You are on page 1of 293

Orgs.

Adriana Amaral
Raquel Recuero
Sandra Montardo

Blogs.com
Estudos sobre blogs e comunicação

Momento Editorial
1
2
Blogs.com:
estudos sobre blogs e Comunicação
Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Portella Montardo
(Orgs.)

AUTORES

Adriana Amaral Marcelo Träsel


Adriana Braga Maria Clara Aquino
Cláudio Penteado Octávio Islas
Fernando Firmino da Silva Rafael de Paula Aguiar Araújo
Helaine Abreu Rosa Raquel Recuero
Jan Schmidt Rogério Christofoletti
Juliana Escobar Rosa Meire C. de Oliveira
Leonardo Foletto Sandra Portella Montardo
Marcelo dos Santos

AGRADECIMENTOS
As autoras gostariam de agradecer a todos os colegas, amigos e familiares
que, de alguma forma, nos apoiaram durante todas as etapas de produção,
elaboração e organização desta obra, que surge a partir da confluência de
nossos desejos e do cruzamento de idéias entre nossos distintos projetos de
pesquisa, assim como à intensa colaboração e discussão com os nossos alu-
nos e às instituições em que trabalhamos. Também é com muita honra que
agradecemos aos colegas André Lemos e Henrique Antoun pelo prefácio e
pósfácio, respectivamente; ao tradutor, Fábio Fernandes, pela colaboração; a
Sergio Amadeu, que acreditou na proposta; à organização do Campus Party e
a Murilo Machado. Também somos agradecidas à leitura atenta e às revisões
gramaticais de Ana Maria Montardo. Uma atenção especial vai para Fabrício
Castro, Henrique Weber, Liliana Passerino, Márcia Benetti, Paula Puhl, Ricar-
do Araújo, Roberto Tietzmann e Suely Fragoso pela interlocução e o apoio
dado a este livro.

3
Conteúdo licenciado pelo Creative Commons para Uso Não Comercial (by-nc, 2.5). Esta
li­cença permite que outros remixem, adaptem, e criem obras derivadas sobre sua obra
sen­do vedado o uso com fins comerciais. As novas obras devem conter menção a você
nos créditos e também não podem ser usadas com fins comerciais, porém as obras de­
rivadas não precisam ser licenciadas sob os mesmos termos desta licença.

Revisão e Diagramação
Murilo Bansi Machado

Capa
Fabricio Gorpo

  
          B 612           Blogs.Com: estudos sobre blogs  e comunicação./
Adriana Amaral, Raquel Recuero, Sandra Montardo
(orgs.)- São Paulo: Momento Editorial, 2009.
               
                 ISBN 978-85-62080-02-9
                
                1. Comunicação  2. Web – Internet – Blogs  3.
Jornalismo      4. Sociabilidade I.Amaral, Adriana II. Recuero,
Raquel   III. Montardo, Sandra.
                
      
                                                                         CDD- (21ed.)302.23
          
Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca José Geraldo Vieira

Este livro está disponível para download em:


http://www.sobreblogs.com.br

Momento Editorial
Rua da Consolação, 222 - Consolação - CEP 01302-000 - São Paulo/SP
momento@momentoeditorial.com.br - www.arede.inf.br
Fone: (11) 3124-7444
4
Sumário

Prefácio
André Lemos | 07

Introdução
As organizadoras | 21

SEÇÃO I – BLOGS: DEFINIÇÕES, TIPOLOGIAS E


METODOLOGIAS

Blogs: mapeando um objeto


Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Portella Montardo | 27

Ciberespaço e a escrita de si na contemporaneidade:


repete o velho, o novo blog?
Rosa Meire Carvalho de Oliveira | 55

Teoria e método na análise de um blog: o caso Mothern.


Adriana Braga | 75

A vitória de Pirro dos blogs: ubiqüidade e dispersão


conceitual na web
Marcelo Träsel | 93

Práticas de blogging na blogosfera em língua alemã:


resultados da pesquisa “Wie ich blogge?!”
Jan Schmidt | 109

5
SEÇÃO II – USOS E APROPRIAÇÕES DE BLOGS

O movimento Cansei na blogosfera: o debate


nos blogs de política
Cláudio Penteado, Marcelo dos Santos e Rafael Araújo | 135

Contribuição dos blogs e avanços tecnológicos


na melhoria da educação
Helaine Abreu Rosa e Octávio Islas | 161

Pedagogia dos blogs: posts sobre o uso da


ferramenta no ensino de jornalismo
Rogério Christofoletti | 179

Blogosfera X Campo Jornalístico: aproximação


e conseqüências
Leonardo Foletto | 199

Blogs como nova categoria de webjornalismo


Juliana Escobar | 217

Os blogs na web 2.0: publicação e organização


coletiva de informação
Maria Clara Aquino | 237

Moblogs e microblogs: jornalismo e mobilidade


Fernando Firmino da Silva 257

Posfácio: os blogs e seu além


Henrique Antoun | 277

Sobre os autores
Sobre as organizadoras | 287
Sobre os convidados | 288
Sobre os participantes | 289
Sobre o tradutor | 292

6
André Lemos

Prefácio

N
ada melhor para escrever um prefácio sobre o livro BLOGS.
COM: estudos sobre blogs e Comunicação, organizado por
Adriana Ama­ral, Raquel Recuero e Sandra Montardo, do que
pegar como ins­piração textos de um... Blog. E, mais ainda, colocá-lo
em forma de um post em um blog. Propus às autoras publicar este
prefácio como um post do meu Carnet de Notes, retomando e ampliando
algumas infor­mações e reflexões feitas aqui sobre esse tema. Com
espírito de aber­tura, coragem e ousadia, elas toparam. Este prefácio
é, assim, o que indica a palavra em sua etimologia: prae-fatia (“falado
antes”), ou prae-factum (“feito antes”), já que está publicado aqui no
Carnet antes mes­mo de o livro estar em formato papel e disponível nas
livrarias. É um pre­fácio que não está, ainda, acoplado à materialidade
do livro, ser­vindo, no entanto, como uma fala anterior que pretende
explicar o fe­nô­meno dos blogs e a importância do livro, indicando por
que os lei­to­res devem lê-lo. Agradeço, assim, às organizadoras por
permitir que este prefácio de um livro sobre blogs esteja, antes de tudo,
em um blog!

7
A experiência

Quando comecei o Carnet de Notes, quase não havia blogs aca­


dêmicos no Brasil, e muito menos na área de Comunicação. Muitos
co­legas me desestimularam, dizendo que eu não iria atualizá-lo, que
era uma moda passageira, que ninguém o leria e que logo eu per­
deria o interesse. Erraram feio. Para mim, o blog se tornou algo quoti­
diano, a meio caminho entre um caderno de notas pessoal e um ar­
quivo profissional. Comecei os primeiros posts em março de 2001 e
os mantenho quase que diariamente. Penso no blog durante o meu
dia-a-dia e ele se tornou um espaço para lançar idéias e fornecer infor­
mações, servindo como um observatório sobre minha pesquisa atual
e como catálogo de meus projetos, livros, artigos e ensaios. Adiciono
citações do dia no Jaiku, mensagens rápidas no Twitter, fotos do Flickr,
ví­deos do YouTube, informes sobre minha localização em tempo real
com Loki e Plazes... Considero este Carnet de Notes parte da minha
pro­dução acadêmica como pesquisador e professor universitário. De
fato, ele é um espaço de expressão e de contato com outros, um prazer
con­cretizado e compartilhado em palavras, imagens e informações.
Ele é a minha casa no ciberespaço, um texto aberto, indefinidamente
in­completo, a ser escrito a cada dia.
E não estou só. Os blogs são, junto com os games, os chats
e os softwares sociais, um dos fenômenos mais populares da ciber­
cultura. Eles constituem hoje uma realidade em muitas áreas, criando
si­nergias e reconfigurações na indústria cultural, na política, no entre­
tenimento, nas redes de sociabilidade, nas artes. Os blogs são criados
para os mais diversos fins, refletindo um desejo reprimido pela cultura
de massa: o de ser ator na emissão, na produção de conteúdo e na
partilha de experiências. E, embora o Carnet não seja um blog sobre
blogs, grande parte das minhas fontes de informação são blogs e muito
da minha reflexão gira em torno deles.

8
A cultura de massa criou o “consumo para todos”. A nova cultura
“pós-massiva” cria, para o desespero dos intermediários, daqueles que
detêm o poder de controle e de todos os que usam o corporativismo
para barrar a criatividade que vem de fora, uma “isegonia”, igualdade
de palavra para todos. Os blogs refletem a liberação do pólo da
emis­­são característico da cibercultura. Agora, todos podem (com
mínimos recursos) produzir e circular informação sem pedir autori­za­
ção ou o aval a quem quer que seja (barões das indústrias culturais,
intelligentsia, governos...). O fenômeno dos blogs ilustra bem essa cul­
tura pós-massiva que tem na liberação do pólo da emissão, na co­
nexão telemática e na reconfiguração da indústria cultural seus pilares
fundamentais (ver meus últimos artigos).

Post It...

O fenômeno comemorou sua primeira década no final de 2007. O


termo “blog” vem de “weblog”, contração de “web” e “log”, criado por
John Barger com o seu pioneiro Robot Wisdon em 17 de dezembro de
1997. Em matéria da Wired de dezembro de 2007, Barger dá 10 dicas
para novos blogueiros. Acho algumas dicas inúteis, mas as replico
aqui algumas pela importância histórica do personagem. Para Barger,
o melhor período dos blogs (como sempre, o melhor é o que passou!)
foi em 1998-1999. Imaginem, logo quando ninguém usava, escrevia ou
sabia o que isso significava ou significaria. Aí vão algumas dicas:

- A true weblog is a log of all the URLs you want to save or


share. (So del.icio.us is actually better for blogging than
blogger.com.).
- You can certainly include links to your original thoughts,
posted elsewhere / but if you have more original posts
than links, you probably need to learn some humility.

9
- If you spend a little time searching before you post, you
can probably find your idea well articulated elsewhere
already.
- Always include some adjective describing your own
reaction to the linked page (great, useful, imaginative,
clever, etc.).
- Credit the source that led you to it, so your readers have
the option of “moving upstream”.
- Re-post your favorite links from time to time, for people
who missed them the first time”.

O post do Écrans de dezembro de 2007, festejando esse aniver­


sário, pergunta a alguns blogueiros como eles definem os blogs. Vejam
algumas pérolas respondendo a pergunta “o que é um blog?”:

- Une feuille blanche. Quotidienne. Addictive., Nicolas


Voisin, du blog Politic Show
- Un blog, c’est comme un très très gros mégaphone,
pour dire n’importe quoi, mais à plein de gens d’un coup.
Pénélope Jolicoeur, du blog Pénélope Jolicoeur
- Un blog est un lieu où le personnel va chercher
l’universel. Concrètement, on fait semblant de parler de
soi pour mieux toucher les autres. Maïa Mazaurette, du
blog Sexactu
- Une façon de trier et développer quelques idées, de les
partager et de les enrichir au contact d’amis fidèles mais
qu’on n’a pourtant jamais rencontré. Eric Viennot, du blog
Y’a pas que les jeux vidéo dans la vie !
- La mise en application concrète et heureuse de
la sérendipité: on y trouve des choses ou des gens
passionnants, qui vous bousculent, de manière imprévue,
en cherchant autre chose, voire en ne cherchant rien du
tout. Nicolas Vanbremeersch, du blog Versac
- Personnellement c’est ma mémoire, mes marques
pages, mes archives personnelles (qui deviennent donc
publiques)... Etienne Mineur, du blog Etienne_mineur

10
Para mostrar que esse não é um fenômeno menor, forneço alguns
dados para compreender a sua amplitude. Em dezembro de 2007,
Technorati contava 112 milhões de blogs. A cada dia, são criados mais
de 175 mil novos e produzidos 1,6 milhões de posts (cerca de 18 por
se­­gundo). Últimos dados do State of the Blogsphere de 2006 indicavam
que o número de blogs dobra a cada 5,5 meses e que um blog é criado a
cada segundo todo dia. Em relação ao Brasil, estima-se que há entre 3
a 6 milhões de blogueiros/blogs e 9 milhões de usuários (as estatísticas
variam muito em fontes como Ibobe/NetRatings, Intel, entre outras), o
que corresponde a quase metade dos internautas ativos no país. Nos
EUA, por exemplo, 64% dos adolescentes participam de alguma forma
de criação de conteúdo on-line. Os blogs são mantidos por 28% deles,
e 39% disponibilizam e compartilham suas próprias criações artísticas
on-line (fotos, vídeos, textos, etc.). Os dados são de um estudo de
2006 realizado pelo Pew Internet & American Life Project. Matéria do
Estadão On-line aposta que, em 2012, 25% do conteúdo da internet
será criado pelos próprios usuários. Essa é uma das diferenças entre
as mídias de função massiva e as mídias de função pós-massiva. Se­
gundo a pesquisa, “...as pessoas terão um desejo genuíno não só de
criar e compartilhar seu próprio conteúdo, como também de fazer re­
mixagens e mashups, e passá-los adiante em seus grupos – numa
forma de mídia social colaborativa (...)”. Artigo do francês Telerama
de fevereiro de 2008 informava que os blogs ultrapassaram o jornal
The New York Times como fonte para busca das informações mais im­
portantes da atualidade. Segundo o Telerama:

Sur quatre des cinq sujets retenus par les journalistes de


l’Associated Press - exceptée la crise des subprimes -,
les blogs sont remontés plus hauts que le New York Times
dans la page de résultat. Un bémol cependant: la position
dans le classement Google varie selon le nombre de liens
qui pointent vers votre page. On a donc bien mesuré...

11
la popularité des blogs eux-mêmes! Vont-ils pour autant
supplanter les sites de presse traditionnels? Rien n’est
encore joué

A web 2.0 (blogs, microblogs, podcasts, wiki...) permite ainda


agregar mapas, fotos, vídeos e mobilidade aos blogs. Há sistemas que
per­­mitem enviar vídeo ao vivo do celular para um blog, como por exem­
plo Flixwagon ou QIK. Novos sistemas, como Seero, possibilitam o envio
de vídeo e áudio, ao vivo, com localização em mapas digitais, direto do
ce­lular. Essas novas experiências revelam a ancoragem nos “espaços
de lugar”, criando a possibilidade de testemunho de acontecimentos,
im­portantes ou banais, ao vivo, de troca de informações para reforço
co­munitário e para a gestão do tempo e do espaço no quotidiano. Post
do Digital Urban de abril de 2008 explica o sistema:

(...) Seero breaks new ground by being the first platform


to allow its users to broadcast live and on-location
through Google Earth. Viewers can load Seero’s global
KML feed in GEarth and see the GPS positioning of each
broadcaster along with their live video feed. Justin Cutillo,
Seero’s CEO, describes the new feature: “the end goal is
to utilize Google Earth and Seero’s broadcasting platform
to create an accurate and dynamic representation of
what’s happening in the world and where it’s taking place.
It really is one of the moments that you have to take a look
at the demo, sit back and then think how amazing is the
ability to stream your location, video and sound live to a
blog, Google Map or Google Earth. (...)

Política e ativismo

Questões de censura, política e ativismo estão diretamente


relacionadas aos blogs. Muitos países reprimem blogueiros e cen­

12
suram blogs, revelando que a liberação da emissão tem uma forte
conexão política. Dar voz a todos (liberação da emissão), permitir o
compartilhamento e a troca de informações (conexão) são poderosas
ferramentas políticas de transformação da vida social (reconfiguração).
Vou citar alguns exemplos. Post do Global Voices Online de janeiro
de 2008 trazia em destaque a brutal condenação de jornalista à morte
por circular um texto encontrado em blog iraniano sobre direito das
mulheres e religião:

The Afghan Association Blog Writers (Afghan Penlog),


a community established by a group of Afghan activist
bloggers, has expressed deep concern for a young
journalist Sayed Parwiz Kambakhsh who was condemned
to death by a local court. He has been a reporter for Jahan-e
Naw (New World) weekly and a student of journalism
at Balkh University. According to Afghan Penlog and
international media, Parwez Kambakhsh was detained by
the authorities on October 27, 2007 for downloading and
distributing an article that he found on an Iranian weblog
to friends. It spoke of women’s rights Equal-Pay-No-Way,
the Quran and the Prophet Mohammed. A local court in
northern Afghanistan in Mazar-e Sharif has convicted him
to death for the alleged blasphemy.

Ainda no Global Voices, post de março de 2008 chamava a aten­


ção sobre a intensa atividade da blogosfera na atual crise do Tibet:

Just looking for any word from bloggers in the Lhasa


area on what the situation is there as of Friday local
time; The unrest coincides with the 49th anniversary of
the Tibetan people’s unsuccessful uprising against the
PRC occupation of the former theocracy, and comes the
day after what was being called the worldwide Tibetan
people’s uprising was stopped at the Indian border.
Updates will be added here as further blog posts are

13
found. The Time China blog brings us one European
tourist’s writing, photos and video from Lhasa earlier this
week.

Matéria da Folha Online de novembro de 2007 informava sobre


ação de blogueiros contra a tortura no Egito, organizando um festival
de filmes sobre o tema:

Os blogueiros egípcios, muito ativos no combate às


vio­lações dos direitos humanos em seu país, querem
realizar na internet um festival de vídeo de torturas. O
concurso seria realizado em paralelo ao 31º Festival de
cinema do Cairo, informou a imprensa da capital egípcia
nesta terça-feira. Entre os prêmios da competição estão
Chicote de Ouro. Idealizado por um blogueiro chamado
Walid, “este projeto de festival paralelo exibirá imagens
polêmicas de tortura que teriam sido cometidas pelos
serviços de segurança”, explicou o jornal egípcio de
língua inglesa The Egyptian Mail. Os blogueiros egípcios
revelaram muitos casos de supostas torturas cometidas
por policiais, entre os quais atos de sodomia praticados
contra um prisioneiro com um bastão. A cena, filmada
com um telefone celular, foi amplamente divulgada na
internet, gerando críticas entre os defensores dos direitos
humanos e levando à prisão dois policiais (...).

O telefone celular tem sido um instrumento potente na mão dos


blo­gueiros. Por exemplo, SMS e blogs são usados para coordenar pro­
testos no Paquistão, criando formas autônomas e rápidas de organizar
manifestações políticas. Vejam trechos do post do Mobile Active de
no­vembro de 2007:

14
Bloggers, activists and organizers in Pakistan are using
SMS - short test messages - to coordinate protests and
send updates on the political situation since Pakistani
President Pervez Musharraf imposed martial law on
November 3. Only 12% of Pakistanis have access to the
internet (...) Bloggers in Pakistan report that November
3 had the “highest number” of SMS messages sent -- an
average of about 10 per mobile phone.(...) The Aurat
Foundation, a women’s rights organization in Islamabad,
has organized an SMS center to organize protests
and send political updates. Members of the network
“decided to circulate their message of protest through text
messages and work towards the restoration of human
rights, the judicial system and the removal of the media
blackout amongst other issues”. (...) “Recently with help
from a number of brilliant technologists around the globe
we have enabled LIVE SMS-2-BLOG services allowing
citizen reporters in Pakistan to directly update this blog by
sending this blog, readers shall now be given live updates
from the field as it happens”.

O novo fenômeno dos microblogs, como Jaiku e Twitter, permite


um contato mais direto com pessoas de interesses similares. Um post
do Rue 89 de novembro de 2007 analisava os microblogs, as redes
so­ciais e as tecnologias móveis como novas formas de comunicação
que poderão, em um futuro próximo, desbancar o e-mail... Ao menos
para a geração mais jovem. Isso mostra como o e-mail está associado
a formas de comunicação “sedentárias”, e como os microblogs e SMS
ga­nham terreno por serem mais rápidos, telegráficos, permitindo o en­
vio em mobilidade. Vejam trechos da matéria do Rue 89:

(...) Je me suis cependant résolu à l’idée que le succès de


tous ces autres outils vient du fait que l’e-mail n’est pas
parfait. Les messages instantanés, les SMS, les blogs
et les micro-blogs, les profils sur les sites de réseaux
sociaux compensent les défauts de l’e-mail. (...) plus que

15
l’e-mail, tous ces moyens de communication instantanée
reproduisent les interactions habituelles des enfants dans
la rue ou dans leurs chambres. L’e-mail, en comparaison,
peut sembler guindé et laborieux. Ecrire demande de la
méthode et du temps, l’e-mail est plus proche de la lettre
que de la conversation. Même son temps de diffusion,
à peine quelques secondes, est considéré comme
terriblement lent (...).

O uso dos blogs é tão intenso que outro post do Rue 89 de abril
de 2008 – que apareceu agora, no momento em que estou escrevendo
esse prefácio – aponta para a angústia do blogueiro diante da tela
bran­ca, do estresse que a atividade quotidiana cria (mais uma!). Vejam
abaixo alguns depoimentos:

- Je me sens, par exemple, obligée d’alimenter le blog


même quand je n’ai pas vraiment le temps (ou des idées
de billets). Sinon, les emails commencent à arriver de
lecteurs me demandant si tout va bien.
- Parfois, j’écris un texte tard le soir, en rentrant d’un dîner
qui s’est prolongé. Je me défoule, je balance tout ce que
j’ai accumulé dans la journée. C’est une catharsis. Le
lendemain matin, je me précipite avec angoisse devant
mon écran et je découvre avec consternation ce que j’ai
écrit la veille.
- Ma seule souffrance est de ne pas rédiger assez et de
me sentir coupable quand je vois les assez nombreuses
connections de gens qui viennent vérifier si j’ai du
nouveau alors que je n’ai rien fait.

Blogosfera? Leiam o livro!

Os exemplos são inúmeros e aparecem a cada dia. A blogosfera


não pára de crescer e me sinto orgulhoso de participar dela, lá se vão

16
sete anos. Como compreender esse fenômeno sócio-comunicacional
de impacto planetário? Os blogs se transformam não só em um objeto
fundamental de pesquisa para as ciências sociais, mas também em
um poderoso instrumento pedagógico. Vários acadêmicos, e me in­cluo
aqui, usam os blogs para lançar idéias e colher comentários; para criar
ambiente de discussão que amplia a sala de aula e permite aos alunos
trocar idéias, adicionar comentários; como memória de pesquisa; como
obra de arte... Os usos e os tipos são inúmeros e crescem a cada dia.
Não é, como me diziam alguns há sete anos, um fenômeno me­
nor, passageiro, mas sim um verdadeiro sintoma da cibercultura e do
desejo de conexão e comunicação permanente. Isso não significa fim
de conflitos e problemas. Como mediar o debate sem centralizar o po­
der? Como criar mecanismos de confiabilidade nas informações e nos
co­mentários sem implementar regimes corporativos esclerosados?
Como cri­­ar qualidade e tirar o joio do trigo nessa polifonia planetária?
Não há respostas simples para essas questões.
O jogo está aberto. O desafio é achar uma saída criativa que evite
o pensamento binário e simplório que, por um lado, insiste entre a “me­
diação” clássica (dos pares, dos editores, dos sábios) e, por outro, no
populismo pobre que dá voz a todos sem hierarquias de valo­res. A
riqueza da cibercultura está na criação de ferramentas que potencia­
lizam a pluralidade e a democratização da emissão. Mas tudo é virtual
e só o debate político poderá atualizar essa dádiva. O atual estado de
tensão e complementaridade entre os sistemas massivos e pós-mas­
sivos deve amadurecer.
A vida social tira proveito dessa tensão. As pessoas convivem com
esse duplo sistema sem muita dificuldade: elas vêem TV e acessam
a internet, baixam podcasts e ouvem rádios, lêem críticas dos experts
em veículos massivos e acessam blogs de “pessoas comuns” ao re­
dor do globo. A reconfiguração da cibercultura criou um ambiente mais
rico, já que hoje, como usuários, temos mais opções de escolha de in­-

17
formação e, pela primeira vez, podemos publicar e distribuir, de
forma planetária, conteúdo em forma de áudio, texto, foto, vídeo. E,
com os no­vos dispositivos sem fio, em mobilidade.
O fenômeno dos blogs merece ser estudado, debatido e visua­
lizado em todas as suas facetas. O livro que está em suas mãos tem
o mérito de abordar esse fenômeno por todos os ângulos, com ri­gor e
competência. Os artigos tratam de temas fundamentais para a compre­
ensão da blogosfera e são uma contribuição importante para as ciê­
ncias sociais e a para comunicação em particular. O livro é útil tanto
para acadêmicos como para o público em geral.
As organizadoras Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Mon­
tardo, estudiosas do fenômeno e blogueiras de primeira linha, compa­
nheiras de debates em congressos e, claro, em blogs e microblogs,
divi­dem o livro em duas seções que guiam o leitor para o que inte­
ressa: uma perspectiva epistemológica, tentando situar os blogs como
objeto de pesquisa científica (“seção 1 - definições, tipologias e meto­
dologias”), e uma outra socio-antropológica, dando ênfase aos usos
e apropriações da ferramenta (“seção 2 – uso e apropriações”). No
seu conjunto, o livro trata de questões conceituais, históricas, políticas,
sociológicas, jornalísticas, subjetivas, educacionais, dando um quadro
bastante completo do fenômeno, já nascendo como uma referência
para professores, pesquisadores e alunos de Comunicação e das Ciê­
ncias Sociais como um todo.
Gostaria de ressaltar também o cuidado em recuperar não só uma
bibliografia internacional (o que todos fazem), mas de prestar atenção
e dar o merecido valor aos autores nacionais, aos papers apresentados
em congressos e aos artigos e livros publicados no país por autores
brasileiros. As organizadoras e os respectivos autores mostram que,
às ve­zes, “santos de casa” fazem milagres sim!
Devemos, assim, louvar a iniciativa e congratular os(as) auto­
res(as) pela excelente contribuição acadêmica para a análise desse

18
fe­nômeno vivo que cresce diante dos nossos olhos. Cabe ao lei­tor des­
cobrir. Espero que o livro possa alimentar e criar mais blogs, que os lei­
tores possam postar suas opiniões, críticas e sugestões para que pos­
samos conhecer e circular os novos conhecimento gera­­do pelo livro.


Montreal, abril de 2008

19
20
Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Portella Montardo

Introdução

A presente coletânea surgiu de um projeto e de uma inquietação


teórica comum às autoras: a pesquisa sobre blogs, seus usos e apro­
priações no ciberespaço, a partir de perspectivas teórico­metodológicas
diferentes e olhares que se aproximam e se distanciam. Nos últimos,
anos o número de investigações sobre esse objeto da comunicação
mediada por computador cresceu exponencialmente tanto no exterior
quanto no Brasil. Apesar disso, até o momento, não existe nenhuma
coletânea de artigos em língua portuguesa que trate da diversidade e
da riqueza epistemológica proporcionada por essa ferramenta de pu­
blicação na web.
Há, até o presente momento em que organizamos este livro, um
total de onze dissertações de mestrado e uma tese de doutorado sobre
blogs1 no Banco de Teses e Dissertações da CAPES2 (esses dados
só contemplam até o ano de 2005), sem contar que, após essa data,
foram localizadas mais três dissertações e uma tese que descobrimos
nos sites dos programas de Pós­Graduação em Comunicação.3 Temos,
assim, um total de dezesseis dissertações e teses (de 2002 em diante),
o que indica um interesse crescente pelo tema.
1 Incluímos aqui todas as teses e dissertações, incluindo as áreas de Letras, Psicologia e História.
Dentre esses produtos, especificamente produzidos no campo da Comunicação, há quatro disserta­
ções e uma tese.
2 Disponível em: http://servicos.capes.gov.br/capesdw. Acesso em 13/09/2008.
3 Concentramo­nos apenas nos programas da área de Comunicação por ser a área­base desse livro.

21
Dentro da mesma lógica, percebemos o aumento de eventos aca­
dêmicos específicos sobre o tema, como o BlogTalk4 – que acontece
desde 2003 –, o ICWSM, International Conference on Weblogs and
Social Media5 – que acontece desde 2004 – e o Encontro Nacional
e Luso­Galaico sobre Weblogs,6 que ocorre anualmente em Portugal.
No Brasil, o evento Blogs: Redes Sociais e Comunicação Digital, ocor­
rido em duas edições na Feevale, em 2007, e, em 2008, reuniu pes­
quisadores em grupos de trabalho e palestras. Este livro é reflexo
da pluralidade de teorias e metodologias a respeito do objeto blog.
Partimos de uma divulgação de call for papers para o livro em nossos
blogs pessoais e em listas como a da Aoir (Association of Internet
Researchers),7 Compós (Lista de discussão da Associação Nacional
dos Programas de Pós­Graduação em Comunicação),8 a da ABCiber9
(Lista de discussão da Associação Brasileira de Pesquisadores em Ci­
bercultura) e a da Cibercultura10 (Lista de discussão sobre Cibercultura
da UFBA), entre outras.
Ao todo, recebemos 24 artigos, todos inéditos, de pesquisadores
de vários lugares e instituições do Brasil11 e do exterior, dos quais, por
questões de critério editorial, tivemos que optar por apenas 12. Quan­
do observados em conjunto, os textos ofereciam uma miríade de con­
ceitos e de definições de blogs, bem como diferentes interpretações
quanto a seu histórico. Provavelmente, isso se deve à falta de um
consenso sobre os blogs, que, paradoxalmente, são consistentes en­
quanto suporte de comunicação mediada por computador e, por isso,
4 http://blogtalk.net/. Acesso em 13/09/2008.
5 http://www.icwsm.org/2009/index.shtml. Acesso em 13/09/2008.
6 http://shire.icicom.up.pt/3encontro/index.php. Acesso em 13/09/2008.
7 Disponível em: http://listserv.aoir.org/listinfo.cgi/air­l­aoir.org.
8 Disponível em: http://groups.yahoo.com/group/Compos.
9 Disponível em: http://tech.groups.yahoo.com/group/associacao_cibercultura.
10 Disponível em: http://www.listas.ufba.br/mailman/listinfo/cibercultura. Acesso em 14/09/2008.
11 Uma questão interessante observada ao longo da organização do livro, está no fato de que uma
boa parte dos pesquisadores que tratam do objeto blog, possuírem um; seja ele de uso pessoal
ou acadêmico. A lista de blogueiros pesquisadores em comunicação do Brasil elaborada por Ro­
gério Christofoletti nos apresenta mais de 100 links (disponível em http://monitorando.wordpress.
com/2007/07/30/lista­de­pesquisadores­blogueiros), que na seqüência criou uma lista similar incluin­
do os portugueses (disponível em http://monitorando.wordpress.com/2007/09/09/lista­lusofona­de­
blogs­de­pesquisadores­em­comunicacao).

22
resistiram ao desafio da obsolescência tecnológica e são relativamente
recentes como objeto de estudo. Como resultado desse quadro, tem­
se a fragmentação das tentativas de sua sistematização formal em
vários campos de estudo.
Percebe­se, com isso, a versatilidade do blog em ser apropriado
para as mais variadas tarefas como a principal justificativa para a sua
surpreendente permanência na web depois de mais de uma década de
seu surgimento. Deve­se concordar que dez anos é uma eternidade
quando se trata de tecnologia web. Porém, essa longevidade torna­se
compreensível quando combinada com a necessidade de socialização
do ser humano. Quanto a isso, ainda que se entenda a impossibilidade
de tomar a materialidade de uma tecnologia isoladamente de seus
usos, observa­se que estes últimos se oferecem em um espectro mais
diverso do que as alterações tecnológicas dos blogs nesse período.
Por isso, optamos por abrir este livro com uma retomada do his­
tórico dos blogs, seguida de uma discussão conceitual a respeito dos
mesmos, como estratégia de leitura para acolher os diversos pontos
de vista presentes nos artigos selecionados. Essa decisão deve ser
entendida não como a ilusão de sermos definitivas sobre o tema, mas
com o propósito de um alinhamento histórico e conceitual do estudo
sobre blogs no marco de seus primeiros dez anos de existência.
Dividimos a obra em duas seções. A primeira delas concentra
os artigos que tratam do objeto a partir de conceitualizações, sejam
elas histórico­diacrônicas ou estruturais, antropológicas, discursivas,
sociológicas, entre outras, além de propostas de tipologias e de me­
todologias para o seu estudo empírico e a constituição da chamada
blogosfera. Observa­se o estado da arte da pesquisa sobre blogs e
análises de como eles representam a escrita de si e até mesmo como
elemento “despersonalizado” e voltado meramente para as questões
mercadológicas nos contextos publicitários e de marketing. A questão
do feminino nos blogs e o estado da blogosfera alemã também estão
presentes nessa primeira parte.

23
Já na segunda seção, predominam as práticas, usos e apropriações
dos blogs, sejam eles da ordem do ativismo político, da educação, do
jornalismo e no que se refere à busca e organização das informações.
Discussões como as aplicações dos blogs no contexto da web 2.0 e
as relações com as tecnologias móveis encerram esse panorama, do
qual emerge um amplo espectro de questões, como mudanças nas
rotinas de produção jornalísticas, relações e práticas de sociabilidade,
subjetividade, afetos e construções de identidade e gênero, analisadas
sob um prisma comunicacional.
De forma alguma, os textos que estão nesta coletânea apresentam­
se como definitivos, mas nos dão algumas pistas sobre a compreensão
do objeto blog como um importante elemento no amplo universo de fe­
nômenos emergentes da cibercultura. Por fim, gostaríamos de indicar
que as discussões aqui iniciadas podem se desdobrar na web através
do blog do livro, disponível em http://www.sobreblogs.com.br.

As organizadoras,
Setembro de 2008

24
SEÇÃO I

BLOGS:
definições, tipologias e metodologias

25
26
Adriana Amaral, Raquel Recuero e Sandra Portella Montardo

Blogs:
mapeando um objeto

A idéia de organizar um livro sobre blogs no Brasil partiu da cons­


tatação de que aqui ainda não tínhamos uma publicação que fosse, ao
mesmo tempo, específica sobre o tema e que contemplasse, se não
todos, muitos dos aspectos que caracterizam sua abrangência. Esses
aspectos podem ser observados em termos das diferentes abordagens
dispensadas aos blogs como objeto de pesquisa que, por sua vez, em
parte, estão estreitamente ligados aos usos que se faz destes.
Este capítulo faz parte de uma estratégia de definição do objeto
em questão. Os blogs são tratados, pelos autores deste livro, dos mais
diversos pontos de vista e fundamentações teóricas. Para preparar
estas leituras, mapeamos os estudos sobre blogs neste capítulo ini­
cial. Buscamos, assim, apontar caminhos para a pesquisa com essa
ferramenta. Iniciaremos com uma breve história do termo, seguida por
uma discussão em torno dos conceitos de blogs mais utilizados. De­
pois, descreveremos alguns dos aspectos mais freqüentes na literatura
especializada e mapearemos algumas das várias vertentes de estudos
a respeito do tema no Brasil e no mundo.
Para auxiliar este capítulo, e, para ser lido como ferramenta ane­
xa, construímos, paralelamente e de forma colaborativa, um índice de
artigos escritos sobre blogs no Brasil. Tal arquivo1 visa também servir
1 Disponível em http://pontomidia.com.br/wiki/doku.php?id=blogbrasil. Acesso em 10/01/2008.

27
como guia e mostrar um pouco daquilo que já foi produzido sobre o
assunto no país, além de auxiliar no mapeamento realizado neste
capítulo.

Um breve histórico dos blogs

O termo “weblog” foi primeiramente usado por Jorn Barger, em


1997, para referir­se a um conjunto de sites que “colecionavam” e di­
vulgavam links interessantes na web (Blood, 2000), como o seu Robot
Wisdom. Daí o termo “web” + “log” (arquivo web), que foi usado por
Jorn para descrever a atividade de “logging the web”. Naquela época,
os weblogs eram poucos e quase nada diferenciados de um site co­
mum na web. Talvez por conta dessa semelhança, autores como David
Winer2 considerem como o primeiro weblog o primeiro site da web,3
mantido por Tim Berners­Lee, no CERN. O site tinha como função
apontar todos os novos sites que eram colocados no ar.
Foi, no entanto, o surgimento das ferramentas de publicação que
alavancou os weblogs. Em 1999, a Pitas lançou a primeira ferramenta
de manutenção de sites via web, seguida, no mesmo ano, pela Pyra,
que lançou o Blogger. Esses sistemas proporcionaram uma maior faci­
lidade na publicação e manutenção dos sites, que não mais exigiam
o conhecimento da linguagem HTML e, por isso, passaram a ser rapi­
damente adotados e apropriados para os mais diversos usos. Além
disso, a posterior agregação da ferramenta de comentários aos blogs
também foi fundamental para a popularização do sistema.
Ainda em 1999, Cameron Barrett, do Camworld, escreveu um
dos primeiros ensaios a respeito do formato, denominado “Anatomia
de um weblog” (Blood, 2000). Outros fatos que popularizaram os
blogs foram tanto a escolha de “weblog” como a palavra do ano pelo
2 http://oldweblogscomblog.scripting.com/historyOfWeblogs. Acesso em 12/01/2008.
3 http://info.cern.ch, Acesso em 12/01/2008.

28
Merriam-Webster`s Dictionnary, em 2004, com a compra do Blogger
pelo Google no mesmo ano, o que pode ser percebido como indícios
da consagração dos blogs na época.
Uma das primeiras apropriações que rapidamente se seguiu à
popularização dos blogs foi o uso como diários pessoais, documentado
por vários autores (vide Carvalho, 2000; Lemos, 2002; Rocha, 2003;
Miura e Yamashita, 2007). Esses blogs eram utilizados como espa­
ços de expressão pessoal, publicação de relatos, experiências e
pensamentos do autor. Ainda hoje, o uso do blog como um diário pes­
soal é apontado por muitos autores como o mais popular uso da fer­
ramenta (vide, por exemplo, Oliveira, 2002; Herring, Scheidt, et al.,
2005; Schmidt, 2007).
Feitas essas breves considerações sobre a origem dos blogs e
seus primeiros desdobramentos, importa analisar e problematizar as
definições e os conceitos referentes a essa ferramenta. O próximo item
trata desse ponto.

Definições e Conceitos de blogs

Por conta desses usos tão variados, os blogs foram inicialmente


definidos como uma ferramenta de publicação que constituía um for­
mato muito particular. Essa definição, que chamaremos de estrutural,
foi baseada na estrutura da publicação resultante do uso do blog e
é bastante comum. Blood (2002), por exemplo, explica que o que os
vários usos têm em comum é o formato, constituído pelos textos colo­
cados no topo da página e freqüentemente atualizados, bem como a
possibilidade de uma lista de links apontando para sites similares. Tal
percepção vai constituir um blog como uma estrutura característica em
um website. Schmidt (2007) explica que blogs são:

29
Websites freqüentemente atualizados onde o conteúdo
(texto, fotos, arquivos de som, etc) são postados em
uma base regular e posicionados em ordem cronológica
reversa. Os leitores quase sempre possuem a opção
de comentar em qualquer postagem individual, que são
identificados com uma URL única.4

A quantidade de elementos da definição é variada. Nem todos


os autores referem­se à ferramenta de comentários como essencial à
definição de um blog, por exemplo. Uma definição mais popular é aquela
que aponta para o blog a partir da presença de textos organizados
por ordem cronológica reversa, datados e atualizados com alguma
freqüência (Herring, Kouper, Scheidt e Wright, 2004; Blood, 2002;
Nardi, Schiano e Gumbrecht, 2004). O critério da freqüência também
é igualmente discutido. Blood (2002) pergunta­se quanto um site deva
ser atualizado para que se constitua em um weblog. Do mesmo modo,
poderíamos perguntar se um blog que deixa de ser atualizado, apesar
de persistir existindo na web, deixa de ser um blog. Talvez por conta
dessa discussão, diversos autores optem por simplificar ao máximo a
concepção da estrutura de um blog. Gilmor (2004), por exemplo, foca
a estrutura apenas a partir da presença de links e dos textos curtos
(posts) publicados em ordem cronológica reversa. Barbosa (2003) pro­
põe, através do conceito estrutural ainda, a visão do blog como uma
ferramenta que facilita a publicação pessoal, anexando à estrutura o
caráter da pessoalidade.
Outro grupo de autores defende o conceito que chamaremos fun­
cional. Esses autores vêem os weblogs a partir de sua função primária
como meio de comunicação (por exemplo, vide Pedersen e Macafee,
2007). Marlow (2004), outro exemplo, considera weblogs uma mídia,
que difere das demais pelo seu caráter social, expresso através do seu
4 Tradução das Autoras: “frequently updated websites where content (text, pictures, sound files, etc.)
is posted on a regular basis and displayed in reverse chronological order. Readers often have the
option to comment on any individual posting, which is identified by a unique URL” (Schmidt, 2007).
Disponível em: http://jcmc.indiana.edu/vol12/issue4/schmidt.html. Acesso em 04/02/2008.

30
caráter conversacional tanto dos textos publicados quanto pelas fer­
ramentas anexadas e que hoje são características dos sistemas, como
os comentários. “Weblogs constituem uma conversação massivamente
descentralizada onde milhões de autores escrevem para a sua própria
audiência” (Marlow, 2004:3).5 Para esses autores, o blog é mais do que
uma ferramenta de publicação caracterizada pelo seu formato: é uma
ferramenta de comunicação, que é utilizada como forma de publicar
informações para uma audiência.
Em ambas as definições, vemos a noção do blog como uma fer­
ramenta capaz de gerar uma estrutura característica, constituída en­
quanto mídia, ou seja, enquanto ferramenta de comunicação mediada
pelo computador. A percepção do blog como ferramenta é, no entanto,
propositalmente genérica, pois objetiva abranger todos os usos que al­
guém pode fazer do sistema, que são classificados como gêneros por
diversos autores.
Uma outra definição conceitual sobre os blogs tende a compreendê­
los como artefatos culturais (Shah, 2005). Essa percepção, advinda
de um olhar antropológico e etnográfico, “representa a oportunidade de
uma aproximação do contexto sócio­histórico de apropriação dos arte­
fatos tecnológicos a partir do olhar subjetivo dos próprios atores que
inter­atuam com as TICs”6 (Espinosa, 2007:272).

Um artefato cultural, para evitar qualquer confusão,


pode ser claramente definido como um repositório
vivo de significados compartilhados produzido por
uma comunidade de idéias.7 Um artefato cultural é
um símbolo de comunhão (no sentido não­violento,
não religioso da palavra). Um artefato cultural se torna
infinitamente mutável e gera muitas auto­referências
5 Tradução das Autoras: “Weblogs are a massively decentralized conversation where millions of
authors write for their own audience” (Marlow, 2004:3).
6 Tradução das Autoras: “representa la oportunidad de un acercamiento al contexto socio­histórico
de apropiación de los artefactos tecnológicos, desde la mirada subjetivada de los propios actores que
interactúan con las TIC (Espinosa, 2007:272).
7 Grifo do texto original.

31
e narrativas mutuamente definidoras mais do que cria
uma narrativa mestra linear. (…) [sua legitimação se dá]
pelas práticas vividas das pessoas que os criaram (Shah,
2005).8

Segundo o autor, que estudou os usos e apropriações dos blogs


de pornografia pelas mulheres indianas, as motivações dos blogueiros
podem revelar muito da própria significação da ferramenta: “Blogs,
se observados enquanto artefatos culturais, podem revelar diferentes
idéias de por que as pessoas blogam e quais são os motivos do meio
– ciberespaço – que eles herdaram”9 (Shah, 2005).
Essas três opções conceituais auxiliam­nos a compreender como
os weblogs são, atualmente, compreendidos pela literatura especia­
lizada. Como artefatos culturais, eles são apropriados pelos usuários e
constituídos através de marcações e motivações. Além disso, perceber
os blogs como artefatos indica também a sua percepção como virtual
settlement (Jones, 1997), uma vez que são eles o repositório das mar­
cações culturais de determinados grupos e populações no ciberespaço,
nos quais é possível, também, recuperar seus traçados culturais. Como
meios de comunicação, os weblogs são compreendidos por meio de
sua função comunicativa e dos elementos que dela decorrem. A pró­
pria Rebecca Blood (2002), em uma das primeiras obras a respeito dos
blogs, explica que a apropriação deles focou o uso do sistema também
como forma de conversação. A percepção dos blogs como espaços
de sociabilidade, como constituintes de redes sociais, está presente
nessa vertente. Blogs como meios de comunicação implicam também

8 Tradução das Autoras: “A cultural artefact, to avoid any confusion, can be clearly defined as a
living repository of shared meanings produced by a community of ideas. A cultural artefact is a
symbol of communal (in the non­violent, non­religious sense of the word) belonging and possession.
A cultural artefact becomes infinitely mutable and generates many self­referencing and mutually de­
fining narratives rather than creating a master linear narrative but by the lived practices of the people
who create it” (Shah, 2005). Disponível em: http://www.cut­up.com/news/detail.php?sid=413. Acesso
em 05.09.2007.
9 Tradução das Autoras: “Blogs, if looked upon as cultural artefacts, can reveal different ideas as to
why people blog and what are the motifs of the medium – cyberspace ­ that they inherit” (Shah, 2005).

32
sua visibilidade enquanto meios de práticas jornalísticas, seja através
de relatos opinativos, seja através de relatos informativos. No conceito
estrutural, por outro lado, permite apreender­se o blog enquanto for­
mato, abrindo­se para múltiplos usos e apropriações.
Em busca de uma maior clarificação do blog como objeto de pes­
quisa, discutiremos, a seguir, alguns dos elementos mais focados pela
literatura a seu respeito.

A questão da personalização

Efimova e Hendrick (2005) discutem a questão da definição es­


trutural dizendo que, apesar de definidos a partir de sua estrutura,
os autores dos blogs também especificam o que faz de um blog uma
forma diferenciada de publicação na web. Essa característica é apon­
tada pelos autores como voltada para a personalização do espaço do
blog. No mesmo sentido, Trammell e Keshelashvili (2005), apesar de
reconhecer que o blog é, muitas vezes, definido a partir de sua es­
trutura, discutem que, a partir de sua vocação midiática, o blog é uma
personalização de seu autor que é expressa a partir de suas escolhas
de publicação.
Assim, apesar de não podermos considerar os blogs unicamente
como diários pessoais, há, em sua apropriação, um forte elemento de
personalização. Blood (2000) aponta, por exemplo, que mesmo os
blogs originais, que compreendiam sites focados em links eram, de
alguma forma, personalizados. “Cada um era uma mistura em propor­
ções únicas de links, comentários ensaios e pensamentos pessoais”.10
Efimova e Hendrick (2005), por outro lado, explicam que os blogs são
formas de publicação que fortalecem a expressão individual em pú­

10 Tradução das autoras: “Each was a mixture in unique proportions of links, commentary, and per­
sonal thoughts and essays”. (Blood, 2000). Disponível em: http://rebeccablood.net/essays/weblog_
history.html. Acesso em 04/03/2008.

33
blico. Essa expressão individual é tomada como uma qualidade da
apropriação: blogs são pessoais. Eles permitem que as pessoas ex­
pressem opiniões, construam textos individualísticos e proporcionem
um “espaço pessoal protegido” (Gumbrecht, 2004). Nesse sentido,
Efimova e Hendrick (2005) apontam para o fato de que blogs são
formas de publicação diferenciadas porque se tornam uma forma de
apropriação do ciberespaço como modo de expressar a identidade de
seus autores.

Weblogs estão se tornando de forma cada vez


maior, nas identidades on­line de seus autores. A
maioria dos weblogs não são formais, sem face,
sites corporativos ou fontes de notícias: eles são
autorais por indivíduos (conhecidos como blo­
gueiros), e percebidos como ‘vozes pessoais não­
editadas.11

Os autores compreendem que os blogs, mesmo aqueles que


não têm como característica a expressão da opinião do autor, são
personalizados. “Até mesmo weblogs que não passam de uma co­
leção de links e de comentários curtos dizem algo sobre os seus au­
tores” (Efimova e Hendrick, 2005).12 Essa percepção do blog como
um espaço que é imbuído da personalidade de seu autor é bastante
recorrente na literatura. Rocha (2003) aponta o blog como um espaço
de expressão dos sentimentos, que poderia ser percebido como outra
forma de constituição da personalização. Blogs, assim, não são apenas
ferramentas caracterizadas pelo seu produto: são formas de publicação
apropriadas pelos seus usuários como formas de expressão.
Mesmo os blogs que não são especificamente opinativos con­
11 Tradução das autoras: “Weblogs are increasingly becoming the on­line identities of their authors.
Most weblogs are not formal, faceless, corporate sites or news sources: they are authored by individu­
als (known as webloggers or bloggers), and perceived as ‘unedited personal voices’” (Efimova e Hen­
drick, 2005:2). Disponível em: https://doc.telin.nl/dscgi/ds.py/Get/File­46041. Acesso em 20/01/2006.
12 Tradução das autoras: “Even weblogs that are little more than collections of links and short com­
mentaries say something about their authors” (Efimova e Hendrick, 2005:2).

34
têm na sua escolha de links, de textos para publicar etc., seu autor
espelhado nessas escolhas. A partir da compreensão do blog como
um espaço pessoal, ele é também compreendido como uma escrita
íntima (Schttine, 2004; Silva, 2006) e um espaço de narrativa de si
(Lemos, 2002, Carvalho, 2002; Sibilia, 2003, 2004; Herring, Scheidt,
Bonus e Wright, 2004). Essa narrativa é constituída diante de um es­
paço público, um espaço de vigilância (Sibilia, 2004; Bruno, 2005).
Essa vigilância, compreendida como a consciência da observação do
weblog como espaço pessoal e da construção das impressões que o
blogueiro deseja expor para sua audiência, também são aspectos do
estudo da personalização dos weblogs.
Conforme aponta o estudo de Amaral e Quadros (2006), a relação
blogueiros­audiência e a visibilidade do autor do blog podem gerar
“conflitos semelhantes aos enfrentados por artistas e/ou pessoas que
ganham notoriedade, aqui relacionados à cobertura da prensa rosa
e aos comentários anônimos enviados aos blogs”, além de distúrbios
nas comunidades blogueiras e webrings (Recuero, 2003), gerados por
trolls13 e cyberstalkers, em práticas de xingamentos e flamming,14 na
tentativa de legitimação de sua participação no debate online (Donath,
1999). A questão da audiência também está presente na análise do
papel dos lurkers – os que visitam um determinado blog, mas não co­
mentam ou participam – elaborada por Ferreira e Vieira (2008).

Estudos sobre usos dos blogs

Independentemente de os blogs serem interpretados sob um viés


estrutural, funcional ou como artefato cultural, eles consistem em su­
13 “Os trolls constituem tanto uma persona que causa distúrbio às relações sociais como podem, a
partir de suas acusações, gerar debates que garantem a participação de um maior número de partici­
pantes, assim como podem atrair ainda mais trolls” (Amaral e Quadros, 2006). Disponível em: http://
www.razonypalabra.org.mx/anteriores/n53/amaralquadros.html. Acesso em 02/02/2008.
14 “Flamming
“ é o ato de postar mensagens que são deliberadamente hostis e insultos, usualmen­
te no contexto social de um grupo de discussão (geralmente na internet)”. Disponível em: http://
en.wikipedia.org/wiki/Flaming. Acesso: 08/01/2006.

35
portes para a comunicação mediada por computador, ou seja, permitem
a socialização on­line de acordo com os mais variados interesses. O
caráter fragmentário dos estudos sobre blogs se reflete no fato de que
a maioria das publicações sobre blogs os trata a partir de abordagens
específicas e tem sido feita sob forma de artigos.
Há, também, as coletâneas de artigos sobre o tema ou livros que
levantam questões gerais sobre blogs. Exemplos desse tipo de publi­
cação têm sido lançados recentemente e muitas delas, como se po­
de notar, apelam para a alteração que os blogs impingem às comu­
nicações, enfatizando­se o aspecto “revolucionário” dos blogs e de
seus usos em seus títulos. Em 2002, Blood e outros autores participam
da coletânea We’ve Got blog: how weblogs are changing our culture.
Já Biz Stone é autor de Who let the blogs out?: A hyperconnected peek
at the world of weblogs, publicado em 2004. Blog! How the newest
media revolutions is changing Politics, Business and Culture, de Kline
et al., foi lançado em 2005 nos Estados Unidos. Axel Bruns e Joanne
Jacobs, que atuam na Austrália, lançaram, em 2006, Uses of blogs,
reunindo vinte e dois artigos sobre a ferramenta. No mesmo ano e
com o mesmo propósito, José Luis Orihuela lança La revolución de los
blogs na Espanha. Também em 2006, mas em Portugal, foi lançado
Blogs e a fragmentação do espaço público de Catarina Rodrigues,15
que traz um apanhado geral sobre as características da ferramenta,
porém enfatizando os usos jornalísticos e participativos. Já em 2007,
Orihuela se junta a outros (Orduna, Alonso, Antunes, Varela) e lança em
português Blogs: revolucionando os meios de comunicação, cuja ên­
fase é dada ao jornalismo participativo e ao uso empresarial dos blogs.
Outra tradução lançada em 2007 no Brasil é Blog: entenda a revolução
que vai mudar o seu mundo, do norte­americano Hugh Hewitt.
Outro aspecto decorrente da apropriação dos blogs como fer­
ramenta de comunicação é a constituição de estruturas sociais.
15 O livro também está disponível em: http://www.labcom.ubi.pt/livroslabcom/pdfs/rodrigues­catarina­
blogs­fragmentacao­espaco­publico.pdf. Acesso em 22/02/2008.

36
Compreendendo os blogs como ferramentas de comunicação e, con­
seqüentemente, de interação social, diversos autores vão analisar
os blogs a partir das redes sociais constituídas através das trocas de
comentários e links, percebidos como interação social (Ali­Hasan e
Adamic, 2007; Marlow, 2006; Mishne e Glance, 2006; Recuero, 2003).
Weblogs, assim, são ferramentas de publicação que possuem tam­
bém um impacto social, auxiliando na construção de estruturas sociais
por meio das trocas de comentários (Mishne e Glance, 2006) e con­
versações (Efimova e De Moor, 2005). Essas trocas de links entre blo­
gueiros, que podem acontecer nos comentários, nos blogrolls e mes­
mo nos textos das postagens, são frequentemente analisadas como
conversação (Efimova e De Moor, 2005; Primo e Smaniotto, 2005).
Essas conversações podem, assim, ser indicativos de capital social,
de comunidades virtuais (Herring et al., 2005; Merelo­Geurvos, Prieto,
Rateb, e Tricas, 2004) e webrings (Recuero, 2003) etc.
Pesquisas têm sistematicamente apontado para o fato de os
weblogs valorizarem bastante os comentários recebidos e que essa
presença pode ser fundamental para que se continue a postar (Miura e
Yamashita, 2007; Nardi et al., 2004). Esses apontamentos podem mos­
trar que os comentários são elementos significativos da cultura dos
blogs, e que são, se não essenciais, muito importantes como elementos
de motivação para os blogueiros e fundamentais como ferramentas de
interação social.
O estudo dos blogs como constituintes de estruturas sociais
também engloba o estudo dos fluxos de informação nesses sistemas.
A troca de links entre blogueiros pode construir blogs muito populares,
cuja divulgação de informações impacta a rede. Esses estudos também
focam nos usos dos blogs como ferramentas de publicação e os tipos
de informação que são trabalhados entre os blogueiros.
Adar e Adamic (2005) e Gruhl et al. (2004), por exemplo, procu­
raram compreender como os padrões de linkagem poderiam auxiliar

37
na previsão do caminho do fluxo de informação. Ali­Hasan e Adamic
(2007) e Kumar et. al. (2003) mostraram que os blogueiros estão fre­
qüentemente envolvidos em grupos pequenos em que leitores e co­
mentadores dividem interesses similares. Muitos dos estudos dos flu­
xos de informação estão também relacionados com a propagação de
memes16 (Adar et al., 2004; Halavais, 2004), ou seja, a propagação de
pequenos pedaços de informação blog a blog. O estudo dos fluxos de
informação também é direcionado a partir dos estudos de motivações
dos blogueiros na publicação das informações (Nardi et al., 2004).
Já as relações entre blogs e jornalismo no Brasil encontram­se
entre as mais profícuas nos estudos sobre blogs. Talvez devido a isso,
a maioria dos artigos recebidos para publicação deste livro se ateve
a essa relação. Sobre a discussão a respeito de produção, edição e
distribuição de notícias em blogs e suas conseqüências, bem como
sobre aspectos discursivos da mesma, ver Matheson (2004), Singer
(2005), Garnieri (2006), Christofolleti e Laux (2006), Quadros, Vieira e
Rosa (2005), Quadros e Sponholz (2006), Cunha (2006, 2008), Primo
e Träsel (2006), Storch (2007), Escobar (2006) e Vieira (2007).
Sob o enfoque do jornalismo, também foram feitos estudos sobre
coberturas de guerra. Destes, pode­se destacar Recuero (2003), que
tratou dos blogs na Guerra do Iraque. Em 2005, foi publicado Baghdad
burning: girl blog from Iraq, de autoria de Riverbend. O livro consiste
no testemunho de uma jovem também na zona de Guerra do Iraque
durante sua ocupação pelos Estados Unidos e ganhou um importante
prêmio de Jornalismo Literário (Lettre Ulisses Award). Matthew Burden
lançou The blog of war: front-line dispatches from soldiers in Iraq and
Afghanistan em 2006. Especificamente sobre a Guerra do Afeganistão,
foi lançado, em 2007, Captains blog: the chronicles of my afghan va-
cation, por Mark Bromwich. O livro traz as postagens feitas por um
soldado no Afeganistão em um blog. Ainda que não tenha sido feita
16 O conceito de “meme” foi cunhado por Richard Dawkins em seu livro “O gene egoísta”. Para o
autor, o meme é análogo ao gene e propaga­se mente e mente.

38
por um jornalista, esse blog tem a função de informar sobre o mundo
da guerra.
Os blogs de guerra são percebidos por Perlmutter (2008) como um
novo campo de batalha político. Dentro dessa esfera, Aldé e Chagas
(2005) e Aldé, Chagas e Escobar (2007) investigam as questões po­
líticas nos blogs jornalísticos. Os blogs como espaço de discussão
política são o tema de Davis (2005) e Bahnisch (2006) e também foram
abordados, de uma perspectiva de rede, por Adamic e Glance (2005),
que estudaram os blogs nas eleições americanas de 2004. Bolaño e
Brittos (2008) realizaram uma abordagem dos blogs brasileiros nas
eleições de 2006, mas a partir da perspectiva teórico­metodológica da
economia política da Comunicação.
Outra área bastante profícua é a da utilização dos blogs pelas
organizações. Nesse sentido, pode­se indicar, no mínimo, três tipos
de usos de blogs. Um é o que se dá com fins institucionais, sendo
que uma variedade de práticas pode ser empreendida com o que se
convencionou chamar de blogs corporativos. Segundo Cipriani (2006),
os blogs corporativos permitem uma maior interatividade e insta­
ntaneidade na comunicação da organização com os públicos interno
(colaboradores, acionistas) e externo (fornecedores, clientes finais,
possíveis investidores) da organização. Pode­se dizer que o objetivo do
blog em todas as suas aplicações é possibilitar o diálogo mais informal
entre a organização e o seu público, conferindo transparência a essa
relação (Cipriani, 2006; Scoble e Israel, 2006; Efimova e Grudin, 2007;
Terra, 2008).
Um segundo tipo é o que atende a fins promocionais das orga­
nizações, como a utilização dos blogs como método de pesquisa mer­
cadológica junto ao público e a criação de blogs para promover deter­
minados produtos e serviços como, por exemplo, a ação de marketing
viral em blogs. Gardner (2005), Wright (2005), Bly (2007), Jennings
(2007) e Brown (2008) são referências importantes quanto a essa
abordagem.

39
Finalmente, o terceiro foco de análise dessa área é aquele que
busca na proliferação dos blogs uma oportunidade de tomá­los como
objetos de percepção e análise de risco para imagem das organiza­
ções, com a elaboração de ontologias em torno do negócio do ou das
áreas de interesse do cliente. Sabe­se que uma busca mais eficiente
do que a dos motores de busca convencionais permite o rápido acesso
sobre o que está sendo dito em blogs a respeito das organizações e,
conseqüentemente, possibilita a tomada de decisão por parte desta.
Sobre esse tema, ver Carvalho et al. (2006), cuja pesquisa está em
andamento. No mesmo sentido, mas não necessariamente com o
mesmo método, encontra­se a contribuição de Berkman (2008) intitu­
lada The art of strategic listening: finding market intelligence in blogs
and social media.
Já foram apontados anteriormente estudos relativos ao padrão de
linkagem entre blogs, de distribuição de informação nos mesmos, bem
como de questões referentes à formação de comunidades virtuais em
blogs. Cabe ressaltar agora algumas aplicações deste último campo
de estudos. Alguns estudos privilegiam aspectos sócio­demográficos
na blogosfera, com destaque para questões de gênero e de idade dos
blogueiros (Pedersen, Macafee, 2007; Schler et al., 2005; Nowson,
Oberlander, 2006; Schmidt, 2007; Herring, Scheidt e Wright, 2004;
Huffaker e Calver, 2005).
As questões de gênero e de identidade em blogs também sur­
gem sob a perspectiva dos Estudos Culturais, das mediações e das
interações simbólicas (Herring, Scheidt e Wright, 2004; Herring et al.
2005; Hawkins, 2005; Gregg, 2006; Braga, 2004, 2007a, 2008; entre
outros). We are iran: the persian blogs, de Nasrin Alavi (2005), chama
a atenção de estudo para a questão da identidade. Nota­se que as
práticas subculturais são terreno fértil para serem examinadas em
blogs. Ainda que enfatizando a perspectiva das redes sociais, Recuero
(2005) apresentou estudo sobre as redes formadas a partir de comu­

40
nidades de blogs pró­anorexia e pró­bulimia. Hodkinson (2006) analisa
a comunicação e a sociabilidade da subcultura gótica na blogosfera
inglesa; Ferreira, Vieira e Rigo (2007) descrevem os usos dos blogs
dos EMOs brasileiros em seu discurso e visual; Amaral (2007b) co­
menta sobre as práticas de blogagem da subcultura electro­industrial
associadas a outras plataformas de distribuição de música. Mesmo
dentro do âmbito dos que analisam a blogosfera netpornográfica
(Shah, 2005; Messina, 2006; Amaral, 2007a; Jakubowski, 2008a,
2008b) há distinções. Um uso apontado por Vieira (2006) descreve
a representação da vida das pessoas que morreram e tiveram seus
blogs atualizados por membros da família e amigos.
O cruzamento entre blogs e literatura aparece nas pesquisas
de Prange (2002), Fernandes (2005), Paz­Soldan (2005), Cortes­Her­
nandéz (2006), Di Luccio e Nicolaci­da­Costa (2007), Casciari (2007) e
Vidal, Azevedo e Aranha (2008).
Outros usos analisados apontam para os blogs como forma hí­
brida de entretenimento, divulgação de informação e de marketing,
como no caso dos blogs de música (Jennings, 2007), blogs de moda
(Amaral, Ferreira e Vieira, 2007; Ferreira, 2007) e o blog mesmo como
ferramenta produtora de moda (Ferreira e Vieira, 2007).
Uma outra vertente mostra como a utilização de blogs por Pes­
soas com Necessidades Especiais (PNE) vem crescendo. Quanto
às possibilidades tecnológicas apresentadas pelos blogs para o desen­
volvimento dessas pessoas a partir da socialização, bem como suas
limitações em função da falta de acessibilidade dessas ferramentas,
vale destacar Goggin e Noonan (2006) e Bez, Montardo e Passerino
(2008). A socialização on­line em blogs de familiares de PNE, que
neles discutem sobre tratamentos, angústias e vitórias na educação de
seus filhos, pode ser vista em Montardo e Passerino (2008).
Também são freqüentes as investigações sobre a utilização dos
blogs em Educação. Já entre os primeiros trabalhos publicados so­

41
bre usos de blogs no Brasil, por exemplo, encontram­se estudos que
estabelecem essa relação (Barbosa, 2003; Gutierrez, 2003, por exem­
plo). De maneira geral, os estudos tomam os blogs na sua dimensão
pedagógica, como um instrumento no Ensino Básico, Médio e Superior.
Em Penrod (2007), Piontek (2008), Richardson (2006), Farmer (2006),
Burgess (2006), Gutierrez (2005) e Hendron (2008) encontram­se
questões relativas a esse aspecto em diferentes acepções. Já os blogs
como espaço de discussão acadêmica e divulgação científica são o
objeto de estudo de Halavais (2006) e Walker (2006).
Embora não ancorado em uma perspectiva pedagógica, mas sim
sociológica, Gomes (2007) traz os blogs como pano de fundo para a
questão do conhecimento e da complexidade.
Na direção da articulação entre blogs e tecnologias móveis, de­
stacam­se os estudos de Lemos e Novas (2005), Pellanda (2005, 2006)
e Silva (2007a, 2007b). Tais trabalhos atentam para a construção dos
blogs como espaços móveis, que podem ser acessados e constituídos
independentemente do espaço físico e que podem, ainda, auxiliar nas
reconstruções desses espaços.
Outro ponto fundamental quanto à investigação sobre blogs é
a metodologia utilizada para sua apreensão como objeto de estudo.
Sobre diferentes aplicações nesse sentido, a próxima seção indica
algumas abordagens pertinentes.

Metodologias para o estudo dos blogs

Devido à complexidade e amplitude do fenômeno, as questões de


ordem metodológica na condução de investigação sobre blogs também
têm aparecido constantemente nos debates acadêmicos. Uma variada
gama de propostas metodológicas destaca­se nos estudos, como em
Blumenthal (2005), que apresenta o uso de uma metodologia “open
source”; Boyd (2006), que indica uma metodologia de cunho reflexivo;

42
e mesmo através da aplicação de ferramentas como o Google
PageRank (Kirchhoff, Bruns, Nicolai, 2007). Um rastreamento e a aná­
lise de algumas metodologias mais utilizadas foram levantadas por
Quadros (2007).
Uma perspectiva utilizada por muitos autores é a netnografia
(Hine, 2000, 2005; Kozinets, 2002, 2007), como uma adaptação do
método etnográfico para os ambientes on­line. Em seu mais recente
artigo, Kozinets (2007) inclui os blogs como uma rica ferramenta para
a aplicação do método, principalmente ligado às questões dos perfis
de consumo. Os usos da netnografia aparecem no estudo de blogs de
Montardo e Passerino (2006) e de Braga (2007). No mesmo sentido,
tem­se a abordagem do blog em si problematizado como diário de
campo ou ferramenta etnográfica (Ward, 2006), assim como o blog
do próprio pesquisador compreendido como narrativa autonetnográfica
(Amaral, 2008). Outra metodologia bastante utilizada é a Análise de
Redes Sociais (Recuero, 2006; Benkenstein, Montardo e Passerino,
2007; Ali­Hasan e Adamic, 2005; Adamic e Glance, 2006, entre outros).
Dentro dessa abordagem, estudam­se as redes compostas em blogs
através de seus comentários e/ou conexões e observam­se as carac­
terísticas estruturais e dinâmicas dessas redes. A partir desses ele­
mentos, estudam­se as características dos laços e capital sociais
(Recuero, 2004).
Ao término desse capítulo, pode­se dizer que é na diversidade
de apropriações que os blogs suscitam que reside a sua permanência
como ferramenta de socialização on­line e como objeto de estudo na
web depois de dez anos de existência. Frente a isso, projeta­se que
o incremento dos blogs quanto à mobilidade e os novos formatos de
micro­conteúdos (Pownce,17 Twitter,18 Jaiku19), já em curso, tendem a
continuar dinamizando os usos dos blogs e a inspirar novas investi­
gações sobre os mesmos.
17 http://pownce.com.
18 http://twitter.com.
19 http://jaiku.com.

