You are on page 1of 22

Instituto de Emprego e Formação Profissional de Ponte de Sor

Resíduos Nucleares

Professora: Rute Gordo

Disciplina: T.I.C.

Trabalho Elaborado, por:

Olinda Maria Carvalho


Índice

1. Introdução ............................................................................................................................ 3
2. Energia Nuclear .................................................................................................................. 4
2.1. Recurso Energético utilizado .................................................................................... 4
2.2. Principais Produtores e consumidores de Urânio ................................................. 5
2.3. Fissão Nuclear ............................................................................................................ 6
2.4. Funcionamento de centrais Nucleares ........................................................................ 7
2.5. Funcionamento de um reactor Nuclear: ...................................................................... 7
2.6. Tecnologia dos reactores nucleares .......................................................................... 10
2.7. Principais tipos de reactores: ...................................................................................... 11
2.8. Controlar os riscos de funcionamento de um reactor: ............................................ 12
2.9. As várias gerações de reactores nucleares ............................................................. 13
2.10. Resíduos Nucleares ................................................................................................... 14
2.11. Tipos de lixo nuclear: ................................................................................................. 14
2.12. Impacto Ambiental da energia Nuclear ................................................................... 15
2.13. Efeitos das radiações................................................................................................. 15
2.14. Protecção contra radiações ...................................................................................... 16
2.15. Energia Nuclear em Portugal.................................................................................... 17
2.16. Vantagens e Desvantagens da produção de Energia nuclear ............................ 19
3. Conclusão ............................................................................................................................. 21
4. Bibliografia............................................................................................................................. 22

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 2


1. Introdução

Desde que existe vida humana, que esta depende totalmente do meio
ambiente, e dos seus recursos. O Homem consome, e depende cada vez mais
dos bens materiais, é este elevado consumo que exige demasiado da
Natureza, e dos recursos que esta possui.

Actividades como, o desenvolvimento industrial, a expansão dos


transportes e o crescimento demográfico, não têm parado de aumentar, que
por sua vez causa o elevado aumento dos consumos mundiais, embora de
forma desigual, fazendo com que cada vez mais se recorra aos recursos
energéticos não renováveis e renováveis que nos fornecem energia.

O Homem, de hoje em dia, serve-se cada vez mais dos recursos não
renováveis, devido aos elevados custos e a pouca rentabilidade dos recursos
renováveis.

A energia Nuclear e a sua possibilidade de utilização, que possuí


elevados riscos, mas em contrapartida também possuí benefícios, faz com que
esta esteja a gerar variadas discussões a níveis internos e externos do país.
Esta é vista como uma possível fuga ao alto consumo, e dependência do
petróleo, mas como todas as outras energias teremos de fazer um balancete
dos seus prós e contras.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 3


2. Energia Nuclear

A energia nuclear está no núcleo dos átomos, nas forças que mantém
unidos os seus componentes – as partículas subatómicas. Esta é libertada sob a
forma de calor e energia electromagnética pelas reacções nucleares.

Esta energia provém do urânio, principalmente, mas também pode ser do


tório e do plutónio, se bem que nos principais casos e do urânio.

2.1. Recurso Energético utilizado

Existem dois tipos de recursos energéticos utilizados para produzir energia


nuclear, o urânio e o Tório, dois mineiros radioactivos, embora seja o urânio o
mais utilizado e conhecido, devido as reservas de urânio serem abundantes, o
que não se põe em causa o seu esgotamento a curto – médio prazo. O urânio é
utilizado como combustível nos reactores nucleares, sob a forma de óxido, de liga
metálica, ou ainda, de carboneto.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 4


Certos reactores utilizam o urânio natural, mas a grande maioria, como o
caso dos reactores moderados e arrefecidos com água normal, que equipam mais
de dois terços das centrais nucleares usam como combustível, o urânio
enriquecido.

O urânio é um elemento químico de símbolo U e de massa igual a 238 (92


protões e 146 neutrões). O urânio quando se encontra á temperatura ambiente
encontra-se no estado sólido, este foi o primeiro elemento onde se descobriu a
propriedade da radioactividade, foi descoberto em 1978.

