You are on page 1of 3

Amor de Perdição: a receita clássica do sucesso

*Jorge Henrique Vieira Santos

Século XIX. Tínhamos uma Europa instigada ainda pelos ecos dos ideais da Revolução

Francesa e frustrada pela enorme impossibilidade de realizá-los gerada das atitudes imperialistas de

Napoleão. Um homem comum propenso a evasões e ao sonho (ainda vivo) de igualdade, fraternidade

e liberdade social sufocado por uma realidade contraditória que instaurava o pessimismo diante da

nova ordem estabelecida. Neste cenário conturbado Camilo Castelo Branco publica Amor de

Perdição. A obra obtém sucesso imediato.

Ora, a trama sentimental tem os ingredientes necessários a alentar almas atormentadas.

Vê-se o sofrimento pelo qual passam as personagens em suas peripécias e tem-se a confortável

sensação egoísta de que não se sofre sozinho, de que há outros que também padecem. O homem, de

maneira geral, compraz-se profundamente com a angústia de seu semelhante, que lhe tem sabor

familiar.

Entretanto, o que dá à obra Amor de Perdição um caráter de atemporalidade, ou seja, o

que a lança às nossas atuais perplexidades, causando-nos a impressão de que sua temática, sua trama,

seus personagens não são tão distantes de nossa realidade, não é somente esse seu sentimentalismo

ultra-romântico, mas sua estrutura catártica, a exemplo das tragédias gregas, a exemplo do clássico

Romeu e Julieta.

Concebida numa época de profundas mudanças sociais e políticas em Portugal: a

exploração inglesa, a invasão francesa, a revolução de 1820, a guerra civil (de 1828 a 1834) e o

Movimento de Regeneração, Amor de Perdição mistura paixões, lágrimas, aventura, idealismo e

1
fatalismo num composto trágico que reflete bem o estado de espírito do homem lusitano de então.

Graças à identificação e à conseqüente aceitação alcançada, a obra obteve um sucesso

impressionante.

Muito se deve, contudo, à sua estrutura. A novela segue exatamente a “receita”

aristotélica de tragédia: Possui unidade de ação. O conflito surge pela ruptura de uma estabilidade

que tende para uma solução, no caso, o desentendimento entre as famílias que torna o envolvimento

entre as personagens algo proibido, e faz convergirem todos os esforços para a concretização do ideal

amoroso. Criam-se inúmeras expectativas que são contrariadas à medida que os fatos se desenrolam

(as peripécias), dificultando as possibilidades de solução e criando uma sensação de tensão

progressiva no leitor. Finalmente, ocorre um final trágico que produz o efeito catártico, sem o qual

seria descaracterizada a tragédia, neste caso, a novela. Esse efeito purgador é infalível. Funcionou

nas tragédias gregas, funcionou em Romeu e Julieta e por que não haveria funcionar em Amor de

Perdição?

O homem contemporâneo vive, se não as mesmas angústias e inseguranças, conflitos

talvez bem mais insolúveis que os vividos pelos contemporâneos de Camilo. O homem dos nossos

dias é cercado por uma realidade extremamente competitiva na qual tudo tem um preço e vale pelo

que é, e o pior, não se tem as mesmas oportunidades (luta-se de forma desigual, com armas

desiguais). Seus anseios por igualdade, fraternidade e liberdade tornam-se mais acentuados, mais

necessários, mais impossíveis... Este homem vê diante de si fecharem-se todas as possibilidades de

sucesso e realização pessoal, vive num clima de violência crescente, miséria e absoluta falta de

esperanças, ou melhor, agarra-se a qualquer idéia de alento ou evasão: misticismo, fanatismo,

drogas... Qualquer mecanismo alienante lhe é agradável. Entrega-se às fugas proporcionadas pelas

novelas televisivas (profundamente passionais!), pelos filmes de aventura (em que tudo depende de

um herói puro e valente que salva a mocinha, a pátria, o planeta e, às vezes, a galáxia). Ou seja,

2
extremamente propenso a evasões tal qual o contemporâneo de Camilo Castelo Branco, delicia-se

também na fuga e na catarse proporcionada pela novela camiliana. Seria até pertinente afirmar que

onde houver uma alma atribulada haverá terreno acolhedor a Amor de Perdição.

É óbvio que muito se deve ao aspecto sentimental e à estrutura da obra. O leitor é

envolvido por uma narrativa rápida de tensão progressiva e de poucas digressões. Quando dá conta

de si, mal percebe o caráter absurdo e inverossímil dos sentimentos, levados ao mais alto grau de

exagero, e já se vê propenso a uma afeição condescendente por Mariana, a certa antipatia em relação

às atitudes de Baltasar Coutinho, de Tadeu de Albuquerque e de Domingos Botelho, e a um anseio

irracional por ver juntos Simão e Teresa. Sem dúvida, características que contribuem de maneira

decisiva para Amor de Perdição, ainda em nossos dias, despertar-nos a simpatia e provocar-nos até

admiráveis suspiros.

*Jorge Henrique Vieira Santos


Licenciado em Letras pela Universidade Federal de Sergipe
Especialista em Língua Portuguesa pelo IBEPEX/FACINTER.
Nossa Senhora da Glória-Sergipe-Brasil.