43
Referências
ADAMIC, L.; GLANCE, N. “The political blogosphere and the 2004 US election:
Divided they blog”. (2005). Disponível em: http://www.blogpulse.com/papers/2005/
AdamicGlanceBlogWWW.pdf. Acesso em 14/01/2008.

ADAR, E.; ZHANG, L.; ADAMIC, L. A.; LUKOSE, R. M. “Implicit structure and the
dynamics of blogspace. HP Information Dynamics Lab”. (2004). Disponível em: http://
www.hpl.hp.com/research/idl/papers/blogs/index.html. Acesso em 04/01/2008.

ALAVI, N. We are iran: The Persian Blogs. Paperback, 2005.

ALDÉ, A.; CHAGAS, V. “Blog de política e identidade jornalística: transformações na


autoridade cognitiva e na relação entre jornal e leitor”. Anais do XXVIII Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: UERJ, 2005. Disponível em
CD­Rom.

ALDÉ, A.; CHAGAS, V.; ESCOBAR, J. “A febre dos blogs de política”. Revista Famecos,
v.1, n.33, p. 29­40, Porto Alegre, agosto de 2007.

ALI­HASAN, N.; ADAMIC, L. “Expressing social relationships on the blog through links
and comments”. In: ICWSM2007, Boulder, CO. Disponível em: http://www.icwsm.org/
papers/paper19.html. Acesso em 25/02/2008.

ALONSO, J.; ORDUNA, O.; ORIHUELA, J., et al. Blogs: revolucionando os meios de
comunicação. São Paulo: Thomson Pioneira, 2007.

AMARAL, A. “Autonetnografia e inserção on­line: o papel do pesquisador­insider nas


subculturas da internet”. Anais do XVII Encontro da Associação Nacional dos Programas
de Pós­Graduação em Comunicação.São Paulo: UNIP, 2008.

AMARAL, A. “Categorização dos gêneros musicais na Internet: para uma etnografia


virtual das práticas comunicacionais na plataforma social Last.fm”. In: FREIRE FILHO, J.;
HERSCHMANN, M. Novos rumos da cultura da mídia: indústrias, produtos e audiências.
Rio de Janeiro: Mauad, p. 227­242, 2007.

AMARAL, A. “Blogosfera e netpornografia”. Trabalho apresentado ao GT Cibercultura


e Tecnologias do Imaginário no IX Seminário Internacional da PUCRS. Porto Alegre:
PUCRS, 2007.

AMARAL, A.; FERREIRA, A.; VIEIRA, J. “Blogs & moda: efemeridade, individualidade e
multiplicidade na web”. Verso e Reverso, v. 47, p. 10­24, São Leopoldo, 2007.

AMARAL, A.; QUADROS, C. “Agruras do blog: o jornalismo cor­de­rosa no ciberespaço”.


Razón y Palabra, v.53, p.03, outubro de 2006. Disponível em: http://www.razonypalabra.
org.mx/anteriores/n53/amaralquadros.html. Acesso em 02/02/2008.

BAHNISCH, M. “The political uses of blogs”. In: BRUNS, A.; JACOBS, J. (Eds.). Uses of
blogs. New York: Peterland, 2006.

44
BARBOSA, J. A. “Weblogs: múltiplas utilizações, um conceito”. Anais do XXVI Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte: PUC­MG, 2003. Disponível em
CD­Rom.

BENKNSTEIN, A.; MONTARDO, S. P.; PASSERINO, L. “Análise de redes sociais em


blogs de Pessoas com Necessidades Especiais (PNE)”. In: RENOTE (Revista Novas
Tecnologias na Educação), v.5, n.2, Porto Alegre, dezembro de 2007. Disponível em:
http://www.cinted.ufrgs.br/renote/dez2007/artigos/6hLilianaPasserino.pdf. Acesso em
15/01/2008.

BEZ, M. R.; MONTARDO, S. P.; PASSERINO, L. “Acessibilidade digital em blogs:


limites e possibilidades para socialização on­line de Pessoas com Necessidades
Especias (PNE)”. Revista Eptic On-line, v.10, n.1, janeiro­abril de 2008. Disponível em:
http://www2.eptic.com.br/arquivos/Revistas/v.%20X,n.%201,2008/ASandraMontardo­
LilianaPasserino­MariaBez.pdf. Acesso em 10/02/2008.

BERKMAN, J. The art of strategic listening: finding market intelligence in blogs and social
media. Hardcover, 2008.

BLOOD, R. We’ve got Blog: how weblogs are changing our culture. Perseus Books
Group, 2002.

BLOOD, R. “Weblogs: a history and perspective”. (2000). Disponível em: http://www.


rebeccablood.net/essays/weblog_history.html. Acesso em 08/01/2008.

BLUMENTHAL, M. “Toward an open­source methodology: what we can learn from


the blogosphere”. Public Opinion Quarterly, v.69, n.5, 2005. Disponível em: http://poq.
oxfordjournals.org/cgi/content/abstract/69/5/655. Acesso em 04/03/2008.

BLY, R. Blog schmog: the truth about what blogs can (and can´t) do for your business.
Hardcover, 2007.

BOLAÑO, C. R. S.; BRITTOS, V. “Blogosfera, espaço público e campo jornalístico: o


caso das eleições presidenciais brasileiras de 2006”. Anais do III Jornadas Internacionais
de Jornalismo. Porto, Universidade Fernando Pessoa, março de 2008.

BOYD, D. “Blogger’s blog: exploring the definition of a medium”. (2008). Disponível em:
http://www.reconstruction.eserver.org/064/boyd.shtml. Acesso em 03/03/2008.

BRAGA, A. “Usos e consumo de mídias digitais entre participantes de weblogs: uma


proposta metodológica”. Anais do XVI Encontro da Associação Nacional dos Programas
de Pós­Gaduação. Curitiba, Universidade Tuiuti do Paraná, 2007. Disponível em CD­
Rom.

BRAGA, A. “Interação social e apresentação do self nos weblogs”. Mediação, v.5, p.


19­31, 2006.

BRAGA, A. “Da cultura feminina de Simmel aos weblogs: mulheres na Internet”. Anais do
XXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Porto Alegre: PUCRS, 2004.
Disponível em CD­ROM.

45
BROMWICH, M. “Captains Blog: the chronicles of my afghan vacation”. Paperback. 2007.

BROWN, B. The secret power of blogging: how to promote and market your business,
organization, or cause with free blogs. Paperback, 2008.

BRUNO, F. “Quem está olhando? Variações do público e do privado em weblogs, fotologs


e reality shows”. Contemporânea Revista de Comunicação e Cultura, Salvador, v.3, n.2,
p. 53­70, 2005.

BURDEN, M. The blog of war: front-line dispatches from soldiers in iraq and afghanistan.
Paperback, 2006.

BURGESS, J. “Blogging to learn, learning to blog”. In: BRUNS, A.; JACOBS, J. (Eds.).
Uses of blogs. Now York: Peterland, 2006.

CARVALHO, C. S.; MONTARDO, S. P.; ROSA, H. A.; GOULART, R. V. “Monitoramento


da imagem das organizações e ferramentas de busca de blogs”. Prisma, v.3, p. 420­447,
2006.

CARVALHO, R. M. “Diários íntimos na era digital: diários públicos, mundos privados”. In:
LEMOS, A.; PALÁCIOS, M. (Orgs.). Janelas do ciberespaço: comunicação e cibercultura.
Porto Alegre: Sulina, 2000.

CASCIARI, H. “El blog en la literatura: un acercamiento estructural a la blogonovela”. In:


Revista Telos, 2007. Disponível em: http://www.campusred.net/telos/articulocuaderno.
asp?idarticulo=5&rev=65. Acesso em 05/03/2008.

CHRISTOFOLETTI, R.; LAUX, A.P. “Blogs jornalísticos e credibilidade: cinco casos


brasileiros”. Revista Communicare, v. 6, n. 2, 2006.

CIPRIANI, F. Blog Corporativo. São Paulo: Novatec, 2006.

CORTÉS HERNÁNDEZ, S. “El blog como un tipo de literatura popular: problemas


y perspectivas para el estudio de un gênero electrónico. Culturas Populares, n. 3,
setembro­dezembro de 2006. Disponível em: http://www.culturaspopulares.org/textos3/
articulos/cortes.pdf. Acesso em: 01/02/2008.

CUNHA, M. “Blogs: a remediação das mídias que permite à audiência publicar”. Diálogos
de la Comunicación, v. 76, p. 12, 2008.

CUNHA, M. “Os blogs e a prática do jornalismo no Brasil: uma reflexão sobre os meios,
as linguagens e a cultura”. Prisma, v.3, p.1, 2006.

DAVIS, R. “Politics online: blogs, chatrooms and discussion groups in America”.


Paperback, 2005.

DAWKINS, R. O gene egoísta. São Paulo: Itatiaia, 2001.

DI LUCCIO, F.; NICOLACI­DA­COSTA, A. M. “Escritores de blogs: interagindo


com os leitores ou apenas ouvindo ecos?” Psicologia e Ciência, Brasília, v.27, n.4,
dezembro de 2007. Disponível em: http://scielo.bvs­psi.org.br/scielo.php?pid=S1414­
98932007001200008&script=sci_arttext. Acesso em 02/03/2008.

46
DONATH, J. S. “Identity and deception in the virtual community”. (1999). Disponível
em: http://smg.media.mit.edu/people/Judith/Identity/IdentityDeception.html. Acesso em:
05/02/2007.

EFIMOVA, L.; HENDRICK, S. “In search for a virtual settlement: an exploration of weblog
community boundaries”. Communities and Technologies, 2005.

EFIMOVA, L.; GRUDIN, J. “Crossing boundaries: A case study of employee blogging”.


Proceedings of the Fortieth Hawaii International Conference on System Sciences
(HICSS­40). Los Alamitos: IEEE Press, 2007.

ESCOBAR, J. “Blog do Noblat e escândalo midiático: jornalismo sob novas bases”.


UniRevista, v.1, n.3, São Leopoldo, julho de 2006.

ESPINOSA, H. “Intersticios de sociabilidad: una autoetnografía del consumo de TIC”.


Athenea Digital, n.12, p.272­277, 2007. Disponível em: http://psicologiasocial.uab.es/
athenea/index.php/atheneaDigital/article/view/448. Acesso em 15/01/2008.

FARMER, J. “Blogging to basics: how blogs are bringing on­line Education back from the
brink”. In: BRUNS, A.; JACOBS, J. (Eds.). Uses of blogs. Now York: Peterland, 2006.

FERNANDES, F. S. “Rituais em tempo real observando a passagem entre suportes


literários em três compilações de contos”. Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de
Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro: UERJ, 2005. Disponível em: http://reposcom.
portcom.intercom.org.br/bitstream/1904/17007/1/R1602­1.pdf. Acesso em 20/02/2008.

FERREIRA, A. “Cybermarketing e a moda: segmentação através dos blogs e Orkut”.


Sessões do Imaginário, v. 18, p. 1­5, Porto Alegre, 2007.

FERREIRA, A.; VIEIRA, J.; RIGO, P. “Emos: o resgate da moda romântica através dos
blogs”. Razón y Palabra, México, v. 53, p. 53, 2006.

FERREIRA, A.; VIEIRA, J. “A moda dos blogs e sua influência na cibercultura: do diário
virtual aos posts comerciais”. Revista E-Compós, Brasília, n.10, dezembro de 2007.

________. “Os lurkers e a relação com a blogosfera: um estudo de caso do blog de Alex
Primo”. Revista Interin, Curitiba, n.5, 2008.

GARDNER, S. Buzz Marketing with blogs for dummies. Paperback, 2005.

GILLMOR, D. We the media: grassroots journalism by the people, for the people.
Sebastopol, CA: O’Reilly, 2004.

GOGGIN, G.; NOONAN, T. “Blogging disability: the interface between new cultural
movements and the internet technology”. In: BRUNS, A. and JACOBS, J. (Eds.). Uses of
blogs. New York: Peterland, 2006.

GOMES, L. “Comunicação e complexidade: conhecimento, cotidiano e poder nos


blogs”. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Faculdade dos Meios de
Comunicação. Tese de Doutorado, 2007. Disponível em: http://tede.pucrs.br/tde_busca/
arquivo.php?codArquivo=941. Acesso em: 20/02/2008.

47
GARNIERI, G. Geração blogue. Lisboa: Presença, 2006.

GREGG, M. “Posting with passion: blogs and the politics of gender”. In: BRUNS, A.;
JACOBS, J. (Eds.). Uses of blogs. New York: Peterland, 2006.

GRUHL, D.; GUHA, R.; LIBEN­NOWELL, D.; TOMKINS, A. Information diffusion through
blogspace. Proceedings of the 13th international conference on world wide web. New
York: ACM Press, p. 491­501, 2004.

GUMBRECHT, M. “Blog as ‘Protected Space’”. In: Workshop on weblogging ecosystem:


aggregation, analysis and dynamics. New York: ACM Press, 2004.

GUTIERREZ, S. “O fenômeno dos weblogs: as possibilidades trazidas por uma tecnologia


de publicação na internet”. Informática na Educação: teoria & prática, v.6, n.1, p. 87­100,
janeiro­junho de 2003.

GUTIERREZ, S. “Weblogs e educação: contribuição para a construção de uma teoria”.


RENOTE (Revista Novas Tecnologias na Educação), CINTED­UFRGS, v.3, n.1, 2005.

HALAVAIS, A. “Scholarly blogging: moving toward the Visible College”. In: BRUNS, A.;
JACOBS, J. (Eds.). Uses of blogs. New York: Peterland, 2006.

HALAVAIS, A. C. “Linking weblog neighborhoods: between ‘small pieces’ and ‘winner­


take­all’”. Association of Internet Researchers Annual Conference: IR 5.0: Ubiquity,
Sussex, 2004.

HENDRON, J. RSS for Educators: Blogs, Newsfeeds, Podcasts, and Wikis in the
Classroom. Paperback, 2008.

HERRING, S. C.; KOUPER, I.; SCHEIDT, L. A.; WRIGHT, E. “Women and children last:
the discursive construction of weblogs”. In: GURAK, L.; ANTONIJEVIC, S.; JOHNSON,
L.; RATLIFF, C.; REYMAN, J. (Eds.). Into the blogosphere: rhetoric, community, and
culture of weblogs. University of Minnesota. 2004. Disponível em: http://blog.lib.umn.edu/
blogosphere/women_and_children.html Acesso em 04/02/2008.

HERRING, S. C.; KOUPER, I.; PAOLILLO, J. C.; SCHEIDT, L. A.; TYWORTH, M.;
WELSCH, P. et al. “Conversations in the blogosphere: an analysis ‘from the bottom­
up’”. Proceedings of the 38th Hawaii International Conference on System Sciences
(HICSS’05), Los Alamitos: IEEE Press, 2005.

HERRING, S. C.; SCHEIDT, L. A.; BONUS, S.; WRIGHT, E. “Bridging the gap: a genre
analysis of weblogs”. Proceedings of the 37th Hawai’i International Conference on System
Sciences (HICSS­37). Los Alamitos: IEEE Computer Society Press, 2004. Disponível
em: http://www.blogninja.com/DDGDD04.doc. Acesso em 04/02/2008.

________. “A longitudinal content analysis of weblogs: 2003­2004”. In: TREMAYNE, M.


(Ed.). Blogging, citizenship, and the future of media. London: Routledge, 2006.

HEWITT, H. Blog: entenda a revolução que vai mudar o seu mundo. Rio de Janeiro:
Thomas Nelson Brasil, 2007.

HINE, C. (Ed.). Virtual Methods. New York: Berg, 2005.

48
HINE, C. Virtual ethnography. London: Sage, 2000.

HODKINSON, P. “Subcultural blogging? Online Journals and group involvement among


UK Goths”. In: BRUNS, A.; JACOBS, J. (Eds.). Uses of blogs. New York: Peterland,
2006.

JAKUBOWSKI, M. (Ed). Sex-Blogs. Ullstein, 2008.

__________. Sex-Blogs 2. Ullstein, 2008.

JENNINGS, D. Net, blogs and rock ‘n’ roll: how digital discovery works and what it means
for consumers. Paperback, 2007.

JONES, Q. “Virtual communities, virtual settlement and cyber­archaeology: a theoretical


outline?” Journal of Computer Mediated Communication, JCMC 3, 1997. Disponível em:
http://jcmc.indiana.edu/vol3/issue3/jones.html. Acesso em 08/02/2008.

KIRCHOFF, L; BRUNS, A; NICOLAI, T. “Investigating the impact of the blogosphere:


using PageRank to determine the distribution of attention”. In: Proceedings Association
of Internet Researchers, Vancouver, Canada, 2007. Disponível em: http://eprints.qut.edu.
au/archive/00010517. Acesso em 03/03/2008.

KLINE, D.; BURSTEIN, D.; DE KEIJZER, A. Blog! How the newest media revolutions is
changing Politics, Business and Culture. Hardcover, 2005.

KOZINETS, R. “Netnography 2.0”. In: BELK, R. W. (ed). Handbook of qualitative research


methods in marketing. Edward Elgar Publishing, 2007.

KOZINETS, R. “The field behind the screen: using netnography for marketing research in
online communities”. Journal of Marketing Research, n.39, p.61­72, 2002.

KUMAR, R.; NOVAK, J.; RAGHAVEN, P.; TOMKINS, A. “On the bursty evolution of
blogspace”. In: Proceedings of the twelfth international conference on World Wide Web.
Budapest, Hungary, p. 568­576, 2003.

LEMOS, A. “A arte da vida: diários pessoais e webcams na internet”. In: Cultura da Rede.
Revista Comunicação e Linguagem. Lisboa, 2002.

LEMOS, A; NOVAS, L. “Cibercultura e tsunamis: tecnologias de comunicação móvel e


mobilização social”. In: Revista Famecos, n.26, p. 29­40, Porto Alegre, 2005.

MARLOW, C. “Investment and Attention in the Weblog Community”. In: Proceedings


of AAAI symposium on computation approaches to analyzing weblogs. Stanford: AAAI
Press, 2005.

MARLOW, C. “Audience, structure and authority in the weblog community”. In: Presented
at the International Communication Association Conference, may, 2004, New Orleans,
LA, 2004.

MATHESON, D. “Weblogs and the epistemology of the news: Some trends in on­line
journalism”. In: New Media & Society, n.6, p.443­468, 2004. Disponível em: http://web.
media.mit.edu/~cameron/cv/pubs/04­01.pdf. Acesso em 25/01/2005.

49
MERELO­GEURVOS, PRIETO, RATEB, TRICAS, F. Mapping Weblogs communities.
Computer Networks, 2004.

MISHNE, G., GLANCE, N. “Leave a reply: nn analysis of weblog comments. Paper


presented at the workshop Weblogging Ecosystem: Aggregation, Analysis and Dynamics,
Edinburgh, UK, 2006. Disponível em http://www.blogpulse.com/www2006­workshop/
papers/wwe2006­blogcomments.pdf. Acesso em 14/02/2008.

MIURA, A.; YAMASHITA, K. “Psychological and social influences on blog writing: an on­
line survey of blog authors in Japan”. In: Journal of Computer-Mediated Communication,
12(4), article 15, 2007. Disponível em: http://jcmc.indiana.edu/vol12/issue4/miura.html.
Acesso em 08/02/2008.

MONTARDO, S.; PASSERINO, L.. “Estudo de blogs a partir da netnografia: possibilidades


e limitações”. In: RENOTE (Revista Novas Tecnologias na Educação), v.4, n.2. (2006).
Disponível em: http://www.cinted.ufrgs.br/renote/dez2006/artigosrenote/25065.pdf.
Acesso em 04/03/2008.

MONTARDO, S. P.; PASSERINO, L. “Espelhos quebrados no ciberespaço: implicações


de redes temáticas em blogs na análise de redes sociais (ARS)”. Anais do XVII Encontro
da Associação Nacional de Programas de Pós­Graduação em Comunicação. São Paulo:
UNIP, 2008.

NARDI, B.; SCHIANO, D.; GUMBERCHT, M.; SWARTZ, L. “Why we blog”.


Communications of the ACM, v.47(12), p.41­46, 2004.

OLIVEIRA, R. M. C. “Diários públicos, mundos privados: Diário íntimo como gênero


discursivo e suas transformações na contemporaneidade”. Universidade Federal da
Bahia. Dissertação de Mestrado, 2002.

SILVA, C. M. da. “Intimidade on­line: outras faces do diário íntimo contemporâneo”.


Universidade Federal Fluminense. Departamento de Psicologia. Dissertação de
Mestrado, 2006.

ORIHUELA, J. La revolution the los blogs. La Esfera, 2006.

PAZ­SOLDÁN, E. “De blogs y literatura, Diario La Tercera”, n.66.724, Santiago de Chile,


2005.

PEDERSEN, S.; MACAFEE, C. “Gender differences in British blogging”. Journal of


Computer-Mediated Communication, n.12(4), article 16, 2007. Disponível em: http://
jcmc.indiana.edu/vol12/issue4/pedersen.html. Acesso em 05/02/2008.

PELLANDA, E. “Weblogs de bolso: uma análise do impacto da mobilidade”. Prisma.com,


v. 3, p.200­213, 2006.

PELLANDA, E. “Desdobramentos dos ‘olhares’ móveis sobre o terrorismo em Londres:


como as vítimas viraram repórteres”. Revista E-Compós, dezembro de 2005. Disponível
em http:// www.compos.com.br/e­compos. Acesso em 15/06/2006.

PENROD, D. Using blogs to enhance Literacy: the next powerful step in 21st century
leaning. Paperback., 2007.

50
PERLMUTTER, D. “Blogwars: the new political battleground”, 2008.

PIONTEK, J. Blogs, wikis, and podcasts, Oh my! Eletronic media in the classroom all
grades. Paperback, 2008.

PRANGE, A. P. L. “Da literatura aos blogs: um passeio pelo território da escrita de si”.
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado, 2002.

PRIMO, A.; SMANIOTTO, A. R. “Blogs como espaços de conversação: interações


conversacionais na comunidade de blogs insanus”. Revista E-Compós, v.1, n.5, p.1­21,
2006.

PRIMO, A.; TRÄSEL, M. “Webjornalismo participativo e a produção aberta de notícias”.


Contracampo, v. 14, p.37­56, 2006.

QUADROS, C. “Sobre Metodologias para pesquisar blogs”. Anais do V Encontro Nacional


de Pesquisadores em Jornalismo – SBPJOR, v.1. p.1­14, 2007.

QUADROS, C.; SPONHOLZ, L. “Deu no blog jornalístico: é notícia?” InTexto, v.15, p.1­
15, 2006.

QUADROS, C. I.; VIEIRA, J.; ROSA, A. P. “Blogs e as transformações no jornalismo”.


Revista E-Compós, v.3, n.1, p.1­21, 2005.

RECUERO, R. “Memes e dinâmicas sociais em weblogs: informação, capital social e


interação em redes sociais na internet”. InTexto, v.15, p.1, 2006.

RECUERO, R. “Comunidades em redes sociais na Internet: Um estudo de uma rede pró­


ana e pró­mia”. Revista Faro, Valparaiso, Chile, v.1, n.2, 2005.

RECUERO, R. “O interdiscurso construtivo como característica fundamental dos


webrings”. InTexto, v. 10, 2004.

RECUERO, R. “Webrings: as redes de sociabilidade e os weblogs”. Sessões do


imaginário, v.11, p.19­27, 2004.

RECUERO, R. “Weblogs, webrings e comunidades virtuais”. 404nOtFound, v.1, n.31,


p.1­15, 2003. Disponível em: http://pontomidia.com.br/raquel/webrings.pdf. Acesso em:
05/01/2008.

RECUERO, R. “Warblogs: os weblogs, o jornalismo online e a Guerra no Iraque”. Verso


e Reverso n.37, p.57­76, 2003.

ROCHA, P. J. “Sentimentos em rede compartilhados na pós­modernidade”. Revista da


Famecos, n.23, 2003.

RODRIGUES, C. “Blogs e a fragmentação do espaço público”.Universidade da Beira


Interior. Portugal, 2006. Disponível em www.labcom.ubi.pt. Acesso em 20/02/2008.

SCHMIDT, J. “Blogging practices: an analytical framework”. Journal of Computer-


Mediated Communication, n.12(4), article 13, 2007. Disponível em: http://jcmc.indiana.
edu/vol12/issue4/schmidt.html. Acesso em: 04/02/2008.

51
SCHITTINE, D. Blog: comunicação e escrita íntima na internet. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2004.

SCHLER, J.; KOPPEL, M.; SCHLOMO, A.; PENNEBAKER, J. Effects on Age and Gender
on Blogging. American Association on Artificial Intelligence. (2005). Disponível em: http://
lingcog.iit.edu/doc/springsymp­blogs­final.pdf. Acesso em 25/01/2008.

SCOBLE, R; ISRAEL, S. Naked conversations: how blogs are changing the way
businesses talk with customers. Hoboken: Wiley, 2006.

SHAH, N. PlayBlog: “Pornography, performance and cyberspace”. Cut-up.com


Magazine. Holanda, v.2.5, article 42, 2005. Disponível em: http://www.cut­up.com/news/
detail.php?sid=413. Acesso em: 05/09/2007.

SIBILIA, P. “O ‘eu’ dos blogs e das webcams: autor, narrador ou personagem?”. Anais do
XXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Porto Alegre: PUCRS, 2004.
Disponível em CD­ROM.

SIBILIA, P. “Os diários íntimos na Internet e a crise da interioridade psicológica”. In:


LEMOS, A.; CUNHA, P. (Orgs). Olhares sobre a Cibercultura. 1ª edição. Porto Alegre:
Sulina, 2003.

SILVA, C. M. da. “Intimidade on­line: outras faces do diário íntimo contemporâneo”.


Universidade Federal Fluminense. Departamento de Psicologia. Dissertação de
Mestrado, 2006.

SILVA, F. F. “Tecnologias móveis na produção jornalística: do circuito alternativo ao


mainstream”. Anais do V SBPJor. Aracaju, SE, 2007.

________. “Uso de dispositivos portáteis na produção da notícia”. In: Jornalistas da Web,


2007b. Disponível em: http://www.jornalistasdaweb.com.br/index.php?pag=displayConte
udo&idConteudoTipo=2&idConteudo=2241. Acesso em 20/08/2007.

SILVA, J. A. “Dos fanzines aos weblogs: uma análise sobre as semelhanças e as


diferenças entre os dois suportes”. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da
Comunicação. Salvador, UFBA, 2002. Disponível em CD­ROM.

SINGER, J. “The political j­blogger. ‘Normalizing’ a new media form to fit old norms and
practices”. Journalism, n.6, p.173­198, 2005.

STONE, B. Who Let the blogs out?: a hyperconnected peek at the world of weblog.
Paperback, 2004.

STORCH, L. “Construção Jornalística coletiva: considerações acerca do universo dos


weblogs”. Anais do IX Seminário Internacional da Comunicação – Simulacros e (dis)
simulações na sociedade hiperespetacular. Porto Alegre, PUCRS, 2007.

TERRA, C. F. “Blogs: modismo ou tendência?” São Paulo: Difusão, 2008.

TRAMMEL, K. D.; KESHELASHVILI, A. “Examining the new influencers: a self­


presentation study of A­list blogs”. Journalism & Mass Communication Quarterly, n.82(4),
p.968­982, 2004.

52
VIDAL, P.; AZEVEDO, P; ARANHA, G. “Das telas para o papel: blogs como fonte para a
Literatura de Massa”. Revista Interin, n.5, 2008.

VIEIRA, J. F. “Do diário virtual ao jornalismo participativo na blogosfera: um estudo


de caso do blog de Ricardo Noblat”. Universidade Tuiuti do Paraná. Dissertação de
Mestrado, 2007.

VIEIRA, J. F. A vida após a morte nos blogs. 404nOtF0und, v.1, n.54, p.1­2, 2006.

WALKER, J. “Blogging from inside the Ivory Tower”. In: BRUNS, A.; JACOBS, J. (Eds.).
Uses of blogs. New York: Peterland, 2006.

WARD, M. A. “Thoughts on bloggin as an ethnographic tool. Proceedings of the 23rd


annual ascilite conference: Who’s learning? Whose technology?” The University of
Sidney, p.843­851, 2006. Disponível em: http://www.ascilite.org.au/conferences/
sydney06/proceeding/pdf_papers/p164.pdf. Acesso em: 18/01/2008.

WRIGHT, J. Blog Marketing. The revolutionary new way to increase sales, build your
brand and get exceptional results. Hardcover, 2005.

53
54
Rosa Meire Carvalho de Oliveira

O ciberespaço e a escrita de
si na contemporaneidade:
repete o velho, o novo blog?

Assim como as formas de autobiografias foram os meios encon­


trados para, a partir do Renascimento, com mais intensidade, os indi­
víduos se dizerem, criarem uma consciência de si, sobre si, na contem­
poraneidade, esse papel é exercido também pelos diários on­line,
weblogs ou blogs. Indivíduos continuam usando a forma autobiográfica
mais próxima do cotidiano, o diário, para escrever suas próprias vidas
a partir de seus próprios textos.
Como registro do “campo da atualidade” (Cocheyras, 1978), o
diário difere de outras formas autobiográficas, como a autobiografia,
a biografia ou a memória, exatamente pelo registro do efêmero, pela
marcação do presente, do cotidiano que se quer partilhar. E isso faz
esse gênero discursivo ser mais facilmente apropriado pelos sujeitos
contemporâneos, que utilizam a internet para pôr em prática seus re­
gistros diários, suas vidas em forma de textos, em busca de partilha e,
como seus antecessores, de maior consciência de si no mundo:

Os modernos diaristas não querem emoções íntimas,


querem dividir com o outro o seu olhar pelo mundo,
pela sua cidade, seu bairro, sua rua, numa volta à al­
deia, ou seja, numa busca de solidariedade, de calor

55
humano. Estranhamente, esta busca tem como meio
um instrumento frio e técnico: a máquina, o computador
(Muzart, 2001:6).

Oliveira (2002, 2003) nota que, a partir da criação da interface


Blogger, em 1999, de forma revolucionária, cada vez maior número de
pessoas passou a apresentar e modelar as suas próprias identidades
no ciberespaço.
A disponibilidade de centenas de ferramentas de postagem de
blogs, muitas delas gratuitas, fez com que, rapidamente, homens e,
especialmente, mulheres do mundo inteiro postassem suas vidas em
formas de textos. Blogs, então, passam a desempenhar funções va­
riadas, desde o modelo de filtro de notícias de Jorn Barger, passando
por conteúdos jornalísticos, educacionais, políticos e culturais ou até
mesmo meros diários íntimos, no qual o blogueiro escreve, com deta­
lhes, sobre o seu dia­a­dia.
O principal diferencial da nova interface é que, segundo Oliveira
(2002, p. 141), “ela trouxe velocidade na criação, postagem e atualização
dos ciberdiários, democratizando o acesso de não­especialistas em
linguagem como html (Hipertext, Markup Language),1 ftp (File Transfer
Protocol),2 dentre outras, à construção e manutenção das páginas
pessoais”. Com isso, qualquer pessoa que dominasse noções básicas
de inglês poderia ter um weblog ou blog, como passaram a ser cha­
mados os diários criados com este modelo de interface que se asse­
melha a um editor de textos.
A partir de então, como ondas, a web tem sofrido um processo
de transformação nunca antes visto, permitindo que cada vez mais
1 O HTML, linguagem de marcação de texto, é uma das mais antigas na produção de sites para a
construção de páginas da web.
2 Sigla para File Transfer Protocol, (Sistema de Protocolo de Transferência de Arquivos), o FTP é o
protocolo para transmitir ou receber arquivos pela internet. Quando se deseja, por exemplo, hospedar
um site na internet, a transferência dos arquivos do computador local para o provedor se dá por meio
deste conjunto de padrões. Informações disponíveis em: http://www.dicweb.com/ff.htm. Acesso em
28/02/2005.

56
pessoas possam, de uma maneira simples, postar pensamentos, idéi­
as, reflexões, escrever sobre tudo e sobre nada na rede mundial de
computadores.

Diários e a invenção de si

No campo da presença política das mulheres no cenário social,


a possibilidade de possuir e manter em funcionamento um blog tem
significado para elas a abertura de um espaço de expressão, que, his­
toricamente, nem sempre esteve disponível.
Enfocando na maioria dos casos o mundo doméstico, espiritual,
interior, os diários escritos por mulheres foram muitas vezes tratados
como menos legítimos do que aqueles escritos por homens. A dife­
rença entre os dois estilos lingüísticos está no fato de os diários pes­
soais masculinos refletirem o mundo dos homens, mais voltado tradi­
cionalmente para a ação. Relatos militares, políticos, de viagem ou de
aventura, dentre outros, são funções muito comuns encontradas nos
diários pessoais de homens escritores.
A esses dois modos diferenciados de atuação, de modos de ser
privado e público para mulheres e homens, respectivamente, Gannett
(1992:94­95) chama de “esferas de discurso privada e pública”, referen­
ciando­as, respectivamente, à mulher e ao homem.
A pesquisadora americana Dale Spender diz que a dicotomia
masculino/feminino, público/privado é mantida para permitir às mulhe­
res escreverem para uma audiência privada, desencorajando­as de
escrever para audiências públicas, que seria uma arte masculina.

(...) Na esfera “privada”, mulheres têm sido permitidas


a escrever para elas mesmas (por exemplo, diários) e
para outros em forma de cartas, tratados morais, artigos

57
de interesse para outras mulheres e mesmo novelas
para mulheres (durante o séc. XIX, mulheres eram a
viga mestra do público leitor de novelas) (apud Gannett
1992:95).

Gannett (Idem:97), lembra, ainda, que:

Cartas e outros tipos de escrita colaborativa, autobio­


grafias, memórias, cartas de protesto e ensaios, novelas
e contos, e principalmente, diários pessoais, são todos
associados, embora não exclusivamente, com o legado
da escrita de mulheres. As formas têm sido fluidas, não
rigidamente definidas; os estilos são planos, verna­
culares; os assuntos e técnicas são adquiridos da vida
diária, família, eventos, relacionamentos; as funções são
geralmente aquelas de utilidade pessoal ou social (não
necessariamente pública).

Gannett conclui que o status de escritoras sem expressão era re­


sultado da discriminação sofrida pelas mulheres ao longo dos tempos.
Relegá­las à esfera privada significava assegurar ao homem hege­
monia lingüística e política.

Homens têm sido os criadores das formas de escrita


pública e têm avaliado e controlado o acesso do que é
publicado. Também aos homens, muito mais do que às
mulheres, tem sido garantido o acesso à educação, o
que garante o acesso ao discurso escrito público (Idem,
ibidem:96).

A pesquisadora cita como exemplo o fato de que, embora no séc. XIV


houvesse registro de mulheres freqüentando universidades européias

58
e até nelas lecionando, essa porta foi fechada no Renascimento. E,
durante muito tempo, no Ocidente, elas ficaram impedidas de acessar
a educação até metade do séc. XIX e, em alguns casos, até o séc.
XX. Gannett lembra que Oxford não abriu suas portas às mulheres até
1920, e Cambridge, até 1948. Às mulheres, repetidamente, segundo a
autora, “têm sido dito que não podem e não devem escrever na esfera
pública. E, quando o tem feito, têm sido ridicularizadas, criticadas ou
ignoradas (Idem, ibidem)”.

Tradição masculina x exclusão feminina

Embora no imaginário popular os diários íntimos estejam direta­


mente ligados às mulheres, a tradição desse gênero de escrita foi, ao
longo dos séculos, predominantemente marcada por homens. O poder
masculino de decidir sobre a forma de publicação foi uma das mais
importantes forças que fizeram silenciar a voz de mulheres diaristas.
Cabia aos homens a última palavra sobre o que seria publicado. Nesse
sentido, as produções femininas eram desvalorizadas quando da ado­
ção dos critérios de publicação, especialmente no que diz respeito ao
conteúdo dos escritos de mulheres. A pesquisadora americana Pene­
lope Franklin, citada por Gannett (Idem, ibidem:121), surpreende­se
com os resultados de sua pesquisa:

O que eu encontrei entusiasmou­me: a vasta maioria


de diários publicados era de homens. Os milhares
de diários de mulheres não­publicados estavam em
arquivos através do país – milhares, concluí, esta­
vam nos porões, como o meu. Eu notei que diários
de homens publicados eram freqüentemente histó­
rias de exploração, guerra, política ou aventura;
ou eram diários de famosos escritores ou figuras

59
históricas. Os diários de mulheres publicados eram
às vezes de pessoas famosas, mas freqüentemente
eles eram [de autoria] da esposa, mãe ou irmã de
um homem famoso. Porque mulheres não estavam
na maior parte escalando montanhas ou correndo
para o escritório, ninguém tinha considerado seus
diários particularmente interessantes.

Gannett conclui que o estudo da tradição denota que o diarismo


tradicional é um gênero “elitizado, europeu, branco, heterossexual e
masculino” e se queixa:

Até recentemente, o discurso sobre diários tem sido con­


duzido por homens sobre homens, usando critérios mas­
culinos para avaliar o trabalho que tem marginalizado
ou elidido a tradição do diário de mulheres. O segundo
problema é que diários masculinos têm geralmente sido
considerados mais importantes e, além do mais, têm sido
freqüentemente preservados. Outra recente e importante
razão para a presente lacuna nos discursos sobre diários
é que o New Criticism, a mais importante crítica literária
da primeira metade do séc. XX, colocou enorme valor
sobre a forma de escrita autônoma, autocontida, formal
e deliberadamente cheia de arte, quando desvalorizou
vários outros tipos de escrita, incluindo os diários (Idem:
ibidem:119­120).

Essa revelação nos faz compreender o fato de que só recen­


temente diários de mulheres passaram a ser publicados de forma mais
constante. Gannett (Idem:100) lembra que “não é à toa que as poucas
diaristas famosas estão no séc. XX, como Anne Frank, Anaïs Nin, Anne
Marrow Lindbergh ou May Sarton”.
Culley (1985:24), por sua vez, observa que menos de 10% dos
diários listados no livro do pesquisador americano Williams Matthews,

60
autor de American diaries: an annotated bibliography of american
diaries written prior to the year 1861, publicado em 1945 pela Editora
da Universidade da Califórnia, Bekerley; e, no livro American diaries:
an annotated bibliography of published american diaries and journal,
publicado em 1983 por Laura Arskey, Nancy Pries e Marcia Reed, são
diários escritos por mulheres.
Em contrapartida, o próprio Culley produz em A day at a time:
the diary literature of american women from 1764 to the present, uma
antologia contendo 29 diários de mulheres de diversas classes e cul­
turas, revelando um painel de mais de 200 anos de tradição do gênero.
Também Ronald Blythe (1989), em The pleasures of diaries; four cen­
turies of private writing, apresenta uma antologia de 67 diaristas, den­
tre os quais 19 – ou seja, 28% – são mulheres.
Diários de mulheres passaram a ganhar destaque mais recen­
temente, sendo a maior parte deles publicada no séc. XX. O séc. XIX,
considerado o século dos diários íntimos, está ligado à obra de uma
francesa, Amandine Aurore Lucie Dupin, que, curiosamente, adotava
pseudônimo masculino: George Sand, cujo diário, intitulado Journal
Intime, foi publicado pela primeira vez em 1926.
Vale lembrar, ainda, que, na tradição do diarismo, o marco dos
diários pessoais é atribuído ao escritor inglês Samuel Pepys (1633­
1703), considerado escritor modelo do gênero. Ele escreveu entre
1660 e 1669, em escrita taquigráfica, os 64 volumes de seus diários
chamados de Memoirs, que foram publicados somente em 1825, após
terem sido descobertos e decifrados. Através desses exemplares,
Pepys exercerá o hábito crítico da mente, associado com a observação
e reflexão do mundo físico, social, e do mundo interior. Nos dez anos
em que escreveu os diários – entre os 27 e os 36 anos –, Pepys refletiu
sua atuação como um homem importante da corte inglesa, circulando
nos altos escalões científicos e culturais do reinado de Charles II, a
quem serviu de perto como membro da marinha.

61
Blogs femininos e construção de identidades

Curiosamente, blogs escritos por mulheres têm recebido na net


uma carga pejorativa, tal qual enfrentou a escrita pública de mulheres
ao longo dos séculos. Mesmo tecendo sobre temas variados, o discurso
feminino nos blogs possui uma nuance particular que os identifica e
reflete, por partes de homens e também de mulheres, uma carga de
preconceitos que os qualifica como algo desabonador, conforme po­
demos observar nesses excertos:

(...) os mais famosos blogs femininos: miss pearls, bomba


inteligente, tititi, são blogs do “eu hoje tou triste porque
não vi a novela”, ou “as minhas amigas dizem que eu
estou mais gorda” – Cigarra na paisagem3

Um dos meus leitores falava­me há uns dias da diferença


entre os blogs femininos e os masculinos. E dizia­me
serem os masculinos muito mais interessantes porque
mais objectivos, menos lamechas, etc, etc...– A pantufa4

Recomendou outra estratégia que declinei com certa fúria


velada: “que tal fazeres uma análise dos blogs femininos
e dizeres que são na maioria superficiais, insuficientes,
que elas não conseguem escrever dez frases com o mí­
nimo interesse e só escrevem sobre estados da alma ve­
getativos do tipo: ‘pa, hoje tá frio pa, não me apetece fazer
nada vou vestir minhas meias de algodão e meter­me na
cama a ler Nicholas Sparks, dah!” – A ferida narcísica5

Percebi que na maioria dos blogs femininos tem figurinhas


“fofinhas”, são cor­de­rosa, cheios de firulinhas... E olhei
o meu. É preto! Hehehe.... – Blog da Dani Falks6

3 Disponível em: cigarranapaisagem.blogspot.com/2006/03/yellow­brick­road_01.html. Acesso em


15/07/2006.
4 Disponível em: pantufa.blogspot.com. Acesso em 15/07/2006.
5 Disponível em: 4aferidanarcisica.com/2003_01_01_4aferidanarcisica_archive.html. Acesso em
15/07/2006.
6 Disponível em: daniellefalks.weblogger.terra.com.br/200308_daniellefalks_arquivo.htm. Acesso em
15/07/2006.

62
Blogs femininos militantes, só mesmo na cabeça de
quem faz estudos de gênero”. – Quatro Caminhos7

Pelo que se observa dos comentários que circulam na net, blogs


de mulheres na função diário íntimo parecem transpor para o mundo
virtual a mesma carga de preconceitos que historicamente acompanha
a escrita de mulheres.
Pesquisa do site Perseus8 nos dá uma idéia da presença de
blogs femininos na net. Entre os pouco mais de 31 milhões de blogs
(abril/2005) – em 2007 os diários digitais ultrapassaram a marca dos
100 milhões9 –, as mulheres representavam 56% do universo e os ho­
mens, 31,9 %. A pesquisa também conclui que, naquele momento, a
blogosfera em sua quase totalidade (94,3%) era formada por blogueiros
jovens, com idade entre 13 e 29 anos.
Em relação a questões relatadas sobre o discurso feminino, a
queixa dos leitores masculinos advém do fato de que os blogs femi­
ninos dificilmente discutiriam conteúdo político ou trariam temas mais
politizados, uma expectativa que eles gostariam de ver realizar, ao
contrário do conteúdo considerado “róseo” supostamente exposto nos
blogs de mulheres:

Mas queria falar sobre a relação delas com isso aqui,


os blogs. Reparando bem nos blogs femininos, tanto
os pessoais quanto os coletivos, a maioria deles trata
dos mesmos assuntos: ou são versões eletrônicas dos
diários que elas escreveriam na cama na hora de dor­
mir – e guardariam seus segredos a sete chaves – ou
então são sobre suas relações sexuais e conselhos

7 Disponível em: http://quatrocaminhos.blogspot.com/2005_10_01_quatrocaminhos_archive.html.


Acesso em 15/07/2006.
8 Disponível em: http://www.perseus.com/blogsurvey/geyser.html. Acesso em 02/07/2006. O site foi
comprado em 2006 pelo Vovici Blog (http://blog.vovici.com).
9 Ver pesquisa da Tecnhorati divulgada em agosto de 2007 pela W News. Disponível em:
http://wnews.uol.com.br/site/noticias/materia.php?id_secao=1&id_conteudo=8741.
Acesso em 10/11/2007.

63
BEEEEEMMMM detalhados sobre as mesmas. De uma
forma ou de outra, coisas tão pessoais que elas só
contariam naquela rodinha com as melhores amigas.
Mas por que diabos elas gostam tanto de colocar na cara
de milhares de pessoas essas coisas tão íntimas? (cf.
Blog Ranzinza).10

A propósito da temática corrente nos blogs femininos, blogueiras


portuguesas se posicionaram sobre o assunto durante o evento Falar
de Blogues, promovido pela Livraria Almedina em Lisboa.11 A jornalista
Carla Hilário, autora do Bomba Inteligente,12 observou que as mulheres
abordam qualquer assunto na blogosfera: “Falam literalmente de tricô,
como Hilda Portela13 ou Rosa Pomar,14 ou dos filhos, como Vieira do
Mar no Passeai, Flores!.15 Falam de atualidade, de política, de sexo, de
homens, de compras, de touradas, de animais, de economia, de futebol,
do quotidiano, de moda, de cinema, de literatura”.16 As diferenças no
modo como as mulheres observam os temas está relacionada, segundo
ela, com o que são como pessoas e não com o simples fato de serem
mulheres.
Na mesma linha seguiu a pesquisadora Isabel Ventura, à época
mestranda em Estudos sobre Mulheres. Após analisar cinco blogs
femininos escritos em língua portuguesa – Uns & Outras,17 Síndrome

10 Disponível em URL: � http://ranzinza.blogspot.com/2002/01/mulheres­e­blogs­mulheres­so­muito.


html >. Acesso em 15.jul.2006
11 O evento foi realizado em novembro de 2005 e noticiado pelo site do Diário de Notícias de Lis­
boa. Disponível em: http://dn.sapo.pt/2005/11/26/media/blogues_feminino_diarios_assumem_pap.
html. Acesso em 02/07/2006. A discussão em torno dos blogs portugueses foi incorporada a nossas
reflexões por entendermos ser importante para a construção do diálogo em torno da temática que
buscávamos levantar neste artigo.
12 http://bomba­inteligente.blogspot.com/
13 �utora do �log Planeta Hilda, disponível em: http://planetahilda.blogspot.com/. Acesso em
02/07/2006.
14 �utora do �log A Ervilha Cor de Rosa, disponível em: http://ervilhas.weblog.com.pt/. Acesso em
02/07/2006.
15 http://passeaiflores.blogspot.com/.
http://passeaiflores.blogspot.com/.
16 Ver nota 13.
17 http://unseoutras.blogspot.com.

64
de Estocolmo,18 Mulheres e Deusas,19 Com o Sotaque Francês20 e
Blogotinha21 –, concluiu:

São atos políticos porque contam, partilham e reivindicam


um determinado espaço que assume uma identidade
de gênero. Não se pode dizer que as mulheres têm um
papel mais intimista do que os homens. Não há gran­
des distinções, mas sim, motivações individuais. Usam
os blogs para assumir um papel político, ainda que
inconsciente, ao adotarem uma posição. No fundo é uma
forma de dar recados, de comunicar. O blog hoje é um
acesso a um espaço público que, apesar de ser limitado,
é ilimitado ao mesmo tempo. Além disso, é poder escrever
para muitas pessoas (cf nota 13).

Presente ao colóquio, a advogada brasileira Patrícia Antoniete,


co­autora, com uma amiga do blog Megeras Magérrimas,22 revelou o
que a motiva a escrever o blog: “Sou uma incontinente literária e, quan­
do achei um lugar onde podia escrever, foi uma alegria. O meu ato
político é mostrar que nós podemos ser diferentes”, observou Patrícia,
que decidiu manter o blog ao sentir a necessidade de emagrecer
rapidamente.
Chandler (1998), que estudou a questão de identidade em seu
trabalho sobre home pages pessoais, lembra que home pages são um
meio no qual o relacionamento entre o público e o privado está vi­
sivelmente em processo de transformação. Tomando Thomas Erickson,
ele diz notar que esses dispositivos de publicação na web não estão
sendo usados apenas “para publicar informações, mas para construir
identidades”. Para ele, a internet é um dos primeiros locais em que
18 http://www.sindromedeestocolmo.com.
19 http://www.rosaleonor.blogspot.com.
20 http://horvallis.blogspot.com/2005/04/sotaque­francs.html.
21 http://blogotinha.blogspot.com.
22 http://www.megeras.com.

65
indivíduos podem construir identidades produzindo informações, em
lugar de consumi­las.
Nesse sentido, criar páginas pessoais (e mesmo blogs) oferece ao
autor uma oportunidade sem igual de auto­apresentação em relação
a qualquer dimensão de identidade pessoal e social que alguém
escolhe assumir. O ambiente virtual, segundo Chandler, oferece um
contexto único no qual alguém pode experimentar modelar sua própria
identidade.
Ainda reportando­se a identidades forjadas por home pages,
Chandler cita Sherry Turkle para dizer que a identidade de alguém
emerge das associações e conexões desse autor. Ele lembra uma
frase do escritor Hugh Miller nesse sentido: “Mostre­me seus links
que eu direi quem você é”, e afirma que interfaces digitais como home
pages (e blogs) permitem que se crie um “eu virtual” pronto a interagir
com outras pessoas que acessem a página pessoal do autor. Esta
concepção de um “eu virtual” conforme Chandler, é antiga e já estava
presente nas idéias de Platão, o qual sustentava que pessoas podem
encontrar idéias de outras em forma de um “eu textual” quando se lê
um livro, por exemplo.
O fato, inclusive, de reportar­se a futilidades em páginas pessoais
não é algo temeroso para Chandler. Para ele, muito mais de se tratar
de julgar se os pensamentos e idéias produzidos são inteligentes, o
conteúdo produzido em web pages responde mais diretamente sobre
a necessidade de os indivíduos se dizerem e construir a própria
identidade, na tentativa de responder à questão: quem sou eu?

É verdade que muitas páginas pessoais são banais,


pessimamente executadas ou bizarras, mas refletem
rituais institucionais e são claramente geradas para
satisfazer a objetivos de empregadores ou educacionais.
Tais páginas freqüentemente refletem o modo no qual
seus autores escolhem para apresentar eles mesmos
(Chandler, 1998).23
23 Disponível em: http://www.aber.ac.uk/media/Documents/short/webident.html. Acesso em 15/07/2005.

66
Lemos (2001:9) completa ao dizer que:

Os fenômenos das webcams e dos diários pessoais (po­


deríamos acrescentar os fotologs também) podem ser
considerados como formas de escrita de si, já que tanto
na construção da imagem através de câmeras pessoais,
como nos fenômenos de publicização de diários íntimos,
o que está em jogo são formas de apresentação do eu
no ciberespaço.

Repete o velho, o novo blog?

Um importante estudo sobre a representação de mulheres e ado­


lescentes na blogosfera, realizado por cinco pesquisadoras da Indiana
University Bloomington, lideradas por Sussan C. Herring (2004), apon­
tou para o fato de que há uma tendência, mesmo que inconsciente,
de, a exemplo do diarismo tradicional, os blogs masculinos serem res­
saltados na internet.
Em seus estudos, as pesquisadoras 1) analisaram o papel de
weblogs na função de filtros de outros blogs, destacando­os e quali­
ficando­os como de interesse; 2) sinalizaram a função da mídia na es­
colha, no tratamento e na disseminação de informações sobre blogs
para a opinião pública, a influência da pesquisa acadêmica em Comu­
nicação e a própria atividade de weblogs em favorecer outros blogs
escritos por homens adultos, educados e brancos; e 3) apontaram o
papel que formadores de opinião da própria blogosfera, a partir de seus
links e citações, têm desempenhado para que blogs contribuam para
esse favorecimento do discurso masculino em detrimento da escrita de
mulheres e adolescentes.
Como conclusão, as autoras dizem que o papel dos blogs que
funcionam como filtros, ao avaliar e sugerir blogs de homens adultos
como mais interessantes, importantes ou que valham a pena serem

67
divulgados, corrobora para marginalizar as atividades de mulheres e
adolescentes blogueiras e, indiretamente, reproduzir o sexismo e o
preconceito sobre o discurso dos adolescentes, distorcendo, assim, a
natureza fundamental do fenômeno dos weblogs, que seria o seu cará­
ter democrático e aberto.
Para a análise, as autoras coletaram 357 blogs de um famoso
indexador, o site blo.gs,24 durante o ano de 2003. Elas concluíram que,
na adolescência, meninas blogam mais do que meninos e que, na fase
adulta, são os homens que estão em maior número. Analisando as
funções que os blogs representam, concluíram que a função diário
íntimo, escrito por adolescentes do sexo feminino, é a que mais predo­
mina, sendo que a função de filtro – ou seja, informações temáticas ou
orientadas sobre blogs existentes – é mais típica de ser realizada por
homens. As autoras sustentam, preocupadas:

Uma vez que homens, mais freqüentemente que mulheres


e adolescentes, criam filtros de blogs, esse foco seletivo
cria efetivamente privilégios para blogueiros do sexo
masculino. Mesmo sabendo não existir propriamente uma
intenção sexista ou preconceito de idade, essas atitudes
reproduzem essas formas de preconceito na construção
de weblogs como um artefato cultural. (Herring et al,
2004).25

Da mesma forma, elas lembram que a mídia, em suas reportagens


so�re os we�logs, tende a focar autores de blogs adultos do sexo
masculino. As pesquisadoras analisaram 16 artigos e chegaram às
seguintes conclusões:

● Os homens são mencionados 88% das vezes, enquanto a mulher


ocupa 12% das menções;
24 http://blo.gs.com
25 Disponível em: http://blogninja.com/women.children.pdf. Acesso em 02/07/2006.

68
● Os homens são citados mais cedo do que as mulheres;
● A probabilidade de os homens serem citados é maior do que a das
mulheres;
● Todos os 94 homens citados são adultos, contra um adolescente do
sexo masculino.

Segundo as pesquisadoras, ao atuarem como filtro de notícias, o


conteúdo dos blogs privilegia eventos do mundo externo, como guerras,
desenvolvimento tecnológico, informática, assuntos em geral não
ligados ao universo feminino, em detrimento de conteúdo e histórias
de interesse humano, mais comuns nos blogs escritos por mulheres.

Conclusão

Ao confrontarmos os dados obtidos por Herring et. al. (2004) com


aqueles discutidos por nós a partir do trabalho realizado por Gannett
(1992 apud Oliveira, 2002), verificamos que, embora a web tenha in­
corporado ao longo do tempo milhões de escribas à sua blogosfera, o
discurso feminino nos blogs tem sofrido o mesmo tipo de preconceito
que enfrentou a escrita de mulheres ao longo dos séculos.
A crítica corrente de homens e mesmo de mulheres ao conteú­
do dos blogs femininos leva à constatação de que o fenômeno dos
weblogs repete na rede o velho discurso masculino discriminatório
contra as mulheres.
O claro filtro interposto aos blogs femininos identificado pelas
pesquisadoras tende, como conseqüência imediata, a exemplo do que
acontecia na Modernidade, a silenciar a voz das mulheres e a sua con­
seqüente participação no ágora público em que a internet se constitui
na contemporaneidade.
Por estar o blog situado no caldo cultural da contemporaneidade,

69
o sistema de filtros nos leva a refletir sobre prováveis repercussões na
construção de identidades femininas no ciberespaço. Herring preocupa­
se claramente com aquilo que chama de “efeito não­intencional” da
prática de filtros, traduzido como sendo o de associar “o ato de blogar
em termos de uma elite minoritária (adulta, masculina, educada), ao
tempo que marginaliza, nesse processo, as contribuições de mulheres
e jovens – e uma minoria de homens – para o fenômeno dos weblogs”.
Poderíamos ir além sobre as conseqüências dessa prática ao
associá­la também ao papel que jogam os blogs na construção de
identidades e subjetividades na contemporaneidade. Diferentemente
dos modernos diaristas que tinham em boa parte da tradição diarística
a clara noção de privacidade e das fronteiras de espaços privado e
público,26 os “novíssimos” escritores de diários, os ciberdiaristas têm
diante de si um novo cenário proporcionado por esse novo suporte, o
computador conectado em rede, que se configura naquilo que Bezer­
ra (2002, apud Silva, 2006:39) identificou como o desmonte da priva­
cidade ou dos contornos das esferas do público e do privado.
É a partir da reflexão sobre os contornos dessa lógica apresentada
por Bezerra e também discutida por autores como Oliveira (2002),
Lemos (2002), Sibilia (2003) e Bruno (2004), que somos convocados
a pensar sobre seus significados. Nas análises de base foucaultianas
que produziu, Bruno (2004:118), por exemplo, vê uma transformação
no sentido da própria intimidade contida na escrita de si. “(...)O foro
íntimo deixa de ser experimentado como o refúgio mais autêntico e se­
creto para se tornar uma matéria artificialmente assistida e produzida
na presença explícita do olhar do outro. (...)”, reforça.
Caberia aos “novíssimos” diaristas, produtores de subjetividades,
a responsabilidade de atrair para si o olhar do outro, momento em que
constrói suas variadas identidades, as quais, ao contrário do que acon­
tecia na Modernidade, tornam­se múltiplas, variáveis, transformam­se
26 Em sua gênese e evolução a escrita diarística variou bastante em termos de publicização, ganhan­
do, conforme a época o status de pública, semi­pública, privada e novamente pública, com os diários
online (Cf Oliveira 2002).

70
naquilo que Rolnik (1997) chamou de identidades prét­à­porter, ou
seja, prontas para serem usadas.
É nesse sentido que Bezerra (Idem, ibidem) afirma: “Faz parte
das regras do sucesso tornar­se visível. Na sociedade do espetáculo, o
anonimato não tem valor positivo (...)”. Bruno (2004:119) complementa
essa noção de visibilidade ao constatar que “(...) A exposição de si na
internet constitui um segundo passo nesta demanda por visibilidade
na medida em que esta se desconecta do pertencimento do mundo
extraordinário da fama, do sucesso e da celebridade para se estender
ao indivíduo qualquer, naquilo que ele tem de mais ordinário e banal”.
Ou seja, quando retomamos os dados recolhidos por Herring e
sua equipe e os confrontamos ao esforço de produção de identidades
femininas no ciberespaço, podemos admitir que o sistema de filtro
identificado nos blogs é equivalente àquele sistema de preconceitos
identificado por Gannett (1992 apud Oliveira, 2002) ao longo da prática
diarística tradicional de mulheres.
A constatação da existência de filtros exercidos por instituições
variadas coincidentemente toma ainda como parâmetros os mesmos
referenciais sobre os modos masculinos de estar no mundo utilizados
na Modernidade, tradicionalmente mais voltados para ação, em contra­
posição ao universo feminino, que tende a enfocar o mundo doméstico,
espiritual, interior e, por esse motivo, considerado menor.
Isso nos leva a concluir que, embora tivesse facilitado às mulheres
falar publicamente de si, participar da cibercultura não reduziu sobre as
suas produções (os blogs) os preconceitos que elas carregam ao longo
dos séculos.
Nesse sentido, salientamos com Chandler que o importante na
escrita dos blogs femininos não é exatamente seu significado como
formador de conteúdo, mas a oportunidade ímpar que especialmente
as mulheres, por seu histórico de preconceitos enfrentados, têm de
construir suas próprias histórias, a partir de seus próprios textos.
Para tanto, não é demais lembrar as palavras da blogueira Isabel

71
Matos Ferreira, autora do blog português Miss Pearls27 sobre a par­
ticipação política das mulheres em seus blogs, citada por outra blo­
gueira, Tati – autora de Adufe.pt: boys should be boys, girls should be
girls28 –, como resposta a um leitor:

Os blogs femininos tratam de temas tão diversos como


a técnica de bem aplicar uma tinta no cabelo, conju­
galidades, férias – a verdadeira promoção de Portugal
no estrangeiro é feita por nós, giríssimas, encantadoras,
bronzeadas e muito, muito alinhadas –, segredos cu­
linários, pedagogia, dicas de beleza e moda, saúde, poe­
sia, lingerie, literatura, compras – logo economia! –, teias
sociais, pintura, cultura, segurança, como dar a volta
ao parceiro sem ao encolher de ombros fazer guerra, o
mesmo no emprego, com a empregada, a sogra, a amiga
e a vizinha do terceiro que empesta o elevador com fina
mistura de essências de tabaco e ópio – não madar à... É
diplomacia de primeira!
E depois, há a conhecida realidade da gestão dos sempre
escassos recursos domésticos. Somos as primeiras a
saber �de facto>, e não por enganosas oratórias, a tra­
gédia da economia, da falência dos valores, dos afectos,
da educação (não descuidamos os filhos), da saúde
(agüentamos filas acompanhando o sogro ou a Madalena
ao centro de saúde), da justiça (para nos divorciarmos
enrugamos como passas algaravias), das finanças, da
conflitualidade na rua, no bairro e no mundo.

Isso não é política? O que é, então?

27 Disponível em URL: � http://misspearls.blogspot.com>. Acesso em 02.jul.2006


28 Disponível em URL: �http://adufe.weblog.com.pt/arquivo/2005/12/boys_should_be.html> Acesso
em 02.jul.2006

72
Referências
BLYTHE, R. The pleasures of diaries: four centuries of private writing. London: Penguin
Books, 1989.

BRUNO, F. “Máquinas de ver, modos de ser: visibilidade e subjetividade nas novas


tecnologias de informação e de comunicação”. Revista da Famecos, Porto �legre, v.
24, p. 110­124, 2004. Disponível em: http://www.pucrs.br/famecos/pos/revfamecos/24/
Fernanda.pdf. Acesso em 20/01/2008.

CHANDLER, D. Personal home pages and the construction of identities on the web.
Disponível em: http://www.aber.ac.uk/media/Documents/short/webident.html. �cesso
em: 15/07/2005.

COCHEYRAS, J. La place du journal intime dans une typologie linguistique des formes
littéraires. Gèneve: Librairie Droz, p. 227­228, 1978.

CULLEY, M. A day at a time: the diary literature of american woman from 1764 to the
present. New York: Feminist Press, 1985.

GANNETT, C. Gender and the journal: diaries and academic discourse. New York: State
University of New York Press, 1992.

GUATARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. 5ª edição. Petrópolis:


Vozes, 1997.

HERRING, S. C. et. al. “Women and children last: the discursive construction of weblogs”.
In: GURAK, S.; ANTONIJEVIC, L.; JOHNSON, C.; RATLIFF, J.; REYMAN (Eds.). Into the
blogosphere: rhetoric, community, and culture of weblogs. Disponível em: http://www.
blogninja.com/women.children.pdf . Acesso em 02/07/2006.

LEMOS, A. “A arte da vida: diários pessoais e webcams na internet”. Disponível em:


www.comunica.unisinos.br/tics/textos/2002/T3G4.PDF. Acesso em 02/072006.

MUZART, Z. L. “Do navegar e de navegantes”. Disponível em: http://members.tripod.


com/lfilipe/zahide.htm. Acesso em: 03/05/2001.

OLIVEIRA, R. M. C. de. “Diários públicos, mundos privados: diário


íntimo como gênero discursivo e suas transformações na contemporaneidade”.
Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Comunicação. Dissertação de mestrado,
2002. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/oliveira­rosa­meire­diarios­publicos­mundos­
privados.pdf . Acesso em 28/02/2005 .

________. “De onda em onda: a evolução dos ciberdiários e a simplificação das


interfaces”. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/_texto.php3?html2=oliveira­rosa­meire­
De­onda­onda.html. Acesso em: 02/02/2008.

SIBILIA, P. “Os diários íntimos na internet e a crise da interioridade psicológica”.


Disponível em: http://www.comunica.unisinos.br/tics/textos/2003/GT12TB6.PDF. Acesso
em 20/012008.

73
SILVA, C. M. da. “Intimidade on­line: outras faces do diário íntimo contemporâneo”.
Universidade Federal Fluminense. Departamento de Psicologia. Dissertação de
Mestrado, 2006.

Sites Consultados:

http://www.wikepedia.com
http:// www.technorati.com
http://www.robotwinsdom.com
http://www.pitas.com
http://www.blogger.com
http://www.dicweb.com
http://www.globo.com
http://www.uol.com.br
http://www.burburinho.com
http://www.userland.com
http://www.crislaphan.com
http://www.nova­e.inf.br
http://searchengine.com
http://cigarranapaisagem.blogspot.com
http://pantufa.blogspot.com
http://aferidanarcisica.com
http://daniellefalks.weblogger.terra.com.br
http://quatrocaminhos.blogspot.com
http://www.perseus.com
http://blog.vovici.com
http://dn.sapo.pt
http://bomba­inteligente.blogspot.com
http://planetahilda.blogspot.com
http://ervilhas.weblog.com.pt
http://passeaiflores.blogspot.com/
http://unseoutras.blogspot.com
http://www.sindromedeestocolmo.com
http://www.rosaleonor.blogspot.com
http://horvallis.blogspot.com/
http://blogotinha.blogspot.com
http://www.megeras.com
http://blo.gs.com
http://misspearls.blogspot.com.
http://adufe.weblog.com.pt

74
Adriana Braga

Teoria e método na análise


de um blog:
o caso Mothern

Este capítulo apresenta uma metodologia para o estudo de blogs


a partir do estudo de caso de um blog de sucesso, chamado Mothern,
que se dedica ao tema da maternidade contemporânea. Considerando
os ambientes sociais de internet como espaços de interação social,
a ação comunicativa ali ocorrente foi pensada a partir da articulação
de um duplo quadro teórico de referência: discursivo e interacional.
A metodologia utilizada apóia-se em alguns conceitos da interação
social e das teorias da enunciação, a partir da técnica etnográfica e
análise do discurso, além de alguns dados quantitativos complementa-
res. Este aparato foi elaborado para lidar com os usos concretos dessa
tecnologia de comunicação pelas participantes do grupo em situações
naturais.
Assim, após relacionar o fenômeno analisado ao contexto mais
amplo da Comunicação Mediada por Computador (CMC), faço uma
explanação dos procedimentos metodológicos que fundamentaram a
investigação. Finalmente, partindo de dados quantitativos – a variação
na freqüência mensal de comentários no Livro de Visitas (LV) –, com-
plementado por entrevistas e observação participante, reconto a traje-
tória do blog Mothern.