A mais importante aplicação do urânio é a energética.

2.2. Principais Produtores e consumidores de Urânio

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 5


2.3. Fissão Nuclear

A fissão nuclear é o processo de quebra de núcleos atómicos grandes em


núcleos atómicos menores, libertando assim uma grande quantidade de energia.
Esta fissão nuclear ocorre através do bombardeamento do núcleo atómico pesado
e instável com neutrões, esta fissão raramente ocorre de forma espontânea na
natureza. Este processo, em reacção em cadeia, tem de ser realizado de forma
controlada em condições de segurança absoluta, pois caso contrário pode
provocar terríveis acidentes libertando altos níveis de radiactividade, este
processo deve ser realizado no reactor nuclear, que é uma peça fundamental
numa central nuclear.

O urânio – 235, por exemplo, ao ser bombardeado com neutrões, reparte-se


em dois núcleos atómicos mais pequenos.

Este processo realizado de forma sucessiva é denominado de reacção em


cadeia. Esta reacção em cadeia denominada de controlada, é o processo utilizado
num reactor nuclear.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 6


2.4. Funcionamento de centrais Nucleares

O grande objectivo das centrais nucleares é controlar as reacções nucleares


em cadeia de modo a que a energia seja libertada de forma gradual sob a forma
de calor. Tal como nas centrais que usam combustíveis fosseis, o calor é usado
para ferver água de modo a produzir vapor, que por sua vez irá fazer funcionar
uma turbina, conseguindo assim gerar energia eléctrica.

2.5. Funcionamento de um reactor Nuclear:

Combustível

Num reactor nuclear são combinados o combustível e o emprego de um


material moderador. Por norma, o urânio serve de combustível com o conteúdo de
3% de urânio – 235, quase sempre sobre a forma de dióxido de urânio, que
posteriormente é prensado em forma de grandes pastilhas que posteriormente
são introduzidos em grandes tubos, com vários metros de comprimento,
fabricados com ligas especiais.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 7


Tubos

Os tubos têm como função evitar que os produtos que resultam da


combustão do urânio, parte gasosos e altamente radioactivos, contaminem o
interior do reactor. Estes resíduos não podem chegar ao liquido refrigerante do
reactor, pois caso estes alcancem o líquido refrigerador e haja um fuga destes
mesmos líquidos irá haver um grave contaminação do ambiente

Material Moderador

O material moderador durante a reacção com o urânio – 235 liberta elevadas


quantidades de neutrões, este enorme fluxo chega ao moderador que rodeia os
módulos de combustível ou até que está misturado em parte com este, reduzindo-
o, e controlando a reacção.

Os moderadores líquidos têm uma função de grande importância, devido á


sua acção como meio refrigerante. Este tipo de moderadores não só absorvem a
energia térmica libertada pelo abrandamento dos neutrões, mas também arrefece
os módulos de combustível aquecidos durante a reacção.

Barras de controlo

As barras de controlo que são introduzidas no núcleo do reactor, compostas


de um material que absorve parte dos neutrões libertados durante a reacção em
cadeia. Ao retirar e ao introduzir estas barras de controlo consegue-se regular as
flutuações no desenvolvimento da reacção, e existe a possibilidade de se
conseguir que os módulos de combustível sejam utilizados de forma uniforme. A

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 8


principal, e sem duvida a mais importante função das barras de controlo é a de
fazer cessar as reacções nucleares em cadeia em caso de existência de perigo.

No núcleo do reactor nuclear estão presentes o combustível nuclear e as


barras de controlo

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 9


2.6. Tecnologia dos reactores nucleares

Os reactores nucleares servem, principalmente, para gerar elevadas


quantidades de energia térmica, por isso não são utilizados para a produção de
energia eléctrica. Visto que nem toda a energia térmica consegue ser
transformada em energia eléctrica, as centrais nucleares mais avançadas,
atingem um rendimento de apenas 35%. A restante energia térmica compõe-se
de calor residual que não é aproveitado para gerar vapor propulsor, e que é
condensado nas torres de refrigeração

Esquema de Funcionamento

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 10


2.7. Principais tipos de reactores:

 Existem três tipos de reactores nucleares:

Reactores de água Normal

Os reactores de água normal, que são os de uso mais frequente, funcionam


com urânio ligeiramente enriquecido e água normal, aqui funcionando como
moderador.

