You are on page 1of 79

Histologia Vegetal

Histologia Vegetal
1) Introdução

A histologia vegetal estuda a formação e a constituição dos tecidos das plantas.

Tecido: conjunto de células especializadas, geralmente semelhantes, e adaptadas para


realizarem determinadas funções.

2) Tecidos Vegetais
I. Meristemas Crescimento
II. Parênquima
III. Colênquima Preenchimento / Sustentação / Reserva
IV. Esclerênquima
V. Floema
Condução de seiva
VI. Xilema
VII. Epiderme
Revestimento
VIII. Periderme
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais

I) Meristemas (tecido vivo)


Tipo de tecido presente nas partes da planta onde ocorre crescimento por multiplicação
celular.
 Constituído por células meristemáticas:
o Pluripotentes (↑ capacidade de diferenciação)
o Indiferenciadas
o Parede celular delgada
o Núcleo volumoso
o Alta capacidade multiplicativa

Células meristemáticas
Histologia Vegetal
Meristemas e crescimento

Ao contrário dos animais, a produção


de órgãos vegetativos e reprodutores
é contínua ao longo da vida da planta
e é devida à atividade dos meristemas.
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais

Tipos de Meristemas:
a) Meristema apical: Promove crescimento vertical

Protoderme  Origem: Embrião da planta (ápice do caule e da raiz)


Meristema
Apical do caule
Meristema Meristema apical
Fundamental
Origina os meristemas primários

Protoderme  Origina a epiderme e


periderme
Procâmbio
Procâmbio  Origina o xilema e floema
Meristema Fundamental  Origina o parênquima,
Meristema colênquima e esclerênquima
apical da raiz
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais

Tipos de Meristemas:
a) Meristema primário ou apical (na planta adulta)
Gema apical do caule
(meristema primário)

Gemas laterais do caule


(meristema primário)

Gema apical da raiz


(meristema primário)
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais

Tipos de Meristemas:
b) Meristema secundário: Gimnospermas e Angiospermas

 Origem: A partir da diferenciação de células parenquimáticas do córtex da raiz e


do caule.
 Promove o crescimento em espessura
 Tipos:
I. Felogênio
 Súber
 Feloderma

II. Câmbio
Xilema
 Xilema secundário
secundário
 Floema Secundário Floema
secundário
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais

b) Parênquima (tecido vivo)


 Origem: meristema fundamental
 Funções:
o Preenchimento de espaços
o Reserva de substâncias
o Fotossíntese
 Local: Encontrado em todos os órgãos da planta

Tipos

I. Parênquima de preenchimento

o Realiza o preenchimento de espaços entre os tecidos


o Ex: Córtex e medula do caule

Caule
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
II. Parênquima clorofiliano

o Possui grande quantidade de cloroplasto em suas células


o Função: Fotossíntese
o Local: Encontrado no mesófilo foliar

Mesófilo da folha
Parênquima clorofiliano
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
III. Parênquima de reserva
o Possui a função de armazenar substâncias
o Tipos:
a) Amilífero: reserva amido – Ex. Batata
b) Aquífero: reserva água – Ex. Cactos
c) Aerífiero: reserva gases (ar) – Ex. Aguapé

Grânulos de
amido Espaçamento
entre as células

Parênquima amilífero Parênquima aerífero


Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
c) Colênquima (tecido vivo)

 Origem: Meristema Fundamental


 Função: Promove resistência e flexibilidade aos órgãos da planta
 Característica: Células com parede celular bastante espessada
 Localização: Abaixo da epiderme

Reforço de celulose
nos ângulos da célula.

Gavinha - Flexiblidade
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
d) Esclerênquima (tecido morto)

 Origem: Meristema Fundamental


 Função: Sustentação e proteção
 Característica: Células com parede celular (celulose) bastante espessada contendo
impregnação de lignina (polímero) o qual promove impermeabilização e rigidez ao
tecido.
 Obs.: A impregnação por lignina causa a morte da célula.
 Localização: Caule, folhas, frutos e sementes. Reforço de
Lúmen vazio lignina
Tipos celulares

I) Fibras esclerenquimáticas

Promove sustentação
esquelética ao vegetal
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais

I) Fibras esclerenquimáticas
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
d) Esclerênquima (tecido morto)

Tipos celulares

II) Esclereídes Pode ser encontradas


 Isoladas
 Grupos (entre as células parenquimáticas)
 Ex: Pêra.

