You are on page 1of 36

BIOLOGIA 1

Aulas Níveis de organização dos seres vivos.


1a3 Modelos celulares.
Noções de bioenergética

© BEN GOODE | DREAMSTIME.COM


Algumas áreas da Biologia
Os níveis de organização dos seres vivos permi-
tem separar áreas de estudo na Biologia, tais como:
Bioquímica, Citologia, Histologia, Anatomia, Fisiolo-
gia, Ecologia entre outras.

Níveis de organização
dos seres vivos

Bioquímica Moléculas Todas as onças-pintadas de um ambiente constituem


uma população.
Orgânulos
Citologia
Células

Histologia Tecidos Fisiologia

Órgãos

Anatomia Sistemas

Organismo

População Comunidade: é o conjunto de todos os seres vivos


de um ambiente.
Comunidade
Ecologia
Ecossistema
A organização de um organismo animal
• O organismo de um animal, e também de plantas,
Biosfera apresenta níveis de organização em:
– Sistemas: partes do organismo que exercem
Áreas de estudo da Biologia e sua relação com os níveis de papéis definidos, contribuindo para o seu
organização.
funcionamento.
– Órgãos: são integrantes dos sistemas, cola-
O organismo e o ambiente borando para o seu funcionamento.
• Um ambiente apresenta os seguintes níveis de or- – Tecidos: são camadas componentes dos órgãos;
ganização: geralmente apresentam células semelhantes.
– População: é o conjunto de seres vivos da mes- – Células: são unidades funcionais dos seres vi-
ma espécie que vivem em um mesmo ambiente. vos; normalmente, as células do organismo hu-
– Comunidade: é o conjunto de populações mano possuem membrana, citoplasma e núcleo.
que habitam um mesmo ambiente. – Organoides: são estruturas com funções es-
– Ecossistema: ambiente formado por uma pecializadas, contribuindo para a atividade
comunidade em interação com os fatores celular.
abióticos do meio. – Moléculas: são constituídas por átomos e
– Biosfera: é o conjunto de todos os ecossiste- têm papel fundamental para a realização dos
mas do planeta. processos que mantêm a vida.
• Há seres unicelulares e seres pluricelulares.
• Vírus são acelulares.

520 B IOL OGIA


Aulas

1a3

Organismo
(humano)
Sistema
(digestório)

Órgão
(estômago)

Tecido
(muscular)

Célula
Átomo (muscular)
Molécula Organoide
(fósforo) (DNA) (mitocôndria) Membrana
Núcleo
Citoplasma

Níveis de organização dos seres vivos: exemplos de estruturas do organismo ao átomo.

Célula animal – É delimitado pela carioteca (envoltório nuclear de


Uma célula animal apresenta três componentes natureza lipoproteica), a qual é ligada ao retículo
principais: membrana, citoplasma e núcleo. endoplasmático.
No interior das células, ocorrem atividades meta- – Seres vivos que apresentam carioteca são denomi-
bólicas. nados eucariontes, como animais e plantas.
– No interior do núcleo, há os componentes:
• Metabolismo ○ Nucleoplasma (cariolinfa).
– Conjunto de reações químicas responsáveis pela ○ Filamentos de cromatina, formados por DNA
manutenção da vida. As reações que ocorrem no e histonas (proteínas).
âmbito celular são controladas por enzimas. ○ Nucléolo, rico em RNA ribossômico (um dos
componentes dos ribossomos).
• Membrana plasmática
– Constituída de lipídeos e proteínas (lipoproteica). Ribossomos
Carioteca
– Controla as trocas que a célula realiza com o am- Cariolinfa
biente em que se encontra: tem permeabilidade Cromatina Núcleo
Nucléolo
seletiva.

• Núcleo
– Tem DNA (ácido desoxirribonucleico): material
Retículo endoplasmático
genético.
Organização do núcleo e sua ligação com o retículo
endoplasmático.

TE TRA I BIOLOGI A 521


Aulas

1a3
• Citoplasma Carioteca
– Localizado entre a membrana e o nú- Cariolinfa
Cromatina
Núcleo

cleo. Nucléolo
– Possui citosol e orgânulos (organelas/
Mitocôndria Complexo golgiense
organoides).
Centríolo
– As organelas desempenham papéis es- Citoplasma Citosol
Orgânulos
pecíficos no metabolismo celular: são Lisossomos

exemplos as mitocôndrias (respiração Ribossomos

celular) e os ribossomos (síntese de Retículo endoplasmático

proteínas). Componentes de uma célula animal.

Orgânulos do citoplasma de uma célula animal:


Orgânulo Características Funções principais
Estruturas com aspecto granular e que não são
Ribossomos Síntese de proteínas
delimitados por membrana. Possuem RNA e proteínas.
Formadas por duas membranas. Seu interior possui
Mitocôndrias Respiração celular
um coloide, ribossomos e DNA.
Constituído por sacos membranosos achatados, Concentração de substâncias, empacotamento e
Complexo golgiense
empilhados e com extremidades dilatadas. secreção
liso ou agranular Constituído por tubos membranosos ramificados que
Transporte e síntese de lipídeos
Retículo (sem ribossomos) não têm ribossomos aderidos à sua superfície.
endoplasmático rugoso ou granular Constituído por canais membranosos ramificados e mais
Transporte e síntese de proteínas
(com ribossomos) achatados, em cuja superfície aderem-se ribossomos.
Vesículas membranosas que contêm enzimas digestivas;
Lisossomos Digestão no interior da célula (intracelular)
são derivados do complexo golgiense.
Normalmente constituem pares, dispostos perpendicular-
Formação de cílios e flagelos e participação na divisão
Centríolos mente entre si. Cada centríolo é constituído por blocos de
celular
proteínas.

Contêm enzimas, como a catalase, que degrada água


Peroxissomos Vesículas membranosas que contêm enzimas.
oxigenada

Os orgânulos citoplasmáticos, suas características e funções.

Célula vegetal
Uma célula vegetal típica apresenta estruturas que
Membrana
não são encontradas em células animais, como cloro-
Núcleo plastos e parede celular.
• Cloroplastos: são orgânulos membranosos; con-
têm DNA e pigmentos (como a clorofila). São res-
Citoplasma
ponsáveis pela fotossíntese.
• Parede celular (membrana esquelética): envol-
Citosol Orgânulos ve a célula. Suas funções são a proteção da célula e
a sustentação mecânica. Seu principal componente
Proteínas H2O Mitocôndria Ribossomos Outros
é a celulose.
• Vacúolo: é uma grande vesícula que deriva do re-
tículo endoplasmático; armazena água, sais, açú-
cares e outros materiais. Participa de processos
Respiração Síntese das osmóticos (osmose) da célula.
celular proteínas Recebe enzimas digestivas provenientes do retí-
Os principais componentes celulares. culo endoplasmático e desempenha papel na di-
gestão intracelular (função correspondente à dos
lisossomos).

522 B IOL OGIA


Aulas

1a3
Energia e vida
• Obtemos energia por meio do alimento.
Membrana Mitocôndria • Utilizamos energia na realização de nossas ativi-
dades metabólicas.
Parede
celular
Núcleo • Parte da energia é dissipada na forma de calor.

Vacúolo Retículo
endoplasmático
Energia
Cloroplasto Ribossomos do alimento

Dissipação
Componentes de uma célula vegetal. Atividades de calor
metabólicas
Célula bacteriana
Uma célula bacteriana apresenta estrutura distinta Impulso Contração Síntese de
das células animal e vegetal, com itens em comum e nervoso muscular proteínas

itens inéditos.
• Parede celular de peptidoglicano: presente na Destino da energia proveniente do alimento.

maioria das bactérias, atua como proteção.


• Cápsula: aderida à superfície externa da parede Fotossíntese
celular, contribui para uma proteção adicional à • Seres fotossintetizantes empregam água, gás car-
célula bacteriana. bônico (CO2) e luz, fazendo com que o processo
• Membrana plasmática: apresenta invaginações, ocorra durante o dia.
os mesossomos, estruturas responsáveis pela res- • Há produção de glicose (C6H12O6), água e gás
piração celular e que contribuem para a divisão ce- oxigênio (O2).
lular bacteriana. • Assim, durante a fotossíntese, ocorre a produção de
• Nucleoide: é a região onde se localiza o material matéria orgânica por meio de matéria inorgânica.
genético, constituído por uma molécula de DNA
circular, sem histonas associadas.
Plantas
• Bactérias não têm carioteca: são desprovidas de Executada por Algas
núcleo, sendo consideradas seres procariontes. Algumas bactérias
• Plasmídeos: são moléculas menores de DNA, dis-
persas pela célula e que podem contribuir para a Equação 6CO2 + 12H2O
luz
clorofila
C6H12O6 + 6O2 + 6H2O
sobrevivência da bactéria. Gás
carbônico
Água Glicose Gás
oxigênio
Água

• Citoplasma: compreende todo o espaço interior à


membrana. Inclui o citosol, as moléculas de DNA Fotossíntese: equação e ocorrência entre os seres vivos.
e os ribossomos.
Autótrofos e heterótrofos
Mesossomo Cápsula • Autótrofos: são organismos capazes de produzir
Parede
celular matéria orgânica utilizando matéria inorgânica.
Nucleoide Membrana • Heterótrofos: são organismos que não são capa-
(região com plasmática zes de produzir matéria orgânica por meio de ma-
cromatina) Plasmídeos téria inorgânica.

Citosol Ribossomos

Componentes de uma célula bacteriana.

TE TRA I BIOLOGI A 523


Aulas

1a3
– A respiração ocorre entre diversos tipos de
Autótrofos Heterótrofos autótrofos e de heterótrofos; é realizada du-
Produzem matéria orgânica Não produzem matéria orgânica rante o dia e durante a noite.
por meio de matéria inorgânica. por meio de matéria inorgânica.

Matéria Matéria Matéria Matéria Plantas


inorgânica orgânica orgânica orgânica
Executada por Animais
Exemplos: Exemplos: Algumas bactérias etc.
Plantas Animais
Algas Fungos
Protozoários Equação C6H12O6 + 6O2 6H2O + 6CO2 + Energia
Algumas bactérias
Muitas bactérias Glicose Gás Água Gás
oxigênio carbônico

Tipos de nutrição dos seres vivos. Equação da respiração celular.

Quimiossíntese • Fermentação:
• Quimiossíntese é um processo de síntese de ma- – É um processo anaeróbico de liberação de
téria: energia.
– Converte matéria inorgânica em matéria or- – Pode gerar resíduos, como o álcool ou o
gânica, sem empregar energia luminosa. ácido láctico.
– A fonte energética desse processo é sempre – Libera menos energia que a respiração.
alguma reação química de oxidação, en-
volvendo substâncias inorgânicas. Microrganismos
Executada por
– Bactérias nitrificantes realizam quimiossín- Ex.: Fungos (leveduras) e algumas bactérias
tese.
Equação C6H12O6 2CO2 + 2C2H5OH + Energia
Glicose Gás Etanol
carbônico
Oxidação –
1a ETAPA NH3 NO2
Equação da fermentação alcoólica.
Amônia Energia Nitrito

2a ETAPA CO2 + H2O Glicose


ATP
Matéria Matéria
• O ATP (adenosina trifosfato) apresenta três fosfa-
inorgânica orgânica tos (P) e uma adenosina.
– A adenosina é formada pela base nitrogena-
Quimiossíntese realizada pela oxidação de compostos de da adenina e por uma ribose.
nitrogênio. • Funciona como um acumulador temporário de
energia proveniente da respiração celular ou da
Liberação de energia fermentação.
A glicose é degradada nos processos de respi- • A energia liberada na degradação do ATP (em ADP
ração celular ou de fermentação. + P) é empregada em atividades celulares.
• O ADP (adenosina difosfato) apresenta dois fosfa-
• Respiração celular: tos (P) e uma adenosina.
– É um processo aeróbico de liberação de
energia.
– A energia é dissipada como calor e uma par-
te é utilizada para a realização de processos
metabólicos.

