You are on page 1of 7

APPADURAI, Arjun. “The production of locality”. In: Richard Fardon (org.).

Counterworks: managing the diversity of knowledge. Londres: Routledge, 1995.


pp. 204-225.
BAUER, Martin, GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e
som; um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2000.
BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro, Zahar, 2000.
BECK, Ulrich. Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo:
Editora 34, 2010.
BECKER, Howard S. Falando da sociedade: ensaio sobre as diferentes
maneiras de representar o social. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.
BOBBIO, Norberto - O futuro da Democracia, editora Paz e Terra, 2000, Sao
Paulo. CAPÍTULOS 1,2 e 3 ( PP. 17-65)
BOURDIEU, P. “Arte de Resistir às Palavras”, “Uma Ciência que Incomoda”, “O
Sociólogo em Questão” in: Questões de sociologia. Lisboa: Fim de Século, 1983.
Bourdieu, Pierre. “Parte 1 – A Ruptura”. In: Ofício do Sociológo. Petrópolis:
Vozes, s/d, pp. 22-44.
BOURDIEU, Pierre. 1989. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand
Brasil, capítulos 1 e 2: “Sobre o Poder Simbólico”; “Por uma sociologia reflexiva”.
BOURDIEU, Pierre. A gênese dos conceitos de habitus e de campo. In:
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989. p. 59-73.
BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990. p.15-73; p.77-
118; p.149- 180; 207-220. (Itinerário, I parte; Confrontações, II Parte; Abertura,
III Parte.).
BOURDIEU, Pierre. Introdução, in: Regras da Arte. São Paulo: Cia das Letras,
1996, pp. 11-62.
BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Lisboa, Difel, 1989.
BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
BOURDIEU, Pierre. Razões Práticas: Sobra a Teoria da Ação. Campinas: Ed.
Papiros, 1996 Capítulos 1, 2 e 3.
BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, São
Paulo: Papirus, 1996.
BOURDIEU, Pierre. Sobre o Estado: cursos no Collège de France (1989-1992).
São Paulo: Companhia das Letras, 2014.
BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade.
Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.
BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica à violência ética. Belo Horizonte:
Autêntica, 2015.
CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 2009. “Etnicidade: da cultura residual mas
irredutível; Cultura e “cultura”’. In Cultura com Aspas. São Paulo: Cosac Naify.
DAHL, R. 1998. Poliarquia. São Paulo: Edusp, capítulos 1, 2 e 3.

DURKHEIM, Emile. 1999. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins


Fontes. [“Prefácio à segunda edição” (pp. V-XLIII); “Introdução” (pp. 19; Livro I:
cap. 1, ao cap. VI (pp. 13184); Livro II: cap. 1 (pp. 223-225), cap. 2 (pp. 251-282),
cap. 3 (283-307); Livro II: cap. 1 (pp. 367-390), cap. 2 (pp. 391-407); Conclusão
(pp. 417-432)].

DURKHEIM, Émile. 2007. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Martins


Fontes, Introdução, capítulos 1 e 2 e Conclusão
DURKHEIM, Emile. As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo,
Martins Fontes, 1989.
DURKHEIM, Emile. As regras do método sociológico. 4a ed.. São Paulo:
Companhia Editora Nacional, 1966.
DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. São Paulo, Martins
Fontes: 1999.
DURKHEIM, Émile. Coleção Grandes Cientistas Sociais (org. José Albertino
Rodrigues). Parte III (Religião e Conhecimento). São Paulo: Ática: 1981.

DURKHEIM, Émile. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Organizador: José