Possuei lúmen celular vazio e parede


celular lignificada
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
e) Epiderme (tecido vivo)

 Origem: Protoderme
 Função: Revestimento externo dos órgãos da planta (raiz, caule, folhas, frutos, etc).
 Característica: Geralmente formado por uma única camada de células.

Epiderme das folhas Estruturas encontradas

I. Cutícula: impermeabilização
e economia hídrica.
II. Estômatos: trocas gasosas
III. Tricomas: retenção de água
e proteção.
IV. Hidatódios: gutação
V. Glândulas: atração de
polinizadores e proteção
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
e) Epiderme (tecido vivo)

Epiderme das folhas


I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de
algumas folhas

II) Estômatos: Únicas células epidérmicas que possuem cloroplastos.


Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
e) Epiderme (tecido vivo)

Epiderme das folhas


III) Tricomas: São pêlos epidérmicos que auxiliam na redução da perda de água.

III) Hidatódio: Elimina o excesso de água do interior da folha.

III) Glândulas: Tricomas especializados em liberar aromas que atraem polinizadores.


Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
e) Epiderme (tecido vivo)

Epiderme das raízes


 Possui pêlos absorventes
 Aumenta a superfície de contato e a absorção de água e sais minerais pelas células
epiteliais das raízes.
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
f) Periderme (tecido vivo)
 Somente em Gimnospermas e Angiospermas (Dicotiledôneas).
Ar
 Típico de plantas que apresentam crescimento secundário. Lenticela
 Possui três camadas: Felogênio, Feloderme e Súber.

Estruturas da periderme
I) Lenticela:

Abertura da periderme que permite a circulação de ar.

II) Ritidoma:

Periderme morta que se destaca do caule da planta.

Ritidoma
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
f) Periderme (tecido vivo)
Suber + Felogênio + Feloderme
Obs.: O súber, tecido morto, faz parte da periderme.

Súber

Feloderme
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
g) Floema ou Líber (tecido vivo)

 Origem: Procâmbio
 Função: Conduzir a seiva elaborada (matéria orgânica) produzida pelas folhas para
todas as células da planta.
 Tipos celulares: (Elementos de tubo crivado)

I. Célula crivada (Gimnosperma e Pteridófita)


II. Tubos crivados (Angiospermas)
o Elementos de Tubo crivado
 Anucleadas
 Sobrevive graças ao auxílio das células
companheiras.

o Células companheiras
 Nucleada
 Fornece todas as substâncias necessárias ao
metabolismo das células dos elementos de tubo
crivado.
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
g) Xilema ou Lenho (tecido morto)

 Origem: Procâmbio
 Função: Conduzir a seiva bruta (água e sais minerais) que é absorvida pelas raízes
para as partes aéreas da planta e contribuir para a sustentação da planta.
 Tipos celulares: (elementos traqueais)
o Células mortas I II
o Parede celular lignificada
o Sem núcleo, citoplasma ou organelas
o Dispostas em fileira, formando tubos contínuos

I) Elementos de vaso (Angiospermas)


o ↑ calibre
o Perfuração única

II) Traqueídes
o ↓ calibre
o Várias perfurações
Histologia Vegetal
2) Tecidos vegetais
Condução de seiva
Histologia Vegetal

Exercícios
Histologia Vegetal
(UFRS-1996) Associe as denominações listadas na coluna A às alternativas da
coluna B que melhor as explicam.

Coluna A
( ) Floema
( ) Parênquima
( ) Esclerênquima Resposta: 3, 4, 2, 3, 1
( ) Xilema
( ) Meristema

Coluna B
1 -Tecido embrionário
2 -Tecido de sustentação
3 -Tecido de condução
4 -Tecido de síntese e armazenamento
Histologia Vegetal
(UFSC-2001)Parênquimas são tecidos vegetais que preenchem os espaços entre a
epiderme e os tecidos condutores.

Faça a associação CORRETA entre os parênquimas vegetais e a principal função


que desempenham.