75
Interações digitais: um esboço teórico

As atividades on-line não se resumem à CMC e vice-versa. To-


mar a atividade on-line pela CMC seria uma redução da atividade e
uma elevação da Comunicação a um estatuto hierárquico superior, o
que parece equivocado. Essa atividade é caracterizada mais pela sua
prática e uso que por sua natureza teórica. Sendo assim, as pessoas
exercem atividades várias utilizando o computador pessoal ligado à
rede mundial de computadores, inclusive se comunicam através dessa
tecnologia. Dito isso, localizo a CMC como a atividade on-line sob exame
nesse estudo, mais especificamente a ocorrente nos blogs. Neste
tópico, procuro desenvolver uma reflexão acerca das especificidades
dessa atividade a partir de uma visada panorâmica sobre o universo no
qual o fenômeno objeto desse estudo se manifesta.
A internet reforça e estende redes sociais por interconectar indi-
víduos em um diálogo de proporções globais, altera a maneira como
muitas pessoas trabalham, aprendem, jogam e se comunicam, tornando
mesmo difícil imaginar um mundo sem a internet. Desde a introdução
dessa tecnologia, a CMC tem desenvolvido várias modalidades que
incluem e-mail, listas de discussão, salas de bate-papo, MUDs, men-
sagens instantâneas, blogs, Orkut, MySpace, Facebook e a própria
web, cada uma delas a criar um ambiente social específico. As moda­
lidades de CMC são atualizadas rapidamente. Em um período de
desenvolvimento e estabelecimento de scripts, ferramentas, interfaces
e programas são aprimorados e substituídos por outros mais avançados
e condizentes com necessidades específicas identificadas pelo uso.
O computador ligado à web pode ser usado para gerenciar in-
formação ou reunir pessoas, sendo o e-mail a modalidade mais popular
da internet. A troca de informação on-line por essa via contribuiu para
o rápido desenvolvimento da tecnologia do computador nos Estados
Unidos, que, combinado com o decréscimo no custo do computador
pessoal, popularizou o acesso da tecnologia na década de 1980. Atual-

76
mente, nos países do chamado “Primeiro Mundo”, a penetração da
atividade on-line conta com mais que 60% da população,1 apesar da
realidade de outros países ser muito diferente.
O computador pode ser usado como ferramenta, quando realiza
tarefas como processamento de texto e gerenciamento de base de
dados; bem como meio de comunicação, quando usado para a comu-
nicação interpessoal através da rede de computadores. Enquanto a
tecnologia é mera máquina, à medida que é utilizada para o uso de
um código simbólico e se estabelece em certo espaço social, torna-
se meio, isto é, um ambiente social e intelectual criado pela máquina
(Postman, 1985). A interação estabelecida entre usuários/as cria o am-
biente de mídia, esse novo espaço intelectual e social denominado
ciberespaço.
A idéia de usar computadores como meio de comunicação foi in-
troduzida por J.C.R. Licklider e Robert Taylor, segundo Barnes (2003).
Em artigo publicado em 1968, intitulado “The computer as a communi-
cation device”, os autores forneciam as idéias conceituais para o de-
senvolvimento da internet: i) redes de comunicação são mais que en-
viar e receber informação de um ponto a outro, os/as agentes são par-
ticipantes ativos/as que têm papel central no processo comunicativo;
ii) comunicação é um processo de reforço mútuo, que envolve criati-
vidade; iii) o computador digital é um meio flexível, interativo, que pode
ser utilizado para a comunicação humana cooperativa; iv) a comu-
nicação baseada em computadores exige um enquadramento comum
da situação.
A internet pode ser usada como suporte de comunicação humana
ou de massa, e essa natureza híbrida a torna um meio difícil de estudar
por incorporar aspectos de ambos os modos comunicativos. Enquanto
a disciplina da Comunicação tem separado a comunicação humana e
de massa em duas áreas distintas, com literatura, perspectivas e teo-
rias próprias, a internet traz características de ambas. O telefone, assim
1 Fonte: Nielsen/NetRating Service, novembro de 2005.

77
como a internet, problematiza essa distinção de categorias por ser um
suporte usado para a comunicação humana que não requer um am-
biente físico para sua ocorrência. Entretanto, tem sido negligenciado
pelos estudos na área. Se a comunicação interpessoal mediada com-
preende a interação entre pessoas através de um suporte que trans-
cenda os limites de tempo e espaço, isso inclui telefone, carta, e-mail e
secretária eletrônica, por exemplo.
Com as tecnologias da CMC, amplia-se o espaço de acolhimento
e visibilidade da expressão individual ou interesses de grupos espe-
cíficos. Entretanto, é importante ressaltar que esse mesmo movimento,
que promove a “democratização” desse espaço, entendido como espa-
ço público, tem como paraefeito uma banalização e desconfiança com
relação a grande parte do volume dos conteúdos publicados nesses
ambientes. Páginas na web são criadas por uma variedade de indiví-
duos e organizações, tornando indispensável uma avaliação das infor-
mações veiculadas quanto à exatidão, autoridade, objetividade, segu-
rança e atualidade por parte de quem as utiliza. Se a informação ali
é livre, é também duvidosa. Conseqüentemente, é possível observar
em várias instâncias da internet a utilização desse espaço como uma
possível via de acesso às mídias tradicionais, que possuem a legiti-
midade pretendida pelos/as autores/as: o sonho do blog é virar livro.2
A maioria dos blogs disponibiliza um espaço de interação, de
debate, de “arena pública”, em que visitantes podem deixar seus co-
mentários, criticar, interagir com o/a blogueiro/a, e com os/as demais
visitantes. Os blogs geralmente oferecem uma lista de indicação com
links internos e externos que apontam para conteúdos de arquivo, ou-
tros blogs recomendados e conteúdos que guardam afinidade com o
tema de interesse do grupo. Geralmente, é possível encontrar comen-
tários de outros/as blogueiros/as (acompanhados do endereço eletrô-

2 Reitera esse ponto o slogan de um popular blog português, Blogue dos Marretas: o blogue livre que
não quis ser livro!, que ressalta o fato de ter sido convidado por uma editora para publicar um livro – e
recusado – como sinal de distinção e independência no contexto da blogosfera.

78
nico) da lista dos indicados no Livro de Visitas3 de cada blog, formando
uma rede de interação em que uns referem-se aos outros e tem-se
a sensação de constituírem uma mesma “comunidade”,4 interagindo
através de textos, imagens e hipertextos. Assim, o uso substantivo do
espaço social do blog promove a criação e a freqüência a outros blogs
e a outros ambientes comunicacionais da rede.
Muitos dos primeiros estudos acerca da emergência dos blogs
partiram de uma analogia com a chamada “escritura de si,” os diários
íntimos em voga nos séc. XVIII e XIX. Entretanto, se considerarmos
que a narração de uma história implica a adequação da experiência
vivida no âmbito privado à aparição pública, como no caso dos blogs –
textos visando publicização –, fica claro o limite frágil dessa analogia.
Nesse processo de escritura do vivido, a experiência passa por um
processo de transformação, desprivatização e desindividualização
(Arendt, 1997). Assim, a perspectiva desses estudos se mostrou re-
ducionista, principalmente à medida que o uso dos blogs foi se esta-
belecendo por outros caminhos, especialmente na interação que es-
tabeleceu com os discursos literário e jornalístico. Assim, os blogs
rapidamente configuraram­se e têm­se configurado como um espaço
social diverso, até certo ponto democrático, para expressão individual,
interação e informação noticiosa, suscitando uma estreita convergência
com o campo jornalístico e literário, o que tais pesquisadores/as não
supunham.5 Os ambientes sociais proporcionados pela internet são es-
paços de interação específicos, a que uma caracterização mais apres­
sada pode tentar encontrar um referente análogo para fins de com­
paração. Entretanto, apesar de muitas vezes terem precedentes em
3 O Livro de Visitas (guestbook) é um espaço para comentários dos/as visitantes de um blog. Em
alguns casos, esse espaço é disponibilizado a partir de um único link; em outros, há um link específico
abaixo de cada texto na página principal (post). De qualquer forma, um espaço de interação entre
produção e recepção neste ambiente.
4 Existe uma extensa discussão no campo acadêmico sobre a pertinência da noção de comunidade
aplicada à internet.
5 Como exemplos, podem-se mencionar a cobertura internacional da invasão do Iraque, que se valeu
largamente de blogs de jornalistas iraquianos, quebrando um monopólio de décadas das grandes
agências de notícias, além dos diversos blogs que foram publicados em forma de livro.

79
outros contextos comunicacionais, esses objetos empíricos têm tam-
bém especificidades, tornando qualquer comparação imediata uma re­
dução da complexidade do objeto em questão.
Os blogs têm consolidado um modo de expressão individual e
interação interpessoal, a promover nesse processo o surgimento de
uma existência mediada e midiática. Além disso, os blogs tornaram-
se atualmente locus da emergência de uma importante forma de jor-
nalismo individual e, até certo ponto, independente, a representar um
papel crítico na aceleração dos ciclos noticiosos. O crescimento vulto-
so dessa modalidade jornalística aponta para uma demanda social por
pontos de vista díspares e múltiplos acerca dos fatos, ao contrário da
abreviação da pluralidade de informação praticada por muitos veículos.
Entretanto, apesar de serem citados por jornalistas como fonte de
alguns artigos, matérias e reportagens com relativa freqüência e uti-
lizados como ferramenta de marketing para empresas e políticos, os
conteúdos veiculados nos blogs carecem de triagem apurada e linha
editorial coerente, elementos valorizados na veiculação desse tipo de
informação. O formato do blog, que associa funcionalidades interativas
com produção de ferramentas eficientes e de simples operação e ain­
da oferece a disponibilidade “sem custos” do provedor, propiciou con-
dições para o surgimento desse fenômeno que parece ter lugar estável
na CMC que ora se estabelece.

Sobre o Método: organização dos dados e procedimen­


tos de análise

O primeiro movimento para este estudo foi contatar-me com os


blogs na tentativa de compreender suas grandes características extra-
textuais e textuais, representar o conjunto: os contornos, as carac-
terizações, o funcionamento. Em função das primeiras aproximações,
de observações intuitivas, entendi que o estudo do universo dos blogs

80
como um todo seria inviável para uma única investigação. O ambiente
disponibilizado pela internet não é ocupado de forma homogênea,
há muitas estruturas distintas. Das muitas aplicações disponíveis, al-
gumas se estabelecem e permanecem, enquanto que outras formas
de uso dos recursos técnicos proporcionados caem em desuso. Entre
os formatos que parecem ter se estabelecido com vigor, pode-se des-
tacar o e-mail – meio de comunicação em geral pessoal e privado –,
o website – institucional e público – e, mais recentemente, os comu-
nicadores instantâneos – pessoal, privado e sincrônico – e o blog – pú-
blico e pessoal, ou seja, espaço público, mas “com dono/a”.
O blog chama a atenção por promover uma democratização
dos recursos para a produção da enunciação midiática, resultando
na emergência de enunciadores/as dispersos, que veiculam grande
diversidade de conteúdos. O contato com esse universo me levou a
delimitar um caso específico no qual está presente um conjunto de fe­
nômenos relativos à problemática maior da CMC.
O ponto de partida para a operacionalização deste estudo con-
siste em uma coleção dos comentários publicados no LV do blog
Mothern durante um período de pouco mais de quatro anos, entre 11
de abril de 2002 – data do início das atividades do blog – e agosto
de 2006. A constatação da limitação dos comentários oriundos do
LV como fonte exclusiva de dados conduziu a dinâmica da aplicação
metodológica deste estudo em atividades para além da base de dados
da internet. Assim, a esses dados acrescentam-se entrevistas pre-
senciais e por telefone com as blogueiras e algumas participantes,
além de observação participante em encontros promovidos por elas,
experiências registradas sistematicamente em um diário de campo
etnográfico. Essas opções visam a ampliar a base empírica de dados
para a compreensão do fenômeno investigado em sua complexidade,
evitando os perigos de ter como única fonte de dados os registros ori-
ginados pela própria tecnologia da CMC.6
6 Ver neste sentido, Greiffenhagen e Watson (2005).

81
A opção de recolha dos dados provenientes do LV desde suas
primeiras mensagens se justifica, dadas as questões específicas sus­
citadas pela pesquisa acerca da interação comunicativa ocorrente na-
quele espaço. Para o exame das representações do self encontradas
nesses ambientes, alguns elementos se apresentam como profícuos:
descrições pessoais, informação para contato, links, letra de música,
citações, sinais de afiliação, testemunhos pessoais, informações cor­
relatas e ainda a chegada ao ambiente social sob investigação, matéria
da primeira impressão disponível aos/as participantes da interação.
Assim, a coleta dos comentários desde seu início permite analisar a
formação e o processo de configuração de diferentes aspectos desse
espaço interacional, como os protocolos de entrada em cena de no-
vas participantes, critérios de inclusão/exclusão/ostracismo de visitan-
tes, princípios formativos daquele circuito comunicacional, além do
tratamento dado a temas específicos convergentes com o tópico de
abrangência do blog.
Além disso, pela peculiar organização da disponibilização das
páginas antigas – contadas retroativamente em grupos de 10 comen-
tários –, torna-se mais fácil coletar e sistematizar a totalidade dos textos
do que voltar à internet a cada consulta. Tal coleta possibilita a criação
de uma base de dados portátil, que pode ser facilmente utilizada a
partir de um dispositivo de armazenamento. O total de comentários
veiculados no LV do Mothern no período considerado ficou em torno de
40.000. Para fins de catalogação, o volume de comentários compilado
nesse período foi agrupado em 40 arquivos Word for Windows, con-
tendo cada arquivo um total de 1000 comentários (em torno de 300
páginas de texto), perfazendo um número superior a 12.000 páginas
de texto, material rico e volumoso que demandou um longo trabalho de
classificação e análise. Essa opção permitiu uma busca relativamente
rápida por palavras-chave, descritores, nomes de participantes ou nú-
meros de comentários específicos dentro de cada arquivo. O fato de
cada comentário apresentar um número individualizado, além de data e

82
hora da postagem, facilitou o trabalho de catalogação e relacionamento
entre eles, bem como fazer inferências acerca de dados de ordem
quantitativa, bastante úteis para fins de caracterização do objeto em
etapas iniciais da análise, fornecendo pistas para a estipulação de
categorias.
A leitura de todos os comentários a partir do início das ativida-
des do LV até o número 3000 operou como uma espécie de obser-
vação não-participante digital (Braga, 2007), na medida em que o
acompanhamento da interação na ordem de sua ocorrência permitiu-
me uma compreensão do caráter intersubjetivo daquela interação. A
análise foi dividida de modo a privilegiar dois aspectos: interacionais,
uma perspectiva sobre a ordem da interação comunicativa; e discur-
sivos, em que priorizo elementos temáticos relativos ao que denomino
teorização informal da feminilidade, a partir do conjunto de comentá-
rios registrados no LV, participação em encontros presenciais e realiza-
ção de entrevistas, conjunto de procedimentos a que tenho chamado
netnografia.7
A unidade básica de análise para lidar com os numerosos dados
provenientes dos registros disponíveis na rede consiste no thread,8
um conjunto de comentários relativos a um mesmo tema, fenômeno
verbal típico da interação social na internet descrito por Rutter e
Smith (2002a; 2002b). Em um thread, os/as participantes alternam co-
mentários datados e numerados, em uma espécie de radicalização da
dinâmica de “turnos de fala” (Schegloff, Sacks & Jefferson, 1974) na
conversação face a face, na qual não há corte ou sobreposição de
falas, mas uma seqüência numericamente configurada.
Após a análise dos discursos dos comentários do LV, ponto de
partida desse percurso, selecionei informantes entre as participantes,
que foram contatadas por e-mail. Entrevistas foram agendadas, grava-
das e transcritas. Ainda, realizei observação participante em alguns dos
7 Ver, nesse sentido, Bishop et al., 1995; Braga, 2008.
8 Na falta de uma boa palavra em português que caracterize o conjunto de comentários denominado
por thread (literalmente, “fio”), optei, por enquanto, por reproduzi­la em sua grafia original em inglês.

83
freqüentes encontros presenciais promovidos pelas freqüentadoras do
LV. A participação nesses encontros foi acompanhada da elaboração
de um diário de campo etnográfico, de modo a preservar o máximo
possível da riqueza das situações naturais de campo.
As opções metodológicas aqui explicitadas buscam dar conta de
um aspecto particular de um fenômeno midiático – o blog Mothern no
contexto da internet. A internet, como meio de comunicação, trouxe
uma série de alterações na configuração do campo das mídias, não
apenas redefinindo os meios tradicionais, mas criando e ampliando
contextos de interação social, que são apropriados por sujeitos enun-
ciadores de diversas maneiras, a partir de protocolos e lógicas de inte-
ração específicas.
No conjunto de comentários componente do LV do Mothern, é
possível observar diálogos inteiros, sem um conteúdo preciso, e que
parecem ter o único propósito de manter o contato e prolongar a co-
municação, cumprindo apenas uma função fática da linguagem, con-
forme a clássica definição de Jakobson (1969). Entretanto, a partir da
entrada de certas temáticas – espontânea ou originada por assunto
proposto na página principal –, um novo thread se desenvolve. Esses
comentários apresentam uma recursividade geradora de outras inter-
pretações. A compreensão do tópico específico apresentado por um
comentário dá origem a outras interpretações a respeito daquele mes-
mo assunto, causando um efeito que muitas vezes pode durar dias ou
mesmo semanas. Sendo assim, o tema introduzido por um comentário
que desestabiliza a sociabilidade cotidiana fornece um eixo para que
se desenvolva uma seqüência de comentários relativos, uma continui-
dade da interação comunicativa em torno daquele tópico específico,
até que esta se estabilize em um novo ponto de equilíbrio, voltando aos
termos da sociabilidade cotidiana – fática. A cada percurso desse tipo
– tema / comentários relativos / comunicação fática –, um novo thread
se apresenta como unidade possível de análise.
Assim, considero importante buscar, além da diversidade dos

84
conteúdos apresentados no ambiente interacional do LV, “os princípios
estruturantes que fornecem ordem em meio ao fluxo” (Smith, 2004:51).
A estipulação dos threads, a observação de sua duração, freqüência e
conteúdos para a organização e exame desses dados em seu conjunto
demonstram grande potencial analítico, uma vez que é no confronto
entre posições manifestas ao longo dos threads que a negociação so-
cial dos sentidos se realiza, tanto na ordem do discurso quanto na
ordem da interação.
O fenômeno comunicacional originado pelo LV comparece em
diferentes ambientes da Internet, em trocas de e-mails, visitas a fo-
tologs, fórum de comunidade Orkut, comunicação por programas de
mensagens instantâneas, outros LVs, lista de discussão restrita etc.
Algumas relações estabelecidas no LV ultrapassam os limites da CMC
e lançam mão de outros recursos técnicos para realizar suas trocas,
como telefone celular, câmaras digitais, além de encontros presenciais.
Na tentativa de precisar algumas unidades de leitura no conjunto
de dados, me vi levada a fazer algumas escolhas de ordem teórico-
metodológicas e eleger, dentre os diferentes ambientes de interação,
alguns pontos interconectados: o LV e sua “relação reflexiva” com os
posts,9 de um lado, e com outros LVs e fotologs, de outro. Tendo em
vista o fenômeno comunicacional sendo constituído no contexto da
internet, é possível perceber articulações que se fazem através de en-
vios (na forma de mensagens verbais e links) e reenvios entre esses
espaços. A partir de vários mecanismos observados na relação entre
essas partes, um circuito comunicativo é estabelecido e representa-
ções discursivas veiculadas.
A seguir, apresento um exemplo do modo como dados quantita-
tivos, facilmente disponíveis na rede, podem ser articulados a técnicas
de pesquisa qualitativa, como observação participante e entrevistas
em profundidade, contribuindo na caracterização do objeto de pesqui-
9 “Posts” são as atualizações na página principal de um blog, podendo ou não pertencer ao mesmo
gênero de escrita, tratar do mesmo assunto ou ter sido escrito pelo/a blogueiro/a. Ao longo do texto,
utilizo a palavra “post” por se tratar de um termo êmico.

85
sa, neste caso, a trajetória do blog, da comunicação mediada por com-
putador aos meios de comunicação de massa.

O blog Mothern: da CMC aos MCM

Juliana Sampaio e Laura Guimarães, colegas desde a faculdade,


trabalhavam como dupla de criação em uma agência de publicidade,
desempenhando o papel de redatora e diretora de arte, respectivamente.
À medida que a agência começou a crescer e a captar contas de gran-
des clientes, as duas amigas, atentas às contradições da lógica do
mercado, mantinham uma posição crítica, a questionar as práticas do
fazer publicitário, suas políticas de representação de minorias e seu
compromisso com o Capital. Trabalhadoras, usuárias do computador
ligado à internet no cotidiano, vinculadas à novidade por dever de ofício,
acompanhavam a emergência das novas ferramentas de publicação
on-line. A partir da leitura de alguns blogs brasileiros, que então co-
meçavam a se estabelecer na rede, resolveram, a partir de uma brin-
cadeira, fazer uma versão materna de um blog que tematizava a “mu-
lher superior”. Criou-se, assim, em janeiro de 2002, o blog Mothern:
as incríveis aventuras de duas garotas que já pariram. Em abril do
mesmo ano, após várias tentativas frustradas de instalar o sistema de
comentários de leitores/as por post, as blogueiras colocaram no ar o
Livro de Visitas, ambiente da vibrante dinâmica interacional que viria se
instalar ali em pouco tempo.
A instalação do LV estabeleceu um parâmetro mensurável da ati-
vidade no ambiente Mothern, o número de comentários por mês. Uma
análise do gráfico que registra a atividade no LV, disposto abaixo, é
elucidativo da história desse ambiente.

86
Número de Comentários no Livro de Visitas por mês

4500
número de comentários/mês

4000
3500
3000
2500
2000
1500
1000
500
0
abr/02
jun/02
ago/02
out/02
dez/02

abr/03
jun/03
ago/03
out/03
dez/03

abr/04
jun/04
ago/04
out/04
dez/04

abr/05
jun/05
ago/05
out/05
dez/05

abr/06
jun/06
ago/06
fev/03

fev/04

fev/05

fev/06
m ês e ano

Figura 1: Número de comentários no Livro de Visitas por mês


Fonte: Braga (2006)

Quando da instalação do LV, as blogueiras iniciaram a divulgação


do blog escrevendo para suas listas pessoais de e-mail e visitando
outros blogs, deixando mensagens convidando para visitar o Mothern
– protocolo básico de interação na blogosfera. O resultado desse tra-
balho de divulgação foi o pico de quase 2000 comentários em outubro
de 2002, na forma de congratulações de amigos/as e familiares pela
iniciativa e de retribuição de visitas de outros blogueiros/as. A falta de
freqüência continuada desses/as primeiros/as visitantes levou a uma
queda, acentuada pelo final de ano. Nesse período, a coincidência
com as férias, festas e feriados faz com que a atividade on-line diminua
de modo geral, particularmente porque as freqüentadoras habituais
acessam a internet a partir de seus locais de trabalho. Entretanto, de
janeiro a abril de 2003 já pôde ser percebido um primeiro patamar de
estabilidade no número de visitantes, mantido pela freqüência que

87
começa a se estabelecer de visitas de outros/as blogueiros/as, que
se identificaram com a proposta e passaram a freqüentar o LV co­
tidianamente.
Uma nova fase se iniciou quando o Mothern foi noticiado em três
veículos de mídia impressa, em meados de 2003: uma coluna mensal
na revista TPM, uma matéria com fotos e entrevista na revista Crescer e
uma fotografia e menção ao blog e suas criadoras em uma reportagem
sobre o crescimento da blogosfera na revista IstoÉ, em maio daquele
mesmo ano. A partir daí, houve um crescimento vertiginoso na atividade
daquele espaço, que chegou a um pico de quase 4000 comentários em
abril de 2004 – registrando queda somente entre dezembro e fevereiro,
pelas razões já mencionadas. Nesse período, em março de 2004, foi
criada uma lista de discussão paralela restrita, que viria a provocar
um esvaziamento impressionante nas atividades do LV. Em poucos
meses, a lista absorveu quase completamente aquela atividade, apre-
sentando mais de 4000 registros em agosto, mesmo mês da queda
mais significativa do fluxo do LV registrada no gráfico.
Em outubro de 2004, as blogueiras anunciaram na página principal
do blog o encerramento das atividades por parte delas, ou seja, o
fim da produção de novos posts. Sob o lamento das freqüentadoras,
as anfitriãs argumentaram estar envolvidas com outras tarefas pro­
fissionais e interesses pessoais. Entretanto, convidaram todas para
continuarem a freqüentar o ambiente mesmo na sua ausência. As fre-
qüentadoras reagiram de modo compreensivo, apesar de ficar claro
o desagrado frente àquele afastamento. Os números caíram a níveis
próximos aos dos primeiros meses da criação do LV. Entretanto, após
o choque inicial, a freqüência ao LV manteve-se estável em torno de
150 comentários por mês, demonstrando uma relativa autonomiza-
ção daquele ambiente com relação à atividade e participação de suas
criadoras.

88
Pouco tempo depois do encerramento das atividades do blog, as
autoras receberam o convite de uma editora comercial para publicar o
conteúdo do blog em forma de livro, cujo lançamento ocorreu em 16 de
abril de 2005, por ocasião do dia das mães. A campanha publicitária e
os eventos de lançamento do livro – que promoveram um novo fluxo
de visitantes ao blog – levaram as blogueiras a retomar as atividades
da página, e a freqüentar novamente o LV, para responder e dar as
boas vindas a todas as recém-chegadas. A partir daí, com o crescente
interesse das mídias tradicionais no fenômeno dos blogs, o Mothern
passou a ser fonte constante para pautas de suplementos femininos
e de informática em jornais e revistas de circulação nacional, atraindo
novos grupos e promovendo rotatividade naquele ambiente. O número
de comentários manteve-se estabilizado entre os meses de janeiro de
2005 a julho de 2006, registrando número de comentários em torno
de 700, apesar da pouca atualização da página principal. A estréia do
programa televisivo Mothern, série de ficção elaborada a partir dos
textos do livro no canal fechado GNT, em agosto de 2006, motivou
novamente a atualização do blog. A massiva campanha publicitária
da emissora colocou o tema da maternidade moderna como pauta de
diversos programas de sua grade, como Saia Justa, Sem Controle e
Marília Gabriela Entrevista, além das chamadas constantes para o pro-
grama propriamente dito durante a programação. Essa exposição à
mídia de massa despertou o interesse de outros veículos de expressão
nacional, como o jornal Folha de S.Paulo, a revista Época, e o programa
Hebe, do SBT, e levou a um crescente afluxo de novos/as visitantes,
elevando o número de comentários no LV de modo exponencial. Em
agosto de 2006, o número de comentários foi mais que o dobro do
registrado em julho, mostrando, ao final da contagem desses dados,
um iminente ciclo de expansão.

89
Para Concluir

Operações de sistematização de dados e procedimentos de


análise comumente não são explicitadas nos relatórios de pesquisa
publicados. Este capítulo, ao apresentar detalhadamente o processo
metodológico empregado na análise de um blog, visa a fornecer a
estudiosos/as das interações sociais estabelecidas nos ambientes de
internet um instrumental analítico promissor para a compreensão desse
fenômeno comunicacional a partir de uma perspectiva etnográfica.
A análise de blogs pode revelar uma interessante perspectiva sobre
vários aspectos que superam o horizonte da chamada cibercultura.
No estudo do caso Mothern, ficaram evidentes tanto aspectos
interacionais específicos da Comunicação Mediada por Computador,
tais como os protocolos de apresentação do self, o gerenciamento de
conflitos e a constituição de um circuito interativo entre participantes,
quanto relações de gênero e poder. Essas relações não se restringem
à internet; embora expressas em um ambiente digital, manifestam
lógicas simbólicas de profunda importância social.

90
Referências
ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

BARNES, S. Computer-mediated communication: human-to-human communication


across the Internet. Boston/USA: Allyn and Bacon, 2003.

BISHOP, A. P.; STAR, S. L.; NEUMANN, L.; IGNACIO, E.; SANDUSKY, R. J., &
SCHATZ, B. “Building a university digital library: understanding implications for academic
institutions and their constituencies.” In: Higher Education and the NII: from vision to
reality. Proceedings of the Monterey Conference, Sept. 26-29. Washington, DC, Coalition
for Networked Information, 1995.

BRAGA, A. A. “Nethnography: a naturalistic approach towards online interaction.” In:


JENSEN, J.; SPINK, A.; TAKSA, I. (Orgs.). Handbook on Research of Web log Analysis.
Hershey, Pennsylvania: Idea Group Publishing, 2009.

________. “Usos e consumo de mídias digitais entre participantes de weblogs: uma


proposta metodológica.” Artigo apresentado no XVI Encontro Anual da COMPÓS.
Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2007.

BRAGA, A. “Feminilidade mediada por computador: interação social no circuito-blogue”.


Unisinos. PPGC. Tese (Doutorado) em Ciências da Comunicação, 2006.

GREIFFENHAGEN, C. & WATSON, R. “‘Teoria’ e ‘Método’ na CMC: identidade, gênero,


e tomada-de-turno – uma abordagem etnometodológica e analítico-conversacional”. In:
BRAGA, A. (Org.). CMC, identidades e género: teoria e método. Covilhã/PT: Universidade
da Beira Interior, 2005.

JAKOBSON, R. Lingüística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1969.

POSTMAN, N. Amusing ourselves to death. New York: Penguin Books, 1985.

RUTTER, J. & SMITH, G. “Ethnografic presence in nebulous settings: a case study”.


Paper presented at ESRC Virtual Methods Seminar Series. Brunel University, 2002a.

________. “Spinning Threads: Rituals of Sociability in CMC”. Disponível em: http://les.


man.ac.uk/cric/Jason_Rutter/papers. Acesso em 22/01/2003.

SCHEGLOFF, E.; SACKS, H.; JEFFERSON, G. “A simplest systematics for the


organization of turn-taking for conversation”. Language, 50, n. 4, 1974. Disponível em:
http://www.sscnet.ucla.edu/soc/faculty/schegloff/pubs/index.php. Acesso em 25/01/2008.

SMITH, G. “Instantâneos ‘sub specie aeternitatis:’ Simmel, Goffman e a sociologia


formal.” In: GASTALDO, É. (Org.). Erving Goffman, desbravador do cotidiano. Porto
Alegre: Tomo Editorial, 2004.

SITES:

Blogue dos Marretas: http://marretas.blogspot.com


Mothern: http://mothern.blogspot.com

91
92
Marcelo Träsel

A vitória de Pirro dos blogs:


ubiqüidade e dispersão conceitual na web*

A cerca de dez anos desde seu surgimento, os blogs tornaram-


se uma forma de comunicação que atinge todos os grupos e classes
sociais conectados à world wide web. De senhoras de 95 anos a pré-
adolescentes, de grupos de esquerda às corporações multinacionais,
de jornais interioranos às grandes holdings de mídia, não há categoria
de sítio da web em que o formato de publicação em textos curtos, fre-
qüentes, organizados segundo uma cronologia decrescente, em geral
acompanhados de espaços para comentários dos leitores,2 ainda não
tenha pelo menos um caso de uso. Conforme o serviço de buscas
Technorati, em abril de 2007, o número de blogs monitorados ultra-
passava os 70 milhões, sendo que, em média, 120 mil novos blogs
eram criados por dia (Sifry, 2007). Uma demonstração da força e cre-
dibilidade que esse tipo de veículo amealhou nos últimos anos é o
*
Pirro (318-272 AC), general grego, rei de Épiro e da Macedônia. Na Batalha de Ásculo (279 AC),
confrontou o exército romano e venceu, porém ao custo de 3500 homens de seu exército. Quando
lhe deram os parabéns, Pirro retrucou: “outra vitória como esta e estaremos perdidos”. A expressão
“vitória de Pirro” passou a ser usada para sucessos que trazem prejuízos para o vencedor.
2 Conforme definição para o termo weblog proposta por Blood na introdução de Rodzvilla (2002).

93
caso do blog de tecnologia Engadget. Em maio de 2007, o Engadget
publicou um e-mail enviado pela diretoria da empresa Apple a seus
funcionários anunciando erroneamente um atraso no lançamento de
dois produtos. A publicação causou uma queda de US$ 4 bilhões no
valor de mercado das ações da Apple (Arrington, 2007). O equívoco foi
desfeito e as ações voltaram a seu valor original em pouco tempo, mas
a disposição dos investidores em tomar decisões financeiras com base
em um post do Engadget pode ser considerada um símbolo da acei-
tação social dos blogs como canais confiáveis de informação.
Para todos os efeitos, o formato blog tornou-se ubíquo na web.
No entanto, a disseminação tende a estressar os limites da definição
desse gênero de website à medida que as ferramentas de publicação
permitem arquiteturas e desenhos mais complexos e ocorre uma pro-
fissionalização da produção de conteúdo. O objetivo desse trabalho é
discutir até que ponto as definições mais aceitas de blog dão conta dos
fenômenos atuais e iniciar um debate que leve a um conceito o mais
atemporal e independente da tecnologia possível. Não se pretende
aqui dar qualquer resposta definitiva sobre o conceito de blog, mas
sim incentivar os pesquisadores do tema a questionar seu objeto de
análise.

Blogs e suas definições

A definição primordial de weblog é a de um sítio dedicado a co­


letar links para outros sítios da rede mundial de computadores e co-
mentá-los. A partícula “log” remete aos diários de navegação, em que
os capitães informam as latitudes e longitudes percorridas a cada dia
e os pontos de referência geográficos encontrados, além de incidentes
diversos. O prefixo “web” indica a transposição desses verdadeiros
guias de navegação para a rede mundial de computadores de interface

94
gráfica. De fato, o objetivo principal dos autores pioneiros era guardar
um arquivo de referências interessantes, numa época em que as
ferramentas de busca ainda eram muito pouco desenvolvidas. Encon-
trava-se conteúdo interessante na web por acaso ou por indicação
de outros internautas, então os links fornecidos nos primeiros blogs
eram um ativo muito valioso para seus autores e leitores. Um nome al-
ternativo para weblog é diário virtual, tradução do inglês on-line journal,
mas normalmente entende-se que essa denominação se refere a um
tipo específico de blog, que privilegia as impressões pessoais de seu
autor em detrimento dos links comentados.
Os pesquisadores que se debruçam sobre esse objeto, sobre-
tudo os de origem americana, tendem a adotar uma definição baseada
na fórmula proposta por Blood (2002): uma página da web atualizada
freqüentemente com entradas datadas, as mais novas posicionadas
no topo, contando quase sempre com espaços para comentários. Há
pesquisadores que definem os blogs a partir de características de sua
linguagem e narrativa, apontando, no mais das vezes, a auto-refe-
rência e a subjetividade que conformam esse gênero textual.3 Auto-
res de ambos os grupos tendem a identificar também os blogs com
as ferramentas de publicação usadas para produzi-los – embora seja
possível manter esse tipo de website usando o mesmo método da cria-
ção de sítios tradicionais, isto é, mudando o código HTML e atuali-
zando-o diretamente no servidor em que o blog está hospedado. De
uma maneira geral, porém, os acadêmicos que se debruçam sobre
o fenômeno dos blogs falham em dar uma definição operacional dos
mesmos.4 É bem verdade que a constante evolução tecnológica pre-
judica qualquer tentativa de delimitar o objeto, fator que, de resto, in-
terfere em todo estudo sobre fenômenos da comunicação mediada por
computador, mas talvez essa dificuldade devesse se tornar um incen­
tivo para encontrar definições independentes do gênero textual ou da
3 Ver, por exemplo, Sibilia (2003) ou Primo (2005).
4 Ver Schittine (2004), por exemplo, que faz uma análise do uso dos blogs para a escrita íntima sem
definir claramente o que entende por blog em nenhum momento.

95
ferramenta, não para evitar o problema. Estudos científicos que se exi­
mem de apresentar alguma definição operacional de seu objeto car­
regam uma fragilidade primordial.
Os artigos e livros escritos pelos próprios blogueiros e trabalha-
dores especialistas em internet e web costumam abordar o problema da
conceitualização com maior freqüência. Um apanhado das definições
mais recorrentes para blogs realizado por Garfunkel (2004) identificou
os seguintes traços, que podem ser complementares ou concorrentes:

1. website de cunho subjetivo ou não-comercial, tipicamente produ-


zido por um único indivíduo;
2. formato de um diário organizado em ordem cronológica reversa,
em geral atualizado todos os dias ou com bastante freqüência;
3. referências a outros sítios da web e excertos comentados de outras
fontes e impressões pessoais;
4. relatos da vida diária.

No Brasil, o último aspecto sempre foi o mais atrelado à noção


de blog. O aposto “diarinho adolescente na web” foi e é muito usado
para questionar a legitimidade dos blogs como fontes de informação,
em especial por jornalistas, que vêem suas prerrogativas profissionais
ameaçadas pelo acesso de “qualquer um” às ferramentas de publicação
na Web. Essas críticas foram deixadas de lado recentemente, quando
os grandes portais passaram a criar blogs para seus funcionários. O
principal causador dessa mudança na cultura empresarial, embora não
seja um pioneiro do jornalismo em blogs, foi o Blog do Noblat,5 sítio
sobre política criado pelo jornalista Ricardo Noblat. Inicialmente hos­
pedado como um tipo de coluna no portal do jornal O Dia, depois no IG,
subseqüentemente no Estadão, o blog hoje está no O Globo Online.
Esse histórico desencadeou uma verdadeira mania de criação de blogs
pelos grupos de mídia concorrentes, com o objetivo de atender à de-
5 http://oglobo.globo.com/pais/noblat.

96
manda do público mais jovem e de marcar posição estratégica como
empresas “antenadas”. A partir desse movimento, os outros traços da
definição de blog citados acima passaram a ser mais difundidos entre
blogueiros, pesquisadores e público em geral, e esse tipo de website
ganhou respeito.
Porém, foi breve a conquista do reconhecimento pelos blogs. No
momento mesmo em que passam a ser aceitos e se multiplicam por
todos os cantos da web brasileira, começam a perder credibilidade. Os
pioneiros da blogosfera vêem o seqüestro do formato pela mídia e a
mercantilização por meio de anúncios e até mesmo venda de espaço
editorial como sinais do fim de uma “era de ouro” dos blogs. Ao mesmo
tempo, características antes típicas dos blogs estão presentes em todo
tipo de sítio e as próprias ferramentas criadas para mantê-los servem
aos mais diversos fins. Onipresentes, os blogs parecem se dissolver
em meio a outras propostas editoriais e empresariais. Uma verdadeira
vitória de Pirro.
Armadilhas publicitárias para navegadores incautos podem ser
consideradas blogs? As colunas de jornais publicadas em ordem cro-
nológica decrescente e com espaços para comentários podem ser con-
sideradas blogs? Arquivos cronológicos de comunicados de imprensa
são blogs? O que é, afinal, um blog? Na tentativa de encaminhar um
debate sobre essas perguntas, far-se-á uma análise crítica de cada um
dos traços característicos mais comumente apontados nos weblogs.

Um website de cunho pessoal ou não-comercial?

A legitimação dos blogs como veículos de comunicação respei-


táveis e confiáveis, aliada à simplicidade da operação das ferramentas
de publicação, levou à disseminação desse formato por websites cor-
porativos, projetos de marketing, assessorias de imprensa e pela mí-
dia. Recentemente, o portal Globo.com criou blogs para os atores e

97
apresentadores mais famosos da emissora, o que foi entendido pela
blogosfera como uma mera assimilação do formato por interesses mer-
cantis (Netto, 2007).
A vulgarização levou ainda à criação blogs cujo objetivo principal
é a “monetização”, isto é, vender anúncios suficientes via serviços
automáticos6 para obter lucro. A monetização, no entanto, tem levado
muitos blogueiros a publicar conteúdo que visa meramente obter uma
boa colocação no ranking das ferramentas de busca, ou ainda extrair
cliques do que chamam “pára-quedistas” – os internautas desavisados
que caem no blog via ferramentas de busca, em geral procurando por
informações a respeito de celebridades ou pornografia, e, confundidos
pelo design ambíguo da página, acabam clicando em anúncios, para
jamais voltar àquele sítio novamente (ver Campos, 2007). Após par-
ticipar de um evento reunindo blogueiros em 2007, um professor uni-
versitário e pioneiro da blogosfera relatou com pesar:

...blogs não são mais só aqueles sites de cunho pessoal


onde os autores publicam suas opiniões sobre os
assuntos que lhe interessam. (...) O tipo de site que
parece predominar ao se procurar ilustrar o conceito de
um blog hoje em dia é o site construído por alguém (ou um
grupo de pessoas) que visa ganhar dinheiro publicando
conteúdo e funcionando como alternativa aos jornais,
revistas e programas de televisão (Oliveira, 2007).7

As reclamações causadas por esse tipo de blog podem ser atr-


ibuídas às grandes expectativas que o acesso do público a uma po-
derosa ferramenta de comunicação gerou nos defensores das liber-
dades civis e críticos do Estado e da mídia. A obra que reúne os
6 Um exemplo é o Google AdSense. Exige-se que o proprietário de um website insira um trecho de
software em locais determinados do código das páginas. O programa monitora o conteúdo das pági-
nas e exibe automaticamente anúncios de acordo com eles. A cada clique de um leitor, o proprietário
da página recebe uma quantia variável em dinheiro. Disponível em: http://www.google.com/adsense.
7 Documento eletrônico.

98
primeiros artigos a respeito do fenômeno (Rodzvilla, 2002) chama­se
We’ve got blog, ou seja, “Nós temos blogs”, expressão que se asse-
melha em muito a uma frase de protesto. Os autores reunidos no livro,
em sua maioria, posicionam os blogs como bastiões de resistência
do cidadão comum contra a mídia e o governo, tomados tacitamente
como instituições traiçoeiras e manipuladoras – não à toa, o autor de
um dos mais conhecidos blogs políticos do mundo, o Instapundit,8 pu-
blicou um livro chamado Um exército de Davis: como os mercados e
a tecnologia permitem às pessoas comuns derrotar a grande mídia, o
grande governo e outros Golias (Reynolds, 2006).9
Além dos blogs com fins francamente comerciais criados por
indivíduos, há os blogs empresariais e impessoais criados por orga-
nizações. Algumas instituições mantêm blogs anônimos que, em lugar
de publicar textos com forte caráter autoral, veiculam uma série de co-
municados de imprensa. Reynolds considera a subjetividade um traço
inseparável dos weblogs: “Então, apesar de você poder ter um blog
‘institucional’ anônimo (...) ele está fadado a ter uma voz institucional
(...) Então voz pessoal parece ser terrivelmente importante para a qua-
lidade de um blog” (2006:116-7).10 Se os blogs são primordialmente
um espaço de construção do “eu” no ciberespaço (Recuero, 2004:4),
é preciso concluir que blogs institucionais anônimos não podem ser
considerados verdadeiros blogs, ou que esse traço não pode ser
determinante na definição do que é um blog. Da mesma maneira, à
medida que blogs passam a ser criados visando exclusivamente à
“monetização”, o cunho não-comercial deixa de ser útil para delimitar
esse objeto.

8 http://www.instapundit.com.
9 “An army of Davids: how markets and technology empower ordinary people to beat Big Media, Big
Government and other Goliaths”. Tradução livre.
10 Tradução do Autor: “So while you can have an anonymous ‘institutional’ blog (...) it’s bound to
have an institutional voice (...) So the personal voice seems to be awfully important to good blogging”.

99
Ordem cronológica reversa e freqüência de atualização

A ordem cronológica reversa e a freqüência de publicação são


aspectos dos blogs devido mais aos constrangimentos técnicos das
ferramentas do que a exigências da própria narrativa. A grande ino-
vação de ferramentas como o Blogger, Movable Type e WordPress,
denominadas sistemas de publicação de conteúdo (CMS, ou Content
Management System), foi permitir a veiculação de conteúdo por meio
da automação do processo de edição em linguagem HTML e trans-
ferência dos arquivos para servidores da web. Isso significou maior
simplicidade e rapidez na publicação e eventual edição do conteúdo do
blog. Antes dos blogs, muitos internautas mantinham páginas pessoais
estáticas, raramente atualizadas. O principal resultado da simplicidade
de operação dos CMS foi um incentivo à atualização freqüente por
meio da remoção da barreira técnica.
A ordem cronológica decrescente, por outro lado, foi estabelecida
pelos blogs pioneiros, cujos autores não contavam com CMS e, por-
tanto, precisavam codificar “a mão” a página e depois enviá­la a um
servidor junto com os elementos de imagem ou áudio necessários,
usando programas específicos. Ocorre que seria inviável publicar
textos curtos diariamente em arquivos individuais sem contar com al-
gum tipo de automação, constrangimento que levou os primeiros blo-
gueiros a adotarem a solução de manter um documento único para
cada semana ou mês e apenas inserir os novos conteúdos no topo da
página, juntamente com a data. Este formato foi mantido pelos CMS,
criados depois.
Não foram apenas os blogs, porém, que se beneficiaram dos CMS
mais acessíveis. Muitas revistas eletrônicas que antes não tinham re-
cursos financeiros e técnicos para adotar um CMS passaram a usar
muitas vezes as ferramentas criadas originalmente para a manutenção
de blogs. Os grandes webjornais, por outro lado, sempre usaram CMS
desenvolvidos especificamente para eles, que inclusive permitiam a

100
publicação de conteúdo em ordem cronológica reversa, como a dos
blogs − vide as listas de “últimas notícias” desses veículos, sempre
apresentadas com a manchete mais recente no topo. No entanto, o
jornalismo se caracteriza pela primazia da organização hierárquica
da informação sobre a organização cronológica, daí serem raros os
webjornais que até hoje adotaram a cronologia reversa como critério
principal de distribuição do conteúdo em suas home pages. Pode-se
citar como exemplos de uso da cronologia reversa no jornalismo o
Observatório da Imprensa e a revista Exile.ru.11
Ao passo que algumas revistas eletrônicas adotam a ordem cro-
nológica reversa, certos blogs abandonam essa característica. Tome-
se, por exemplo, o caso do Judão,12 website sobre cultura cuja página
principal segue uma ordem hierárquica da informação, apesar de rodar
no CMS WordPress e se autodenominar um blog. Na figura 1 (página
seguinte), pode-se ver que a página principal apresenta uma manchete
gráfica; a seu lado, um destaque também gráfico para algum artigo
ou especial; abaixo da manchete, destaques menos relevantes or-
ganizados por tópico; e, finalmente, uma lista de últimas notícias, única
seção da home page organizada cronologicamente.
O Judão, no entanto, tem uma voz subjetiva e é um website ori-
ginalmente de cunho pessoal e não-comercial, embora hoje conte com
uma equipe de redatores e veicule anúncios. Porém, oferece espaços
para comentários dos leitores e relatos da vida de seu editor, Thiago
Borbolla, em uma seção determinada. Isso o colocaria na categoria de
blog conforme a maioria dos traços normalmente identificados nesse
tipo de sítio. A evolução do design de sítios informativos para a web
parece apontar para uma “bloguização” das revistas eletrônicas e de
“jornalistização” dos blogs, resultando em um híbrido da lógica hierár-
quica do jornalismo e da lógica temporal dos blogs.

11 http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br e http://www.exile.ru, respectivamente. As duas revis-


tas eletrônicas citadas na verdade misturam hierarquia e cronologia, embora com predominância
desta última.
12 http://www.judao.com.br.

101
Figura 1: Reprodução da página principal do sítio Judão.
Fonte: http://www.judao.com.br. Acesso em 11/12/2007.

A publicação freqüente deixou de ser exclusividade tanto dos


blogs como dos veículos jornalísticos. Hoje, estão se tornando menos
comuns os websites estáticos, cujo conteúdo e estrutura se mantêm
inalterados por semanas ou meses, do que os dinâmicos, que apre-
sentam pequenas mudanças diária ou semanalmente. De fato, com
a ampla oferta de CMS e outros serviços de publicação, os websites
dinâmicos se tornaram mais econômica e tecnicamente viáveis do que
os estáticos, porque exigem menos mão-de-obra especializada. Atual-
mente os sítios de corporações e mesmo de pequenos negócios atua-
lizam freqüentemente seu conteúdo, assim como os indivíduos que
têm perfis em redes sociais como o Orkut13 ou mantêm blogs.
Assim, nem a freqüência de atualização nem a ordem cronológica
13 http://www.orkut.com.

102
reversa são mais características exclusivas dos blogs. Portanto, não
podem continuar sendo o eixo principal de sua definição.

Links, impressões e diarismo

No início, os blogs foram usados para o compartilhamento de links


para páginas da web consideradas interessantes por seu autor, em
geral acompanhados de impressões sobre o conteúdo das mesmas.
Após o surgimento dos CMS gratuitos e abertos a todos, cada vez mais
os blogs com relatos cotidianos passaram a povoar a rede mundial
de computadores. Hoje, porém, muitos serviços estão substituindo os
blogs como plataformas de publicação desse tipo de material.
O compartilhamento de links, por exemplo, passou a ser feito
através de serviços que agregam aspectos de redes sociais, como o
Del.icio.us e o Stumble Upon.14 Ambos permitem o cadastro de páginas
da web, produzindo, como resultado, listas de links interessantes para
cada um de seus usuários. As listas ficam disponíveis a todos os in­
ternautas, sejam assinantes do serviço ou não. Esses serviços, con-
hecidos como social bookmarking, ou “socialização de favoritos”, são
considerados um tipo de “filtragem” da web (Bruns, 2004). É possível
inserir comentários a respeito de cada página cadastrada, resultando
em algo muito parecido com os primeiros blogs, como se pode ver ao
comparar a organização da informação nos sítios reproduzidos nas
figuras 2 e 3.

14 http://del.icio.us e http://www.stumbleupon.com, respectivamente.

103
Figura 2: Página de arquivo do blog pioneiro Robot Wisdom,
dezembro de 2000 a janeiro de 2001.
Fonte: http://www.robotwisdom.com. Acesso em 11/12/2007.

Figura 3: Página do autor deste artigo no Del.icio.us, dezembro de 2007.


Fonte: http://del.icio.us/trasel. Acesso em 11/12/2007.

104
As impressões e comentários sobre fatos cotidianos e notícias
também têm sido canalizados para outros tipos de websites que não
blogs. Esse tipo de expressão já era possível nos fóruns eletrônicos,
ferramentas ainda anteriores aos blogs. Hoje, há sítios cujo objetivo
principal é veicular a opinião dos internautas sobre os fatos sociais,
como o Jornal de Debates,15 em que se pode publicar artigos sobre te-
mas escolhidos pelos editores ou votados pelos leitores, mediante ca-
dastro, bem como inserir comentários e responder a artigos de outros
colaboradores com novos artigos.
Além disso, os próprios webjornais têm atrelado espaços para
comentários às suas notícias, como por exemplo o Estadão.com e
a Zerohora.com.16 Como nos blogs, os leitores podem deixar suas
impressões sobre determinadas notícias, bastando, para isso, cadas-
trar-se. Essas intervenções são, no mais das vezes, moderadas pela
equipe editorial. Os espaços para leitores tecerem comentários ligados
diretamente ao conteúdo em questão não constam das definições
mais comuns de blog, mas são uma das inovações mais importantes
introduzidas por esse formato de circulação de informação na web.
A maioria dos blogs conta com esse tipo de sistema, em que são ge-
radas conversações frutíferas e ocorre a criação e reforço de laços
sociais (Primo, 2006). Atualmente, porém, quase todos os webjornais
e variados tipos de sítios, inclusive corporativos, introduziram espaços
para comentários, de modo que esses não contribuem mais para uma
definição operacional de blog.
Já os diários virtuais propriamente ditos, os on-line journals, nos
quais os indivíduos relatam eventos de seu cotidiano, devaneios e sen-
timentos, estão lentamente migrando para as redes sociais. Serviços
como o Orkut, Facebook e MySpace17 apresentam nos perfis de seus
assinantes seções em que eles podem escrever pequenos textos e
15 http://www.jornaldedebates.com.br. Um serviço semelhante é o também brasileiro Eu Acho Que
(http://www.euachoque.com.br), que opera sob a palavra de ordem “onde a sua opinião é pública”.
16 Http://www.estadao.com.br e http://www.zerohora.com.br.
17 http://www.facebook.com e http://www.myspace.com, respectivamente.

105
recados. Essas seções são freqüentemente usadas para fazer relatos
da própria vida e expressar sentimentos. Um serviço chamado Twitter18
consiste unicamente neste tipo de página de recados e ainda permite
que o assinante crie uma rede social e acompanhe as atualizações das
pessoas em sua rede através de mensagens de texto enviadas a seu
telefone móvel. O YouTube,19 repositório que permite a distribuição de
vídeos na web, tem sido usado para a produção de relatos da vida co-
tidiana e comentários sobre fatos sociais, resultando em um gênero de
publicação conhecido como “videolog”, geralmente contraído para vlog.
Os vlogs são considerados blogs audiovisuais. Há ainda os blogs em
áudio, chamados podcasts, nos quais indivíduos ou pequenos grupos
apresentam músicas, tecem comentários sobre o cotidiano, realizam
entrevistas ou mesmo lêem as notícias do dia.
Em outras palavras, alguns dos usos mais comuns dos blogs es-
tão sendo divididos entre outros serviços especializados da web, tor-
nando inviável a tarefa de delimitar o objeto a partir do tipo de conteúdo
publicado.

Conclusão

Há uma difusão de certas características típicas dos blogs para


websites de todos os formatos e funções. A premissa da qual par-
tem estas considerações é que foi o próprio sucesso dos blogs que
difundiu essas características por toda a world wide web. Os blogs
mostraram aos produtores de conteúdo que havia um público ávido por
acompanhar páginas atualizadas constantemente, comentar os fatos,
compartilhar conhecimento e fazer contato com outros internautas. Ao
mesmo tempo, os blogs educaram o próprio público para todas essas
atividades e também para a produção de conteúdo próprio, para a
18 http://twitter.com.
19 http://www.youtube.com.

106
construção de “eus” na web e para a formação de redes sociais. Essa
presença de características dos blogs em toda categoria de sítios põe
em cheque as definições mais comuns do fenômeno. É irônico que o
sucesso dos blogs possa acabar por diluir seu significado e, no limite,
fazê-los desaparecer como um gênero de publicação em separado.
A meta deste artigo é mostrar que os blogs não são objetos evi-
dentes, mas sim um formato de publicação na web que ainda carece de
uma definição clara e, se possível, não concorrente com outros fenô­
menos das redes telemáticas, bem como imune ao desenvolvimento
de novas tecnologias. Não se faz aqui proposta alguma de uma tal de-
finição. Trata­se apenas de um encaminhamento para o debate e uma
provocação aos pesquisadores interessados em estudar o objeto blog.

107
Referências

ARRINGTON, M. “Engadget knocks $ 4 billion off Apple market cap on bogus iPhone
email”. Techcrunch, 16/06/2007. Disponível em: http://www.techcrunch.com/2007/05/16/
engadget-knocks-4-billion-of-apple-market-cap-on-bogus-iphone-email. Acesso em
22/11/2007.

BRUNS, A. Gatewatching: collaborative online news production. Nova York: Peter Lang,
2005.

BLOOD, R. “Introduction”. In: RODZVILLA, J. (Org.). We’ve got blog!: how weblogs are
changing our culture. Cambridge: Perseus, 2002.

CAMPOS, A. “AdSense se posiciona e favorece blogs e sites com conteúdo de qualidade”.


Efetividade.net, 07/05/2007. Disponível em: http://www.efetividade.net/2007/05/07/
adsense-se-posiciona-e-favorece-blogs-e-sites-com-conteudo-de-qualidade. Acesso em
10/12/2007.

GARFUNKEL, J. “Blogs: differing definitions”. Civilities, 20/07/2004. Disponível em:


http://civilities.net/OnBlogs. Acesso em 22/11/2007.

NETTO, M. “BBB8, Bloglog, layout novo. Será que a Globo entendeu a Web 2.0?.
Tecnocracia, 05/09/2007. Disponível em: http://tecnocracia.com.br/arquivos/bbb8-
bloglog-layout-novo-sera-que-a-globo-entendeu-a-web-20. Acesso em 10/12/2007.

OLIVEIRA, C. C. G. “Blogcamp­MG”. O [cc] do [caiocesar] na [www], 16/01/2007.


Disponível em: http://www.caiocesar.cc/?p=8194264. Acesso em 22/11/2007.

PRIMO, A.; SMANIOTTO, A. M. R. “Comunidades de blogs e espaços conversacionais”.


Prisma.com, v. 3, p. 1-15, 2006.

RECUERO, R. “Webrings: as redes de sociabilidade e os weblogs”. Sessões do


imaginário, Porto Alegre, v. 11, p. 19-27, 2004.

REYNOLDS, G. An army of Davids: how markets and technology empower ordinary


people to beat Big Media, Big Government and other Goliaths. Nashville: Nelson Current,
2006.

SCHITTINE, D. Blog: comunicação e escrita íntima na internet. Rio de Janeiro: Civilização


Brasileira, 2004.

SIBILIA, Paula. “A intimidade escancarada na rede: blogs e webcams subvertem a


oposição público/privado”. Intercom 2003 – XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da
Comunicação. Anais XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo
Horizonte, 2003.

SIFRY, D. “The state of the Live Web, April 2007”. Sifry’s alerts, 05/04/2007. Disponível
em: http://www.sifry.com/stateoftheliveweb. Acesso 22/11/2007.

108
Jan Schmidt

Práticas de blogging em
língua alemã*:
resultado da pesquisa “Wie ich blogge?!”²

1
.
2

O número cada vez maior de blogs tem levado a uma diferenciação


de usos para esse formato de comunicação on-line. Formalmente,
blogs são websites atualizados regularmente em que posts individuais
são exibidos em ordem cronológica inversa e podem ser acessados por
meio de uma URL (o permalink). Normalmente, os leitores podem fa-
zer comentários em qualquer post específico – logo, um blog combina
características de home pages em HTML estático e a comunicação
assíncrona mediada por computador de listas de discussão ou news-
groups (Herring et al., 2005). Com base nessa definição formal, pode­
mos identificar diversos usos, por exemplo: o blog como diário on­line
pessoal, como instrumento de comentário político, como canal para
comunicação especialista acadêmica ou dentro de empresas etc.
Como já foi discutido em outra ocasião (Schmidt, 2007) de modo
mais detalhado, essa variedade de usos deveria ser levada em con-
* Tradução de Fábio Fernandes.
2 A obra aqui apresentada foi financiada parcialmente pela Deutsche Akademische Austauschdienst
(DAAD) e pela Deutsche Forschungsgemeinschaft (DFG). Martin Wilbers contribuiu para a análise
e interpretação dos dados. Susan C. Herring e três resenhistas anônimos do “Journal of Computer-
Mediated Communication” fizeram comentários valiosos sobre versões anteriores deste paper.

109
sideração e explicada através da análise de “práticas de blogging”.
Elas consistem em episódios individuais em que um blogueiro utiliza
um software específico para trabalhar a gestão de identidade, a gestão
de relacionamento e a gestão de informação dentro da estrutura de
três dimensões estruturais de regras, relações e código. Em outras pa­
lavras: o uso individual e situado de blogs é balizado por (1) rotinas e
expectativas compartilhadas em relação ao uso “correto” do blog para
conseguir gratificações buscadas; (2) relações sociais e hipertextuais
pré-existentes formando redes das quais o blogueiro e o blog fazem
parte e (3) funcionalidades de softwares específicos que ajudam ou
permitem certas ações enquanto restringem outras. Esses elementos
das práticas de blogging são “estruturais” no sentido de que residem
analiticamente além do blogueiro individual, mas, na verdade, são as
ações dele que as reproduzem ou alteram, contribuindo assim para
uma interdependência recursiva de aspectos individuais e estruturais
de práticas de blogging.
A maior parte da crescente pesquisa empírica sobre blogs está
se concentrando em características individuais, motivações, rotinas e
expectativas ou em propriedades estruturais da blogosfera, de modo
mais proeminente nas redes de links entre blogs ou nos públicos
emergente (ver Schmidt, 2007 para uma visão geral da literatura exis-
tente). Esses estudos contribuíram para uma análise de práticas de
blogging dando insights sobre rotinas existentes e sobre o tamanho e
a composição de redes emergentes baseadas em blogs. Entretanto,
embora dados recentes sugiram que o inglês não é mais o idioma do-
minante dentro da blogosfera (Sifry, 2007), a pesquisa é normalmente
concentrada em blogs de língua inglesa. As exceções notáveis são as
análises específicamente culturais ou territoriais para as blogosferas
persas (Esmaili et al., 2006), espanholas (Merelo et al., 2005) e polo-
nesa (Trammell et al., 2006), bem como a análise comparativa das
redes de linguagem da popular plataforma de blogging internacional
LiveJournal (Herring et al., 2007), mas não existem estudos similares

110
para a blogosfera de língua alemã. Este artigo relata descobertas de
uma pesquisa on-line de larga escala realizada em outubro de 2005,
que tinha como objetivo avaliar empiricamente as práticas de blogging e
sociodemográficas dentro da blogosfera de língua alemã. Após algumas
observações introdutórias sobre o projeto da pesquisa, os resultados
selecionados serão apresentados e discutidos, concentrando-se na
distinção entre gestão de identidade, gestão de relacionamento e ges-
tão de informação.
Uma última nota introdutória: a difusão de blogs dentro da Ale­
manha, Áustria e Suíça perdeu terreno para outros países europeus,
como França, Polônia ou Reino Unido, e os Estados Unidos, o que le-
vou a uma parcela menor da população on-line em geral usando blogs,
seja como autores ou como leitores. Segundo uma pesquisa repre-
sentativa (van Eimeren & Frees, 2006), 7% de todas as pessoas co-
nectadas à web na Alemanha já usaram blogs, sendo que 35% desse
grupo é de colaboradores ativos, ao passo que os dois terços restantes
são apenas leitores. Como a parcela de usuários de internet entre a
população alemã ao longo de 14 anos alcançou 60 por cento em 2006,
o número de blogueiros ativos na Alemanha seria de aproximadamente
um milhão de pessoas. Como o conceito de “colaboração ativa” po-
deria incluir desde a postagem de um comentário até a criação de
um blog, e como um número desconhecido de blogs pode ser des-
continuado depois de semanas, meses ou anos, não se pode dire-
tamente concluir, a partir do número de usuários de blogs, quantos
blogs ainda estão realmente ativos. Entretanto, um recente esforço no
sentido de percorrer a blogosfera de língua alemã3 dá um número de
cerca de 100.000 blogs acessíveis publicamente em alemão que foram
atualizados entre maio e julho de 2007.

3 Disponível em: http://www.blogcensus.de.

111
Projeto da pesquisa

A pesquisa “Wie ich blogge?!“4 foi realizada pelo autor entre 3 e


31 de outubro de 2005 e foi direcionada não só para blogueiros ati­
vos, mas também a ex-blogueiros e leitores. O questionário on-line
incluía 18 páginas e cerca de 50 perguntas (incluindo algumas que­
stões em aberto para um input ampliado; uma lista com todas as
perguntas pode ser encontrada no apêndice), que eram exibidas dina-
micamente, dependendo de respostas anteriores para a filtragem de
perguntas. O tempo médio de resposta para a pesquisa completa foi
de aproximadamente 12 minutos.
Os participantes foram recrutados de duas maneiras (veja Tabela
1): Um convite via e­mail foi enviado para membros registrados de dois
serviços de hospedagem de blogs colaborativos (blogg.de e twoday.
net), e a pesquisa foi anunciada no blog do autor. Ao final do questio­
nário, os participantes foram solicitados a colocar em seus blogs posts
sobre a pesquisa. Para ajudar a disseminar o anúncio, um snippet
de código e um banner foram disponibilizados para download, e os
usuários podiam inserir em seus próprios blogs. Isso levou a um total
de 5.246 participantes, tornando a pesquisa “Wie ich blogge?!” uma das
maiores pesquisas sobre uso de blogs realizadas até agora.5 Durante
a primeira semana, a pesquisa e a página correspondente de FAQ no
blog dos autores foram as URLs mais linkadas na blogosfera de língua
alemã, de acordo com o (agora inativo) serviço de rastreamento de
blogs blogstats.de.

4 “Wie ich blogge?!“ significa tanto “Como estou blogando?“ quanto “É assim que eu blogo!”.
5 A maior pesquisa sobre blogs até agora havia aparentemente sido a “MIT Blog Survey”, realizada
no verão de 2005, com cerca de 35.000 participantes (Marlow, 2005).

112
Modo do convite Contatos Início da Fim da Taxa de
pesquisa pesquisa respostas
Mail twoday.net 11.916 1.149 980 8.2 %
Mail blogg.de 659 107 96 14.6 %
Auto-ecrutamento Não 10,309 4,170 Não
aplicável aplicável
Total Não 11,565 5,246 Não
aplicável aplicável

Tabela 1: contatos e taxa de respostas da pesquisa “Wie ich blogge?!

Resultados

Devido ao processo de seleção descrito acima, os resultados não


são estatisticamente representativos da blogosfera de língua alemã,
mas mesmo assim dão valiosos insights sobre práticas de blogging.
Entre os países de origem, a Alemanha domina de longe (81,5%), com
Áustria (9,6%) e Suíça (5,5%) atrás. Outros países totalizam 3.4 %.6
A maioria dos participantes são blogueiros ativos (84,0%), mas
uma boa parcela de pessoas que são apenas leitoras (11,7%) e ex­
blogueiras (4.3%) também participaram. Os resultados a seguir são
apenas para o subgrupo de blogueiros ativos (N=4,405).7 Destes,
cerca de três em cada quatro (73,7%) mantêm apenas um único blog,
ao passo que 15,3% têm dois e 11% três ou mais blogs. Autores com
mais de um blog foram solicitados a responder as perguntas pensando
no blog que fosse o “mais típico” para suas rotinas de blogging.8 Para
6 Outros 40 países foram contabilizados no total. Entre eles estavam, por exemplo, Estados Unidos,
Luxemburgo, Polônia e Itália.
7 Um relato completo dos resultados pode ser encontrado em Schmidt e Wilbers (2006). Uma análise
separada com foco nas diferenças no uso de softwares para blogging é apresentada em Schmidt,
Wilbers e Paetzolt (2006).
8 A decisão de fazer perguntas que tenham somente a ver com o blog mais típico pode alterar al­ al-
guns resultados, quando os participantes com vários blogs pensam em diferentes de seus blogs ao
responderem diferentes perguntas. Uma opção alternative teria sido repetir perguntas relacionadas a
blogs para cada um dos blogs. Entretanto, isso teria prolongado o tempo necessário para terminar a
pesquisa, aumentando assim o número de desistências.

113
algumas questões, resultados separados para subgrupos (com base
na idade dos autores e na idade dos blogs, respectivamente) foram
computados, com os resultados de um teste chi e o coeficiente do
quociente-eta dado. (quociente eta é uma variável estatística)

Descobertas gerais

Os participantes dessa pesquisa compartilham características


com as primeiras pessoas a adotar tecnologias de internet (veja a
Tabela 2 e a Tabela 4): eles são geralmente jovens e, em grande parte,
estão na casa dos vinte anos; normalmente, possuem uma educação
formal de nível alto (nível de entrada em universidade ou diploma
universitário) e um alto grau de envolvimento com a internet, medido
tanto pelo tempo desde a primeira utilização da internet (em grande
parte cinco anos ou mais) quanto pelo uso da internet por semana.
Entretanto, existe uma exceção importante (veja a Tabela 3: a parcela
de gênero está quase equilibrada. Entre blogueiros adolescentes, as
mulheres chegam a ultrapassar os homens por uma taxa de 2:1.