Reactores de altas temperaturas:

Os reactores de altas temperaturas são utilizados principalmente pelo Reino


Unido, que está entre os sistemas mais avançados, este género de reactores
oferecem vantagens em relação aos reactores de água normal, visto que usa um
gás como meio refrigerante, hélio.

Reactores Reprodutores:

Os reactores reprodutores são de interesse de todos os estados com


importantes instalações nucleares, e o seu desenvolvimento, visto que só com
este tipo de reactores é possível aproveitar as limitadas existências de urânio na
Terra.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 11


2.8. Controlar os riscos de funcionamento de um reactor:

Os componentes de um reactor nuclear, o combustível, o moderador, o meio


refrigerante e as barras de controlo, todos eles se encontram instalados dentro de
um grande contentor sob pressão. Contentores fabricados com aço, cimento pré –
esforçado e rodeados com várias envolturas, nestes contentores as exigências
são extremamente elevadas, a impermeabilidade e a estabilidade das camadas
envolventes, a fim de garantir um baixo risco de acontecer um acidente, e de
modo a que não haja fuga de radioactividade.

Central Nuclear pressurizada.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 12


2.9. As várias gerações de reactores nucleares

 A 1º geração - corresponde ao primeiro reactores industriais, utilizados e


construídos nos anos 60.
 A 2º geração – são os que, normalmente, estão hoje em dia em actividade.
 A 3º geração – são uma evolução tecnologia dos reactores de 2º geração,
que hoje em dia já se encontram disponíveis no mercado, mas só as
centrais de alta tecnologia, modernas e mais recentes os possuem.
 A 4º geração - estes reactores ainda estão em estado de protótipo, são
reactores que tentam aplicar novos conceitos.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 13


2.10. Resíduos Nucleares

Cada central Nuclear converte, através de fissão nuclear, barras de urânio


em resíduos nucleares altamente radioactivos, por este motivo têm de ser
protegidos e armazenados de forma segura fora do alcance de pessoas,
animais e plantas durante centenas de milhares de anos.

Há cerca de 50 anos que existem centrais nucleares em actividade, no


entanto, até hoje não se sabe como se deve armazenar os resíduos nucleares
e o que fazer com eles. Não existe em qualquer parte do mundo um método
para uma eliminação segura dos resíduos nucleares.

Enquanto um reactor nuclear esta em funcionamento, algum do urânio é


convertido noutros materiais, que se vão depositando nos elementos
combustíveis. O combustível perde a sua eficiência na produção de calor,
tornando-se assim necessária a sua substituição.

O combustível usado é removido do reactor, arrefecido em água e sujeito


a um reprocessamento, onde se geram três grupos de materiais:

1. Urânio, que irá novamente servir de combustível.


2. Plutónio, utilizado também como combustível e em alguns casos é
também utilizado como material de armamento.
3. Lixo nuclear.

2.11. Tipos de lixo nuclear:

Lixo de Alto Nível

O lixo de alto nível é os resíduos que contêm produtos gerados durante o


processo de fissão, com altos níveis de radioactividade. A radioactividade
libertada por este resíduo degenera-se com relativa rapidez no início, embora
continue perigoso durante milhares de anos devido ao seu conteúdo actinídeo,
os materiais actinídeos possuem uma radioactividade de baixa intensidade,
mas possuem uma vida muito longa.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 14


Lixo de nível intermédio:

O lixo de nível intermédio é produzido em variados processos que


envolvem matérias radioactivas, embora apresentem menos perigo que os
resíduos de alto nível.

Lixo de baixo nível:

Este tipo de lixo de baixo nível é produzido por hospitais, laboratórios,


indústrias e centrais nucleares, devem ser manuseados com alguma
precaução.

A descarga destes tipos de resíduos radioactivos no ambiente é bastante


perigosa, visto que pode causar danos quer para o Homem, quer para as
restantes espécies e ecossistema.