( )A
( )B
( )C
( )D
( )E

Resposta: II-A, IV-B, III-E, I-D, V-C


Histologia Vegetal
(UFAL-1999) Para demonstrar a ocorrência de mitoses em uma planta, um
professor deve utilizar preparações feitas com
a) meristema apical de raiz.
b) parênquima clorofilado.
c) medula de caule. Resposta: a
d) epiderme superior de folha.
e) células crivadas do floema.
(Fuvest-2002) Enquanto a clonagem de animais é um evento relativamente
recente no mundo científico, a clonagem de plantas vem ocorrendo já há
algumas décadas com relativo sucesso. Células são retiradas de uma planta-
mãe e, posteriormente, são cultivadas em meio de cultura, dando origem a
uma planta inteira, com genoma idêntico ao da planta-mãe. Para que o
processo tenha maior chance de êxito, deve-se retirar as células
a) do ápice do caule.
b) da zona de pêlos absorventes da raiz. Resposta: a
c) do parênquima dos cotilédones.
d) do tecido condutor em estrutura primária.
e) da parede interna do ovário.
Histologia Vegetal
(UEL-1997)Os tecidos nos quais encontram-se estômatos e lenticelas em uma
árvore são, respectivamente,
a) epiderme e súber.
b) xilema e colênquima. Resposta: a
c) floema e xilema.
d) súber e floema.
e) colênquima e epiderme.

(UEL-1994) Os tecidos que permitem às plantas manterem-se eretas são,


principalmente,
a) o lenho, o esclerênquima e o colênquima.
b) o líber, o esclerênquima e o colênquima.
Resposta: a
c) o lenho, o líber e o colênquima.
d) o lenho, o líber e o meristema.
e) o meristema, o colênquima e o esclerênquima.
Histologia Vegetal
(Unesp-1997) São exemplos de tecidos de sustentação, condução e proteção,
respectivamente
a) súber - traqueídeos - esclerênquima.
b) epiderme - esclerênquima - súber.
Resposta: d
c) súber - colênquima - fibras.
d) esclerênquima - traqueídeos - súber.
e) colênquima - xilema – traqueídeos

(Uel-2001) São importantes tecidos de sustentação dos vegetais:

a) Floema e xilema.
b) Colênquima e esclerênquima.
Resposta: b
c) Parênquimas de reserva.
d) Súber e ritidoma.
e) Córtex e cilindro central.
Histologia Vegetal
(PUC SP-2004) Um casal de namorados, com auxílio de um canivete, faz a
inscrição de seus nomes ao redor do tronco de uma árvore. Passados seis
meses, o casal se separa. O rapaz vai até a árvore e retira um anel da casca,
circundando o tronco na região que continha a inscrição. Após algum tempo,
o casal se reconcilia e volta à árvore para refazer a prova de amor, mas, para
sua surpresa, encontram-na morta, porque o anel de casca que foi retirado
continha

a) além da periderme, o floema. Resposta: a


b) além da periderme, o xilema.
c) apenas o floema.
d) apenas o xilema.
e) o xilema e o floema.
Histologia Vegetal
(UFMS-2002)A textura "arenosa" que se percebe ao saborear uma pêra é
dada pela presença de células mortas na maturidade, com paredes muito
espessas e com reforço de lignina.
Pelas características apresentadas, essas células são constituintes do tecido
denominado
a) meristema. Resposta: b
b) esclerênquima.
c) floema.
d) parênquima.
e) epiderme.

Assinale o tecido vegetal em que NÃO se observa atividade celular:


a) Parênquima clorofiliano.
b) Meristema apical. Resposta: d
c) Floema.
d) Xilema.
e) Parênquima medular.
Histologia Vegetal
(UFRJ-2000)Sobre o esquema a seguir são feitas algumas afirmativas:

I) O esquema representa o tecido vegetal de sustentação.


II) Neste sistema movimenta-se uma solução orgânica onde
predominam açúcares solúveis.
III) Este tecido está presente em todos os vegetais terrestres.
IV) A movimentação de solução orgânica neste sistema faz-se da região
mais concentrada para a menos concentrada.

Sobre as afirmativas, pode-se concluir que apenas

a) II e III estão corretas.


b) II e IV estão corretas.
c) I e IV estão corretas.
d) I e II estão corretas.
e) I e III estão corretas.

Resposta: b
Histologia Vegetal
(UNESP-2004)Nos vegetais, estômatos, xilema, floema e lenticelas têm suas
funções relacionadas, respectivamente, a

a) trocas gasosas, transporte de água e sais minerais, transporte de substâncias


orgânicas e trocas gasosas.
b) trocas gasosas, transporte de substâncias orgânicas, transporte de água e
sais minerais e trocas gasosas.
c) trocas gasosas, transporte de substâncias orgânicas, transporte de água e
sais minerais e transporte de sais.
d) absorção de luz, transporte de água, transporte de sais minerais e trocas
gasosas.
e) absorção de compostos orgânicos, transporte de água e sais minerais,
transporte de substâncias orgânicas e trocas gasosas.

