema de produção agroindustrial é auditado com cidade anual, com o objetivo de certificar que não são utiliza-
periodicidade anual, com o objetivo de certificar que dos quaisquer insumos químicos. Além disso, são avaliados os
não são utilizados quaisquer insumos químicos sintéti- impactos ambientais e sociais da empresa sobre a comunidade.
cos do plantio ao empacotamento. Além disso, são ava- Agência credenciada pela Comunidade Européia.
liados os impactos ambientais e sociais da empresa so-
bre a comunidade. Agência credenciada pelo IFOAM.

ICS Japan, Inc. (International IBD - Instituto BioDinâmico - Brasil


Certification Services) Japão
IFOAM - International Federation of
JAS (Japan Agriculture Standards) Organic Agriculture Movements

O sistema de produção agroindustrial é auditorado com perio- O sistema de produção agroindustrial é auditado
dicidade anual, com o objetivo de certificar que não são utiliza- com periodicidade anual, com o objetivo de certifi-
dos quaisquer insumos químicos. Além disso, são avaliados os car que não são utilizados quaisquer insumos quí-
impactos ambientais e sociais da empresa sobre a comunidade. micos sintéticos do plantio ao empacotamento. Além disso,
Agência credenciada pelo Ministério da Agricultura Japonês. são avaliados os impactos ambientais e sociais da empresa
sobre a comunidade. Agência credenciada pelo IFOAM.

KOSHER PARVE BVQI (Bureau Veritas Quality International)

Rabbi M. A. Iliovits Brazilian Kashrus Authority INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia)

O sistema de produção agroindustrial está em O sistema de produção industrial é auditado


conformidade com os preceitos religiosos relati- com periodicidade semestral, com o objeti-
vos aos alimentos que podem ser consumidos pela vo de certificar que o sistema de qualidade da
Comunidade Judaica. Usina São Francisco está dentro dos padrões internacionais
de qualidade regulamentados pela norma ISO-9001. Esta
auditoria é realizada pelo BVQI, agência certificadora reco-
nhecida mundialmente.

Fundação ABRINQ pelos direitos da criança BRACELPA - Associação Brasileira de Celulose e Papel.

A empresa respeita a proibição do trabalho notur- Campanha Papel Cartão


no, perigoso ou insalubre a menores de 18 anos, e
de qualquer trabalho a menores de 16 anos, salvo O selo EMBALAGEM papel cartão - Aprovado pela
na condição de aprendiz, a partir de 14 anos. natureza, tem como objetivo identificar e certi-
A empresa desenvolve ações sociais que benefi- ficar os produtos embalados em papel cartão de
ciam crianças e adolescentes. empresas conscientes de suas responsabilidades
ambientais.

4 www.agendasustentavel.com.br
CASE » Native

A manutenção das certificações dá-se mediante ins-


peções anuais sistemáticas, nas quais todas as etapas
do processo de produção são rigorosamente auditadas
para verificar se há total manutenção da conformidade
PRODUÇÃO Usina São Francisco
com os padrões orgânicos estabelecidos pelos órgãos
certificadores. 7.500 ha de terras com cana-de-açúcar

Sistema de Produção 100% certificadas para produção orgânica

A Usina São Francisco cultiva 7.500 hectares de terras com


cana-de-açúcar, 100% certificadas para produção orgâni- fazendas localizadas na Usina
6.000 ha
ca. Para complementar as necessidades de matéria-prima Santo Antônio, convertidas
orgânica da Usina, 6.000 hectares de onze fazendas loca-
lizadas na Usina Santo Antônio, pertencentes ao mesmo 100% certificadas no sistema orgânico
grupo empresarial, também foram convertidas e 100% cer-
tificadas no sistema orgânico. Resultado dessa medida, os 13.500 ha de canaviais certificados
13.500 hectares de canaviais certificados possibilitam à São
Francisco industrializar toda sua safra organicamente.

www.agendasustentavel.com.br 5
CASE » Native

Sistema de Industrialização
O parque industrial da Usina São Francisco está instalado
em local privilegiado, entre florestas, canaviais e vegetação A cana utilizada pelas usinas é fornecida por
ribeirinha exuberante. mais de 300 produtores autônomos e pela
O processamento industrial adota as mais modernas Agropecuária Tamburi.
técnicas de produção, com ênfase em processos produtivos
ambientalmente seguros e compatíveis com a preservação
dos ecossistemas à sua volta.