2.12. Impacto Ambiental da energia Nuclear

Desde que foi descoberta a radioactividade, que os cientistas de todo o


mundo se debruçam cada vez mais em formas de evitar acidentes e prejuízos
para a saúde, o que ocorre com frequência nas fases iniciais de investigações.
É de conhecimento e consciência geral o perigo que podem causar exposições
a radiações radioactivas, mas de conhecimento de poucos que esta exposição
e natural, que faz parte do nosso quotidiano, e que possuímos defesas naturais
no nosso sistema imunitário, mas que também tem limites.

2.13. Efeitos das radiações

Nos seres vivos os efeitos causados pela exposição a radioactividade


manifestam-se a dois níveis:
 Nível somático, cuja expressão máxima é a morte.
 Nível genético, que é responsável pelo aumento de mutações,
podendo assim originar aberrações genéticas nas gerações
posteriores.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 15


Estes efeitos dependem da natureza da radiação, do seu tempo de vida,
da intensidade e dos órgãos onde esta é acumulada, e tal como varia os
efeitos, também varia a sua capacidade de penetração nos tecidos.
Os neutrões e os raios gama são os que mais facilmente alcançam o
interior do organismo, e são estes que são libertados em explosões nucleares
ou em acidente nos reactores.
Existem partículas que só se tornam prejudiciais se entrarem
directamente no organismo, normalmente por via da alimentação ou pelo ar
que respiramos. Quando uma radiação incide num tecido biológico, altera as
características químicas das moléculas destes, que ou matam a célula ou
originam divisões nesta não controláveis. No primeiro caso o organismo
elimina e substitui as células mortas, mas no segundo caso na maioria dos
casos acaba por se gerar tumores malignos. Devido a estas reacções é que e
tão perigoso e temido os acidentes nucleares.
O pó radioactivo que por vezes e extremamente fino pode com facilidade
introduzir-se no organismo e aí ficar acumulado.

2.14. Protecção contra radiações

A tabela que se segue foi feita através de estudos e investigações feitos


em animais, e nas vitimas sobreviventes de Hiroxima e Nagasaki, e em
pessoas expostas a radiações nucleares. O objectivo é perceber a relação
entre as doses de radiação recebidas (exposição distribuída uniformemente em
todo o organismo) e os efeitos das mesmas no organismo humano.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 16


Radioactivida
Efeitos no organismo Humano
de

Até 250 msv Lesões cutâneas de recuperação total possível

“Doença da radiação”: anemia por lesões da


medula óssea;
Alterações nos glóbulos brancos, aumentando o
250 a 1000 risco de infecções;
msv Hemorragias por perda da capacidade de
coagulação
lesões na mucosa do estômago e dos intestinos,
com vómitos, diarreia, debilidade e úlceras;

Dose semi-letal: doença grave por radiação, mortal


em 50 % dos casos, por destruição da medula, lesões
1 a 4 sv
encefálicas e cardiovasculares, e hemorragias internas
espontâneas.

Dose letal: danos graves no sistema nervoso, morte


5 a 30 sv
certa no prazo de 3 dias.

Tabela 1 – Relação entre as doses de radiação e o seu efeito


no organismo humano

2.15. Energia Nuclear em Portugal

Em Portugal, actualmente, não se produz energia nuclear, nem


possuímos projectos governamentais para que Portugal inicie a sua produção a
curto prazo. Com a elevada procura pelo minério, urânio, Portugal está a ser
foco de alguns estudos por parte de empresas internacionais, visto que,
actualmente, a produção nacional de urânio nas minas da Urgeiriça destina-se,
na sua totalidade, á exportação, dado que o país não possuí centrais
nucleares.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 17


Distribuição do urânio por Portugal Continental

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 18


2.16. Vantagens e Desvantagens da produção de Energia
nuclear

A energia nuclear é uma energia não renovável, que como todas as


outras tem as suas vantagens e desvantagens. Começando pelas vantagens
consideremos que a energia nuclear:
 É um combustível mais barato que muitos outros como, por exemplo,
o petróleo, o consumo e a procura ao petróleo fez com que o seu
preço disparasse, fazendo assim, com que o urânio se tornasse um
recurso, comparativamente com o petróleo, um recurso de baixo
custo.
 É uma fonte mais concentrada na geração de energia, um pequeno
pedaço de urânio pode abastecer uma cidade inteira, fazendo assim
com que não sejam necessários grandes investimentos no recurso.
 Não causa nenhum efeito de estufa ou chuvas ácidas;
 É fácil de transportar como novo combustível;
 Tem uma base científica extensiva para todo o ciclo.
 É uma fonte de energia segura, visto que até a data só existiram dois
acidentes mortais.
 Permite reduzir o défice comercial.
 Permite aumentar a competitividade.

