You are on page 1of 70

SEO em 2018

Tendências, Insights & Técnicas para Obter Resultados


#Conversion

Acreditamos que
SEO, Visibilidade & ROI
andam juntos para
gerar mais vendas.

Agência Líder Mídias de Branded


em SEO Performance Content
#Conversion
Saiba um pouco mais sobre a gente

Conversion é a agência de marketing digital focada em #PerformanceCriativa. Aqui,


SEO, Visibilidade e ROI andam juntos.

Nós utilizamos dados e comunicação para resolver os desafios de marketing digital.


Entregamos performance para nossos clientes e criamos valor de marca para o
consumidor.

Somos especialistas em Search, líder em SEO, uma das agências de performance que
mais crescem no Brasil. Atendemos de startups a grandes empresas, para alcançar
as metas mais audaciosas.
#Introdução
SEO e Marketing Digital em evolução
É com muita satisfação que trazemos a público o e-book SEO em 2018: Tendências,
Insights & Técnicas para Obter Resultados.

Ele é fruto de intenso estudo, experiência e resultados que a Conversion, principal


referência em SEO no Brasil, obteve no último ano. E é com imensa alegria que
compartilhamos tudo isso agora com você.

Talvez alguns perguntem: por que um e-book só para falar das tendências de SEO do
ano? Não seria suficiente um artigo, como tantos outros?

A nossa resposta é: o SEO está tão intenso que precisamos de um e-book para
compartilhar tudo isso que estamos vivenciando na Conversion. Na verdade, seria
necessário mesmo um livro para falar tudo de SEO que é necessário.

Não são poucas as coisas que estão acontecendo! Vamos a elas:


Primeiramente, o algoritmo do Google nunca mudou tanto quanto nos últimos dois
anos, especialmente com o update do RankBrain. E vai mudar ainda mais com a
futura chegada da inteligência artificial.

Nos últimos meses, foram publicados muitos estudos com fatores de rankeamento,
como do SEMRush, da Ahrefs e do SearchMetrics, que causaram alvoroço na
comunidade e geraram bastante polêmica.

Por fim, no final do ano passado o Google tinha anunciado o início de testes do seu
novo modelo de indexação, o Mobile-First Index, em que considerará a página vista do
celular para aplicar os seus critérios de rankeamento.

E, como não bastasse, o marketing digital ainda vive um novo momento no Brasil e no
mundo. A grande mudança, especialmente para as agências digitais focadas em
performance, é que a comunicação cada vez mais faz parte do nosso dia a dia.

Pensando nisso tudo, começaremos o e-book falando de como fazer SEO sob a ótica
da performance criativa, um novo conceito que une marketing de performance e
criação de valor de marca para o consumidor.

Boa leitura!
1. SEO +
Performance
Criativa:
a receita para o
resultado
#1 SEO + Performance Criativa: a
receita para o resultado
Você provavelmente já ouviu falar muito sobre SEO, inclusive está lendo um e-book
sobre o assunto.

Mas talvez não tenha ouvido falar sobre performance criativa, que é um novo conceito
que a Conversion está evangelizando no marketing digital.

Nas próximas linhas você vai entender por que eles têm tudo a ver.

Ok, mas o que é performance criativa?

Performance Criativa é a união do marketing orientado a performance, com iniciativas


de inovação e comunicação, focadas no consumidor.

Falando de um modo geral, performance criativa é gerar performance para as


empresas e criar valor de marca para o consumidor.
Com a performance criativa, utilizamos dados para identificar problemas e
oportunidades. E usamos a criatividade (inclusive a criatividade pragmática) para
resolver os desafios e gerar resultados, gerando valor para o consumidor.

O que ela contribui para o SEO?

Já há alguns anos, a Conversion vinha divulgando o conceito de SEO Estratégico, em


que a otimização deixava de ser técnica e devia ser estratégica para as empresas.

Afinal de contas, os resultados importam e muito!

Agora, mais do que nunca, o SEO deve ser feito tendo em vista uma estratégia da
marca e buscando criar valor para o consumidor.

E a performance criativa é justamente isso: ações que geram resultados tangíveis, ao


mesmo tempo em que atendem às necessidades do consumidor.

Ela é o drive para saber se estamos no caminho certo das otimizações.

A essência da busca orgânica está no conteúdo; a do SEO, no


resultado
Você provavelmente já ouviu a expressão ”conteúdo é rei”. Ela é hoje em dia mais
verdadeira do que nunca, porque ao realizar uma busca o usuário deseja encontrar um
conteúdo que atenda às suas necessidades.

Mas calma! Conteúdo não é somente texto. Gostamos muito da definição de que
conteúdo é algo que preenche alguma necessidade.

Por isso, o SEO deve ter a missão de responder a tais anseios do usuário, seja por
meio de texto, vídeo, imagem, notícia ou inclusive produtos e ofertas... Sim, produto
também é conteúdo!

Assim como responder a esses anseios, o SEO deve gerar resultados.

Pense na busca orgânica como canal de resultados

Não podemos esquecer que o SEO é um investimento de marketing e, assim, precisa


gerar retorno sobre investimento, seja para marca, para tráfego, para leads ou
inclusive para vendas no caso dos e-commerces.