Recepção da matéria-prima
A cana utilizada pelas usinas é fornecida por mais de 300
produtores autônomos e pela Agropecuária Tamburi,
empresa do grupo que explora, em regime de parceria,
terras próprias das usinas e de terceiros nos municípios
de Sertãozinho, Ribeirão Preto, Jardinópolis, Dumont,
Barrinha e Jaboticabal.
São 84% de área cultivada com cana-de-açúcar e 16%
com café, outras culturas e reflorestamento. Tanto nas áre-
as de terras próprias como nas de parcerias, destinadas à
lavoura da cana-de-açúcar, são também cultivados cereais
e adubos verdes, em regime de rotação de culturas.
A cana orgânica chega à unidade de processamento
minutos após a colheita, o que preserva integralmente
suas características naturais e o frescor da cana verde vin-
da do campo. A pesagem das cargas inicia um processo
documental que permite a perfeita rastreabilidade da
produção orgânica.
As informações contidas nos documentos relativos à co-
lheita, transporte, pesagem, análise laboratorial e processa-
mento industrial são devidamente registradas num banco
de dados informatizado. Este, por sua vez, alimenta um
sistema que disponibiliza informações precisas e detalha-
das sobre todas as fases do processo de produção, desde o
número do lote dos produtos orgânicos até o histórico dos
campos de produção.
No laboratório de qualidade de cana, amostras da cana
orgânica são analisadas e, então, determinados os parâme- A cana orgânica chega à unidade de
tros relativos à sua qualidade. Devido aos exigentes padrões processamento minutos após a colheita,
quanto à matéria-prima a ser processada, a qualidade da
cana orgânica é continuamente monitorada.
o que preserva integralmente suas
Após analisada, a cana orgânica é descarregada na mesa características naturais e o frescor da cana
de alimentação, que a levará ao sistema de preparo, onde verde vinda do campo.
será desintegrada.

6 www.agendasustentavel.com.br
CASE » Native

Extração do caldo Fabricação do Açúcar


O caldo orgânico é obtido a partir de um processo mecânico O processamento da cana-de-açúcar orgânica, feito em
de moagem, durante o qual é adicionada água potável para instalações industriais de grande porte e de acordo com
embeber a cana preparada e, assim, melhorar o índice de os padrões exigidos, representou um grande desafio téc-
extração de sacarose. Como resultado da moagem de cana nico para as equipes do setor industrial, exigindo muito
crua, obtém-se um caldo de alta pureza. Após a moagem, esforço e criatividade. Equipamentos e processos tiveram
o caldo é filtrado e enviado para a fábrica de açúcar. que ser modificados ou adaptados para permitir a indus-
trialização de produtos orgânicos sem o uso de aditivos ou
produtos químicos.

Devido aos exigentes


padrões quanto à Na fábrica, o caldo orgânico é depositado em tanques
matéria-prima a ser nos quais as impurezas minerais e vegetais são fisica-
processada, a qualidade mente decantadas, sendo posteriormente separadas
do caldo por filtros rotativos a vácuo.
da cana orgânica
é continuamente
monitorada.

O caldo limpo é submetido a um processo de múltipla


evaporação, originando um xarope orgânico com alta
concentração de sacarose. Este xarope é então envia-
do aos cristalizadores a vácuo, onde são formados os
cristais de sacarose. O produto final da cristalização, a
chamada massa orgânica, é composto por cristais de
sacarose e melaço.
www.sxc.hu-Jesuino Souza

Centrifugada, a massa orgânica tem o açúcar sepa-


rado do melaço pelas peneiras das centrífugas. Aqui
obtém-se um melaço orgânico de alta pureza e quali-
dade. O açúcar também é separado nas centrífugas.

O açúcar orgânico é estocado em armazéns espe- Finalmente, o açúcar orgânico é empacotado em em-
cialmente reservados para produtos orgânicos, de balagens de 1, 25, 50 ou 1.000kg. As embalagens uti-
onde pode ser diretamente expedido em containe- lizadas atendem padrões de fabricação e recomenda-
res para transporte marítimo, no caso das expor- ção de reciclagem posterior, de acordo com a filosofia
tações, ou em outros veículos de carga, conforme da produção orgânica. Dessa forma, os impactos no
exigências do cliente. meio ambiente, posteriores à sua utilização ou reci-
clagem, são também os mínimos possíveis.

www.agendasustentavel.com.br 7
CASE » Native

O processo industrial
é continuamente
Controle de monitorado, através de
análises dos produtos
Qualidade gerados ao longo da
cadeia de produção.

O
processo industrial é continuamen-
te monitorado, através de análises dos
produtos gerados ao longo da cadeia de
produção. A Usina São Francisco possui um la-
boratório de qualidade, no qual são processadas
análises de caldo, bagaço, melaço, açúcar, álcool,
entre outras.
No caso do açúcar, os parâmetros de qualida-
de estabelecidos pela especificação são analisa-
dos a cada noventa minutos, sendo emitido um
certificado de qualidade, ao fim da produção
de cada lote.
Outro grande avanço tecnológico implantado
pela Usina São Francisco é a estação de empaco-
tamento, composta totalmente por equipamentos
em aço inoxidável, onde o açúcar orgânico prove-
niente da área industrial (embalado em contêineres
flexíveis de 1.000kg) é envazado em embalagens
de 1kg, 25kg ou até 1.000kg, passando por uma
linha projetada com dispositivos de segurança
(peneira vibratória, filtro magnético, detectores
de metais e sala pressurizada) que garantem um
salto de qualidade sem precedentes para o açúcar
orgânico, melhorando a qualidade do açúcar que
chega aos consumidores.
O amplo programa de qualidade implementado
na Usina São Francisco abrange desde a preparação
comportamental dos funcionários até a atuação
dos grupos de qualidade total, com plena utiliza-
ção das técnicas específicas de qualidade.
A sacarose, ou açúcar da cana, é produzida a
partir do carbono atmosférico e da água, na pre-
sença de luz, pelo processo da fotossíntese, e o fato
de não se utilizar insumos e processos químicos
na sua obtenção, desde o campo até o empacota-
www.sxc.hu-Demián Saborío

