You are on page 1of 8

Núcleo Gerador: Saúde (S)

DR1 – Cuidados Básicos (CB)

Colectânea de textos (pequenas citações com a indicação dos respectivos links


direccionando para a página original), seleccionados a partir de pesquisas
efectuadas no motor de busca "Google" e que se pretende ajudem a descodificar
Cuidados Básicos (CB) do Núcleo Gerador: Saúde (S) do Referencial de
Competências-Chave de Nível Secundário, relativo ao Processo RVCC da
Iniciativa Novas Oportunidades.

[Nota: Todos os Adultos/Formandos devem mencionar no seu PRA as fontes de todas as leituras que
efectuaram, não podendo copiar ou plagiar, arriscando-se à expulsão do processo RVCC.]

Boas leituras...
.

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 1/8


Nova Roda dos Alimentos

A roda dos alimentos é um instrumento de educação alimentar


largamente reconhecido pela população portuguesa pela sua
utilização desde 1977 na campanha "Saber comer é saber
viver".
A sua forma circular associa-se ao prato vulgarmente utilizado
às refeições, e a sua divisão por grupos permite identificar
facilmente qual a proporção com que os alimentos de cada um desses grupos deve estar presente
na alimentação diária, incentivando maior consumo dos alimentos pertencentes aos grupos de
maior dimensão e menor consumo daqueles que se encontram nos grupos
de menor dimensão. Dentro de cada grupo estão reunidos alimentos
nutricionalmente semelhantes entre si, que devem ser regularmente
substituídos entre si de modo a assegurar a variedade alimentar.

Folheto explicativo da nova roda dos alimentos

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 2/8


Tipos de regimes alimentares menos convencionais
As características da alimentação humana foram variando ao longo dos tempos. Influenciada pelos
alimentos disponíveis em cada região geográfica e reflectindo as características da cultura, da
religião, do clima e do desenvolvimento industrial, os regimes alimentares assumem
características específicas de cada cultura humana.
Na sua generalidade os regimes alimentares humanos são tradicionalmente omnívoros, o que
significa que a alimentação humana é composta simultaneamente por alimentos de origem animal
e vegetal.
Na cultura ocidental, e nas últimas décadas, foram surgindo numerosos regimes alimentares que
buscam a optimização da saúde através da alimentação. Alguns médicos e investigadores criaram
regimes alimentares inovadores que trazem acentuadas mais valias para a saúde, a prevenção das
doenças crónicas e o retardar do envelhecimento.

Continuar a ler em: http://www.vivasaudavel.eu/gca/index.php?id=4

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 3/8


A nutricionista Diana Silva fala dos inconvenientes do “Fast Food”

Variedade só traz saúde


Numa sociedade em que tudo é feito a correr sob a pressão do tempo, a alimentação é pouco
cuidada e as refeições são feitas de forma rápida e desequilibrada, acabando por afectar a saúde.
Confrontados com a quantidade avassaladora de novos restaurantes do género “pronto-a-comer” e “ao
peso” que todos os dias abrem um pouco por todo o lado, muitos são aqueles que, por questões
profissionais, não têm tempo de confeccionar as suas refeições em casa e aderem, por isso, ao “fast food”.
Trata-se, segundo explicou a nutricionista Diana Silva, de alimentos ricos em gorduras, sobretudo
gorduras saturadas, e em sal. Por outro lado, são pobres em vitaminas, sais minerais e hidratos de carbono,
uma vez que a grande maioria não se faz acompanhar de verduras, a fruta é substituída pelas sobremesas
carregadas de açúcar e os refrigerantes tomam o lugar da água ou sumos naturais.
Este tipo de hábitos alimentares recorrentes no dia-a-dia e a falta de actividade física regular levam ao
excesso de peso, à hipertensão, diabetes, colesterol alto e aos problemas cardiovasculares. «Se o que se
come é acima daquilo que necessitamos e gastamos pouco, o peso vai gradualmente aumentando», alertou.
As dificuldades económicas e a escolha de produtos não aconselháveis são também factores que
conduzem a uma alimentação desequilibrada. «Muitas pessoas passam o dia a petiscar, o que não é
saudável», apontou esta especialista.
No entanto, referiu que existem pratos rápidos que podem ser mais saudáveis, nomeadamente as sopas e
outros pratos que incluam legumes e/ou verduras.

Continuar a ler em: http://www.srsdocs.com/parcerias/revista_imprensa/jornal_madeira/2004/jm_2004_07_11_02.htm

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 4/8


Espaço Clínica Geral - O médico de família e a promoção de estilos de vida saudáveis

Dr. Eduardo Mendes


Presidente da Associação Portuguesa dos Médicos de Clínica Geral

Construir uma vida saudável implica adoptar certos hábitos – como é o caso da actividade física e
da alimentação saudável –, enfrentar condições ou situações adversas e também estabelecer
relações afectivas sólidas, adoptando uma postura de ser e estar no mundo com o objectivo de
viver melhor.
Compreender a importância do estilo de vida para a saúde das pessoas é agir em favor da saúde. É
promover saúde. Um estilo de vida saudável inclui actividades de prevenção: uma boa
alimentação; o controle do peso; a prática de actividades recreativas e o exercício físico regular;
abandono do uso de substâncias nocivas ao organismo (tabaco, por exemplo).