Vamos entender mais sobre isso no próximo capítulo!


Bônus: Use o SimilarWeb para comparar concorrentes

Você provavelmente conhece o SimilarWeb, uma das principais ferramentas de


benchmarking de sites. Seu report gratuito permite a comparação de domínios.

Créditos: divulgação
#PerformanceCriativa

Utilize dados e
comunicação para
resolver desafios de
marketing digital.
2. Faça SEO
focando em criar
valor de marca
para o
consumidor
#2 Faça SEO focando em criar valor
de marca para o consumidor
Investir em SEO e mecanismos de busca é fundamental, você sabe disso. Nós
sabemos. E o melhor é que diversos estudos confirmam a mesma hipótese.

Estudo indica mecanismo de busca como mídia mais confiável

Segundo o Trust Barometer, mecanismos de busca são a fonte mais confiável de


notícias e informações em geral (http://bit.ly/2Cs1kUj).

A Conversion também fez um estudo que constata que a busca orgânica tem um
índice de confiança 77% maior em relação aos links patrocinados
(http://bit.ly/2AvzFA3).

Em outro estudo, identificamos que a busca orgânica representa quase 1/3 do tráfego
de e-commerces no Brasil. Search como um todo, cerca de 50%. Esses dados podem
ser constatados na prática em ferramentas de benchmark como SEMrush,
SimilarWeb, etc (http://bit.ly/relatorio-ecommerce).
Isso por si só já é mais do que um excelente motivo para direcionar suas ações à
mídia mais confiável e que mais gera tráfego.

Nota importante: SEO não deve ser, em geral, o único investimento. Com a
performance criativa, é preciso investir em todos os canais onde o consumidor está,
no orgânico e no pago.

SEO-First para ter credibilidade e performance

Como a busca orgânica possui mais confiança do que os links pagos, e como os
mecanismos de busca são a mídia mais confiável, sugerimos uma estratégia em que
seja considerado o SEO-First.

SEO-First é ter o SEO como base de suas estratégias no marketing digital.

Ouvimos de diversos clientes que a visibilidade na busca orgânica gera credibilidade


para a sua marca, e é o centro da estratégia de marketing digital – que após isso vai
passando para outras mídias, como paid search, display, retargeting e remarketing,
programática, e-mail marketing, branded content, etc.

SEO como o melhor influenciador da decisão de compra


Indústrias também deveriam investir em SEO; afinal, muito da decisão ocorre nos
mecanismos de busca (essa estratégia aliada a influenciadores fica ainda melhor!)

Vamos a um exemplo: a palavra ”iphone 8 vs galaxy s8” teve 1.900 buscas em


novembro de 2017. O volume pode parecer pequeno frente a iPhone 8 (1,5 milhão de
buscas ) ou Galaxy S8 (550 mil buscas), mas a verdade é que se trata de um termo de
long tail, que possui uma infinidade de variações e é altamente influente.

Imagine o poder que teria para a Apple ou para a Samsung se a maioria desses
resultados fosse favorável para o seu produto?

SEO para medir a reputação de uma marca

O futuro do SEO e da gestão de marcas passará pelos mecanismos de busca.


Inclusive, há ferramentas que ajudam na gestão desses resultados de busca.

É neste momento que o SEO se une ao ORM (Online Reputation Management) e


passa a gerir a reputação das marcas, não só nas redes sociais (onde já é muito
comum), mas especialmente nos mecanismos de busca.

Quer saber como fazer isso? Então, vamos apresentar uma ferramenta.
Bônus: use o SERPWoo para aferir cientificamente a reputação que
cada resultado de busca está gerando para sua marca

Apesar de pouco conhecida, a SERPWoo é uma ferramenta muito poderosa e ajuda a


classificar todos os resultados de busca da perspectiva de reputação de uma marca.

Ela não faz só o tracking das posições de palavras-chave, mas ajuda marcas a medir
se seus resultados são positivos ou negativos. O grande diferencial dela é que foca
especialmente em outros sites para gerar esses índices de reputação.

Além disso, traz ótimos insights para quem gere o que podemos chamar de Branded
SEO, ou seja, a otimização das buscas focada em criar valor de marca..

Créditos: divulgação
#PerformanceCriativa

Domine os canais
onde o consumidor está.
No orgânico e no pago.
3. O futuro do
SEO está na
inteligência
artificial
#3 O futuro do SEO está na
inteligência artificial
Em 1997, pela primeira vez, um computador – o Deep Blue, da IBM – venceria o
melhor jogador de xadrez de todos os tempos, Garry Kasparov. Era a demonstração
incontestável de que a inteligência artificial podia superar a humana.

Desde então, passaram-se mais de 20 anos e estamos hoje presenciando em todas


as áreas do mundo dos negócios a revolução da artificial intelligence – ou A.I., para os
íntimos.

E a A.I., claro, também está chegando ao SEO sob duas perspectivas. A primeira delas
é naturalmente o que pode mudar no algoritmo do Google. A segunda é como a
inteligência artificial poderá impactar o trabalho de SEO. Vamos a elas:

A inteligência artificial no futuro do algoritmo do Google

Não é segredo para ninguém que, para o Google, o futuro do seu buscador será ele se
tornar uma espécie de assistente pessoal para concorrer com Siri, da Apple e outros.
Desde a atualização do RankBrain, o Google tem trabalhado bastante com Machine
Learning (ML), que é semelhante, mas ainda não é inteligência artificial em si.