mento, sendo o balanço de nutrientes neutro ao


final do ciclo produtivo.

8 www.agendasustentavel.com.br
CASE » Native

Produção de
combustível renovável
A Usina São Francisco também produz álcool (Projeto
Cana Verde – Parte II), combustível automotivo limpo
e renovável, que atualmente representa a única alterna-
tiva mundial viável ao uso de combustíveis fósseis.
O álcool é produzido tanto a partir do caldo pro-
veniente da moagem quanto do melaço resultante da
produção de açúcar. Essas substâncias são submetidas
a um processo de fermentação biológica, cujo produto
final é o mosto fermentado.
A levedura, ou fermento biológico, é então retirada
do mosto por intermédio de centrífugas, obtendo-se o
vinho. Em sua maior parte, a levedura resultante retorna
ao processo de fermentação. Entretanto, uma peque-
na parte é retirada do processo, submetida a secagem
e comercializada como suplemento protéico de alta
qualidade para ração animal. O vinho é encaminhado
para os aparelhos de destilação, onde finalmente é ob-
tido o álcool hidratado.

Todos os equipamentos da Auto-suficiência


estação de empacotamento energética
Auto-suficiente em produção de energia, a Usina
são de aço inoxidável, em São Francisco a obtém de forma limpa e renová-
vel, a partir da combustão do bagaço da cana. As
uma linha projetada com caldeiras produzem vapor, que é convertido em
energias térmica, mecânica e elétrica.
dispositivos de segurança O vapor movimenta um gerador que atende
às necessidades de energia elétrica da Usina,
(peneira vibratória, filtro sendo o excedente comercializado com a dis-
tribuidora de energia elétrica local. Caldeiras
magnético, detectores de de alta eficiência garantem
a queima limpa da biomassa
metais e sala pressurizada) de bagaço, um combustível
altamente desejado hoje em
que garantem um salto de dia por não emitir enxofre
durante sua queima.
qualidade para o produto.

www.agendasustentavel.com.br 9
CASE » Native

Investimentos
O açúcar orgânico “Native” resulta de um trabalho de
pesquisa que exigiu investimentos de US$ 6 milhões.
Esse novo produto do setor sucroalcooleiro no país, o
açúcar orgânico “Native”, resulta de um trabalho de
Resultados
pesquisa que exigiu investimentos de US$ 6 milhões. O trabalho realizado pela usina é o maior empreendimento
Trata-se de uma nova filosofia que revoluciona os mé- de agricultura orgânica do mundo, na atualidade, segundo
todos de produção açucareira, envolvendo desde o pre- os principais órgãos certificadores internacionais. Devido a
paro da terra até a embalagem especial e sua exposição esse trabalho inovador, a São Francisco foi a primeira usina
nas prateleiras dos supermercados. brasileira a receber certificação internacional.
O reconhecimento é da Farm Verified Organic (FVO /

A tecnologia desenvolvida IFOAM), dos Estados Unidos, da EcoCert International,


com sedes na França e na Alemanha, que certifica produtos

pela Organização Balbo para a orgânicos para o continente europeu, e da ICS Japan que
certifica produtos orgânicos para o Japão. O êxito no merca-

produção do açúcar orgânico do mundial foi imediato: em três anos, o açúcar “Native” já
chega a mais de 100 clientes em 24 países.

já está sendo transferida para A tecnologia desenvolvida pela Organização Balbo para a
produção do açúcar orgânico já está sendo transferida para a

a produção de café e soja produção de café e soja orgânicos, vencendo, assim, o desafio
de substituir os agrotóxicos no desenvolvimento dessas duas

orgânicos, vencendo o desafio lavouras. Este trabalho também tem sido acompanhado e
aprovado pelo FVO, pela EcoCert e pela ICS Japan. A pri-

de substituir os agrotóxicos meira colheita de café orgânico ocorreu em 2001.


A Usina Santo Antônio implantou um módulo de pro-

no desenvolvimento dução de soja orgânica de 58 hectares em áreas de rota-


ção com a cana-de-açúcar orgânica. Com o sucesso do

dessas duas lavouras. módulo experimental, a usina está preparada para apri-
morar a produção de soja orgânica em áreas de reforma
de canaviais.

10 www.agendasustentavel.com.br