Sexo (N=4,218) %
Masculino 54.4
Feminino 45.6
Idade (N=4,186)
< 20 anos 17.7
20 a 29 anos 41.8
30 a 39 anos 24.3
40 a 49 anos 10,7
> 50 anos 5,4
Educação formal (N=4,193)

114
Sem diploma 3,8
“Hauptschule“ (9 anos) 4,2
“Mittlere Reife“ (10 anos) 19,3
“Abitur“/“Matura“ (12/13 anos) 42,8
Nível universitário 29,9

Tabela 2: Sócio­demografia de blogueiros ativos

N=3,558 Male (%) Female (%)


< 20 anos 33,9 66,1
20 a 29 anos 58,5 41,5
30 a 39 anos 62,0 38,0
40 a 49 anos 53,1 46,9
> 50 anos 58,0 42,0
Total 54,4 45,6
Tabela 3: Parcela de gênero por grupos etário

Tempo a partir do primeiro uso da Internet (N=4,218) %


< 1 ano 1,1
1 a 2 anos 3,1
2 a 5 anos 22,4
5 a 10 anos 53,7
> 10 anos 19,7
Extensão de tempo de uso da Internet (N=4,183)
< 10 horas/semana 18,8
11 a 20 horas/semana 26,8
21 a 30 horas/semana 20,3
31 a 50 horas/semana 14,2
> 50 horas/semana 19,9
Tabela 4: uso geral da internet

115
Pouco menos da metade dos participantes começou seus blogs
aproximadamente seis meses antes da pesquisa, demonstrando que
a adoção desse novo formato ficou um tanto atrás dos EUA. Cerca
de 60% usam um provedor de blogs (sendo os mais comuns myblog.
de, twoday.net ou blog.de) para hospedar seus blogs, enquanto cerca
de um terço (31,9%) têm software stand-alone instalado. Entre eles, o
WordPress é o mais comum (49,9%), seguido pelo Serendipity (10,8%)
e Movable Type (5,7%). 7,6% dos participantes afirmam que não sabem
qual é a base técnica de seus blogs.

N=4,391 %
< 6 meses 45,2
6 to 12 meses 20,6
12 to 24 meses 20,5
24 to 36 meses 8,3
> 36 meses 5,4
Tabela 5: Idade do blog

Quando perguntados sobre a motivação para manter um blog,


mais de dois terços disseram “por diversão”, enquanto uma maioria
também declarou “gosto de escrever ” e “registro idéias e experiências
para mim mesmo” como razões para blogar. Cerca de um em cada
dez blogueiros tem seu blog por razões profissionais. Quando grupos
etários diferentes são comparados, algumas diferenças significativas
se tornam visíveis. Blogueiros adolescentes tendem a blogar mais que
blogueiros mais velhos porque gostam de escrever e de desabafar
seus sentimentos. Os últimos, por sua vez, tendem a blogar mais por
razões profissionais (como é de se esperar), mas também para usar
seus blogs como forma de compartilhar conhecimento sobre certos as-
suntos com outros.

116
N=4,309 < 20 anos(%) > 20 anos(%) Total (%)
Por diversão 75.9 70.0 70.8
Gosto de escrever 79.4 59.8 62.7
Registro idéias e 72.2 59.9 61.7
experiências para mim
Compartilho idéias e 56.0 47.8 49.0
experiências
Desabafo meus 69.9 40.1 44.5
sentimentos
Compartilho meu 22.2 35.3 33.4
conhecimento sobre certos
tópicos
Permaneço em contato 35.1 32.9 33.2
com amigos e conhecidos
Faço novos contatos 34.3 26.0 27.2
Por motivos profissionais 1.3 14.7 12.7
Outras razões 9.3 10.9 10.7
Tabela 6: motivos para manter um blog pela idade dos blogueiros
Foram dadas opções para resposta; múltiplas respostas eram possíveis.

Gestão de identidade: atualizações, conteúdo e ano­


nimidade

A maioria dos participantes atualiza seus blogs com freqüência.


Cerca de um terço o faz pelo menos uma vez por dia. Blogueiros ado-
lescentes relatam uma freqüência ligeiramente mais alta de atualização
do que blogueiros mais velhos. Olhando o conteúdo dos posts, episó-
dios e histórias da vida privada são publicados por três de cada quatro
blogueiros, e cerca de dois terços adicionam imagens ou fotos a seus
blogs. A maioria também afirma que inclui episódios e histórias de suas
vidas profissionais, escolas ou universidades, assim como links para

117
outros conteúdos on-line, com comentários. Apenas um pequeno nú-
mero inclui arquivos multimídia como videoclipes e podcasts em seus
blogs. Mais uma vez, diferenças de idade se sobressaem: blogueiros
adolescentes têm mais chances de compartilhar poemas, letras de mú-
sicas e/ou contos, e – em menor escala – a blogar sobre episódios e
histórias da vida pessoal e da escola. Blogueiros mais velhos, por sua
vez, têm mais chances de apontar para outros conteúdos on-line e a
fazer comentários sobre questões políticas.

N=4,402 < 20 anos (%) > 20 anos (%) Total (%)


Duas vezes por dia 11,9 11,3 11,4
Uma vez por dia 30,4 20,2 21,7
Duas vezes por semana 36,0 39,8 39,2
Duas vezes por mês 19,1 23,1 22,6
Uma vez por mês ou menos 2,5 5,6 5,1

Tabela 7: Freqüência de atualizações de blogs pela idade dos blogueiros

N=4,108 < 20 anos (%) > 20 anos (%) Total (%)


Episódios / histórias da vida 83,3 72,9 74,5
privada
Imagens/fotografias 63,4 63,6 63,5
Episódios/histórias da 68,0 56,5 58,3
vida profissional, escola,
universidade
Links comentados para 47.9 60.0 58.2
outros conteúdos online
Comentários sobre questões 30.6 43.2 40.5
políticas atuais
Comentários sobre tópicos 42.2 40.2 40.5
profissionais, escolares ou
acadêmicos

118
Poemas, letras de músicas, 49.8 28.9 32.1
contos
Outros conteúdos 15.6 20.5 19.7
Videoclipes 4.9 4.6 4.6
Podcasts 1.8 3.2 3.0
Tabela 8: Conteúdo de blogs pela idade dos blogueiros
Foram dadas opções para resposta; múltiplas respostas eram possíveis.

Menos de um terço (29,5%) dos participantes estão blogando de


modo anônimo ou com um pseudônimo. Entre aqueles que revelam
informações pessoais (como nomes, idade ou endereço), maneiras di­
ferentes são possíveis: 40,9% de todos os participantes mencionam
esses detalhes em posts, e 35,8% mantêm uma página separada “so­
bre mim”, que os blogueiros adolescentes tendem a usar mais do que
blogueiros mais velhos. Em uma escala menor, os blogueiros também
usam uma URL/nome de blog personalizados ou fazem um link para
outras páginas pessoais, sem diferenças significativas entre grupos
etários.

N = 4,220 < 20 anos(%) > 20 anos(%) Total (%)


Blogando anonimamente/com 21.4 30.9 29.5
pseudônimo
Revelando informações pessoais (múltiplas respostas possíveis)
Postando informações sobre 55.3 38.3 40.9
identidade ‘real’
Manendo uma página ‘sobre mim’ 45.8 34.1 35.8
Título ou URL de blog contém o 13.6 16.2 15.8
nome do autor
Link para uma homepage pessoal 10 11.7 11.5
separada
Tabela 9: Revelação de informações pessoais por idade dos blogueiros

119
Gestão de relacionamento: comentários e blogrolls

Os comentários são parte integrante dos blogs, e apenas 3,2%


de todos os blogueiros ativos não os habilita. Em contraste com isso,
três em cada quatro (74,6%) permitem que qualquer leitor faça comen­
tários em posts particulares, ao passo que 22,2% tornam obrigatório
um registro antes que os leitores possam comentar. Mas nem todos
os posts recebem comentários (veja a Tabela 10): menos de 30%
dos participantes afirmam que a maioria de seus posts ou todos
eles recebem comentários, ao passo que quase metade de todos os
blogueiros ativos recebem comentários em apenas alguns de seus
posts ou em nenhum. Foi pedido, então, aos participantes que esti-
massem o número médio de comentários que um post recebe (veja a
Tabela 10). Cerca de um quarto afirma que é apenas um, e 62% afir­
mam que recebem apenas alguns comentários em média.
Os resultados para ambas as perguntas diferem de modo signi-
ficativo se olharmos para blogs de diferentes idades: os blogs com
menos de seis meses recebem comentários em menos posts de modo
geral, e recebem menos comentários em posts particulares, em média.

N=3,916 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)


Todos 3.2 7.4 5.5
A maioria 18.9 27.6 23.7
Cerca de metade 20.4 25.6 23.2
Poucos 48.3 38.0 42.6
Nenhum 9.1 1.5 4.9

Tabela 10: Parcela de posts comentados por idade do blog

120
N=3,783 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)
1 35.3 16.2 24.5
2a5 56.9 65.9 62.0
5 a 10 6.2 13.2 10.2
10 a 50 1.4 4.2 3.0
> 50 0.2 0.5 0.4
Tabela 11: Número médio de comentários por post por idade do blog

Enquanto blogrolls são freqüentemente mencionados como parte


integrante do formato do blog, apenas ligeiramente mais da metade
(55,3%) de todos os autores ativos mantêm uma lista de links desse
tipo para outros blogs favoritos. O número de links no blogroll difere
amplamente (veja Tabela 12); na média, ele contém 16 links. A maioria
dos links de blogrolls aponta para outros blogs que o autor está lendo
regularmente e/ou para blogs de amigos (veja Tabela 13). Um quarto
de todos os blogueiros estabelece links recíprocos, ou seja, links para
blogs que linkam seu próprio site. Diferentemente do blog propriamente
dito, o blogroll é atualizado com menos freqüência (veja a Tabela 14).
Apenas cerca de um terço de todos os autores faz atualizações pelo
menos uma vez por mês, ao passo que a maioria adiciona ou remove
links com menos freqüência.
Assim como ocorre com os comentários, podemos ver também di-
ferenças significativas entre blogs de diferentes idades com relação ao
blogroll. 49,9% de todos os autores blogando há seis meses ou menos
mantêm um blogroll, ao passo que 59,7% de todos os participantes
com blogs mais antigos que seis meses o fazem. Autores de blogs
mais novos têm menos links em seus blogrolls, mas relatam que os
atualizam com mais freqüência.

121
N=2,119 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)
1 a 5 links 45.9 21.3 31.1
6 a 10 links 31.7 23.8 27.0
11 a 15 links 9.7 15.5 13.2
16 a 20 links 6.0 13.8 10.7
> 20 links 6.7 25.6 18.0
Tabela 12: Número de links de blogroll por idade do blog

N=2,180 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)


Blogs que leio 79,6 88,6
85,0
regularmente
Blogs de amigos 56,1 63,1 60,3
Blogs que tratam de 34,9 41,3
38,7
assuntos similares
Blogs que linkam meu 25,0 26,1
25,6
blog
Outros blogs 7,2 6,5 6,8
Tabela 13: tipos de blogs incluídos no Blogrol
Foram dadas opções para resposta; múltiplas respostas eram possíveis.

N=2,160 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)


Duas vezes por semana 5.5 3.6 4.4
Duas vezes por mês 35.9 25.5 29.7
Duas vezes por ano 37.2 51.2 45.6
Menos freqüentemente 21.4 19.6 20.4

Tabela 14: feqüência de atualização de blogrolls por idade do blog

122
Gestão de informação: leitura de blogs e RSS

Autores de blogs não são apenas editores, mas também leitores


de outros blogs. Em média, um blogueiro ativo lê 21,15 outros blogs
regularmente (veja a Tabela 15 para as respostas agrupadas). Uma
forma conveniente de ficar atualizado sobre novos conteúdos é assinar
feeds de RSS – dois de cada cinco participantes usam um leitor de
feeds para gerenciar suas rotinas de leitura; aproximadamente o mes­
mo número já ouviu falar em feeds de RSS, mas não os utiliza (veja
a Tabela 16). Blogueiros ativos com blogs mais novos têm uma pos­
sibilidade significativamente menor de ler muitos blogs e de usar um
leitor de feeds.

N=3.562 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)


1 a 5 blogs 50.7 23.9 35.3
6 a 10 blogs 23.7 21.7 22.6
11 a 20 blogs 15.7 23.1 20.0
> 20 blogs 9.8 31.3 22.1
Tabela 15: Número de blogs lidos regularmente por idade do blog

N=3.666 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)


Sim 33.4 49.9 42.7
Não, mas já ouviu falar 43.3 39.1 41.0
em feeds de RSS
Não, nunca ouviu falar 23.3 11.0 16.4
em feeds de RSS

Tabela 16: uso de leitor de feed de RSS por idade do blog

Os participantes também foram solicitados a declarar suas expec-


tativas do que constitui um “blog típico” (veja a Tabela 17 e a Tabela
18). Em geral, a maioria dos blogueiros espera que os blogs permitam

123
comentários e apresentem a opinião pessoal do autor. A maioria tam-
bém espera um estilo informal de escrita, conteúdo único que não é
apresentado em outros formatos de mídia, e fotos e imagens. Por outro
lado, relativamente poucos blogueiros esperam que os blogs tenham
um design sofisticado ou que entrem em uma discussão objetiva sobre
os assuntos abordados.
Comparando grupos diferentes de blogueiros, algumas diferenças
significativas aparecem. Com relação à idade do blog, autores de blogs
mais novos são especialmente menos propensos a esperar feeds de
RSS. Blogueiros adolescentes também têm menos chances de esperar
feeds, assim como trackbacks, busca por palavras-chave e conteúdo
exclusivo. Por outro lado, eles têm mais chances de esperar um estilo
informal de escrita, uma página separada ”sobre mim” e um design
sofisticado.

N=3,678 < 6 meses (%) > 6 meses (%) Total (%)


Ser capaz de comentar 86.2 86.0 86.1
Opinião pessoal em posts 73.9 77.2 75.7
Estilo informal de escrita 59.9 57.9 58.8
Ler textos que não leio 56.1 59.5 58.0
em outras mídias
Fotos/Imagens 53.0 49.1 50.8
Blogroll 43.4 42.0 42.6
E-Mail de contato do 44.4 40.5 42.2
autor
Feeds de RSS 31.7 43.9 38.5
Página separada “sobre 29.9 33.5 31.9
mim”
Atualizações diárias 30.7 31.3 31.0
Busca por palavras-chave 31.1 30.0 30.5
Trackbacks 24.5 28.1 26.5

124
Muitos links para outros 25.8 26.1 26.0
conteúdos on-line
Design sofisticado 25.7 22.9 24.1
Discussão objetiva de 18.5 19.4 19.0
tópicos
Tabela 17: expectativas de “blogs típicos” por idade do blog
Foram dadas opções para resposta; múltiplas respostas eram possíveis.

N=3,689 <20 anos (%) > 20 anos (%) Total (%)


Serem capazes de 88.4 85.6 86.0
comentar
Opinião pessoal em post 78.0 75.3 75.8
Estilo informal de escrita 72.1 56.1 58.8
Ler textos que não leio 49.6 59.7 58.0
em outras mídias
Fotos/Imagens 55.7 49.9 50.9
Blogroll 39.9 43.1 42.6
E-mail de contato do 45.3 41.6 42.2
autor
Feeds de RSS 18.2 42.7 38.5
Página separada “sobre 42.3 29.8 32.0
mim”
Atualizações diárias 40.0 29.1 31.0
Busca por palavras- 19.1 32.8 30.5
chave
Trackbacks 12.0 29.5 26.5
Muitos links para outros 19.9 27.2 25.9
conteúdos on-line
Design sofisticado 40.8 20.7 24.1
Discussão objetiva de 20.3 18.7 19.0
tópicos
Tabela 18: expectativas de “blogs típicos” por idade de blogueiros

125
Discussão

Os resultados da pesquisa “Wie ich blogge?!” dão uma indicação


de diversos aspectos de práticas de blogging predominantes dentro da
blogosfera de língua alemã, especialmente com relação aos diversos
conjuntos de regras que envolvem episódios individuais de blogging.
Alinhados com outras descobertas (Herring; Scheidt et al., 2006;
Lenhart e Fox, 2006; Trammell et al., 2006), os motivos dominantes
para a manutenção de um blog são a expressão pessoal e, numa es-
cala menor, o apoio a relações sociais existentes. O formato parece
ser adequado para um amplo espectro de modos de uso, enquadrados
por diferentes conjuntos de regras procedimentais. Autores de blogs
utilizam diferentes plataformas de software e outros meios técnicos
(como feeds de RSS e blogrolls) para gerenciar a publicação e a re-
cepção de conteúdo, bem como as relações sociais que são iniciadas
ou mantidas por intermédio de seus blogs. Como essas tecnologias
são razoavelmente novas, não é de surpreender que as características
sócio­demográficas de blogueiros ativos sejam semelhantes às dos
“pioneiros em adoção” de inovações tecnológicas de modo geral. A
única exceção notável é de gênero: blogueiros do sexo feminino têm
uma grande participação e são uma clara maioria entre autores ado-
lescentes de blogs. Esses resultados apóiam descobertas feitas por
outros estudos, como os de Herring; Kouper et al. (2004) para blogs
em língua inglesa, ou Trammell et al. (2006) para blogs poloneses.
Como Herring; Kouper et al. (2004) argumentaram, práticas de
blogging de mulheres, em geral, e de adolescents especificamente,
são banalizadas em discursos sobre o novo formato on-line, pois são
tratadas como irrelevantes em contraste com as práticas mais aceitas
de utilização de blog como um filtro de informações, um canal para
comentários políticos ou uma ferramenta de gestão de conhecimento.
Embora o objetivo deste paper não seja avaliar a formação discursiva

126
de imagens públicas de blogging, os resultados aqui enfatizam que
práticas de blogging em rotinas particulares de gestão de identidade
dependem da idade dos blogueiros: blogueiros adolescentes parecem
utilizar blogs basicamente como diários pessois, como um espaço on-
line no qual fazem suas reflexões e compartilham idéias e experiências
de suas vidas privadas. Essa prática também é muito comum entre
blogueiros adultos, mas aqui encontramos um número razoável de au-
tores utilizando blogs como sites de gestão de conhecimento ou tam-
bém para comunicação profissional.
Uma parte importante da gestão de identidade é a decisão de
blogar anonimamente ou revelar informações pessoais. A parcela de
blogueiros anônimos ou pseudônimos dentro da blogosfera de língua
alemã (cerca de 30%) é ligeiramente maior que os números (não-
representativos) dados em Viégas (2005), em que 81% dos blogueiros
declararam que se identificavam dentro do blog.9 Entretanto, até mais
importante do que essas diferenças parece ser o fato de que uma clara
maioria dos blogueiros se identifica. Aparentemente, para eles, os
benefícios de dar um contexto adicional aos seus posts e comentários
parecem compensar os riscos potenciais que advêm da persistência
de postagens nos blogs, que vão desde geração de conflitos por certos
posts na vida privada ou profissional até possíveis implicações para
uma futura procura de emprego. Não fica claro se a maior tendência de
adolescentes a revelar informações pessoais em posts ou sites “sobre
mim” separados resulta de um efeito da idade (em que blogueiros mais
jovens vão começando a evitar revelar cada vez mais informações à
medida que envelhecem) ou de visões diferentes sobre privacidade e
aspectos públicos entre a geração mais jovem.
Em contraste com a gestão de identidade, rotinas de gestão de

9 Herring, Scheidt et al. (2005) relatam uma parcela semelhante ao estudo “Wie ich blogge?!” com
base em uma análise de conteúdo: 67,6% de 203 blogs incluem primeiro nome ou o nome todo do
autor, e 54% fornecem outras formas de informações pessoais explícitas como idade, ocupação ou
localização geográfica. Uma análise longitudinal realizada por Herring; Scheidt et al. (2006) mostra
que a parcela de blogs anônimos ou pseudônimos diminuiu para menos de 20% entre 2003 e 2004.

127
relacionamento e gestão de informação dependem mais da idade dos
blogs que da idade dos blogueiros. Como a idade de um blog pode
ser considerada um indicador de experiência com blogs e com a blo-
gosfera em geral, essas descobertas realçam o fato de que as práti-
cas de blogging mudam com o tempo. À medida que os blogueiros
incorporam blogs às suas rotinas comunicativas, eles expandem suas
relações sociais com outros blogueiros por intermédio de blogrolls e
comentários, e também expandem seus repertórios de leitura. Com
base nas expecativas do que constitui um “blog típico”, os comentários
parecem ser mais importantes do que blogrolls para a gestão de re-
lacionamento. Embora nem todos os posts recebam comentários,10 a
parcela de posts comentados e o número de comentários propriamente
ditos aumenta com a idade do blog.
Podemos observar dinâmicas similares com relação aos blogrolls
e, com um número cada vez maior de blogs a serem seguidos, blo-
gueiros experientes têm mais probabilidade de utilizar RSS para ge-
renciar a quantidade de informações. Em outras palavras, olhando
para blogrolls, comentários e rotinas de leituras, podemos observar um
processo de formação de redes, tanto em relação a links hipertextuais
e a laços sociais. Embora as três estratégias de gestão de identidade,
gestão de relacionamento e gestão de informação tenham sido se-
paradas analiticamente para fins de discussão das descobertas da
pesquisa, elas são, na verdade interdependentes: a gestão de rela­
cionamento terá uma influência sobre a gestão de informações, pois
as redes sociais baseadas e manifestadas em conexões de hiperlinks
entre blogs ajudam a direcionar a atenção a certas informações. Além
disso, comentários e blogrolls servem não só para manter relações so­
ciais, mas também para permitir maneiras de apresentar a identidade
on-line de alguém. Por exemplo, a pessoa a quem um blogueiro linka
10 Os resultados da pesquisa estão alinhados (embora não sejam comparáveis diretamente) às des-
des­
cobertas de Mishne e Glance (2006), que analisaram cerca de 685.000 posts de blogs publicados em
julho de 2005. Eles descobriram que 28% de todos os blogs e apenas 15% de todos os posts rece-
biam comentários. Na média, havia 6,3 comentários por post (excluindo os posts sem comentários).

128
em seu blogroll também ressaltará certas facetas de sua identidade,
como amizades ou interesses temáticos. Falando de modo mais geral,
a identidade é sempre construída sintetizando-se aspectos pessoais e
sociais do self – uma idéia originalmente concebida por teóricos clás­
sicos como George Herbert Mead (1934). Em comunicações com base
em blogs, esse processo de construção do self é tornado visível.

Conclusão e pesquisas futuras

A pesquisa “Wie ich blogge?!” avaliou empiricamente a impor-


tância de diversos aspectos da gestão de informação, identidade e re-
lacionamento em comunicações baseadas em blogs. Mas ela pode ser
apenas um ponto de partida para um estudo sistemático e longitudinal
de mudanças e estabilidade em práticas de blogging e networking on-
line em geral. Os próprios dados da análise permitem mais análises,
como investigar as diferenças de gênero ou contrastar as práticas de
blogueiros stand alone e de blogueiros que usam uma platafoma de
hospedagem. Para ganhar uma imagem mais abrangente das práticas
de blogging, esses dados, que foram coletados de modo reativo por
intermédio de pesquisas, devem ser complementados por outros ins-
trumentos. Por exemplo, análises quantitativas de rede poderiam permitir
mais insights sobre as redes e aglomerados de tópicos emergentes, ao
passo que uma análise qualitativa de conteúdo de posts e comentários
de blogs ajudaria a compreender os pontos mais finos da gestão de
identidade e a formação discursiva das regras procedimentais. Essas e
outras abordagens também aumentariam nossa compreensão da for-
ma como as práticas de blogging influenciam a estruturação da aten­
ção e dos fluxos de informação, bem como a provisão de várias es­
pécies de capital social.
Comparada a outros países, a difusão de blogs em países fa-
lantes de alemão tem ficado para trás (Schlobinski e Siever, 2005),

129
mas ainda não foi definido se fatores culturais gerais ou características
institucionais dos diversos sistemas de mídia nacionais (ou combina-
ções das duas coisas) são responsáveis por essas diferenças. Uma
pesquisa comparativa ajudaria a fechar o abismo desta pesquisa e
também levantaria insights quanto à relativa importância dos blogs den-
tro da paisagem maior do “software social”. Usuários de internet apli-
cam cada vez mais todo um repertório de aplicativos para networking
on-line, auto-apresentação e gestão de informação. Adolescentes
são especialmente ansiosos para criar conteúdo on-line e gerenciar
seus relacionamentos sociais com seus pares por intermédio de toda
uma série de ferramentas para comunicação interpessoal, entre eles,
Instant Messaging, sites de networking social e celulares (Lenhart e
Madden, 2005). Será um desafio cada vez maior para as pesquisas em
Comunicação estudar as práticas dinâmicas que se formam ao redor
do uso dessas inovações técnicas.

Referências
ESMAILI, K. S.; JAMALI, M.; NESHATI, M.; ABOLHASSANI, H.; SOLTAN­ZADEH, Y.
„Experiments on persian weblogs”. Paper presented at the workshop Weblogging
ecosystem: aggregation, analysis and dynamics. Edinburgh, 2006. Disponível em:
http://www.blogpulse.com/www2006­workshop/papers/persian­weblogs.pdf. Acesso em
10/07/2007.

HERRING, S. C.; SCHEIDT, L. A.; WRIGHT, E.; BONUS, S. “Weblogs as a bridging


genre”. Information, Technology, & People, n.18 (22), p. 142­171, 2005.

HERRING, S. C.; KOUPER, I.; SCHEIDT, L. A.; WRIGHT, E. “Women and children last:
the discursive construction of weblogs”. In: GURAK, L.; ANTONIJEVIC, S.; JOHNSON,
L.; RATLIFF, C.; REYMAN, J. (Eds.), Into the Blogosphere. Rhetoric, Community, and
Culture of Weblogs. (2004). Disponível em: http://blog.lib.umn.edu/blogosphere/ women_
and_children.html. Acesso em 10/07/2007.

HERRING, S. C.; SCHEIDT, L. A.; KOUPER, I.; WRIGHT, E. “Longitudinal content


analysis of weblogs: 2003­2004“. In: TREMAYNE, M. (Ed.). Blogging, Citizenship, and
the Future of Media (3­20). London: Routledge, 2006.

LENHART, A., MADDEN, M. “Teens, privacy & on­line social networks: how teens
manage their on-line identities and personal information in the age of MySpace”.
Washington: pew internet & american life project research centre. (2007). Disponível em:

130
http://www.pewinternet.org/pdfs/PIP_Teens_Privacy_SNS_Report_Final.pdf. Acesso em
10/07/2007.

MARLOW, C. “The structural determinants of media contagion”. Massachussetts Institute


of Technology. Tese Ph.D, Boston, 2005.

MEAD, G.H. Mind, self and society. Chicago: University of Chicago Press, 1934.

MERELO, J. J.; ORIHUELA, J. L.; RUIZ, V.; TRICAS, F. “Revisiting the spanish
blogosphere”. In: BURG, T.N. (Ed.). BlogTalks 2 (p. 339­352). Norderstedt: Books on
Demand, 2004.

MISHNE, G.; GLANCE, N. “Leave a reply: An analysis of weblog comments”. Paper


presented at the workshop Weblogging ecosystem: aggregation, analysis and dynamics.
Edinburgh, 2006. Disponível em: http://www.blogpulse.com/www2006­workshop/papers/
wwe2006­blogcomments.pdf. Acesso em 10/07/2007.

SCHLOBINSKI, P.; SIEVER, T. (Eds.). Sprachliche und textuelle Aspekte in Weblogs. Ein
internationales Projekt. Hannover: Networx, 46, 2005.

SCHMIDT, J.; WILBERS, M. “Wie ich blogge?! Erste Ergebnisse der Weblogbefragung
2005“ [Primeiros resultados da pesquisa]. Research centre New communication media
working paper 06­01. Bamberg. 2006. Disponível em: http://www.fonk­bamberg.de/pdf/
fonkbericht0601.pdf. Acesso em 10/07/2007.

SCHMIDT, J.; WILBERS, M.; PAETZOLT, M. „Use of and satisfaction with blogging
software. Empirical findings for the german­speaking blogosphere”. Research centre
New communication media working paper 06­04. Bamberg. 2006. Disponível em: http://
www.fonk­bamberg.de/pdf/fonkpaper0604.pdf. Acesso em 10/07/2007.

SCHMIDT, J. “Blogging practices: an analytical framework”. Journal of Computer-


Mediated Communication, 12 (4), article 13. (2007). Disponível em: http://jcmc.indiana.
edu/vol12/issue4/schmidt.html. Acesso em 23/07/2007.

SIFRY, D. “The state of the live web”. Sifry’s Alerts, abril de 2007. Disponível em: http://
www.sifry.com/alerts/archives/000493.html. Acesso em 10/07/2007.

STOEGER, S. et al. “Language networks on LiveJournal”. Proceedings of the Fortieth


Hawaii International Conference on System Sciences (HICSS­40). Los Alamitos, CA:
IEEE Press, 2007.

TRAMMEL, K. D.; TARKOWSKI, A.; HOFMOKL, J.; SAPP, A. M. “Rzeczpospolita blogów“


[Republic of blog]: examining polish bloggers through content analysis”. Journal of
Computer-Mediated Communication, 11(3), article 2. (2006). Disponível em: http://jcmc.
indiana.edu/vol11/issue3/trammell.html. Acesso em 10/07/2007.

VAN EIMEREN, B.; FREES, B. “ARD/ZDF­Online­Studie 2006: Schnelle Zugänge,


neue Anwendungen, neue Nutzer?“ [ARD/ZDF­Online Study 2006: Fast connections,
new applications, new users? Media-Perspektiven, n.8, 2006, p. 402­415. Disponível
em: http://www.ard­werbung.de/showfile.phtml/eimeren.pdf?foid=17746. Acesso em
10/07/2007.

VIÉGAS, F.B. “Bloggers’ expectations of privacy and accountability: an initial survey”.


Journal of Computer-Mediated Communication, 10 (3), article 12. (2005). Disponível em:
http://jcmc.indiana.edu/vol10/issue3/viegas.html. Acesso em: 10/07/2007.

131
132
SEÇÃO II

usos e apropriações de
BLOGS

133
134
Cláudio Penteado, Marcelo Santos e Rafael Araújo

O movimento “Cansei” na
blogosfera:
o debate nos blogs de política

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs),


sobretudo a internet, em seu processo de expansão, têm incorporado
uma série de mudanças nas relações sociais como a formação de co­
munidades (virtuais) e o estabelecimento de novas formas de relacio­
namento. No campo da política, a rede mundial de computadores se
configura como importante espaço de informação, debates e interações
entre os diversos atores sociais. As diversas possibilidades da internet
trazem uma nova dinâmica para as relações políticas, introduzindo no­
vas práticas, atores e sociabilidades mediadas por essas NTICs.
Surgidos no formato de diários on­line com relatos pessoais, os
blogs tomaram novas feições e potencialidades com ambientes para a
postagem de notícias, para a emissão de críticas, opiniões. Os blogs
assumiram diversos formatos, diferentes de suas formas originais,
o que suscita uma série de discussões e debates sobre o que é um
blog. Evitando entrar nessa polêmica, o artigo compreende os blogs a
partir de sua concepção mais geral, entendendo­os como espaços de
comunicação, pessoal ou coletivo, via internet, em que são apresen­
tadas (postadas) informações, opiniões, análises etc. Os posts são
publicados a partir do mais recente, valorizando a atualização constante
de conteúdo. Alguns ainda apresentam certos serviços e seções aos

135
leitores. Como principais características, destacam­se a pessoalidade
e a flexibilidade na composição do conteúdo (posts) e a interatividade
entre o autor (blogueiro) e os seus leitores, por meio dos fóruns de
discussões e de outros meios de interação disponibilizados pelo blog.
Os blogs que tratam de política se destacam pela pessoalidade
das opiniões e pela idéia de “independência” do autor (Aldé et al.,
2006). Os blogueiros famosos são os que mais obtêm acessos e credi­
bilidade, atraindo um número maior de visitantes. Contudo, tem­se ob­
servado a formação de uma blogosfera independente, inclusive com a
formação de comunidades de blogs, que permitem que os autores des­
conhecidos também aumentem sua visibilidade. Os blogs têm a pos­
sibilidade de se tornarem referências informacionais, trazendo análises
sobre a política para o cotidiano dos seus leitores.
Dentro desse universo, que compreende o blog enquanto es­
paço de comunicação e ator político, a pesquisa teve a finalidade de
estudar a influência dos blogs no quadro da política contemporânea,
destacando como objetivos específicos: (1) o desenvolvimento de uma
metodologia para a análise dos blogs;1 (2) o estudo das diferentes
abordagens sobre o movimento Cansei por meio dos blogs de Ricardo
Noblat, Mino Carta, Zé Dirceu e “Nariz Gelado”; e (3) a observação dos
blogs como novos espaços de ação política na Era da Informação.

Ação política e internet

A mídia tradicional é uma fonte de informação vertical, ou seja,


dos emissores para os receptores. As NTICs, por sua vez, agregam a
essa relação a possibilidade de os receptores serem produtores de in­
formações, além de permitirem a interação. É possível ponderar agora
1 A metodologia para análise de blogs de política foi desenvolvida pelo grupo como primeira etapa
dessa pesquisa e apresentada inicialmente no I Compolítica, Salvador, dezembro de 2006, e no
Seminário Internacional El uso de las nuevas tecnologías en la campña electoral brasileña, Madrid,
fevereiro de 2007.

136
uma nova relação de força na política que pode ser considerada mais
horizontalizada, se comparada com a dinâmica propiciada pela mídia
tradicional. Na mídia tradicional, a informação, até ser veiculada, passa
por diversos filtros hierárquicos de edição (gatekeepers), podendo
assumir, inclusive, uma edição final diferente daquela que foi imagi­
nada por seu autor. Os blogueiros têm maior liberdade para publicar o
material que desejam, pois não precisam passar por um editor.
A maior liberdade de produção de informação leva a uma maior
participação política via internet. Um exemplo seria o fenômeno também
conhecido como “netroots”, ativismo político de “raiz” que é organizado
com as NTICs e se constitui enquanto “paradigma de incorporação da
web pela democracia representativa” (FSP, 09/08/06:F1). Ou seja, di­
ferentemente do que ocorria no século anterior, o ativismo político hoje
se realiza na e pela mídia, na “ágora virtual”, em vez da “ágora real” e
concreta das cidades, transformando os mecanismos da ação política.
Dados divulgados recentemente da PNAD (Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios) 2006 do IBGE mostram que o número de
residências com computador no Brasil chegou a 22,4% (quase do­
brando em 5 anos). Dos domicílios com computador, 16,9% possuem
acesso à internet em casa. Cabe ressaltar que o número de brasileiros
com acesso à internet cresce ainda mais se considerarmos o ambiente
de trabalho, universidades e escolas, além de lan houses.2 Atualmente,
19% (1,25 bilhões) da população mundial têm acesso à internet, e o
Brasil ocupa o 6º lugar no ranking de acessos, com 39,1 milhões de
usuários (FSP 13/11/07: B7).
Nas eleições passadas, no Brasil, a internet virou sinônimo de bus­
ca por informações. Calcula­se que 25% dos internautas vasculharam
blogs todos os dias em busca de informação ou entretenimento (Épo­
ca, 31/07/06:99). Acreditava­se que o número de eleitores com acesso
a Web chegava a 30% do número total (FSP, 09/08/06:F1­F8). Nas
eleições presidenciais, a internet e principalmente os blogs foram utili­
2 Espaços privados onde são locados computadores com acesso a Internet para o público em geral

137
zados para busca de informações políticas, conforme pôde­se verificar
nos sites que medem as visitas de blogs.3

O movimento Cansei

O movimento Cansei (Movimento Cívico pelo Direito dos Brasilei­


ros) surgiu em um período recente e confuso da história brasileira.
Logo após o acidente com o avião da TAM (17/07/07), que se constituiu
na maior tragédia da aviação brasileira, um grupo de empresários e
personalidades públicas liderados pelo presidente da Phillips do Brasil,
Paulo Zottolo, pelo presidente da OAB­SP, Luiz Flávio Borges D´Urso,
e pelo empresário do entretenimento João Dória Júnior, propuseram
uma forma de organização da sociedade brasileira, tecendo críticas
aos políticos em geral.
O movimento se colocou como apartidário (embora alguns de seus
idealizadores tenham identificação – ou proximidade – com o PSDB).
De acordo com seus propositores, o Cansei tinha por intenção levantar
discussões e bandeiras contra o caos aéreo, a corrupção, a violência,
as crianças nas ruas, os impostos e outras mazelas que atingem a so­
ciedade brasileira. As críticas, embora fossem aos políticos em geral,
estão mais voltadas ao Governo Federal, o que colaborou para que
o movimento fosse criticado por um suposto golpismo e também por
elitismo, uma vez que seus líderes eram membros da elite sócio­eco­
nômica brasileira.
A campanha do Cansei adquiriu espaço na mídia tradicional com a
veiculação de notícias em jornais e revistas e exposição na televisão e
rádio. O movimento utilizou quatro garotas­propaganda: Ivete Sangalo,
Hebe Camargo, Regina Duarte e Ana Maria Braga para divulgar sua
mensagem. Outras personalidades também aderiram ao movimento,
3 Os sites que verificam o número de acessos de blogs são: http://www.technorati.com, http://www.
alexa.com, http://www.blogpulse.com e http://www.blogblogs.com.br.

138
como alguns esportistas e várias entidades da sociedade civil, prin­
cipalmente as ligadas a grupos empresariais. O Cansei também se
articulou através das NTICs: por meio de um blog na internet,4 comu­
nidades no Orkut e também com vídeos no YouTube.
Desde o seu surgimento, o Cansei causou polêmica. Muitas pes­
soas reprovaram o fato de o movimento ter surgido em plena crise
aérea no país, sendo classificado por alguns como oportunista, além
do fato de alguns de seus criadores e propagandistas serem notórios
críticos do governo Lula e pró­PSDB. Na própria OAB, houve um grupo
liderado pela seccional do Rio de Janeiro que se recusou a participar e
aderir ao movimento, colocando­se contra a sua organização.
O grande acontecimento do Cansei foi o comício marcado pelos
seus organizadores para o dia 17 de agosto, na Igreja da Sé, em São
Paulo, exatamente um mês após o acidente. O movimento acabou
desautorizado pelo arcebispo de São Paulo, que não permitiu que
ocorresse na Catedral por classificá­lo como um movimento de cunho
político e não­cívico. O ato foi, então, transferido para a Praça da Sé,
onde ocorreu sem grandes problemas. O ato acabou se transformando
numa crítica ao governo Lula, com gritos de “Fora Lula”, atitude que
seus criadores sempre negaram ter sido intencional.

Análise dos blogs estudados

Para a realização deste estudo foi utilizada a metodologia desen­


volvida pelo grupo de pesquisa (Penteado, Santos e Araújo, 2006) e
aperfeiçoada a partir da contribuição de outros pesquisadores ao lon­
go dos congressos em que foi apresentada. A metodologia aplicada é
composta por três etapas: histórico e descrição dos blogs, aplicação
das planilhas e análises sobre os resultados alcançados.

4 O endereço oficial do movimento é: http://blog.cansei.com.br/

139
A definição do histórico do blog permite identificar seus elementos
fundadores, assim como um perfil do responsável. A descrição possi­
bilita uma visualização da disposição gráfica e estética da página. Para
a análise interna dos blogs, foram aplicadas cinco planilhas: a plani­
lha 1 classifica os blogs de política quanto à localização e ao perfil do
blogueiro; na planilha 2, é feita a análise da estrutura do blog; o conte­
údo dos posts e as imagens são estudados na planilha 3; a planilha 4
faz a análise dos comentários dos posts pelos usuários; e a análise da
interface dos blogs é realizada por meio da planilha 5. Cabe aqui fazer
algumas ressalvas quanto à metodologia desenvolvida. Para o preen­
chimento das planilhas de análise dos conteúdos dos posts e análise
da interatividade (planilhas 3 e 4), foram selecionados somente os
posts que abordaram o movimento Cansei e seus respectivos comen­
tários (amostra dos 10 primeiros), retratando o período de 17 de julho
a 31 de agosto de 2007. Outra observação diz respeito à não­inclusão
da planilha de análise da interface (planilha 5), uma vez que ela está
voltada para o estudo de questões especificamente técnicas, que não
são pertinentes para o objetivo desta pesquisa.

Blog do Noblat

a) Histórico
O Blog do Noblat5 nasceu na noite do dia 20 de março de 2004
com um único post: “Bem­vindos ao meu blog”. Ele se destaca por ser
um dos primeiros blogs de jornalismo político voltado para os temas da
política brasileira. O blog nasceu dentro de um formato mais impessoal,
no qual o autor disponibiliza seus arquivos, músicas e pensamentos
para seus visitantes. O jornalista Ricardo Noblat tem uma longa carreira
dentro das redações dos principais jornais brasileiros.

5 Disponível em: http://oglobo.globo.com/pais/noblat.

140
Ao longo de sua existência, o blog foi crescendo em número de
acessos, colaboradores e freqüência de posts, chegando a ser fonte
jornalística para outros meios, especialmente durante os escândalos
políticos, período em que se observou um aumento do número de
acessos.

b) Descrição
O blog é composto de uma barra superior do portal hospedeiro
(O Globo Online), com links para outras páginas e serviços do grupo
Globo. Abaixo, existe um banner com a foto do jornalista à esquerda,
nome do blog (Blog do Noblat), data e 3 links: “Regras do Blog”, “Perfil
do Noblat”, “Publicações do Noblat”. Na parte esquerda, existem links
internos para as seções do blog: mecanismo de busca interna, “Página
principal”, “Artigos”, “Entrevistas”, “Vale a pena acessar”, “Arquivo do
blog”, “Podcast”, link para a coluna do Noblat publicada no jornal O
Globo, “Espaço desabafe”, “Ouça: estação de jazz e tal”, “Coluna: fale
com o blog”, acesso a sites de outros colunistas (Anselmo.com, Miriam
Leitão e Rádio do Moreno).
Na parte central, estão dispostos os posts, por ordem de atualiza­
ção. Cada dia, o autor começa com uma “frase do dia”. Os posts se­
guem o seguinte formato: autoria, data e hora; título; texto; serviço per­
malink; RSS; canal para enviar o post para outro internauta; acesso
para escrever um comentário e para ler os comentários. Já na parte
direita, existem os seguintes links: espaço publicitário, “Enquete”, “Bi­
blioteca” (crônicas, discursos, documentos, editoriais, frases de 2006,
histórias exemplares, notas oficiais e reportagens), “Coberturas espe­
ciais” e “Propaganda”.
A leitura dos comentários de outros leitores não é possível para
os posts muito antigos e só se pode enviar um novo comentário sobre
um post que tenha sido publicado há até um mês atrás. A partir dessa
data, os arquivos ficam limitados à leitura.

141
Blog Nariz Gelado

a) Histórico
O blog Nariz Gelado6 teve início em março de 2003 e, como a
própria autora diz,7 ele é um espaço no qual ela faz uma “egotrip”, es­
crevendo seus pensamentos sobre política, cultura e sociedade. O blog
é independente e não está vinculado a nenhuma instituição da mídia
tradicional. Faz parte da comunidade de blogs Apostos.8 Segundo a
autora, trata­se de uma atividade não remunerada que ganhou proje­
ção a partir da citação por parte de alguns veículos da imprensa (Folha
de S. Paulo, Blog do Noblat9 e Observatório da Imprensa) e do au­
mento do público que busca informações políticas através de blogs,
principalmente após os escândalos políticos ocorridos a partir de 2004
no país.
A blogueira considera seu posicionamento político como sendo de
centro­direita. Possui uma visão crítica frente à atuação dos partidos
políticos, não se alinhando com nenhum deles, e se posicionou de for­
ma favorável ao direito de compra de armas de fogo. O uso de pseu­
dônimo está ligado a uma cultura própria dos primeiros blogueiros que
se utilizaram dessa ferramenta para ter maior autonomia em seus co­
mentários. Afirma ter uma preocupação ética ao evitar a divulgação de
coisas que ainda não foram publicadas na imprensa.
Em relação ao Cansei, a blogueira, apesar de ser contra o governo
Lula, foi crítica em relação aos objetivos e eficácia do movimento, pos­
tando comentários desfavoráveis a ele. Cabe destacar a polêmica cria­
da em torno das declarações de Jô Soares em seu programa sobre
o movimento, criticando e questionando a posição do apresentador.10
6 Disponível em: http://narizgelado.apostos.com.
7 Correspondência eletrônica com a autora, resposta em 11/10/07.
8 Disponível em: http://www.apostos.com.
9 Foram observadas, durante a pesquisa, referências pelos comentarias do Noblat ao blog Nariz
Gelado.
10 Sobre a polêmica, cf.: http://narizgelado.apostos.com/archives/2007/08/mostra�jo. Acesso em
22/10/2007.

142
b) Descrição
O blog possui uma estética simples e oferece poucos serviços aos
seus usuários, principalmente se comparado ao Blog do Noblat. Mon­
tardo sobre um fundo branco, na parte superior esquerda existe uma
foto que mostra parte de um rosto (dos olhos à boca). Ao lado, há o
banner com o símbolo do blog: uma indiazinha com olhos verdes, com
a imagem de um teclado ao fundo, com o nome “Nariz Gelado”. Abaixo
da foto existe um pensamento que expressa a tarefa do blog, um link
para endereçamento de e­mail para a autora, calendário do mês, motor
de busca interno, últimos posts, links para outros blogs (“Eu leio”), links
para blogs em língua espanhola (em espanhol também), arquivos e
medidor de visitas (sitemeter). Do centro para direita, são dispostos os
posts em ordem de atualização. Cada post tem um título, texto, autor
(no fim do texto), horário de postagem e link (“Pode meter o nariz”) para
o fórum de comentários.
Somente ao comentar um post percebe­se que existem regras de
participação, aparecendo uma mensagem dizendo que o comentário
irá ao ar somente depois de verificada se não existem ofensas e pala­
vras de baixo calão.

Blog do Mino

a) Histórico
O blog do jornalista Mino Carta11 surgiu oficialmente no dia 4 de
setembro de 2006. Como em outros blogs, ele apareceu em momentos
de grandes debates, neste caso, as eleições realizadas no mesmo
ano. Mas, no dia 30 de agosto, é publicado o primeiro post, com o título
“Você ainda não viu nada”, em que aparece uma pequena amostra
do que seria escrito. O post versa sobre PCC, eleições, fracasso do

11 Disponível em: http://blogdomino.blig.ig.com.br.

143
PSDB, democracia no Brasil e a mídia brasileira. Há ainda um aviso
de que ele próprio, auxiliado por mais dois jornalistas do site da revista
Carta Capital, atuariam como moderadores.
Mino Carta é um jornalista italiano que migrou ao Brasil ainda
criança. É considerado um dos mais respeitados e importantes jorna­
listas do país. Ajudou a criar o Jornal da Tarde, as revistas Veja, Isto
É, Quatro Rodas, além de Carta Capital, na qual permanece como
diretor de redação.

b) Descrição
O blog possui uma barra de ferramentas do portal que o hospeda
com um sistema de buscas dentro do site. Abaixo, vem um banner de
propaganda do portal e, em seguida, o blog propriamente dito, que
apresenta uma foto do jornalista com uma máquina de escrever. Na
parte esquerda, links para as revistas Carta Capital e Carta na Escola,
além de informações de como adquiri­las e assiná­las. Na parte direita,
existe um link para serviços RSS e, abaixo, um breve perfil do jornalista.
Uma outra parte é intitulada “Política do blog”, em que constam as re­
gras de participação para os comentaristas. Também há um espaço
com os arquivos do blog e um espaço para links de outros blogs. Existe
ainda a oferta de dois serviços: informações para que o usuário crie
seu próprio blog e avisos de atualização.
Os posts são publicados na parte central do blog, por ordem de
atualização. O post começa com o título, seguido do texto, logo abaixo.
Depois, aparece a frase “enviada por Mino”, seguido por link para en­
viar o comentário, o número de comentários dos posts, um link para
enviar a mensagem e um link para o post. O blog oferece uma gama
de serviços simples em relação a outros blogueiros analisados. Não há
grande interação do jornalista com os seus comentadores.

144
Blog do Zé Dirceu

a) Histórico
Semelhante ao Blog do Mino, o Blog do Zé Dirceu12 tem menos
serviços do que outros que tratam de política e também está associado
a um grande portal de internet. A trajetória política de José Dirceu está
associada ao Partido dos Trabalhadores, ao movimento estudantil con­
tra a ditadura militar e aos escândalos políticos no período em que ocu­
pava o cargo de ministro da Casa Civil. No entanto, não foram encon­
tradas informações sobre o histórico do blog.

b) Descrição
O blog possui uma barra de ferramentas do portal que o hospeda
com um sistema de buscas dentro do portal IG. Atualmente, o blog está
dentro do site do político. Logo abaixo, vem um banner com a foto do
Zé Dirceu e uma frase: “um espaço para a discussão do Brasil”. No
canto esquerdo, existem links que permitem a navegação dentro do
site, itens denominados “Juventude, entrevistas, convidados” (em que
outras personalidades escrevem artigos), “Artigos do Zé”, “Trajetória”,
“Clipping”, “Defesa” e “Contato”. Um pouco mais ao centro, existe um
banner com a frase: “Blog do Zé Dirceu” e, abaixo, um arquivo com os
seis últimos meses de postagens. Ao lado, estão publicados os posts,
que começam com a data e horário de envio do texto, seguidos do título
do post e o texto propriamente dito. O espaço com os comentários vem
logo abaixo, com número de comentadores do post e um canal pelo
qual é possível enviar um e­mail. Por fim, no canto superior direito, junto
a uma foto do autor, existe um aviso sobre a moderação e as regras de
participação no debate do blog. Não existem imagens, charges, vídeos
ou música, como é possível encontrar em outros blogs.

12 Disponível em: http://www.zedirceu.com.br.

145
Análise comparativa dos blogs

Classificação dos blogs

a) Localização dos blogs


O Blog do Noblat já esteve hospedado no portal do grupo Estado.
Atualmente está localizado dentro do domínio do jornal O Globo, em­
presa vinculada às organizações Globo, maior corporação da mídia tra­
dicional brasileira, e figura entre os links oferecidos nos sites do jornal.
É possível verificar o formato típico do jornalismo na composição dos
posts e nas abordagens.
O blog Nariz Gelado está localizado dentro da comunidade de
blogs Apostos, sem possuir nenhuma vinculação com instituições de
mídias tradicionais, caracterizando­se como um blog independente. O
blog não segue a linha dos diários on­line, mantendo uma linha de
apresentação de críticas em relação aos assuntos políticos muito pa­
recida com o formato dos blogs jornalísticos. Percebe­se a tendência
de valorização da crítica aos políticos e o uso do humor irônico.
O Blog do Mino faz parte dos blogs da revista Carta Capital. Ape­
sar de adotar uma maior pessoalidade em seus posts, percebe­se que
Mino segue a mesma linha editorial da revista, alinhando suas idéias
a uma posição política determinada. Os posts se caracterizam pela
apresentação de posições pessoais diante do acontecimento publi­
cado. Muitos dos leitores o acessam a partir do link presente na página
do site da Carta Capital, garantindo ao blog um maior número de visitas.
O Blog do Zé Dirceu, atualmente, é uma seção de seu site pessoal
e está hospedado no portal IG. Não existe nenhuma referência ou link
com o Partido dos Trabalhadores, o que lhe possibilita maior liberdade
para expressão de suas opiniões e posições políticas. Seu blog atrai
pessoas que simpatizam com sua atuação e curiosos, o que lhe confere
uma visitação menor que a dos jornalistas da grande mídia.

146
b) Perfil dos blogueiros
Ricardo Noblat é um jornalista conhecido dentro do cenário do
jornalismo político nacional, mas, por ser um dos pioneiros dos blogs
de política no Brasil, seu nome já está associado ao universo da in­
ternet. Jornalista com bons contatos dentro do universo político, usa
de suas fontes para trazer ao leitor informações atualizadas de basti­
dores, em muitos casos, tentando antecipar as notícias (como nas elei­
ções de 2006). Apresenta espaço para a divulgação de outros tipos
de informações e serviços, o que o aproxima do formato de páginas
pessoais. Em relação ao Cansei, o jornalista manteve uma posição
neutra, postando colaborações contrárias e favoráveis ao movimento e
alimentando os debates em seus fóruns de discussão.
Não se sabe o verdadeiro nome da titular do blog Nariz Gelado. A
autora utiliza o pseudônimo “Nariz Gelado” para se identificar. Por ser
desconhecida, a blogueira tem total liberdade para escrever e expressar
sua opinião e posição política (contrária ao presidente Lula). Apesar de
sua postura política em relação ao atual governo federal, a autora ma­
nifesta­se críticamente em relação ao movimento, questionando suas
ações e estratégias, o que garantiu polêmicos debates no fórum de
comentários. Cabe também destacar que a blogueira responde, em
alguns casos, os comentários dentro do próprio fórum de discussão.
Mino Carta é um jornalista de origem italiana que vive no Brasil
desde 1946. Sua extensa trajetória jornalística lhe confere credibilidade
e destaque junto ao público, atraindo grande número de leitores ao seu
blog. A partir da leitura de seus posts, verificou­se o pouco uso de links
de direcionamento e a adoção de textos com um estilo mais pessoal,
com comentários ácidos contra o que ele chama de “direita” e “elite”,
utilizando a ironia em diversos momentos.
José Dirceu é ex­presidente do PT e deputado federal cassado.
Como líder petista, comandou o crescimento do partido e a campanha
vitoriosa de Lula em 2002. Afastado da política, Dirceu utiliza o seu

147
blog para divulgar suas idéias e participar da vida política do país por
meio da discussão na blogosfera. Por ser um político com grande reno­
me nacional, consegue atrair um número razoável de leitores para seu
blog. Sua credibilidade depende do alinhamento político do usuário.
Seus posts se caracterizam por comentários e interpretações das notí­
cias e artigos publicados na imprensa. Dirceu também se destaca por
responder ou comentar alguns dos comentários feitos sobre os posts.

Análise da estrutura dos blogs:

a) Posts
Nos quatro blogs, os posts são publicados diariamente, variando a
quantidade de dia para dia. No Blog do Noblat, existe um grande número
de postagens, enquanto que no, Nariz Gelado, são postados um ou dois
por dia, e um pouco mais nos blogs do Mino e Zé Dirceu. Dentro dos
posts, em alguns casos, existem links de direcionamento para outros
sites (por exemplo, textos de jornais ou vídeos do YouTtube). No Blog
do Noblat, existe uma rede de colaboradores que postam regularmente
no espaço. Mino Carta não publica nada aos finais de semana, e em
seu site, não há postagens de outros autores. Zé Dirceu não publica
nada aos domingos e também não possui postagens externas. Há um
espaço, intitulado “Convidados”, no qual pessoas diferentes escrevem
artigos, mas não posts.

b) Interatividade
A interatividade do leitor com o blogueiro, nos quatro blogs ana­
lisados, é realizada por dois meios: contato através de e­mail e comen­
tários dos posts dentro de um fórum de discussão. No Blog do Noblat,
existe um outro meio que é a seção “Desabafe”. Em relação às regras
de participação, pode­se observar que todos eles seguem algumas
normas, mas, no Nariz Gelado, as regras não estão explícitas, somen­
te aparecem quando o interessado envia um comentário.

148
c) Biografia
Ricardo Noblat disponibiliza para os leitores um perfil mais com­
pleto, com mais informações pessoais e com uma foto sua. “Nariz Ge­
lado” não se identifica, mas deixa um pensamento a ser interpretado
pelos leitores13 e uma foto que mostra um rosto, aparecendo olhos, boca
e nariz. O Blog do Mino não apresenta tantos detalhes biográficos, é
bastante sucinto na descrição de seu perfil e possui uma foto. Os dados
biográficos de Zé Dirceu aparecem no item denominado “Trajetória”.
Há ainda um outro link intitulado “Defesa”, em que trata com detalhes
as acusações sofridas e a crise que o tirou do ministério e levou à sua
cassação.

d) Links
O Blog do Noblat e o Nariz Gelado apresentam links internos (di­
recionamento para páginas internas) e links externos (direcionamento
para outros sites). No Blog do Mino, não há a existência de links,
apenas o seu próprio texto escrito, e não há postagens externas. No
Blog do Zé Dirceu, existem links que reportam para vídeos ou textos
de jornais.

e) Outros serviços
O Blog do Noblat oferece para seus usuários entrevistas, charges,
imagens, áudios, vídeos, arquivo com todos os posts (incluindo fotos
e vídeos), arquivos para download, além de enquetes e artigos com
análises da política brasileira. O blog ainda disponibiliza arquivos com
discursos políticos, documentos históricos, editoriais e notas oficiais.
Também estão presentes no blog as seções “Desabafe”, “Estação jazz
& tal”, “Frase do dia”, “Serviço de RSS/XLM”, Newsletter e seção com
coberturas especiais.

13 “�uando a geada ameaça a planície, este meu arrebitado nariz congela. A geada é minha razão
de ser. A História é meu escudo e minha lança. À espera de um longo e rigoroso inverno, escrevo.
Eu sou Nariz Gelado”.

149
O blog Nariz Gelado é mais simples, disponibiliza animações,
imagens, links para vídeos (YouTube), calendário, e­mail para contato,
motor de busca interno, últimos posts, seção “Eu leio” (links para ou­
tros blogs), seção “Em espanhol também” (links para blogs de língua
espanhola), arquivos, serviço RSS e medidor de visitas (sitemeter).
O Blog do Zé Dirceu possui links para: site pessoal, seção “Juven­
tude” (destinado aos jovens), seção “Entrevistas”, seção “Convidados”
(espaço para artigos de amigos), “Artigos do Zé”, “Trajetória” e “Clip­
ping” (entrevistas e reportagens que tratam do autor em outros meios
de comunicação), seção “Defesa” e Contato (enviar um e­mail). O blog
ainda disponibiliza uma seção de arquivos, que se encontra incompleta.
O Blog do Mino contém links para o site da Carta Capital, para o
projeto Carta na Escola, sobre assinaturas desta revista e informações
sobre onde encontrá­las, além de serviços RSS e Arquivos.

Análise do conteúdo dos posts:14

De acordo com a metodologia desenvolvida pelo grupo de pes­


quisadores, um post ou comentário é “informativo direto” quando o
texto publicado acrescenta uma informação de autoria própria, e é
“informativo indireto” quando esta informação provém de outra fonte;
é “opinativo” quando reflete uma opinião pessoal do comentador ou
blogueiro e, quando for o resultado de uma reflexão argumentativa e
lógica, apresenta uma “avaliação crítica”. O texto pode também ser
“irônico”, quando esse recurso estiver presente, e apresentar um “po­
sicionamento político” se houver uma argumentação que faça refe­
rências ideológicas e partidárias. Um post é classificado como “pro­
positivo“ quando busca uma solução para a questão em debate, e
14 Um mesmo texto poderá acumular mais de uma categoria, possibilitando ao pesquisador reunir
um maior número de dimensões da informação, o que explica o fato de que, às vezes, a soma das
porcentagens ultrapassa 100%. As categorias elencadas foram amplamente discutidas e explicitadas
em Penteado, Santos e Araújo (2006).

150
“avaliativo moral” quando o comentador expressa agressividade ou
julgamentos sobre o conteúdo do post. Soma­se a essas categorias
uma outra que diz respeito apenas à interatividade. Um comentário é
“dispersivo” quando ignora o tema em debate, referindo­se a outra coi­
sa, dando um novo rumo para a discussão ou dispersando­a.

Posts Nariz Gelado Noblat Mino Carta Zé Dirceu


Informativo Direto 25 6,3 57,1 0
Informativo Indireto 50 50 21,4 100
Opinativo 25 18,8 28,6 25
Análise Crítica 37,5 25 14,3 75
Irônico 25 18,8 57,1 0
Posicionamento Político 0 0 14,3 0
Propositivo 12,5 0 0 0
Avaliativo Moral 37,5 12,5 42,3 0
Tabela 1: Enquadramento dos posts (porcentagem)

Uma análise comparativa dos dados apresentados na tabela 1


permite observar que os blogueiros possuem características diferentes.
Um elemento comum a todos os blogs estudados é o aspecto informativo
que predomina na maioria dos posts. Mino Carta se destaca pela maior
recorrência de posts informativos diretos (57,1%), enquanto que os
demais utilizam outras fontes de informação (informativo indireto). Em
relação à emissão de opiniões nos textos, há um equilíbrio entre os
blogs, com exceção do Blog do Noblat. Posts com análises críticas
foram mais utilizados pelo Zé Dirceu (75%). Mino Carta se destacou
pelo alto índice de ironia (57,1%) empregado em seus artigos e por
ser o único a se posicionar politicamente (14,3%). Por fim, posts com
avaliação moral foram mais utilizados por Mino Carta (42,9%) e Nariz
Gelado (37,5%).
Um olhar geral sobre os resultados ressalta que os posts, em sua
maioria, são informativos, mas cada autor segue um formato de texto,

151
sinalizando a formação de uma blogosfera com múltiplas formas, em
que a pessoalidade do blogueiro é determinante para o conteúdo dos
posts. Uma outra característica observada foi que Noblat posta textos
de colaboradores de diferentes posições ideológicas, ampliando o de­
bate político na página principal no blog.
Foi somente encontrada uma imagem nos posts referentes ao
movimento Cansei. Trata­se de uma charge, postada por Noblat, que
tem a função de criticar e ironizar o movimento.

Links Noblat Nariz Gelado Zé Dirceu Mino Carta Total


Nº de links 10 13 4 1 28
Links p/ outros blogs 1 5 0 0 6
Tabela 2: Links nos posts (números absolutos)

A tabela 2 indica que o blog Nariz Gelado é o que mais utiliza links
de direcionamento, tanto para outras informações como para outros
blogs. Por ser desconhecida, a autora utiliza esse recurso como meio
de dar credibilidade às informações postadas em seu espaço. O Nariz
Gelado ainda faz referência a outros blogs, recurso muito utilizado por
blogueiros independentes. Também foi constatado que, em todos os
posts estudados do Zé Dirceu, existe um link de direcionamento para
uma matéria ou artigo, que comenta ou faz referência. Observou­se,
por outro lado, que Mino Carta utiliza muito pouco o recurso de links,
preferindo a postagem somente de textos.

Comentários Nariz Gelado Noblat Mino Carta Zé Dirceu


Informativo Direto 7 0 3,3 2,5
Informativo Indireto 7 1,9 2,5 7,5
Opinativo 42,1 31,3 30 32,5
Análise crítica 5,3 5 8,3 17,5
Irônico 17,5 23,8 33,3 10
Posicionamento Político 35,1 16,3 3,3 22,5

152
Propositivo 1,8 0 1,7 5
Avaliativo Moral 22,8 38,1 16,7 35
Dispersivo 8,8 15,6 38,3 15

Tabela 3: Interatividade (porcentagem)

O estudo dos comentários dos posts sobre o Movimento Cansei


– quantificado na tabela 3 – indica que cada blog possui um perfil di­
ferente em relação aos comentários. Percebe­se, de maneira geral, a
ocorrência de poucos comentários de caráter informativo (direto e in­
direto). Por outro lado, pode­se observar o alto índice de comentários
opinativos em todos os blogs estudados, destaque para o Nariz Gelado
(42,1%). Em relação à apresentação de análises críticas, somente os
comentários publicados no Blog do Zé Dirceu (17,5%) alcançaram
um valor acima dos 10%. Comentários irônicos prevaleceram no Blog
do Mino (33,3%), seguindo a característica dos textos do próprio blo­
gueiro. O posicionamento político ocorreu com maior freqüência nos
comentários expressos no Nariz Gelado (35,1%). A apresentação de
comentários propositivos foi muito baixa em todos os blogs. Por outro
lado, existe um grande número de comentários com avaliação moral,
destaque para Noblat (38,1%) e Zé Dirceu (35%). Os comentários
dispersivos tiveram maior ocorrência em Mino Carta (38,3%) e Noblat
(15,8%).
Uma análise geral permite observar que os debates entre os co­
mentaristas se caracterizam por textos opinativos ou avaliativos mo­
rais, com grande índice de ocorrências de ironias e posicionamentos
políticos. Cabe, por fim, realçar que, no Blog do Zé Dirceu e no Nariz
Gelado, foi observada a interação entre blogueiro e seus comentadores.
Estes respondem diretamente alguns dos comentários nos fóruns de
discussão.

153
Ocorrências Noblat Nariz Gelado Zé Dirceu Mino Carta Total
Posts 16 8 4 14 42
Comentários 2.220 78 156 1.173 3.627
Tabela 4: Posts e Comentários sobre o Cansei (números absolutos)

A tabela 4 apresenta o número de posts existentes nos blogs estu­


dados sobre o movimento Cansei e os comentários gerados. Verificou­
se que Noblat (16) e Mino Carta (14) deram maior cobertura ao tema.
O primeiro procurou manter uma posição neutra, trazendo informações
sobre o movimento e posições favoráveis e contrárias. Já Mino Carta
se colocou contrário ao movimento, associando­o a um movimento gol­
pista, já em seu primeiro post, ironizando seus organizadores e seus
objetivos.
Em relação à interatividade, foi possível perceber que o tema gerou
grande polêmica e repercussão, com grande número de comentários,
acima da média dos outros posts dos blogs estudados. Um post do
Noblat chegou a atingir a marca de 672 comentários. Mesmo no blog
independente Nariz Gelado, que possui poucos acessos e comentários
em seus posts, verificou­se uma participação acima da média.

Acessos

Para a análise da hipertextualidade e do número de acessos dos


blogs, existem alguns sites especializados. Para o presente trabalho,
optamos pela pesquisa nos sites Technorati e Alexa. O primeiro procura
medir a visitação e ranking dos blogueiros do mundo inteiro. Para isso,
o site utiliza uma metodologia de avaliação dos últimos 180 dias. De
acordo com esse método, o Blog do Mino ocupa a 30.508ª posição
mundial, o blog Nariz Gelado ocupa a 64.717ª posição, e o Blog do
Noblat, a 4.856ª posição. Uma outra forma de calcular a importância

154
do blog diz respeito aos links que citam o blogueiro. �uanto mais cita­
ções, maior a importância do blog. Essa contagem é obtida através
do número de menções que outros blogs fizeram aos blogs avaliados.
Nesse quesito, o Blog do Noblat é o mais citado, com 692 citações de
diferentes blogs. Mino Carta aparece em segundo, com 516 citações,
enquanto o blog Nariz Gelado foi mencionado 102 vezes, nos últimos
180 dias.
Um outro site de medição da quantidade de acessos é o Alexa.
Por ele é possível escolher diferentes periodicidades para análise, mas,
para efeito de comparação, optou­se pela manutenção dos últimos seis
meses. A medição é realizada entre os usuários da barra de ferramentas
do Alexa, que, segundo os idealizadores, são milhões de pessoas no
mundo todo. Os dados sobre o número de usuários (Reach) do Alexa,
que acessam cada um dos blogs, indicam uma vantagem para o Blog
do Noblat em relação ao de Mino Carta. Há seis meses, ambos os
blogs eram acessados por 0,6% dos usuários. Atualmente, esse índice
subiu para quase 0,65% em relação ao Noblat. Já o Blog do Mino caiu
para 0,55%. Esse site ainda disponibiliza o ranking que o blog ocupa
no país. Nesse quesito, o Blog do Noblat aparece como 10º colocado,
e o Blog do Mino, em 11º lugar; o Nariz Gelado aparece na 9.718ª po­
sição, seguido pelo site do José Dirceu, com a 10.634ª posição.
Um fator muito importante que deve ser destacado é que, tanto
no Technorati como no Alexa, o site do Zé Dirceu não possui muitos
registros que permitam comparação. Uma hipótese para isso é que
atualmente o Blog do Zé Dirceu está hospedado no site pessoal do
próprio autor e não mais dentro dos blogs do IG, em que se hospedou
durante parte do período pesquisado. E esses sites de busca priorizam
a procura por blogs, e não sites da internet, como é o caso deste último.