Resposta: a
Organologia Vegetal
Organologia Vegetal
1) Introdução

É a parte da biologia que estuda o conjunto de órgãos que formam o corpo da planta.
 Os principais órgãos vegetais são:
I. Raiz
II. Caule
III. Folhas

2) Órgãos da planta

A) Raiz

 Órgão aclorofilado
 Localiza-se geralmente abaixo da superfície do solo
 Funções:
I. Fixar a planta ao solo
II. Absorver água e sais minerais do solo para a planta
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta Colo
 Região de transição entre raiz e caule.
A) Raiz 5) Zona de ramificação
 Região onde ocorre a formação das raízes
secundárias (laterais)
4) Zona pilífera (pêlos absorventes)
 Células epidérmicas possuem pêlos
absorventes que absorvem água e sais

3) Zona de alongamento celular (lisa)


 Células sofrem alongamento
 Região da raiz que mais cresce

2) Zona de multiplicação celular


 Meristema apical
 Ocorre sucessivas divisões mitóticas
1) Coifa (capuz de células parenquimáticas)
 Protege o meristema apical
 Produz mucilagem que facilita
penetração da raiz no solo
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta I) Epiderme
o Camada única de células periféricas
A) Raiz - Crescimento primário o Possui os pêlos absorventes
 Monocotiledôneas o Aumentam a superfície de contato
o Absorção de água e sais minerais

II) Córtex
o Possui os tecidos: parênquima, colênquima,
esclerênquima e endoderma.
o As células parenquimáticas preenchem
espaços e podem armazenar nutrientes.
o Colênquima: flexibilidade
o Esclerênquima: sustentação
o Endoderme: Delimita o cilindro central e
seleciona o que entra no xilema.

III) Cilindro vascular


o Apresenta o xilema e o floema
o Possui o periciclo, o qual se desdiferencia
em meristemas secundários e forma raízes
secundárias.
2) Órgãos da planta

A) Raiz - Crescimento secundário


 Dicotiledôneas e Gimnospermas

Câmbio vascular (meristema secundário)


 Forma floema secundário para fora
 Forma xilema secundário para dentro

Felogênio (meristema secundário)


 Forma súber (cortiça) para fora (tecido morto)
 Forma feloderme para dentro
 Suber + felogênio + feloderme = periderme
Casca = súber + felogênio + feloderma + floema secundário
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Classificação das raízes

I) Quanto a origem

a) Normal: Tem origem a partir da radícula do embrião.

b) Adventícia: Origina-se a partir do caule ou das folhas (radícula atrofia-se).

Normal Adventícia
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
II) Quanto ao habitat
Subterrâneas
a) Axial ou Pivotante (Dicotiledôneas): Possui uma raiz principal de onde partem raízes
laterais.
b) Fasciculadas ou cabeleira (Monocotiledôneas): Formado por raízes finas que se
originam diretamente do caule.
c) Tuberosas: Armazenam substâncias nutritivas.

Axial Fasciculada Tuberosa


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
II) Quanto ao habitat
Aéreas
a) Estranguladoras: Adventícias que abraçam outro vegetal estrangulando-o.
b) Grampiformes: Adventícias em forma de grampo que fixam a planta trepadeira.
c) Pneumatófaros (respiratórias): Cresce para cima e fornece O2 para as partes submersas.

Raiz pneumatófora Raiz grampiforme Raiz estranguladora


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
II) Quanto ao habitat
Aéreas
d) Haustório: Penetram em tecidos vasculares de outra planta e sugam sua seiva.
e) Suporte ou escora: Raízes que auxiliam a sustentação da planta.
f) Tabular: Promove o aumento da sustentação da planta.

Haustório – Erva de passarinho Raiz tabular Raiz suporte ou escora


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
II) Quanto ao habitat
Aquáticas
Raízes aquáticas: Possui parênquima aerífero bastante desenvolvido que promove a
flutuabilidade do vegetal.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

B) Caule - Crescimento primário


I) Epiderme
 Monocotiledôneas
o Camada única de células periféricas
o As vezes contém estômatos que promovem
trocas gasosas.