Os factores modificáveis dos estilos de vida são uma causa significativa de mortalidade. A
hipertensão, a diabetes, a obesidade, a angina de peito, o stress, o cancro do pulmão, as
enxaquecas, as dores articulares são meros exemplos de «doenças» modernas, facilmente
melhoráveis (e, por vezes, até curáveis) com a simples adequação dos hábitos de vida quotidianos.

Continuar a ler: Artigo da revista Saúde Pública nº 46 de 2006/3 em http://www.jasfarma.pt/

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 5/8


Actividade física «dá anos de vida»
Se até aos 40 é possível viver sem a prática de exercício, depois dos 40 é «proibido» ter hábitos
sedentários MAFALDA SILVA
Geneticamente desenhado para a actividade física, o ser humano tem vindo ao longo dos tempos a reduzir
o esforço físico necessário à sua sobrevivência. As consequências têm-se manifestado desastrosas. A
ciência e a epidemiologia provam que uma das principais causas da incidência e prevalência de um grande
número de doenças crónicas advêm da inactividade física.
A 28 de Agosto deste ano surgiu uma clarificação das recomendações para a actividade física em adultos,
suportada pelo ACS + M e pela AHA, que aponta para a necessidade de se manter um estilo de vida
fisicamente activo para a promoção de uma boa saúde. Percebeu-se que com menos intensidade física
também se obtêm efeitos benéficos para a saúde.
Hoje, para a grande faixa etária dos adultos, é recomendável a prática de uma actividade física aeróbica de
intensidade moderada, por um mínimo de trinta minutos, durante cinco dias por semana; ou uma
actividade aeróbica de intensidade vigorosa, durante três vezes por semana, por um mínimo de vinte
minutos.
As conclusões do estudo dos antigos alunos do Harvard College revelam que quando se passa de um estilo
de vida sedentário para uma actividade física que permite a perda de 500 quilocalorias por semana
(significa andar 3 vezes por semana, cerca de trinta minutos com algum ritmo), o risco de mortalidade por
doenças crónicas decresce na ordem dos 30%. “Se conseguíssemos implementar este tipo de actividade na
população adulta existiria um impacto gigantesco na saúde pública e na economia do país. Os políticos,
que funcionam com objectivos de curto prazo por motivos eleitorais, têm que perceber que investir no
Exercício físico + e na Alimentação saudável + é recuperar dinheiro dentro de alguns anos”.
Continuar a ler em: http://www.tribunadamadeira.pt/

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 6/8


Check-Up

Examine o essencial

Quanto mais cedo conseguirmos intervir sobre uma doença melhores serão as
probabilidades de cura. Mas quais os exames prioritários a incluir no check-up feminino?
Para que servem e quando devem ser realizados?
Por Natacha Gonzaga Borges
Sentirmo-nos bem não é suficiente para ficarmos tranquilos quanto ao nosso estado de saúde.
Todos os dias pessoas aparentemente saudáveis descobrem, a partir de um sintoma ligeiro, uma
doença já em fase desenvolvida, que os médicos garantem ter estado presente por longos meses,
silenciosamente.
O “exame de saúde” nasce desta noção. Em vez de procurarmos o médico quando nos
apercebemos de uma alteração física, consultamo-lo com regularidade, anualmente por exemplo,
para que verifique o nosso (bom) estado de saúde.
O check-up ideal é aquele que é definido pelo médico assistente (de família), porque é
personalizado. Tem em conta o sexo, idade, queixas e antecedentes pessoais e, muito importante, a
história familiar, o que lhe permite definir os estudos fundamentais a um diagnóstico precoce. É
impraticável fazer exames a “tudo” mas é possível, e sensato, permanecer atenta a doenças sobre
as quais recaia uma maior probabilidade de ocorrência
Contunue a ler aqui: CORPO & ALMA - http://www.maxima.xl.pt/

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 7/8


Destinado a professores, pais e alunos

Canal Educativo on-line sobre alimentação disponível a


partir de Setembro
03.06.2008 – 20h32 Lusa

Professores, pais e alunos poderão aceder a partir de Setembro a um


Canal Educativo on-line sobre alimentação, num projecto promovido
pela Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA)
em parceria com várias entidades, entre elas o Ministério da Educação.
O projecto associa a indústria agro-
alimentar ao Ministério da Educação Continuar a ler em: Peso & Medida

Preparado em 08-06-2008 – contacto página: 8/8