You are on page 1of 7

Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Densidades específicas
MATERIAL DENSIDADE
Estrutural Concreto Armado 25 kN/m3
Rochas Granito, mármore 28 kN/m3
Lajotas cerâmicas 18 kN/m3
Blocos de argamassa 22 kN/m3
Blocos artificiais Cimento amianto 20 kN/m3
Tijolos furados 13 kN/m3
Tijolos maciços 18 kN/m3
Argamassas: Cal, cimento e areia 19 kN/m3
Revestimentos e
Argamassas: Cimento e areia 21 kN/m3
concretos
Argamassas: Concreto simples 24 kN/m3
Pinho, cedro 5 kN/m3
Louro, imbuia 6,5 kN/m3
Madeiras
Guajuvirá, guatambu 8 kN/m3
Angico, cabriuva, ipê 10 kN/m3
Asfalto 13 kN/m3
Materiais diversos
Borracha 17 kN/m3

Ações variáveis diretas


AMBIENTE CARREG.
Sala de leitura 2,5 kN/m2
BIBLIOTECA
Sala para depósito de livros 4,0 kN/m2
Platéia assentos fixos 3,0 kN/m2
CINEMA
Banheiro 2,0 kN/m2
Com aceso ao público 3,0 kN/m2
CORREDORES
Sem aceso ao público 2,0 kN/m2
Dormitórios, sala, copa, cozinha e banheiro 1,5 kN/m2
EDIFÍCIOS
RESIDENCIAIS Despensa, área de serviço e lavanderia 2,0 kN/m2
Com acesso ao público 3,0 kN/m2
ESCADAS
Sem acesso ao público 2,5 kN/m2
Corredor e sala de aula 3,0 kN/m2
ESCOLA
Outras salas 2,0 kN/m2
ESCRITÓRIOS Salas de uso geral e banheiro 2,0 kN/m2

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató


Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató


Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató


Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató


Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Fonte: NBR-6120/1980. Cargas para cálculo de estruturas de edificações.

Coeficientes de ponderação das ações no ELU

Fd   g  Fgk   q  Fqk
Ações
Combinações Permanentes Variáveis Protensão Recalques de
de ações (g) (q) (p) apoio e retração
Desf. 1) Fav. Geral Temp. Desf. Fav. Desf. Fav.
Normais 1,4 1,0 1,4 1,2 1,2 0,9 1,2 0
Especiais ou
1,3 1,0 1,2 1,0 1,2 0,9 1,2 0
de Construção

Excepcionais 1,2 1,0 1,0 0 1,2 0,9 0 0


1) Para as cargas permanentes de pequena variedade, como peso próprio das
estruturas, especialmente as pré-moldadas. Este coeficiente pode ser reduzido para
1,3.

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató


Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Coeficientes de ponderação das ações no ELS


Fk  1    Fgk  1  Fqk  3  Fgk  1  Fqk [CF]
f2
Ações CF CQP
0 11) 2
Locais em que não há predominância de pesos de
equipamentos que permaneçam fixos por longos períodos 0,5 0,4 0,3
Cargas de tempo, nem de elevadas concentrações de pessoas 2)
acidentais
Locais em que há predominância de pesos de
de
equipamentos que permanecem fixos por longos períodos 0,7 0,6 0,4
edifícios
de tempo, ou de elevada concentração de pessoas 3)
Biblioteca, arquivos, oficinas e garagens 0,8 0,7 0,6
Vento Pressão dinâmica do vento nas estruturas em geral 0,6 0,3 0
Variações uniformes de temperatura em relação à média
Temperatura 0,6 0,5 0,3
anual local
1)
Para os valores de 1 relativos às pontes e principalmente aos problemas de fadiga, ver seção 23.
2) Edifícios residenciais.
3) Edifícios comerciais, de escritórios, estações e edifícios públicos.

ψo - Fator de redução de combinação para ELU


ψ1 - Fator de redução de combinação freqüente para ELS
ψ2 - Fator de redução de combinação quase permanente para ELS

Coeficientes de ponderação das ações no ELS


Combinações de serviço

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató


Estruturas de Concreto – Introdução da segurança

Coeficientes de ponderação das resistências no


ELU

CONCRETO AÇO
COMBINAÇÕES
c s
Normais 1,4 1,15
Especiais ou de Construção 1,2 1,15
Excepcionais 1,2 1,0

Para a execução de elementos estruturais nos quais estejam previstas


condições desfavoráveis (por exemplo, más condições de transporte,
ou adensamento manual, ou concretagem deficiente por concentração
de armadura), o coeficiente γc deve ser multiplicado por 1,1.

Os limites estabelecidos para os estados limites de serviço não


necessitam de minoração, portanto, γm = 1,0.

Prof. Dr. Rolando Ramirez Vilató