524 B IOL OGIA


Aulas

1a3

Exercícios de Sala
1 UFPE 2013 3 Cederj 2012 Os hormônios esteroides são de com-
posição lipídica. Após a sua síntese no retículo, eles são
c Núcleo
Microtúbulos c
enviados para fora da célula dentro de vesículas secre-
Microfilamentos
Lisossomo toras que são formadas na organela em evidência na
Microfilamentos
a
Núcleo
figura a seguir. Alternativa: B.
Vacúolo a
central Microtúbulos

A B

As imagens acima representam uma célula animal e


uma célula vegetal. Com base nessa imagem, analise
as proposições apresentadas abaixo.
F A imagem A não pode ser representação de cé-
lula vegetal, por não apresentar lisossomo.
V A imagem B certamente representa uma célula Assinale a alternativa que identifica, respectivamente,
animal. o retículo onde o hormônio esteroide é sintetizado e a
F A imagem A também representaria bem uma cé- organela onde se formam as vesículas secretoras.
lula bacteriana. (a) Retículo rugoso e complexo de Golgi.
V A clorofila pode ser encontrada na organela in- (b) Retículo liso e complexo de Golgi.
dicada pela letra b. (c) Retículo rugoso e dictiossomo.
F A representação está incorreta, porque a organela (d) Retículo liso e fagossomo.
indicada pela letra c não ocorre em células vegetais.
4 Puccamp 2012 Uma das adaptações de mamíferos
2 Uema 2012 Todos os seres vivos, excluindo os vírus, aos climas frios é o acúmulo de tecido adiposo que tem,
apresentam estrutura celular. Entretanto, os organismos entre suas funções, o isolamento térmico. As células
unicelulares comparados com as células dos tecidos dos que sintetizam lipídeos apresentam intensa atividade
pluricelulares são muito diferentes entre si. Considerando relacionada ao: Alternativa: C.
essa grande variedade morfológica, que componentes ce- (a) condrioma.
lulares são encontrados em todas as células vivas? (b) nucléolo.
Todas as células apresentam membrana plasmática, citosol, (c) retículo endoplasmático liso.
material genético e ribossomos. (d) complexo golgiense.
(e) retículo endoplasmático rugoso.

5 Uece 2013 Considerando que todos os seres vivos


necessitam de uma fonte de carbono para construir
suas moléculas orgânicas, a diferença essencial entre
Exercício 1: os autotróficos e os heterotróficos, respectivamente, é
A imagem A representa uma célula vegetal, pois tem parede
celular e cloroplasto.
usar: Alternativa: B.
A célula animal não possui parede celular nem cloroplastos. (a) carbono orgânico e carbono inorgânico.
A célula apresentada pela imagem A tem carioteca e bactérias (b) carbono inorgânico e carbono orgânico.
não possuem essa estrutura. (c) carbono da água e do ar.
A clorofila é componente do cloroplasto, indicado pela letra b.
A organela indicada pela letra c é a mitocôndria e ocorre em
(d) metano e gás carbônico.
células animais e vegetais.
Autótrofos são capazes de produzir matéria orgânica a partir
de substâncias inorgânicas, como o gás carbônico. Heterótro-
Exercício 3:
fos não produzem material orgânico a partir de substâncias
A síntese de lipídeos ocorre no retículo endoplasmático liso;
inorgânicas; utilizam alimento orgânico presente no ambiente.
posteriormente, os lipídeos são transferidos ao complexo gol-
giense, responsável pela sua secreção.

TE TRA I BIOLOGI A 525


Aulas

1a3
6 Cederj 2011 A célula pode produzir energia sob a 8 Enem 2012 Há milhares de anos o homem faz uso
forma de ATP através de diferentes vias metabólicas. da biotecnologia para a produção de alimentos como
Essas vias ocorrem principalmente no interior da or- pães, cervejas e vinhos. Na fabricação de pães, por
ganela denominada: Alternativa: B. exemplo, são usados fungos unicelulares, chamados de
(a) lisossoma. leveduras, que são comercializados como fermento bio-
(b) mitocôndria. lógico. Eles são usados para promover o crescimento da
(c) peroxissomo. massa, deixando-a leve e macia. O crescimento da massa
(d) retículo endoplasmático rugoso. do pão pelo processo citado é resultante da: Alternativa: A.
(a) liberação de gás carbônico.
7 Fuvest 2013 A lei 7.678 de 1988 define que “vinho (b) formação de ácido lático.
é a bebida obtida pela fermentação alcoólica do mosto (c) formação de água.
simples de uva sã, fresca e madura”. Na produção de (d) produção de ATP.
vinho, são utilizadas leveduras anaeróbicas facultati- (e) liberação de calor.
vas. Os pequenos produtores adicionam essas levedu-
Leveduras usadas na produção de pão realizam fermentação,
ras ao mosto (uvas esmagadas, suco e cascas) com os processo que gera gás carbônico, álcool etílico e ATP, sendo
tanques abertos, para que elas se reproduzam mais o gás carbônico o responsável pelo crescimento da massa do
rapidamente. Posteriormente, os tanques são hermeti- pão.
camente fechados. Nessas condições, pode-se afir-
mar, corretamente, que: Alternativa: A. Exercício 4:
(a) o vinho se forma somente após o fechamento dos a) Condrioma é o nome dado ao conjunto de mitocôndrias,
orgânulos responsáveis pela respiração celular.
tanques, pois, na fase anterior, os produtos da b) Nucléolo, presente no núcleo, tem RNA ribossômico, que é
ação das leveduras são a água e o gás carbônico. componente dos ribossomos.
(b) o vinho começa a ser formado já com os tanques c) O reticulo endoplasmático liso é responsável pela síntese
abertos, pois o produto da ação das leveduras, de lipídeos.
d) O complexo golgiense realiza secreção celular.
nessa fase, é utilizado depois como substrato para e) O retículo endoplasmático rugoso está relacionado com a
a fermentação. síntese proteica.
(c) a fermentação ocorre principalmente durante a
reprodução das leveduras, pois esses organismos Exercício: 6:
O ATP é gerado na respiração celular, principalmente no inte-
necessitam de grande aporte de energia para sua
rior da mitocôndria; uma parte do ATP da respiração celular é
multiplicação. gerada no citosol.
(d) a fermentação só é possível se, antes, houver um
processo de respiração aeróbica que forneça ener-
gia para as etapas posteriores, que são anaeróbicas.
(e) o vinho se forma somente quando os tanques
voltam a ser abertos, após a fermentação se com-
pletar, para que as leveduras realizem respiração
aeróbica.

A fermentação ocorre na ausência de gás oxigênio, quando os


tanques são fechados.

GUIA DE ESTUDO
Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 1
I. Leia as páginas de 7 a 12.
II. Faça os exercícios de 10 a 14 da seção “Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos de 8 a 17.

526 B IOL OGIA


BIOLOGIA 1
Organização do núcleo. Aulas
Cromossomos. Ploidia 4e5
Organização do núcleo Ciclo celular
O núcleo de uma célula é dotado de: Uma célula normalmente apresenta dois períodos:
• carioteca, • Intérfase (não divisão): período com maior ativi-
• cariolinfa (ou nucleoplasma), dade metabólica da célula e no qual o DNA realiza
• filamentos de cromatina e replicação.
• nucléolo. • Divisão celular: mitose ou meiose.

Carioteca
Cariolinfa
Poro Núcleo Prófase
Cromatina
Nucléolo Intérfase Divisão Metáfase
(não está em divisão) (meiose ou mitose)
Anáfase
Ribossomos
Telófase
Retículo
endoplasmático

Componentes do núcleo de uma célula.


Etapas do ciclo celular.

Cromatina O material genético no ciclo celular


• Filamento de cromatina (cromonema); possui DNA • Célula em intérfase:
e histonas (proteínas associadas). – Tem filamentos de cromatina descondensados.
• Cada cromonema apresenta inúmeros genes. – Pode ocorrer a replicação do material genético,
• Procariontes têm DNA circular e não têm histonas. gerando duas cromátides-irmãs unidas pelo
• Eucariontes têm núcleo com filamentos de croma- centrômero.
tina. • Célula em divisão celular (mitose):
– Há condensação do material genético, que se
diferencia em cromossomos.
DNA
– O centrômero duplica-se e há a separação das
cromátides, que passam a ser denominadas
Nucleossomo
(8 móleculas cromossomos-irmãos.
de histonas) – Posteriormente, ocorre a descondensação dos
cromossomos.

Histonas

Organização de um filamento de cromatina (cromonema).

TE TRA I BIOLOGI A 527


Aulas

4e5

A A
Centrômero
Con
cação den
saç
R epli B B ão

Cromátides

Cromonema Cromátides
A
A A
Genes Centrômero

B B B
Cromossomo
Centrômeros duplicado

A A
Des
con ão
den
saç araç
ão Sep
B B

Cromossomos-irmãos

Modificações do material genético durante o ciclo celular.

Tipos de células quanto à ploidia – Células haploides (n): por exemplo, os game-
• Células diploides: têm “número duplo” de cro- tas de um animal, que têm um representante de
mossomos. São o zigoto e as células somáticas. cada par de homólogos.
Número diploide é representado por 2n.
• Células haploides: possuem “número simples” de
Espermatozoide
cromossomos. São representadas pelos gametas e (n = 2) Cromossomos Cromossomos
alguns esporos. O número haploide de cromosso- homólogos homólogos
mos é representado por n.
Fecundação

Espermatozoide
Zigoto
23 (2n = 4)
Fecundação Mitoses
46 Indivíduo
(tem células somáticas Óvulo
Óvulo 23 Zigoto com 46 cromossomos)
(n = 2)

Células haploides Células diploides


Cromossomos homólogos, células diploides e células haploides.
n 2n

• Alelos: são genes localizados na mesma região de


Células haploides e células diploides.
cromossomos homólogos e são responsáveis pela
determinação de uma mesma característica.
Homólogos e alelos
• Cromossomos homólogos: têm a mesma forma, Cromossomos
homólogos
o mesmo tamanho e a mesma sequência de genes.
A: confere pelo ondulado
Um é proveniente do pai, e o outro da mãe. A a Alelos
a: confere pelo liso
– Células diploides (2n): por exemplo, as células
do corpo de um animal (somáticas), que apre- B: confere pelo preto
B b Alelos
sentam pares de cromossomos homólogos. b: confere pelo marrom

Exemplo de alelos de gene em cromossomos homólogos.

528 B IOL OGIA


Aulas

4e5

Exercícios de Sala
1 Unioeste (Adapt.) O núcleo nas células desempe- Texto para a questão 3.
nha o papel de portador dos fatores hereditários e con-
A fábrica de pele
trolador das atividades metabólicas. Em relação a
essa importante estrutura e seus constituintes é corre- As seguintes etapas são utilizadas pela “fábrica de
to afirmar que: pele” alemã para produzir 100 discos de pele reconsti-
01 o núcleo interfásico de células vegetais apresenta tuída a partir de uma amostra, num processo que dura 6
uma carioteca cuja estrutura não permite a comu- semanas.
nicação com o citoplasma. 1ª etapa: Com uma biópsia, extrai-se um pequeno pe-
02 o núcleo de células eucarióticas animais durante daço de pele do voluntário.
a intérfase apresenta-se desprovido de carioteca, 2ª etapa: Um braço robótico corta a pele em pedaci-
cariolinfa e nucléolo. nhos.
04 o nucléolo é uma estrutura intranuclear, despro- 3ª etapa: Com a ajuda de enzimas, uma máquina se-
vida de membranas, constituído por DNA, RNA para dois tipos de células: os queratinócitos, da superfície,
ribossômico e proteínas. e os fibroblastos, que compõem a parte interna da pele.
08 no núcleo eucariótico o conjunto haploide de 4ª etapa: Os dois tipos são cultivados em biorreato-
cromossomos é denominado cariótipo, enquanto res e se replicam. As células produzem colágeno, proteína
número, forma e tamanho dos cromossomos é de- que ajuda a unir e fortalecer os tecidos.
nominado genoma. 5ª etapa: Os fibroblastos são despejados em frascos
16 o número de cromossomos é constante para cada onde formam a derme. Nutrientes são adicionados para
espécie, porém o número de cromossomos e o grau ajudar no processo.
evolutivo das espécies não estão relacionados. 6ª etapa: Por cima da derme são acrescentados os
32 nas células vegetais, durante a intérfase, não é queratinócitos, que ajudam a formar a epiderme.
possível identificar o núcleo dotado de carioteca, 7ª etapa: Fica tudo numa incubadora a 37 °C até a
nucléolo e cromatina, através de qualquer técnica pele adquirir a forma final. O resultado tem as mesmas
de preparação utilizada. camadas que formam o tecido humano: derme, epiderme
Soma = 20 e subdivisões.
Revista Galileu, jul. 2011, p. 47. (Adapt.).
2 A aveia abissínia (Avena abyssinica) é um tetra-
ploide com 28 cromossomos. A aveia comumente cul- 3 Puccamp 2012 (Adapt.) Considere que a biópsia
tivada (Avena sativa) é um hexaploide desta mesma de pele foi feita em uma mulher normal e que as célu-
série. Daí concluímos que, na aveia comum, o número las em cultivo mantêm todas as suas características.
cromossômico é igual a: Alternativa: E. Na fase G2 do ciclo de divisão celular, na qual o
(a) 14 material genético encontra-se duplicado, cada célula
(b) 21 apresenta:
(c) 28 (a) 46 centrômeros, 92 cromossomos e 46 cromátides.
(d) 35 (b) 92 centrômeros, 46 cromossomos e 92 cromátides.
(c) 46 centrômeros, 46 cromossomos e 92 cromátides.
(e) 42
(d) 46 centrômeros, 92 cromossomos e 92 cromátides.
Se a espécie tetraploide tem 28 cromossomos, o número
haploide é 7. A aveia hexaploide tem, portanto, 6 · 7 = 42 (e) 92 centrômeros, 46 cromossomos e 46 cromátides.
cromossomos. Alternativa: C.