II) Córtex
o Possui os tecidos: parênquima e
colênquima.
o As células parenquimáticas podem conter
cloroplastos e realizar fotossíntese.
o Na região interna estão localizados os feixes
vasculares (xilema e floema)

III) Medula
o Constituída por parênquima de
preenchimento.
2) Órgãos da planta

B) Caule - Crescimento secundário


 Dicotiledôneas e Gimnospermas
Câmbio vascular (meristema secundário)
 Surge a partir do câmbio fascicular (dentro dos feixes
vasculares) e pelo câmbio interfascicular (entre os feixes)
 Forma floema secundário para fora
 Forma xilema secundário para dentro
Felogênio (meristema secundário)
 Forma súber (cortiça) para fora (tecido morto)
 Forma feloderme para dentro
 Suber + felogênio + feloderme = periderme
Casca = súber + felogênio + feloderma + floema secundário
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Disposição dos feixes vasculares no caule

Floema

Xilema

Dicotiledôneas Monocotiledôneas
Feixes vasculares organizados Feixes vasculares desorganizados
Floema (periférico) Floema (periférico)
Xilema (central) Xilema (central)
2) Órgãos da planta
Madeira = xilema secundário
B) Caule - Crescimento secundário
 Estrutura e do Tronco
o Súber: tecido morto que se destaca do tronco (proteção)
o Felogênio (Meristema secundário)
o Parênquima cortical
o Floema (condução de seiva elaborada)
o Câmbio (meristema secundário)
o Alburno (xilema secundário funcional) – Condução de seiva bruta
o Cerne (xilema secundário inativo) – Ocorre impregnação de corantes e resinas (proteção)
Súber
2) Órgãos da planta Em algumas espécies o número de
anéis de crescimento corresponde
B) Caule - Crescimento secundário exatamente a idade da planta.
 Anéis de crescimento do tronco
o Resultam da variação de atividade do xilema em resposta a alterações climáticas
o Em estações secas: xilema produz células com parede celular mais espessa
(xilema estival)
o Em estações chuvosas: xilema produz células com parede celular relativamente
fina (xilema primaveril)
Xilema
primaveril Xilema
estival

Clima quente Clima frio


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta Tronco: Caules robustos e geralmente ramificados na região
superior (Gimnospermas e dicotiledôneas)
Classificação dos caules Haste: Caule fino e delicado (plantas herbáceas)
Estipe: São caules cilindricos, não ramificados que terminam
I) Caules Eretos com um tufo de folhas (Palmeira)
Colmo: Caules não ramificados que apresentam nós e entre-
nós bem evidentes. Tipos: Cheio (cana de açúcar) Oco (bambú)
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
São relativamente finos e longos e crescem enrolados
Classificação dos caules sob diversos tipos de suporte.

II) Caules Trepadores (volúvel) Apresentam ramos modificados (gavinhas) que auxiliam
na fixação das plantas ao substrato.

Trepador (hera)
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Classificação dos caules


Sarmento: Caule rastejante que apresenta apenas um ponto
III) Caules rastejantes de enraizamento (Abóbora)

Estolão: Caule rastejante que produz gemas em vários pontos


que podem originar novas plantas completas. (Morango)

Sarmento
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Classificação dos caules


Rizoma: Caule subterrâneo que apresenta crescimento
IV) Caules subterrâneos horizontal (Bananeira)
Tubérculo: Caule subterrâneo que apresenta dilatamento
devido ao acúmulo de nutrientes (batata inglesa)

Folhas

Rizoma

Tubérculo
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
Bulbo: Possui região interior (prato) envolvida por folhas
modificadas armazenadoras de nutrientes (catáfilo) – Ex:
Classificação dos caules
cebola e alho.
V) Bulbos
(folhas modificadas + caule)

Cebola
Alho
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Classificação dos caules


Caule aquático: Contém parênquima aerífero que armazena
VI) Aquáticos ar e auxilia a respiração e flutuação da planta.
Ex: Aguapé.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta Espinhos: Podem se originar do caule ou da folha – No
primeiro caso, são ramos curtos com ponta afilada que
Adaptações do caule protege a planta. (Ex: Limoeiro)
Acúleo: Estruturas pontiagudas originadas da epiderme (são
 Proteção (herbivoria) facilmente destacáveis) – Ex: roseira
 Reserva de água
 Economia hídrica. Cladódios: Caules adaptados à realização de fotossíntese e
ao armazenamento de água. Ex: cactáceas.
Filocládios: Cladódio com aspecto laminar.

