You are on page 1of 1

Da Revolução Francesa à Primeira Guerra

Cento e cinqüenta anos depois, a sala de banho é transformada em santuário, fecha-se


sobre a nudez dos senhores que já não toleravam ser vistos por seus criados, "madames
se vestiam sozinhas e penteavam-se pessoalmente. Ela se tranca em sua toalete e é
muito difícil que alguém tenha direito de entrar" (Diário de uma criada de quarto).
Mostra-se que essa expulsão foi precedida por uma "relação mais exigente do indivíduo
consigo mesmo". Essa exigência de mais intimidade não se manifesta apenas no
banheiro, mas, também, no dormitório e em toda a casa.

Os ricos, principalmente, viviam sobre as vistas dos criados, comiam, dormiam sob os
olhos deles. Acabaram por perderem as intimidades a dois (os casais). E a exigência de
recusa aos criados o tranformou num intruso, no século XIX. Em 1830 começa a moda
dos retratos, de famílias, de pessoas e parentes passados que morreram ou amigos. Mas
esse processo favorece por fim a vulgarização e a contemplação da imagem da nudez.

Tende a modificar o equilíbrio dos modos de simulação erótica, a difundir um novo


tempo de desejo, testemunha-o prestígio do nu. O legislador percebeu-o bem depressa e,
desde 1850, uma lei proíbe a venda de fotos obscenas em vias públicas. Após 1880, a
foto pública de amador suprime o intermediário profissional, alivia o ritual da pose, abre
de par em par a vida privada para a objetiva, a partir de então ávida de imagens íntimas.

No início do século XIX, é no seio do espaço privado que o indivíduo se prepara para
afrontar o olhar dos outros; ali configura-se sua apresentação em função das imagens
sociais do corpo. Impõe-se nessa época a elaboração de uma estratégia de aparência, um
sistema de comunhões e ritos que visam somente a esfera privada. Assim, ao cabo de
décadas, a camisola de dormir deixa aos poucos de ser tolerada fora do quarto.

Tornou-se símbolo de uma intimidade erótica e menor alusão a ela. Outro fato histórico
renova então as condutas privadas: o inaudito sucesso da lingerie. A extrema
sofistificação da vestimenta invisível valoriza a nudez, dando-lhe maior profundidade.
Enquanto se multiplicavam os estágios do despir-se (no final do século), a acumulação
erótica ainda era um tabu. As mulheres usavam corpetes para manter a silhueta esbelta e
acentuar as curvas das ancas e dos seios.

No final do século XIX, o corpo já está mais livre. Os gestos e as posturas são
permitidos e o corpo deixa de ser percebido como exterior à pessoa. Os prazeres do
corpo nu em meio a fluidez de um banho de mar já não é tão julgado.