Células da pele de uma pessoa apresentam 46 cromossomos.


Exercício 1:
Na fase G2, os cromossomos estão duplicados, sendo dotados
01. Incorreta. A carioteca do núcleo interfásico apresenta poros
de duas cromátides unidas por um centrômero. Assim, as células
para a comunicação com o citoplasma.
têm 46 cromossomos, com 46 centrômeros e 92 cromátides.
02. Incorreta. As células eucarióticas, durante a intérfase, pos-
suem núcleo delimitado por carioteca.
08. Incorreta. Genoma é o conjunto de genes de um indivíduo;
cariótipo é o conjunto diploide dos cromossomos.
32. Incorreta. Utilizando técnicas apropriadas, é possível identifi-
car o núcleo e seus componentes durante a intérfase em células
vegetais.
TE TRA I BIOLOGI A 529
Aulas

4e5
4 UFV (Adapt.) O esquema a seguir representa dife-
rentes níveis de organização do material genético,
embora nem todas as estratégias biológicas de arma-
zenamento desse material sejam realizadas dessa forma.

IV

III
I II VI
V

Observe o esquema com os números indicativos e cite:


a) dois exemplos em que seus genomas não apresen-
tam este tipo de organização.
Bactérias, cianobactérias e vírus.

b) o nome da unidade estrutural e o de seu principal


componente proteico, representado no nível indi-
cado por II.
Nucleossomo, formado por histonas.

c) o número que representa o nível mais básico de


organização da cromatina.
II e/ou III.

GUIA DE ESTUDO
Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 2
I. Leia as páginas de 22 a 24.
II. Faça os exercícios de 2 a 5 e 7 da seção “Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos 1, 5 e de 8 a 10.

530 B IOL OGIA


BIOLOGIA 1
Noções de material genético. Aulas
Controle metabólico. Mutações 6e7
Controle do metabolismo Como o material genético funciona
O DNA orienta a produção de enzimas (proteí- • Gene é um segmento de DNA que comanda a pro-
nas), que controlam as reações químicas metabólicas. dução de uma proteína.
• O trecho de DNA serve como modelo para a pro-
Célula dução de RNA mensageiro (RNAm).
DNA: • RNAm se liga aos ribossomos e orienta a síntese
Comando do
metabolismo de uma proteína.
Entrada Saída
de de • Proteína pode ser uma enzima, responsável pelo
materiais Reações materiais controle de uma reação química específica. Essa
químicas
(controladas reação pode determinar uma característica.
por enzimas)

DNA e o controle do metabolismo.


DNA
Como o material genético está organizado
• Filamentos de cromatina (cromonemas): Síntese de RNAm
– Presentes no núcleo dos eucariontes. no núcleo
RNAm

– Possuem molécula de DNA e histonas (pro-


teínas).
– Condensam-se durante a divisão celular, origi- Núcleo
nando os cromossomos.
– A molécula de DNA tem duas fitas em forma Citoplasma
helicoidal.
– Filamento de cromatina pode ter milhares de RNAm
genes.

Ribossomo
Núcleo
(46 filamentos
de cromatina)

Célula
Aminoácidos
Proteína

DNA

Cromossomo
RNAm

Histonas
Proteína
(enzima)

Nucleossoma

Catalisa reação
Gene química específica
Organização do material genético de um eucarionte. Mecanismo de controle de reações químicas pelo DNA nuclear.

TE TRA I BIOLOGI A 531


Aulas

6e7
Mutações Induzidas por
Radiações

• São modificações no material genético que ocor- fatores ambientais


Substâncias químicas
rem principalmente por alteração na ordem das ba- Mutações
ses nitrogenadas. Espontâneas
Ex.: durante a
duplicação do DNA

Mutações Alterações do Mudanças de


material genético características
A A a Gene
mutante
Alteração Duplicação
Genes
DNA

B B B
Filamento Filamento
RNAm alterado de cromatina duplicado

Proteína alterada Mutações podem ser espontâneas ou induzidas.


(enzima)
• Consequências de mutações:
Ex.: Tirosina – Favoráveis: resultam na expressão de uma carac-
Melanina não é produzida terística que confere adaptabilidade ao organismo.
(provoca o albinismo)
– Desfavoráveis: resultam na expressão de ca-
Exemplo de mutação que resulta em albinismo. racterística que prejudica (e até inviabiliza) a
sobrevivência do indivíduo.
Mutações – causas e consequências – Indiferentes: resultam em característica que
• Causas de mutações: não interfere na adaptação do organismo.
– Espontâneas: ocorrem sem atuação de agentes
externos. Apenas as mutações que ocorrem em células ger-
– Induzidas: pela atuação de agentes do am- minativas são transmitidas aos descendentes.
biente. Mutações ocorrem de modo aleatório e não são
provocadas pelas necessidades dos seres vivos.

Exercícios de Sala
1 PUC-SP [...] De outro lado, o galardão de química O autor refere-se às proteínas como “atores do drama
ficou com os inventores de ferramentas para estudar pro- molecular’’ e ao DNA como “diretor de cena”. Essa
teínas, os verdadeiros atores do drama molecular da vida. referência deve-se ao fato de: Alternativa: E.
É verdade que a Fundação Nobel ainda fala no DNA (a) não ocorrer uma correlação funcional entre DNA
como o diretor de cena a comandar a ação das proteínas, e proteínas no meio celular.
mas talvez não seja pretensioso supor que foi um lap- (b) o DNA controlar a produção de proteínas e também
so, e que o sinal emitido por essas premiações aponta o atuar como catalisador de reações químicas celulares.
verdadeiro futuro da pesquisa biológica e médica muito (c) o material genético ser constituído por proteínas.
além dos genomas e de seu sequenciamento (uma sim- (d) as proteínas não terem controle sobre o metabo-
ples soletração). [...] lismo celular.
Marcelo Leite. “De volta ao sequenciamento”. (e) o DNA controlar a produção de proteínas e estas
Folha de S.Paulo, 20 out. 2002.
controlarem a atividade celular.
O DNA comanda a atividade celular, determinando a produção
de proteínas; algumas proteínas são enzimas que controlam as Exercício 5:
reações químicas do metabolismo celular. Uma mutação na molécula de RNA tem influência em todas as
atividades que têm como base esta mesma molécula, como a
Exercício 4. síntese proteica (tradução e transcrição) e a transcrição reversa
As células epidérmicas compõem a superfície do nosso corpo para DNA (que usa a fita de RNA como molde). Só não afeta a
e, ao serem atingidas diretamente pela radiação UV, tornam- autoduplicação do DNA que originou esse RNA, pois esse pro-
-se mais sujeitas à ocorrência de mutações, responsáveis pela cesso não depende da molécula de RNA.
alteração do seu DNA. Esse fenômeno pode ser responsável
por desregular todo o ciclo celular.

532 B IOL OGIA


Aulas

Exercício 2. A radiação ultravioleta pode modificar o DNA, o


6e7
que pode afetar as proteínas geradas a partir dele.
2 Puccamp 2011 O uso do protetor solar é um im- 4 UFPB 2012 (Adapt.) O aumento da temperatura nas
portante aliado contra o câncer de pele. Isso porque os últimas décadas, principalmente influenciado por fato-
raios UV presentes na luz solar são agentes mutagêni- res antrópicos, como a crescente emissão de CO2 devi-
cos e podem causar alterações permanentes na estru- do a um processo de industrialização massivo, está
tura e fisiologia das células. Alternativa: D. diretamente relacionado à alta incidência de câncer de
A respeito das mutações causadas por raios UV nas pele na população, em consequência do aumento da
células da pele, é correto afirmar que: radiação UV. Utilizando os conhecimentos sobre ciclo
(a) podem ser transmitidas aos descendentes através celular e material genético, julgue as afirmativas a se-
da reprodução. guir, relativas à ação da radiação UV sobre as células.
(b) contribuem para o aumento da variabilidade gené- V Provoca mutações que podem aumentar a ação
tica e para a evolução. dos fatores de crescimento celular.
(c) alteram aminoácidos e, consequentemente, inter- F Destrói os tecidos.
ferem na síntese proteica. F Induz a célula a parar de se multiplicar.
(d) modificam o DNA, o que pode levar a alterações F Aumenta o tamanho das células.
nas proteínas celulares.
(e) alteram o processo de tradução e com isso modifi- 5 PUC-Rio Como consequência de uma mutação hi-
cam os RNAs mensageiros. potética em uma molécula de RNA mensageiro, pode-
mos esperar que ocorram diversas mudanças, à exceção
3 Uma população de bactérias é utilizada em uma de alterações: Alternativa: B.
indústria farmacêutica para a produção de antibióti- (a) na transcrição reversa desse RNA para DNA.
cos. Essas bactérias não produziam esse antibiótico (b) na autoduplicação do DNA que o originou.
naturalmente, e foram denominadas linhagem 0. O (c) na tradução dessa molécula de RNA.
gene responsável pela produção desse antibiótico foi (d) moleculares em proteínas estruturais originadas
extraído de uma espécie de fungo e implantado nessas desse RNA.
bactérias através de técnicas de laboratório, o que ge- (e) funcionais em proteínas enzimáticas originadas
rou a linhagem 1 de bactérias, que era capaz de sinte- desse RNA.
tizar o antibiótico. Porém, após algumas replicações,
essa linhagem de bactérias perdia a capacidade de 6 Uece 2013 Quanto às características gerais dos
produzir o antibiótico, gerando a linhagem 2, que não seres vivos, assinale a opção correta. Alternativa: A.
produzia o antibiótico e tinha uma velocidade de re- (a) A célula eucariota apresenta uma membrana nu-
produção mais lenta que a linhagem 0. clear, ou carioteca.
Sobre o descrito acima, assinale o que for incorreto. (b) Todos os seres vivos, inclusive os vírus, são cons-
F A transformação da linhagem 0 em linhagem 1 tituídos por unidades conhecidas como células.
constitui uma mutação. (c) As mutações consistem na alteração de uma ou
V A inserção de um novo gene nas bactérias mais características dos seres vivos, ocasionada
faz com que elas produzam um novo RNAm, por alterações em um ou mais genes, porém, sem
que irá gerar uma nova proteína. Essa nova alterações nos cromossomos.
proteína é o antibiótico. (d) Os seres vivos estão em constante atividade e isso
F A transformação da linhagem 1 em linhagem 2 só os obriga a um consumo permanente de energia
pode ocorrer com interferência humana, já que o e devido a esse fato são todos obrigatoriamente
gene foi inserido na bactéria de maneira artificial. consumidores.
V As bactérias podem transmitir essa inserção a) Eucariontes são caracterizados pela presença de carioteca.
b) Vírus são desprovidos de células.
para bactérias filhas. c) Mutações podem afetar genes ou cromossomos.
d) Consumidores são organismos heterótrofos; a liberação de
Exercício 3. energia também ocorre em seres autótrofos.
A transformação da linhagem 0 em linhagem 1 não foi de-
vida a uma mutação (no sentido de uma mutação natural, que GUIA DE ESTUDO
ocorre ao acaso), mas, sim, a um processo de transgênese.
A transformação da linhagem 1 em linhagem 2 pode ocorrer Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 2
naturalmente, sem que haja a transmissão da inserção para os I. Leia as páginas 24 e 25.
descendentes.
II. Faça os exercícios de 10 a 12 da seção “Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos de 13 a 19.