155
Considerações Finais

Conforme verificado em outro trabalho (Penteado, Santos e Araú­


jo, 2007), os blogs se constituem como novos atores políticos e novos
espaços políticos sustentados pelas NTICs, e são importantes meios de
ação política na sociedade contemporânea. Os dados obtidos sinalizam
que os blogueiros são importantes fontes de informação política e que,
em seus posts, promoveram um debate sobre o movimento Cansei fo­
ra dos meios de comunicação tradicionais.
O Blog do Noblat procurou manter uma posição neutra, apresen­
tando uma abordagem mais informativa em relação ao movimento, como
também postando textos de colaboradores favoráveis e desfavoráveis.
Mino Carta se destacou pela grande ocorrência de posts irônicos e
com avaliações morais. O jornalista adotou uma postura contrária ao
movimento, desqualificando seus objetivos e seus organizadores. Já
Zé Dirceu, ao contrário do esperado inicialmente, deu pouca atenção
ao Cansei, somente postando quatro textos. Os posts se caracteri­
zaram pelo seu aspecto informativo e pelo desenvolvimento de aná­
lises críticas. O blog Nariz Gelado se caracterizou por criticar o movi­
mento, propor outras linhas de ação contra o “caos aéreo” (como, por
exemplo, um dia sem voar), pela disseminação de boatos e por ava­
liações morais.
A blogosfera também permite a criação de novos espaços de debate
político. O estudo dos comentários permitiu observar manifestações
de uma parcela da população15 sobre os temas políticos. No caso do
Cansei, foi observado que o movimento provocou uma grande polêmica
entre os comentaristas, despertando paixões e posicionamentos políti­
cos polarizados. As discussões no Blog do Noblat foram marcadas, pre­
dominantemente, por comentários com avaliações morais e emissão
de opiniões pessoais. Talvez por ter adotado uma postura neutra em

15 Essa parcela da população é formada por pessoas com acesso à internet e com interesse em
política.

156
relação ao movimento, seu fórum de debate foi o mais tenso, com troca
de ofensas e acusações entre os comentaristas com posições políticas
contrárias. No blog do Mino, houve maior ocorrências de comentários
dispersivos e irônicos, com um debate político de pouca qualidade16 e
diversidade de opiniões. Já o Blog do Zé Dirceu se caracterizou pela
maior ocorrência de comentários alinhados com a posição política do
titular, mas predominando avaliações morais e opiniões contrárias ao
movimento, havendo pouco debate de posições diferentes. Os comen­
tários com a emissão de opiniões e posicionamentos políticos são pre­
dominantes no blog Nariz Gelado. Nesse blog, observou­se um con­
flito entre críticas ao movimento e menções de apoio, inclusive com a
participação da blogueira.
De uma maneira geral, foi constatado que, apesar de haver debate
político dos comentadores, a maioria dos comentários fugiram ao tema
do post de referência, ou então foram avaliativos morais, não se preo­
cupando em apresentar propostas ou tecer reflexões com análises
críticas, gerando um debate de conteúdo estéril para a promoção da
democracia. Apesar de serem novos espaços para a promoção da de­
mocracia, os blogs por si só não garantem a formação de um debate
no qual os participantes procuram apresentar argumentos e fatos que
comprovem suas posições; pelo contrário, os fóruns se transformam
em espaços de expressão de sentimentos pessoais, muitas vezes des­
contentes com a vida política brasileira.
Os blogs estudados também se afirmam como novos espaços
eletrônicos de ação política informacional, uma vez que podem cons­
tituir grupos afinados politicamente, promover ações e movimentos so­
ciais, arrecadar fundos, conquistar novos simpatizantes e disseminar
informações. No caso do Cansei, o próprio movimento lançou um
blog para divulgar suas propostas e eventos. Os blogs estudados fun­
cionaram como “caixa de ressonância”, que, na maioria dos casos,
16 Pouca qualidade no sentido da falta de apresentação de comentários com análises críticas ou a
apresentação de propostas.

157
serviu para desqualificar o movimento através de críticas e, princi­
palmente, ironizando suas lideranças e posicionamentos.
Dessa forma, os blogs se constituem como novos mecanismos
de representação política, no qual os blogueiros podem atuar na for­
mação da agenda política (com alguma liberdade para selecionar os
conteúdos, temas e enquadramentos), promover debates através de
seus fóruns (possibilitando a expressão da pluralidade de visões sobre
os assuntos abordados) e criando esferas públicas nas quais grupos,
segmentos sociais e indivíduos podem expressar seus interesses. No
entanto, a representação política é limitada na blogosfera. Os dados
indicam que, na maioria dos casos, os blogueiros com maior número
de acessos são os que conseguiram construir sua reputação anterior­
mente ao início de seu blog (Noblat e Mino Carta). Os blogs de des­
conhecidos (Nariz Gelado) são acessados por uma parcela bem redu­
zida, com pouco alcance e participação nos fóruns de discussões.
Podemos, portanto, afirmar que o movimento Cansei gerou uma
efêmera repercussão na blogosfera, mas que atraiu um grande nú­
mero de comentaristas aos posts dedicados ao tema. Entretanto, o
debate ficou marcado pelo conflito de posições pessoais e avaliações
morais, que refletiram uma divisão entre os que apoiavam o governo
Lula e os descontentes com ele, que aproveitaram o movimento para
expressar seu descontentamento. Por outro lado, os defensores da
administração Lula procuraram ridicularizar o Cansei e acusá­lo de
golpista, associando muitas vezes à “Marcha pela Família e Proprie­
dade”, movimento que antecedeu o golpe militar de 1964. Assim, a blo­
gosfera repercutiu um debate marcado não pela promoção da cidada­
nia e democracia, mas pela troca de acusações e ofensas morais, ca­
racterísticas que parecem moldar o atual debate político no país.

158
Referências

ALDÉ, A.; ESCOBAR, J. CHAGAS, V. “A febre dos blogs de política”. Trabalho


apresentado ao GT: Comunicação e Política, do XV Encontro da Compós, Bauru, junho
de 2006. Disponível em: http://www.faac.unesp.br/compos2006/imprimirGT02.htm.
Acesso em 09/08/2006.

PENTEADO, C. L. C.; SANTOS, M. B. P.; ARAÚJO, R. de P. “Blogs de política: caminhos


para reflexão”. Trabalho apresentado no I Compolítica. Salvador, novembro de 2006.
Disponível em: http://www.poscom.ufba.br/congresso/pdf/gt4/Penteado�Santos�e�
Araujo�2006.pdf. Acesso em 30/10/2007.

��������. “Blogs e eleições presidenciais no Brasil em 2006”. Trabalho apresentado no


XIII Congresso Brasileiro de Sociologia. Recife, maio de 2007. Disponível em: http://www.
sbsociologia.com.br/congresso�v02/index.asp?idcongresso=9. Acesso em 30/10/2007.

��������. “Internet e política: os blogs nas eleições presidências de 2006”. Trabalho


apresentado no 31º Encontro anual da ANPOCS, Caxambu/MG, outubro de 2007.
Disponível em: http://201.48.149.89/anpocs/arquivos/11�10�2007�12�42�33.pdf. Aces­
so em 30/10/2007.

159
160
Helaine Rosa e Octávio Islas

Contribuições dos blogs e


avanços tecnológicos na
melhoria da educação

A ecologia dos meios (media ecology), conhecida também como


“Escola de Toronto”, “Escola de Nova York” ou “Escola de San Luis”,1
fundamentalmente parte do pensamento de Marshall McLuhan e foi
enriquecida em sua breve, mas fecunda, história com as relevantes
contribuições teóricas de pensadores como Neil Postman, Joshua
Meyrowitz, Paul Levinson, Harold Innis, Walter Ong, Lewis Mumford,
Jacques Ellul, Elizabeth L. Eisenstein, Eric Havelock, Edmund Carpen­
ter, Jack Goody, Robert K. Logan, James W. Carey, Jay David Bolter
e Lance Strate, entre outros.2 Uma das melhores definições que foi
elaborada do conceito “ecologia dos meios” procede de Neil Postman:3
A ecologia dos meios analisa como os meios de comunicação
afetam a opinião humana, a compreensão, a sensação, e o valor; e
como nossa interação com os meios facilita ou impede nossas pos­
1 De acordo com Fernando Gutiérrez, destacado pesquisador mexicano, especialista em temas de
ecologia dos meios, a media ecology é uma metadisciplina que se encarrega do estudo de um con­
junto complexo de relações ou inter­relações entre símbolos, meios e a cultura. A palavra “ecologia”
implica o estudo dos ambientes e suas inter­relações: conteúdo, estrutura e impacto social. Um am­
biente mediático é aquele que deriva das inter­relações entre o homem e as distintas tecnologias de
comunicação como: livros, rádio televisão, internet (...). A “ecologia mediática” se refere ao estudo
das técnicas, modos de informação e códigos de comunicação como parte principal de um ambiente
inter­relacionado que projeta diferentes efeitos em um contexto determinado.
2 Também no site da Media Ecology Association é possível consultar uma útil relação de textos. Ver:
http://www.media­ecology.org/media_ecology/readinglist.html: Acesso em: 10/07/2007.
3 Ver: http://www.media­ecology.org/media_ecology. Acesso em: 10/07/2007.

161
sibilidades de supervivência. A palavra “ecologia” implica o estudo de
ambientes: sua estrutura, conteúdo e impacto nas pessoas.
Entre as distintas escolas ou correntes da Ciência da Comunicação
que têm se preocupado em analisar de forma integral o complexo pro­
cesso da comunicação, a ecologia dos meios particularmente se dis­
tingue por conceder particular ênfase no estudo das tecnologias e nos
ambientes comunicativos, pois, como afirmou Marshall McLuhan em
Comprender los medios de comunicación: las extensiones del ser hu­
mano – cuja primeira edição foi publicada em 19644 –, em última ins­
tância, os meios de comunicação admitem ser compreendidos como
tecnologias. De acordo com Marshall McLuhan, toda tecnologia pode
ser considerada como lógica extensão dos órgãos, sentidos, faculdades
ou funções do ser humano: “Qualquer invento ou tecnologia é uma
extensão ou auto­amputação do corpo físico, e, como tal extensão,
requer ainda novas relações ou equilíbrios entre os demais órgãos e
extensões do corpo” (McLuhan, 1996:64).
Marshall McLuhan e, principalmente, Neil Postman empreenderam
enérgicos questionamentos aos meios de comunicação alterando a
cultura e as tradições. Postman, que faleceu em 5 de outubro de 2003,
hoje é considerado um dos principais críticos dos meios de comuni­
cação. No livro Amusing ourselves to death: public discourse in the
age of show business (1986), Postman expressou algumas das mais
enérgicas e racionalizadas críticas que se escreveu sobre a televisão
em sua história.
De acordo com o célebre marxista francês Louis Althusser, nas
sociedades capitalistas, as escolas e as tecnologias da informação
cumprem as funções de aparatos ideológicos do Estado – os quais
fundamentalmente operam através da persuasão com menores doses
de violência. Os aparatos ideológicos do Estado contribuem para ga­
rantir a reprodução ampliada da ideologia dominante e a reprodução
4 Comprender a los medios de comunicación: las extensiones del ser humano foi o terceiro livro
de Marshall McLuhan. Sem ser seu best seller, o citado livro foi traduzido para mais de 20 idiomas.

162
da qualificação diversificada da força de trabalho. A instrução escolar
nas sociedades capitalistas simplesmente reproduz a desigualdade
social, perpetuando o sistema de exploração classista. O aparato ideo­
lógico escolar (AIE) – o qual compreende o conjunto de distintas es­
colas – admite ser considerado como um dos aparatos ideológicos he­
gemônicos das sociedades capitalistas.
Conforme Marshall McLuhan (1996), os meios de comunicação,
como as tecnologias em geral, incidem na incessante transformação
da ecologia cultural das sociedades, resultando em inevitáveis trocas
de sentido que, inclusive, alteram nossa percepção de tempo. Os efei­
tos da tecnologia, sustentou McLuhan (1996:39), “não se produzem ao
nível das opiniões ou dos conceitos, senão que modificam os índices
sensoriais, ou pautas de percepção, regularmente e sem encontrar re­
sistência”. Os meios – sustentou McLuhan – configuram nossa consci­
ência e experiências. A fenomenologia da mudança tecnológica se en­
contra intimamente associada com os processos de aprendizagem e,
portanto, de transmissão do legado cultural de todas as sociedades. As
“remediações” que experimentam os meios inevitavelmente produzem
mudanças significativas nos “ambientes educativos”.
No desenvolvimento de todo meio de comunicação, é possível
perceber uma progressiva transformação, com o propósito, nem sem­
pre consciente ou deliberado, de fazer o meio mais parecido com o
homem. Esse processo é designado como “remediação”.
A “remediação” efetivamente não é um processo simples e, por
isso, nem todas as pessoas conseguem percebê­lo. O conceito “reme­
diação” admite pelo menos duas interpretações na ecologia dos meios.
No livro The Soft Age, Paul Levinson (1997) empregou o termo “meio
remedial” para descrever como nossas sociedades utilizam um meio
para reformar ou melhorar o outro. De acordo com Levinson, em um
esforço do qual nem sempre somos conscientes, tentamos fazer que
os meios se pareçam mais com o homem. Em um de seus recentes

163
livros, Cellphone: the story of the world’s most mobile medium and
how it has transformed everything!, Levinson afirmou que “os meios de
comunicação ainda competem – e de forma mais intensa – pela aten­
ção das pessoas” (Levinson, 2004:12). Em termos darwinianos, sugere
ele, a seleção do ambiente mediático se dá nas mãos das pessoas,
as quais contribuem com sua preferência para a evolução de um meio
determinado.
Constantemente, elas decidem entre ir ao cinema ou ficar em ca­
sa para ver televisão, ler um livro ou ver um vídeo, falar ao celular ou
enviar um correio eletrônico. Os meios não evoluem por uma seleção
natural senão por uma escolha humana. O meio que melhor evolui é
aquele que se ajusta mais às diversas necessidades do homem. O
processo de remediação dos meios de comunicação sintetiza tal ade­
quação dialética que permite aos meios de comunicação “imitar” as
faculdades ou órgãos do ser humano.
Nas primeiras linhas de Comprender a los medios de comunicación:
las extensiones del ser humano, Marshall McLuhan (1996) afirmou
que o conteúdo de todo meio é outro meio. Portanto, a internet é um
novo meio remediador, pois assimila os meios que o antecederam. Os
conteúdos da internet são os meios que a antecederam.

Os blogs: ambiente comunicativo e de aprendizagem


no imaginário da web 2.0

Os blogs estão dando voz e presença pública às


pessoas comuns que têm coisas para dizer, que não
necessariamente sabem sobre tecnologia, do desenho,
ou de programação (…) É uma mudança fundamental
que está ocorrendo com os blogs (texto), com flickr
(fotografía) e com YouTube (vídeo).5

5 “Blogs, el quinto poder”. Entrevista de Amaia Arribas a José Luis Orihuela. Cidade do México,
Excelsior, Suplemento Dinero, p. 11, 21 de agosto de 2006.

164
Os weblogs ou blogs representam o coração da web. Tal afirma­
ção adquire particular significado se reparamos no seguinte fato: Tim
Berners­Lee,6 o criador da web, desde janeiro de 1992, registrava a
evolução de seu projeto e pesquisas no site What´s New in ´92, que
tem sido considerado por alguns especialistas como o primeiro blog,
entre os quais se destaca Dave Winer. De acordo com Winer [http://
www.scripting.com], citado pelo destacado blogueiro argentino José
Luis Orihuela (2006:40): “o primeiro weblog foi o primeiro site da web”.
José Luis Orihuela, autor do blog e­cuaderno.com,7 catedrático
da Universidade de Navarra, Espanha, propõe a seguinte definição de
blog:

Um site da web que se compõe de entradas individuais


chamadas anotações ou histórias dispostas em ordem
cronológica inversa. Cada história publicada fica
arquivada com sua própria direção URL e atrelada a
outras, assim como a data e hora de sua publicação. Em
inglês o termo “log” designa o registro da atividade de
um servidor, e em um sentido mais amplo se refere a
um diário, como “travelog”, para os clássicos diários de
viagem. Assim, o diário de navegação do internauta pela
web se consolidou em 1997, e o termo “weblog”, que se
usa indistintamente em sua forma abreviada por blog.
(Orihuela, 2006: 34).

O diário pessoal escrito em papel ganha uma nova roupagem de


diário virtual, porém com as antigas questões. Para Schittine:

Daí a importância de desenvolver certos pontos: a


memória (imortalidade e permanência), o segredo (o que
contar ou não a intimidade a um desconhecido), a tensão

6 Berners­Lee criou a www quando trabalhava no Laboratório Europeu de Física de Partículas


(CERN), em Genebra, Suíça, no começo dos anos 1990, e a partir de objetivos muitos modestos:
integrar e relacionar sua agenda, diretório e alguns arquivos pessoais através de hipertextos.
7 http://www.ecuaderno.com.

165
entre o espaço público e o privado (que vai aumentar
com a passagem para a internet) e a relação com o
romance (ficção) e com o jornalismo (a observação dos
fatos) (2004:14­15).

Em 1998, o número de blogs chegava apenas a 20 e, em 1999,


foram incorporadas à internet as primeiras ferramentas gratuitas para
a edição e publicação de blogs: Pitas, no mês de julho, e Blogger, em
agosto. Pitas e Blogger contribuíram para incrementar o número de
blogueiros, ampliando, portanto, as possibilidades expressivas de um
novo ambiente de comunicações que se desenvolve rapidamente na
internet: a blogosfera.8
De 2000 a 2002, o crescimento da blogosfera apenas foi per­
ceptível. Talvez o fato mais relevante ocorreu em novembro de 2002,
quando se iniciaram as operações da Technorati, uma das principais
fontes de informação de pesquisa da blogosfera.
Em 2003, dois fatos favoreceram a expansão da blogosfera: no
mês de fevereiro, o Google9 comprou o Blogger da Pyra Labs, uma pe­
quena empresa situada em São Francisco, Califórnia, Estados Unidos;
em segundo lugar, em meados do mês de março, deu­se início à mais
recente guerra empreendida pelo governo dos Estados Unidos contra
o Iraque.
Na invasão ao Iraque, um fato deu grande visibilidade mediática
aos blogs: a censura imposta pela CNN ao blog do jornalista Kevin Sites,
por pressões recebidas da alta direção da CNN. Alguns blogueiros, em
seguida, manifestaram sua solidariedade para Kevin Sites por meio
de correios eletrônicos, nos quais objetavam o procedimento da CNN.
Com isso, a audiência de notícias cresceu notavelmente em 2003 gra­

8 “Blogosfera” se refere a tudo que circula no mundo dos blogs.


9 Google, marca emblemática da economia do conhecimento, hoje é reconhecida como a marca de
maior valor no mundo, de acordo com os resultados que recentemente apresentou a firma BrandZ no
estudo 2007 BrandZ The most powerfull brands. De acordo com os resultados do referido estudo, o
valor de marca do Google aumentou de 66 mil para 434 milhões de dólares.

166
ças à oportuna contribuição dos blogs destinados a análises e ao relato
de tão absurdo episódio bélico.
Os blogs têm sido objeto de freqüentes remediações em sua bre­
víssima história. A incorporação de outras tecnologias à internet tem
propiciado o desenvolvimento de fotoblogs e videoblogs, os chamados
“blogs de nova geração” (2.0) que permitem a incorporação de imagens,
sons e vídeo.
Em 2005, registrou­se outra importante remediação da internet –
e, portanto, também dos blogs – com a introdução do podcasting, tec­
nologia que permite gravar áudio no formato MP3 para ser distribuído
na internet por meio de conexão RSS. O impacto do podcasting logi­
camente se estendeu aos blogs. Quando os conteúdos são publicados
de um telefone móvel, fala­se de moblogs.
De acordo com estatísticas do Technorati,10 no começo do mês de
abril de 2007, o número estimado de blogs no mundo atingia a marca
de 170 milhões. A cada dia são gerados 120 mil novos blogs: 1.4 por
segundo, em média. E, quanto ao número de textos que diariamente
são publicados nos blogs, o Technorati estimou uma média diária de
1.5 milhões por dia: 17 comentários ou posts por segundo.
No Brasil, de acordo com o Ibope/NetRatings, “em agosto deste
ano (2007), aproximadamente nove milhões de usuários acessaram e
leram blogs. O número representa 46% de internautas ativos no mês
e reforça o crescimento da blogosfera no País”11. Outro levantamento,
realizado pela Intel, mostra que, dos 170 milhões de blogueiros do
mundo, 5,9 milhões são brasileiros.
Segundo os resultados do estudo 2007 do Technorati, o número
e porcentagem de novos splogs (spam blogs) registrou um sensível
incremento no Natal de 2006, quando diariamente foram gerados entre
três mil a sete mil novos splogs. A geração de mensagens publicitárias
de caráter intrusivo definitivamente representa uma delicada ameaça
10 http://technorati.com.
11 http://www.comunique­se.com.br.

167
ao desenvolvimento da web 2.0.
Orihuela, quando analisa os blogs e a blogosfera no meio e na
comunidade, afirma que:

No novo cenário da comunicação, as funções da blo­


gosfera são múltiplas: um filtro social de opiniões e no­
tícias, um sistema de alerta prévio para as mídias, um
sistema de controle e crítica dos meios de comunicação,
um fator de mobilização social, um novo canal para as
fontes convertidas em mídias, (...) um enorme arquivo
que opera como memória da web, o alinhamento pri­
vilegiado e uma alta densidade de links de entrada e
saída e, finalmente, a grande conversação de múltiplas
comunidades cujo objetivo comum é o conhecimento
compartilhado (2007:9).

Portanto, os blogs podem ser considerados como um novo modo


de comunicação em um novo ambiente digital que favorece a reme­
diação na internet contribuindo para o desenvolvimento da web 2.0.
O advento da web 2.0 definitivamente confirma o inexorável trânsito
da chamada economia do conhecimento que Alvin Toffler, na Terceira
Onda, antecipou: “À medida que avança a terceira onda, os meios de
comunicação, longe de estender sua influência, são obrigados a com­
partilhá­la. Estão sendo derrotados em muitas frentes para o que eu
chamo os meios de comunicação desmassificados” (Toffler, 1980:164).

A nova educação

A incorporação das novas tecnologias de informação hoje é afor­


tunadamente um dos principais objetivos das políticas e programas
educativos programados e impulsionados pelos governos. A “inclusão
digital” é considerada determinante no desenvolvimento da economia

168
do conhecimento. O discurso pronunciado pelos governos gira em
torno do fato de que a implantação das novas tecnologias na educa­
ção ajuda a diminuir as falhas educativas, se entendermos que a de­
sigualdade de oportunidades de que padecem as crianças, jovens e
adolescentes de setores desfavorecidos é um problema que não está
radicado somente na parte econômica, mas que tem suas raízes nas
áreas cultural, política e, o que aqui nos concerne, pedagógica.
A implementação das novas tecnologias na educação está crian­
do espaço de apropriação significativa das mesmas. As escolas estão
sendo providas de equipamentos de informática, mas sem uma capa­
citação de docentes ou com capacitação somente para professores
de áreas muito específicas, em que a utilização da informática só era
dada como uma disciplina.
Com a incursão das tecnologias no âmbito docente, o centro do
saber, pelo menos o que se considera legítimo, deixa de ser os centros
educativos, que têm sido questionados, e passa a apontar como saída
possível a modificação das estratégias de ensino com as novas pro­
postas didáticas.
Existem três posturas a respeito da incorporação das tecnologias
da informação e comunicação na prática docente. A primeira é de re­
sistência, associada ao medo, ao desconhecido, ao receio de fazer
um mau papel frente aos alunos – os verdadeiros especialistas em
tecnologias. A segunda é a postura de conformismo, segundo a qual
os professores aceitam se atualizar sob a alegação de que não lhes
resta outra alternativa. E a terceira é a mais otimista, que mostra que
a educação necessita de uma revolução com o uso adequado das tec­
nologias de forma dialógica e contínua.
A origem de não aceitar as tecnologias está radicada na dificuldade
de pensar sobre as culturas juvenis (Reguillo, 2000), o que impede
de ver que os jovens estão experimentando e, por certo, vivenciando.
Assim, a diferença geral, que de certa maneira se assenta ao vínculo

169
pedagógico, se converte em um obstáculo, uma lacuna muito difícil de
ser superada.
Frente a esse cenário, as perguntas que nos podemos fazer ver­
sam sobre o que ocorre nas nossas instituições ante a erupção dos
novos espaços gerados pelas ferramentas de informática, como são
utilizadas, como lhes dão significado e sentido, e os imaginários que se
articulam e as práticas que se geram em torno delas.
Então, por que continuar pensando em um espaço áulico como
um conceito que tem limites espaciais? Por que somente se concebe a
tecnologia como algo diretamente relacionado com os grandes centros
de desenvolvimento tecnológico e econômico? Podemos dispor da tec­
nologia de ponta, mas devemos ser capazes de criar e inovar um pen­
samento e conhecimento através das tecnologias.
Os blogs definitivamente superam as plataformas educativas ado­
tadas por algumas instituições – como Learning Space ou Blackboard,
por exemplo – que foram uma resposta lógica dos ambientes educati­
vos que migraram junto com o desenvolvimento da web 1.0.
Algumas instituições universitárias dispõem de sofisticados campi
virtuais que servem para tarefas administrativas e docentes, assim
como para a comunicação interna com os alunos. Apesar de haverem
desenvolvido essas ferramentas, reproduzem o ensino universitário
tradicional, já que mudam muitos elementos (exames, provas) da do­
cência tradicional combinada com atrativas utilidades. Dessa manei­
ra, os campi virtuais não aproveitam as potencialidades da internet e
das tecnologias,12 como a interatividade e o movimento, por exemplo,
fatores distintos da denominada sociedade da ubiqüidade, cujo lema é
comunicação para todos, em qualquer lugar, a toda hora.
E, quanto aos blogs, embora existam pretensões individuais de
se tirar partido, não são uma ferramenta freqüente nas universidades,
mas sim entre os universitários. Os blogs são muito populares e estão
12 Renomadas universidades, como a de Stanford (EUA), têm recorrido ao desenvolvimento vincula­
do ao espaço e ao imaginário dos jovens. Os videogames e as ferramentas musicais como o iTunes
fazem parte da tecnologia docente.

170
sendo adotados massivamente pelos jovens graças a sua gratuidade e
sua alta capacidade de difusão da informação, além de os internautas
quererem ser protagonistas com sua participação, colaboração e in­
teratividade em benefício próprio. Talvez seu aspecto mais conhecido
seja seu impacto nos meios de comunicação tradicionais.
Além dos blogs, surgiram há dois anos, na Califórnia, os micro­
blogs, criados por um grupo de amigos com o objetivo de compartilhar
suas rotinas – um deles, Evan Williams, que foi o criador do Blogger. A
principal ferramenta do gênero é o Twitter,13 no qual cada usuário tem
uma rede de amigos, que recebem automaticamente as postagens de
seus contatos em mensagens curtas de até 140 caracteres, podendo ser
enviadas e lidas pela web, por programas de mensagens instantâneas
(MSN Messenger) ou por telefone celular. Além de os jovens usarem
como mais um agregador de rede social, as empresas já começam
a fazer parte da conversa global dos microblogs, utilizando o Twitter
como instrumento de comunicação com seus clientes (Fusco, 2008).
Esse instrumento é ainda um aliado para enviar mensagens de com­
promissos e apontamentos, como marcação de provas e avaliações.
O antecedente mais objetivo no âmbito universitário é o Universia’s
blog, em que os estudantes mostram sua capacidade para assimilar
14

essa nova ferramenta. Portanto, se nos perguntarmos a idoneidade de


um blog no âmbito da docência e da atividade universitária, teríamos
que assumir que ele permite o desenvolvimento das capacidades co­
municativas e assimilação das diversas fontes de informação que exis­
tem na internet.
Um dos exemplos brasileiros é relatado por Cipriani (2006). Um
professor da Universidade de Uberaba (MG) pediu para os alunos
criarem seus próprios blogs para contar as experiências vividas em sala
de aula com o objetivo de utilizar o blog como elemento do processo de
avaliação e introduzir o uso de ferramentas de comunicação atuais no
cotidiano dos futuros jornalistas e publicitários.
13 http://twitter.com.
14 http://blogs.universia.net.

171
O uso do blog acadêmico contribuiu para que os alunos
se tornassem mais conscientes da progressão de seus
conhecimentos em relação às discussões da disciplina.
Os processos de comunicação e conversação existentes
em um blog foram os principais responsáveis pelo su­
cesso da experiência (Cipriani, 2006:67).

Uma das grandes vantagens do uso de blogs na área docente é


que a maioria dos alunos os adota com facilidade, já que vêem neles
não só uma ferramenta de trabalho interativa, mas também a opor­
tunidade de criar uma comunidade de interesses, mais do que as pró­
prias equipes de trabalho.
A passividade, da qual tanto se queixam os professores, está por
trás do que se percebe uma aprendizagem mais ativa. Com as tecno­
logias, faz­se uma busca de informação na rede, a mesma que se de­
bate, se critica ou se compartilha. Assim, os alunos aprendem a buscar
e contrastar a informação para debater nas aulas temas da atualidade.
Se algo diferencia os blogs das plataformas virtuais das univer­
sidades é precisamente a não privacidade. Os conteúdos abertos dos
blogs permitem aumentar essa comunidade de “amigos”, e não ficar
ilhado unicamente com os companheiros de classe. Estar abertos às
opiniões de visitantes enriquece a visão de equipe. A estratégia de
conteúdos abertos foi impulsionada pelo MIT, antecipando o êxito dos
blogs.
Assim, os estudantes se conscientizam da importância de apren­
der a desenvolver a capacidade de inovação do próprio sistema (o que
comumente chamamos de “open source” ou código aberto). Precisa­
mente, o grande número de ferramentas e desenvolvimento dos blogs,
frente aos conteúdos fechados das plataformas virtuais, são a chave
de seu atrativo, já que os alunos vêem a importância de introduzir
inovações e gerar conteúdos novos, estimulando sua participação e
criatividade. Por isso, deve­se fomentar o uso e desenvolvimento de

172
software livre, uma vez que está servindo de suporte para experiências
inovadoras que seriam economicamente inviáveis com ferramentas
comerciais, facilitando ainda o acesso às TICs (Tecnologias da Infor­
mação e Comunicação).
Apesar das benesses dos blogs, não se trata de substituir os
blogs pelas plataformas virtuais. O campo virtual admite um âmbito
restrito da comunicação entre alunos e docentes. Os blogs podem ser
utilizados também para esse tipo de uso (já que também se pode co­
locar senha de acesso), mas estaria em desvantagem, já que não foi
concebido para esse fim. Por isso, é conveniente pensar em uma fer­
ramenta complementar e compatível com os campos virtuais.
A incorporação das novas tecnologias na educação é já uma rea­
lidade que nos facilita o aprendizado e a comunicação porque é um
objetivo irrenunciável. Por isso, se faz necessário que as tecnologias
sejam parte dos currículos com competências bem definidas. A for­
mação dos professores é fundamental em matéria tecnológica, já que
eles têm que se atualizar no uso das ferramentas que seus alunos
dominam quase à perfeição. A alfabetização digital ainda está como
uma disciplina pendente entre os professores, que devem reorientar
suas práticas a projetos em que a aprendizagem instrumental seja um
meio e não um fim, em que se criem motivações e a máxima seja “que­
rer fazer para querer aprender, querer atuar para querer produzir”.
Evidentemente, a questão da infra­estrutura, com internet de ban­
da larga em todos os centros educativos, é requisito fundamental. Além
do mais, seria interessante difundir o uso de esquemas abertos de
propriedade intelectual que fomentem o trabalho colaborativo e a parti­
cipação, um dos eixos fundamentais no uso dos blogs em aula.
Assim, não devemos confundir a conectividade e infra­estrutura
com os conteúdos. Deve­se estimular os alunos para a construção de
seus próprios conteúdos, com práticas abertas em que se estimule o
enfrentamento à tecnologia, desde a intuição e a reflexão. Esse é o
verdadeiro objetivo dos blogs pedagógicos.

173
Perspectiva possível: a aprendizagem móvel

As primeiras gerações de “nativos digitais” estão chegando às


universidades. Elas tinham 5 ou 6 anos de idade em 1994, quando
Tim Berners­Lee introduzia a web, inovação que culminaria com o de­
senvolvimento da internet. Hoje, elas têm 18 ou 19 anos. No seu tem­
po livre, eles já relegaram a televisão a um papel secundário. Elas
dedicarão mais horas para jogar com avançados consoles – como
Nintendo ou Xbox – e a navegar na internet. Para os “nativos digita­
is”, a educação se encontra intimamente associada ao emprego de
avançadas tecnologias de informação e comunicação, e a internet re­
presenta para eles um natural ambiente de aprendizagem.
O uso de avançadas tecnologias na educação por certo não é
recente. Entretanto, como conseqüência desse desenvolvimento que
têm apresentado as comunicações digitais, escolas e universidades
efetivamente dedicadas à educação estão vendo a necessidade de
destinar consideráveis recursos para transformar os velhos espaços
áulicos. Nas salas de aulas, vão­se incorporar avançadas tecnologias
de informação e comunicações para adaptá­las aos ambientes e cená­
rios de aprendizagem que demandam o imaginário da Educação 1.0.
Isso, entretanto, não é suficiente.
A sociedade da informação e do conhecimento é também a so­
ciedade da ubiqüidade. No imaginário da sociedade da ubiqüidade,
aprenderemos a nos desenvolver indistintamente no mundo real e no
mundo virtual. As exigências educativas que supõe o imaginário da so­
ciedade da ubiqüidade evidentemente se tornarão muito mais complexas.
Além do mais, devemos ter muito presente o desenvolvimento atual de
uma promissora web: a web 2.0. A aprendizagem móvel representa o
principal objetivo educativo que nos leva ao desenvolvimento da web
2.0 e, logo, da web 3.0.15
15 A web 1.0 é a internet original, que se relaciona com seus usuários um por um, brindando­os com
acesso a material de leitura e conteúdos estatísticos. É a internet com que todos estamos acostu­

174
A web 3.0, batizada de semântica, permitirá colocar dados na
web que não apenas se tornem acessíveis às pessoas, mas também
permitam a análise por máquinas de conteúdos RDF, sigla em inglês
de “Estrutura de Descrição de Recursos”. Entre os benefícios que po­
derão surgir disso, estão a integração de dados “escondidos” e sua
reutilização, e imitar a associação de idéias realizadas pelas pessoas
por meio de combinação de informações com dados interoperacionais,
com relações explícitas, utilizando a linguagem ontológica da web
[OWL, na sigla em inglês].
Em entrevista concedida à Spotlight e divulgada na revista HSM
Management (n.64, p.122­128, setembro­outubro 2007), Timothy
Berners­Lee, criador da world wide web, fala sobre a web 3.0 e afir­
ma que “quando olhamos agora para a web semântica, o lado do có­
digo aberto é extremamente importante para a criação, para o setor
acadêmico, para a ciência da computação e para os sites”. Além da
convergência de mídias,

mudar a ordem de processamento de dados é o futuro


da internet (...), é preciso passar da era em que dados
– incluindo os softwares – ficam armazenados no
microcomputador de cada um para o estágio em que são
processados a partir de uma máquina centralizada (um
servidor).16

Se os dados estiverem centralizados, com acesso de qualquer


lugar, não precisamos de computador em casa. O Google trabalha
mados. A web 2.0, também chamada de web wiki, é a internet social, que habilitou e fomentou a
comunicação e a interação e deu lugar a comunidades de interesses e redes de relacionamento, ao
intercâmbio de informações e ao trabalho colaborativo em tempo real, como o Orkut, o Second Life
e os blogs. A web 3.0, ou web semântica, é uma internet mundial multimídia muito diferente da atual,
caracterizada pela intervenção de máquinas inteligentes que serão capazes, segundo se prevê, de
indexar a voz humana e identificar diferentes elementos em textos, fotografias, gráficos e vídeos,
em que os computadores em que se apóia a web sejam capazes de avaliar textos e extrair deles as
idéias­chave (HSM Management, n. 64, Ano 11, v. 5, setembro­outubro 2007).
16 Nelson Mattos, vice­presidente do Google, em entrevista ao jornal Zero Hora (http://www.zerohora.
com/blogdavanessa. Acesso em: 30/09/2007.

175
nessa direção, que chama de cloud computing,17 o conceito de infor­
mação em todos os lugares, passando a ter serviços on­line, que
podem ser acessados a partir de quaisquer microcomputadores ou
dispositivos conectados à internet, como celulares.
No portal Campus Technology,18 Howard Rheingold e Jerry Kane,
professor do Boston College e especialista em temas de tecnologia
educativa, apresentaram um “webinar” sobre estratégias para o em­
prego de wikis e outras tecnologias associadas com o desenvolvimento
da web 2.0, destinadas a estimular a discussão nos processos de
aprendizagem, assegurando uma efetiva gestão.
O repertório de temas abordados, na realidade, é parte da agenda
de exigências educativas que hoje fazem parte do difícil trânsito dos
modelos educativos próprios da Educação 1.0 para a Educação 2.0,
tais como: criar comunidades em linha para transcender a experiência
educativa para além do espaço áulico tradicional; transformar o pro­
cesso de aprendizagem em efetiva gestão do conhecimento; estimular
o desenvolvimento de projetos wikis e blogs entre estudantes; criar
estratégias para o efetivo emprego de iPods e celulares como o iPhone
com programas de educação móvel.19
O aprendizado móvel representa uma profunda remediação edu­
cativa que definitivamente vai além da já existente web 2.0. O apren­
dizado móvel, integrado e elaborado com a participação de todos, pode
ser considerado uma das principais “idéias força” do futuro.

17 Algo como “nuvem computacional”.


18 No portal Campus Technology [http://www.campustechnology.com] é publicado, mensalmente,
uma revista eletrônica sobre temas de inovação e tecnologias educativas, além de distribuírem in­
formações periódicas sobre estes temas através de grupos de notícias e correio eletrônico. Campus
Technology também organiza conferências e congressos com especialistas das principais universi­
dades dos Estados Unidos.
19 Em setembro de 2007 o Tecnológico de Monterrey (México) apresentou seus primeiros progra­
mas de mestrado na modalidade de aprendizagem móvel. E, em janeiro de 2008 o Tecnológico de
Monterrey também terá a modalidade de aprendizagem móvel para o mestrado em administração de
empresas, programas empresariais de educação contínua e algumas classes de licenciatura.

176
Referências

“A WEB 3.0, semântica”. Revista HSM Management, n. 64, Ano 11, v. 5, setembro­
outubro 2007.

ALTHUSSER, L. La filosofía como arma de la revolución. México: Cuadernos Pasado y


Presente,1982.

“BLOGS, el quinto poder”. Entrevista de Amaia Arribas a José Luis Orihuela. Excelsior,
Suplemento Dinero, p. 11, 21 de agosto de 2006.

CAREY, J. Communication as culture: essays on media and society. Boston: Unwin


Hyman, 1989.

CAREY, M. “The Intellectual Roots of Media Ecology”. The new jersey journal of
communication. V. 8, n. 1, p. 1­8, primavera de 2000.

CIPRIANI, F. Blog Corporativo. São Paulo: Novatec, 2006.

FUSCO, Camila. “O enigma dos microblogs”. Revista Veja, Ed. 910, ano 42, n.1.

LEVINSON, P. Cellphone: the story of the world’s most mobile medium and how it has
transformed everything! London: Palgrave Macmillan, 2004.

LEVINSON, P. The soft age: a natural history ad future of the information revolution.
London: Routeledge, 1997.

McLUHAN, M. Comprender los medios de comunicación: las extensiones del ser


humano. Barcelona: Paidós Comunicación, 1996.

MEYROWITZ, J. No sense of place: the impact of electronic media on social behavior.


New York: Oxford University Press, 1985.

ORIHUELA, J.L. “Blogs e blogosfera: o meio e a comunidade”. In: ORDUÑA, Octavio


I. ROJAS et al. Blogs: revolucionando os meios de comunicação. São Paulo: Thomson
Learning, 2007.

ORIHUELA, J.L. La revolución de los blogs. España: La esfera de los libros, 2005.

REGUILLO, R. Emergencias de las culturas Juveniles. Buenos Aires: Editorial Norma,


2000.

SCHITTINE, Denise. Blog: comunicação escrita íntima na internet. Rio de Janeiro:


Civilização Brasileira, 2004.

TOFFLER, A. La tercera ola. México: Edivisión, 1980.

SITES

Blog da Vanessa. Disponível em http://www.zerohora.com/blogdavanessa. Acesso em


30/09/2007.
Comunique­se. Disponível em http://www.comunique­se.com.br. Acesso 07/10/2007.

Pesqiosa constata fortalecimento da web. Disponível em http://www.metodista.br/


unesco/ibcc/ibcc. Acesso em 08/10/2007.

177
178
Rogério Christofoletti

Pedagogia dos blogs:


posts sobre o uso da ferramenta no ensino do
jornalismo

Houve um tempo em que o professor reinava na sala de aula. Su­


as palavras vinham preenchidas de verdade e conhecimento. Sua pos­
tura inspirava autoridade e não havia sombra de dúvida sobre o seu
pa­­pel­na­escola.­O­professor­era­a­personificação­da­erudição,­do­rigor,­
da­disciplina.­Seu­protagonismo­na­educação­era­incontestável.­Mas­o­
im­pério­exclusivo­dos­mestres­já­não­é­mais­o­mesmo.­Esse­pedestal­
não­só­enfraqueceu­suas­bases,­como­também­vem­sendo­cada­vez­
mais­ne­cessário­revisar­(ou­reinventar)­o­lugar­do­professor­na­escola.­
Aliás,­é­pre­ciso­rever­o­que­se­entende­por­e­o­que­se­espera­hoje­da­
edu­­cação.
Uma­resposta­imediata­a­mudanças­tão­profundas­está­nas­con­
seqüências que a tecnologia vem provocando nas sociedades contem­
porâneas.­ O­ desenvolvimento­ rápido­ e­ robusto­ dos­ meios­ de­ comu­
nicação,­sua­maciça­penetração­e­capilaridade,­e­a­assunção­de­um­
lu­­gar­quase­onipresente­na­vida­social­permitiram­que­a­mídia­(seus­
pro­­ces­­sos,­ práticas­ e­ produtos)­ influenciasse­ não­ apenas­ a­ maneira­
como­nos­comunicamos,­mas­também­como­nos­socializamos.­Assim,­
a­tec­­no­­logia­mudou­nossas­relações­afetivas­e­profissionais.­Gerações­

179
passadas “aprenderam” a beijar com astros e estrelas do cinema; as
mais­atuais­fazem­sexo­e­amigos­pela­internet.­Trabalhadores­do­século­
pas­sado­ampliaram­em­muito­suas­capacidades­produtivas;­operários­
atuais­cumprem­suas­jornadas­longe­de­suas­empresas,­ampliando­as­
ho­­ras­ de­ dedicação­ a­ tais­ atividades­ e,­ com­ isso,­ as­ ocorrências­ de­
doenças­ocupacionais.
A­tecnologia­alterou­também­nossas­relações­com­o­divino.­Igrejas­
evangelizam­pela­TV,­pastores­pregam­pela­internet,1 textos sagrados
podem­ser­ouvidos­em­CDs­e­áudio­livros,­com­trilha­sonora­e­efeitos­
edificantes.­Publicações­dirigidas­aos­fiéis­circulam­com­facilidade­em­
mer­cados­editoriais­cada­vez­mais­rentáveis­e­influentes.­Crentes­pro­
duzem­ vídeos­ e­ os­ compartilham­ em­ portais,2 experimentando uma
nova comunhão.
Contornando­estrategicamente­o­debate­redutor­da­tecnofilia­ver­
sus­ tecnofobia,­ encaremos­ a­ tecnologia­ como­ um­ advento­ histórico­
irre­­ver­­sível,­ de­ proporções­ totalizantes­ e­ de­ ritmo­ crescentemente,­
ace­­lerado­nas­últimas­décadas.­Mais:­de­alta­influência­na­vida­social­
con­­temporânea.­ E,­ se­ as­ repercussões­ se­ dão­ na­ esfera­ pública,­
não­ ficam­ de­ fora­ as­ conseqüências­ internas,­ privadas.­A­ tecnologia­
mo­­difica­ sensivelmente­ nossas­ relações­ com­ o­ conhecimento,­ por­
exemplo.­Como­a­escola,­historicamente,­construiu­se­como­um­am­
biente­aglutinador­dos­saberes,­seus­pilares­são­abalados,­inicialmente,­
com­a­difusão­dos­meios­eletrônicos­de­comunicação­(TV­e­rádio...)­e,­
depois,­ com­ a­ disseminação­ das­ redes­ telemáticas­ (com­ ênfase­ na­
internet).
Isto­é,­antes­a­fonte­do­conhecimento­era­o­professor.­Em­poucos­
anos,­a­exclusividade­se­esvaiu­e­outros­centros­irradiadores­entraram­
em­cena,­disputando­não­apenas­a­atenção­dos­alunos­(seus­pais,­suas­
fa­­mílias...),­mas­também­a­autoridade­para­destacar­o­que­é­relevante­
ou­não­no­momento.­Formação­e­informação­se­aproximaram,­tornando­

1­­http://www.arcauniversal.com.
2­­http://www.godtube.com.

180
porosas as fronteiras que as dividem. As paredes que cercavam o
mun­­do­da­escola­ruíram,­e­as­trocas­com­o­exterior­acontecem­com­
mais­facilidade­e­intensidade.­A­TV,­o­videocassete­e­depois­o­aparelho­
re­­produtor­ de­ DVD­ ganharam­ espaço­ nas­ salas­ de­ aula;­ o­ projetor­
de­ slides­ e­ o­ datashow­ sobrepuseram­se­ ao­ quadro­ negro.­Antenas­
pa­­ra­­bólicas­ foram­ “plantadas”­ nos­ pátios­ de­ escolas­ antes­ isoladas;­
com­­putadores­ disseminaram­se­ não­ só­ como­ máquinas­ de­ escrever­
mais­ modernas,­ mas­ como­ ferramentas­ de­ ensino­ e­ aprendizagem­
com­recursos­até­então­inéditos.­A­internet­–­por­via­telefônica,­a­cabo,­
a­rá­­dio­ou­por­satélite,­em­acesso­discado­ou­banda­larga­–­conectou­a­
sala­de­aula­e­os­laboratórios­de­informática­em­tempo­real­ao­mundo­
que,­ desde­ sempre,­ circundou­ a­ escola.­ O­ silêncio­ e­ o­ isolamento­
ante­­riores­ deram­ lugar­ a­ uma­ polifonia­ cacofônica,­ parente­ próxima­
do caos.

Post 1: cinco observações, seis conseqüências

Este­é­um­ensaio3­sobre­panoramas­em­movimento,­cenários­em­
contínua­construção.­As­observações­lançadas­a­seguir­correm­um­ris­
co­deliberado­de­apoiar­hipóteses­em­bases­movediças,­o­que­pode­
incorrer­não­apenas­na­instabilidade­das­idéias­como­na­sua­natureza­
provisória.
O­que­parece­certo­é­que­mudanças­tão­profundas­em­período­tão­
curto­ainda­fazem­rodopiar­cabeças­em­toda­a­parte.­Torna­se,­en­tão,­
urgente­e­incontornável­repensar­o­que­é­educação­hoje,­de­que­for­ma­
deve­ser­a­escola,­como­se­ensina­e­como­se­aprende,­e­que­pa­­pel­
ocupa o professor nesse processo.4­É­evidente­que­este­ensaio,­li­mi­­
tado­por­natureza,­não­responderá­a­indagações­tão­decisivas­e­com­
3­Comentando­a­forte­influência­de­Jean­Baudrillard­nos­Estados­Unidos,­mesmo­após­sua­morte,­
Juremir­Machado­da­Silva­(2007)­faz­uma­contundente­defesa­do­ensaio­como­recurso­consistente­
das Ciências Humanas e Sociais.
4­Para­uma­discussão­equilibrada­e­suficientemente­clara­sobre­esses­temas,­ver­Kensky­(2007).­

181
plexas. Entretanto, quero fazer apontamentos que tangenciem
esses temas, atendo-me ao ensino de jornalismo, hoje circunscrito no
Brasil às escolas de nível superior. Vou concentrar a discussão em torno
do uso dos blogs como ferramenta pedagógica e recurso didático, com
o objetivo de destacar suas funcionalidades e potencialidades, dando
tam­bém maior relevo aos elementos que podem auxiliar professores
e for­madores desses profissionais. Martelam aqui as perguntas: como
os blogs são usados nos cursos de jornalismo? O que têm aos pro­
fessores da área? Como se pode lançar mão dos blogs de forma efi­caz
pedagogicamente? Pode-se, afinal, pensar uma pedagogia do uso dos
blogs?
Antes, porém, de perseguir essas questões, destaco cinco carac­
terísticas que ajudam a conformar (e a problematizar) a educação nos
tempos atuais e nos anos próximos. Elas ajudam a compor o pano de
fundo das discussões que aqui apresento.

• O ambiente da educação mudou. Diferente de há quatro déca­


das, por exemplo, hoje, a educação não se restringe apenas
aos domínios da escola. A instrução formal é oferecida em mo­
da­lidades não-presenciais, à distância, apoiada por recursos mi­
di­á­ticos cada vez mais sofisticados e eficientes. Não é mais ne­
cessário, por exemplo, freqüentar uma escola de informática para
aprender a usar um software de edição de imagens ou áudio. Em
diversos sites da internet, é possível não apenas encontrar tuto­
riais, cartilhas, vídeo-aulas, mas também versões alternativas (e
gra­tuitas) desses softwares. Evidentemente, nem todas as de­
man­das na área da educação são satisfeitas tão facilmente, mas
o acesso ao conhecimento foi largamente ampliado pela tecno­
logia, oferecendo possibilidades distintas das rotineiras aulas pre­
senciais. Isto é, a escola ainda é um lugar de produção, difusão e
comunhão de saberes, mas não é o único. Pode-se aprender muito
fora da escola;

182
• Por­ conta­ do­ aumento­ na­ oferta­ de­ oportunidades­ de­ educação/
instrução,­ o­ professor­ perdeu­ parte­ de­ seu­ prestígio­ como­ ator­
principal­ dessa­ história.­ Não­ goza­ mais­ de­ exclusividade,­ enfra­
quecimento­ que­ lhe­ custa­ na­ autoridade,­ antes­ só­ comparável­ a­
dos­pais­ou­responsáveis.­Assim­como­a­escola,­o­professor­per­
deu terreno para outros centros irradiadores de conhecimento e
informação.

• Os­alunos­já­não­são­mais­os­mesmos­também.­Porque­suas­fon­
tes­de­alimentação­informacional­são­muitas,­seus­interesses­são­
difusos­e­fragmentados.­Além­disso,­prevalecem­entre­eles­mo­ti­
vações­mais­imediatistas­e­pragmáticas.­Assim,­os­alunos­parecem­
ter­ uma­ relação­ mais­ utilitária­ com­ o­ conhecimento,­ atitude­ bem­
diversa­do­antigo­desejo­de­dispor­de­uma­cultura­ampla,­erudita­
e humanística;

• Se­escola,­professor­e­aluno­mudaram,­a­relação­entre­esses­ato­
res­nesse­cenário­também­se­modificou.­Antes,­era­líquido­e­cer­to­
que­professores­ensinavam­e­alunos­aprendiam.­Hoje,­isso­acon­
tece.­Também­há­ocasiões­em­que­os­alunos­demonstram­ter­mais­
familiaridade­ e­ atualização­ de­ certos­ assuntos.­ Isso­ porque­ têm­
acesso­ a­ fontes­ que­ os­ professores­ não­ acessam,­ por­ exemplo.­
Nesses­casos,­o­aluno­parece­“saber­mais”­que­o­professor.­Geral­
mente,­essa­inversão­de­papéis­fica­mais­evidente­quando­os­te­
mas­ pertencem­ às­ culturas­ de­ massa­ ou­ às­ áreas­ tecnológicas.­
Então,­algumas­cenas­se­repetem­na­sala­de­aula:­o­aluno­exibe­
mais­destreza­no­mouse­do­que­sua­professora;­a­aluna­“conhece­
mais” cinema e games do que seu mestre... O discurso de que
“pro­fessor­é­quem,­de­repente,­aprende”­deixa­de­ser­retórica­e­ga­
nha­novos­contornos.­Mudou­a­relação­entre­professores­e­alunos­
no­processo­de­ensino­aprendizagem;

183
• As­ neurociências,­ a­ psicologia­ e­ a­ educação­ têm­ avançado­ nas­
res­postas­sobre­como­funciona­o­cérebro­humano,­como­os­pro­
cessos­criativos,­de­interação­e­de­construção­colaborativa­inter­
ferem no desenvolvimento humano.

Dessas­observações,­derivam­ao­menos­seis­conseqüências:

• Para­se­manter­como­espaço­privilegiado­de­produção­e­difusão­
de­co­nhecimentos,­a­escola­não­pode­se­distanciar­do­mundo­ex­
terior,­das­rotinas­e­agendas­sociais.­Também­não­pode­ignorar­o­
mercado ou o mundo do trabalho;

• Para­redesenhar­sua­função­na­educação­e­acompanhar­o­ritmo­
das­mudanças­que­afetam­o­seu­campo­de­trabalho,­o­professor­
de­ve­adotar­uma­postura­contínua­de­reciclagem­profissional;5

• Para­ocupar­um­espaço­na­escola­que­não­seja­só­decorativo,­os­
pro­fessores­ terão­ de­ ser­ mais­ atrativos­ em­ suas­ estratégias,­ sa­
tisfazendo­mais­os­interesses­de­seus­alunos.­Não­significa­dizer­
que­o­professor­vai­se­deixar­escravizar­pelas­muitas­vontades­do­
alu­nato,­mas­que­deverá­ouvir­mais­seus­públicos;

• Um­ desafio­ maior­ será­ construir­ uma­ nova­ relação­ entre­ profes­
sores­e­alunos,­em­que­ambos­aprendam.­Com­isso,­a­educação­
precisará­deslocar­o­foco­de­suas­atenções,­dos­sujeitos­(professor­
e­aluno)­para­o­objeto­(o­conhecimento).­Ao­que­os­sintomas­indi­
cam,­essa­relação­deve­ser­mais­franca,­aberta,­horizontalizada­e­
colaborativa;

• Como­ainda­estamos­no­olho­do­furacão,­há­muito­a­descobrir­no­
cam­po­da­educação,­o­que­significa­dizer­que­outras­certezas­atu­
ais podem vir abaixo nos próximos tempos;
5­Engrosso­aqui­o­coro­de­Demo­(2006).

184
• Se­ a­ escola,­ o­ professor,­ o­ aluno­ e­ o­ processo­ já­ não­ são­ mais­
os­mesmos,­é­preciso­reinventá­los­com­liberdade,­criatividade­e­
sem­o­apego­a­velhas­noções.­Esse­desapego­não­consiste­em,­
como­se­diz,­jogar­a­criança­com­a­água­do­banho,­mas­em­uma­
dis­posição­ autêntica­ de­ buscar­ soluções,­ de­ criar,­ de­ estudar­ e­
pes­quisar­saídas.­Nada­é­mais­educativo­que­isso.

Post 2: fechando o foco sobre o ensino de jornalismo

No­ Brasil,­ as­ escolas­ de­ comunicação­ são­ realidades­ recentes,­


com­as­primeiras­experiências­datando­de­sessenta­anos­atrás.6 A pes­
quisa­e­a­pós­graduação­são­mais­jovens­ainda­–­têm­a­metade­desse­
tempo. Decorrência natural é que o acumulado crítico sobre o ensino
de­comunicação­ainda­seja­incipiente,­embora­já­haja­referências­im­
portantes­para­a­realidade­nacional­(Rizzini,­1953;­Oliveira,­1970;­Mar­
ques­de­Melo,­1974,­1979,­1991;­Kunsch,­1992,­2007;­Moura,­2002;­
Machado­e­Palacios,­2007).
A­ preocupação­ com­ a­ formação­ profissional­ de­ comunicadores­
e,­ em­ especial,­ de­ jornalistas,­ parte­ majoritariamente­ da­ academia.­
Ex­ceto­ por­ um­ documento­ de­ 1997­ da­ Federação­ Nacional­ dos­ Jor­
nalistas­ (Fenaj),­ o­ setor­ produtivo­ praticamente­ silencia­ sobre­ o­ as­
sunto.­ Entre­ as­ empresas­ jornalísticas,­ restam­ iniciativas­ formativas­
que­ mais­ se­ assemelham­ ao­ adestramento­ profissional.7 Apesar dos
pesares,­algumas­ações­direcionam­cérebros­e­energia­para­a­refle­xão­
crítica sobre o ensino de jornalismo no país. Destacam­se as atua­
ções­de­entidades­científicas­como­a­Sociedade­Brasileira­de­Estu­dos­
Interdisciplinares­ em­ Comunicação­ (Intercom)­ e­ a­Associação­ Brasi­
6­Cf.­Marques­de­Melo,­2007:34.
7­Refiro­me­aos­cursos­de­grandes­empresas,­como­Folha de S.Paulo e Editora Abril.­Não­exagero­
ao­dizer­“adestramento”­porque­os­próprios­promotores­montam­os­programas­de­seus­cursos­não­
para­a­formação,­mas­para­a­formatação­dos­profissionais­às­suas­linhas­editoriais­e­produtivas.­O­
slogan­do­Curso­de­Jornalismo­Aplicado­de­O Estado de S.Paulo menciona a expressão “Adestramos
focas”...

185
leira­de­Pesquisadores­em­Jornalismo­(SBPJor),­bem­como­o­Fórum­
Nacional­de­Professores­de­Jornalismo­(FNPJ),­que­lidera­importantes­
de­bates­sobre­as­condições­de­ensino­oferecidas­nas­escolas,­sobre­
a­avaliação­dos­cursos­e­sobre­a­própria­capacitação­dos­professores­
da­área.8
Independente­ de­ direcionamentos­ institucionais,­ há­ movimentos­
muito­interessantes­no­ensino­de­jornalismo.­Eles­vêm­de­professores,­
que,­de­forma­isolada­e­desordenada,­investem­em­práticas­pedagó­
gicas,­experimentando­técnicas­e­processos­para­aprimorar­a­formação­
na­área.­Há­que­se­ressaltar­que­têm­sobrado­criatividade­e­ousadia­
em­detrimento­da­preocupação­com­o­registro­e­a­reflexão­acadêmica­
acer­ca­ desses­ experimentos.­ Isto­ é,­ a­ atitude­ mais­ comum­ entre­ os­
pro­fessores­da­área­tem­sido­esforçar­se­para­que­suas­aulas­sejam­
mais­eficientes­ou­atraentes,­deixando­de­lado­o­estudo­rigoroso­e­sis­
temático­de­suas­práticas­pedagógicas,­o­que­muito­contribuiria­para­
avan­ços­no­campo.
As­experiências­didáticas­no­ensino­de­jornalismo­se­dão,­geral­
mente,­ em­ duas­ frentes:­ consumo­ midiático­ com­ reflexão­ crítica­ ou­
pro­dução­supervisionada.­No­primeiro,­estariam­práticas­como­a­exi­
bição­ de­ áudios,­ filmes,­ documentários,­ reportagens­ e­ outros­ ma­te­
riais,­seguidos­de­debates,­e­os­exercícios­de­crítica­de­mídia­ou­de­
comunicação­comparada.­A­segunda­frente­de­experiências­di­dáticas­
–­produção­supervisionada­–­compreende­as­atividades­práti­cas­labo­
ratoriais­em­rádio,­televisão,­meios­impressos­e­internet,­de­vi­damente­
acompanhadas­ por­ professores­ e­ orientadas­ para­ a­ expe­rimentação­
de formatos e linguagens.
Nos­últimos­anos,­por­conta­da­avassaladora­expansão­da­internet,­
dos­baixos­custos­e­da­facilidade­de­manejo,­os­blogs­têm­sido­usados­
como­ ferramentas­ de­ ensino­ em­ diversas­ situações­ (cf.­ Mantovani,­
2006).­Gomes­e­Silva­(2006),­por­exemplo,­oferecem­o­estado­da­arte­
8­Em­2007,­o­FNPJ­passou­a­editar­a­Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo­(Rebej),­primeiro­
periódico­científico­voltado­especificamente­a­essas­reflexões.­Versão­eletrônica­em:­http://www.fnpj.
org.br/rebej/ojs.

186
no uso dos blogs em contextos educacionais. Apesar de o foco das
au­toras­ser­a­blogosfera­portuguesa,­as­referências­apresentadas­per­
mitem­observar­que,­tanto­nos­Estados­Unidos­quanto­na­Europa­(prin­
cipalmente­na­Península­Ibérica),­há­convergências­conceituais­sobre­
as­ vantagens­ da­ aplicação­ desses­ diários­ virtuais­ nos­ processos­ de­
en­sino­e­aprendizagem­(Orihuela­e­Santos,­2004;­Martindale,­2004).­
Gutierrez­(2005),­por­sua­vez,­enfrenta­o­campo­teórico­da­educação,­
ten­tando­articular­os­pensamentos­de­Vygotsky,­Paulo­Freire,­Bakhtin­
e­Prigogine,­na­clara­intenção­de­respaldar­conceitualmente­o­uso­e­
a­apro­priação­dos­blogs­na­sala­de­aula,­nos­ambientes­de­interação­
com os alunos.
Seja­na­sua­utilização­como­recurso­ou­estratégia­pedagógica,­os­
blogs­têm­servido­não­apenas­como­meios­de­comunicação­entre­alu­
nos­e­professores­ou­como­repositórios­de­exercícios­de­classe,­mas­
também­ como­ ambientes­ de­ incentivo­ à­ interação/conversação.9­ No­
caso­do­ensino­de­jornalismo,­as­aplicações­se­multiplicam,­conforme­
veremos adiante.

Post 3: habilidades e competências para o jornalismo

Preocupado­ com­ a­ formação­ de­ levas­ de­ novos­ profissionais,­


Guiller­mo­Franco­(2007),­editor­de­El Tiempo,­da­Colômbia,­insiste­na­
te­cla­ de­ que­ é­ necessário­ repensar­ as­ escolas­ de­ jornalismo.10 Com
ba­se­num­estudo­divulgado­em­novembro­de­2006­pela­Online News
Association,­e­juntando­episódios­que­demonstram­a­crise­do­sistema­
mi­diático­ tradicional,­ o­ jornalista­ propõe­ que­ se­ comece­ a­ revisar­ os­
pro­gramas­ de­ formação­ de­ jornalistas­ a­ partir­ de­ uma­ avaliação­ do­
cenário­contemporâneo­do­mercado.­Segundo­ele,­é­preciso­saber­o­
9­Para­uma­discussão­dos­blogs­nas­áreas­da­Comunicação­e­da­Sociologia,­mais­especificamente­
sobre­a­função­e­presença­dos­diários­virtuais­na­tensão­público­privado,­ver­Schittine­(2004).­Com­
um­ acento­ mais­ corporativo­ do­ tipo­ “entenda­ a­ revolução­ que­ vai­ mudar­ seu­ mundo”,­ ver­ Hewitt­
(2007).­Ambos­editados­no­Brasil.
10­­ Disponível­ em­ http://www.eltiempo.com/vidadehoy/educacion/home/ARTICU�O­�EB­NOTA�IN­
TERIOR­3416257.html­Acesso­em­11/12/2007.

187
que­está­acontecendo­com­a­indústria­da­mídia­para­compreender­o­
con­texto­para­o­qual­estão­sendo­preparados­novos­profissionais­e,­aí­
sim,­ definir­ um­ perfil­ que­ satisfaça­ as­ expectativas­ do­ mercado­ e­ da­
sociedade.
A­pesquisa­a­que­Franco­(2007)­se­refere­foi­realizada­por­C.­Max­
Magee­na­Northwestern­University,­com­orientação­de­Rich­Gordon,­e­
objetivou­responder­quais­são­as­habilidades­necessárias­para­se­atuar­
numa­redação­digital.11­Além­de­algumas­tradicionais­–­como­atenção­
aos­ detalhes,­ senso­ de­ notícia,­ gramática­ e­ estilo,­ versatilidade,­
habilidades­de­comunicação­e­para­trabalhar­sob­pressão­do­relógio­–,­
outras tantas habilidades foram mencionadas por jornalistas e gestores
na­pesquisa:

• Escrever­tanto­para­meios­impressos­quanto­para­eletrônicos;
• Saber­editar­áudio­e­video;
• Poder­gerar­produtos­multimedia;
• Ter­noções­de­usabilidade;
• Conhecer formas alternativas de contar histórias;
• Entender­a­narrativa­digital;
• Saber­criar,­promover­e­administrar­comunidades­on­line;
• Ter­noções­de­jornalismo­participativo;
• Estar­familiarizado­com­os­sistemas­de­administração­de­conteúdos;
• Saber relacionar tipos de conteúdos com dispositivos móveis;
• Ser­capaz­de­entender­hábitos­e­razões­e­consumo­de­
informação­pelos­públicos.­­

Guillermo­ Franco­ (2007),­ no­ entanto,­ enfatiza:­ “Porém,­ mais­


importante do que ter as habilidades é estar disposto a aprendê­las e
desenvolvê­las”.12
11­O­estudo­“The­roles­of­journalists­in­online­newsroom”­reuniu­35­habilidades­em­quatro­categorias:­
­O­estudo­“The­roles­of­journalists­in­online­newsroom”­reuniu­35­habilidades­em­quatro­categorias:­
atitudes,­habilidades­de­edição,­criação­de­conteúdo­e­manejo­de­ferramentas­de­produção­on­line.­
Um­ resumo­ da­ pesquisa­ está­ disponível­ em­ http://www.eltiempo.com/vidadehoy/educacion/home/
ARCHIVO/ARCHIVO­3416269­0.pdf.
12­Tradução­do­autor:­“Pero­más­importante­que­tener­las­habilidades­es­estar­dispuesto­a­

188
Interessados­em­mapear­as­competências­que­um­comunicador­
digital­deve­ter­na­atualidade,­os­pesquisadores­da­Rede­Iberoamericana­
de­Comunicação­Digital­(Rede­ICOD)­realizaram,­em­2005,­uma­inves­
tigação­com­113­profissionais­e­gestores­de­meios­e­organizações­mi­
diáticas­ em­ sete­ países.­ Por­ meio­ de­ entrevistas­ em­ profundidade­ e­
gru­pos­focais,­o­estudo­recolheu­um­conjunto­de­competências­vincu­
ladas­ao­conhecimento­(saber)­e­às­capacidades­(fazer),­sejam­elas­
digi­tais­ou­não.­Por­“competências­digitais”,­a­Rede­ICOD­entende­“to­
dos­ os­ conhecimentos­ e­ capacidades­ que­ derivam­ da­ introdução­ de­
novas­tecnologias­informáticas­dentro­dos­ambientes­de­trabalho­co­
municacional”.­Os­pesquisadores­explicam­que­a­identificação­dessas­
competências não descarta ou substitui os conteúdos tradicionais da
área,­mas­amplia­esse­leque­de­conhecimentos­e­capacidades.