Em resumo, o Machine Learning faz o algoritmo aprender com o histórico das buscas
para calibrar seus critérios de rankeamento e trazer resultados mais precisos.

Já a inteligência artificial ajudará a automatizar análises mais complexas para


também “prever” melhores resultados, com o principal objetivo de criar experiências de
pesquisas ultrapersonalizadas para os usuários.

Nesse sentido, o trabalho de SEO precisará ser cada vez mais focado em responder a
questões específicas e profundas das pessoas.

A inteligência artificial tornará o SEO cada vez mais científico

Aqui, na Conversion, acreditamos que o SEO deve ser orientado não com “achismos”,
mas com dados, o que torna o trabalho de SEO científico.

Se, hoje, somos capazes de tomar uma série de decisões de SEO baseadas em dados,
no futuro, é provável que uma parte desse trabalho científico seja automatizado.
Já temos visto, por exemplo, protótipos de ferramentas que, baseando-se em dados
atualmente disponíveis para um domínio, buscam prever o tráfego orgânico futuro de
um determinado site ou de seu concorrente. Ou, ainda, ferramentas que se propõem a
criar testes automatizados de melhorias de title para descobrir qual possui maior CTR
(taxa de clique). Teoricamente, com maior CTR, uma página tende a ficar mais bem
posicionada.

Esses são alguns exemplos da aplicação da A.I., que tornará o SEO – que já deve
sempre ser pensado a longo prazo – em uma grande batalha pela futura visibilidade
orgânica.

Porém, a inteligência artificial não substituirá a criatividade humana

Considero muito importante frisar que a inteligência – seja a humana ou a artificial –


fala sobre o raciocínio lógico, ou seja, a capacidade de processar informações.

A inteligência artificial, com toda a certeza, substituirá a humana em uma série de


atividades complexas, como já vem ocorrendo, mas jamais será capaz de substituir a
criatividade humana, que faz marcas conquistarem o coração e a mente de seus
clientes.

A inteligência será um pré-requisito para diagnosticar e analisar cenários cada vez


mais complexos para marcas. Mas, sem dúvida, a criatividade e as boas ideias é que
ajudarão as marcas a conquistar o coração e a mente dos consumidores – seja na
busca orgânica, na paga, nos canais sociais ou em qualquer outro meio.

Ou alguém espera que algum dia surja a “criatividade artificial”?

Este capítulo do e-book originalmente foi um artigo de nosso CEO, Diego Ivo, publicado neste link:
https://www.conversion.com.br/blog/seo-inteligencia-artificial/
Bônus: seu site já é HTTPS? Evite que o Google aponte seu site como
não seguro

Há alguns anos o Google já sugere a implementação do protocolo HTTPS para tornar


os sites mais seguros. O buscador vem se esforçando para que todos os sites
possuam tal protocolo e poderá passar a exibir alertas para os que não o possuírem.

O certificado SSL (para o protocolo HTTPS) também transmite confiança para o


usuário de seu site e dá a tranquilidade para ele navegar, inserir dados pessoais e
fazer compras.

O processo de implementação, porém, pode não ser tão simples, uma vez que todos
os arquivos devem estar dentro do mesmo tipo de protocolo.

Para adquirir seu certificado SSL, use o link: http://bit.ly/Rapid-SSL


#PerformanceCriativa

Pense: marketing
hoje é sobre pessoas
e algoritmos.
Sendo relevante para algoritmos de
forma orgânica, seja em Search ou
Social, a comunicação da marca
alcança mais pessoas e maior ROI.
4. Mensure a
performance e
faça SEO
orientado a
dados
#4 Mensure a performance e faça SEO
orientado a dados
Como sabemos, o trabalho a ser feito em SEO é sempre infinito. Um site nunca está
totalmente otimizado; sempre há mais o que fazer.

Então, como decidir o que é ou não é prioridade? Simples: adotando uma abordagem
científica do SEO e tomando decisões baseadas em dados.

Para nossa sorte, há uma infinidade de fornecedores que disponibilizam as mais


diversas métricas para tomada de decisão. Porém, com a profusão de métricas
disponíveis é preciso também escolher as mais adequadas.

O que é performance em SEO? Como saber se estou tendo


resultados?

Essa é uma pergunta cuja resposta é sempre complexa, porque o resultado de SEO irá
variar tanto conforme as metas do negócio, como em relação à
maturidade e momento dos esforços de SEO. Para exemplificar melhor, há casos em
que é possível mensurar o ROI direto em vendas do SEO, enquanto em outros o SEO
ainda não chegou ao momento de entregar resultados dada a implementação.

Em geral, entretanto, uma métrica bastante interessante para compreender a


performance em que se encontra determinado site (e ainda poder compará-lo a outro),
é a estimativa de tráfego do SEMrush, ou Visibilidade Orgânica, como chamamos.