TE TRA I BIOLOGI A 533


BIOLOGIA 1
Aulas
Mitose
8 a 10
Conceito de mitose Etapas do ciclo celular
• Mitose é um tipo de divisão celular em que uma Ciclo celular com mitose apresenta:
célula-mãe origina duas células-filhas idênticas. • Intérfase: constituída por três etapas:
• A mitose conserva o mesmo número de cromosso- – G1,
mos da célula-mãe nas células-filhas; é denominada – S (período caracterizado pela duplicação do
divisão equacional. material genético) e
– G2.
• Mitose: acontece depois da intérfase.
Célula-mãe Mitose Células-filhas

n
n
n

Cromatina
2n
2n Carioteca
2n Nucléolo

3n
3n
Centríolos
3n
∴ Mitose é um tipo de divisão equacional

Estrutura típica da célula em intérfase.


Mitose mantém constante o número de cromossomos.

Papéis biológicos da mitose Fase G1 Fase G2

Mitose é fundamental para: Cromonema


Fase S
Cromátides
• a reprodução assexuada;
• o crescimento de um organismo; Gene b Replicação b b
do DNA
• a reparação de tecidos lesados;
• o desenvolvimento de um câncer, que também Centrômero

envolve elevada taxa mitótica de um tecido.

Bipartição
ex.: ameba 2x de DNA 4x de DNA

Crescimento e desenvolvimento
O material genético e as etapas da intérfase.
Reposição de células
Reparação de tecidos lesados
Reprodução assexuada Brotamento
Mitose
ex.: esponja A mitose é constituída por fases, nas quais vários
processos acontecem. São elas:
• Prófase: primeira fase do processo de mitose celu-
lar; apresenta como características principais:
– condensação do material genético.
– desintegração da carioteca e do nucléolo.
Principais papéis da mitose.
– formação das fibras do fuso.

534 B IOL OGIA


Aulas

8 a 10
• Metáfase: segunda fase do processo de mitose, na Variação na quantidade de DNA
qual: A quantidade de DNA dobra na fase S da intérfase
– cromossomos estão em máxima condensação e e volta à sua condição inicial durante a anáfase.
presos ao fuso.
– não há carioteca nem nucléolo.

Quantidade de DNA
4x

– centríolos encontram-se em polos opostos.


– no final da etapa, ocorre a duplicação do cen- 2x

trômero.
• Anáfase: terceira fase do processo de mitose, na
Fases
qual:

se

se

se
G

as
fa

fa

fa
áf
ó


Pr

et

An

Te
– ocorre o encurtamento das fibras do fuso.

M
Gráfico representativo da variação da quantidade de DNA ao longo
– ocorre o afastamento das cromátides-irmãs,
do ciclo celular com mitose.
originando-se os cromossomos-irmãos.
• Telófase: quarta fase do processo de mitose, na Mais detalhes
qual há: • Microtúbulos:
– descondensação de cromossomos. – São os componentes dos centríolos, do áster e
– reorganização da carioteca e do nucléolo. do fuso.
– divisão do citoplasma (citocinese). – São formados por tubulina, polimerizada no
– despolarização das fibras do fuso. centrossomo. No interior do centrossomo, en-
contram-se os centríolos.
– Células vegetais têm estruturas corresponden-
Prófase
tes a centrossomos (MTOC), onde são produzi-
das as fibras do fuso.
Carioteca Cromossomo
em condensação
4x de DNA Nucléolo

Áster Centrossomo
Centríolos Áster
Fuso
Microtúbulo Centríolos
Metáfase Fuso
Cromossomo condensado
Fibra do fuso
Polimerização
Áster Fibra Moléculas nos ribossomos
Centríolos do
fuso da proteína
Cinetócoro tubulina

4x de DNA
Origem e destino dos microtúbulos.

Anáfase • Vimblastina e colchicina:


Cromossomos-irmãos
– São substâncias que impedem a polimerização
das fibras do fuso.
– Sua atuação permite a replicação do material
genético da célula e dos centrômeros, mas não
há o tracionamento do material genético para
polos opostos.
Telófase
Citocinese
– A célula permanece com a ploidia dobrada (de
2n para 4n, por exemplo).
Cromossomo
descondensando
2x de DNA Cromossomos após
Carioteca
em cada a duplicação de
Nucléolo centrômero
célula formada

Comportamento da célula durante as fases da mitose.


Aspecto dos cromossomos de uma célula na qual não há formação
de fibras do fuso.

TE TRA I BIOLOGI A 535


Aulas

8 a 10

Exercícios de Sala
1 PUC-RS 2011 Qual das alternativas a seguir apre- 3 UFRGS 2013 A figura abaixo representa o ciclo
senta o número correto de células formadas e o núme- celular de uma célula eucariótica. Alternativa: B.
ro de cromossomos presentes nas novas células do
tomate produzidas pelo processo de mitose?
Alternativa: C. Mitose
Células formadas
após a divisão celular

12 12 (G2) (G1)

(a) 24
12 12

(G0)
48
(b) 24 Intérfase

48 Cada célula do tomate tem 24


(S)
24 cromossomos; com a ocor-
(c) 24 rência de mitose, são geradas
24
duas células, cada qual com
24 24 24 cromossomos. PURVES, W. K. e cols. Vida: a ciência da Biologia. 6. ed.
(d) 24 Porto Alegre: Artmed, 2002.
24 24
Assinale a alternativa correta em relação à intérfase.
12 (a) A intérfase é o período em que não ocorre divisão
(e) 24
celular, e a célula permanece sem atividade me-
12
tabólica.
(b) As células que não se dividem são normalmente
2 UEPG 2011 No que se refere à cromatina, assinale mantidas em G0.
o que for correto. (c) O nucléolo desaparece durante o G1.
01 Aparece em todas as etapas da mitose: prófase, (d) A quantidade de DNA permanece constante du-
metáfase, anáfase e telófase. rante o período S.
02 Aparece apenas na anáfase, pois, apenas nesta (e) O G2 caracteriza-se pela presença de cromosso-
etapa, a cromatina é importante no processo da mos constituídos de uma única cromátide.
divisão celular.
04 Está presente no núcleo interfásico e aparece duran- 4 UFU O ciclo celular é um processo fisiológico
te a divisão celular com uma organização estrutural que acontece todos os dias na dinâmica de funciona-
diferente, transformando-se nos cromossomos. mento do corpo humano. Seja na reparação, formação
08 É formada por nucleoproteínas. ou renovação de tecidos, ou ainda na formação de ga-
Soma = 12 metas, a atividade celular é intensa.
Neste processo, são eventos do ciclo celular:
A cromatina é constituída por filamentos descondensados (cro- I. Condensação máxima dos cromossomos.
monemas) e está presente na intérfase; durante a divisão celu-
II. Reorganização do nucléolo.
lar, apresenta-se condensada, sendo evidenciados os cromos-
somos. Os filamentos de cromatina são constituídos por DNA III. Duplicação dos cromossomos.
e por proteínas (nucleoproteínas). IV. Separação das cromátides-irmãs.
Os eventos acima citados correspondem, respectiva-
Exercício 3: mente, a: Alternativa: C.
a) No período de intérfase a célula tem alta atividade (a) prófase, fase S da intérfase, telófase, anáfase.
metabólica.
b) Células que não se dividem permanecem em G0.
(b) fase S da intérfase, prófase, metáfase, telófase.
c) A desintegração do nucléolo inicia-se na prófase e termina (c) metáfase, telófase, fase S da intérfase, anáfase.
na metáfase. (d) metáfase, anáfase, prófase, telófase.
d) A quantidade de DNA dobra no final de S.
e) Em G2 cada cromossomo tem duas cromátides.

536 B IOL OGIA


Aulas

8 a 10
5 Uninove Observe a imagem de um tecido vegetal 6 Fuvest 2013 Na figura abaixo, está representado
vista em microscópio. o ciclo celular. Na fase S, ocorre síntese de DNA; na
fase M, ocorre a mitose e, dela, resultam novas célu-
1
las, indicadas no esquema pelas letras C.

2 3 M

Divisão
G
2 Mitose

Disponível em: <www2.sluh.org/bioweb/microscopy/


mitosis/index.html>.
G
1
Algumas células estão em diferentes fases do ciclo ce-
lular. A partir da imagem, responda:
a) Que número indica a célula em intérfase? O que
ocorre com o material genético na fase S do ciclo S
I n t é rfa se

celular?
O número 3. Na fase S, ocorre a replicação do material gené-
tico. Considerando que, em G1, existe um par de alelos Bb,
quantos representantes de cada alelo existirão ao final
b) Que número indica a célula em anáfase? Cite um de S e de G2 e em cada C? Alternativa: E.
acontecimento que é marcante nessa fase da divi- (a) 4, 4 e 4.
são celular. (b) 4, 4 e 2.
O número 2 indica uma célula em anáfase. Nesse período, (c) 4, 2 e 1.
ocorre o encurtamento de fibras do fuso e a migração do ma- (d) 2, 2 e 2.
terial genético para polos opostos da célula. (e) 2, 2 e 1.

Na intérfase ocorre a replicação do DNA, gerando dois repre-


Exercício 4:
sentantes de cada alelo: BB e bb; essa quantidade mantem-se
Para a divisão celular, os cromossomos são duplicados para em G2. No final da mitose, cada célula fica com um represen-
que cada célula-filha fique com uma cópia de cada cromosso- tante de cada alelo (Bb).
mo; esse processo ocorre durante a fase S da intérfase. Após a
condensação dos cromossomos, que atinge seu nível máximo
durante a metáfase, esses cromossomos são separados do seu
par na anáfase para depois serem reorganizados em um novo
núcleo, já na telófase.

GUIA DE ESTUDO
Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 3.
I. Leia as páginas de 34 a 37.
II. Faça os exercícios 1 e de 4 a 7 da seção “Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos de 1 a 8, 10 e 12.

TE TRA I BIOLOGI A 537


BIOLOGIA 1
Aulas
Meiose e gametogênese
11 a 13
Conceito de meiose A meiose é constituída por fases, nas quais vários
• Meiose é um tipo de divisão celular na qual uma processos acontecem. São elas:
célula-mãe gera quatro células-filhas, dotadas da • Meiose I: dentre os principais processos, podem
metade do número de cromossomos presentes na ser citados:
célula que as gerou. – Prófase I: ocorre o pareamento dos cromos-
• Apresenta duas divisões: uma reducional e outra somos homólogos.
equacional. – Anáfase I: cromossomos homólogos se separam.
• Meiose II: dentre as fases, pode ser citada a:
Célula-mãe Células-filhas – Anáfase II: há a separação das cromátides-irmãs.
n
n R! simboliza divisão MEIOSE I
Meiose
2n reducional
R! n PRÓFASE I METÁFASE I
n Homólogos
Homólogos
pareados pareados
Carioteca
Meiose reduz o número de cromossomos à metade.
Nucléolo

Papéis biológicos da meiose


Centríolos
• Nos animais, gera gametas. Fuso
• Nos vegetais, a meiose produz esporos. 4x de DNA 4x de DNA
• É fonte de variabilidade genética.
ANÁFASE I TELÓFASE I

Meiose Separação
dos homólogos
Citocinese

Ciclo celular com meiose apresenta:


• Intérfase: constituída por três etapas:
– G1,
– S (período caracterizado pela duplicação do
2x de DNA 2x de DNA
material genético) e
– G2.
• Meiose: MEIOSE II
– Meiose I (reducional): formam-se duas células PRÓFASE II METÁFASE II
com a metade do número de cromossomos pre-
sentes na célula-mãe. Há a separação de cro-
(n) (n) (n) (n)
mossomos homólogos.
– Intercinese: período de transição entre a meio-
se I e a meiose II.
2x de DNA 2x de DNA 2x de DNA 2x de DNA
– Meiose II (equacional): formam-se quatro célu-
las-filhas. Ocorre a separação das cromátides. ANÁFASE II TELÓFASE II
x de DNA x de DNA
Separação
G1 das cromátides
2n Intérfase S (replicação de DNA)
Prófase I
G2
Meiose I Metáfase I
(reducional) Anáfase I
Telófase I
n n
Prófase II
Meiose II Metáfase II
(equacional)
n n n n Anáfase II
Telófase II
Células-filhas x de DNA x de DNA

As principais etapas do processo meiótico que compreende: intér- Representação de cada uma das fases da meiose I e da meiose II.
fase, meiose I, intercinese e meiose II.