Apesar das suas vantagens esta energia também tem as suas


desvantagens tal como:
 Ser uma energia não renovável, como referido anteriormente, torna-se
uma das desvantagens, visto que o recurso utilizado para produzir
este tipo de energia se esgotará futuramente.
 As elevadas temperaturas da água utilizada no aquecimento causa a
poluição térmica pois esta é lançada nos rios e nas ribeiras, destruindo
assim ecossistemas e interferindo com o equilíbrio destas mesmas.
 O risco de acidente, visto que qualquer falha humana, ou técnica
poderá causar uma catástrofe sem retorno, mas actualmente já

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 19


existem sistemas de segurança bastante elevados, de modo a tentar
minimizar e evitar que estas falhas existam, quer por parte humana,
quer por parte técnica.
 A formação de resíduos nucleares perigosos e a emissão causal de
radiações causam a poluição radioactiva, os resíduos são um dos
principais inconvenientes desta energia, visto que actualmente não
existem planos para estes resíduos, quer de baixo ou alto nível de
radioactividade, estes podem ter uma vida até 300 anos após serem
produzidos podendo assim prejudicar as gerações vindouras.
 Pode ser utilizada para fins bélicos, para a construção de armas
nucleares, está foi uma das primeiras utilizações da energia nuclear,
os fins bélicos são a grande preocupação nível mundial, porque
projectos nucleares como o do Irão, que ameaçam a estabilidade
económica e social.
 Ser uma energia cara, visto que tanto o investimento inicial, como
posteriormente a manutenção das energias nucleares são de elevados
custos, até mesmo o recurso minério, visto que existem países que
não o possuem, ou não em grande abundância, tendo assim, que
comprar ao estrangeiro.
 Os seus efeitos, visto que na existência de um acidentes, as
consequências deste iram fazer-se sentir durante vários anos, visto
que a radioactividade continuará a ser libertada durante vários anos.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 20


3. Conclusão

A energia nuclear é, sem dúvida, o futuro das energias, actualmente, cada


vez mais são os projectos desenvolvidos pelos países de forma a apostar nesta
energia, e os que já produzem apostam cada vez mais nesta forma de energia
rentável.
É uma energia com inúmeras vantagens, tanto a nível energético, como
ambiental e económico, mas como contrapeso as suas desvantagens são
demasiado pesadas para qualquer país, os acidentes afectam sempre em
grande escala a população, durante anos irão prejudicar e pôr em causa vidas
das gerações presentes e vindouras, é um fardo demasiado grande para
qualquer país.
A radioactividade, descoberta em 1896, tem inúmeras utilidades, estas
cada vez mais utilizadas a larga escala no nosso planeta. Um dos grandes
medos, a nível mundial, é que a energia nuclear seja utilizada para fins bélicos,
como em Hiroshima, causando assim danos irreversíveis, e que expluda, a
nível mundial uma guerra nuclear.
Na nossa opinião a energia Nuclear poderá ser uma possibilidade a por
em uso, mas o país que o fizer, tem de estar disposto desde então, a carregar
o pesado fardo em caso de acidente, tal como a população desse país, caso
aprove a sua utilização.

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 21


4. Bibliografia

Toda a informação que consta ao longo deste trabalho foi retirada, para
posteriormente ser tratada por nós, nas seguintes fontes:

Internet:

 http://atomico.no.sapo.pt/04_03.html

Livros:

 Enciclopédia Temática Juvenil, Editora: Multilar, 10º Edição


 Geografia 10 – parte 2, Editora: Areal Editores, Autor: Claúdia Lobato

Trabalho realizado por Olinda Maria Carvalho 22