Comece olhando a Visibilidade, via estimativa de tráfego do SEMRush

A métrica de tráfego do SEMRush é valiosa, primeiro, porque permite uma comparação


entre diversos sites de certo segmento. Segundo,
porque é uma mensuração independente de sazonalidade (seu cálculo é feito
considerando cada keyword posicionada, o respectivo volume de busca e um CTR
considerando a posição e o tipo de SERP).

Conceito: o SEO está na era das landing pages

Qual a página mais importante do seu site? Se respondeu a home, a resposta está
”errada”. Na verdade, é difícil ter uma página mais importante, pois em geral a maior
parte do tráfego (orgânico ou pago) vem de dezenas, se não centenas ou até milhares
de páginas diferentes.

Há alguns anos, o SEO é feito considerando landing pages, especialmente depois que
o Google passou a não exibir a palavra-chave buscada em ferramentas como Google
Analytics, Adobe Analytics, etc.

Além disso, com o avanço e melhoria dos algoritmos, as páginas passaram a rankear
cada vez mais para uma infinidade de outras palavras-chave.

Para entender melhor, aqui na Conversion chamamos a palavra-chave principal de


uma página de primária e todas as outras de secundárias. Com o SEO Extremo,
chegamos a otimizar e posicionar milhares de palavras-chave em uma única página.
Mas falaremos melhor sobre esse assunto, no capítulo 6 deste e-book.

Compare cada landing page a dos concorrentes e entenda no que


pode superá-los

Entendido o conceito, é preciso olhar para as landing pages com maior potencial de
tráfego e visibilidade e analisar no que aquelas páginas podem ”performar” melhor.

Essa análise, especialmente entre as mais estratégicas, pode ser feita considerando
uma validação manual, bem como uso de métricas para comparar com os principais
concorrentes.

No caso de sua própria página, o Google Search Console também fornece métricas
bastante úteis, tais como termos de busca, linkagem interna, erros, etc.

Mas, além dos elementos técnicos, vale ainda considerar a experiência do usuário
dentro daquela página: o quão bem ela atende ao que o usuário busca? Como ela está
criando valor de marca para o consumidor? Qual a performance dela?
Algumas métricas de SEO para ficar atento

Há muitas métricas e KPIs (Key Performance Indicators) de SEO, mas indicamos 22


abaixo para observar com mais atenção, tanto em relação a landing pages, quanto a
todo o site:
1. Volume de Busca 12. Tamanho do Arquivo
2. Tendência de Busca 13. URL Length
3. Posição de Palavra-Chave 14. Autoridade de Domínio
15. Autoridade de Página
4. Dificuldade da Palavra-Chave
16. Backlinks
5. CTR (Click Through Rate)
17. Páginas Linkando
6. Keywords Posicionando
18. Domínios Linkando
7. Visibilidade Orgânica
19. Links Externos
8. Quantidade de Palavras
20. Links Internos
9. Densidade de Palavra-Chave
21. Tempo de Permanência
10. Tempo na Página
22. Taxa de Rejeição
11. Velocidade de Carregamento

Preparamos um artigo bem completo sobre métricas de SEO. Você pode lê-lo com mais
calma neste link: http://bit.ly/metricas-seo
Bônus: teste a ferramenta SEO Monitor e tenha projeção de
performance

Projeção de performance baseada em histórico e inteligência artificial, já imaginou?

Pois, dentre outros recursos, é exatamente isso que promete a SEO Monitor, uma das
ferramentas entrantes no mercado de SEO e que tem se destacado.

Aqui na Conversion, já testamos a SEO Monitor (http://bit.ly/seo-monitor), e ela traz


muitos insights interessantes! Apesar de a projeção ainda não ser tão precisa, sem
dúvida é interessante e é uma ferramenta que pode desbancar muitas outras.
#PerformanceCriativa

Faça marketing
cientificamente.
Analise dados para diagnosticar.
Levante hipóteses. Crie experimentos.
Mensure resultados. Otimize.
5. Link Building
segue todo-
poderoso em
estratégias de
SEO
#5 Link Building segue todo-poderoso
em estratégias SEO
Ao contrário do que muito se fala, link building continua fundamental na maioria das
estratégias de SEO vencedoras.

Dizemos ”maioria” porque sem dúvida muitos sites não realizam estratégias de link
building e obtêm bons resultados em orgânica, especialmente quando possuem um
alto Domain Authority, o que é reservado unicamente aos maiores sites do país.

Porém, se adotassem estratégias de link building, mesmo esses sites de maior


Domain Authority poderiam alcançar uma performance maior.

O ”problema”, entretanto, das estratégias de link building é que, quando bem-feitas, são
extremamente artesanais e difíceis de escalar.

Segundo levantamentos internos da Conversion, landing pages que recebem esforços


de link building obtêm performance 30% maior que as páginas que não recebem.
Link Building: tão importante, tão artesanal

Já se foi o tempo em que fazer link building era ”fácil”. Naquela época, há muito tempo,
era comum cadastrar o site em diretórios de sites ou de artigos, e ainda em
agregadores de notícias, a fim de obter ”backlinks”.

Isso no passado funcionava, mas há vários anos não funciona mais. Talvez seja por
isso que muitos digam que ”link building não funciona”, mas a verdade é que, como já
indicamos, ele é fundamental em SEO.

