You are on page 1of 3

O que acontece com a

alma após a morte?


July 22, 2014 0 22 de julho de 2014 0

Suponho que entre nós, meros mortais, a única pessoa que poderia dar testemunho em
primeira mão da pergunta: "O que acontece com a alma após a morte?", Era Lázaro, e ele
não deixou restos literários existentes. Na melhor das hipóteses, temos uma história antiga
que relata que depois que Cristo o ressuscitou depois de ter morrido por quatro dias, ele
nunca sorriu, pois não podia esquecer o sofrimento das almas no Hades, a terra dos
mortos. Se a história é verdadeira, é um mau presságio para aqueles que morreram
intocados pela graça de Cristo.

Mas embora a Igreja não tenha um livro de memórias "diga tudo" com autoridade de
alguém que morreu e que tenha sido trazido de volta à vida, ela tem uma tradição longa e
considerável a partir da qual se pode desenhar. Quão longa e considerável é esta tradição,
pode ser vista no livro Life after Death, de acordo com a Tradição Ortodoxa, escrita por
Jean-Claude Larchet , e disponível através do Orthodox Research Institute. O valor do livro
está na abrangente pesquisa que ele realiza, citando uma ampla seleção dos
Padres. Qualquer pessoa pode escrever um livro sobre o destino da alma após a morte, se
considerarmos o assunto seletivamente, escolhendo e escolhendo entre textos patrísticos
para apoiar a visão pré-determinada, e muitos escreveram tais livros. Às vezes, a escrita e
o debate entre os escritores podem tornar-se um pouco desagradáveis, como no famoso
debate entre Seraphim Rose e Lev Puhalo. (O debate também se tornou um pouco
unilateral, já que o padre Seraphim morreu em 1982 e não pode mais responder aos seus
detratores.) O presente volume de Larchet foi escrito em tom mais acadêmico e ponderado
e, em vez de argumentar, simplesmente apresenta a vasta quantidade de material
patrístico disponível e permite que ele fale por si. Quando alguém lê as muitas citações
patrísticas, rapidamente fica claro que o padre. Serafim era o cavalo para apostar.

O livro estrutura o material patrístico de acordo com a jornada progressiva da alma após a
morte. Assim, tem capítulos sobre o que acontece com a alma no momento da morte, e
desde o primeiro dia até o terceiro dia após a morte, e do terceiro dia até o nono, e do
nono dia até o quadragésimo e depois do quadragésimo dia. dia até a hora do juízo
final. Esta é uma maneira conveniente de agrupar o material e, especialmente, porque se
baseia na antiga prática da Igreja de comemorar os que partiram no primeiro, terceiro,
nono e quadragésimo dia após a morte. Mas impõe ao material mais sistematização e
temporalidade do que o material realmente permite, ainda que compense um pouco
reconhecendo a natureza simbólica de algumas das descrições do que acontece depois da
morte e da natureza alterada do tempo depois de termos deixado a Terra. . Agrupar
experiências em relação ao que acontece, por exemplo, do terceiro ao nono dia, é um
dispositivo útil para organizar materiais díspares, mas é preciso considerá-lo como um
programa temporal.

No momento da morte, e quando começamos a atravessar a porta escura deste mundo


visível para o invisível, parece que nos momentos finais de alguém confrontamos as
realidades que até então eram invisíveis a olho nu. Vê-se os demônios, acusando,
mentindo e agarrando. Vê-se o anjo da guarda, e possivelmente os santos que podem vir
receber a alma cristã que parte do mundo para o próximo. Essa terrível provação de
enfrentar os demônios é assunto de muito material patrístico, e muitas das orações da
igreja pelos que estão morrendo também lidam com isso.

No pensamento do Novo Testamento, a morada dos demônios não está no inferno abaixo,
mas no ar acima. Satanás é “o príncipe do poder do ar” (Efésios 2: 2), aquele cujos
“exércitos espirituais da iniqüidade” ocupam “os lugares celestiais” (Ef 6:12).É por isso
que, de acordo com Santo Atanásio, Cristo morreu levantado na cruz, morrendo acima do
solo, ao ar livre. “O ar é a esfera do diabo ... o Senhor veio para derrubar o diabo e
purificar o ar e nos levar para o céu” (On the Encarnation, cap. 25). Para chegar a Deus no
céu, é preciso correr a manopla desses exércitos demoníacos, lutando por seu
caminho. As histórias monásticas das mortes de alguns dos Padres do deserto relatam
sua luta final com esses inimigos demoníacos. A tradição litúrgica da Igreja baseia-se
nisso, falando dos demônios tentando agarrar a alma enquanto ela morre. Por exemplo,
Ps. 22: 12-13 refere-se a “muitos touros em volta de mim; abrem as suas bocas para mim
como um leão que ruge e rola ”, e o Cânon para a partida da alma fala dos demónios
como“ leões rugidos noéticos ”que“ procuram levar-me para longe e amargura-me
amargamente ”(Ode 3) . Se alguém é um verdadeiro crente, os anjos defendem a alma
que está partindo e a carregam através das acusações dos demônios para a segurança e
bem-aventurança. As almas intocadas pela graça ou que não terminaram seu curso de
piedade e fé não são capazes de encontrar seu caminho para a segurança, mas são
arrastadas para o Hades para aguardar o seu julgamento final.