Espinhos Acúleos
Cladódio
Filocládio
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

C) Folhas

 Órgão responsável pela fotossíntese e trocas gasosas.

Partes da folha:

a) Limbo (lâmina foliar): Possui a


superfície achatadada.

b) Pecíolo: haste que fixa a folha ao


caule.

c) Bainha: região terminal e dilatada


do pecíolo que envolve o caule.

d) Estípulas: Projeções filamentosas


que ocorrem na região basal da
folha.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

C) Folhas

 Anatomia interna da folha

Epiderme: Geralmente uniestratificada


Pluriestratificada (plantas xerófitas)
o Possui estômatos (trocas gasosas)
o Pode apresentar camada de cutina
cobrindo as células (economia hídrica)

Mesófilo: Representado pelo parênquima


clorofiliano (paliçádico e lacunoso)
Paliçádico: células dispostas lado a lado
Lacunoso: espaços entre as células
Função: Fotossíntese
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

C) Folhas

 Anatomia interna da folha

Feixe vascular (nervura)

Xilema voltado para epiderme superior


Floema voltado para epiderme inferior
Fibras do esclerênquima envonvedo-os

Feixes vasculares
Em monocotiledôneas (A) Xilema (seiva bruta)
 Disposição paralelinérvea Floema (seiva elaborada

Em dicotiledôneas (B)
 Disposição peninérvea

A B
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Estruturas

I) Cutícula: Camada de cera (lipídio) presente na superfície das células epidérmicas de


algumas folhas

II) Estômatos: Únicas células epidérmicas que possuem cloroplastos.


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Estruturas

Hidatódio
III) Tricomas:

São pêlos epidérmicos que auxiliam na redução da perda de água.

IV) Hidatódio: Elimina o excesso de água do interior da folha.

V) Glândulas: Tricomas especializados em liberar aromas que atraem polinizadores.


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Especializações da folha

I. Espinhos: Folhas modificadas ou ramos do caule que formam estruturas afiladas e


pontiagudas.
Função: Defesa contra herbivoria e economia hídrica (reduz área de superfície da folha)
II. Gavinhas: Folhas ou caules modificados que auxiliam plantas trepadeiras na fixação
ao substrato.
III. Brácteas: Folhas modificadas que possuem a função de atrair agentes
polinizadores.

Gavinha Bráctea Espinho


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Flor: Conjunto de folhas modificadas adaptadas para a realização da reprodução sexuada


nas plantas Angiospermas. Pedúnculo: haste que fixa a flor no ramo.
Receptáculo: região da flor onde se inserem
os elementos florais.

Sépala: folha modificada estéril (verde) –


conjunto: cálice

Pétala: folha modificada estéril (colorida) –


conjunto: corola

Estame (filete + antera): folha modificada


Óvulo fértil que produz grão-de-pólen
Conjunto: Androceu
Carpelo (estigma + estilete + ovário): folha
Receptáculo modificada fértil formadora de óvulos.
Conjunto: Gineceu
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Flor: Órgão da planta responsável pela formação de sementes e frutos.

Semente: Estrutura proveniente do desenvolvimento do óvulo após a sua fecundação.

Frutos: Estrutura proveniente do desenvolvimento do ovário da flor que contém em seu


interior, protegidas, as sementes.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta
Inflorescência: Conjunto de flores reunidas em uma estrutura única, dispostas de
diversas maneiras
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta Espiga
Tipos de inflorescência

capítulo

cacho
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Flor: Órgão da planta responsável pela formação de sementes e frutos.

Filme sobre polinização das abelhas


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Fruto: Estrutura proveniente do desenvolvimento da parede do ovário da flor, após a


fecundação do óvulo.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Fruto verdadeiro: Proveniente exclusivamente do desenvolvimento da parede do ovário.

I) Carnosos – apresentam o pericarpo suculento.

a) Baga b) Drupa
Apresenta endocarpo ou mesocarpo Apresenta uma única semente cuja casca é
carnoso e com múltiplas sementes fundida ao endocarpo do fruto formando o
“caroço”.

Ex: Melancia, melão, goiaba, pepino, etc Ex: Pêssego, manga, azeitona, abacate, etc.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Fruto verdadeiro: Proveniente exclusivamente do desenvolvimento da parede do ovário.