Hoje, a melhor estrutura para link building é semelhante à de uma assessoria de


imprensa. Os links por meio dela são conquistados da mesma forma que se ”emplaca”
uma matéria em determinado veículo de imprensa.

Se no passado os esforços de link building estavam ligados à automação de cadastro,


hoje o link building está muito ligado à qualidade da informação e de networking de
jornalistas e link builders.

Por isso, cada link é uma grande conquista!

Observação: compra de links é uma prática a ser evitada e pode gerar punição!
Atenção: Link Building não é envio de press release!

Com a modernização do Link Building focado em assessoria de imprensa que a


Conversion promoveu no Brasil, assim como outras empresas fizeram nos Estados
Unidos e na Europa, surgiu uma técnica ”simplificada” que também pode gerar
punição.

Ela consiste no disparo de press releases (informativos de imprensa), com links


incluídos, seja para um mailing e enviado via ferramentas de disparo (ou ainda cliente
de e-mail), seja para plataformas de mercado especializadas na distribuição de
conteúdo.

Observe que nenhuma das práticas acima, como distribuição manual ou


automatizada de press releases, é em si ruim, porém, do ponto de SEO não geram
nenhum tipo de ativo, apenas passivo.

Afinal, um princípio do Link Building é que o link conquistado em hipótese alguma pode
ser manipulado e/ou automatizado.

Muito comuns hoje em dia, as ferramentas de distribuição de press release, como o


DINO, podem ser excelentes para outros fins, mas não para SEO. No Bônus deste
capítulo, na próxima página, daremos uma dica de como utilizá-lo.
Bônus: Tirando o melhor proveito do DINO e obtendo visibilidade no
Google News!

O DINO (http://bit.ly/dino-pr) é uma ferramenta nacional de distribuição de conteúdo


em sites e blogs de nicho, mas que obtem visibilidade também em grandes portais
como Exame, Terra, etc. E, como consequência, no Google News!

Domine a SERP obtendo visibilidade no Google News

Quando uma ou mais de suas principais palavras-chave tem trechos do Google News,
vale a pena exibir sua marca lá, e o DINO é uma ótima ferramenta. A dica aqui é
preparar seu conteúdo que será disparado totalmente otimizado para SEO.

Observação: não insira nenhum link de sites seus na ferramenta, para não gerar passivo de punição.
#PerformanceCriativa

Foque no consumidor e
esqueça a publicidade
de antigamente.
Antes, na publicidade as marcas
falavam sozinhas. Agora, uma
campanha gera feedback
instantâneo, tanto em mídias
orgânicas como nas pagas.
6. SEO pós-
RankBrain, o
algoritmo de
Machine Learning
do Google
#6 SEO pós-RankBrain, o algoritmo de
Machine Learning do Google
Como dito no terceiro capítulo deste e-book, e ao contrário do que se tem divulgado
com certa imprecisão no mercado, o RankBrain, a última grande atualização do
Google, não é um algoritmo de inteligência artificial, mas de Machine Learning.

Na prática, pode não fazer tanta diferença para o leigo, mas é importante a distinção,
inclusive para conhecer o funcionamento dos processos de SEO.

Machine Learning é um aprendizado automático, ou seja, de acordo com os dados de


usuário o algoritmo do Google passa a ser calibrado automaticamente para entender
qual o melhor tipo de resultado para aquela busca.

Um dos grandes avanços do RankBrain tem sido a realização de buscas específicas e


muito complexas, que ajudam o algoritmo a traduzir a linguagem humana para a
linguagem de máquina.

Por este lado, não há nenhum ganho de SEO que se pode ter. Mas, por outro lado, há.
RankBrain e o avanço de sinais de usuário

Desde que o SEO é SEO, o Google leva em conta os sinais de usuário.

Por exemplo, quando havia uma proporção maior de cliques em um resultado na


quinta posição, o algoritmo tendia a posicioná-lo numa colocação mais privilegiada.

Após o lançamento do RankBrain, sinais como esse têm ganhado destaque na


comunidade de SEO. A Searchmetrics, inclusive, chegou a colocar em estudo o CTR
como o principal fator de rankeamento (http://bit.ly/SearchMetricsEstudo).

Na época, nós também fizemos uma análise desse estudo; caso seja especialista em
SEO, recomendamos a leitura deste artigo: http://bit.ly/FatorCTR. Em resumo,
apontamos que o CTR pode, sim, contribuir para os resultados, mas varia de caso
para caso – consideramos que há uma superestimação do CTR, mas ele pode sim
ser muito poderoso, como mostraremos mais adiante.

Outra métrica que também já existia e hoje está em ênfase é o tempo que o usuário
passa em determinada página (Dwelll Time). Em nosso entender, essa métrica é de
uma importância inclusive maior que o CTR.
Entenda a dinâmica da otimização de CTR e Dwell Time

Apesar de, como falamos, haver uma supervalorização de métricas como CTR e Dwell
Time, temos experimentos em que elas trazem bons resultados.

Otimização de CTR: a pequena grande conquista

CTR é a taxa de clique que um site recebe na SERP (Search Engine Results Page). Em
suma, é a proporção entre os cliques e as impressões.