...­ ficou­ clara­ a­ necessidade­ de­ abandonar­ as­ atitudes­


instrumentais­ e­ pandigitalistas­ (e­ o­ seu­ complemento­
apocalíptico)­ para­ indagar­ a­ fundo­ as­ conseqüências­
profissionais­ e­ acadêmicas­ da­ digitalização­ da­
comunicação.­ Neste­ sentido­ ficou­ claro­ que­ o digital
concentra (e revela) competências e suprime fronteiras
gerando um perfil de comunicador polivalente e
multimédia.­Esta­polivalência­ao­nível­das­competências­
produz,­ como­ fenómeno­ complementar,­ a­ necessidade­
de­ uma­ multidisciplinaridade­ teórica­ (polivalência­
epistemológica)­(Rede­ICOD,­2006).13

Duas­ considerações­ altamente­ relevantes­ são­ apontadas­ pelos­


pesquisadores­acerca­desse­“homem­orquestra”:­a)­é­possível­que­o­
di­gital­ “contribua­ para­ confundir­ funções­ e­ atribuições­ e­ que­ as­ em­
presas exijam competências que praticamente são impossíveis de
com­binar”;­b)­a­polivalência­absoluta­é­uma­utopia,­mas­sinaliza­para­
aprenderlas­y­desarrollarlas”.­Disponível­em­http://www.eltiempo.com/vidadehoy/educacion/home/
ARTICU�O­�EB­NOTA�INTERIOR­3416257.html.­Acesso­em­05/12/2007.
13­Disponível­em­http://www.icod.ubi.pt.­Acesso­em­2�/11/2007.
­Disponível­em­http://www.icod.ubi.pt.­Acesso­em­2�/11/2007.

189
a­ur­gência­dos­profissionais­conhecerem­“um­pouco­de­tudo”­em­suas­
áreas.
Observando­o­conjunto­do­que­se­espera,­os­blogs­parecem­ser­
as plataformas mais à mão para o desenvolvimento dessas habilidades
e competências.

Post 4: o que blogs podem ensinar

Nos­cursos­de­jornalismo,­é­muito­comum­verificar­que­professores­
de­ disciplinas­ de­ caráter­ instrumental­ ou­ tecnológico­ recorrem­ aos­
blogs14­para­ dinamizar­ suas­ aulas,­ facilitar­ a­ escoagem­ da­ produção­
das­turmas­ou­permitir­atividades­mais­práticas.­Entretanto,­os­blogs­
po­dem­ ser­ usados­ por­ quaisquer­ disciplinas­ do­ curso,­ mesmo­ as­
mais­teóricas­ou­distantes­das­preocupações­com­a­tecnologia.­O­que­
irá­ determinar­ as­ vantagens­ dessa­ utilização­ serão­ os­ objetivos­ pe­
dagógicos­ a­ serem­ alcançados,­ a­ definição­ das­ competências­ e­ ha­
bilidades­a­serem­desenvolvidas,­a­criatividade­na­condução­das­au­las­
e­a­familiaridade­ do­professor­com­sistemas­de­publicação­ e­ hospe­
dagem­ de­ blogs.­ Combinadas­ e­ satisfeitas,­ essas­ condições­ contri­
buirão­para­o­êxito­da­experiência.­Não­é­necessário­atender­a­todas,­
mas­as­duas­primeiras­me­parecem­indispensáveis­para­um­bom­uso.
Blogs­são­recomendáveis­no­ensino­de­jornalismo­por­reunir­um­
conjunto de aplicabilidades que permitem o desenvolvimento de di­
versas­habilidades­e­competências.­Além­disso,­apresentam­condições­
operacionais­tentadoras:­baixo­custo­(inclusive,­muitas­opções­de­ser­
viço­ gratuito),­ facilidade­ de­ postagem­ e­ atualização­ dos­ conteúdos,­
ofer­ta­de­templates­prontos­e­possibilidade­de­customização­do­blog­
pelo­autor.­Por­suas­próprias­características,­os­blogs­permitem­ainda­

14­­ Para­ conceituar­ “blog”,­ seguimos­ a­ discussão­ empreendida­ por­ Barbosa­ (2003),­ a­ taxonomia­
oferecida­ por­ Recuero­ (2003),­ considerando­ os­ blogs­ na­ sua­ dimensão­ de­ terreno­ que­ hospeda/
converge/dispersa­comunidades­virtuais­e­de­ambiente­de­interação­e­colaboração­(cf.­Primo­e­Re­
cuero,­2003).

190
o­es­tabelecimento­de­uma­rede­pessoal­de­relacionamentos­(por­meio­
dos­links­no­blogroll),­condição­que­muito­atrai­os­mais­jovens.
Em­contextos­brasileiros,­Beatriz­Ribas­faz­uma­consistente­refle­
xão­sobre­o­uso­dos­blogs­na­formação­de­jornalistas,­apresentando­
tam­bém­ sua­ experiência­ em­ duas­ instituições­ de­ ensino­ superior­ na­
Bahia.­Entre­suas­conclusões,­a­autora­destaca­que

os blogs podem ser o início de um ensino voltado


realmente­ para­ as­ especificidades­ do­ meio,­ na­
medida em que permitem não somente o exercício
da­ pes­quisa­ em­ base­ de­ dados­ digitais,­ da­ pro­
dução­de­texto­com­áudio,­vídeo,­fotografias­e­até­
infografias,­como­também­um­espaço­onde­os­es­
tudantes­ praticam­ a­ autonomia­ na­ publicação,­ a­
des­centralização­ da­ produção­ e­ o­ trabalho­ cola­
borativo­(2007:171).

Em­termos­práticos,­os­blogs­permitem­o­estabelecimento­de­uma­
outra­relação­de­professores­e­alunos,­mais­aberta,­mais­fluida,­próxima­
e­horizontalizada.­Com­isso,­possibilitam­também­a­emergência­de­no­
vos­ processos­ de­ ensino­aprendizagem,­ não­ só­ mais­ centrados­ na­
dire­ção­propositiva­do­professor.­O­blog­–­como­recurso­ou­estratégia­–­
exige­uma­postura­menos­dependente­do­aluno­frente­ao­mestre,­já­que­
desse­aluno­será­esperado­um­conjunto­de­performances­resultantes­
de­tomadas­de­decisão­que­o­próprio­aprendiz­deve­assumir.­Assim,­os­
blogs permitem que emerjam competências e habilidades bem­vindas
aos­futuros­jornalistas,­como­versatilidade,­autonomia,­disciplina,­capa­
cidade­de­execução­simultânea­de­muitas­tarefas,­entre­outras.
Numa­ estratégia­ pedagógica­ que­ elege­ o­ blog­ como­ elemento­
central,­o­aluno­é­levado,­primeiro,­a­criar­o­seu­meio­de­comunicação:­
es­colher­um­título­para­o­blog,­optar­por­um­serviço­de­hospedagem­e­

191
pelos­templates­oferecidos,­definir­as­temáticas­de­que­vai­tratar,­o­que­
significa­dizer­apontar­para­um­público.­Em­seguida,­é­necessário­tomar­
decisões­ sobre­ que­ widgets­ colocará­ em­ seu­ blog,­ que­ estratégias­
adotará­para­divulgar­sua­mídia,­a­quem­dará­link em seu blogroll. De­
pois­de­mais­ou­menos­organizado­o­terreno,­o­novo­blogueiro­vai­se­
deparar­com­os­desafios­cotidianos­e­comuns­a­outras­mídias:­man­
ter­pe­rio­dicidade,­produzir­conteúdos,­diferenciar­se­da­concorrência,­
man­ter­a­qualidade­técnica­do­produto,­fidelizar­o­público.
Parece­pouco,­mas­não­é.
No­blog,­seu­autor­escreve,­aplica­imagens­(fotos­ou­ilustrações),­
estabelece­ links­ com­ outros­ sites­ e­ blogs,­ vincula­ arquivos­ de­ áudio­
e­ vídeo,­ edita,­ publica­ os­ conteúdos­ e­ administra­ os­ comentários­ de­
seu­público,­dando­respostas,­checando­novas­informações,­repelindo­
spams.­Além­disso,­diariamente,­o­blogueiro­precisa­fazer­a­ronda­em­
seus­favoritos,­deixar­comentários­em­outros­blogs,­informar­se­sobre­
os­ movimentos­ da­ blogosfera,­ definir­ suas­ pautas.­ A­ quantidade­ de­
operações­derivadas­da­criação­de­um­blog­consome­muito­tempo,­de­
di­cação­e­energia,­sem­falar­em­outros­recursos,­como­investimentos­
ma­teriais­(equipamentos,­softwares,­sistemas)­e­operacionais­(cursos­
rá­pidos­de­manuseio­de­aplicativos­etc.).
Se­o­blog­é­a­mídia­de­um­homem­só,­a­quantidade­de­trabalho­
sobrecarrega­o­blogueiro.­No­caso­do­aluno­de­jornalismo,­possibilita­
que­ele­se­envolva­diretamente­em­todas­as­etapas­de­planejamento,­
produção,­ edição­ e­ difusão­ de­ conteúdos.­ Professores­ de­ Redação­
Jor­nalística­podem­recorrer­a­blogs­para­o­ensino­prático­de­estruturas­
tex­tuais­diversas­no­jornalismo.­O­recurso­auxilia­a­definir­e­formatar­
es­tilos­ de­ escrita;­ funciona­ como­ laboratório­ de­ experimentação­ nos­
gê­neros­ opinativos;­ contribui­ para­ delimitar­ dimensões­ de­ textos,­ já­
que­a­sua­veiculação­na­internet­impõe­outras­regras­de­consumo­e­
cir­culação.­Ainda­nas­disciplinas­de­redação,­os­alunos­blogueiros­po­
derão­explorar­alternativas­estruturais­e­de­linguagem,­bem­como ex­
perimentar outras narrativas hipertextuais.

192
A­ manutenção­ de­ um­ blog­ coloca­ desafios­ também­ na­ área­ da­
edi­ção­ de­ conteúdos.­ Os­ professores­ da­ área­ poderão­ desenvolver­
em seus alunos as habilidades não apenas de juntar conteúdos em
texto­e­imagem,­mas­também­editar­arquivos­em­áudio­e­vídeo,­com­
a­pre­o­cupação­sobressalente­de­conceber­o­produto­com­coesão,­or­
ganização,­clareza­e­apuro­estético.­Isto­é,­entra­em­cena­a­arquitetura­
da­informação.­E­porque­os­alunos­tratarão­de­elementos­de­diversas­
pro­cedências,­ professores­ de­ �egislação­ em­ Comunicação,­ de­ Ética­
e­ de­ Deontologia­ Jornalística­ vão­ dispor­ de­ exemplos­ práticos­ para­
a­ discussão­ de­ direitos­ autorais,­ licenças­ de­ uso­ de­ conteúdos,­ ma­
nipulação­digital­de­imagens,­plágios,­invasão­de­privacidade­e­outras­
questões­relativas­à­ética­no­universo­digital.
Professores­de­Técnica­de­Reportagem­ou­disciplinas­semelhan­
tes­poderão­lançar­mão­de­blogs­para­ensinar­a­planejar­grandes­co­
berturas,­para­orientar­produção­e­veiculação­de­jornalismo­em­tempo­
real,­ou­mesmo­experimentar­ modalidades­ como­ a­que­ se­apóia­em­
dis­positivos­móveis­(telefones­celulares,­smartphones­etc.).
Às­ aplicações­ descritas­ anteriormente,­ devem­ se­ somar­ outras­
quatro,­que­considero­as­mais­relevantes­e­distintas­no­uso­dos­blogs­
como­ ferramentas­ educativas­ no­ jornalismo.­ Penso­ que­ elas­ dimen­
sionem­ o­ raio­ de­ alcance­ das­ contribuições­ exclusivas­ dos­ blogs­ no­
ensino de jornalismo.

• Mais­do­que­em­outras­mídias,­o­blogueiro­precisa­trabalhar­em­re­
gime­coletivo­e­colaborativo.­Ele­troca­links,­checa­informações­com­
outros­blogueiros­e,­muitas­vezes,­posta­um­conteúdo­que­mescla­
pro­duções­autorais­e­cedidas­por­suas­fontes­ou­colegas.­Em­ter­
mos­pedagógicos,­os­blogs­ensinam­seus­editores­a­estabelecer­
re­des­de­relacionamentos,­cultivá­las­e­atuar­solidariamente­com­
elas. O trabalho colaborativo se distancia tanto do pool quanto da
competitividade agressiva que enxerga no concorrente não um ri­
val,­mas­o­inimigo;

193
• Menos­por­conta­dos­blogs­e­mais­decisivamente­pelo­espírito­da­
chamada­web­2.0­–­que­incentiva­participação,­interatividade,­ser­
viços­e­compartilhamento­de­recursos­e­produtos­–,­blogueiros­são­
instados­a­trabalhar­com­mais­transparência,­adotando­a­postura­
de­um­jornalismo­“open­source”,­ainda­um­tabu.

• A possibilidade de cada aluno dispor de seu próprio blog cria uma


si­tuação­até­então­inédita­nas­escolas­de­jornalismo:­o­produtor­é­o­
pro­prietário­da­mídia.­Nesse­sentido,­os­cursos­de­comunicação­não­
devem­se­restringir­apenas­às­estratégias­de­ensino­de­produção­e­
vei­culação­de­conteúdos,­mas­precisam­enfatizar­na­formação­dos­
novos­ jornalistas­ o­ enfrentamento­ e­ a­ solução­ de­ problemas­ de­
cu­nho­administrativo.­Isto­é,­na­condição­de­blogueiros,­os­alunos­
vão­se­deparar­com­situações­de­tomadas­de­decisão­que­antes­
fi­cavam­restritas­às­cúpulas­das­empresas­jornalísticas,­tais­como:­
buscar­formas­de­sustentação­financeira­(uso­de­links­patrocinados­
ou­não?);­adotar­estratégias­de­ampliação­de­visibilidade­no­mar­
de­informações­da­internet­(inserção­de­links­em­quais­motores­de­
bus­ca­e­diretórios­especializados?);­definir­posturas­empresariais­
na­co­munidade­a­que­serve­(aderir­a­campanhas­virtuais­ou­não?);­
in­vestir­ em­ mecanismos­ e­ processos­ que­ confiram­ mais­ cre­
dibilidade­e­autoridade­junto­à­blogosfera­(trocar­links­e­gerar­trá­
fego­com­e­para­quem?).­Até­então,­sem­os­blogs,­quem­respondia­
pela­produção­de­conteúdo­pouco­participava­de­decisões­tão­es­
tratégicas quanto essas;

• E,­ talvez­ mais­ importante­ do­ que­ foi­ mencionado­ antes:­ blogs­
levam seus editores a lidar com a crítica e o público. Devido ao
sis­tema­de­comentários­que­permite­não­só­elogios­e­sugestões,­
como­ reclamações,­ queixas­ e­ correções,­ os­ blogs­ amplificam­ as­
vo­zes­de­seus­leitores,­que­buzinam­nos­ouvidos­dos­editores.­Tra­

194
dicionalmente,­o­jornalismo­trata­seu­público­de­forma­paternalista,­
distanciada­e­sem­a­devida­consideração.­Com­a­experiência­dos­
blogs,­os­alunos­da­área­–­futuros­profissionais­–­poderão­medir­
o­ re­torno­ de­ seus­ públicos­ (feedback),­ preparar­se­ melhor­ para­
en­frentar­suas­demandas­e­exigências,­e­permitir­se­enxergar­alia­
dos­ nos­ leitores.­ Blogueiros­ parecem­ ouvir­ mais­ seu­ público­ do­
que­jornalistas.­Demonstram­preocupar­se­mais­em­cativá­los­tam­
bém.­Essas­capacidades­são­muito­bem­vindas­no­jornalismo­con­
temporâneo,­ainda­muito­ensimesmado­e­arrogante.

Quer­dizer,­o­blog­é­a­salvação­do­ensino­de­jornalismo,­certo?­
Errado,­claro­que­não.­Ele­é­mais­uma­ferramenta­educativa,­que­ofe­
rece potencialidades diversas e permite o desenvolvimento de habi­
lidades­e­competências­desejáveis­à­profissão.­Mas­é­preciso­entender­
que­o­blog­é­uma­mídia­de­transição.­Sim,­ele­já­mudou­muito­nos­seus­
primeiros­dez­anos,­deixando­de­ser­apenas­o­diário­virtual­do­adoles­
cente.­Vai­mudar­mais­nos­próximos­tempos,­e­talvez­até­deixe­de­exis­
tir.­O­blog­é­um­recurso,­uma­estratégia,­um­pretexto.
O que importa mesmo é ver o que essa ferramenta permite
extra­­ir­ em­ termos­ de­ ensino­ e­ aprendizagem­ na­ prática­ jornalística.­
Não­ bas­ta­ jogar­ os­ alunos­ nos­ blogs­ como­ se­ atiravam­ cristãos­ aos­
leões.­Há­limitações­na­própria­mídia:­seu­alcance­massivo­é­menor­
se­com­­parado­ao­da­TV,­por­exemplo;­as­condições­de­identificação/
co­nhe­cimento­do­público­consumidor­são­ainda­primitivas,­entre­outros­
aspectos.
É­necessário­considerar­ainda­outros­elementos­restritivos­ao­su­
ces­so­no­uso­dos­blogs­como­ferramentas­eficientes­de­ensino­de­jor­
nalismo:­despreparo­dos­docentes,­indefinição­pedagógica­do­seu­uso,­
conservadorismo­didático­e­fatores­como­as­barreiras­de­segurança­de­
algumas­ escolas,­ que­ impedem­ a­ livre­ navegação­ na­ web,­ temendo­
por­nografia,­pedofilia,­crimes­virtuais­e­ciberdissidência.­Todos­esses­

195
limitadores podem tornar os blogs ferramentas tão úteis quanto hoje
são­máquinas­de­escrever.

Referências

BARBOSA,­ J.­ A.­ “�eblogs:­ múltiplas­ utilizações,­ um­ conceito”.­ XXVI­ Congresso­
Brasileiro­de­Ciências­da­Comunicação.­Belo­Horizonte,­2­a­6­de­setembro­de­2003.

DEMO,­P.­Formação permanente e tecnologias educacionais.­Petrópolis:­Vozes,­2006.

FENAJ.­ Programa­ Nacional­ de­ Estímulo­ à­ Qualidade­ da­ Formação­ Profissional­ dos­
Jornalistas.­ Vila­ Velha­ (ES),­ 1997.­ Disponível­ em­ http://www.fenaj.org.br.­ Acesso­
14/11/2007.

FRANCO,­ G.­ “Repensar­ las­ facultades­ de­ periodismo”.­ El Tiempo.com.­ (2�/01/2007).­


Disponível­ em:­ http://www.eltiempo.com/vidadehoy/educacion/home/ARTICU�O­�EB­
NOTA�INTERIOR­3416257.html.­Acesso­em­05/12/2007.

GOMES,­ M.­ J.;­ SI�VA,­ A.­ R.­ “A­ blogosfera­ escolar­ portuguesa:­ contributos­ para­ o­
conhecimento do estado da arte”. Prisma,­n.3,­p.­2�9­309,­Portugal,­outubro­de­2006.­
Disponível­ em­ http://prisma.cetac.up.pt/edicao�n3�outubro�de�2006/a�blogosfera�
escolar�portugues.html.­Acesso­em­05/12/2007.

GUTIERREZ,­S.­“�eblogs­e­educação:­contribuição­para­a­construção­de­uma­teoria”.­
Revista Novas Tecnologias na Educação­­­Renote.­Porto­Alegre:­CINTED­UFRGS,­v.3,­
n.1,­maio­de­2005.­

HE�ITT,­ H.­ Blog: entenda a revolução que vai mudar seu mundo.­ Rio­ de­ Janeiro:­
Thomas­Nelson­Brasil,­2007.

KENSKI,­V.­M.­Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação.­Campinas:­Papirus,­


2007.

KUNSCH,­M.­M.­K.­(Org.)­O ensino de comunicação: análises, tendências e perspectivas


futuras.­São­Paulo:­Abecom­e­ECA­USP,­1992.

KUNSCH,­M.­M.­K.­(Org.)­Ensino de Comunicação: qualidade na formação acadêmico­


profissional.­São­Paulo:­Eca­USP­e­Intercom,­2007.

MACHADO,­ E.­ e­ PA�ACIOS,­ M.­ (Orgs.)­ O ensino do jornalismo em redes de alta


velocidade – metodologias & softwares.­Salvador:­EdUFBA,­2007,

MANTOVANI,­ A.­ M.­ “Blogs­ na­ educação:­ construindo­ novos­ espaços­ de­ autoria­ na­
prática­pedagógica”.­Prisma,­n.­3,­p.­327­349,­Portugal,­outubro­de­2006.

MARQUES­DE­ME�O,­José.­Contribuições para uma pedagogia da comunicação. São


Paulo:­Paulinas,­1974.

196
MARQUES­DE­ME�O,­J.;­FADU�,­A.;­SI�VA,­C.­E.­�.­da­(Coords.)­Ideologia e poder no
ensino de comunicação.­São­Paulo:­Cortez­&­Moraes,­Intercom,­1979.

MARQUES­ DE­ ME�O,­ J.­ Comunicação e modernidade: o ensino e a pesquisa nas


escolas de comunicação.­São­Paulo:­�oyola,­1991

��������.­ “A­ batalha­ da­ qualidade­ no­ ensino­ de­ comunicação:­ novos­ (antigos)­
desafios”.­In:­KUNSCH,­M.­M.­K.­(Org.)­Ensino de Comunicação: qualidade na formação
acadêmico-profissional.­São­Paulo:­Eca­USP­e­Intercom,­2007.

MARTINDA�E,­T.;­�I�EY,­D.­“An­introduction­teaching­with­webblogs”.­(2004).­Disponível­
em:­http://teachable.org/papers/2004�blogs�in�teaching.pdf­Acesso­em­10/12/2007.

MOURA,­ C.­ P.­ de.­ O curso de comunicação social no Brasil: do currículo mínimo às
novas diretrizes curriculares.­Porto­Alegre:­Edipucrs,­2002.

O�IVEIRA,­P.­G.­Formação jornalística.­Porto­Alegre:­Sulina,­1970.

ORIHUE�A,­J.­�..­SANTOS,­M.­�.­“�os­weblogs­como­herramienta­educativa:­
experiencias­con­bitácoras­de­alumnos”. Quaderns Digitals,­n.34,­outubro­de­2004.­
Disponível­em:­http://www.quadernsdigitals.net/index.php?accionMenu=hemeroteca.
VisualizaArticuloIU.visualiza&articulo�id=7751.­Acesso­em­10/12/2007.

PRIMO,­A.;­RECUERO,­R.­“Hipertexto­cooperativo:­uma­análise­da­escrita­coletiva­a­
partir­dos­Blogs­e­da­�ikipédia”.­Revista da Famecos,­n.22,­dezembro­de­2003.

RECUERO,­R.­“�eblogs,­�ebrings­e­Comunidades­Virtuais”.­(UFBA),­v.1,­n.31,­p.­
1­15,­2003.­

REDE­ IBEROAMERICANA­ DE­ COMUNICAÇÃO­ DIGITA�.­ “Comunicação­ digital:­


competências­profissionais­e­desafios­acadêmicos”.­Rede­ICOD,­2006.­Disponível­em­
http://www.icod.ubi.pt.­Acesso­em­2�/11/2007.

RIBAS,­ B.­ Blogs­ como­ ferramentas­ de­ ensino­ do­ jornalismo.­ In:­ MACHADO,­ E.­ e­
PA�ACIOS,­M.­(Orgs.)­O ensino do jornalismo em redes de alta velocidade: metodologias
& softwares.­Salvador:­Edufba,­2007.

RIZZINI,­C.­O ensino de jornalismo.­Rio­de­Janeiro:­MEC,­Departamento­de­Imprensa­


Nacional,­1953.

SCHITTINE,­D.­Blog: comunicação e escrita íntima na internet.­Rio­de­Janeiro:­Civilização­


Brasileira,­2004.

SI�VA,­ J.­ M.­ “O­ imperialismo­ da­ french­ theory­ (sobre­ um­ certo­ Jean­ Baudrillard)”.­
Matrizes,­n.1,­p.­179­1�5,­São­Paulo,­outubro­de­2007.

197
198
Leonardo Foletto

Blogosfera x campo
jornalístico:
aproximação e conseqüências

A efetiva aproximação dos weblogs com o jornalismo tem como


marco inicial o ano de 2001. Embora ela já se rascunhasse alguns anos
antes, com a criação dos primeiros blogs em meados da década de
1990, é em 2001, principalmente com os atentados terroristas às Torres
Gêmeas do World Trade Center em 11 de setembro, que os weblogs
passam a ter visibilidade para o grande público e, como conseqüência
disso, passa a ser vislumbrada a função que eles poderiam ocupar
no jornalismo. Autores como Blood (2002, 2003), Hiler (2002), Dovigi
(2003), Gillmor (2004) e Orihuela (2005, 2006) consideram que, a partir
dessa data, os testemunhos pessoais sobre determinados aconteci­
mentos, situações ou lugares, que já correspondiam à grande parte
da blogosfera, passaram a ganhar maior importância como informação
de relevância jornalística; isso se dá em grande parte devido ao caos
que se tornou a busca por qualquer tipo de informação sobre o que
estava acontecendo nos locais dos atentados e também porque, do
outro lado, havia pessoas no local que desejavam compartilhar suas
histórias e, como diz Hiler (2002), “publicar a verdade”. Dan Gillmor, em
en­trevista­a­Andrews,­afirmou­que­o­caos­que­se­instaurou­no­mundo­
todo com a intensa busca por informação sobre as vítimas do atentado
foi o “ponto da virada” para o mundo dos blogs:

199
Nós tivemos uma explosão de testemunhos pessoais e
públicos, e alguns deles eram bastante poderosos. Eu
me lembro do velho clichê que dizia que os jornalistas
escreviam o primeiro rascunho bruto da história. Bem,
agora os blogueiros é que estavam escrevendo esse
rascunho (Gillmor apud Andrews, 2006).1

Poucos­meses­depois,­já­se­notava­um­crescimento­significativo­
de blogs sendo usado como fontes de informação de relevância jor­
nalística, fazendo com que eles, de alguma maneira, passassem a
in­fluenciar­ o­ jornalismo.­ Recuero­ (2003)­ diz­ que­ “essa­ influência­ se­
tornou muito mais clara a partir do início da guerra no Iraque [em
março de 2003] com o aparecimento na mídia e no ciberespaço dos
warblogs, blogs que têm como foco central a questão da Guerra, sob
as suas mais diversas formas”. Os editores dessas páginas da web
contavam o dia­a­dia da guerra sob o seu ângulo, personalizando a
informação passada na persona do autor que as divulga, contrapondo­
se com a visão objetiva e impessoal que o jornalismo tem como prática
consolidada.
A partir de então, os weblogs com informações jornalísticas, pro­
duzidos por jornalistas ou não, passaram a ganhar espaço no jornalismo
digital. E, naturalmente, esse crescimento provocou discussões sobre o
real valor da informação postada nos blogs, já que muitos deles não se
utilizavam dos procedimentos adotados pelo jornalismo praticado pela
mídia tradicional. Esaas discussões surgiram em torno principalmente
de uma questão: podem os blogs praticar o jornalismo?
Na academia, diversos autores questionam­se sobre essa per­
gunta.­A­americana­Rebecca­Blood­(2001)­afirma­que­as­técnicas­jor­
nalísticas não poderiam ser praticadas pelos blogueiros – pelo menos
não da forma como foram concebidas inicialmente; Lasica (2002) citou
os blogs como uma forma de “jornalismo amador”, em que muito das
expectativas­ profissionais­ atuais­ não­ estarão­ mais­ presentes;­ Wall­
1 Disponível em http://www.wired.com/news/culture/media/0,71753­0.html. Acesso em 10/11/2007.

200
(2004) vai numa mesma linha ao dizer que eles são como um “merca­
do informal” do jornalismo, em que a entrada é mais fácil para os “pe­
quenos jogadores” – no caso, os jornalistas­blogueiros.
Num­outro­lado­da­discussão,­Regan­(2003)­diz­que­o­surgimento­
desse tipo de weblog expõe os pontos fracos do jornalismo, mudando
muitas das opiniões convencionais sobre quem é o jornalista e o
que­é­o­jornalismo;­Rosen­(2005)­diz­que­eles­são­como­“uma força
que abrirá os buracos existentes nas ‘muralhas’ dos gatekeepers, dan­
do­um­fim­ao­reino­de­soberania­do­jornalismo”2­(Rosen,­2005).­Au­to­res­
como Salaverría (2005) e Aldé & Chagas (2005) apontam ainda para
outras questões, indicando o weblog como um novo gênero dentro do
jornalismo digital.
Enquanto os pesquisadores de jornalismo buscam compreender
o fenômeno dos weblogs, o mercado começa a incorporá­los grada­
tivamente. Grandes grupos de mídia passam a contar, em seus portais,
com blogs de seus colunistas mais experientes ou mesmo de editorias
específicas,­embora,­num­primeiro­momento,­muito­deles­sejam­apre­
sentados como colunas “que mudaram de nome e se tornaram mais
dinâmicas, com atualização contínua e a possibilidade de inserção de
comentários dos leitores” (Palacios, 2006b). Mesmo com essas limi­
tações, um número considerável de jornais on­line passa a adotar os
weblogs como ferramentas de seus sítios, “acreditando no poder indi­
vidual e no interesse do público que busca notícias na internet pelos
blogs”­(Quadros,­Rosa­e­Vieira,­2005);­nos­Estados­Unidos,­86%­dos­
100 maiores jornais americanos3 utilizam­se de blogs em suas ver­
sões­na­web.­No­Brasil,­não­há­ainda­uma­pesquisa­que­quantifique­
esses­dados,­mas­uma­observação­rápida­é­suficiente­para­notar­que­
pelo menos alguns dos jornais considerados mais importantes do

2­Tradução­do­Autor:­“a­force­that­will­‘blow­open­holes­in­the­gatekeepers’­firewalls’,­and­as­ending­
journalism’s­reign­of­‘sovereignty’­(Rosen,­2005).­Disponível em: http://journalism.nyu.edu/pubzone/
weblogs/pressthink/2005/01/21/berk_essy.html. Acesso em 14/11/2007.
3 Os resultados completos da pesquisa podem ser vistos no http://journalism.nyu.edu/pubzone/blue­
plate/issue1/top100.html. Acesso em 23/11/2007.

201
país (Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, Jornal do
Brasil, Zero Hora) mantêm blogs de seus jornalistas em suas versões
na rede. Isso sem contar os blogs com informações de relevância jor­
nalística que são editados de forma independente, sem vinculação a
grandes­portais­de­mídia,­que,­em­países­como­Estados­Unidos­e­In­
glaterra, passam a ganhar um espaço cada vez maior, com alguns até
disputando a audiência com empresas jornalísticas tradicionais.

Blogosfera X campo jornalístico

A repercussão causada pela aproximação da blogosfera e do


campo jornalístico, juntamente da crescente propagação dos blogs
na internet, passou a provocar sérios questionamentos no habitus4 do
campo jornalístico. Alguns recursos utilizados comumente em jornais
on­line tradicionais, como a interatividade, têm sua função questionada
frente à liberdade com que a blogosfera se utiliza deles e, mais do que
isso, os aproveita para criar novas discussões e trazer novas infor­
mações.­Um­exemplo:­a­facilidade­de­acesso­à­criação­de­um­blog­–­
basta um computador com ligação à internet e alguns poucos minutos
– pode provocar dúvidas da ordem do habitat do campo, trazendo uma
questão pertinente: como, teoricamente, qualquer informação publi­
cada em um blog pode adquirir status de notícia; quem estaria ocu­
pando o habitat do campo jornalístico e, portanto, fazendo o papel de
agente do campo?
Os questionamentos trazidos ao habitus do campo jornalístico
4 Tanto o conceito de habitus quanto o de campo usados aqui são os formulados pelo francês Pierre
Bourdieu.­De­maneira­resumida,­pode­se­definir­o­habitus como sendo “um sistema de disposições
duráveis e transponíveis que, integrando todas as experiências passadas, funciona a cada momento
como uma matriz de percepções, de apreciações e de ações“ (apud Setton, 2002), e o campo como
”um espaço social estruturado, um campo de forças – há dominantes e dominados, há relações
constantes, permanentes, de desigualdade, que se exercem no interior deste espaço – que é também
um campo de lutas para transformar ou conservar este campo de forças. Cada um, no interior desse
universo,­empenha­em­sua­concorrência­com­os­outros­a­força­(relativa)­que­detém­e­que­define­sua­
posição no campo e, em conseqüência, suas estratégias” (Bourdieu, 1997:57).

202
pela blogosfera acabam provocando efeitos de várias ordens no mes­
mo. Palacios (2006a) aponta como sendo oito esses efeitos de apro­
ximação entre a blogosfera e o campo jornalístico. Eles serão expli­
cados a seguir.

1) Subversão do lugar de emissão (“liberação do pólo emissor”);


Por ser gratuito e de fácil acesso, qualquer um pode criar um
blog e postar o que quiser nele, inclusive informação de relevância
jornalística. Assim, ocorre a liberação do pólo de emissão da infor­
mação para qualquer um que tenha o interesse em obtê­lo, não o dei­
xando somente com os agentes do campo jornalístico. Subverte­se
o tradicional lugar de emissão; é aberta uma brecha para que outros
emissores possam ocupar um espaço que até então não existia, fazen­
do com que mais pessoas tenham o seu lugar para informar e o use da
maneira que achar adequado – muito embora ter esse espaço, por si
só,­não­garanta­uma­visibilidade­significativa­a­ele.­

2) Questionamento do habitat do campo (“quem são os jorna­


listas?”);
Não­jornalistas podem adquirir livremente um lugar de emissão
da­ informação­ jornalística­ e­ usá­lo­ para­ esse­ fim­ sem­ ter­ condições­
teóricas e muitas vezes técnicas para isso. Com a profusão de blogs,
cujas informações ganham status jornalístico, haverá necessidade de
maior seleção destes por parte dos usuários da web; essa seleção
vai se basear, dentre outros fatores auxiliares, no questionamento de
quem é que está ocupando o habitat do campo jornalístico e fatalmente
levará à pergunta: o blogueiro é ou não jornalista, ou melhor dizendo,
um agente do campo jornalístico?
Essa pergunta provocará uma dúvida na ordem do habitat do
campo,­o­que­tornará­necessário­repensar­o­papel­do­jornalista­a­fim­
de­novamente­identificá­lo­ou­não­como­único­agente­do­campo­jor­na­

203
lístico. Como decorrência, é possível que haja uma revisão, ou reor­
denamento, do habitus do mesmo.

3) Mudança nos critérios de noticiabilidade;


Com o acréscimo de novos pólos na emissão da informação
jor­nalística,­ os­ critérios­ utilizados­ para­ classificar­ determinado­ acon­
tecimento como notícia tornam­se diferentes. Haverá pessoas para
além­do­campo­classificando­os,­o­que­já­presume­que­outros­interes­
ses podem ser levados em conta na hora de determinar o que é ou não
notícia; do outro lado, haverá um maior número de pessoas interes­
sadas em fatos que não ganhariam status de notícia se não houvesse
alguém­para­classificá­las­como­tal.
Um­exemplo­simples­ajuda­a­explicar­esse­e­também­os­dois­pri­
meiros efeitos apontados nos subtópicos anteriores: às onze horas da
noite, acontece um acidente entre dois carros em frente a um parque
importante de uma grande cidade. Devido a uma série de situações
parecidas ou de maior gravidade ocorridas no mesmo dia, o jornal local
não­noticiou­o­acidente­em­sua­edição­do­dia­seguinte.­Um­blogueiro­X,­
morador do local, que, no momento da batida violenta dos dois carros,
estava na janela de seu apartamento, tirou uma foto do ocorrido. Em
poucos minutos, acessou a internet em seu computador pessoal e
produziu uma nota sobre o acontecimento, com foto, e a postou em
seu blog.
Um­também­vizinho­do­local­do­acidente,­assíduo­navegador­da­
web,­conhecia­o­blog­de­X­e­o­acessou;­rapidamente,­ligou­para­outros­
vizinhos pedindo para fazerem o mesmo; estes ligaram para outros
conhecidos e, dentre eles, estava um parente de um dos envolvidos
na­ batida.­ O­ blogueiro­ X,­ em­ pouco­ tempo,­ viu­ seu­ post­ ganhar­ im­
portância ao ser a única fonte de informação sobre o acidente. Esse
exemplo­ pode­ trazer­ algumas­ questões­ pertinentes:­ o­ blogueiro­ X­
postou a informação em seu blog pelo fato de estar perto do local do

204
fato, e essa informação ganhou importância para determinado grupo
de pessoas, adquirindo para eles status de notícia. Daí se deduz que a
presença­de­pessoas­além­do­campo­classificando­fatos­como­notícia,­
com interesses diferentes dos agentes do campo, pode reforçar a ‘pro­
ximidade’­como­um­importante­critério­de­noticiabilidade.­O­blog­X­tam­
bém­ se­ beneficiou­ pela­ liberação­ do­ pólo­ emissor­ da­ informação­ de­
relevância­jornalística­para­produzir­o­seu­post,­o­que­exemplifica­o­pri­
meiro efeito causado pela aproximação da blogosfera e do jornalismo;
e­o­mesmo­blogueiro­X,­que­não­é­jornalista,­passou­a­ocupar,­sem­se­
dar conta, um lugar no habitat­do­campo­jornalístico,­o­que­confirma­o­
segundo efeito.

4) Maior vigilância da mídia tradicional;


Como citado no segundo capítulo, o advento dos blogs de infor­
mação de relevância jornalística é decorrente de vários fatores e, den­
tre os principais, está o fato de que muitas pessoas não estavam con­
tentes com o que era noticiado pelo jornalismo tradicional, cada vez
mais distante da realidade por elas observada. A expansão mundial
dos weblogs do início da década possibilitou que muitas pessoas pas­
sassem a manifestar essa insatisfação, transformando os seus blogs
em “observatórios da imprensa”. Atentos a cada passo da mídia tra­
dicional, eles podem apontar os erros cometidos com mais liberdade
do que em outras mídias, transformando­se em poderosos antídotos
contra o jornalismo descuidado.
A­mídia­tradicional,­sentindo­se­mais­fiscalizada,­pode­optar­por­
critérios mais claros na hora de escolher o que é ou não notícia, assim
como em sua relação com o grande público.

5) Ampliação do debate pela via de comentários de usuários;


Da mesma forma como a criação de um blog é feita de forma fá­
cil e rápida, a interatividade dele com o usuário da internet através da

205
ferramenta de comentários também o é. Em grande parte dos blogs
existentes, pode­se deixar um comentário apenas clicando no link que
é oferecido; por vezes, é exigido que o usuário se cadastre no servidor
em que o blog está hospedado, o que prontamente se pode fazer colo­
cando o e­mail e nome da pessoa. Essa facilidade encontrada propicia
um aumento do debate entre o produtor da informação de relevância
jornalística e o seu leitor, possibilitando que haja maior quantidade e
rapidez na troca de informação entre as duas partes.

6) Potencialização do jornalismo público (jornalismo participa­


tivo, grassroots journalism);
A facilidade já citada de se criar um blog faz com que qualquer
pessoa que queira disponibilizar sua informação tenha possibilidade de
fazer isso. Dessa forma, cresce ainda mais a possibilidade de qualquer
cidadão participar na produção e veiculação da informação, aumen­
tando o potencial do chamado jornalismo participativo5 e provocando
ainda mais discussões se este novo “cidadão­repórter” pode ou não se
tornar agente do campo jornalístico.

7) De audiência a rede;
A relação entre os produtores e os consumidores de notícia no
jornalismo de hoje, que ainda tem como esquema predominante o “um­
muitos”, pode vir a se tornar “muitos­muitos”, formando assim uma rede
mundial de produção e transmissão de conteúdo e informação. O leitor
deixa de ser passivo e passa a ser um usuário dessa rede.
As decorrências para o campo jornalístico desta nova relação que
se­forma­são­consideráveis.­Uma­delas­é­que­esta­rede­de­produção­
de informação – sendo informação de relevância jornalística – pode
reivindicar uma posição dentro do campo jornalístico, independente da
5­O­jornalismo­participativo­é­defi
­O­jornalismo­participativo­é­definido­por­�.D.­�asica­como­“o­ato­de­um­cidadão­ou­grupo­de­cida­
­nido­por­�.D.­�asica­como­“o­ato­de­um­cidadão­ou­grupo­de­cida­
dãos, desempenhar um papel ativo nos processos de recompilação, cobertura, análise e difusão de
notícias­e­informação”­(�asica,­2003).­Disponível­em:­http://www.ojr.org/ojr/workplace/1017958873.
php. Acesso em 09/03/2007.

206
aceitação ou não dos agentes deste campo (jornalistas), o que pode
ocasionar­uma­redefinição­do­próprio­habitus do campo jornalístico.
Essa constatação leva a crer que o jornalismo pode passar por
uma transformação de suas normas e leis, incorporando novas carac­
terísticas­ ou­ modificando­ as­ já­ existentes,­ e,­ dessa­ maneira,­ o­ cam­
po jornalístico como se conhece hoje poderá passar por uma séria
transformação.

8) Novo ecossistema informativo;


Esse efeito diz respeito ao novo sistema de produção de infor­
mação citado no subtópico anterior, que prevê a mudança da relação
dos produtores e consumidores de informação jornalística de audiência
para rede. É ainda uma incógnita como esse novo ecossistema infor­
mativo se dará; é possível que ele se forme nos moldes da blogosfera,
em que o modelo de circulação “muitos­muitos” fará com que tanto
jornalistas quanto blogueiros participem, de maneira conjunta, de uma
rede aberta de produção de informação jornalística. Pode se formar
assim um fenômeno que transitará à parte pelo campo jornalístico,
constituindo­se por meio de uma simbiose de funções e interesses das
duas partes envolvidas.
Os oito efeitos citados aqui questionam o habitus do campo jor­
nalístico; esse questionamento traz como conseqüência a criação de
diretrizes para o alargamento do campo. Palacios (2006a) apresenta
três diretrizes principais, que vão ser detalhadas no próximo tópico.

Alargamento do campo jornalístico

Até aqui, viu­se que a blogosfera – um espaço anárquico, informal,


em que ocorrem múltiplas conversações entre os blogs e a cultura que
eles geram – aproximou­se do campo jornalístico como um fenôme­

207
no disperso, não organizado, e produziu efeitos de várias ordens no
habitus desse campo. Como conseqüência dos efeitos, três diretrizes
para o aumento do campo jornalístico foram pensadas, apontando
direções para o alargamento do mesmo.
A seguir, serão apresentadas as três diretrizes:

1) Jornalismo difuso;
“�ornalismo­difuso”­é­o­nome­dado­por­Palacios­ao­uso­do­blog
como instrumento de reportagem – ou de um testemunho, de uma
crônica – de determinado local onde fatos de extrema relevância jor­
nalística estão acontecendo. É dada a voz aos que estão na “cena do
crime”, vendo com seus próprios olhos a realidade que lhes é oferecida
para enxergar. Os blogueiros utilizam sua posição privilegiada em de­
terminado local para noticiar aquilo que vêem de forma mais direta,
pessoal, o que acarreta não respeitar todas as normas do campo jor­
nalístico. A apuração, que acaba sendo de menor qualidade, é com­
pensada pelo maior uso da opinião do blogueiro que, estando no local
dos acontecimentos, tem a possibilidade de melhor contextualizar a
sua informação com ações que o jornalismo tradicional não teria inte­
resse, condições e liberdade para fazer, como, por exemplo, ouvir
todo o tipo de pessoas (mesmo que elas não sejam categorizadas
como­ “fontes­ confiáveis”)­ e­ usar­ a­ primeira­ pessoa­ para­ relatar­ uma­
experiência vivida.
Exemplo prático do jornalismo difuso são os warblogs, blogs que
tem como foco central a questão da guerra criados por pessoas que
estão­nos­locais­onde­ocorrem­conflitos­armados.­Esses­blogs,­como­
citado anteriormente, foram responsáveis pelo aumento da visibilidade
e­da­influência­da­blogosfera no jornalismo ainda em 2003, quando o
seu uso foi bastante comum em decorrência da proximidade da Guerra
do Iraque e da invasão americana ao Afeganistão.
Palacios (2006a) aponta como principal força desse tipo de jor­
nalismo a multivocalidade presente nele e o testemunho direto com

208
que seus autores se propõem a fazer. Como fraqueza, sinaliza a “in­
capacidade de fornecer um contexto interpretativo de maneira que
a­ chuva­ de­ informações­ possa­ adquirir­ significado­ e­ transformar­se­
em conhecimento” (Palacios 2006a), daí surgindo, também, o nome
“difuso”­da­classificação.­

2) Jornalismo de recuperação da informação residual (“jornalismo


lateral”);
É o tipo de jornalismo que se dispõe a dar visibilidade a notícias,
eventos e fatos que não ganham relevância oportuna na mídia tradi­
cional. O advento dos blogs como novos pólos de emissão da infor­
mação jornalística dentro do campo possibilita maior diversidade de
assuntos­e­acontecimentos­que­poderão­vir­a­ser­classificados­como­
notícias, o que, logicamente, traz consigo uma diferença nos critérios
de noticiabilidade usados até então.
De início, com o maior número de pessoas publicando em seus
blogs fatos e acontecimentos com valor noticioso, outros interesses
serão levados em conta na hora de determinar o que é ou não notícia.
Assim, tanto aquilo que hoje é descartado pela mídia tradicional – por
exemplo, o caso do acidente usado no terceiro efeito no habitus cau­
sado pela aproximação do campo jornalístico e da blogosfera – como
também os fatos que não foram aproveitados de uma forma adequada
por essa mesma mídia podem ser utilizados pelos blogueiros, o que
pode levar a mais fatos serem considerados como notícias.
O aumento de produção de notícias fora do campo jornalístico
propicia também maior diversidade de informações noticiosas produ­
zidas. Como conseqüência, é ampliada a percepção de que existem
mais informações com valor noticioso do que a mídia hoje mostra. É
o advento do chamado “jornalismo lateral”, que traz novos fatos para
o cidadão, acostumado com o jornalismo “horizontal” produzido pela
mídia tradicional.

209
3) Jornalismo de aprofundamento da colaboração (“jornalismo
colaborativo”);
A capacidade conversacional dos blogs por meio da blogosfera
traz a possibilidade de se produzir uma informação de relevância jor­
nalística em que mais pessoas estejam envolvidas em sua produção,
e até mesmo na sua apuração. Isso ocorre de duas formas: através
da ferramenta de comentários, e, principalmente, dos links, que possi­
bilitam uma interligação de diversas pessoas, ao mesmo tempo, apu­
rando e complementando a informação praticamente até o seu esgo­
tamento completo.
Um­ dos­ resultados­ dessa­ colaboração­ é­ o­ aprofundamento­ de­
assuntos que ela pode trazer, na medida em que mais pessoas traba­
lhando na abordagem do fato proporcionarão maior riqueza de detalhes
ao apresentá­lo como notícia. Outra decorrência é que a permanência
da notícia em um circuito que se retroalimenta constantemente pela
multiplicidade de vozes faz com que novas perspectivas e olhares
sempre possam ser acrescentados.
Como as perspectivas apontam uma web cada vez mais rápida e
fácil de usar nos próximos anos, o potencial de crescimento desse tipo
de jornalismo de aprofundamento da colaboração só tende a crescer.

Conclusão

As três diretrizes de alargamento do campo jornalístico aqui mos­


tradas são decorrências diretas dos efeitos causados pela aproximação
entre a blogosfera e o campo jornalístico. Apesar de estarem apresen­
tadas de forma separada, pode­se notar que elas apontam para o
mesmo sentido: o de buscar uma maior interação entre os diferentes
agentes de uma sociedade, de tornar o jornalismo mais articulado – o
que acarreta uma apresentação dos fatos de maneira mais complexa

210
em­relação­à­forma­simplificada­e­reducionista­que­predomina­hoje.­A­
esse tipo de jornalismo mais praticado hoje, que está dentro do campo
sendo pressionado pela blogosfera, Mar de Fontcuberta (2006) chama
de “jornalismo mosaico”.
É um tipo de jornalismo que não atende a todas as necessidades da
sociedade complexa atual, em que os fenômenos sociais estão “a cada
dia mais inter­relacionados, e onde a busca do isolamento de cada um
destes­a­fim­de­se­achar­uma­solução­única­e,­portanto,­simples,­leva­a­
ocultar toda a realidade que se pretende solucionar” (Morin, 2005:12).
Em contraponto a esse tipo de jornalismo, compartimentalizado, orga­
nizado como um sistema fechado em si mesmo, a autora propõe que
o jornalismo desejável hoje deva responder às características de um
sistema aberto, que está em contínua relação com o entorno no qual
se desenvolve, recebendo informação desse entorno e lhe dando a
resposta possível. É então que Fontcuberta (2006) apresenta o conceito
de jornalismo sistema, como aquele que não isola os acontecimentos,
mas os organiza em um contexto determinado que estabelece uma
gama de interações com seus receptores, contribuindo assim na
construção do sentido e na compreensão da realidade:

O jornalismo sistema explica processos em que os fatos


aparentemente novos ou inesperados são sucessivas
pontas de muitos icebergs sociais cujas partes ocultas
nunca­ foram­ suficientemente­ mostradas.­ E,­ para­ isso,­
ele sabe que as notícias necessitam ser explicadas,
analisadas e interpretadas desde seu princípio (ou desde
sua­ eclosão­ a­ luz­ pública)­ até­ o­ fim.­ (...)­ Isso­ significa,­
em primeiro lugar, a busca da máxima transparência
na produção de pautas jornalísticas e nos critérios em­
pregados para a adoção ou não das mesmas; (...) implica
oferecer uma explicação e um seguimento dos fatos
noticiáveis que leve em conta o processo de seu de­
senvolvimento desde todas as perspectivas necessárias

211
para sua compreensão pluridimensional6 (Fontcuberta &
Borrat, 2006:42).

Em outras palavras, é uma proposta para se adotar o pensamento


complexo no campo jornalístico; buscar fazer um jornalismo complexo
para uma sociedade complexa, na qual, essencialmente, o público
deixa de ser simples consumidor de uma mercadoria rígida para passar
a ser um participante desse sistema que seria adotado na produção de
notícias.
É no sentido do jornalismo sistema que apontam as três diretrizes
de alargamento do campo jornalístico ocasionadas pela blogosfera.
Transformar o consumidor em participante, usar diferentes estratégias
–­como­os­testemunhos­pessoais,­por­exemplo­–­a­fim­de­buscar­uma­
contextualização maior dos acontecimentos, trazer novos fatos à tona
para propor uma explicação mais coerente com a realidade complexa
que se apresenta aos cidadãos: são todos recursos que os blogs pro­
dutores de informações de relevância jornalística estão trazendo ao
jornalismo tradicional.
Pode­se dizer que os blogs estão trazendo isso também porque
eles próprios são frutos diretos de uma resposta à reivindicação da so­
ciedade atual por uma informação mais complexa. O advento do uso
dos weblogs como fonte de informação de relevância jornalística, em
2001 veio para responder a uma demanda da sociedade de ter outras
visões dos acontecimentos, articulando os fatos como um todo e ex­
plicando o contexto em que eles estão inseridos.
A questão ainda a ser estudada e debatida é de que forma esse
jornalismo sistema pode ser aplicado na prática, no dia­a­dia do jor­
6 “El periodismo sistema explica procesos en los que los hechos aparentemente nuevos o ines­
perados son las sucesivas puntas de muchos icebergs sociales cuyas partes ocultas nunca fueron lo
suficientemente­mostradas.Y­para­ello­sabe­que­las­noticias­necesitan­ser­explicadas,­analizadas­e­
interpretadas­desde­su­principio­(o­desde­su­eclosión­a­la­luz­pública)­hasta­su­fin.(...)­Ello­significa­en­
primer lugar la búsqueda de la máxima transparencia en la producción de sus pautas periodísticas,
en los criterios empleados para la inclusión (…) Implica ofrecer una explicación y un seguimiento de
los hechos noticiables que tenga en cuenta el proceso de su desarrollo desde todas las perspectivas
necesarias para su comprensión pluridimensional.” [Tradução do autor]

212
nalismo. Se ele é fruto de uma reivindicação da sociedade por um
jornalismo mais complexo, articulado e não tão reducionista e simplista,
como­que,­na­prática,­se­dará­essa­configuração?­Como­transformar­
o consumidor em usuário de um sistema de produção de notícias sem
que o mesmo não perca a credibilidade e adote procedimentos que
não estão no habitus do campo jornalístico? Ou mesmo o habitus, não
terá ele que se “adaptar” a esse sistema complexo, tendo de passar
por mudanças que tocam diretamente no seu âmago?
São questões que, por ora, não encontram respostas. A busca
por elas, aliada à expansão da web para cada vez mais lugares e
pessoas distintas, é que possivelmente provocará o surgimento de al­
gumas hipóteses mais consistentes para explicar a situação. Como
diz Orihuela (2006), “os blogs abriram a porta para que as pessoas se
convertam em protagonista dos processos comunicativos. Mas mais
além dos blogs se estende o fenômeno de todos os meios sociais, e
isso não é uma moda nem uma tendência, mas uma mudança de para­
digmas que não tem mais volta”.

213
Referências
A�DÉ,­A.;­ CHAGAS,­ V. “Blog de política e identidade jornalística (transformações na
autoridade cognitiva e na relação entre jornal e leitor)”. In: Pauta Geral, n.7. Salvador:
Calandra, 2005.

A�ONSO,­�.;­MARTINEZ,­�.­“Medios­interactivos:­caracterización­y­contenidos”.­In:­
A�IAGA,­R.­S.;­DÍAZ­NOCI,­�. Manual de redacción ciberperiodística. Barcelona: Ariel,
2003.

ANDREWS,­R.­9/11:Birth of Blogs. (2006). Disponível em: http://www.wired.com/news/


culture/media/0,71753­0.html. Acesso em 10/11/2007.

ARAÚ�O,­A.­V.­“Weblogs e jornalismo: os casos de No Mínimo Weblog e Observatório


da Imprensa (Bloi).­ Universidade­ de­ São­ Paulo.­ Escola­ de­ Comunicação­ e­ Artes.­
Dissertação de Mestrado, 2006.

B�OOD,­ R.­ Weblogs: a history and perspective. (2001). Disponível em: http://www.
rebeccablood.net/essays/weblog_history.html.­Acesso­em­01/08/2006.­

________. We’ve got blog: how weblogs are changing our culture.­ Cambridge­ (USA):­
Perseus, 2002a.

________.­ “Weblogs­ and­ journalism­ in­ the­ age­ of­ participatory­ media”.­ (2003).
Disponível em: http://www.rebeccablood.net/essays/weblogs_journalism.html. Acesso
em 19/05/2007.

BOURDIEU,­P.­Sobre a televisão.­Rio­de­�aneiro:­�orge­Zahar,­1997.

DOVIGI,­M.­Blog: Il tuo pensiero online con un clic. Milano: Apogeo, 2003.

FOLETTO, L. “Os weblogs como propulsores do alargamento do campo jornalístico”.


Universidade­Federal­de­Santa­Maria.­Monografia (Graduação em Comunicação Social
–­Habilitação­�ornalismo),­2007.­Disponível­em:­http://rapidshare.com/files/158089846/
Monografia_Completa.pdf.html.­Acesso­em­20/01/2008.

FONTCUBERTA,­ M.­ de;­ BORRAT,­ H.­ Periódicos: sistemas complejos, narradores em


interacción. Buenos Aires; La Crujía, 2006.

GI��MOR,­D.­Nós, os media. Lisboa; Presença, 2004.

GRANIERI,­G.­Blog Generation. Roma:­�aterzi,­2005.

HI�ER,­�.­“Blogosphere:­the­emerging­Media­Ecosystem.­How­Weblogs­and­�ournalists­
worktogether­to­Report,­Filter­and­Break­the­News”.­(2002).­Disponível­em:
http://www.microcontentnews.com/articles/blogosphere.htm. Acesso em: 15/10/2007.

�ASICA,­�.D.­Blogging as a form of journalism. (2002). Disponível em: http://www.ojr.org/


ojr/workplace/1017958873.php.­Acesso­em:­9/03/2007.

________. What is participatory journalism?. (2003). Disponível em: http://www.ojr.org/


ojr/workplace/1060217106.php. Acesso em 12/02/2007.

214
MORIN,­E.­Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre; Sulina, 2005.

O�IVEIRA,­R.­M.­C.­de.­“Diários­públicos,­mundos­privados:­diário
íntimo como gênero discursivo e suas transformações na contemporaneidade”.
Universidade­Federal­da­Bahia.­Faculdade­de­Comunicação.­Dissertação­de­mestrado,­
2002. Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/oliveira­rosa­meire­diarios­publicos­
mundos­privados.pdf­.­Acesso­em­28/02/2005­.

ORIHUE�A,­�.­�.­“Weblogs:­el­medio­y­el­mensaje”.­Nuestro Tiempo,­n.­601­602,­p.­48­
53, júlio­agosto de 2004.

ORIHUE�A,­�.­�.;­A�ONSO,­�.;­ANTÚNEZ,­�.­�.;­ORDUÑA,­O.­I.­R.;­VARE�A,­�.­Blogs:
la conversación en internet que está revolucionando medios, empresas y a ciudadanos.
Madri: ESIC, 2005.

PALACIOS, M. “Alargamiento del campo periodístico na era del blogging”. Trabalho


apresentado­ em­ colóquio­ na­ Universidade­ Nacional­ de­ Córdoba.­ Córdoba:­ dezembro­
de 2006a.

________.­“Blogosfera­e­jornalismo­on­line­no­Brasil­ou­porque­Noblat,­�osias­e­cia.­não­
fazem Blogs. LUPA,­FACOM/UFBA.­(2006b).­Disponível­em:­http://docs.google.com/Vie
w?docid=adf4grpvfm38_28gc7rm9.­Acesso­em:­16/11/2007.

QUADROS,­C.­I.;­ROSA,­A.­P.;­VIEIRA,­�.­“Blogs­e­as­transformações­no­jornalismo”.­
Revista­ da­ E-Compós, n. 3, agosto de 2005. Disponível em www.compos.com.br/e­
compos.­Acesso­em:­28/11/2007.

RECUERO,­R.­“Warblogs:­os­blogs,­a­Guerra­do­Iraque­e­o­jornalismo­on­line.­(2003).­
Disponível em: http://www.pontomidia.com.br/raquel/warblogs.pdf. Acesso em:
13/11/2006.

REGAN,­ T.­ “Weblogs­ threaten­ and­ inform­ traditional­ journalism”.­ (2003). Disponível
em:­ http://www.nieman.harvard.edu/reports/03­3NRfall/68­70V57N3.pdf.­ Acesso­ em:­
02/11/2007.

ROSEN,­ �. Bloggers vs. journalists is over. Disponível em: http://journalism.nyu.edu/


pubzone/weblogs/pressthink/2005/01/21/berk_essy.html. Acesso em 14/11/2007.

SA�AVERRÍA,­R.­Redacción periodística en internet.­Pamplona:­EUNSA,­2005.

SETTON, M. da G. “A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea”.


(2002). Disponível em: http://www.anped.org.br/rbe20/anped­20­04.pdf. Acesso em
11/02/2007.

WA��,­M.­“Blog­as­black­market­journalism:­a­new­paradigm­for­news”.­(2004). Disponível
em:­http://bcis.pacificu.edu/journal/2004/02/wall.php.­Acesso­em­03/12/2007.

SITES

Entrevista­com­�osé­�uis­Orihuela.­(2006).­Disponível­em:­http://www.andresmilleiro.info/
blog/entrevista­a­jose­luis­orihuela. Acesso em 07/012007.

215
216
Juliana Lúcia Escobar

Blogs como nova categoria


de webjornalismo

Desde que o webjornalismo começou a se configurar, surgiram


diferentes iniciativas que buscaram explorar o que diversos autores
(Deuze, 2002; Palácios, 2003; Díaz Noci, 2005b) consideram, com al­
gumas coincidências, como características próprias do jornalismo na
web. Características que são, a nosso ver, potencialidades do ambiente
www no que diz respeito à disposição e à divulgação de qualquer ti­
po de conteúdo. Um dos objetivos do trabalho que deu origem a este
artigo – nossa dissertação de mestrado, defendida em maio de 20071
– era descobrir como tais potencialidades podem ser exploradas pela
apropriação jornalística que vem sendo feita dos blogs, um novo me­
canismo de publicação de conteúdos na web que gera um modelo es­
pecífico de site.
Consideramos que as tecnologias, e muito especialmente as de co­
municação, não determinam os fenômenos socioculturais, mas os con­
dicionam. Ao estudá­las, portanto, é preciso considerar as apropriações
que delas fazem os agentes humanos, conscientes de que são sempre
processos complexos que geram influências recíprocas.
Para descobrir o que o blog, como tecnologia, pode trazer para
a prática profissional do jornalismo, realizamos um estudo de caso,
1 ESCOBAR, J. L. “Deu no post - blogs como nova categoria de webjornalismo: um estudo de
caso sobre o Blog do Noblat”. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, PPGC. Dissertação de
Mestrado, 2007.

217
tendo como hipótese a possibilidade de o jornalismo de blog estar se
configurando como uma nova categoria para o webjornalismo. Esco­
lhemos o Blog do Noblat por termos constatado, em trabalho anterior,
que, embora não tenha sido cronologicamente o primeiro jornalista
brasileiro a criar um blog, o destaque alcançado pela atuação de Noblat
como blogueiro durante o desenrolar do escândalo que ficou conhecido
como mensalão permite­nos considerar que ele teria inaugurado, em
2005, o jornalismo de blog no Brasil.2
Adotamos a perspectiva que considera, no desenvolvimento tanto
do jornalismo quanto das tecnologias de comunicação, aspectos de
continuidade mais do que os de ruptura. Concordamos com Palácios,
para quem

as características do Jornalismo na web aparecem, ma­


joritariamente, como Continuidades e Potencializações e
não, necessariamente, como Rupturas com relação ao
jornalismo praticado em suportes anteriores (2003:22).

Assim é que alguns atributos estão presentes nos diversos tipos


de jornalismo, desde o praticado em panfletos e libelos no séc. XVII
até o que podemos encontrar atualmente na web. Sendo assim, para
considerar este ou aquele blog como veículo jornalístico, nossa pro­
posta é que inicialmente se verifique a existência de tais atributos.
No entanto, antes de se falar em blog jornalístico, cabe delimitar
claramente que modelo de site entendemos como blog.

Uma definição mínima

Sébastien Paquet (2002) considera que os blogs estão na raiz


2 Ver ESCOBAR, J. L. “Blog do Noblat e escândalo midiático: jornalismo sobre novas bases”. UNIre-
vista – Vol. 1, n° 3 (julho 2006). Disponível em: http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/UNIrev_Esco­
bar.pdf. Acesso em 27/01/2008.

218
do que chama de personal knowledge publishing (publicação de co­
nhecimento pessoal) e, em seu artigo, faz uma breve descrição do
surgimento do fenômeno nos EUA. Especialmente naquele país, po­
demos citar ao menos duas situações que ilustraram bem o uso dos
blogs como veículos noticiosos: os atentados de 11 de setembro de
2001 (Schittine, 2004:158) e a cobertura da Guerra do Iraque com os
warblogs (Recuero, 2003).
Em pouco tempo, os blogs ganharam versões destinadas à pu­
blicação de fotos — fotologs ou flogs — e de vídeos — videologs ou
vlogs, ainda que eles não dispensem o uso da escrita. Já não se limi­
tam mais a diários virtuais e nem podem ser considerados apenas es­
critos íntimos ou adolescentes publicados na web, como chegaram a
ser vistos inicialmente.
Antes de discorrer sobre o fenômeno dos blogs jornalísticos, va­
mos delimitar o universo sobre o qual estamos falando, apresentando,
abaixo, nossa definição de blog. Alertamos o leitor para o fato de que
este é o nosso entendimento particular, a definição a que chegamos a
partir da nossa pesquisa. Portanto, será discordante do entendimento
de outros autores e colegas, inclusive de alguns também presentes
nesta coletânea. Em termos gerais, consideramos que blog é um no­
vo mecanismo de produção e divulgação de conteúdos na web que
gera um modelo específico de site. A nosso ver, do ponto de vista
tecnológico, três atributos caracterizam um site como blog:

a) Facilidade e agilidade para a publicação de conteúdos, dispen­


sando o conhecimento de linguagens de programação como HTML,
PHP ou JavaScript;
b) Disposição do conteúdo (cuja unidade mínima denomina­se
post) em ordem cronológica inversa, de modo que as publicações vão
se sucedendo da mais antiga para a mais recente. Esta, situada no
topo da página, é a primeira a ser visualizada pelo internauta na tela de
seu computador. Alguns estudiosos consideram que esse atributo é o

219
que diferencia os blogs de outros tipos de publicação on­line (Paquet,
2002; Blood, 2003);
c) Data, hora e autor de cada post registrados automaticamente.