538 B IOL OGIA


Aulas

11 a 13

4x

Quantidade de DNA
Cromossomos
homólogos
(2n)
2x
x
Replicação na intérfase
G1 S G2 ase
I eI e I e I II II II II Fases
as áfas ófas fase fase fase fase
Pr
óf táf l ó á á ó
Me An Te Pr Met An Tel
Cromátides-irmãs
(2n)
Gráfico representativo da variação da quantidade de DNA ao longo
do ciclo celular com meiose.
Pareamento dos
cromossomos
homólogos
Meiose e variabilidade genética
A meiose contribui para o aumento da variabilida-
na meiose I de genética, pois:
(2n)
• Há ocorrência de crossing-over:
Separação dos – Ocorre na prófase I.
homólogos – Envolve a troca de segmentos entre cromátides
homólogas.
(n) (n) • Há segregação independente dos homólogos:
– Na anáfase I, ocorre a separação dos cromosso-
Separação das
cromátides na mos homólogos para as células-filhas.
meiose II
– Em células com vários pares de homólogos, a
separação dos homólogos pode gerar diferentes
tipos de células-filhas.
(n) (n) (n) (n)
A
a
b Célula-mãe
O comportamento geral do material genético ao longo do processo B
meiótico.

A A a a
Variação na quantidade de DNA na meiose B b B b
A quantidade de DNA dobra durante a intérfase
Gametas
(período S) e sofre duas reduções (na anáfase I e na
Célula com dois pares de cromossomos homólogos e as possíveis
anáfase II). células-filhas geradas por meiose.

A
Parentais

Cromátides-irmãs
A
Cromátides homólogas

A A a a A A a a Gametas b
A A a a
formados
Recombinantes

B B b b a
B B b b B b B b

Permutação B
Separação de homólogas
Enzima (crossing-over) e
de quebra
Separação de cromátides
a
Parentais

b
Conclusão: são produzidos quatro tipos de gametas: AB Ab aB ab

O crossing-over permite a formação de gametas com novas combinações de genes, contribuindo para o aumento da variabilidade genética.

TE TRA I BIOLOGI A 539


Aulas

11 a 13
Gametogênese
Células germinativas embrionárias
Gametogênese é o processo de formação de ga-
2n Mitose
metas.
• Espermatogênese é a formação de espermatozoides; Mitose

• Ovulogênese é a formação de óvulos. Gônias


2n Mitose
Processo geral Ovogônias ( )
Crescimento
A gametogênese inicia-se na fase embrionária. Espermatogônias ( )

• Células germinativas (2n) se multiplicam por mi- Cito I


Tem pares de homólogos
tose. 2n
• São geradas gônias (2n), que crescem e se diferen-
ciam em citos I (primeira ordem). Meiose I

• Citos I sofrem a primeira divisão meiótica, geran- Cito II


do citos II (n). Tem um representante do par de homólogos

Espermatogênese Cromossomos estão duplicados

Na espermatogênese: Meiose II

• espermatócitos II sofrem a segunda divisão mei- Célula


Cromossomos simples
ótica, formando espermátides.
n
• espermátides diferenciam-se em espermatozoides
pelo processo de espermiogênese.
Gameta
Ovulogênese (ovogênese)
Na ovulogênese: Processo geral de gametogênese, mostrando o comportamento
• ovócito I gera um ovócito II e um corpúsculo polar. dos cromossomos.
• Na segunda divisão meiótica:
– corpúsculo polar gera dois corpúsculos polares;
– ovócito II gera um óvulo e um corpúsculo polar.

Ploidia e
condição dos cromossomos Espermatogênese Ovulogênese

Espermatogônia Mitose Ovogônia Mitose


( 2n ) ( 2n ) (limitada)

Crescimento Crescimento

2n Espermatócito I Ovócito I
( 2n ) ( 2n )

Meiose I

n Espermatócitos II Ovócito II Corpúsculo polar


(n) (n) (n)

Meiose II

Espermátides
(n)
n Espermiogênese
Corpúsculos polares
Espermatozoides (n)
Óvulo
(n)
(n)
Degeneram
Quadro comparativo de espermatogênese e ovulogênese.

540 B IOL OGIA


Aulas

11 a 13

Exercícios de Sala
1 Fuvest 2011 A figura a seguir representa uma cé- 3 PUC-MG 2013 Segue abaixo um esquema geral de
lula diploide e as células resultantes de sua divisão. mitose e meiose.
Mitose Meiose
Prófase Divisão I

Tétrada
Dois Cromossomas Cromossomas
replicados replicados cromatídica
cromatídios-irmãos
2n 2n = 4 2n

Os cromossomas Tétradas alinhadas


Metáfase alinham-se no
Célula diploide plano equatorial
no plano equatorial Metáfase I

Cromatídios-irmãos Cromossomas
Anáfase separam-se na homólogos Anáfase I
Telófase anáfase separam-se na Telófase I
anáfase I.
Os cromatídios-
-irmãos continuam Haplóide
unidos Células-
filhas n= 2
da divisão I
Os cromatídios- Divisão II
irmãos separam-se
na anáfase II
2n Células-filhas 2n
n n n n
Células-filhas Células-filhas da divisão II

Nesse processo: Alternativa: B. Analisando o esquema, assinale a afirmativa incorreta


(a) houve um único período de síntese de DNA, se- sobre os processos apresentados. Alternativa: D.
guido de uma única divisão celular. (a) Organismos multicelulares podem utilizar um
(b) houve um único período de síntese de DNA, se- desses processos como mecanismo de reprodução
guido de duas divisões celulares. assexuada.
(c) houve dois períodos de síntese de DNA, seguidos (b) Organismos multicelulares podem utilizar um
de duas divisões celulares. desses processos no crescimento e no reparo de
(d) não pode ter ocorrido permutação cromossômica. tecidos lesados.
(e) a quantidade de DNA das células-filhas permane- (c) Nos dois processos, a separação das cromátides-
ceu igual à da célula-mãe. -irmãs não reduz a ploidia.
(d) Os dois processos ocorrem na formação de estru-
2 Fuvest 2012 Considere os eventos a seguir, que turas reprodutoras, esporos ou gametas, somente
podem ocorrer na mitose ou na meiose. em organismos pluricelulares.
I. Emparelhamento dos cromossomos homólogos
duplicados.
II. Alinhamento dos cromossomos no plano equato-
rial da célula.
III. Permutação de segmentos entre cromossomos ho-
mólogos.
IV. Divisão dos centrômeros resultando na separação
das cromátides-irmãs. a) Mitose pode fazer parte de processos de reprodução
No processo de multiplicação celular para reparação assexuada.
de tecidos, os eventos relacionados à distribuição b) Meiose é parte integrante de processos de reprodução
equitativa do material genético entre as células resul- sexuada.
tantes estão indicadas em: Alternativa: B. c) A separação de cromátides não reduz a ploidia; isso ocorre
(a) I e III, apenas. com a separação de cromossomos homólogos.
(b) II e IV, apenas. d) Gametas e esporos são gerados por meiose, processo que
(c) II e III, apenas. também ocorre em alguns organismos unicelulares.
(d) I e IV, apenas.
(e) I, II, III e IV. Exercício 1: O processo meiótico envolve uma duplicação do
material genético (no período S da intérfase) e duas divisões
celulares (meiose I e meiose II).

TE TRA I BIOLOGI A 541


Aulas

11 a 13
4 UFTM 2012 Considere uma célula com o genótipo Analise as afirmativas e assinale a alternativa correta.
a seguir e suponha que ela entre em divisão meiótica. I. A célula número 1 é uma espermatogônia e a cé-
lula número 2 é um espermatócito primário.
II. A célula número 3, resultante da primeira divisão
meiótica, é haploide e denomina-se espermatócito
B b secundário.
III. A célula número 4 denomina-se espermátide e
apresenta cromossomos com uma única cromáti-
A a
de.
IV. O processo de formação da célula número 5 a par-
tir da célula número 4 recebe o nome de esper-
miogênese.
a) Qual será a composição de alelos nessa célula ao (a) Apenas as afirmativas I e III estão corretas.
final da fase S da intérfase? Justifique sua resposta. (b) Apenas as afirmativas I e V estão corretas.
A composição de alelos será: AA/aa e BB/bb. Isso ocorre por- (c) Apenas as afirmativas I, III e IV estão corretas.
que no final da intérfase completa-se o processo de replicação, (d) Apenas as afirmativas I e IV estão corretas.
e todos os genes estão duplicados. (e) Todas as afirmativas estão corretas.

6 Univás 2012 (Adapt.) O processo de formação


dos gametas, masculino e feminino, é muito comple-
b) Suponha que ao final dessa meiose não tenha xo. Os gametas são células haploides altamente es-
ocorrido crossing-over ou mutação. Qual fenôme- pecializadas, apresentando o número de cromossomos
no poderia ocorrer na meiose que promoveria um correspondente à metade do número de cromosso-
aumento na variabilidade genética dos gametas mos da espécie. Durante a gametogênese – formação
formados? Explique esse fenômeno. do óvulo e do espermatozoide –, observam-se pro-
A variabilidade seria produzida pela segregação dos homólo- cessos como: crescimento, diferenciação, divisão
gos. Esse processo permite a separação ao acaso dos cromos- reducional, aumento do número de células. Quando
somos homólogos para as células-filhas, sendo que cada uma as células passam da fase do ovócito I para ovócito
delas recebe um representante de cada par de homólogos. No II; de espermatogônia para espermatócito I; de es-
caso apresentado, os gametas possíveis são: AB, Ab, aB e ab. permatócito II para espermátide, ocorrem, respecti-
vamente: Alternativa: B.
5 Unioeste 2011 O esquema a seguir representa a (a) meiose, meiose II, diferenciação.
formação dos espermatozoides. Alternativa: E. (b) meiose I, crescimento, meiose II.
(c) mitose, meiose I, diferenciação.
2n Célula 1
(d) meiose II, meiose I, mitose.
(e) meiose I, meiose II, mitose.
2n Célula 2
A passagem de ovócito I para ovócito II corresponde à meiose I.
A passagem de espermatogônia para espermatócito I envolve
crescimento da célula.
n n Célula 3 A passagem de espermatócito II para espermátide corresponde
à meiose II.
n n n n Célula 4

Célula 5

I. A célula 1 é uma espermatogônia (2n), que cresce e ori-


gina a célula 2, o espermatócito primário (2n).
II. O espermatócito I sofre meiose I e origina dois esper-
matócitos secundários (n), que correspondem às células 3.
III. Espermatócitos II sofrem meiose II, caracterizada pela sepa-
ração de cromátides, resultando em espermátides, as quais
são dotadas de uma única cromátide de cada cromossomo.
IV. Espermátides diferenciam-se em espermatozoides, pelo
processo de espermiogênese.
542 B IOL OGIA
Aulas

11 a 13
7 Fuvest 2013 Nas mulheres, uma ovogônia dife- Exercício 2:
rencia-se em ovócito primário, que sofre a divisão I da No processo de reparação de tecidos, as células se multiplicam
meiose. Dessa divisão, resultam o ovócito secundário por mitose. Nesse processo, os cromossomos duplicados são
e outra célula, chamada primeiro corpúsculo polar. Ao alinhados no plano equatorial da célula na metáfase. Após
final da divisão II da meiose, o ovócito secundário a divisão dos centrômeros, as cromátides-irmãs separam-se e
origina duas células – o óvulo e o segundo corpúsculo cada um dos cromossomos é tracionado em direção a um dos
polar. polos; isso garante a distribuição equitativa do material ge-
a) Quantos cromossomos existem na ovogônia, no nético. Emparelhamento dos cromossomos homólogos e per-
óvulo e no segundo corpúsculo polar? mutação (crossing-over) são eventos que somente ocorrem na
Uma célula humana diploide (2n) possui 46 cromossomos; a divisão por meiose.
ovogônia é diploide e apresenta esse número de cromosso-
mos. O óvulo e o segundo corpúsculo polar surgem após a
meiose; são, portanto, células haploides e possuem 23 cro-
mossomos.

b) Admitindo que a quantidade de DNA da ovogônia


é X, quanto DNA existe no ovócito primário, no
ovócito secundário, e no primeiro e no segundo
corpúsculos polares?
O ovócito I possui 2X de DNA. Vale lembrar que os ovários
apresentam ovócitos I estacionados por vários anos em prófase
I da meiose; nesse período, o material genético já se encontra
duplicado.
O ovócito II e o primeiro corpúsculo polar possuem X de DNA,
uma vez que, na anáfase I da meiose, ocorrida no ovócito I,
houve a separação dos cromossomos homólogos.
O segundo corpúsculo polar apresenta X/2 de DNA; essa célu-
la é gerada após a meiose II, etapa em que se dá a separação
das cromátides dos cromossomos que ainda estavam duplica-
dos.

c) Quantos gametas resultam de uma ovogônia?