A ideia é que, quanto mais atrativo e relevante seu snippet, maior CTR ele receberá.
Basicamente, há dois fatores que fazem um snippet ser clicado: 1) o conteúdo
interessante e 2) o domínio clicado, que remete à força de marca.

Se quanto ao segundo não há muito que o SEO possa fazer, tornar o snippet mais
clicável realmente é possível de ser feito. A ideia aqui é tornar o seu resultado mais
interessante para o usuário que visualizará e assim atrair a maior atenção.

Veja no gráfico a seguir um experimento em que se aumentou em 47% o CTR:


Nesse experimento, primeiramente sem mudança de posição, o CTR aumentou.
Depois a palavra foi à primeira posição, e o CTR aumentou ainda mais.

Por que você deveria dar mais atenção ao Dwell Time

A experiência acima de fato foi bem-sucedida, inclusive porque a página


proporcionava uma boa experiência para o usuário. E como o Google mede isso?
Simples: pelo tempo que a pessoa passa na página, em comparação a outros
resultados. Por isso, dê mais atenção ao Dwell Time: é ele que traz a vitória verdadeira.

Mas observe que essa métrica também tem suas falhas: se for difícil encontrar a
informação na página, o usuário irá passar mais tempo numa página ruim que numa
página boa.

Por isso, um fator de rankeamento SEMPRE irá funcionar em combinação com algum
outro. O grande desafio do SEO é, portanto, observar o big picture.

E na big picture estão todas as métricas sendo utilizadas concomitantemente!

SEO Extremo: nossa técnica que ajuda a escrever conteúdos em


profundidade

O SEO Extremo foi uma técnica que criamos em 2015, antes do lançamento do
RankBrain, e que se tornou ainda mais eficiente depois dele.

A ideia do SEO Extremo é otimizar não apenas uma, mas até dezenas, centenas ou
milhares de palavras-chave em uma página, sempre respeitando os princípios da
performance criativa de criar valor de marca para o consumidor.
No exemplo acima de SEO Extremo, saímos de um volume de busca original e
realizado de 18,7 mil para 141,1 mil pesquisas potenciais, um aumento de 654% na
visibilidade potencial.

O SEO Extremo é aplicável tanto para sites de Head quanto de Long Tail. Como se
trata de um processo demorado, deve-se medir o retorno sobre investimento que esse
processo, que pode levar alguns dias, irá proporcionar.

Leia mais sobre o SEO Extremo aqui: http://bit.ly/seoextremo


O SEO Extremo também está ligado ao Campo Semântico ou, na
buzzword do momento, Latent Semantic Indexing (LSI)

Nem só da sua palavra-chave principal vive o SEO.

Como observamos no exemplo anterior, pela aplicação do SEO Extremo a palavra


principal de uma landing pode representar um percentual bem menor das visitas
totais de uma página.

Entre as palavras-chave secundárias, é preciso considerar e explorar o Campo


Semântico, termo que cunhamos em 2012 para demonstrar a necessidade de
trabalhar sinônimos, palavras próximas dentro de um contexto de conteúdo.

É o Campo Semântico que deverá orientar o trabalho de SEO, uma vez que
trabalhando em profundidade um Campo Semântico consegue-se construir relevância
nos mecanismos de busca e alcançar mais usuários de seu público-alvo.

O excerto acima, publicado na Conversion em 2013, já mostrava a importância do
Campo Semântico em SEO, que está ganhando mais força depois do RankBrain.
Campo Semântico na prática

O Campo Semântico na otimização de uma landing page envolve todos os três níveis
de termos a seguir. Observe que cada um deles deve ser trabalhado considerando a
melhor experiência do usuário para criar valor de marca para o consumidor.

• Meia

Termos • Moda
• Look

Relacionados
• Camisa
• Terno
• Etc.

Termos • Sapato Feminino

Secundários
• Sapato Masculino

Termo Principal • Sapato


SEO Extremo é importante porque uma página geralmente rankeia
para até 1.302 outras palavras na 1ª posição, em média

Dados da Ahrefs demonstram a importância atualíssima do SEO Extremo, tanto que


páginas na primeira posição em média rankeiam para outros milhares de termos.
Bônus: use o Keywords Explorer do Ahrefs para explorar ao máximo o
Campo Semântico de uma página

A ferramenta Keywords Explorer é uma mão na roda para realizar análises complexas
de SEO. Um recurso muito interessante, mas pouco reconhecido, é o relatório Also
Rank For (traduzido para o português como ”Também é Classificado para”).
O incrível do Also Rank For é que ele traz todas as palavras que aquelas páginas que
estão no Top 10 de uma busca também se posicionam.

Esse relatório permite uma análise tão complexa quanto rica. Como não raro ele traz
milhares, senão dezenas de milhares de termos, é preciso um esforço muito grande e
minucioso na execução do SEO Extremo.

Observe que nem todas as palavras-chave poderão ser otimizadas, podem trazer
termos de marca e muitos termos irrelevantes. Mas, ainda assim, é um bom recurso.
#PerformanceCriativa

Seja rápido
como uma
startup.
Implementar Medir Aprender
7. Prepare-se
para a revolução
do Mobile-First
Indexing
#7 Prepare-se para a revolução do
Mobile-First Indexing
Há alguns anos, diríamos que o celular é o futuro. Hoje, já é o presente, uma vez que,
em muitos sites, a maioria dos acessos já vem de dispositivos móveis.