Como nosso entendimento aqui é o de que a tecnologia condiciona,


mas não determina as atualizações das práticas sociais, concordamos
com a diferenciação entre “blog/texto”, “blog/programa” e “blog/lugar”,
proposta por Primo e Smaniotto (2006), por permitir a distinção entre
os aspectos tecnológicos e humanos desse novo mecanismo de pro­
dução e divulgação de conteúdo on­line.
O “blog/texto” é o conjunto de todo o conteúdo produzido pelo
blogueiro, disponibilizado em posts, geralmente textos escritos, mas
que podem também ser imagens, áudios e vídeos, uma vez que tal de­
nominação leva em consideração que texto não é apenas a mensagem
divulgada por signos verbais.
“Blog/programa” é um software responsável pelas três caracterís­
ticas marcantes desse modelo de site citadas acima. Pode ser enten­
dido ainda como uma ferramenta informática utilizada para a produção
do blog/texto. Note­se, no entanto, que o formato precedeu o desenvol­
vimento do software, conforme lembra Rebecca Blood (2003).
“Blog/lugar” seria a localização do blog/texto na www indicada por
um endereço específico. Tal acepção nos remete ao conceito de virtual
settlement de Quentin Jones adotado por Recuero (2001) quando discute
outro conceito, o de comunidade virtual: virtual settlement é entendido
como um lugar simbólico situado no ciberespaço que teria a função de
territorialidade necessária para a constituição de laços comunitários
entre os indivíduos. É um delimitador de fronteiras simbólicas e não
concretas. Funciona como o suporte para a verdadeira comunidade
virtual e é imprescindível para que ela se forme. No entanto, a mera
existência de um virtual settlement não garante o estabelecimento de
uma comunidade virtual. Uma sala de bate­papo, por exemplo, é um

220
virtual settlement, mas somente dará origem a uma verdadeira comu­
nidade virtual se as pessoas de fato utilizarem este lugar no ciber­
espaço para a criação e manutenção de laços e relações sociais. Co­
munidades virtuais surgem a partir dos usos que as pessoas fazem de
um determinado virtual settlement.
Para tornar mais clara a distinção entre as três acepções para
blog que adotam, Primo e Smaniotto dão os seguintes exemplos de
referência a cada uma delas:

a) como programa: “Parei de usar o Blogger. Instalei o


Movable Type”; b) como lugar: “Não encontrei teu blog
no Google. Qual o endereço dele?”; c) como texto: “Li
ontem teu blog”. A confusão entre os diferentes usos do
mesmo termo pode levar a conclusões imprecisas (Primo
e Smaniotto, 2006:02).

Neste artigo, quando usarmos apenas blog, estamos nos referindo


ao “blog/texto”. Além dos três atributos já citados, ainda do ponto de
vista tecnológico, há outros que podem ser oferecidos pelo “blog/pro­
grama”, mas cujo uso depende exclusivamente da apropriação que
dele faz cada agente humano. Comentários, permalinks3 e linkbacks4
são os principais atributos desse tipo.
Em nossa pesquisa, nosso enfoque é no uso do mecanismo de
publicação de comentários, sistema que, tecnicamente, assemelha­se
aos fóruns on­line que existem desde os primórdios da web. A nosso
ver, embora seja algumas vezes considerada como marca distintiva dos
blogs, essa possibilidade, por si só, não é suficiente para caracterizar
esse modelo de site. No início, nem todos os blogs contavam com
3 Recurso que possibilita ao blogueiro criar um endereço específico para cada post publicado em
seu blog/lugar. Uma das utilidades é facilitar a inclusão de link, em outros blogs e sites, para um post
específico.
4 Recursos que facilitam a conversação entre blogs, permitindo, em alguns casos, a inclusão auto­
mática de links referenciando posts entre si.

221
a possibilidade de inclusão de comentários dos leitores (Chagas,
2006:48). E esse recurso está presente também em outros tipos de
sites como o Comunique-se,5 o Overmundo6 e O Globo Online,7 que
publicam comentários de leitores logo abaixo dos textos, na mesma
página. Nos blogs, por sua vez, os comentários geralmente situam­
se em janelas ou espaços separados da área principal destinada aos
posts.

Blogs jornalísticos – propondo parâmetros

É por possuir atributos intrínsecos e, num certo sentido, imutáveis,


que o jornalismo pode ser entendido como prática social consolidada,
preservando, em seus mais diversos formatos, os mesmos traços dis­
tintivos. Entre tais atributos, estão os relacionados à sua matéria­prima,
as notícias, “marcadas em diferentes sociedades democráticas por si­
militudes significativas devido aos valores­notícias partilhados que são
uma parte importante da cultura jornalística” (Traquina, 2005b:26).
No entanto, ainda antes de se falar em valores­notícias, temos
como atributos básicos do jornalismo a novidade, a atualidade, a uni­
versalidade e o interesse. É preciso acrescentar a essa lista um valor
muito caro à comunidade jornalística: a veracidade.

Existe um acordo tácito entre os que escolhem esta


profissão de jornalista e o leitor/ouvinte/telespectador
que torna possível dar credibilidade ao jornalismo: o
principal produto do jornalismo contemporâneo, a notícia,
não é ficção, isto é, os acontecimentos ou personagens
das notícias não são invenção dos jornalistas (Traquina,
2005a:19).

5 http://www.comunique­se.com.br.
6 http://www.overmundo.com.br.
7 http://www.oglobo.globo.com.

222
Ainda que caibam divergências teóricas quanto em que medida
o relato jornalístico seria um retrato fiel (teoria do espelho), uma sele­
ção (teoria do gatekeeper), uma construção ou reconstrução social
(newsmaking), ou uma representação distorcida da realidade (teorias
instrumentalistas) (Traquina, 2005a e 2005b; Pena, 2005; Wolf, 1987),
é consensual a idéia de que o jornalismo refere­se à realidade, aqui
entendida como aquilo que se passa no mundo factual.
Assim, como prática profissional consolidada, entendemos que
jornalismo é a difusão para um grande número de pessoas, geralmente
com periodicidade determinada, de acontecimentos reais dotados de
atualidade, novidade, universalidade e interesse.
Como prática social, o jornalismo é fruto da ação de agentes huma­
nos situados no espaço e no tempo que, apropriando­se das tecnologias
e inovações disponíveis, promovem renovações e reconfigurações de
tal prática. A partir do uso de novos suportes, surgiram as variantes
radiojornalismo, telejornalismo e, mais recentemente, webjornalismo,
cada qual apresentando características particulares configuradas em
grande parte como adequações às potencialidades técnicas da mídia
utilizada — rádio, televisão e internet, respectivamente.
Com nosso estudo, pretendíamos verificar se o jornalismo de blog
pode ser considerado uma nova categoria de webjornalismo. Segundo
a tipologia proposta por Deuze (2002), os blogs estariam situados em
algum patamar entre os sites do tipo metajornalísticos e de comentários
(meta and comment sites) e os destinados a compartilhamento e dis­
cussão (share and discussion sites). O autor considera que blogs são
publicações altamente individuais e personalizadas e que, portanto,
não poderiam ser consideradas propriamente como jornalísticas.
Para nós, no entanto, é justamente a personalização que torna
possível considerar um blog como jornalístico, pois a apropriação es­
pecífica de cada agente humano é o que determina o tipo de conteúdo
de um blog. E se para Díaz Noci (2005) a personalização é apenas uma

223
conseqüência da presença das cinco características que considera
como próprias do webjornalismo (interatividade, multimidialidade, hi­
pertexto, assincronismo e memória), para nós, esta é justamente a
característica mais distintiva dos blogs jornalísticos: é a maneira como
este novo mecanismo de publicação de conteúdo on­line é utilizado
que nos permite classificar determinado blog como jornalístico. Blood
lembra que

A alegação inicial de que “blogs são uma nova forma


de jornalismo” vem sendo gradualmente revisada para
“alguns weblogs estão fazendo jornalismo, pelo menos
em parte do tempo”. Como os entusiastas reconhecem,
blogs utilizados para registrar memórias, planejar
encontros, ou coordenar grupos de trabalho não podem
ser classificados como jornalismo segundo nenhuma
definição (Blood, 2003).8

Sendo assim, em primeiro lugar, para ser considerado jor­


nalístico, um blog deve possuir os atributos que consideramos neces­
sários para o jornalismo de uma maneira geral: difusão para um grande
número de pessoas, geralmente com periodicidade determinada, de
acontecimentos reais dotados de atualidade, novidade, universalidade
e interesse. Em segundo lugar, entendemos, assim como Blood
(2003), que o simples fato de ser mantido por um jornalista não torna
um blog jornalístico, pelo mesmo motivo que um romance escrito por
um jornalista não é necessariamente jornalismo. Conforme argumenta
a autora, “o jornalismo é caracterizado pela estrita adesão a princípios
e padrões aceitos, não por títulos ou colocação profissional” (2003).9
8 Tradução da Autora: “The early claim ‘weblogs are a new form of journalism’ has been gradually
revised to ‘some weblogs are doing journalism, at least part of the time’. As even the enthusiasts now
concede, weblogs used to record memories, plan weddings, or coordinate workgroups can’t be clas­
sified as journalism by any definition”. Disponível em: www,rebeccablood.net/essays/weblogs_journa­
lism.html. Acesso em 27/01/2008.
9 Tradução da Autora:“journalism is characterized by strict adherence to accepted principles and

224
Como exemplo, cita o caso do jornalista do The New York Times,
Jayson Blair, que durante anos inventou histórias e entrevistas que
foram publicadas no conceituado diário.
Conforme constatou Schittine, “enquanto os blogueiros manifes­
tam um desejo de escrever como jornalistas, estes buscam uma escrita
mais leve, menos informativa e mais ficcional do que aquela que rea­
lizam em seu dia­a­dia” (2004:156). Os jornalistas entrevistados pela
autora não pretendiam usar seus blogs profissionalmente. Assim, se o
blog de um jornalista se destina a um outro tipo de conteúdo que não o
noticioso, não é um blog jornalístico. De forma similar, “blogs mantidos
por respeitadas empresas noticiosas serão certamente qualificados
como jornalismo se mantiverem os mesmos padrões da organização”
(BLOOD, 2003).10
Analisando o aspecto da difusão, o fato de estar disponível na
www não é suficiente para considerar um blog como voltado para um
grande número de pessoas, uma vez que há blogs cujo acesso é res­
tringido segundo a vontade do próprio blogueiro.11
Por fim, os blogs não possuem periodicidade determinada para
atualizações. As publicações podem ser feitas a qualquer momento,
também segundo a vontade do blogueiro, que tanto pode postar várias
vezes ao dia quanto ficar dias, semanas ou meses sem disponibilizar
conteúdo novo.
Dito isso, consideramos que blogs jornalísticos são aqueles cujos
endereços são públicos, estando acessíveis a qualquer pessoa com
acesso à internet; que se destinem, na totalidade ou na maior parte do
tempo, a divulgar acontecimentos reais dotados de atualidade, novi­
dade, universalidade e interesse; e, ainda, cujos blogueiros tenham a
preocupação e se esforcem para:

standards, not by title or professional standing.”


10 Tradução da Autora: “Weblogs maintained for respected news organizacion will certainly qualify as
journalism if they uphold the same standards as the entire organizacion.”
11 Por exemplo, o servidor Blogger oferece a opção de tornar seu blog público ou não. Blogs não
públicos estão disponíveis na internet, mas não aparecem no Blogger.com.

225
a) disponibilizar freqüentemente conteúdos novos, ainda que sem
periodicidade fixa ou determinada;
b) e divulgar seus “blogs/lugares”, tornando­os endereços na web
amplamente conhecidos com o intuito de atrair um número expressivo
de internautas, ou seja, uma grande audiência (que na internet é ex­
pressa por número de page views).

Entendemos que, somente a partir de um acompanhamento sis­


temático e cuidadoso, pode­se determinar se tal ou qual blog é ou não
jornalístico.

Blogs jornalísticos e o que trazem de novo

Considerando­se sua inserção no sistema das mídias noticiosas,


os blogs parecem trazer uma contribuição genuína no que diz respeito
ao formato de apresentação das informações. Temos um rompimento,
já que a disposição do conteúdo nos blogs se diferencia do velho modelo
de hierarquização adotado pelos veículos impressos, eletrônicos (rádio
e TV) e on­line (portais e sites informativos): capa com manchetes,
escalada com manchetes e home com chamadas, respectivamente.
Desde que a diagramação foi descoberta pelos veículos impres­
sos, o jornalismo segue critérios de hierarquização segundo os quais a
posição de cada notícia já é uma informação quanto à sua importância.
As primeiras páginas dos jornais e revistas e todas as subseqüentes
possuem áreas mais nobres (a metade superior, as páginas ímpares e
nestas, a informação que estiver mais à esquerda) ou menos nobres
(os opostos, ou seja, a metade inferior e as páginas pares). Essa divi­
são tem como base a cultura letrada ocidental, em que o processo de
leitura se dá de cima para baixo, da esquerda para a direita. Quando
abrimos um jornal ou revista, a página que logo estará diante de nosso

226
campo de visão é a de numeração ímpar. Ou seja, a organização da
informação tem como base os automatismos que o homem moderno
letrado ocidental incorporou ao processo de leitura no suporte escrito,
notadamente o livro, do qual jornais e revistas são herdeiros diretos.
Mas a diagramação não nasceu com os jornais. Durante muito
tempo, a disposição das notícias era feita de acordo com uma lógica
que obedecia a critérios diferentes dos que se tem atualmente. Notícias
começavam na primeira página e continuavam nas páginas internas,
por exemplo, sem que houvesse indicação para o leitor sobre essa
continuidade. Com a introdução da diagramação, a leitura passou a ser
ordenada seguindo, entre outros, critérios de importância estipulados
pelos jornalistas em conjunto com diagramadores e paginadores.
Essa lógica hierárquica também está presente no jornalismo ra­
diofônico e televisivo com a escalada (no jargão jornalístico, a leitura
das manchetes daquela edição na abertura dos programas jornalísticos
em forma de chamadas — frases­síntese sobre cada matéria). Assim,
radiojornais e telejornais são divididos em blocos e é comum que os
primeiros sejam dedicados às hard news ou notícias “pesadas”, como
as de política e economia, e os últimos, às notícias mais “leves”, soft
news, sobre cultura e esporte, por exemplo.
E o jornalismo on­line, notadamente de portal, também seguiu tal
padrão: tem­se uma capa ou home – página inicial do portal que cor­
responde à primeira página dos jornais impressos –, em que temos
chamadas para cada seção do site, que nada mais são além de man­
chetes e submanchetes – frases curtas, capazes de chamar a atenção
e despertar a curiosidade do internauta.
Com o blog, abandona­se esse modelo de hierarquização da in­
formação. Devido à disposição em ordem cronológica inversa, a infor­
mação mais importante é simplesmente a mais recente ou, melhor
dizendo, a que foi publicada mais recentemente. O que vemos é o
rompimento de um modelo organizativo da informação pela primeira

227
vez em décadas: não se tem mais capas, manchetes, chamadas. A
primeira página ou capa de um blog é o último post publicado, tenha
sido no próprio dia, há semanas ou meses atrás. Os posts registram,
automaticamente, dia e horário das publicações. A organização básica
do arquivo é por data. A definição das informações quanto ao que é
mais ou menos importante segue tão somente um critério: o tempo.
No caso de blogs jornalísticos, há nuances: além do critério tem­
poral automatizado, o jornalista/blogueiro também interfere na deci­
são sobre o que é importante. Entre os utilizados por blogueiros em
geral, e não apenas jornalistas, está o de retardar a publicação de no­
vidades. Mantendo um post como o mais recente durante algum tem­
po, o blogueiro foca a atenção dos leitores sobre aquele assunto. Pode
também repetir sua publicação em dias e horários diferentes. Quan­
to ao arquivamento dos posts, alguns blogs oferecem alternativas ao
registro simples e automático organizado por data.12
O que nos parece é que o jornalismo de blog pode estar se apre­
sentando como a primeira categoria de webjornalismo nascida genui­
namente a partir da internet, uma vez que esse novo fazer jornalístico
apresenta características muito próprias. Uma delas seria, no que diz
respeito à apresentação das informações, o rompimento com padrões
criados pelo jornal impresso e de tal forma consolidados, que passaram
a ser repetidos nos formatos jornalísticos midiáticos subseqüentes.
Nesse ponto, cabe uma outra inferência: o modelo organizativo
proposto pelo blog, dispensando homes, manchetes e destaques, pres­
supõe a relação com um tipo diferente de leitor. Este seria caracterizado
pelo interesse na informação mais recente, mas, sobretudo, por se
considerar capaz de dispensar a hierarquização dos textos proposta
por terceiros, jornalistas ou não. Para tal leitor, jornalistas, portais e
blogs são alguns dos elementos que lhe servem de guia ou filtro para
que obtenha as informações que deseja. Isso nos leva a concordar
12 Ricardo Noblat, criou seções em seu blog de modo a publicar diferentes tipos de conteúdo, como
textos de colaboradores, documentos etc. e também para agrupar posts sobre um determinado tema.
Ver http://oglobo.globo.com/pais/noblat/

228
com uma reflexão de Dominique Wolton:

Possibilitar o acesso à informação é um progresso, mas


não é o suficiente para criar uma certa igualdade, pois o
que procurar para fazer o quê? Estas questões remetem
diretamente às competências supostas ao usuário e,
portanto, às desigualdades culturais e cognitivas [...]
(Wolton, 2003:137).

O leitor capaz de realmente usufruir da variedade de informações


que a rede oferece seria aquele já educado na cultura web, letrado
não apenas segundo a lógica do alfabeto, mas que também domine
a linguagem hipertextual e multimidiática. O internauta assíduo seria
menos dependente da organização hierarquizada proposta por um jor­
nalista por saber e preferir determinar suas prioridades buscando ler e,
por vezes, opinar sobre os assuntos que ele mesmo julga relevantes.
O jornalismo de blog seria próprio para atender a esse leitor que
ainda é, muito provavelmente, um tipo ideal: alguém capaz de de­
sempenhar o papel de webeditor que, por si só, seleciona por onde
navegar e como encontrar, no mar de informações e dados disponíveis
na www, aquilo que atende às suas necessidades. Apto a ouvir, ler, ver,
clicar, teclar — tudo ao mesmo tempo —, seria alguém capaz de agir
mais do que rápida, simultaneamente. Um leitor já imerso na cultura
da interface de que nos fala Steven Johnson (2001), que tem como
uma de suas principais marcas a metáfora com o desktop (papéis
sobre papéis), criada por Alan Kay ao propor o sistema de janelas,
hoje tão familiar aos usuários dos computadores. Para Johnson, “a
janela não criou uma nova consciência — simplesmente nos permitiu
aplicar a consciência que já tínhamos ao espaço — informação na tela”
(2001:65) e ainda “tornou possível pensar o jornalismo como um pro­
cesso de filtragem, uma vista que dá para outras vistas” (Idem:79).
A capacidade de lidar com o desktop agora na tela do computador

229
pode ser ilustrada pelo que Bolter e Grusin chamam de windowed style:

Nas atuais interfaces, janelas se multiplicam na tela: é


normal para usuários sofisticados ter dez ou mais ja­
nelas ativas, sobrepostas, abertas ao mesmo tempo. As
múltiplas representações dentro das janelas (texto, grá­
ficos, vídeo) criam um espaço heterogêneo, que com­
petem pela atenção do observador. Ícones, menus e
barras de ferramentas acrescentam outras linhas de sig­
nificado visual e verbal (Bolter e Grusin, 2000:32).13

A própria internet tem um caráter pedagógico, na medida em que


ensina o internauta a ler dessa nova forma. Quanto mais utiliza seus
serviços (e­mail, FTP, buscadores etc.) e quanto mais navega pela
web, mais o leitor se torna apto e letrado nessa cultura da interface.
Mas, na busca pela informação que atenda à sua demanda
naquele momento, mais do que o esforço físico de digitar um endereço,
o internauta precisa também se certificar se aquele é um site confiável.
Ainda que já se tenham estabelecido portais e veículos de comunicação
on­line que contam com credibilidade — ou porque a herdaram de sua
atuação anterior à internet (caso do UOL, vinculado aos grupos Folha
e Abril), ou porque a conquistaram justamente por sua atuação espe­
cificamente na web (como o Terra)14 –, nem tudo se encontra nestes
13 Tradução da Autora: “In the current interfaces, windowns multiply in the screen: it is not unusual
for sophisticated users to have ten or more overlapping or nested windows open at one time. The
multiple representations inside the windows (text, graphics, video) create a heterogeneous space, as
they compete for the viewer’s attention. Icons, menus, and toolbars add further layers of visual and
verbal meaning”.
14 O UOL (Universo Online) foi um dos primeiros portais horizontais no Brasil, sendo referência quan­
do a internet comercial chegou ao país, em 1995/96. Foi criado e ainda hoje pertence a dois fortes
grupos de mídia jornalística impressa nacionais: a Abril, editora da Veja e de várias outras revistas,
e o Grupo Folha, da Folha de S.Paulo, entre outros jornais. Já o Terra, também pioneiro entre os
portais, surgiu na web, em 1995, a partir de uma iniciativa do grupo que controlava a RBS, afiliada
da TV GLOBO em Porto Alegre. Desde o início, constituiu­se como uma rede de operadoras locais
que tinham como carro­chefe o provimento de acesso à internet. A criação de conteúdos veio quase
simultaneamente e a rede, inicialmente Nutecnet e depois ZAZ, tornou­se referência no ambiente
web, foi adquirida pelo grupo italiano Telecom, adotando a marca Terra. Mantém­se entre os portais
brasileiros líderes de audiência, junto com UOL e Globo.com.

230
sites consolidados e confiáveis. A grande quantidade de dados e a
variedade de fontes disponíveis na web podem ser também um di­
ficultador: para obter o que se deseja, é preciso informação e espírito
crítico.
Retomamos, aqui, mais uma vez, o ponto destacado por Wolton
sobre as competências do internauta e a necessidade da permanência
dos intermediários humanos e não só tecnológicos no acesso ao co­
nhecimento e na busca por informações na rede.

Certamente, sendo o acesso livre, facilita para quem


sabe utilizar os sistemas, o problema não é então o
acesso à informação, mas sim a capacidade em saber
o que procurar. O contexto da competência é essencial.
[...]
Se não se tem a competência para assimilar o aprendizado,
os sistemas de informação e de conhecimentos erguerão
outros tantos muros intransponíveis. Principalmente o que
se acessa diretamente sem intermédio de um professor
ou de um pesquisador que sempre facilitam acessar o
que não se conhece. Aqui não há mais um introdutor, um
intermediário, como sempre houve em toda a história.
[...]
Aliás, começa­se a perceber a força de emancipação e
de progresso que existe no estatuto dos intermediários.
A emancipação não reside mais em suprimir os
intermediários, mas ao contrário em reconhecer o seu
papel (Wolton, 2003:135­36).

Embora o autor não os cite, acreditamos que os jornalistas são


também intermediários humanos fundamentais nesse universo em que
a oferta de informação se torna cada vez maior. Organizações de co­
municação consolidadas, assim como jornalistas que conquistaram
prestígio e credibilidade nos veículos noticiosos tradicionais, ao mi­
grarem para a rede, podem funcionar exatamente como introdutores

231
e intermediários para os internautas inexperientes e ainda não alfa­
betizados na linguagem da web. Como organizadores avalizados do
conhecimento (Aldé e Chagas, 2005), os profissionais da comunicação
funcionam como filtros ou guias para os internautas em geral, mesmo
os mais experientes. São intermediários no processo de transmissão
das mensagens, selecionando­as, formatando­as, enquadrando­as.
Os comentaristas e colunistas avançam ainda mais nessa intermedia­
ção, uma vez que não lhes cabe apenas mostrar ou relatar os aconte­
cimentos, mas sim analisá­los, interpretá­los.

Virtualmente, está tudo on­line; na prática, devido às


limitações de tempo e interesse, cada usuário acessará
somente algumas destas informações e sites. Os
jornalistas, então, cumprem esta função de organiza­
dores autorizados da informação on­line. Como muitos
outros filtros, têm sua credibilidade originada fora da
web, na medida em que os usuários procuram sites de
instituições “confiáveis”, como os de universidades e da
própria imprensa, por já conhecê­las e avaliá­las a par­
tir de parâmetros estabelecidos externamente (Aldé e
Chagas, 2005:3).

Um último post

Apropriado por jornalistas e/ou utilizado jornalisticamente, o blog


pode ser considerado o primeiro produto nascido genuinamente na in­
ternet. É nesse sentido que rompe com um padrão que veio sendo su­
cessivamente adotado pelos meios noticiosos antecessores (impres­
sos, eletrônicos e on­line). O blog apresenta, como novidade formal,
um modelo de disposição do conteúdo que foge da hierarquização da
informação segundo sua importância. A atualização contínua, já ado­
tada no webjornalismo de portal (Barbosa, 2003) ganha ainda mais

232
destaque, tornando­se um dos grandes diferenciais dos blogs jorna­
lísticos. A simplicidade e agilidade para a publicação de conteúdos
novos, características tecnicamente inerentes ao blog, conferem a
essa ferramenta um par perfeito de atributos para que se alcance um
antigo fetiche jornalístico: vencer o tempo. Os jornalistas, auxiliados
pelas tecnologias surgidas em cada contexto técnico­cultural, vêm im­
primindo cada vez mais velocidade à produção das notícias a fim de
diminuir o intervalo entre a ocorrência de um fato e sua divulgação.15
Nos nossos dias, o blog se apresenta como uma ótima arma nessa
eterna corrida contra o tempo.
Por fim, acreditamos que o jornalismo segue tendo um papel a
desempenhar, mesmo num contexto social­tecnológico que facilita a
produção e divulgação de conteúdos, em tese, para qualquer pessoa.
Afinal, conforme Dominique Wolton provocativamente perguntou em
debate com o público durante palestra proferida na Universidade do
Estado do Rio de Janeiro, em 2005, “se todos falam, quem está sendo
ouvido?”. Hoje, uma resposta para essa indagação é: os jornalistas,
eles continuam sendo ouvidos e tendo suas opiniões consideradas.

15 A tradicional “luta” do jornalista contra o tempo, uma relação histórica, é tema amplamente discu­
tido por Franciscato (2005).

233
Referências

ALDÉ, A.; CHAGAS, V. “Blog de política e identidade jornalística (transformações na


autoridade cognitiva e na relação entre jornal e leitor)”. Artigo apresentando na V Bienal
Iberoamericana de la Comunicación. México, set. de 2005. (Cortesia dos autores)

ALDÉ, A.; CHAGAS, V.; ESCOBAR, J. L. “A febre dos blogs de política”. Revista Famecos,
n. 33, agosto de 2007. Disponível em: http://www.pucrs.br/famecos/pos/revfamecos/33/
alessandra_alde.pdf. Acesso em 27/01/2008.

BARBOSA, S. “Jornalismo de portal: novo formato e categoria para o jornalismo digital”.


In: MACHADO. E; PALÁCIOS. M. (Orgs.). Modelos de Jornalismo Digital. Salvador:
Calandra, 2003.

BLOOD, R. Weblog and journalism in the age of participatory media. Disponível em:
http://www.rebeccablood.net/essays/weblogs_journalism.html. Acesso em 27/01/2008.

BOLTER, J. D.; GRUSIN, R. Remediation: understanding new media. Cambridge, Mass;


London, England: The MIT Press: 2000.

CHAGAS, V. “A blague do blog: interatividade, subjetividade e horizontalidade nos


blogs jornalísticos de política”. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Faculdade de
Comunicação Social. Monografia de conclusão do curso de graduação em jornalismo,
2006.

DEUZE, M. The internet and its journalisms. Amsterdã (Holanda), 2002 (Cortesia do
autor).

DÍAZ NOCI, J. “La escritura ciberperiodistica. 1, 2 e 3”. Curso “Escrever para jornal on­
line: prática e pesquisa”, ministrado em dezembro de 2005, no PPGC da UERJ – Rio de
Janeiro. Disponível em http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/cursos/diaznoci/generos1.pdf,
h t t p : / / w w w. f a c o m . u f b a . b r / j o l / p d f / c u r s o s / d i a z n o c i / g e n e r o s 2 . p d f ,
http://www.facom.ufba.br/jol/pdf/cursos/diaznoci/generos3.pdf. Acesso em 27/01/2008.

FRANCISCATO, C. E. A fabricação do presente: como o jornalismo reformulou a


experiência do tempo nas sociedades ocidentais. São Cristóvão: Editora UFC. Aracaju:
Fundação Oviêdo Teixeira: 2005.

GILLMOR, D. We the Media: grassroots journalism. By the people. For the people.
Sebastopol. O’Reilly Meida, Inc., 2004.

JOHNSON, S. Cultura da Interface: como o computador transforma nossa maneira de


criar e comunicar. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

NOBLAT, R. “O que um blog pode ensinar”. Observatório da Imprensa, 01.02.2005.


Disponível em:
http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos.asp?cod=314ENO002. Acesso em
22/01/2006.

234
PALÁCIOS, M. “Ruptura, continuidade e potencialização no jornalismo on­line: o lugar
da memória”. In: MACHADO, E.; PALÁCIOS, M. Modelos de jornalismo digital. Salvador:
Calandra, 2003.

PAQUET, S. Personal knowledge publishing and its uses in research. Disponível em: http://
radio.weblogs.com/0110772/stories/2002/10/03/personalKnowledgePublishingAnd­
ItsUsesInResearch.html. Acesso em 27/01/2008.

PENA, F. Teoria do jornalismo. São Paulo: Contexto, 2005.

PRIMO, A.; SMANIOTTO, A. M. R. Comunidades de blogs e espaços conversacionais.


Prisma.com, v. 3, p. 1­15, 2006. Disponível em http://www6.ufrgs.br/limc/PDFs/insanus.
pdf. Acesso em 27/01/2008.

RECUERO, R. C. Comunidades virtuais: uma abordagem teórica. Disponível em http://


pontomidia.com.br/raquel/teorica.htm. Acesso em 27/01/2008.

________. Warblogs: os blogs, a guerra no Iraque e o jornalismo on-line. Trabalho


apresentado no Núcleo de Tecnologias da Informação e da Comunicação do XXVI
Congresso Anual em Ciência da Comunicação. Belo Horizonte, 2003.

SCHITTINE, D. Blog: comunicação e escrita íntima na Internet. Rio de Janeiro: Civilização


Brasileira, 2004.

SCHUDSON, M. “A política da forma narrativa: a emergência das convenções noticiosas


na imprensa e na televisão”. In: TRAQUINA, N. (Org.) Jornalismo: questões, teorias e
“estórias”. Lisboa: Vega, 1993.

________. Introduction – “The ideal of objectivity”; Chapter 4 – “Objectivity becomes


ideology: journalism after World War I”; Chapter 5 – “Objectivity, news management, and
the critical culture”. In: Discovering the News: a social history of American news papers.
Estados Unidos: Basic Books, 1978.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis:


Vozes, 1998.

________. O Escândalo Político: poder e visibilidade na era da mídia. Petrópolis: Vozes,


2002.

TRAQUINA, N. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. Volume 1.


Florianópolis, Insular: 2005a.

________. Teorias do Jornalismo. A tribo jornalística: uma comunidade interpretativa


transnacional. Volume 2. Florianópolis, Insular: 2005b.

WOLF, M. Teorias da comunicação. Lisboa: Presença, 1987.

WOLTON, D. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre:
Sulina, 2003.

235
236
Maria Clara Aquino

Os blogs na web 2.0:


representação e recuperação coletivas
de informação

A velocidade das transformações no ciberespaço é extremamente


rápida e não poderia ser diferente em um ambiente que hoje conecta
milhões de pessoas interagindo através de ferramentas que permitem
não só a comunicação, como também a colaboração para produção e
publicação de conteúdo. Mas nem sempre foi assim, e o que hoje se
chama de web 2.0 se diferencia da web anterior pela participação ativa
dos internautas na inserção e gerenciamento do conteúdo on-line.
O modelo de comunicação “todos-todos”, oriundo da popularização
da internet e da web, ganhou força com o surgimento de ferramen-
tas que propiciam o que Lemos (2002) chamou de “liberação do pólo
emissor”, permitindo que qualquer internauta publique informação na
rede e reconfigurando o cenário midiático (Fragoso, 2007). Hoje, qual­
quer usuário da web pode publicar conteúdo através de blogs, wikis,
editores de escrita coletiva, software de relacionamento, sistemas de
trocas P2P, fotologs, vídeologs, podcasts etc. Além de potencializar
a liberdade de emissão, a web 2.0 é responsável pela alteração dos
padrões de representação e recuperação de conteúdo. A folksonomia
(folksonomy), expressão originária da junção dos termos “folk” e “taxo-
nomia” pelo arquiteto da informação Thomas Vander Wal, permite aos
próprios usuários da web representar informação através da adição

237
de uma tag ao registro e recuperá-lo através dessa tag nomeada livre-
mente por cada usuário.
O objetivo deste artigo é traçar um panorama atual dos métodos
de representação e recuperação de conteúdo nos blogs, desde suas
primeiras manifestações até o contexto atual para apresentar alter-
nativas colaborativas de gerenciamento de informação baseadas na
folksonomia e propor que as práticas hipertextuais na web 2.0 têm
seus padrões alterados devido à participação de qualquer usuário na
representação e na recuperação de informação.

A representação e a recuperação da informação: o


antes e o depois da web

A escrita permitiu ao homem o armazenamento do conhecimento


adquirido ao longo do tempo, antes limitado à memória humana e
transmitido oralmente de geração a geração. A prensa tipográfica de
Gutenberg facilitou, além da estocagem, uma maior disseminação de
informações. Com o passar dos anos e com o surgimento do compu-
tador, foi possível a compressão do texto impresso em arquivos digitais
e, com a internet, a liberdade de emissão e o intercâmbio de conteúdo,
que passa a ser produzido e publicado on-line por qualquer indivíduo
com acesso à rede. O que se vê atualmente é o crescimento desenfre-
ado de uma avalanche de informações, e as páginas web são o mais
forte exemplo do fato.
Frente ao montante de conhecimento e de documentos produzidos
acerca do mesmo, as formas de representar e recuperar informação se
tornaram objeto de atenção do homem, que tratou imediatamente de
criar formatos que permitissem inserir um tipo de ordem que auxiliasse
a busca pelos dados. A preocupação de Vannevar Bush, em 1945, com
a quantidade de conhecimento científico produzido durante a Segunda

238
Guerra Mundial resgatou uma forma de escrita já praticada em sé-
culos anteriores,1 o hipertexto, que, através do Memex,2 permitiria3 o
armazenamento de informações e o acesso a elas de maneira seme-
lhante ao pensamento humano, ou seja, de forma associativa, e não
em ordenações hierárquicas. O hipertexto foi nomeado em 1965 por
Theodor Holm Nelson, que, inspirado em Bush, propôs o Projeto Xanadu
no intuito de construir uma espécie de Biblioteca de Alexandria, só que
através de computadores, em que todo o conhecimento produzido
pudesse ser armazenado de forma conectada.
Antes desses sistemas, as formas de representar e recuperar in-
formação eram regidas por sistemas baseados em modelos hierárqui-
cos, classificações numéricas, alfabéticas, ordenações por classes e
subclasses e outras formas de taxonomia que determinam a busca por
meio de palavras-chave em sistemas de vocabulários controlados. O
principal problema apresentado por sistemas de informação baseados
em taxonomias é, segundo Feitosa (2006), a insuficiência de termos
de busca abrangidos pelos sistemas. Se o indivíduo que faz a pes­
quisa pela informação utiliza uma palavra-chave que não está rela-
cionada ao documento que procura no sistema, os resultados são in-
completos, insatisfatórios e até mesmo inexistentes. Para o autor, a
indexação das informações é fundamental, pois interfere diretamente
nas operações de busca e recuperação e, assim, se o sistema não
abrange determinado termo, cuja relação com a informação que procu-
ra é subentendida pelo o usuário, os resultados não atendem às ne-
cessidades do usuário, que é obrigado a utilizar novos termos de bus-
ca para encontrar o documento.
Na web, até pouco tempo, os sistemas de busca por informação
não se diferenciavam muito do que havia antes do surgimento das pá-

1 As primeiras manifestações hipertextuais ocorreram em textos impressos nos séc. ��, com o surgi-
mento da pontuação e nos séc. �V� e �V��, por meio de manuscritos e marginalias.
2 “As We May Think” – ensaio publicado em 1945 em que Bush propunha a construção do Memex.
Disponível em: http://www.theatlantic.com/doc/194507/bush,
3 O Memex nunca chegou a ser construído.

239
ginas. Hoje, comumente chamados de buscadores, existem dois tipos
de mecanismo de recuperação na web: os diretórios e os motores de
busca (Céndon, 2001; Feitosa, 2006). Os diretórios foram a primeira
solução encontrada para o problema da organização da informação na
web, e são sistemas que constroem hierarquicamente índices de sites,
divididos em categorias, que podem trazer subcategorias. A coleta dos
dados é realizada por editores humanos que realizam a tarefa por meio
de pesquisas na web, de sugestões de usuários e do auxílio de robôs.
Ao contrário dos diretórios, os motores de busca não organizam seus
índices de forma hierárquica, mas buscam colecionar o maior número
possível de informações através da utilização de robôs que percorrem
continuamente a web, visitando sites e indexando suas páginas. A re-
cuperação dos dados pelos usuários se dá por meio de palavras-chave
e/ou até mesmo de linguagem natural.
As possibilidades oferecidas pelos buscadores disponíveis na
web dificultam a recuperação da informação devido a:

a) centralização da organização da informação: seja em meca-


nismos de indexação manual ou automática, a ausência de termos de
busca abrangidos pelo sistema pode acarretar resultados insatisfa-
tórios. Além disso, Cendón (2001) atenta para que, embora as bases
de dados de cada buscador sejam enormes, elas não são iguais e,
dessa forma, quando não encontra o que busca em determinado siste-
ma, o usuário é obrigado a procurar em outros, e assim procede até
encontrar o que procura.
b) falta de atualização do sistema: a internet é dinâmica, a cada
segundo novas informações vão sendo disponibilizadas, retiradas ou
modificadas e, assim, de acordo com Cendón (2001), é imprescindível
para a eficiência de um buscador a atualização constante. Sem esse
processo de atualização, o usuário pode obter resultados contendo en-
dereços que não mais existem, ou que existem, mas com informações
diferentes.

240
c) critérios de busca estabelecidos pelos sistemas: muitas vezes,
o usuário pode realizar uma busca que, no final, considera inútil. De­
vido à pluralidade de formas de como a informação é organizada, di-
versas também são as formas de encontrá-la e, assim, o usuário é
obrigado a consultar as páginas de ajuda dos diferentes sistemas que
consulta. Segundo Branski (2004), a maioria dos internautas não do­
mina controles básicos e não explora todas as potencialidades dos
buscadores.
d) ausência de mecanismos de filtragem e a falta do uso de for­
mas padronizadas para o armazenamento de informações na web,
apontadas por Maedche apud Feitosa (2006): geram resultados confu­
sos, incompletos, insatisfatórios, irrelevantes. Técnicas de indexação
automática, baseadas em popularidade de sites e links, como no caso
do PageRank4, ou então baseadas em algoritmos de resultados de
localização e de frequência de palavaras em um site, dificultam as
pesquisas e nem sempre oferecem resultados relevantes ao usuário
(Céndon, 2001). A listagem de páginas fornecidas ao usuário que realiza
a pesquisa pode, muitas vezes, apresentar, nas primeiras posições,
páginas que não possuem relevância nenhuma para a sua pesquisa.
Dessa forma, o usuário termina sem a informação que buscava ou en-
tão inicia outra busca, em outro buscador, o que pode demorar, já que
ele pode realizar a tentativa em mais de um sistema.

Mas e os blogs? Qual a sua importância nos processos de re-


presentação e recuperação de informação na web? Como ferramentas
que possibilitam a qualquer internauta a publicação de conteúdo on-
line, os blogs também se constituem como um meio de representação
e recuperação de informação por meio do hipertexto, que finalmente
pode ser construído de forma coletiva.

4 http://www.google.com/technology. A técnica do PageRank foi inicialmente utilizada pelo Google e


funciona, basicamente, colocando em primeiros lugares na listagem dos resultados de busca os sites
que mais são linkados por outros sites.

241
Blogs como ferramentas de representação e recupe­
ração coletivas de informação

Tanto no Memex como no Projeto Xanadu, eram visíveis as carac-


terísticas de não-linearidade e coletividade da prática hipertextual, já
que um hipertexto poderia ser percorrido a partir de qualquer ponto
e a possibilidade de inserção de comentários nos registros, em cada
sistema, caracterizava uma criação coletiva. No entanto, com o surgi­
mento da web, esse potencial coletivo do hipertexto foi diminuído, já que
não era qualquer usuário que podia interferir em uma página, alterando
seu conteúdo ou então inserindo e/ou excluindo links. Apenas aqueles
que conheciam linguagens de programação podiam criar uma página
e publicar conteúdo na rede.
Com o desenvolvimento de ferramentas baseadas na cooperação
– como os blogs, e além deles, enciclopédias on-line escritas de forma
conjunta pelos usuários, como a Wikipédia, editores de escrita coletiva,
como o Google Docs & Spreadsheets,5 webjornalismo participativo,
como no caso do Terra, com o VC Repórter6, sites como o Slashdot7
e o Digg,8 que possuem conteúdo divulgado sugerido pela audiência,
sites de publicação de vídeos, como o YouTube,9 entre outros sistemas
–, a web passa por um novo momento, denominado por Tim O’Reilly
(2005) de web 2.0.
“A web 2.0 é a segunda geração de serviços on-line e se caracte-
riza por potencializar as formas de publicação, compartilhamento e or-
ganização de informações, além de ampliar os espaços para a inte-
ração entre os participantes do processo” (Primo, 2006:1), e assim se
torna o background de atuação dos usuários que, via hipertexto, vêm
gerenciando a informação na web.
5 http://docs.google.com/.
6 http://www.terra.com.br/vcreporter/.
7 http://www.slashdot.com.
8 http://www.digg.com.
9 http://youtube.com.

242
Nos blogs, a representação e a recuperação de informação por
meio do hipertexto ocorre desde sempre, ou seja, antes mesmo do
surgimento do termo web 2.0. Os primeiros blogs, que se constituíam
em listas de links para outras páginas na web, já demonstravam a von-
tade do autor do blog de linkar o que considerava útil e interessante e
de permitir que outros internautas visualizassem as informações que
encontrava pela web, e assim facilitar a recuperação das mesmas.
�nicialmente, os blogs traziam, nas laterais das páginas, as cha-
madas “blogrolls”, listas de links para outros blogs, organizadas de acor-
do com critérios estabelecidos pelo próprio autor do blog. As blogrolls,
inicialmente, continham links que apontavam para outros blogs que
o autor costuma ler e também para seus conhecidos que possuíam
blogs. Mais tarde, as blogrolls começaram a ser povoadas com links
não só para blogs, mas também para outros sites na web, escolhidos e
linkados também de acordo com a preferência de cada autor de blog.10
O hipertexto é útil para que os blogs ganhem visibilidade na web.
Quando são criados, seu autor passa a visitar e comentar em outros
blogs deixando o link do endereço do seu blog, que assim é visitado
pelo autor do blog que recebeu seu comentário e pelos demais leitores.
De acordo com Recuero (2003), essas práticas formam “webrings”,
círculos de relações entre blogueiros que se visitam e se linkam mu-
tuamente.
A utilização do hipertexto como forma de escrita nos blogs resulta
na proliferação de links tanto para dentro da própria página, linkando
a antigos posts e arquivos, como para outros blogs e endereços exter-
nos na web. Assim, além de alterar a rede hipertextual como um todo,
os blogs instauram um processo de representação da informação na
web realizado pelos próprios blogueiros, que passam a possuir mais

10 Com o tempo, os blogs também passaram a apresentar anúncios publicitários, já que fica
fica a cargo
do dono do blog liberar ou não o espaço para publicidade. O Google possui o AdSense, um sistema
que agrega anúncios em blogs e gera retorno financeiro ao blogueiro proporcional ao número de
vezes em que seus leitores clicarem nos anúncios que são definidos pelo Google de acordo com o
conteúdo postado no blog.

243
uma forma de recuperar informação que não somente por meio de
sistemas de busca. Por conseguinte, a atuação do hipertexto como
instrumento de representação e recuperação de informação nos blogs
favorece tanto autores quanto leitores, já que estes últimos também
podem inserir links nos comentários que efetuam.
Para um grupo de blogueiros que “se lê” mutuamente, com certa
freqüência, a busca por informação na web ocorre, muitas vezes, por
meio dos blogs. É comum ler uma informação em determinado blog e
depois percorrer o resto do círculo de blogs que se costuma ler para
saber como os outros blogueiros estão comentando o assunto, para
saber se estão falando sobre isso ou não e, conseqüentemente, para
encontrar novas informações a respeito do que foi postado, já que
cada blogueiro tem uma opinião, um estilo de escrita, e assim pode
linkar para outras páginas que o leitor ainda não encontrou a respeito
do tema.
Um dos problemas apontados anteriormente no que concerne à
busca por informação na web é a centralização da organização das
informações pelos buscadores, que pode acarretar resultados insa-
tisfatórios no momento em que determinados termos de busca não são
incluídos no sistema. Os blogs se tornam uma nova opção de pesquisa
na web no momento em que estariam classificando as informações
em função do conteúdo que disponibilizam. Recuero (2003) faz uma
classificação dos tipos de blog de acordo com o conteúdo publicado
que facilita a percepção de como a busca pela informação pode ficar
mais direcionada quando efetuada apenas em blogs:

a) Weblogs diários – trazem posts sobre a vida pessoal do autor,


sem o objetivo de trazer informações ou discuti-las, mas simplesmente
relatar fatos cotidianos, como um diário pessoal.
b) Weblogs publicações – trazem informações de modo opina-
tivo, buscando o debate e o comentário. Podem focar um tema
específico ou então tratar de generalidades.

244
c) Weblogs literários – contam histórias ficcionais ou agrupam
um conjunto de crônicas ou poesias com ambições literárias.
d) Weblogs clippings – apresentam um apanhado de links ou
recortes de outras publicações, visando filtrar a informação publicada
em outros lugares.
e) Weblogs mistos – misturam posts pessoais e informativos,
com notícias, dicas e comentários de acordo com o gosto e opinião
pessoal do autor.

Leitores de blogs ou possuem seu próprio blog com a blogroll dos


outros blogs que costumam ler, ou então, até mesmo quem não possui
um blog mantém uma lista de favoritos, que costuma acompanhar com
alguma frequência, diária ou não. Isto significa que os leitores sabem
onde procurar informação nos blogs que costumam ler. Dessa forma,
o que poderia ser chamado de “tematização” dos blogs facilita a busca
pela informação. Por exemplo, um indivíduo que costuma ler blogs e que
se interesse por política, certamente terá uma lista de blogs favoritos
que tratem sobre o tema e, ao navegar por esses favoritos, estará su-
jeito a encontrar links entre posts que, em determinando momento,
estejam comentando algum fato importante no cenário político.
Outra ferramenta que auxilia na recuperação das informações em
um blog são os permalinks, que consistem em um link ao final de cada
post contendo o endereço do post específico. Caso alguém queira
linkar um post que leu em determinado blog, não precisa colocar o en-
dereço da página com o link, o que faria o leitor procurar no blog todo
pelo post que fala sobre o assunto. Com os permalinks, é possível
linkar posts específicos.
Os trackbacks são outro tipo de ferramenta que permite a conexão
entre os assuntos postados nos blogs. Dois blogs que contenham
posts falando sobre o mesmo assunto podem conectá-los por meio dos
trackbacks, facilitando a navegação, já que assim seus leitores podem
ver onde mais o assunto está sendo discutido.

245
Os trackbacks e os permalinks são importantes no que diz respei-
to ao que vem sendo discutido como o poder da longa cauda. A longa
cauda (do inglês the long tail) é um termo utilizado na estatística para
identificar distribuições de dados da curva de Pareto, em que o volume
de dados é classificado de forma decrescente. O livro The long tail foi
publicado nos EUA e é resultado de um estudo desenvolvido por Chris
Anderson, editor-chefe da revista Wired,11 no qual analisa as alterações
no comportamento dos consumidores e do próprio mercado a partir da
convergência digital e da internet. Antes do surgimento da rede, a compra
e venda de produtos feita unicamente no meio físico abarcava apenas
a oferta de produtos populares, que tivessem um relativo sucesso, já
que os custos de armazenagem, distribuição e exposição dos produtos
são muito altos. Com a internet e a transformação da matéria em bits,
é muito mais fácil ofertar produtos de forma praticamente ilimitada,
devido aos baixos custos de armazenagem, distribuição e exposição.
Assim, tornou-se possível encontrar todo o tipo de produto na rede, o
que permitiu que as pessoas passassem a experimentar mais e a con-
sumir produtos que até então desconheciam.
Os blogs também se regem pelo poder da longa cauda, pois, por
meio do microconteúdo e da reunião de pequenos grupos com inte-
resses segmentados, ganham espaço na rede ao se conectarem com
outros sistemas. Dessa forma, ao lado de um modelo centralizador de
distribuição de informações, tem-se, através dos blogs, um sistema ba-
seado na conexão de microrredes de blogueiros. É por isso que Tim
O’Reilly (2005) afirma que a web 2.0 fortalece as bordas da rede, ao
contrário da web anterior, que, não permitindo a qualquer usuário a
publicação de conteúdo na rede, focava-se em um centro distribuidor
de informações.
As ferramentas de busca especializadas em blogs também fa-
cilitam a pesquisa por informação nessas páginas. No caso do

11 http://www.wired.com

246
Technorati,12 o site traz na página inicial uma grade de temas e uma
lista de blogs falando sobre o assunto. É possível escolher entre vídeo,
música, cinema, DVD, jogos, notícias e negócios e visualizar o número
de links para posts que falem, por exemplo, sobre o Wii, videogame da
marca Nintendo.
Porém, há quem não confie na liberdade dos usuários e na or­
ganização das informações por meio dos links. A quantidade de in-
formações na web e a forma como estão organizadas, conectadas
através de links que podem ligar um documento a qualquer outro sem
nenhuma autoridade para a criação desses links, que então podem
surgir de acordo com a intenção de quem quer que seja que os criou,
são dificuldades na busca dos dados na web, segundo Dreyfus (2001).
Para ele, os links não foram introduzidos porque são um modo mais
fácil de encontrar informação, mas porque são uma forma natural de
usar a velocidade e o poder de processamento dos computadores
para relacionar uma grande quantidade de informação independente
de significado e estrutura. Se tudo pode ser linkado com tudo, des­
considerando o significado, o crescimento do tamanho da web e a
arbitrariedade dos links dificultam a recuperação de conteúdo (Dreyfus,
2001). O autor também atribui o fracasso da Inteligência Artificial ao
fato de que os computadores não entendem o senso comum, que in-
fluencia na organização das informações e que muda com o tempo e
com o contexto (Dreyfus, 2001).
Dessa forma, num primeiro momento, o posicionamento de Dreyfus
(2001) tem sentido frente ao que poderia parecer uma certa desor-
ganização na web. Porém, além de viabilizar a escrita coletiva on-line,
algumas das novas ferramentas13 que surgem com a web 2.0 agregam
a folksonomia como uma forma de representação e recuperação de
conteúdo, o que vai de encontro aos postulados do autor.
Como uma nova alternativa aos buscadores atuais, a folksonomia
12 http://technorati.com
13 Como, por exemplo, Flickr, Del.icio.us e demais sistemas baseados na folksonomia.

247
traz a possibilidade de o usuário comum da web relacionar qualquer
palavra a um dado que publica. Assim, a informação fica armazenada
e pode ser recuperada através da tag que o próprio usuário criou, e
não mais por meio de um vocabulário controlado, que muitas vezes é
desconhecido de quem faz a busca.
A folksonomia corresponde às características da web 2.0 e atende
aos princípios de cooperação apontados por Tim O’Reilly (2005) como
alicerces desta nova fase da web: a) arquitetura de participação; b)
aproveitamento da inteligência coletiva; c) riqueza decorrente da ex-
periência dos usuários; e d) crença nos usuários como co-desenvol-
vedores. Como se pode observar, são todos princípios que se per-
fazem com a participação ativa dos usuários no gerenciamento das
informações.
Nos blogs, a folksonomia pode ser vista através da prática dos
marcadores,14 que, assim, se constituem como tags, criadas pelos pró-
prios blogueiros e utilizadas tanto por estes como pelos leitores para
recuperar algum post. Nas ferramentas de busca especializadas em
blogs, como no Technorati, existem listas de tags criadas através da
contribuição dos blogueiros que inserem um código em seus posts e,
dessa maneira, automaticamente, o Technorati adiciona tags em sua
página relacionadas com os posts.
Poderíamos dizer que a folksonomia é uma espécie de “vo-
cabulário descontrolado”, mas isso não significa que o esquema
seja uma desordem total. Na verdade, de acordo com Spiteri (2006),
“Folksonomias são simplesmente o conjunto de termos através do qual
um grupo de usuários etiquetou conteúdo; elas não são conjuntos de
classificação de termos ou etiquetas pré­determinadas”.15
É um mecanismo de representação e recuperação de informação

14 �m post falando sobre um show do Foo Figthers em Porto Alegre traria marcadores como “músi- “músi­
ca”, “Foo Fighters” e “Porto Alegre”.
15 Tradução da autora: “folksonomies are simply the set of terms that a group of users tagged content
with; they are not a predetermined set of classification terms or labels” (Spiteri, 2006). Disponívem em:
http://weblogy.ir/2007/v4n2/a41.html. Acesso em 22/08/2007.

248
que não é feito por especialistas anônimos – o que muitas vezes pode
limitar a busca por não trazer determinadas palavras-chave –, mas sim
um modo em que os próprios indivíduos que buscam informação na
rede ficam livres para representá­la e recuperá­la, realizando essas
ações com base no senso comum e tendo, assim, um novo leque de
opções ao efetuar uma pesquisa para encontrar algum dado.
Assim, esse “vocabulário descontrolado” altera as formas de re-
presentar e recuperar informação na web e também os padrões hiper-
textuais até então praticados, pois é construído de forma coletiva,
permitindo uma organização semântica do conteúdo e ampliando as
possibilidades de busca dos dados na web. Eis então que surge um
novo tipo de hipertexto, o hipertexto 2.0 (Aquino, 2007), no qual os links
são as tags, construídas pelos próprios usuários que por elas podem
navegar com base no significado das informações, representando e
recuperando informação de forma não-linear e coletiva.
Dessa forma, os blogs, antes mesmo de se ouvir falar em web
2.0, concederam a liberdade de publicação ao usuário comum. Hoje,
a folksonomia vem permitir ao usuário, por meio da representação do
conteúdo, a organização dos dados para posterior recuperação. Com
tais possibilidades, os blogs, as ferramentas de busca que se restringem
a esse tipo de página e também a folksonomia são vistos como um
processo alternativo de representação e recuperação de conteúdo na
web capaz de contornar as dificuldades dos sistemas de busca base­
ados em uma organização limitada e apenas eficiente quando o termo
adequado é digitado no momento da procura pela informação. Agora,
os usuários podem percorrer novos caminhos por conta própria e não
mais permanecer presos às limitações dos buscadores.
A falta de atualização de um sistema de busca, que dificulta a
recuperação da informação, já que a web é dinâmica e muda cons-
tantemente, modificando o conteúdo das páginas, criando novos ende­
reços e excluindo outros, pode ser reparada nos blogs. Ainda que vários

249
blogs sejam criados em um dia e abandonados no outro, são vários
também os blogueiros que se preocupam em manter suas páginas
atualizadas, muitas vezes acrescentando mais de um post por dia. São
blogs que assumem um compromisso com seus leitores, trazendo a
informação, comentando-a, permitindo a discussão e atualizando o
decorrer dos acontecimentos.
É comum também os próprios leitores de um blog avisarem ao
blogueiro do surgimento de um novo fato relacionado ao post, ou seja,
a atualização é feita não só pelo autor do blog, mas com a colaboração
de leitores atentos que acompanham os fatos em outros sites, ou
até mesmo outros meios, e se preocupam em atualizar a informação
disponibilizada nos blogs que costumam ler. �sso permite a atualização
constante do conteúdo dessas páginas pelos próprios usuários e ga-
rante a eficácia da busca por informação nos blogs.
As ferramentas de busca e até mesmo as de construção de blogs,
como no caso do Blogger,16 costumam trazer em suas páginas iniciais
os blogs que foram atualizados nos últimos minutos, permitindo ao in-
ternauta que faz uma busca ter constantemente à disposição o que
vem sendo atualizado na blogosfera nos últimos minutos.
A ausência de mecanismos de filtragem e a falta do uso de
formas padronizadas para o armazenamento de informações na web
– apontados por Maedche (apud Feitosa, 2006) –, que geram resul­
tados confusos, incompletos, insatisfatórios e irrelevantes, são difi­
culdades novamente passíveis de serem contornadas pelos blogs
por meio dos marcadores. Assim, é o próprio usuário da web que re-
presenta e recupera as informações no blog através do hipertexto. É
certo que os marcadores também podem servir como formas de “es-
conder conteúdo”, ou seja, dependendo da palavra que o blogueiro
utiliza como marcador, se for algo totalmente absurdo, em desacordo
com o conteúdo do post, algo como uma tag “mascarada”, um leitor
comum não conseguirá encontrar o post que procura. �sso seria uma
16 http://blogger.com.

250
desvantagem para o blogueiro, mas também uma forma de proteção
para o autor do blog, ainda que pareça contraditório querer esconder
informações publicadas na web.
Essas práticas ilustram a percepção de que, em uma busca tan-
to em listas pessoais de blogs favoritos ou blogrolls como em sis-
temas especializados de busca em blogs, a informação buscada foi
representada por um usuário comum da web, que criou uma página
pessoal e começou a publicar assuntos de seu interesse, que, conse-
qüentemente, interessam a outros internautas. Essa representação se
dá por meio do hipertexto que passa a ser construído pelos próprios
usuários da web, que conectam as informações que encontram pela
rede em seus blogs e também permitem que outros usuários possam
relacionar novos links nos comentários.
No entanto, alguns obstáculos surgem em função da representação
e recuperação coletivas do conteúdo. Problemas como o tagspace (�u
et al., 2006), no qual os usuários adicionam a mesma tag para da-
dos diferentes; a polissemia, quando uma única palavra tem múltiplos
significados relacionados; e a sinonímia, quando palavras diferentes
têm o mesmo significado (Golder e Huberman apud Marlow, 2006)
são dificuldades encontradas na prática da folksonomia. No caso dos
marcadores, a utilização de tags “mascaradas”, visando ocultar infor-
mações do leitor, também dificulta a recuperação.
Se, por um lado, o usuário fica livre das limitações dos buscado­
res, ele pode sentir-se desorientado em uma busca por meio de dados
organizados com base na folksonomia, já que as pessoas pensam di-
ferente e criam tags diferentes.
Ainda não foram encontradas soluções para tais problemas,
porém, Marlow et al. (2006) acreditam que o que poderia auxiliar na
resolução do impasse seria a utilização de um sistema de sugestão de
tags no qual, no momento em que o usuário fosse adicionar a tag, seria
disponibilizada uma listagem com as tags mais comuns já relacionadas
com aquele dado, o que já se utiliza em sistemas de bookmarks on-

251
line como o del.icio.us,17 mas ainda não em blogs. No entanto, Guy e
Tonkin (2006) alertam para a ocorrência de favorecimento de algumas
tags, o que obrigaria novos usuários a se familiarizarem com tags já
existentes. Outra opção é o debate entre os usuários acerca da ela-
boração das tags, o que pode ocorrer em sistemas como o Flickr,18
que é uma espécie de fotolog em que os usuários podem trocar co-
mentários e mensagens e assim discutir sobre as tags que podem
adicionar tanto nas próprias fotos como nas dos outros. No caso do
blogs, essa discussão poderia ser feita entre autores e leitores por
meio de comentários ou então em espaços de discussão propiciados
por ferramentas de busca desse tipo de página.
No entanto, a maioria das sugestões dadas pelos autores que
estudam a folksonomia é direcionada para sistemas baseados em
folksonomia. Os blogs não são fundamentalmente baseados em
folksonomia, mas a utilizam por meio dos marcadores. Utilização de
plural ao invés do singular, “bundles”, que são conjunto de tags utili-
zadas no del.icio.us19 (Guy e Tonkin, 2006), bem como o uso de “te-
sauros” (Noruzi, 2007) e/ou guias para construção de vocabulários
controlados como um auxílio na construção de sistemas taxonômicos
(Spiteri, 2007) são sugestões direcionadas para sistemas em que
qualquer usuário pode representar e recuperar informação. No caso
de um blog, a representação do conteúdo é feita unicamente pelo blo-
gueiro, e assim os problemas diminuem, já que não é qualquer inter-
nauta que cria os marcadores. Ainda que todas as sugestões sejam
úteis aos blogs, a utilização de tesauros ou guias de vocabulários
controlados não parece ser tão utilizável quanto a discussão, a criação
de bundles e a preferência pelo plural, o que parece fazer mais sentido
em um blog.
É o dono do blog que decide qual palavra irá usar como marcador
17 http://delicious.com.
18 http://flickr.com.
http://flickr.com.
19 O usuário cria uma bundle e define quais tags farão parte da bundle. Cada vez que etiqueta um
bookmark com uma tag que faz parte de uma bundle, o del.icio.us automaticamente insere o book-
mark dentro daquela bundle.

252
e, somente se os leitores não entenderem o significado das marcações
e não conseguirem recuperar algum post, podem então, por meio dos
comentários, solicitar ao autor do blog que utilize outras palavras. As
bundles se mostram equivalentes às categorias de posts. Em sistemas
de publicação de blogs, como o WordPress,20 o blogueiro pode criar
categorias de posts, e seria interessante para os leitores que o blogueiro
mantivesse um padrão de tags para cada categoria. A recuperação se
tornaria mais fácil para os leitores que, conhecendo as tags de uma
categoria, poderiam encontrar posts específicos.
Percebe-se, então, que a principal diferença da utilização da
folksonomia em blogs e outros sistemas baseados em folksonomia é
o fato de que a representação da informação em um blog é feita pelo
blogueiro, ainda que comentários também possam ser considerados
como parte do conteúdo do blog. É a partir da criação dos marcadores
que a folksonomia começa a fazer parte de um blog, porém, com a
sugestão de utilizar bundles nas categorias, outras potencialidades
folksonômicas para os blogs podem surgir, e certamente surgirão. Os
blogs são espaços de escrita coletiva, já que, por mais que os leitores
não possam modificar um post, podem escrever junto com o blogueiro
através dos comentários, muitas vezes influenciando a criação de
novos posts. Os leitores são aqueles que procuram informação dentro
de um blog e assim, estão tão interessados no aperfeiçoamento dos
marcadores quanto o blogueiro que tenta ganhar visibilidade na web
criando marcações que tragam novos leitores para seu blog.
Frente aos problemas decorrentes de uma prática coletiva entre
blogueiros e leitores, as soluções também podem ser elaboradas de
forma coletiva dentro dos próprios ambientes de representação e re-
cuperação de informação. Pelo formato que possui, permitindo uma in-
teração dialógica entre os internautas por meio dos comentários, o blog
se diferencia de outros sistemas baseados em folksonomia por não ter
a prática como instrumento principal ou fundamental, mas por poder
20 http://wordpress.com.

253
utilizá-la para gerenciamento de conteúdo e permitir a participação
ativa de leitores e blogueiros na criação dos marcadores.

Considerações finais

Os objetivos deste artigo buscaram traçar um panorama de


como a informação vem sendo representada e recuperada nos blogs
desde seu início, procurando mostrar as alterações dessas práticas
e suas conseqüências sobre o hipertexto. A segunda fase da web,
que chamamos de web 2.0, potencializa as formas de publicação e
organização de conteúdo e passa a conceber um papel mais ativo dos
usuários da web nessas atividades. De um modelo baseado na trans-
missão de conteúdo, em que o usuário ficava limitado a navegar pelas
páginas sem interferir na criação e disposição dos links, passamos a um
modelo de comunicação bilateral, onde os papéis de emissor e receptor
de informação se fundem por meio da utilização de ferramentas como
os blogs, que permitem a representação e a recuperacão coletivas de
conteúdo.
Os blogs reforçam, na web 2.0, o seu caráter interacional, pois,
como se disse ao longo do texto, o conteúdo de um blog não se limita
aos posts, mas abrange também os comentários e assim permite a
interação direta, dialógica entre blogueiros e leitores. Ao incorporar a
folksonomia na organização do conteúdo disponível, os blogs têm seus
processos de representação e recuperação de conteúdos alargados,
na medida em que conferem ao blogueiro uma nova forma de gerenciar
a informação, por meio da liberdade para marcação dos posts, e ao
leitor mais uma forma de recuperar posts específicos, de interferir na
criação dessas marcações e linká-las em outros espaços na web.
O hipertexto concretiza suas características de não-linearidade e
criação coletiva no momento em que pode ser construído e modificado

254
por qualquer usuário que assim adquire liberdade para mapear os
dados e utilizar formas alternativas de encontrar informação. A depen-
dência de critérios de busca, de vocabulários controlados e de padrões
de organização lineares para encontrar algum dado na web pode ser
substituída por outros meios de dispor e encontrar conteúdo. São
formatos coletivos que, por mais desorganizados que possam parecer,
são feitos pelos próprios usuários, alterando práticas antigas e criando
um novo tipo de hipertexto através da folksonomia.
A web, bem como a internet, sempre funcionou com base na
cooperação (Martins, 2006), ainda que, no início, tenha limitado a
criação de páginas aos programadores. Porém, logo foram criados
instrumentos que recolocaram nas mãos dos usuários o poder de par-
ticipação. Os blogs e a folksonomia são um bom exemplo de como
representação e recuperação de conteúdo são práticas cada vez mais
delegadas aos usuários e aqui serviram para demonstrar como novas
vias de acesso podem ser construídas de forma coletiva dentro da web.

Referências

BRANSKI, M. R. “Recuperação de informações na web”. Perspect. cienc. inf., v.9, n.1,


Belo Horizonte, janeiro­junho de 2004.

B�SH, V. As we may think. (1945). Disponível em: http://www.theatlantic.com/unbound/


flashbks/computer/bushf.htm. Acesso em 17/08/2007.

CENDÓN, B. V. “Ferramentas de Busca na Web”. �n: Ci. Inf., Brasília, v.30, n.1, p. 39-49,
janeiro-abril de 2001.

DREYF�S, H. L. On the internet. Londres: Routledge, 2001.

FEITOSA, A. Organização da informação na web: das tags à web semântica. Brasília:


Thesaurus Editora, 2006.

FRAGOSO, S. “Quem procura, acha? O impacto dos buscadores sobre o modelo


distributivo da world wide web”. In: XVI Encontro Anual Compos, 2007, Curitiba. Anais do
XVI Encontro Anual da Compós, Curitiba, 2007. Disponível em: http://www.compos.org.
br/data/biblioteca_177.pdf. Acesso em 19/08/2007.

255
G�Y, M.; TONKIN, E. “Folksonomies: tidying up tags?” D-Lib Magazine, v.12,
n.1. Disponível em: http://www.dlib.org/dlib/january06/guy/01guy/html. Acesso em
19/08/2007.

MARLOW, C.; NAAMAN, M.; BOYD, D.; DAVIS, M. “Position Paper, Tagging, Taxonomy,
Flickr, Article, ToRead”. (2006). Disponível em: http://www.rawsugar.com/www2006/29.
pdf. Acesso em 19/08/2007.

MARTINS, B. C. “Cooperação e livre fluxo da informação: a influência da cultura hacker


na definição dos padrões da Comunicação Mediada por Computador”. In: Unirevista,
v.1, n.3, julho de 2006. Disponível em: http://www.unirevista.unisinos.br/index.
php?e=3&s=30&a=615. Acesso em 06/05/2007.

NOR�ZI, A. “Folksonomies: why do we need controlled vocabulary?” �n: Webology, v.4,


n.2, junho de 2007. Disponível em: http://www.webology.ir/2007/v4n2/editorial12.html.
Acesso em 19/08/2007.

O’RE�LLY, T. What is Web 2.0?. (2005). Disponível em: http://www.oreillynet.com/pub/a/


oreilly/tim/news/2005/09/30/what­is­web­20.html. Acesso em: 14/06/07.