Forma-se apenas um gameta funcional.

GUIA DE ESTUDO
Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 3
I. Leia as páginas de 37 a 42.
II. Faça os exercícios de 8 a 14 da seção “Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos 13, 16, 22, 25, 33,
40, 45 e 46.

TE TRA I BIOLOGI A 543


BIOLOGIA 1
Aulas Biogênese e abiogênese.
14 e 15 Método científico
Biogênese e abiogênese • Louis Pasteur (século XIX)
• Biogênese: formação de seres vivos por meio de – Defensor da biogênese.
outros seres. – Utilizou caldos orgânicos em seus experi-
• Abiogênese (geração espontânea): formação de mentos.
seres vivos por meio de elementos não vivos, com – Construiu um equipamento constituído por um
a participação de um princípio ativo: “força vital”. recipiente contendo caldo e ligado a um tubo
– Um dos defensores da abiogênese foi o filósofo por onde ocorria a entrada de ar (“pescoço de
Aristóteles (384-322 a.C.). cisne”), com capacidade de reter microrganis-
mos presentes no ar.
– Observou que não ocorreu desenvolvimento
Durante anos, experimentos foram realizados por
de microrganismos no caldo: demonstrou que
diversos cientistas buscando defender cada uma das
seres vivos são gerados apenas por meio de ou-
teorias:
tros seres vivos.
• Francesco Redi (século XVII)
– Defensor da biogênese. Caldo orgânico Caldo no frasco com
– Realizou experimentos com carne em apodre- fervido “pescoço de cisne” normal

cimento.
– Demonstrou que a carne não gera larvas; estas
são oriundas de moscas que depositam ovos na
carne.
Caldo sem contaminação

Frascos Frascos cobertos


descobertos com gaze Caldo orgânico fervido Caldo no frasco sem “pescoço
em contato com o ar de cisne” contaminado

Crescimento de microrganismos

Experimento de Pasteur. O gargalo longo do equipamento impede


a entrada de microrganismos provenientes do ar.

Aparecimento de larvas Carne sem contato com


na carne com moscas moscas = ausência de larvas

Experimento de Redi. À esquerda, estão frascos abertos; à


direita, os frascos são encobertos. A cobertura dos frascos impede
a entrada de moscas e não ocorre o desenvolvimento de “vermes”
(larvas) na carne.

544 B IOL OGIA


Aulas

14 e 15
O método científico experimento controlado. Se o experimento mostrar
A obtenção do conhecimento científico ocorre que a hipótese está incorreta, ela deve ser rejei-
por meio de um conjunto de procedimentos conhe- tada. Se o experimento confirmar a hipótese, ela
cido como “método científico”, cujos fundamentos não é necessariamente confirmada; o experimento
iniciaram-se no século XV. apenas empresta credibilidade à hipótese.
• Observação: os fenômenos devem ser descritos, • Teste da hipótese: é realizado por meio de um
quantificados e medidos; às vezes, é necessária a experimento controlado, envolvendo um grupo
utilização de instrumentos. controle (que serve como padrão de comparação)
• Problema: é o centro daquilo que se pretende in- e um grupo experimental.
vestigar. A decisão de investigar o problema de- • Resultado: o experimento controlado permite ve-
pende de ele ser testável. rificar se a hipótese pode ser descartada.
• Levantamento de dados: para entender o que se • Teoria: é obtida a partir de uma hipótese que foi
pretende investigar, é necessário levantar informa- combinada com as observações e que se mostrou
ções relacionadas ao fenômeno. confiável em termos de sua correção; uma gene-
• Hipótese: é uma suposição; consiste em uma ralização obtida por investigação científica. É o
explicação plausível de determinado problema. caso da Teoria da biogênese. Uma teoria pode ser
Não é a solução definitiva. A hipótese deve trazer descartada, caso trabalhos posteriores revelem sua
suposições: há um encadeamento lógico e pode ha- inadequação. Assim, uma teoria pode ser substi-
ver resultados previsíveis, caso ela se verifique. A tuída por outra, diante de evidências de que está
hipótese deve ser testada, isto é, submetida a um incorreta.

Exercícios de Sala
1 PUC-Rio Louis Pasteur derrubou a teoria da abio- 2 UFRJ O aparecimento de larvas na carne em pu-
gênese, comprovando que a vida não surgia espon- trefação deve-se: Alternativa: C.
taneamente. Para isso, ele realizou experimento utili- (a) ao desenvolvimento de grande quantidade de mi-
zando um frasco com gargalo em forma de pescoço de crorganismos.
cisne que impedia: Alternativa: E. (b) à migração de larvas orientadas pelo olfato.
(a) a alteração do pH do líquido dentro do frasco. (c) à postura de ovos pelas moscas.
(b) a alteração da temperatura do líquido dentro do (d) ao desenvolvimento de cistos presentes na carne.
frasco. (e) à geração espontânea desses organismos.
(c) o contato do oxigênio presente no ar com o líqui-
do dentro do frasco. A carne em putrefação atrai organismos decompositores. As lar-
(d) o contato do vapor-d’água presente no ar com o vas das moscas se alimentam desse material e, por isso, quando
líquido dentro do frasco. a carne é deixada para apodrecer em ambiente aberto, podem
(e) o contato de microrganismos presentes no ar com aparecer larvas. Esse fato foi usado há muito tempo para susten-
o líquido dentro do frasco. tar a Teoria da abiogênese.

Nesse experimento, Pasteur fervia o líquido dentro dos frascos;


em alguns, entortou o gargalo para ficar com a forma de um
pescoço de cisne. O vapor oriundo da fervura condensava na
curvatura desse gargalo, e os organismos microscópicos pre-
sentes no ar eram retidos na curvatura, aderindo às gotículas
formadas na superfície interna, não chegando ao líquido dentro
do frasco.

TE TRA I BIOLOGI A 545


Aulas

14 e 15
3 Fesp A figura seguinte representa a experiência 4 UFSJ 2012 O aparecimento de animais vermifor-
de Redi. mes em carne durante o processo de decomposição
pode ser observado frequentemente. Em 1668, Fran-
cesco Redi realizou um experimento para tentar eluci-
dar o fenômeno citado. O experimento, de forma
simplificada, consistiu em dois frascos de vidro, onde,
em ambos, Redi colocou pedaços de carne. Um dos
frascos foi fechado com gaze e o outro mantido aber-
to, conforme a figura a seguir. Depois de vários dias,
Redi encontrou animais vermiformes.
Gaze

Carne Carne

Redi colocou, dentro de recipientes, substâncias orgâ-


Frasco B
nicas para que entrassem em decomposição. Alguns Frasco A

dos recipientes (à esquerda) foram cobertos com uma Com relação ao experimento, analise as seguintes
gaze e os outros deixados descobertos. Ele demons- afirmativas.
trou que as larvas da carne podre desenvolveram-se I. A gaze no frasco B impede a entrada de insetos,
de ovos de moscas, e não da transformação da carne. mas não impede a entrada de microrganismos.
Os resultados desta experiência fortaleceram a teoria II. Os vermes são formas larvais das moscas e por
sobre a origem da vida, denominada: Alternativa: E. isso só apareceram no frasco A.
(a) hipótese autotrófica. III. O frasco A controla experimentalmente o frasco B.
(b) hipótese heterotrófica. IV. Redi não padronizou a quantidade de carne nos
(c) geração espontânea. frascos. Com isso, o experimento é inconclusivo.
(d) abiogênese. V. Toda matéria em estado de decomposição produz
(e) biogênese. naturalmente seus vermes. Por isso, os vermes fo-
ram observados nos dois frascos.
Essa teoria contraria a Teoria da abiogênese, que sustentava VI. Os vermes aparecem nos dois frascos, porém apa-
que formas de vida poderiam se desenvolver por meio de ma- recem primeiro no frasco A e vários dias depois
terial não vivo. no frasco B.
De acordo com essa análise, estão corretas apenas as
alternativas: Alternativa: C.
(a) II, III e IV.
(b) I,V e VI.
(c) I, II e III.
(d) IV, V e VI.

Redi conseguiu explicar que o aparecimento de vermes sobre


a carne em decomposição se dá pela postura de ovos de mos-
cas, e não por meio de um processo de geração espontânea.
Como o frasco B foi fechado com gaze, os vermes apareceram
somente no frasco A.

546 BIOL OGIA


Aulas

14 e 15
5 Enem 2012 Em certos locais, larvas de moscas, 6 UFMG Um estudante decidiu testar os resultados
criadas em arroz cozido, são utilizadas como iscas da falta de determinada vitamina na alimentação de
para pesca. Alguns criadores, no entanto, acreditam um grupo de ratos. Colocou então cinco ratos em uma
que essas larvas surgem espontaneamente do arroz gaiola e retirou de sua dieta os alimentos ricos na vi-
cozido, tal como preconizado pela teoria da geração tamina em questão. Após alguns dias, os pelos dos
espontânea. Essa teoria começou a ser refutada pelos ratos começaram a cair. Concluiu então que esta vita-
cientistas ainda no século XVII, a partir dos estudos mina desempenha algum papel no crescimento e na
de Redi e Pasteur, que mostraram experimentalmente manutenção dos pelos. Sobre essa experiência, pode-
que: Alternativa: C. mos afirmar que: Alternativa: C.
(a) seres vivos podem ser criados em laboratório. (a) obedeceu aos princípios do método científico, mas
(b) a vida se originou no planeta a partir de a conclusão do estudante pode não ser verdadeira.
microrganismos. (b) foi correta e a conclusão também. O estudante
(c) o ser vivo é oriundo da reprodução de outro ser seguiu as normas do método científico adequada-
vivo pré-existente. mente.
(d) seres vermiformes e microrganismos são evoluti- (c) não foi realizada corretamente porque o estudante
vamente aparentados. não usou um grupo de controle.
(e) vermes e microrganismos são gerados pela maté- (d) o estudante não fez a experiência de forma corre-
ria existente nos cadáveres e nos caldos nutritivos, ta, pois não utilizou instrumentos especializados.
respectivamente. (e) não foi correta, porque a hipótese do estudante
não era uma hipótese passível de ser testada ex-
Redi e Pasteur são defensores da visão da biogênese e perimentalmente.
demonstraram que seres vivos originam-se somente de outros
seres vivos, por meio da reprodução. É essencial para qualquer experimento científico a utilização de
controles, nos quais as variáveis testadas são mantidas fixas,
de forma a fornecer uma base de comparação mensurável.
O experimento em questão, no qual o estudante forneceu a
mesma dieta a todos os ratos, não permite comprovar que os
resultados obtidos foram devidos à dieta em si, já que não há
um grupo controle.

GUIA DE ESTUDO
Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 4
I. Leia as páginas de 58 a 60.
II. Faça os exercícios de 1 a 4 da seção “Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos de 1 a 6.

TE TRA I BIOLOGI A 547


BIOLOGIA 1
Aulas Composição química dos seres vivos:
16 a 18 água, sais minerais, carboidratos e
lipídeos
Composição química dos seres vivos
Tecidos mais Pequena atividade Baixo teor
Há dois tipos de componentes químicos nos seres velhos metabólica de água
vivos: Tecidos mais Grande atividade Elevado teor
• Inorgânicos: a maioria não possui carbono. Exem- jovens metabólica de água

plos: água e sais minerais. Teor de água: idade e metabolismo.