Mas o Google ainda não mudou completamente o seu algoritmo para essa nova
realidade. E vai começar agora com o revolucionário Mobile-First Index!

No ano passado, em evento de Search, um funcionário afirmou que o Google já havia


iniciado alguns testes no novo modelo de indexação.

Entenda o que está acontecendo.

Qual é a grande mudança com o Mobile-First Index?

Como o próprio nome sugere, o Mobile-First Index mudará a forma de o Google


indexar as páginas e também de classificar os resultados. Hoje, as páginas são
indexadas primeiro e avaliadas pela sua versão desktop – ainda que, nos resultados
de buscas feitas em celular, seja exibida a versão mobile da página.

Como ocorre hoje a indexação? O desktop é indexado? O mobile não?

Hoje, o Google indexa primeiro o desktop (ou responsivo), apesar de poder indexar
também a versão mobile. O mais importante nisso tudo é que ele considera a versão
desktop quando aplica seus critérios de posicionamento.

O que mudará com a indexação primeiro no mobile?

Poderá mudar muita coisa! Quando essa atualização for implementada, os critérios de
rankeamento considerados serão o do site mobile ou a versão responsiva exibida nos
dispositivos móveis.

Sites responsivos poderão sofrer impacto? E sites mobile?

Ambos os sites poderão sofrer impacto, assim como a versão desktop. O que o
Google vai querer saber é qual conteúdo está na versão exibida no celular. Portanto, se
há elementos do site não exibidos no celular, eles poderão se tornar irrelevantes ou
menos importantes na classificação.
Sites com menos conteúdo no mobile devem ficar atentos?

Sim. Afinal, se o conteúdo não é exibido para o usuário no celular, o Google poderá
simplesmente ignorar a sua existência.

Quando o Mobile First Index deve começar a rodar?

Nenhum porta-voz do Google foi muito claro. Apenas foi dito que o recurso está sendo
testado em alguns poucos sites. Acreditamos que em 2018 haverá uma expansão e é
possível que no ano que vem o Google já esteja utilizando a nova tecnologia para a
maioria dos sites em todo o mundo.

Essa atualização deve impactar muito o posicionamento?

Há um grande potencial de impacto, mas essa transformação será gradual. Até


porque o Google evita mudanças bruscas em seus resultados, especialmente para
aqueles sites que proporcionam boa experiência para o usuário.
Como será a transição da indexação para o Mobile-First Index?

Segundo Schwartz, da Search Engine Land, ela será gradual, mas é possível que, em
2018, o algoritmo já esteja rodando com a nova atualização.

A mudança ocorrerá primeiro nos sites que o Google considerar adaptados a Mobile
First. Ou seja, se ele possuir conteúdo, links e schema, de modo que atinja uma
pontuação de 100%, deverá iniciar pelo novo processo.

O Google vai me informar dessa mudança?

É provável que sim, desde que o proprietário do site utilize o Google Search Console.

Até isso ocorrer, deverão surgir diversos materiais, tanto do Google quanto da
Conversion, para ajudar webmasters e SEOs a alcançar os melhores resultados com
essa importante atualização do Google.
Bônus: use o AMP for WP, o principal plugin de Advanced Mobile Pages
para o mais popular CMS do mundo

O AMP for WP é o mais simples plugin para


implementar AMP no WordPress. Possui
versões gratuita e paga.

A criação e configuração de páginas no formato Principais vantagens


AMP está longe de ser uma tarefa simples,
mesmo no WordPress. - Fácil instalação
- Cache
O plugin oficial de AMP do CMS é extremamente - Fácil personalização de design
complexo e de difícil configuração. - Integração com Google
Analytics e Google Tag
Por isso o AMP for WP é uma excelente Manager
alternativa. Em menos de 1 hora é possível ter o - Diversos plugins e temas
um blog rodando muito bem em AMP. disponíveis
- Formulários de contato em
Baixe em: http://bit.ly/ampforwp AMP (via plugins)
Leads
Visibilidade

Trends

#PerformanceCriativa

Trabalhe com ROI

metas claras Done!

e alcançáveis.
8. Ok Google, e o
que mais?
#7 Ok Google, e o que mais?
Tudo o que foi dito são só as principais trends do ano
no mundo do SEO, bem como as técnicas que têm
gerado mais resultados.

Mas, é claro, há muito mais coisas acontecendo e


vamos separar neste capítulo algumas ideias que
podem ser bem úteis para as marcas.

Nas próximas (e últimas) páginas deste e-book


vamos falar de como as marcas podem aproveitar
melhor a busca por voz, fazer SEO no YouTube e
uma ideia para dominar as SERPs do Google News.

Vamos lá!
Busca por voz a todo vapor e como marcas podem falar com o
consumidor

Nós cada vez mais falamos com nossos celulares como se fossem pessoas. Basta
um ”ok google” e podemos pesquisar no maior mecanismo de busca. Quando temos
uma dúvida comum, a voz robotizada do Google nos responde: de acordo com a
Wikipedia, blá-blá-blá. Ma,s em vez de Wikipedia, poderia ser sua marca.