PR�MO, A. “O aspecto relacional das interações na web 2.0”. Anais do XXIX Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação, Brasília, 2006.

RECUERO, R. “Weblogs, webrings e comunidades Virtuais”. (2003). Disponível em:


http://www.pontomidia.com.br/raquel/webrings.pdf. Acesso em 20/08/07.

SPITERI, L. “Controlled Vocabulary and Folksonomies”. (2006). Disponível em:


http://216.239.51.104/search?q=cache:eN1MjEgggA4J:www.termsciences.fr/IMG/pdf/
Folksonomies.pdf+louise+spiteri+folksonomies&hl=pt­BR&ct=clnk&cd=6&gl=br&client=fi
refox-a. Acesso em 22/08/07.

SPITERI, L. F. “Structure and form of folksonomy tags: the road to the public library
catalogue”. Webology, n.2, junho de 2007. Disponível em: http://www.webology.ir/2007/
v4n2/a41.html. Acesso em 22/08/07;

X�, Z.; F�, Y.; MAO, J.; S�, D. « Towards the semantic web: collaborative tag suggestions”.
(2006). Disponível em: http://www.rawsugar.com/www2006/13.pdf. Acesso em 22/08/07.

256
Fernando Firmino da Silva

Moblogs e microblogs:
jornalismo e mobilidade

O contexto ubíquo e pervasivo das tecnologias móveis digitais na


cultura contemporânea tem desencadeado uma série de fenômenos e
práticas de sociabilidade e de comunicação. As cenas típicas do uso
de dispositivos móveis com conexões sem fio nos espaços públicos de
países como Japão, Coréia do Sul, Finlândia, Estados Unidos, Brasil e
os da Europa já se incorporaram ao cotidiano desses lugares. São prá­
ticas que se inserem no âmbito da mobilidade a partir do uso do artifício
da comunicação móvel através de mensagens MMS e SMS,1 gerando
algumas práticas como smart mobs, flash mobs2 e mídias locativas.3
Dentro desse conjunto de novos fenômenos, estão os moblogs (a
junção das palavras “móvel” e “blog”), que são blogs atualizados por
meio do uso de tecnologias móveis digitais como celulares e smart­
phones de qualquer lugar e em interface com o espaço urbano. Para
isso, utiliza­se, principalmente, do envio de mensagens MMS, que per­
mite o anexo de fotos, vídeos e áudio, além do próprio texto. O uso
de dispositivos portáteis potencializa a mobilidade e a instantaneidade
1 MMS (mensagens multimídia) e SMS (mensagens curtas).
2 Smart mobs (mobilizações inteligentes) e flash mobs (manifestações-relâmpago).
3 Lemos (2007a:1) define mídia locativa como “um conjunto de tecnologias [refere-se diretamente às
móveis digitais] e processos info-comunicacionais cujo conteúdo informacional vincula-se a um lugar
específico. [...] As mídias locativas são dispositivos informacionais cujo conteúdo da informação está
diretamente ligado a uma localidade”.

257
das postagens gerando um vínculo em “tempo real” com as redes
telemáticas.
Portanto, percebe-se que essa modalidade de blog, pelas carac-
terísticas apresentadas, enquadra-se num perfil adequado para o uso
jornalístico, que exige, mais que qualquer outra prática, o caráter do
imediatismo e da atualização contínua em situações de cobertura de
um evento (crises, acidentes, conflitos) em que está em jogo a compe-
tição pelo tempo real entre diversas mídias.
Entende­se aqui por blog os diários pessoais que surgiram na
rede caracterizados pela atualização cronológica (similar aos diários,
alguns íntimos) com narração de fatos cotidianos e pessoais de jovens
internautas. Os blogs evoluíram para plataformas mais sofisticadas e
diversificadas de usos para difusão de informações, de notícias, de
opiniões, constituindo­se em verdadeiras redes sociais e jornalísticas
de comunicação no ciberespaço.
Este artigo pretende explorar essas novas condições que os blogs
apresentam para o jornalismo do ponto de vista de mobilidade e de
plataforma tomando­se como objetos o moblog e o microblog. As co­
nexões sem fio disponíveis (Blutooth, Wi-Fi, Wimax, GPRS4 e de ter­
ceira geração), as tecnologias móveis digitais de diversas naturezas,
como celulares, smartphones, PDAs, câmeras digitais e outros dis-
positivos portáteis apresentam uma reconfiguração da relação mobili-
dade+jornalismo5 nunca antes experimentada nas características e
4 Bluetooth, Wi-Fi e Wimax e GPRS são padrões de conexão sem fio utilizados principalmente para
conectar equipamentos móveis à internet.
5 No jornalismo, sempre foi utilizado algum tipo de tecnologia móvel ou tecnologia sem fio, como o
telégrafo, o gravador analógico, o microfone, as câmeras fotográficas e de vídeo. Entretanto, deve-
se ater ao termo “tecnologia móvel digital”. O uso do termo “digital” ajuda a entender de que tipo de
tecnologia está se tratando no momento. Esse qualificativo define com mais precisão o contexto do
aparato de dispositivos portáteis. O processo de digitalização das tecnologias móveis do tipo câme­
ras e gravadores digitais, celulares, palmtops e smartphones muda a natureza da relação que se
estabelece devido às novas potencialidades oferecidas. Aplicado ao jornalismo, esses dispositivos
digitais vão se caracterizar pela facilidade de produção, distribuição e instantaneidade, propiciando
a condição de mobilidade em todas as etapas produtivas. Um material em formato digital pode ser
enviado instantaneamente para distribuição em redes telemáticas, enquanto que o formato ana­
lógico passa por outros processos de decodificação e edição até a distribuição final. Identifica-se
também a presença da convergência tecnológica com um único dispositivo concentrando uma mul­
tiplicidade de funções e diminuindo, conseqüentemente, a quantidade de equipamentos a carre­

258
nas dimensões expostas atualmente nos blogs móveis.
No nosso entender, os moblogs parecem ser a porta de entrada
para novas experiências no campo do jornalismo em relação ao
uso de plataformas portáteis, dada a especificidade que Castells et
al (2006:127) colocam de que “os dispositivos móveis são pessoais,
portáteis e pode-se caminhar com eles”.6 O repórter necessita de
ferramentas que facilitem o seu deslocamento urbano de forma rápida
e prática durante o desenvolvimento de suas atividades de apuração,
reportagem, edição e publicação.
No entanto, essa visão não seria, necessariamente, a de um
repórter cyborg com um aparato tecnológico preso ao corpo, que
vai sacando cada equipamento nas situações que surgem no seu
trabalho. Com a crescente portabilidade e a convergência multimídia
que concentra num único dispositivo, diversas funções, a exemplo
do celular, cada vez mais se precisa de menos para se fazer mais
com esses aparelhos híbridos e ubíquos que disparam múltiplas
operações, como atesta Lemos (2007b) no artigo “Comunicação
e práticas sociais no espaço urbano” quando apresenta a noção de
hibridismo que os celulares adquiriram.

Pensar o celular como um “Dispositivo Híbrido Móvel de


Conexão Multirrede” (DHMCM) ajuda a expandir a com-
preensão material do aparelho e tirá-lo de uma analogia
simplória com o telefone. A denominação de DHMCM
permite defini-lo melhor e com mais precisão. O que cha-
mamos de telefone celular é um Dispositivo (um artefato,
uma tecnologia de comunicação); Híbrido, já que congrega
funções de telefone, computador, máquina fotográfica,
câmera de vídeo, processador de texto, GPS, entre ou-
tras; Móvel, isto é, portátil e conectado em mobilidade
gar. Esses dispositivos podem estar sempre on­line enquanto os analógicos, off­line. O jornalismo
sempre buscou essas condições, só agora plenamente estruturadas, principalmente para narrar a
partir do local do acontecimento situações de guerra, de conflitos, acidentes, de esportes ou para a
produção de matérias factuais.
6 Tradução do Autor: “los aparatos móviles son personales, portátiles, y se puede caminar” con ellos”
(Castells et al, 2006:127).

259
funcionando por redes sem fio digitais, ou seja, de Co­
nexão; e Multirredes, já que pode empregar diversas
redes, como: Bluetooth e infravermelho, para conexões
de curto alcance entre outros dispositivos; celular, para
as diversas possibilidades de troca de informações; in­
ternet (Wi-fi ou Wi-max) e redes de satélites para uso
como dispositivos GPS (Lemos, 2007b).7

A oferta de conexões sem fio8 também torna o acesso ao ciberes­


paço pelos dispositivos móveis sempre on-line e modifica a experiência
em relação ao desktop devido à portabilidade proporcionada e o uso
da própria web como uma plataforma9 para a produção (Cobo Ro-
maní; Pardo Kuklinski, 2007). Portanto, com essa estrutura de tecno-
logias móveis e conexões wireless tem­se o que denomino de “am­
biente móvel de produção” (Silva, 2007a, 2007b), que se vincula
diretamente ao moblog jornalístico ampliando as condições de mo­
bilidade do trabalho em campo. Esse referido ambiente refere-se aqui
à potencialização do uso de dispositivos portáteis, conexões sem fio
para a produção de forma remota, diretamente do local do evento.
O acesso ao ciberespaço favorece as etapas do processo jorna­
lístico – pauta, reportagem e edição ­ mantendo a interface com o espaço
urbano na navegação pelas redes telemáticas de alta velocidade. To­
davia, os moblogs e os microblogs, como blogs atualizados por meio
de aparelhos portáteis digitais, vem se beneficiando dessa estrutura
com experiências de produção e difusão de conteúdo apontando para
7 Disponível em: http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/DHMCM.pdf
8 A estrutura de conexões sem fio disponível está crescendo rapidamente no Brasil e no mundo. Os
chamados hostpots (pontos de acesso) não são mais restritos aos aeroportos e shoppings. Em Sal­
vador, por exemplo, o Grupo de Pesquisa em Cibercidades – GPC da UFBA desenvolve desde julho
de 2007 uma pesquisa inédita no país de mapeamento dos hotspots da cidade através do projeto
WI-FI Salvador [http://www.wifisalvador.facom.ufba.br] via Google Maps. Por outro lado, os celulares
banda larga com tecnologia de terceira geração (3G) ampliam essa cobertura geográfica por oferecer
conexão em alta velocidade através das operadoras de telefonia celular.
9 A tendência atual é a migração das aplicações web para a internet móvel como uma plataforma
diferenciada. Além do acesso a e­mail a partir de celulares, outros serviços começam a ser adaptados
para o acesso móvel visando à produção como o Google Docs. A TV digital, que começou a operar
oficialmente no Brasil em 2 de dezembro de 2007, também pode ser assistida por meio aparelhos
móveis. Isso dimensiona a importância do celular como um computador e como uma plataforma.

260
o desencadeamento do processo de produção jornalística do próprio
mainstream media.
A experiência da agência de notícias Reuters com o projeto de
jornalismo móvel10 é um fato concreto das potencialidades do uso de
tecnologias móveis que devem adentrar os meios de comunicação de
massa e a blogosfera. Em outubro de 2007, a Reuters, em parceria com
a fabricante finlandesa de celulares Nokia, construiu um protótipo, um
kit de ferramentas para o repórter móvel que permite editar e publicar
textos, áudio, imagens e vídeo a partir do celular. Este kit se constitui
de um celular Nokia N95,11 um teclado externo bluetooth da Nokia, um
microfone direcional da Sony para reduzir o ruído e captar melhor o
áudio, e um tripé para gravação de entrevistas em vídeo.

Figura 1:kit de ferramentas que faz parte do projeto de jornalismo móvel da


agência Reuters (reprodução)

Esse protótipo seria uma evolução ao que John Pavlik (2001)

10 http://www.reutersmojo.com
11 As especificações técnicas do Nokia N95 incluem uma câmera embutida de 5 megapixels com
qualidade de gravação de vídeo similar ao do DVD, um HD de 8 gigabytes para armazenamento
de dados, geolocalização via GPS (Sistema de Posicionamento Global), editores de fotos e vídeos.

261
apresentou no livro Journalism and New Media como estação de tra­
balho do jornalista móvel em desenvolvimento na Universidade de Co-
lumbia e definido como um “sistema integrado de apuração e de pro-
dução da notícia para o repórter em campo” (Pavlik, 2001:49).12 Na
apresentação de três cenários para o uso da estação de trabalho do
jornalista móvel (reportagem política, reportagem internacional e co­
bertura de convenção), Pavlik formula uma questão instigante: “Isto é
um cenário de ficção ou realidade jornalística?”.13 Sete anos depois,
percebe­se que, não somente é uma realidade jornalística (a Reuters
é exemplo disso) como, a partir da sofisticação das tecnologias mó-
veis digitais e as conexões sem fio, o jornalismo caminha para o uso
intensivo desses dispositivos integrados à produção jornalística. Os
repórteres cidadãos, ou seja, usuários que também se tornam pro­
dutores de notícias enviando fotos, vídeos e textos para publicação
(Bruns, 2005; Brambilla, 2006) já vêm praticando isso há um tempo
com o importante papel de relatar situações que fogem da cobertura
da mídia.
Para o âmbito do mainstream media, evidenciam­se algumas
questões, como a qualidade final da notícia instantânea e a pressão
sobre o repórter com um deadline permanente, o domínio de diversas
ferramentas ou funções que devem ser levados em consideração na
análise dessa nova natureza do jornalismo em que as rotinas produtivas
se dimensionam. Por isso, há a necessidade de se explorar esse insti-
gante universo discorrendo sobre as implicações e potencialização do
moblog e do microblog a partir do uso de dispositivos móveis e sem
fio procurando entender como o jornalismo se posiciona nesse ambi-
12 Tradução do Autor: “integrated system of news gathering and production for the reporter in the
field” (Pavlik, 2001:49).
13 Em 2001, não se tinha ainda o iPhone com sua tela sensível ao toque e uma interface inovadora;
não existia o iPod com a experiência ampliada de ouvir música em mobilidade; os celulares ainda não
traziam embutidos câmeras de vídeo e de fotos e eram pouco navegáveis na internet se limitando ao
sistema Wap; os smartphones não concentravam como hoje as funções de telefone e computador de
mão; as conexões sem fio não se apresentavam tão sofisticadas e tão amplas em termos de cober­
tura como atualmente (Bluetooth, Wi-Fi, GPRS, 3G). Isso demonstra que, num pequeno intervalo de
tempo, a tecnologia digital evoluiu muito rapidamente, justificando, em parte, a questão de Pavlik.

262
ente na perspectiva de produção e difusão da notícia no séc. XXI em
situação de mobilidade.

Moblog. Seria um blog 2.0?

O moblog pode ser compreendido como um avanço em relação


ao blog tradicional. É uma espécie de blog 2.0, para fazer referência às
ferramentas avançadas da web 2.0. O componente mobilidade apre­
senta uma reconfiguração da experiência de blogar no jornalismo e
também na rede social de amigos que passa a interagir e conectar
o espaço físico com o ciberespaço. Portanto, busca-se um contato
permanente das relações através do uso dos artefatos digitais, princi­
palmente câmeras nos celulares, que possibilitam a diminuição dessas
fronteiras com a geração de imagens do espaço urbano. Essa imagens
instantâneas e, em alguns casos com teor jornalístico, estabelecem
uma nova conexão e o surgimento de novas práticas considerando que

A introdução de câmeras dentro de celulares tem gerado


novas práticas sociais. Por exemplo, quando os membros
de uma rede social não podem estar juntos fisicamente,
as imagens capturadas e compartilhadas em tempo real
através de celulares não somente podem fornecer uma
maneira original de compartilhar a experiência vivenciada
mas, igualmente, reforçam esta rede de amizade no
campo da vida real e da relação social. (Graham; Satchell;
Rouncefield, 2007:1).14

Quando essa relação se estreita com o jornalismo e amplia­se


além da captura de imagens, complexificando-se, abre-se espaço para
14 Tradução do Autor: “The introduction of cameras into mobile phones has brought about new
social practices. For example, when members of a social network cannot be together physically,
images captured and shared in real time via mobile phones not only can provide an authentic way to
share the experience, but also, ultimately, reinforce real life friendship network and social connected­
ness” (Graham; Satchell; Rouncefield, 2007:1).

263
a formulação de algumas questões a serem observadas como a com­
pressão do espaço­tempo, desaparecimento do deadline e uma outra
dimensão do uso do ciberespaço na navegação em dispositivos mó­
veis on­line (Sousa e Silva, 2006). Essas circunstâncias fazem parte
da circularidade do fenômeno da cibercultura com sua abrangência
em termos de penetrabilidade caracterizada pela ubiqüidade que as
tecnologias digitais representam na cena contemporânea com modifi-
cação da noção de espaço­tempo.
Nesse contexto, o moblog, que surgiu em janeiro de 2001
(Goggin, 2006), se caracteriza como uma modalidade ideal de blogs
para fins jornalísticos por apresentar a especificidade de atualização
a partir de qualquer lugar, utilizando­se de uma gama de dispositivos
portáteis com conexão à internet via wi-fi ou GPRS, por exemplo, para
produção e upload de textos, áudio, vídeo, fotos. Notebooks, palmtops,
smartphones e celulares se constituem como tecnologias com essa
finalidade. Os dois últimos, mais ainda, por expandir a condição de ubi-
qüidade caracterizada pela portabilidade e pelos recursos disponíveis
nos aparelhos como editores de texto, câmera digital para fotos, áudio
e vídeo, acesso à web, e-mail e conexão GPRS ou de terceira geração
para produção15 e envio do conteúdo produzido via MMS.
No tocante às experiências que usam essa estrutura disponível
para o exercício da prática jornalística em mobilidade, têm surgido pro­
jetos em diversos lugares como: na África, com o Voices of África,16
em que repórteres de Gana, Quênia, Moçambique e África do Sul pro-
duzem e enviam textos, imagens e vídeos para o Africa News através
celulares Nokia E61 equipados com GPRS; nos Estados Unidos, com
os repórteres do jornal News­Press17 produzindo suas matérias na rua
15 Este presente artigo, por exemplo, foi produzido a partir de um smartphone da Palm utilizando-se
o editor de texto embutido no aparelho e a navegação pela internet para pesquisa. Evidentemente,
que para a produção de textos em grande quantidade, há uma série de inconvenientes como as in­
terfaces dos aparelhos e o tamanho diminuto do teclado, mas pontua-se uma série de vantagens no
tocante à produtividade com a possibilidade de escrever e fazer pesquisas específicas de qualquer
lugar como na fila de um banco, numa parada de ônibus ou nos intervalos de aula. As tecnologias
da mobilidade ampliam a experiência para novos ambientes no deslocamento pelo espaço urbano.
16 http://www.africanews.com/site/list_messages/10175.
17 http://www.news-press.com/apps/pbcs.dll/frontpage.

264
e enviando do local do acontecimento, sem deslocamento até à re-
dação. Para isso, saem munidos de notebooks, celulares e gravadores
digitais com um trabalho dentro do conceito de jornalismo móvel; no
Brasil, o Jornal de Debates18 fez, em maio de 2007, uma cobertura
móvel da Festa Literária Internacional de Parati utilizando o celular
como plataforma de produção; em Recife, uma equipe de fotógrafos
e repórteres do Sistema Jornal do Commercio (TV, jornal e portal JC
Online) realizou a cobertura em tempo real do carnaval 2008 a partir
de um blog19 utilizando celulares Nokia N95 com banda larga 3G; o
blog do Globo Esporte20 tem realizado coberturas em tempo real em
ocasiões como os jogos da seleção brasileira e corridas de Fórmula
1 com postagens diretamente do local, identificando sempre o selo
“tempo real” .

Figura 2: O blog do Globo Esporte realiza cobertura em tempo real


diretamente do local do evento (reprodução).
Fonte: http://globoesporte.globo.com/ESP/0,,GEN685-6081,00.html.
18 http://www.jornaldedebates.ig.com.br.
19 http://jc.uol.com.br/blogs/blogcarnaval2008.
20 http://globoesporte.globo.com/ESP/0,,GEN685-6081,00.html.

265
As operadoras de telefonia celular como Tim, Claro e Vivo
também têm iniciativas relacionadas a moblogs e ambientes de com­
partilhamento de vídeos e fotos produzidos pelos usuários, como o
Vivo Moblog,21 definido como um diário multimídia móvel e que tem
mais de 200 mil pessoas cadastradas; a TIM criou o TIM Studio,22 em
que os usuários enviam pelo celular áudios, vídeos e imagens; e a
Claro apresenta o Claro VideoMaker,23 com a mesma idéia de envio
de vídeos. Essas experiências são todas oriundas dos moblogs e dos
fotologs.24
Desdobrando­se mais ainda essas iniciativas para o campo do
jornalismo, os blogs tornaram­se um fenômeno e uma plataforma para
jornalistas e empresas do mainstream media que os utilizam para
interagir de uma forma mais próxima dos internautas – devido às suas
características de circulação –, mais próprias e personalizadas das
notícias com agregação via RSS, Del.icio.us, espaço para comentários,
adição de vídeos e fotos e uma infinidade de novos serviços que são
constantemente adicionados para gerar uma interação mais intensiva
na blogosfera.
A interface entre espaço urbano, tecnologias móveis e ciberespaço,
identificadas na modalidade moblog, estabelece reconfigurações na
esfera da experiência ampliada de envio e acesso a mensagens e no­
tícias em condições de mobilidade. A atualização de um blog através
do uso de dispositivos móveis digitais provavelmente é diferente de
uma atuação diante de um desktop e abre espaço para novas ca­
racterizações desse gênero e a formulação de novas questões, prin­
cipalmente se for levado em consideração o uso no mainstream media.
Pode-se indagar: que aspectos das rotinas produtivas jornalísticas
contemporâneas se alteram com uma produção em mobilidade propor­

21 http://moblog.vivo.com.br/v1/default.aspx.
22 http://www.timstudio.com.br/home.
23 http://www.claroideias.com.br/portal/site/CIdeias/menuitem.1927e42abbf8aebb5d3e001064805
1a0/&idlocal=48.
24 Fotologs são blogs fotográficos com compartilhamento de imagens na internet.

266
cionada pelo moblog jornalístico? Como a convergência de funções (um
único profissional incorporando funções de produção de fotos, vídeos
e áudio, edição de textos) e a convergência multimidiática (um único
dispositivo incorporando câmara de foto e vídeo, gravador de áudio,
editor de textos, navegador de internet, acesso a e­mail, conexões sem
fio e GPS) potencializa a produção da notícia ou interfere nela? Den-
tro desse contexto, devem ser identificadas como conseqüências ou-
tras características que resultam do desaparecimento do deadline (a
conexão permite a condição do estar on­line, em tempo real o tempo
todo) e da compressão do espaço­tempo.
O uso intensivo de tecnologias móveis e da própria mobilidade
vinculado à conexão sem fio generalizada de fato diminui o tempo
para a execução de diversas tarefas antes centradas em um escritório
central. “[...] Os sistemas de conexão sem fio reduzem a busca e a
incerteza diminuindo o tempo exigido para que se obtenha o que se
necessita” (Mitchell, 2003:57).25 Pellanda (2006) enfatiza essas alte-
rações observadas no uso do moblog fora de um ambiente estático
caracterizado por um desktop em favor de dispositivos móveis com
acesso always on ao ciberespaço:

Não somente os conteúdos dos blogs passam a ser


alterados pela situação de acesso à internet em ambiente
móvel, mas toda a relação de conversação gerada pelos
posts e comentários. A questão espaço/tempo muda
quando há a possibilidade de inserção no ciberespaço
com o internauta presenciando o fato e não somente
fazendo uma narração posterior (Pellanda, 2006:212).

Por trás desse ambiente de crescimento dos moblogs e micro-


blogs que se observa atualmente, está, contextualmente, o acelerado

25 Tradução do Autor: “[...] wireless systems reduce search and uncertainty, and minimize the time
required to get what we need” (Mitchell, 2003:57).

267
desenvolvimento da microeletrônica com a minituarização dos com­
ponentes a partir da década de 1970 (Castells, 1999), o que vai de­
sencadear na portabilidade das tecnologias móveis digitais de co­
municação na década de 1990 e início do séc. XXI (Castells, Fernández-
Andèvol, Qiu e Sey, 2006).
Lemos (2004) situa esse desenvolvimento em três fases: a pri­
meira, na década de 1970, com o computador pessoal (PC); a segunda,
nas décadas de 1980­1990 com o “computador coletivo (CC); e, no séc.
XXI, “computadores coletivos móveis” (CCM), proporcionados pelas
tecnologias como laptop, palms e, principalmente, celulares e smart­
phones voltados para a mobilidade e a conexão dentro de um cenário
de computação ubíqua. O termo “computação ubíqua” ou “ubicomp”
surgiu em 1991 com Mark Weiser para designar o aspecto de onipre-
sença dessas tecnologias nas quais “o computador desaparece nos
objetos”. Esse aspecto relaciona­se ao conjunto de ferramentas que
invade o dia­a­dia das pessoas de forma quase imperceptível, de
tão natural que se torna num processo de convergência como o dos
aparelhos, o que está bem caracterizado no iPhone com sua tela táctil,
interface amigável e um conjunto de funções como PC, TV, rádio, câ-
mara, telefone, web.
Para Salaverría (2007), a convergência tecnológica, num sentido
mais amplo, se verifica no campo da comunicação no âmbito da pro-
dução, da difusão e recepção, empresarial e profissional. Fonseca e
Sousa (2006)26 enfatizam que “além da sobreposição/supressão de
funções, a busca da instantaneidade e a convergência para um pa­
drão multimídia [presente nas empresas de comunicação com carac-
terísticas de cross mídia27] são fortes implicações da compressão do
tempo nas rotinas produtivas do jornalismo industrial”, com os re­
pórteres assumindo outras funções.

26 Disponível em: http://www.intexto.ufrgs.br/n15/a-n15a13.htm. Acesso em 18/08/2007.


27 “Cross mídia” é um conceito utilizado para definir a prática do jornalismo a partir do cruzamento
de várias mídias. Num sentido prático, o repórter que trabalha dentro desta perspectiva pode produ­
zir conteúdo para diversas mídias como web, rádio, mídia impressa, televisão.

268
Microblog – outra face dos blogs móveis

Uma outra variável dos moblogs é o microblog, que vem sendo


adotado por grandes grupos de comunicação como BBC, Los Angeles
Times, The New York Times, IG, CNN, The Guardian e por uma infini-
dade de internautas. Enquanto os atentados do 11 de Setembro e a
Guerra do Iraque potencializaram os blogs, o incêndio na Califórnia
em 2007 e as eleições presidenciais americanas em 2008 fizeram ex-
plodir a audiência dos microblogs como Jaiku28 (do Google), Twitter29 e
Pownce,30 que vem sendo tratados como ferramenta jornalística.
O microblog, que surgiu em março de 2006, pode ser atualizado
de várias maneiras, principalmente através do envio de mensagens
do celular e de mensageiros instantâneos como o MSN e Google Talk.
A principal característica desse formato de blog é o espaço limitado a
140 caracteres para o envio de texto e, talvez por isso, foi rapidamente
incorporado pelo mainstream media como mecanismo jornalístico.
Com links, notas curtas e atualizações contínuas, prende a aten­
ção do internauta para as reportagens de maior fôlego e contextualiza­
das que serão exploradas nas edições on­line ou impressas. Essas pe­
quenas “pílulas” de notícias curtas vão construindo um nó de informações
que pode desencadear na expectativa para a leitura das matérias
jornalísticas mais aprofundadas sobre o tema em foco do dia. Por isso,
talvez, se deva a adoção rápida dos microblogs por jornais on­line con­
sagrados, como The New York Times e BBC, que perceberam que
surgia um novo fenômeno na internet com características apropriadas
para “chamadas” de suas notícias principais. No caso dos incêndios
na Califórnia, o mainstream media utilizou seus jornalistas e repórteres
cidadãos para enviar notícias curtas direto das regiões atingidas (cer­
cadas por mansões de famosos de Hollywood), acompanhando e nar-
rando de forma imediata os fatos presenciados. Na Espanha, o El País
28 http://www.jaiku.com.
29 http://twitter.com.
30 http://www.pownce.com.

269
criou o Micrografias,³¹ uma categoria de microblog fotográfico, mas
que parte da mesma idéia. O Micrografias é atualizado a partir de um
telefone celular com fotografias do cotidiano, do espaço urbano. O jor-
nalista Javier Castañeda utiliza uma câmara VGA (Sony­Ericsson T610
e K320i). As imagens são postadas sem tratamento, sem edição e os
internautas podem fazer comentários.

Figura 3: blog Micrografias do El País.com com atualização através de


telefone móvel (reprodução)

Esse fenômeno dos microblogs segue os mesmos princípios do


moblog de atualização em mobilidade e do aspecto da conectividade
(Mitchell, 2003; Lemos, 2004; Castells, Fernández-Andèvol, Qiu e
Sey, 2006) permitidos pelo aparato de tecnologias móveis digitais em
poder de jornalistas e repórteres cidadãos espalhados pelo mundo. “A
conectividade se tornou uma característica definidora da nossa con-
dição urbana no século XXI” (Mitchell, 2003:11).³² Olhando a partir
31 http://blogs.elpais.com/micrografias.

270
dessa perspectiva de conexão sempre on­line com o ciberespaço, a
produção jornalística contemporânea (incluindo­se principalmente o
jornalismo cidadão) tem à disposição um cenário formatado para o de-
senvolvimento da narração em condições de mobilidade e em tempo
real. Esse “ambiente móvel de produção” reestrutura o campo do jor­
nalismo no tocante à produção e difusão de informação, permitindo,
mais do que nunca, a instauração da instantaneidade da notícia devido
à conectividade dos dispositivos móveis digitais. Nesse sentido, Pellan-
da vai considerar que com

a crescente popularização principalmente de aparelhos


celulares (telemóveis) e também palmtops e outros mo­
delos de aparatos portáteis para informações, blogs pas­
sam a ser narrados em tempo real e no espaço físico
onde acontecem as interações sociais (2006:200).

Os microblogs, por exemplo, quando surgiram pareciam algo


banal, fútil, uma simples extensão das mensagens de texto de celulares.
Mas, com os desafios de cobertura dos incêndios da Califórnia e das
eleições americanas, percebeu­se que são mais uma ferramenta
poderosa para o jornalismo na cobertura de situações como acidentes,
guerras e crises.

Considerações finais

A idéia defendida aqui é de que se tem nos microblogs e nos


moblogs a possibilidade de redefinição da relação jornalismo, mobi-
lidade e rotinas produtivas pelas novas configurações que as tec-
nologias móveis digitais e as conexões sem fio incorporam à produção.
32 Tradução do Autor: “Connectivity had become the defining characteristic of our twenty-first-centu­
ry urban condition” (Mitchell, 2003:11).

271
Entende­se que essas modalidades de blog geram uma nova relação
com os leitores/internautas, pois estes também realizam, muitas vezes,
navegação pelas notícias por meio de telefones móveis em movimento,
em deslocamento pelo espaço urbano. Logo, essa audiência é mais
sensível aos aspectos da atualização contínua e instantânea. A ques­
tão da mobilidade e da conexão sem fio se apresenta como um ponto
central nessa perspectiva e deve ser levada em consideração no pro­
cesso de produção.
Diante da observação dessas características, tornou­se comum
no jornalismo digital o selo “em tempo real”, inserido em blogs e sites
noticiosos visando à caracterização de um jornalismo mais dinâmico do
ponto de vista da produção e da difusão. Portanto, parece factível que
os moblogs e microblogs, em combinação com as tecnologias móveis
digitais, representem movimentos indicativos de novos formatos para
o jornalismo, tanto em relação à demanda na produção quanto na di-
fusão e na recepção de conteúdo; e essa exigência pelo imediatismo
reflete-se, conseqüentemente, nas funções jornalísticas, no deadline e
na relação tempo­espaço. As organizações jornalísticas também não
são imunes às transformações. Pelo contrário, elas precisam integrar a
produção e os canais de difusão de conteúdo gerados pelos repórteres
em campo que alimentam os moblogs e a produção geral.
As configurações da sociedade contemporânea, via expansão da
cibercultura, ensejam novos movimentos na interação entre espaço ur­
bano e ciberespaço. Para o campo do jornalismo, os pesquisadores
devem lançar olhares atentos para a identificação das conseqüências e
das potencialidades inerentes ao processo da mobilidade e da adoção
intensiva de tecnologias móveis e conexões sem fio que permitem um
vínculo mais forte com as redes digitais. A blogosfera se revela como
uma das catalisadoras dessas condições através dos moblogs e dos
microblogs. Esses blogs móveis operacionalizam atividades relaciona­
das à condição da mobilidade, que sempre foi almejada pelo jornalismo

272
na sua busca incessante pela notícia instantânea, em tempo real, do
noticiar primeiro. Durante os períodos de crises e de emergências, o
frenesi de uma cobertura com essas características ganha mais rele-
vância na disputa pela audiência alimentada pelo próprio anseio do
imediatismo do público.

Referências

BRAMBILLA, A. M. “Jornalismo open source: discussão e experimentação do OhmyNews


International”. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. PPGCOM. Dissertação de
Mestrado, 2006.

BRUNS, A. Gatewatching: collaborative online news production. New York-Washington:


Peter Lang, 2005.

CASTELLS, M.; ARDÈVOL, M. F.; QIU, J. L.; SEY, A. Comunicación móvil y sociedad.
Barcelona: Ariel e Fundação Telefônica, 2006.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e


cultura. 4ª edição. São Paulo: Paz e Terra, v.1, 1999.

COBO ROMANÍ, C.; PARDO KUKLINSKI, H. Planeta web 2.0: inteligencia colectiva
o medios fast food. Flacso México, Barcelo/México, 2007. Disponível em: http://www.
planetaweb2.net. Acesso em 15/10/2007.

FONSECA, V. P. da S.; SOUZA, P. H. R. de. “O pós-fordismo na produção jornalística”.


In: Intexto, ed. 15, 2006/2. Disponível em: http://www.intexto.ufrgs.br/n15/a-n15a13.htm.
Acesso em 18/08/2007.

GOGGIN, G. Cell phone culture: mobile technology in everyday life. New York: Routledge,
2006.

GRAHAM, C.; SATCHELL, C.; ROUNCEFIELD, M. “Sharing places, digital content and
lived life”. 2007. Disponível em: http://www.mediacityproject.com/shared-encounters/
papers/1_SharingPlaces.pdf. Acesso em 15/10/2007.

LEMOS, A. “Mídia locativa e territórios informacionais”. In: Carnet de Notes. Disponível


em: http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/locativa.pdf. 2007a. Acesso em
10/03/2007.

________. “Comunicação e práticas sociais no espaço urbano: as características dos


Dispositivos Híbridos Móveis de Conexão Multirredes (DHMCM)”. 2007b. Disponí-
vel em: http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/DHMCM.pdf. Acesso em
15/09/2007.

273
________. “Cibercultura e mobilidade: a era da conexão”. Revista eletrônica Razón y
palabra, n. 41, outubro-novembro de 2004. Disponível em: http://www.cem.itesm.mx/
dacs/publicaciones/logos/anteriores/n41/alemos.html. Acesso em 14/03/2006

MITCHELL, W. J. ME++: the cyborg self and the network city. Boston: MIT Press, 2003

PAVLIK, J. V. Journalism and new media. New York: Columbia University Press, 2001.

PELLANDA, E. C. “Weblogs de bolso: análise do impacto da mobilidade no cenário –


publicações instantâneas na web”. Revista Prisma, n.3, outubro de 2006. Disponível em:
http://prisma.cetac.up.pt/edicao_n3_outubro_de_2006/weblogs_de_bolso_analise_do_
im.html. Acesso em 15/10/2007.

________. “Desdobramentos dos ‘olhares’ móveis sobre o terrorismo em Londres:


como as vítimas viraram repórteres”. Revista E­Compós, Brasília, dezembro de 2005.
Disponível em: http://www.compos.com.br/e-compos. Acesso em 15/06/2006.

SALAVERRÍA, R. “El periodismo en la era digital: convergencia multimedia”. In: XXVIII


Encuentro Nacional de Facultades de Comunicación Social. Lima, setembro 2007.
Disponível em: http://www.apfacom.org/web-encuentro. Acesso em 09/10/2007.

SILVA, F. F. da. “Tecnologias móveis na produção jornalística: do circuito alternativo ao


mainstream”. In: V SBPJor (CD-ROM). Aracaju-SE/Brasil, 2007a .

________. “Uso de dispositivos portáteis na produção da notícia”. In: Jornalistas da Web.


Disponível em: http://www.jornalistasdaweb.com.br/index.php?pag=displayConteudo&id
ConteudoTipo=2&idConteudo=2241. Acesso em 20/08/2007b.

SOUSA E SILVA, A. “Do ciber ao híbrido: tecnologias móveis como interfaces de espaços
híbridos”. IN: ARAÚJO, D. C. (Org.). Imagem (ir) realidade: comunicação e cibermídia.
Porto Alegre: Sulina, 2006.

274
275
276
Henrique Antoun

Posfácio

Os blogs e seu além

O que dizer, à guisa de posfácio, após o amplo e intenso debate


desenvolvido sobre os blogs? De fato, nada sobrou para ser tematizado
e tudo que podia se dizer foi dito. É inegável, entretanto, que sempre
se quer dizer ainda alguma coisa quando a conversa resvala para os
blogs. Eles estão na ordem do dia dos debates sobre mídia e es­pa­
ço democrático. Para os colunistas e formadores de opinião da mí­
dia proprietária de massas, esse além que se acrescenta ao dito é
sem­­pre da ordem de ressaltar a irrelevância da internet como modo
de comunicação ou do blog como mídia: ali só se escreve para si pró­
prio ou para o falatório de um murcho grupinho de comunicadores
fra­­cas­sados. Por outro lado, os blogueiros invocam sem cessar os
efei­tos libertadores de uma blogosfera que estaria gerando um em­
ponderamento do público e revolucionando a comunicação massiva.
Pen­sar para além dessa dicotomia me parece uma tarefa a altura do
de­safio do pósfácio.
Se a discussão sobre a internet dos anos 1990 envolvia o debate
sobre o estatuto das comunidades virtuais – se eram comunidades
“por assim dizer” ou reais – e as transformações que o nascente es­

277
paço das páginas web traziam para essa realidade, a conversa a par­tir
do início do novo século gira em torno dos blogs e do segundo es­
tágio da web: uma rede totalmente democratizada e acessível para
os homens comuns publicarem seus conhecimentos e exprimirem sua
opi­nião. Há mesmo quem diga que a web 2.0 é o blog, e que o universo
www começou na Internet como “web logs”: páginas hipertextuais que
re­me­tiam aos sítios e seus conteúdos. Não fosse a emergência das
in­ter­faces de redes sociais e uma vaga sensação de engodo que nos
aco­mete, poderíamos nos entregar cegamente a essa interpretação.
Por um lado, chama a atenção que no blog haja certa fusão de
elementos fundamentais dos grupos de discussão com características
determinantes das páginas web. Os grupos de discussão que vão
emer­gir nos anos 1980, constituindo a rede usenet e a base das comu­
nidades virtuais então nascentes, se organizam em torno da partilha do
conhecimento sobre algum tópico ou tema. Essa maneira de se ordenar
torna as redes sociais visíveis e duradouras, contribuindo para o seu
crescimento e proliferação. Diferentes das instituições ou dos grupos,
as redes sociais fazem circular, através de seus canais, notícias, dicas,
interesses, no seio de uma comunidade que partilha certas atividades
e age coletivamente. O canal de uma rede social é formado pela in­
teração de seus membros. Em termos do conhecimento, uma grande
eco­nomia se faz quando os problemas da ação coletiva podem ser
re­solvidos de modo simples e econômico por alguma tecnologia de co­
mu­nicação. As redes sociais promovem comunidades de atividade ou
interesse, em vez dos grupos de opinião da imprensa ou das massas
de con­sumo da mídia irradiada.
Já as páginas web foram construídas a partir da necessidade de
se fazer de forma simples, fácil e dinâmica um documento virtual com
o material produzido de modo independente e disperso sobre certo
as­sunto. Tim-Berners Lee criou o universo das teias de comunicação
para au­tomatizar a confecção de documentos a partir do material es­­

278
palhado na rede. Desse modo, o endereço virtual do sítio atrairia e
or­­denaria textos, imagens, sons e vídeos disponibilizando um docu­
mento organizado informacionalmente. As páginas web fizeram da in­
ter­net um espaço hipermediatizado, gerando um local concentrador de
in­­formações sobre alguém, algo ou algum assunto. Esse espaço foi
apro­­priado pelos participantes das comunidades virtuais, criando os
sít­­ios das comunidades ou seus anexos, que disponibilizavam seus
di­­versos materiais.
Há quem considere o sítio Slashdot o antepassado dos blogs.
Nesse sítio, era proposta alguma discussão sobre tema ligado à tecno­
logia computacional, conectando alguns documentos com alguma no­
tícia atual para propor o debate. Ele era formado por programadores
envolvidos com o movimento ligado ao sistema operacional Linux e à
pro­gramação com fonte aberta à modificação pelos usuários. Embo­
ra o sítio tenha começado como uma ação entre uns poucos amigos
participantes do movimento open source, foi tendo sua leitura e parti­
cipação ampliada e obrigou seus criadores a inventarem modos de pos­
sibilitar essa expansão sem sacrificar seu caráter autônomo e informal.
Já havia, então, o material aberto para a discussão, o espaço para que
se fizessem os comentários, a enquete automatizada capaz de avaliar
o valor e o peso das opiniões na comunidade, o grupo dos produtores
e opinadores com valor acumulado para se tornarem moderadores
tem­porários dos materiais diariamente propostos, as páginas para que
os freqüentadores pudessem dar livre vazão a suas opiniões. Mas o
Slashdot não é um blog, do mesmo modo que os sítios da Amazon ou
do eBay tampouco o são.
Os blogs vão se tornar a principal maneira de se comunicar na
internet logo depois dos sítios e dos grupos de discussão enfrentarem
seu colapso comum no seio do processo da radicalização da guerra
em rede, a partir do recrudescimento do Zapatismo, por um lado, e
dos mo­vimentos globais de resistência iniciados em Seattle, por outro.

279
Era como se o atentado de 11 de Setembro impetrado pela Al Qaeda
revelasse um limite para a primeira internet – vislumbrado nas violentas
e intermináveis guerras verbais (flame wars), nos palhaços que falam
de tudo para aparecer, nos ególatras que acham que sabem mais do
que ninguém sobre algo, nos trogloditas (trolls) que gostam de ofender
e humilhar os participantes das discussões (característicos dos grupos
de discussão), ou nas desfigurações (defacements) dos sítios por seus
antipatizantes, nos ataques de negação de serviço (DDOS) aos sítios
tornados alvos, nas derrubadas e seqüestros de redes, computadores
e salas de bate papo (chat rooms) do universo www – e, ao mesmo tem­
po, apontasse a necessidade de ultrapassar esse limite com a trans­
formação de suas práticas. Pois, desde o início, a internet permitira aos
movimentos e às atividades sociais uma crescente emancipação em
fa­ce das instituições e das comunidades tradicionais, permitindo que
a informal fluidez do movimento social ganhasse força e duração por
meio dos processos interativos da comunicação distribuída em rede.
Mas os limites dessa expressão seriam apropriados pelas empresas
e Estados e voltados violentamente contra esses movimentos a partir
do final de 2001.
Desde os anos 1980 que os movimentos de advocacia social e a
geração das Organizações Não-Governamentais estavam fortemente
condicionados ao uso dos grupos de discussão e da utilização das BBS.
E foi a gestão de informação impulsionada por essas redes interativas
que fez da comunicação distribuída uma das principais armas na luta
contra os governos disciplinares e as megacorporações no período.
A eficácia da reunião da ação militar desmanteladora com o controle
total da distribuição da comunicação, que mantinha os governos disci­
plinares no bloco soviético, vai conhecer seu colapso funcional com a
entrada em cena da internet na comunicação globalizada. Por outro
lado, as guerras de informação dos estados e corporações contra as
redes dos movimentos sociais vão esbarrar na dinâmica transversal

280
dos grupos de discussão, que vão garantir a integridade dessas redes
nesse desigual embate.
Nos anos 1990, o poder integrador das páginas web e do uni­
verso www trouxeram para a comunicação distribuída a reunião dos
diferentes movimentos em ações coletivas, seja para empreender uma
luta comum, seja para construir uma atividade comum. A dinâmica da
distribuição das informações e dos debates desenvolvidos pelos gru­
pos de discussão se alia à gestão do conhecimento como um bem
comum de todos das páginas web e sítios virtuais. A paixão dispersiva
das opiniões e ideologias e a paixão concentradora do consumo e dos
gostos encontram sua remediação na mídia interativa de comunicação
distribuída. Nasce a guerra em rede (netwar), que permite aos movi­
mentos sociais enfrentar vantajosamente estados e corporações. O
movimento zapatista, nascido em 1994, será o principal exemplo desse
poder, e a principal escola de aprendizado para ONGs e movimentos
sociais.
Duas novas modalidades de ação emergiam com a guerra em
rede. A primeira nasce da reunião dos grupos de discussão com as
pá­gi­nas web, que vão trazer segurança para a comunicação anônima
entre parceiros na rede – pois os instrumentos interativos de busca
e en­quete da comunicação distribuída tornam o anonimato reputável.
Na medida em que me mantenho no âmbito da ação empreendida
pela rede, sei que posso confiar em meu desconhecido parceiro por
meio das informações que a rede me oferece automaticamente a seu
respeito, produzidas pelo histórico de sua participação e pelas en­que­
tes feitas com o resultado das interações passadas de outros mem­
bros da rede com ele. Esse tipo de informação impulsiona as orga­
niza­ções sem líder (leaderless) como forma privilegiada de ordem
nas comunidades virtuais. A segunda é a zoação, ou enxameamento
(swarm), e o movimento de afluência (swarming) como táticas de luta.
Por meio desse tipo de ação, posso transformar instantaneamente

281
qualquer lugar em uma praça de guerra. A rede, sobretudo a rede
sem fio, permite coordenar a reunião e a dispersão dos participantes
anônimos de uma ação distribuídos em pequenos agrupamentos.
Como previsto no projeto original da internet, era possível manter a
se­gurança, o anonimato e a integridade da comunicação entre alia­dos
em um processo de luta qualquer. O rosto eternamente encoberto do
subcomandante Marcos exprimia essas qualidades na rede zapatista,
fazendo dos seus comunicados a voz anônima do coletivo, pois o rosto
e a voz de Marcos eram os de qualquer um que pertencesse à rede.
Teria essa primeira web sucumbido ao seu sucesso? Pois foi
o su­cesso dessa primeira web quem gerou a marcha zapatista de
Chiapas à Cidade do México e o Fórum Social Mundial de Gênova
em 2001. O atentado de 11 de Setembro põe esse sucesso na contra­
mão, rachando a instável aliança desses movimentos com seus partici­
pantes e a opinião pública globalizada. Um exemplo significativo dessa
divisão pode ser visto por meio do colapso do tradicional grupo de
dis­cussão formado para organizar os congressos hackers da série
HOPE, em 2001/2002, sob o impacto dos efeitos do atentado. Até o
con­gresso de 2000, a lista de discussão capitaneada pelo grupo 2600
man­tinha uma coesão em suas posições; mas, após o atentado, o gru­
po rachou e os hackers a favor de cooperar com a guerra e com os
EUA contra os fanáticos e comunistas vão se chocar violentamente
com os libertários anárquicos e vegetarianos indies contrários à guerra
e ao governo Bush. A lista naufragou em meio ao ódio, racismo e in­
tolerância generalizados. Para o congresso dos hackers de 2004, um
blog substituiu a tradicional lista de discussão, abrigando um fórum de
debates. Após o atentado, os grupos foram submersos pela avalanche
de palhaços, ególatras e trogloditas e as páginas web sucumbiram aos
desfiguradores e invasores. Isso, acrescido aos spams, decreta a mor­
te da web 1.0, abrindo espaço para a nova web e seus filtros eficientes,
mineração de dados miraculosa e redes sociais promissoras.

282
O movimento da web 2.0 começa em 2000 no blog do Cluetrain
Manifest, em que publicitários, marketeiros e empreendedores pensam
a internet como um lugar capaz de revolucionar a publicidade, o mar­
keting e os negócios desgastados com a violência e estupidez da mídia
proprietária de massas e seu modelo invasivo e esmagador. A internet
devia ser como o blog: uma plataforma em que programas open source
tornariam o conhecimento de programação desnecessário e tornariam
o usuário um produtor e cooperador das empresas. Na nova web, a
pu­blicidade encontraria a nova voz dos grupos da cultura da mídia, que
transformariam a publicidade em uma honesta recomendação crítica
dos usuários. Os usuários se transformariam em sócios das empresas
por meio de sua cooperação interessada na mesma medida em que as
empresas reconhecessem seu valor e garantissem sua livre expressão
e participação. A cooperação, a colaboração e a livre expressão seriam
os instrumentos desta nova web que uniria empresários e usuários por
meio da livre comunicação.
Em 2003, essa nova web mostra seu poder político auxiliando os
movimentos contra a Guerra do Iraque a promoverem a primeira ma­
nifestação internacional descentralizada de massas através do blog
Move On. Pouco depois, ela mostra sua força novamente, arrecadan­
do através do blog Dean for America 40 milhões de dólares em con­
tribuições de 50 e 100 dólares para o candidato à indicação do partido
democrata Howard Dean. Independente de serem considerados os
es­paços de uma personalizada “escrita de si”, os blogs guardavam o
po­der organizador das páginas web reunido ao poder noticiador dos
grupos de discussão. E os códigos impulsionados pelos programas de
fonte aberta permitiam que novas aplicações fossem inventadas a partir
dos fluxos de comunicação de base produzidos pelos usuários. Se,
em 2003, o The New York Times vai celebrar a opinião pública global
como quarto poder por sua manifestação contra a guerra, em 2006, a
tradicional revista Times vai eleger o anônimo “você” como homem do

283
ano pela cooperação generalizada promovida por meio da nova web
entre usuários e empresas, com o YouTube sendo apresentado como
principal exemplo.
Uma coisa chama de imediato a atenção: os blogs já nascem com
filtros de palhaço, derrubadores de ego, pesquisadores de opinião,
con­troladores de spam e mineradores de dados – todos os antídotos
contra as mazelas da primeira web. Um sítio como o Digg pode surgir
como uma promissora empresa da Nova Economia, tendo todo o seu
tra­balho realizado pela interação entre os instrumentos de classificação
e enquete da interface e a produção dos blogs na web. Um trabalho
in­teiramente colaborativo, com a cooperação emergindo da conexão
dos blogueiros com as ferramentas da interface.
A revolta no Digg quando da divulgação da chave criptográfica das
mídias de alta definição revelou um estremecimento nessa imagem
idílica. Em uma nova versão das antigas revoltas de trabalhadores, os
“sócios,” que até então trabalhavam graciosamente para o empreen­
dimento bilionário, resolveram pôr de lado a cooperação e partiram
para a guerra, forçando a empresa a fazer várias reviravoltas até aco­
modar a situação. Era como se o espírito da velha web se insurgisse
e trouxesse de volta todo o conflito varrido para debaixo do flash,
com direito a hackers, protestos e revoltas. A web 2.0 sempre fora um
modo de exorcizar a revolução democrática despertada em Seattle. Os
protestos de então traziam a internet para as ruas, bradando contra o
modelo irradiativo da indústria, do comércio, da mídia e dos governos. O
atentado de 11 de Setembro autorizou o forte controle dos aeroportos,
que bloqueou o swarming, enquanto a brutal repressão policial aos
pro­testos e a institucionalização da tortura em Guantánamo fizeram a
mul­tidão refluir para a web javanizada.
Mas a nova aliança entre interfaces de redes sociais e blogs co­
me­ça a ensaiar sua revanche, conduzindo uma revolta de dimensões
planetárias que transformaram Obama em presidente dos EUA. A derro­

284
ta de Hillary para a indicação do Partido Democrata seguida da derrota
de McCain mostraram a viabilidade de construir uma candidatura fun­
dada no apoio dos eleitores. A internet já havia garantido a derrota do
conluio das elites católicas e da mídia proprietária de massas brasileira
nas eleições de 2006. McCain tentou usar a net como mídia de massas
comprando o topo do Google e do Digg, o que não funcionou. Assim
como não havia funcionado o conluio dos conservadores e tucanos no
Brasil despejando milhares de agentes na web para repetir suas pia­
das infames contra os adversários, além de orquestrar um uníssono
na mídia proprietária de massas afinado com seus interesses. Parece
que os velhos métodos de mesmerização e repetição ininterrupta não
funcionam tão bem na web. Lá como cá, as poucas vozes dissonantes
existentes puderam se fazer ouvir e soaram mais fortes que a dos en­
dinheirados. O capital social parece ter encontrado sua mídia na inter­
net para combater o capital monetário.
Do que os blogs serão capazes, ainda estamos por ver. Este livro
ajuda a compreender essa nova mídia investigando as transformações
que ela introduz nas mais diversas áreas de atuação.

285
286
Sobre os autores

Sobre as organizadoras
Adriana Amaral é doutora em Comunicação Social pela PUCRS (Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul), mestre e jornalista pela mesma
instituição. Fez Estágio de doutorado em Sociologia da Comunicação no
Boston College, Estados Unidos, com bolsa do CNPq (2004-2005), do qual
também é Consultora ad hoc. É professora e pesquisadora do Mestrado em
Comunicação e Linguagens da UTP (Universidade Tuiuti do Paraná). Autora
do livro Visões Perigosas: uma arque-genealogia do cyberpunk (Editora Sulina,
2006), Adriana também é sócia-fundadora e membro do Conselho Científico
Deliberativo da Associação Brasileira dos Pesquisadores em Cibercultura
(ABCiber), além de co-editora da Revista Interin (UTP) e parecerista de
diversos periódicos científicos. Seus interesses de pesquisa são: comunicação
e cibercultura, imaginário da ficção científica, cultura cyberpunk, plataformas
sociais de música online e apropriações e reconfigurações das tecnologias
pelas culturas juvenis . Seus temas de pesquisa encontram-se no blog http://
palavrasecoisas.blogspot.com. Contato: adriamaral@yahoo.com

Raquel Recuero Raquel Recuero é doutora em Comunicação e Informação


pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006), mestre pela mesma
instituição (2002) e jornalista pela Universidade Católica de Pelotas (1998).
Atualmente, é professora adjunta do Programa de Pós-Graduação em Letras
da Universidade Católica de Pelotas e pesquisadora vinculada ao CNPq,
além de vice-coordenadora do Grupo de Trabalho de Cibercultura da Compós
(Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação) e
membro da Association of Internet Researchers (AoIR). Seus interesses de
pesquisa focam principalmente redes sociais na Internet, comunidades virtuais
e jornalismo digital. Mantém o blog Social Media desde 2002, onde comenta as
questões relativas a seus interesses de pesquisa (http://www.pontomidia.com.
br/raquel). Contato: raquel@pontomidia.com.br.

287
Sandra Portella Montardo é doutora e mestre em Comunicação Social pela
PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul) e publicitária
pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Fez estágio de Doutorado
na Université René Descartes, Paris V, Sorbonne, com bolsa concedida pelo
CNPq. É consultora ad hoc do CNPq. Faz parte do corpo docente do Mestrado
Profissionalizante em Inclusão Social e Acessibilidade do Centro Universitário
Feevale e é professora do Curso de Comunicação Social da mesma instituição.
Atua também como pesquisadora dos Grupos de Pesquisa Comunicação e
Cultura e Informática na Educação, vinculados ao CNPq. É membro do Con-
selho Científico Deliberativo da Associação Brasileira de Pesquisadores em
Cibercultura (ABCiber), gestão 2007-2009. Escreve sobre publicidade on-line,
marketing digital e análise de redes sociais na web no blog Tekhnè (http://www.
tekhne.blogspot.com. Contato: sandramontardo@feevale.br.

Sobre os convidados
André Lemos é Ph.D. em Sociologia pela Paris V, Sorbonne (1995), Pós-
Doutorado pela University of Alberta e McGill University, Canadá (2007-2008),
Professor Associado da Faculdade de Comunicação da UFBa e Pesquisador 1
do CNPq. Autor de vários artigos e livros sobre cibercultura foi membro do júri
do prêmio Best of Blogs, da Deutsche Welle, Bonn, Alemanha e é membro do
conselho internacional do Prix Ars Electronica para Digital Communities e Board
do “Wi. Journal of Mobile Media” e “Canadian Journal of Communication”, Ca-
nadá. Blogueiro desde 2001, idéias, livros, artigos, projetos, podem ser vistos
em http://andrelemos.info.

Henrique Antoun é Professor Associado da ECO – UFRJ (1998), coordenador


do Grupo de Trabalho Comunicação e Cibercultura da COMPÓS (2007) –
Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Comunicação – e
Secretário Executivo da ABCiber (2007) – Associação Brasileira de Pesqui-
sadores em Cibercultura. Pesquisador do núcleo principal do PPGCOM da
UFRJ (2001), doutor em Comunicação da UFRJ (1993), mestre em Filosofia
da PUC-RIO (1989), bacharel em Design da UERJ (1977), tem um pós-
doutorado desenvolvido no McLuhan Program in Culture and Technology
(2006). Desenvolve pesquisa sobre as transformações da mediação social e
os problemas do governo democrático na cibercultura, com Bolsa de Produ-
tividade do CNPq (2007), no CIBERIDEA – Núcleo de Pesquisa em Tecnologia,
Cultura e Subjetividade.

288
Sobre os participantes
Adriana Andrade Braga é pós-doutora (PUCRS), doutora em Ciências da Co-
municação (Unisinos/RS) e graduada em Psicologia (FUMEC-MG). Atualmente,
é professora adjunta no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social
da PUC-RJ, onde desenvolve o projeto de pesquisa Interações Digitais. É
autora do livro Personas Materno-Eletrônicas: uma análise do blog Mothern
(Sulina, 2008), organizadora da coletânea CMC, Identidades e Género: teoria
e método, (Editora da UBI, Portugal, 2005) e vencedora do Harold Innis Award
2007 (Media Ecology Association/EUA) e do Prêmio Capes de Teses 2007.
Contato: adrianabraga1@yahoo.com.br.

Cláudio Penteado é doutor e mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Uni-


versidade Católica de São Paulo. Possui graduação em Ciências Sociais pela
Universidade de São Paulo e especialização em Comunicação Social pela Fa-
culdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Atualmente, é Professor Adjunto
da Universidade Federal do ABC. Tem experiência na área de Ciência Política,
atuando principalmente nos seguintes temas: mídia e política, marketing políti-
co, campanha eleitoral e democracia. Contato: claudiopenteado@bol.com.br.

Fernando Firmino da Silva é doutorando em Comunicação e Cultura Contem-


porânea na Universidade Federal da Bahia (UFBa). Tem mestrado em Ciência
da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e é jornalista
pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Atualmente, é professor titular
no Curso de Comunicação Social – Jornalismo da UEPB. É pesquisador do
Centro Internacional de Estudos e Pesquisa em Cibercultura da FACOM/
UFBa, nos Grupos de Pesquisa em Cibercidades e em Jornalismo On-line.
Sua tese de doutorado trata do uso das tecnologias móveis digitais, conexões
sem fio e da mobilidade no jornalismo. Edita o blog Jornalismo móvel (http://
jornalismomovel.blogspot.com). Contato: fernando.milanni@globo.com

Helaine Abreu Rosa é doutora em Comunicação Organizacional pela Ponti-


fícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e mestre em Admi-
nistração (UFRGS). É bacharel em Comunicação Social/Relações Públicas
pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e em Direito pela
Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atua como docente de graduação
e pós-graduação nas áreas de Comunicação Social e Gestão da Produção no
Centro Universitário Feevale, onde também é pesquisadora do Grupo Comu-
nicação e Cultura. Atua como professora convidada do Instituto Brasileiro de
Gestão e Negócios (IBGEN), ministrando aulas nos cursos de Pós-Graduação
em Comunicação Empresarial e Marketing. Contato: helainerosa@feevale.br.

289
Jan Schmit possui doutorado em Sociologia pela Bamberg University (Ale-
manha). Atualmente, é Pesquisador Senior em mídia interativa digital e comu-
nicação política no Instituto Hans-Bredow em Hamburgo. Seus interesses de
pesquisa incluem comunicação on-line em geral e a web 2.0 e os softwares
sociais em particular. Mais informações podem ser encontradas em seu blog,
disponível em http://www.schmidtmitdete.de.

Juliana Escobar é mestre em Tecnologias de Comunicação e Cultura pelo Pro-


grama de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual do Rio
de Janeiro (2007), com a dissertação Deu no post: blogs como nova categoria
de webjornalismo: um estudo de caso sobre o Blog do Noblat. É bacharel em
Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal de
Juiz de Fora (1999). Atua como Jornalista da Embrapa Informação Tecnológica
(SCT) desde maio de 2006. Áreas de interesse: internet, interatividade, demo-
cratização da comunicação, webjornalismo, jornalismo participativo e política.
Blog: http://julianaescobar.blog.terra.com.br. Contato: ju.lucia@terra.com.br.

Leonardo Feltrin Foletto é aluno do Mestrado em Jornalismo da Universidade


Federal de Santa Catarina (UFSC). É jornalista formado pela Universidade
Federal de Santa Maria (UFSM). Integra o grupo de pesquisa em Jornalismo
Digital da UFSM, liderado pela Prof.ª Dra. Luciana Mielniczuk, e o Laboratório
de Pesquisa Aplicada em Jornalismo Digital (Lapjor), liderado pelo Prof. Dr.
Elias Machado, seu orientador. Pesquisa sobre conceitos e tipologias de
weblogs jornalísticos na blogosfera brasileira. É blogueiro desde 2003. Atual-
mente, mantém os blogs http://subbcultcha.blogspot.com e http://cenabeatnik.
blogspot.com, este último focado em jornalismo musical. Contato: leofoletto@
hotmail.com.

Marcelo Burgos Pimentel dos Santos é doutorando em Ciências Sociais


pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Possui graduação e mes-
trado em Ciências Sociais pela mesma instituição. Atua como professor no
Centro Universitário Monte Serrat (Unimonte), em Santos-SP. Desde 2000,
é pesquisador do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política (NEAMP). Já
participou de diversas pesquisas e publicou trabalhos em Congressos e Sim-
pósios no Brasil sobre os seguintes temas: processo eleitoral, mídia, ação
política, jornalismo impresso e telejornal. Contato: marceloburgos@uol.com.br.

Marcelo Träsel é mestre em Comunicação e Informação pela Universidade


Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É jornalista formado pela mesma ins-
tituição. Atua como docente da disciplina de Comunicação Digital na Pontifícia
Universidade Católica do Rio Grande do Sul e como consultor em sistemas

290
de interação e redes sociais. Seu principal tema de pesquisa é a participação
do público no jornalismo on-line. Tem publicado artigos sobre fenômenos de
interação social mediada por computador em serviços de escrita coletiva e
na blogosfera. É um dos administradores da comunidade Insanus.org (www.
insanus.org), em que edita os blogs Martelada, Garfada, Conversas Furtadas
e colabora no blog Nova Corja. Contato: marcelo.trasel@pucrs.br.

Maria Clara Aquino é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em


Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS), instituição pela qual é mestre. É jornalista graduada pela Univer-
sidade Católica de Pelotas (UCPel). Seus temas atuais de pesquisa e de ar-
tigos publicados são o hipertexto e a memória na web e suas relações com
sistemas baseados, e folksonomia e ferramentas de busca. Escreve no blog
Outro Blog de Pesquisa (http://www.outroblogdepesquisa.wordpress.com).
Contato: mcjobst@uol.com.br.

Octavio Islas é jornalista, professor e diretor do Projeto Internet-Cátedra de


Comunicação Estratégica e Cibercultura do Instituto Tecnológico de Monterrey,
Campus Estado do México. É membro do Sistema Nacional de Investigadores
(SNI), Diretor da Associación Latinoamericana de Investigadores de la Comu-
nicación (ALAIC) e coordenador dos conselhos editoriais da Revista Mexicana
de Comunicación e Razón y Palabra. Blog: http://espacioblog.com/octavio-
islas. Contato: octavio.islas@itesm.mx.

Rafael de Paula Aguiar Araújo é pesquisador do Núcleo de Estudos em Arte,


Mídia e Política (NEAMP) do Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciên-
cias Sociais da PUC-SP, e está terminando o doutorado pela mesma institui-
ção. Possui graduação e mestrado em Ciências Sociais pela Pontifícia Univer-
sidade Católica de São Paulo. É professor da Escola de Sociologia e Política
de São Paulo e da Universidade de Mogi das Cruzes, além de trabalhar como
consultor. Tem experiência na área de Ciência Política e Sociologia, com ên-
fase em Teoria Política Moderna e Teoria da Mídia, atuando principalmente
nos seguintes temas: política, arte, mídia, comunicação e imagem. Contato:
rafa77@uol.com.br.

Rogério Christofoletti é doutor em Ciências da Comunicação (USP), mestre


em Lingüistica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e jorna-
lista pela mesma instituição. É professor e pesquisador da Universidade do
Vale do Itajaí (Univali), onde atua na graduação – no curso de Jornalismo – e
na Pós-graduação – no mestrado em Educação, do qual é vice-coordenador,
além de editor da revista Contrapontos. Atualmente, pesquisa em duas frentes:
ética jornalística e tecnologias na educação. É autor de dois livros (O discurso

291
da transição, ed. Univali, 2001, e Monitores de Mídia, ed. UFSC e Univali,
2003) e co-organizador de outros três títulos, além de duas dezenas de artigos
em periódicos do Brasil, Portugal, Peru, Equador e Colômbia. Desde maio de
2005, mantém o blog Monitorando (http://monitorando.wordpress.com). Conta-
to: rogerio.christofoletti@uol.com.br.

Rosa Meire Carvalho de Oliveira é jornalista (1986) e mestre em Comuni-


cação e Cultura Contemporâneas na UFBa (2002). Atualmente, é doutoranda
em Educação, Comunicação e Tecnologias na Faculdade de Educação da
UFBA. É autora de uma das primeiras pesquisas acadêmicas sobre blogs no
Brasil. Publicou, recentemente, capítulo no livro Avaliação da aprendizagem
em educação online, organizado pelos professores Marco Silva e Edméa
Santos (UERJ), e lançado em 2006 pela Edições Loyola/SP. Participa também
de coletânea resultante do V Congresso Internacional de Tecnologias de Infor-
mação na Educação (Challenges 2007), organizada pela Universidade do
Minho, em Portugal (no prelo). Escreve no blog Tanebits, (http://tanebits.zip.
net). Contato: rosameire8@uol.com.br.

Sobre o tradutor
Fábio Fernandes é jornalista e tradutor de vários livros, como A era das má-
quinas espirituais, de Ray Kurzweill, e a nova tradução de Neuromancer, de
William Gibson, lançada em 2008. Fábio é doutor em Comunicação e Semió-
tica pelo programa da PUCSP, professor e vice-coordenador do curso de
Tecnologias e Mídias Digitais da PUC-SP. É autor de A construção do imaginário
cyber: William Gibson criador da cibercultura (ed. Anhembi Morumbi, 2006)
e mantém o blog Pós-Estranho (http://www.verbeat.org/blogs/posestranho).
Contato: ffernandes1@uol.com.br

292
293