• Orgânicos: possuem carbono. Exemplos: carboidra-
Porcentagem em
tos, lipídeos, proteínas, vitaminas e ácidos nucleicos. Tecido ou órgão
água (massa)
Plasma sanguíneo, saliva, outros líquidos 90-99,5
Água Encéfalo do embrião 92
A água desempenha inúmeros papéis nos seres vivos:
Tecido nervoso 84
Músculos 80
Solvente
Fígado 73
A água dissolve várias substâncias, formando so-
Pele 71
luções aquosas; nelas, as partículas dissolvidas (molé-
Pulmões 70
culas ou íons) ficam mais afastadas.
Rins 60,8
Solvente Água Tecido conjuntivo 60
Ossos 48,2
Solução
Tecido adiposo 30
Soluto Moléculas ou íons Dentina 12
Componentes de uma solução. A água atua como um importante Porcentagem de água em diversos tecidos e órgãos.
solvente.
Idade (anos) Percentual de água no organismo
Meio para reações 0-2 75-80
Em solução aquosa, as partículas de soluto apresen- 2-5 70-75
tam movimento, podendo chocar-se, o que colabora para a
5-10 65-70
realização de reações químicas (controladas por enzimas).
10-15 63-65
15-20 60-63
H2O
20-40 58-60
40-60 50-58
Solvente
>60 <58
Porcentagem de água no organismo humano em função da idade.
Separação de partículas
Transporte
A água pode carregar partículas dissolvidas, como
Favorece reações químicas (metabolismo) ocorre na seiva dos vegetais e no sangue dos animais.
Controle térmico
Papéis fundamentais da água: solvente e meio de reações químicas.
A água contribui para o controle da temperatura, pois:
• Observação: a quantidade de água e a idade do • promove a dissipação de calor, que pode ocorrer
tecido ou do indivíduo têm relação com a ativi- com a perda de vapor-d’água. Exemplos: transpi-
dade metabólica. ração em plantas e respiração pulmonar e suor nos
– Estruturas com maior atividade metabólica seres humanos.
apresentam elevada porcentagem de água. • tem alto calor específico, podendo absorver muita
– Com o avanço da idade, a porcentagem de energia térmica sem elevar consideravelmente sua
água declina. temperatura.

548 B IOL OGIA


Aulas

16 a 18
Sais minerais Carboidratos
São os compostos minerais do organismo. En- • Sinônimos: hidratos de carbono, glicídios, glucí-
contram-se em duas formas: dios ou sacarídeos.
• Íons dissolvidos: dispersos em água, como no • Tipos principais: açúcares (como a sacarose e a gli-
interior das células (potássio e cloreto), no fluido cose) e polissacarídeos (como a celulose e o amido).
intersticial (sódio) e no plasma sanguíneo (cálcio). • Modelo de carboidrato: glicose (C6H12O6).
• Imobilizados: não estão dissolvidos e fazem par-
te de estruturas. Exemplos: o cálcio e o fosfato são Cadeia aberta Cadeia cíclica
componentes dos ossos. O H aldeído
Têm dois tipos de funções: C 1
• Função plástica: são componentes de estruturas. 6 CH2OH

Exemplo: o fósforo é integrante das membranas. H C OH 2


H C O OH
5
• Função reguladora: alguns minerais, como o zin- HO C H 3 H
C4 H C1
co e o magnésio, são fundamentais na atividade de OH

certas enzimas. H C OH 4 HO C
3
C2 H

H OH
H C OH 5
Papel geral Mineral Ação específica D-glucose
Sua concentração e movimen- CH2 OH 6
Ação na Sódio, tação por meio da membrana álcool
membrana potássio e são fundamentais para vários
plasmática cloro processos, como impulso nervoso Representação da molécula de glicose em cadeia aberta e em
e contração muscular. cadeia cíclica.

São componentes do fosfato de


Cálcio e
cálcio, abundante nos ossos; con-
• Classificação geral dos carboidratos
fósforo
tribuem para a rigidez dos ossos. – Monossacarídeos: são açúcares constituídos
Componente
Integrante do fosfato, que faz por uma única unidade molecular. Exemplos:
de estruturas
biológicas
Fósforo parte da membrana plasmática glicose, galactose e frutose. Esses três açúcares
(fosfolipídeos).
são isômeros, pois têm a mesma fórmula, mas
Cálcio e Componentes da lamela média
magnésio de células vegetais. apresentam diferentes arranjos de átomos.
Contração Desencadeia a contração mus-
– Dissacarídeos: são açúcares constituídos por
Cálcio
muscular cular. duas unidades, ou seja, dois monossacarídeos.
Coagulação Participa do processo de coagula- – Polissacarídeos: são carboidratos formados
Cálcio
do sangue ção sanguínea. por inúmeras moléculas de monossacarídeos.
Auxiliares na Magnésio,
Chamados de cofatores enzimá- Exemplo: amido, constituído por muitas molé-
ticos, unem-se a certas enzimas,
atividade de zinco e
sendo indispensáveis para sua culas de glicose.
enzimas manganês
atividade. Essa classificação dos carboidratos apresenta os
Fósforo É integrante do ATP. seguintes detalhes:
Faz parte da molécula de clorofi-
Magnésio la, fundamental para a realização Monossacarídeos
Metabolismo de fotossíntese.
energético • Sua classificação tem por base o número de áto-
Integrante dos citocromos, que
atuam na cadeia respiratória (pro- mos de carbono:
Ferro
cesso que faz parte da respiração – Heptoses: 7 carbonos.
celular).
– Hexoses: 6 carbonos.
Integrante da molécula de hemo-
Componente Ferro globina, proteína presente nos
– Pentoses: 5 carbonos.
de macromo- glóbulos vermelhos. – Tetroses: 4 carbonos.
léculas
Fósforo Componente do DNA e do RNA. – Trioses: 3 carbonos.
Apresentação de minerais importantes, com seus papéis no • A fórmula geral dos monossacarídeos é CnH2nOn.
organismo. • Dentre as pentoses, há duas muito importantes:
– Ribose: componente do RNA; sua fórmula é
C5H10O5.
– Desoxirribose: faz parte da molécula de DNA;
sua fórmula é C5H10O4.

TE TRA I BIOLOGI A 549


Aulas

16 a 18
Monossacarídeos Papel geral Tipos Localização Polissacarídeos
Integrantes Ribose
Componente • Composição: são constituídos por inúmeras mo-
do RNA.
Pentoses dos ácidos léculas de monossacarídeos. Exemplos: amido,
Desoxir- Componente
nucleicos.
ribose do DNA.
celulose e glicogênio, constituídos por muitas mo-
Sangue, uva
léculas de glicose.
Glicose
e mel. • Solubilidade: são insolúveis em água; já monos-
Fornecem Frutas em sacarídeos e dissacarídeos são solúveis em água.
Frutose
energia para geral.
Hexoses
as atividades
Componente CH2OH CH2OH
metabólicas.
da lactose,
Galactose H H H H
açúcar do C O C O
leite.
C OH H C C OH H C
Os principais monossacarídeos e seus papéis biológicos.
O C C O C C O

H OH H OH
Dissacarídeos
• A formação de dissacarídeos acontece por meio de Ligação entre monossacarídeos
uma reação que produz água. É uma reação do tipo Exemplos:
síntese por desidratação.
• Exemplos: pode ser citada a sacarose, que é o açúcar
de cana, formada pela reação entre glicose e frutose:

C6H12O6 + C6H12O6 C12H22O11 + H2O

Glicose Frutose Sacarose

Reação de formação da sacarose.

• Papel biológico: dissacarídeos têm papel energéti-


co no metabolismo. Amido Glicogênio
• Digestão: no tubo digestório, os dissacarídeos so-
A ligação entre monossacarídeos é fundamental para a formação
frem hidrólise, um tipo de reação química que en- dos polissacarídeos. Glicogênio e amido são formados pela união
volve a participação de água e de uma enzima. de moléculas de glicose, porém o amido apresenta uma estrutura
menos ramificada e compacta.
Enzima
Onde é Produtos da
Dissacarídeo envolvida em
encontrado hidrólise Monossacarídeo
sua hidrólise Polissacarídeo Localização Papel
componente
Cana-de-açúcar Glicose e
Sacarose Sacarase Tecidos de
e beterraba frutose
reserva de
Gerada durante Reserva
vegetais,
Maltose a digestão do Maltase Glicose energética
Amido Glicose como batata,
amido de vege-
arroz, milho,
tais.
Glicose e mandioca e
Lactose Leite Lactase banana.
galactose
Principais características de três dissacarídeos: sacarose, Citoplasma de
Reserva
maltose e lactose. fungos e de
energética
animais (prin-
Glicogênio Glicose de fungos
• Observações: cipalmente no
e de
fígado e nos
– Monossacarídeos podem ser transferidos do trato músculos).
animais.
digestório, passando para a corrente sanguínea. Proteção
– Muitos seres humanos adultos apresentam pou- Parede celular de células
ca ou nenhuma lactase, por isso não digerem a Celulose Glicose
de vegetais e susten-
e de muitas tação me-
lactose presente no leite. algas. cânica de
vegetais.
N-acetilglucosami- Exoesqueleto Proteção
na (monossacarí- de artrópodes e sus-
Quitina
deo que contém e parede celu- tentação
nitrogênio) lar de fungos. mecânica.
Principais características de alguns polissacarídeos.

550 BIOL OGIA


Aulas

16 a 18
• Polissacarídeos e o ser humano • Papéis biológicos
– Amido: é digerido por enzimas da saliva (amilase – Importante reserva energética de animais e de
salivar) e do suco produzido pelo pâncreas (ami- vegetais.
lase pancreática), gerando moléculas de maltose. – Isolante térmico.
A maltose é hidrolisada com a participação da en- – Amortecedor de impacto.
zima maltase, gerando duas moléculas de glicose. – Responsável por contribuir para a flutuabilidade de
– Glicogênio: é armazenado no fígado e nos mús- animais marinhos, como focas, pinguins e baleias.
culos, após uma refeição rica em carboidratos.
Entre as refeições, o fígado degrada glicogênio, Ceras
gerando glicose, que é liberada para o sangue e • Composição
chega às demais células do organismo. O contro- – São produzidas pela reação entre um ou mais
le do nível de glicose sanguínea é regulado pelos ácidos graxos com um álcool (exceto o glicerol).
hormônios insulina e glucagon. • Papéis biológicos
– Celulose: não é digerida por seres humanos, – Impermeabilização de estruturas: como exem-
pois eles não possuem a enzima celulase. Ape-
plo, pode ser citada a superfície do exoesqueleto
sar disso, as fibras de celulose ajudam a aumentar
de insetos e da epiderme de vegetais (como a da
a motilidade do intestino e retêm água, tornando
carnaubeira, da qual se pode extrair a cera).
mais fácil a eliminação das fezes. Há animais que
possuem em seu tubo digestório microrganismos,
como bactérias e protozoários ciliados, capazes de Fosfolipídeos
digeri-la. • Composição
– A molécula apresenta duas partes, uma “cabe-
Lipídeos ça” e duas “pernas”. A “cabeça” consiste em um
• Composição: constituem um grupo bastante diversifi- fosfato, é polar e hidrofílica; as “pernas” são
cado em termos químicos; têm moléculas com longas ácidos graxos, conferindo-lhes natureza apolar
cadeias carbônicas, dotadas de baixa solubilidade em e hidrofóbica.
água. Normalmente, apresentam carbono, oxigênio e • Papéis biológicos
hidrogênio; os fosfolipídeos também têm fósforo. – São componentes da membrana plasmática das
• Principais tipos: compreendem glicerídeos (óleos células e das membranas que envolvem organe-
e gorduras), ceras, fosfolipídeos e esteroides. las, como mitocôndrias, retículo endoplasmático,
cloroplastos e outras.
Glicerídeos
• Nomes populares Porção polar
(com fosfato)
– Óleos e gorduras: Fosfolipídeo

○ Óleos normalmente são líquidos e encontra- Porção apolar


(cadeias carbônicas)
dos em vegetais.
○ Gorduras normalmente são sólidas e encontra-
das em animais, por exemplo, no tecido sub-
cutâneo.
• Composição
– Resultam de uma reação de síntese por desidra-
tação, envolvendo uma molécula de glicerol e Organização de uma molécula de fosfolipídeo e sua participação
três de ácidos graxos, com a formação de três como integrante da membrana plasmática de uma célula.
moléculas de água.
O Esteroides
H2C OH
H2C O C R • Composição
O O – Formados por cadeias complexas, compostas
HC OH + 3 R C O− + 3H+ HC O C R + 3H2O
O de anéis interligados, onde o colesterol é fun-
H2C OH
H2C O C R damental para sua formação.
Glicerol Ácidos graxos Triacilglicerol – O colesterol é o esteroide que possui a estrutura
Reação de formação de um glicerídeo. química típica do grupo.