II) Frutos secos – Apresenta o pericarpo não suculento.

a) Legume ou vagem b) Aquênio


Mesocarpo pouco desenvolvido, possuem Apresenta apenas uma semente ligada à
geralmente múltiplas sementes em seu parede do fruto por um único ponto.
interior.

Ex: Feijão, ervilha, soja, amendoim, etc. Ex: Girassol, picão,


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Fruto verdadeiro: Proveniente exclusivamente do desenvolvimento da parede do ovário.

II) Frutos secos – Apresenta o pericarpo não suculento.

c) Cariopse d) Sâmara
Apresenta uma única semente unida à Fruto seco que apresenta expansões em
parede do fruto em toda sua extensão. forma de asas.

Ex: Milho, arroz, etc. Ex: Centrolóbio, cabreúva, etc.


Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Pseudofruto: Frutos que não se originam do desenvolvimento do ovário da flor, mas sim
de outras estruturas.

a) Simples b) Fruto agregado


Provenientes do desenvolvimento do Provenientes do desenvolvimento do
pedúnculo ou do receptáculo de uma só receptáculo de uma única flor, com muitos
flor. ovários.

Ex: Maçã, pêra (receptáculo) Exemplo: morango, pois vários aquênios


Caju (pedúnculo) ficam associados a uma parte carnosa
correspondente ao receptáculo da flor.
Organologia Vegetal
2) Órgãos da planta

Pseudofruto: Frutos que não se originam do desenvolvimento do ovário da flor, mas sim
de outras estruturas.

c) Fruto múltiplo

provenientes do desenvolvimento de ovários de muitas flores de uma inflorescência, que


crescem juntos numa estrutura única. Ex: amora, abacaxi e o figo.
Exercícios
Considerando os tecidos vegetais, relacione a coluna 1 com a coluna 2.
Coluna 1
I - Tecido que garante a flutuação de plantas aquáticas.
II - Tecido que garante a sobrevivência de plantas em ambientes secos como desertos.
III - Tecido responsável pelo crescimento em comprimento de caules e raízes.
IV - Tecido responsável pelo crescimento em espessura dos caules.
V - Tecido responsável pela fotossíntese.
VI - Tecido de características mecânicas que serve para a sustentação da planta.
Coluna 2
( ) Câmbio
( ) Meristema apical Resposta: E
( ) Esclerênquima
( ) Parênquima clorofiliano
( ) Parênquima aerífero
( ) Parênquima aquífero
Assinale a alternativa com a seqüência correta
a) I, II, III, V, VI e IV.
b) III, I, II, IV, V e VI.
c) III, IV, VI, I, II e V.
d) IV, VI, III, V, I e II.
e) IV, III, VI, V, I e II.
(UFG-2001) Considerando a figura, que mostra a retirada de um anel da casca
do tronco de uma árvore, analise as proposições.

( ) Esse procedimento interrompe a realização da fotossíntese pelas folhas, situadas


acima do corte.
( ) A retirada desse anel promove o aumento do número de vasos lenhosos que
carregam moléculas de açúcar.
( ) A presença do corte no tronco da árvore interrompe a descida da seiva elaborada,
em direção às raízes.
( ) Esse tipo de corte provoca a morte da árvore, porque às raízes deixam de receber
alimento e param de absorver seiva bruta.
Resposta: F, F, V, V
No esquema a seguir, podemos observar a disposição dos vasos condutores
no caule de uma dicotiledônea, destacados com 1, 2 e 3 e que representam,
respectivamente:

Resposta: A
a) xilema, floema e câmbio.
b) xilema, câmbio e floema.
c) tubos, xilema e floema.
d) epiderme, floema e câmbio.
e) epiderme, endoderma e xilema.
(UF Lavras-2000)O caule de determinadas espécies vegetais pode aumentar
o seu diâmetro quando em estrutura secundária de crescimento. Quando
isso ocorre, a epiderme e todos os seus anexos são substituídos, estrutural e
funcionalmente pela periderme. Que estruturas são então formadas para
substituir os estômatos?
Resposta: E
a)Pneumatóforos.
b) Acúleos.
c) Hidatódios.
d) Haustórios.
e) Lenticelas.

(FUVEST-1992)O esquema adiante representa um corte transversal de um


tronco de árvore.
a) Em quais dos tecidos indicados espera-se
encontrar células em divisão?
Felogênio e câmbio (meristema secundário)
b) Em qual dos tecidos indicados espera-se
encontrar seiva com maior concentração de
substâncias orgânicas?
Floema