É nesse progresso final para Deus que encontramos o ensinamento da Igreja nas
portagens. A imagem das casas de pedágio era pungente para os antigos, pois todos os
viajantes experimentavam as autoridades fiscais e alfandegárias que esperavam na beira
da estrada para cobrar o que lhes era devido. Temia-se esses encontros com os
funcionários da casa de pedágio. Eles tinham uma reputação de grosseria, corrupção e
extorsão, o que os tornava uma escolha óbvia para os homilistas quando falavam sobre os
demônios que barravam o caminho dos possíveis viajantes na estrada para o céu. Como
esses funcionários da alfândega gritaram os viajantes sobre o que eles estavam
carregando, os demônios gritarão e nos acusarão de nossos pecados quando
começarmos o nosso caminho para o paraíso. Essa tradição é consistente em todos os
Padres e pode ser encontrada já em Orígenes (que morreu em 254 dC): “Quando nos
afastamos do mundo, alguns seres estarão sentados nos limites deste mundo, como se
estivessem exercendo o ofício. de coletores de impostos, muito cuidadosamente
procurando encontrar algo em nós que é deles [ou seja, pecados] ”Homilias sobre Lucas,
23). Nós não seremos capazes de evitar esta acusação e inspeção da nossa vida. As
acusações dos demônios nos revelarão exatamente que tipo de pessoas éramos.

Isso é valioso, por mais terrível que seja a provação. Pois aqui nesta vida nós não
sabemos realmente que tipo de pessoas somos. Nós não ouvimos nossas vozes como
elas realmente soam, nem vemos nossas ações como elas aparecem para os
outros. Esperamos que as coisas ruins que ouvimos sobre nós mesmos não sejam
verdadeiras e que estamos simplesmente sendo mal compreendidos. Mas naquele dia,
confrontados por demônios e acompanhados por anjos, ouviremos a verdade e nos
veremos como realmente éramos. Terá um efeito purificador sobre nós, pois só podemos
receber a graça e a cura de Deus se reconhecermos onde estamos feridos e quais partes
de nossa vida precisam ser curadas. Por mais doloroso que seja, precisamos conhecer a
verdade, toda a verdade e nada além da verdade sobre nós mesmos. Esse
autoconhecimento, chegando até nós após a morte e incorporado na metáfora das casas
de pedágio, é essencial para nossa felicidade e alegria final.

Depois da morte, todas as almas devem encontrar-se com Cristo, como parte de sua
descoberta do modo como as coisas realmente são. Nesta vida eles poderiam ter
considerado Jesus como simplesmente um grande homem, ou um maravilhoso professor
da Regra de Ouro. Possivelmente, como os muçulmanos, eles o consideravam um mero
profeta. Possivelmente, como os fariseus, eles o consideravam um falso profeta e um
enganador. No entanto, eles podem ter considerado Jesus nesta vida, então todos
descobrirão quem Ele realmente é: o divino Filho de Deus, morto para a salvação dos
homens, e sentado à destra de Deus como sua única esperança. Se este reconhecimento
do poder de Cristo traz lágrimas de alegria após uma vida de fé, ou lágrimas de pesar
após uma vida de incredulidade, todos devem se curvar diante de Seu trono como O vêem
como Ele realmente é.

Então vem a espera pelo Último Dia, quando todos ressuscitarão dos mortos e estarão
diante de Cristo em seus corpos para receber julgamento, verdade e recompensa. Alguns
vão esperar na terra dos mortos (hebraico Sheol; grego Hades, ou "inferno"), cheio de
pavor. Alguns vão esperar lá, em estado de suspense. Alguns esperarão com os santos no
paraíso celestial, encharcados de alegria e antecipação de uma felicidade ainda
maior. Mas durante este tempo de espera tudo pode ser ajudado pelas orações da
Igreja. Essas orações são muito gerais, pois são oferecidas a todos os homens, tanto para
os que estão morrendo com piedade fervorosa, como também para aqueles cuja fé é mais
tépida e nominal, e mesmo para aqueles cujas vidas interiores não sabemos nada. Ao
examinar as orações da Igreja pelos falecidos e seus ensinamentos sobre seu estado após
a morte, isso precisa ser mantido em mente. Os Padres não nos apresentam um sistema
limpo, mas com um Senhor vivo, e com obrigações presentes urgentes. Não sabemos tudo
o que gostaríamos de saber, mas sabemos tudo o que precisamos saber para fazer o que
Deus requer de nós. E certamente é melhor não saber tudo? Somos muito facilmente
distraídos de nossos deveres como são; quanto mais estaríamos distraídos se
soubéssemos tudo o que estava por vir?

Todos nós entraremos nesse país não descoberto em breve. Enquanto isso, a Igreja nos
dá tudo o que precisamos para preparar essa jornada final. Sabemos que depois que
morrermos, veremos os demônios e os anjos como eles são e enfrentaremos nossas vidas
e nossos pecados como realmente eram. Sabemos que veremos a Cristo no seu
trono. Agora é a hora de se preparar para as revelações destruidoras e para a
fragmentação da Presença. A eternidade começa hoje.