TE TRA I BIOLOGI A 551


Aulas

16 a 18
• Papéis biológicos do colesterol Tipo de lipídeo Estrutura química Funções

– É componente estrutural da membrana das cé- Reserva energética,


Glicerídeos Glicerol unido a três amortecimento de
lulas animais (não é encontrado em vegetais). (óleos e gor- moléculas de ácidos impacto, isolamento
– É empregado na síntese de hormônios esteroi- duras) graxos. térmico e flutuabili-
dade.
des, como a testosterona (hormônio masculi-
Álcool (exceto o
no) e o estrógeno (hormônio feminino). glicerol) unido a uma Impermeabilização
– Tem importante relação com doenças cardio- Ceras
ou mais moléculas de estruturas.
vasculares. de ácidos graxos.
Componentes da
Duas moléculas de
O membrana plasmáti-
Colesterol Fosfolipídeos ácidos graxos unidas
CH3 ca e de membranas
CH3 a uma de fosfato.
de organelas.
CH3 H Colesterol é compo-
H nente estrutural da
H H Apresentam um membrana plasmáti-
H H
HO Esteroides núcleo com quatro ca animal. Por meio
O Progesterona
anéis interligados. dele, são produzidos
OH
hormônios esteroides
e a vitamina D.

H Aspectos fundamentais da diversidade dos lipídeos.

H H
O
Testosterona

Estrutura química de alguns esteroides.

Exercícios de Sala

1 Univás 2009 O gráfico I representa a quantidade de água existente em quatro tipos de tecidos de um mesmo
animal em sua fase embrionária.
O gráfico II representa o consumo de oxigênio para obtenção de energia nos mesmos tecidos do mesmo animal
também na fase embrionária.
Observe as alternativas e assinale a opção de acordo
Gráfico I – Quantidade de água em tecidos Gráfico II – Consumo de oxigênio em tecidos
de um mesmo animal (%) com as respostas. do Alternativa: D.
mesmo animal
Quantidade de oxigênio

100 1. As90 colunas a, b, c e d do gráfico II correspondem,


90 80
Quantidade de água

80 respectivamente,
70 ao consumo de O2 dos tecidos in-
70
60
dicados nas colunas do gráfico I.
60
50
50 2. Considerando
40 o mesmo animal, agora na sua fase
40
30 adulta,
30 a quantidade de água dos tecidos será maior
20
20
10
que
10 a quantidade representada no gráfico I.
0 3. Não0 há como estabelecer relação entre a quantidade
Ossos Rins Encéfalo Músculos a b c d
Tecidos
de água do tecido e oTecidos
consumo de oxigênio.
4. O consumo de O2 demonstrado na coluna d do grá-
cidos Gráfico II – Consumo de oxigênio em tecidos
do mesmo animal fico II indica ser este o tecido dos rins.
(a) Quando as alternativas 1, 2 e 3 estiverem corretas.
Quantidade de oxigênio

90
80
70
(b) Quando as alternativas 1 e 3 estiverem corretas.
60 (c) Quando as alternativas 2 e 4 estiverem corretas.
50
40
(d) Quando somente a alternativa 4 estiver correta.
30 (e) Quando todas as alternativas estiverem corretas.
20
Alternativa 1: incorreta. As colunas a, b, c e d do gráfico II correspondem,
10 respectivamente, a encéfalo, ossos, músculos e rins.
0 Alternativa 2: incorreta. O animal adulto tem menor porcentagem de água
Músculos a b c d
em seus tecidos do que o mesmo animal na fase embrionária.
Tecidos Alternativa 3: incorreta. Tecidos com maior quantidade de água apresentam
maior consumo de oxigênio.
Alternativa 4: correta. O consumo de O2 demonstrado na coluna d do gráfico II
552 BIOL OGIA indica ser o terceiro maior consumo. No gráfico I, a terceira maior porcentagem de
água está presente nos rins.
Aulas

16 a 18
2 Unifesp 2009 A sonda Phoenix, lançada pela 5 Unesp 2012
Nasa, explorou em 2008 o solo do planeta Marte, O“Homem de gelo” era intolerante
onde se detectou a presença de água, magnésio, sódio, à lactose e pouco saudável
potássio e cloretos. Ainda não foi detectada a presen- Ötzi, o “homem de gelo” que viveu na Idade do Bronze
ça de fósforo naquele planeta. Caso esse elemento e cujo corpo foi encontrado nos Alpes italianos em 1991,
químico não esteja presente, a vida, tal como a conhe- tinha olhos e cabelos castanhos e era intolerante à lactose
cemos na Terra, só seria possível se em Marte surgis- [...]. Essas características surgiram da análise do DNA da
sem formas diferentes de: Alternativa: C. múmia [...]. Mutações do gene MCM6 indicam que ele não
(a) DNA e proteínas. conseguia digerir a proteína da lactose encontrada no leite.
(b) ácidos graxos e trifosfato de adenosina. Disponível em:<www.folha.uol.com.br>, 28 fev. 2012.
(c) trifosfato de adenosina e DNA. Considere as afirmações.
(d) RNA e açúcares. I. O texto apresenta uma incorreção biológica, pois
(e) ácidos graxos e DNA. a lactose não é uma proteína.
II. A mutação a qual o texto se refere deve impedir
3 Cederj 2012 Os leites vegetais, se produzidos de que o indivíduo intolerante à lactose produza uma
plantas de qualidade, são bebidas muito saudáveis, enzima funcional que a quebre em unidades meno-
nutritivas, pouco calóricas e sem colesterol. O leite de res, passíveis de serem absorvidas pelo intestino.
soja é excelente alternativa ao leite de vaca e seus de- III. A mutação que torna o indivíduo intolerante à lac-
rivados, por não possuir um tipo de açúcar, responsá- tose é provocada pela presença de leite na dieta, o
vel por causar alergia, denominado: Alternativa: A. que indica que Ötzi era membro de uma tribo que
(a) lactose. tinha por hábito o consumo de leite na idade adulta.
(b) sacarose. Assinale a alternativa correta. Alternativa: E.
(c) frutose. (a) As três afirmações estão erradas.
(d) maltose. (b) As três afirmações estão corretas.
(c) Apenas a afirmação I está errada.
4 UEM 2012 Carboidratos (glicídios ou hidratos de (d) Apenas a afirmação II está errada.
carbono) são moléculas orgânicas constituídas funda- (e) Apenas a afirmação III está errada.
mentalmente por átomos de carbono, hidrogênio e oxi-
gênio. Sobre essas moléculas, é correto afirmar que: 6 UFRN 2005 Embora seja visto como um vilão, o
01 os monossacarídeos mais abundantes nos seres colesterol é muito importante para o organismo huma-
vivos são as hexoses (frutose, galactose, glicose), no porque ele é: Alternativa: A.
que, quando degradadas, liberam energia para uso (a) precursor da síntese de testosterona e progesterona.
imediato. (b) agente oxidante dos carboidratos.
02 ribose e desoxirribose são polissacarídeos que (c) responsável pela resistência de cartilagens e tendões.
compõem os ácidos nucleicos. (d) cofator das reações biológicas.
04 a quitina é um polissacarídeo que constitui o exo- Exercício 4:
01 Correta. As hexoses são fontes de fornecimento de energia
esqueleto dos artrópodes e apresenta átomos de para o metabolismo celular.
nitrogênio em sua molécula. 02 Incorreta. Ribose e desoxirribose são monossacarídeos.
04 Correta. Quitina é um polissacarídeo nitrogenado, integrante
08 a maioria dos carboidratos apresenta função ener- da parede celular de fungos e do exoesqueleto de artrópodes.
08 Incorreta. A celulose e a quitina têm função estrutural; o amido
gética, como a celulose e a quitina; entretanto, al- e o glicogênio atuam como reservas energéticas.
guns podem apresentar função estrutural, como o 16 Incorreta. Animais apresentam pequena capacidade de estocar
carboidratos; a maior parte de suas reservas encontra--se na
amido e o glicogênio. forma de lipídeos. Vegetais armazenam carboidratos e lipídeos.
16 os animais apresentam grande capacidade de es-
Exercício 5:
tocagem de carboidratos, quando comparados às Afirmação I: correta. Lactose é um dissacarídeo, e não uma pro-
plantas, que armazenam apenas lipídeos. teína.
Afirmação II: correta. A mutação citada impede a produção de
Soma = 05 lactase e isso inviabiliza a digestão da lactose.
Exercício 2: Afirmação III: incorreta. O uso de lactose na dieta não provoca a
mutação, processo que ocorre ao acaso.
Fósforo é integrante do fosfato, que é componente do ATP
(trifosfato de adenosina), dos fosfolipídeos, do DNA e do RNA. Exercício 6:
O colesterol é componente da membrana plasmática animal e
Exercício 3: por meio dele são produzidos hormônios esteroides (como o es-
O açúcar presente no leite é a lactose; muitas pessoas tornam-se trógeno, a progesterona e a testosterona) e a vitamina D.
incapazes de digeri-la, causando distúrbios no organismo.
TE TRA I BIOLOGI A 553
Aulas

16 a 18
7 UEPA 2012 8 PUC-RS 2012 Na fabricação da cerveja, a fermen-
tação transforma o açúcar do cereal em álcool. O mes-
O surgimento e a manutenção da vida, no nosso pla- mo processo é usado no preparo da massa de bolos e
neta, estão associados à água, que é a substância mais pães, onde os fermentos consomem o açúcar da fari-
abundante dentro e fora do corpo dos seres vivos. Entre- nha e liberam o gás carbônico que aumenta o volume
tanto, segundo dados fornecidos pela Associação Brasi- da massa. Esse açúcar é ______ que deriva do amido,
leira de Entidades do Meio Ambiente (Abema), 80% dos um ______, sintetizado por ______ como reserva
esgotos do país não recebem nenhum tipo de tratamento energética. Alternativa: A.
e são despejados diretamente em rios, mares, lagos e (a) a glicose – polissacarídeo – vegetais
mananciais, contaminando a água aí existente. (b) a glicose – polipeptídeo – fungos e plantas
Poluição da Água. Disponível em: (c) o glicogênio – polissacarídeo – fungos e plantas
<www.colegioweb.com.br/biologia/constituicaoda-agua.html>.
Acesso em: 5 set. 2011. (Adapt.). (d) o glicogênio – polipeptídeo – fungos e plantas
(e) o glicogênio – polissacarídeo – vegetais
Considerando as funções exercidas nos seres vivos
A glicose é componente do amido; o polissacarídeo da reserva
pela substância em destaque no Texto, analise as afir- das plantas.
mativas.
I. Facilita o transporte das demais substâncias no or-
ganismo.
II. Participa do processo da fotossíntese.
III. Dissolve as gorduras, facilitando sua absorção.
IV. Auxilia na manutenção da temperatura do corpo.
De acordo com as afirmativas acima, a alternativa
correta é: Alternativa: C.
(a) I e II.
(b) I, II e III.
(c) I, II e IV.
(d) II, III e IV.
(e) I, II, III e IV.

Afirmativa I: correta. A água, por ser solvente, contribui para o


transporte de substâncias no organismo.
Afirmativa II: correta. A água é um dos reagentes da fotos-
síntese.
Afirmativa III: incorreta. A água é uma substância polar e não
dissolve gorduras.
Afirmativa IV: correta. A água auxilia na manutenção da tem-
peratura corporal devido ao seu elevado calor específico e por
conta de processos relacionados à perda de água na forma
de vapor.

GUIA DE ESTUDO
Biologia / Livro 1 / Frente 1 / Capítulo 5
I. Leia as páginas de 67 a 71.
II. Faça os exercícios 2, 7, 9, 12 e 13 da seção
“Revisando”.
III. Faça os exercícios propostos de 3 a 12.

554 BIOL OGIA