Featured Snippet: um espaço para ser visto e ouvido

Quando uma página sua aparecer como featured snippet (como abaixo), sua marca
dará uma resposta e, especialmente se for boa, entrará na mente do consumidor!
SEO para YouTube

O SEO para YouTube só não avança mais porque nem todas as marcas investem em
conteúdo por lá. Afinal de contas, ser relevante em um meio dominado por
influenciadores não é fácil.

Mas marcas que têm investido estão alcançando bons resultados. Por isso, antes de
falar do SEO em si por lá, vamos falar de por que estar lá.

Branded Content: crie narrativas sinceras para sua marca

É importante estar lá porque seu consumidor está. E por que ele está? Porque o
YouTube (e outras redes sociais) são a nova novela. O consumidor, especialmente os
mais jovens, vivem acompanhando para saber qual a próxima história de seus
influenciadores preferidos, mas também de marcas.

Há muitos termos mais buscados no YouTube

Quer mais um incentivo para investir? A palavra-chave ”sapatos femininos” tem em


média 110 mil buscas por mês no Google. Já no YouTube esse número vai para cerca
de 430 mil, segundo estimativa da KeywordTool.io.
Faça SERP Domination com o Google News

Em muitos mercados, não só de notícias, o Google News pode gerar um tráfego muito
significativo. Especialmente quando o snippet do News aparece na página principal do
buscador.

Um exemplo é a busca por iPhone, que geralmente traz as notícias do celular mais
desejado do mundo.
Agregue valor tendo sua marca exibida no Google News

Uma vez que os mecanismos de busca são a mídia mais confiável, ocupar mais um
espaço nos resultados de busca criará ainda mais valor de marca para o consumidor,
que assim como no caso da busca por voz verá na marca uma referência.

Cadastro no Google News e uma alternativa

Para aparecer no Google News, é preciso que você produza efetivamente um


conteúdo noticioso e seja relevante para tanto. O cadastro é um pouco mais
burocrático e são poucos os sites que conseguirão (veja aqui:
http://bit.ly/GoogleNewsBR). Uma alternativa é utilizar ferramentas como o DINO,
como falamos anteriormente.

Uma dinâmica diferente de otimização

A otimização aqui pode seguir os mesmos princípios que explicamos em todo o e-


book, mas é muito mais volátil e deve acompanhar outras notícias e conteúdos.

Muito raramente, um conteúdo será exibido por mais de um dia.


SEO Real Time: a otimização que não pode parar

SEO Real Time é um termo que criamos aqui na Conversion para lidar com clientes
que estão em páginas de busca muito voláteis, ou seja, em páginas que podem mudar
drasticamente da manhã para a tarde.

O SEO Real Time ocorre em sites que recebem tráfego do Google News, mas não só.
Mesmo em resultados transacionais (que envolvem algum tipo de venda) pode ser
necessária a aplicação dessa técnica.

SEO de curto prazo: ele existe

Sabemos que o SEO é quase sempre um investimento de esforços de médio e longo


prazos. Repare que nós dissemos ”quase”, pois quando falamos em SEO Real Time
as otimizações são mais efêmeras, assim como os resultados.

Este é um assunto complexo, que infelizmente exige um conteúdo inteiro só para sua
explicação. Mas vale a pena ficar atento, porque no longo prazo o SEO pode ganhar
uma dinâmica mais veloz!
Bônus: KeywordTool.io, mais uma ferramenta importante para ajudar
na pesquisa de palavras-chave e expansão de Campo Semântico.

A caixa de sugestões de pesquisa do Google


é uma ótima fonte de ideias de termos para
otimizar e criar conteúdo.

Porém, é humanamente inviável fazer isso


de forma manual, ainda mais quando se
buscam os termos relacionados dos termos
relacionados!

Para nossa sorte, existe a ferramenta


KeywordTool.io, que realiza esse trabalho e
traz dados bastante precisos (mais do que
no SEMrush) sobre volumes de pesquisa.

A ferramenta é paga. Veja pelo link:


http://bit.ly/keyword-tool-io
#PerformanceCriativa

Não se contente.
Pense grande.
Conclusão
#Conclusão
Como se pôde ver, 2018 será um ano incrível para o SEO e o marketing digital como
um todo, que tem evoluído e se modificado de forma veloz.

No SEO, estamos vivenciando nos últimos dois anos muitas mudanças no algoritmo
do Google – algo que seguirá em um ritmo mais acelerado, especialmente quando a
Inteligência Artificial realmente for implementada.

Com todas essas mudanças, as técnicas de SEO estão se aperfeiçoando, tanto do


ponto de vista técnico, quando do posto de vista de ser mais relevante para o usuário.

Por fim, é muito importante que as estratégias de SEO sejam alinhadas com as
estratégias de comunicação e metas do negócio de cada marca. Por isso trouxemos a
ideia da performance criativa para nortear todas as ações.

Sucesso e boas vendas!

Um abraço,
Time da Conversion
Analyze.
Be creative.
Perform better.
#PerformanceCriativa

Conversion
www.conversion.com.br
comercial@conversion.com.br
+55 11 3666-8395