Albertino Rodrigues. São Paulo: Ática, 2002.
DURKHEIM, Émile. Da Divisão do Trabalho Social. São Paulo: Martins Fontes:
1999. Introdução. Livro Primeiro, Caps. I, II, III e VI. Livro Terceiro, Cap. I.
DURKHEIM, Émile. Da Divisão do Trabalho Social. São Paulo: WMF Martins
Fontes, 2010. Livro 1º, capítulos 1, 2 e 3.
DURKHEIM, Émile. O que é fato social?; Regras relativas à observação dos fatos
sociais; Regras relativas à distinção entre o normal e o patológico. In: ______.
As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Companhia Editora Nacional,
2002. p. 01-65.
DURKHEIM, Émile. O Suicídio. São Paulo: Martins Fontes: 2011. Introdução.
Livro Segundo, Caps. I a V. Livro Terceiro, Cap. I.
DURKHEIM, Émile. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes,
2000. (Introdução e Capitulo 1).
ELIAS, N. & SCOTSON, J. Os Estabelecidos e os Outsiders. Sociologia das
relações de poder a partir de uma pequena comunidade. (Caps. I ao VI. pp.51-
120). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
ELIAS, N. Sugestões para uma teoria dos processos civilizadores. In: O
Processo Civilizador 2: formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Zahar,
1990. p. 191–274.
Elias, Norbert. "A sociedade dos indivíduos". In: A sociedade dos indivíduos. Rio
de Janeiro: Zahar, 1994, pp. 11-61

ELIAS, Norbert. 1994. O Processo Civilizador, vol. 1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar
Editor. [“Da Sociogênese dos Conceitos de “Civilização” e “Cultura”” (pp: 21-50).]

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.
1994.
ELIAS, Norbert. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
1994. Parte I – “A Sociedade dos Indivíduos”.
ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Zahar, 1994. (Parte I)
FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes: 1987. (caps. 2 e 3 da Parte III
- p. 153-204).
ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993. (V.2,
parte II; Síntese – Sugestões para uma Teoria de Processos Civilizadores).
ELIAS, Norbert. Os alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos
séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.
FAORO, Raimundo. Os donos do poder: formação do patronato político
brasileiro. 3ª ed., Rio de Janeiro, Globo, 2001
FERNANDES, Florestan . 1980. Fundamentos empíricos da explicação
sociológica . São Paulo: T. A. Queiroz. Parte I
FERNANDES, Florestan. A concretização da revolução burguesa. In: ______. A
revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. São Paulo:
Globo, 2006. p.239- 60.
FERNANDES, Florestan. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. Vol
1. São Paulo, Globo, 2008.
FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaios de
interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
Fernandes, Florestan. Revolução Burguesa no Brasil: ensaios de interpretação
sociológica. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1976 (Introdução, Caps. 1, 2 e 3, pp.
13-146).
Foucault, Michel. "Foucault". In: Ética, sexualidade e política. Rio de Janeiro:
Forense Universitária, 2004, pp. 234-239
Foucault, Michel. "O sujeito e o poder". In: Dreyfus, Hubert; Rabinow, Paul.
Michel Foucault. Uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
1995, pp. 231-249
FOUCAULT, Michel. 2015. Microfísica do Poder. São Paulo: Ed. Paz e Terra.
Foucault, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: NAU, 2002,
pp. 7-27
FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes,
1987.
Fraser, Nancy. “Da Redistribuição ao Reconhecimento? Dilemas da Justiça na
Era Pós-Socialista”. In: Souza, Jessé (Org.). Democracia Hoje: novos desafios
para a teoria democrática contemporânea. Brasília: EdUnB, 2001, pp. 245-282.

GEERTZ, Clifford A interpretação das culturas (capítulo 1 - Uma Descrição


Densa: Por uma Teoria Interpretativa da Cultura )

GEERTZ, Clifford. 2006.O saber local, novos ensaios de antropologia


interpretativa. Petrópolis: Editora Vozes. [“Do ponto de vista dos nativos: a
natureza do entendimento antropológico” (pp: 85-107].

GIDDENS, Anthony & TURNER, Jonathan, (Org.). A teoria social hoje. São
Paulo: Unesp, 1999.
GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes,
1989. (Capítulo I – elementos da teoria da estruturação).
GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Editora
UNESP, 1991. Capítulos I, II e III.
GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro, Zahar, 2002.
GIDDENS, Anthony. Novas regras do método sociológico: uma crítica positiva
das sociologias compreensivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan (orgs.). Teoria social hoje. São Paulo:
Ed. Unesp, 2000.
GIDDENS, Antony. As conseqüências da modernidade. São Paulo: UNESP,
1993.
GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade
deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1988. (Cap. I, p 11-50)
HABERMAS, Jürgen. 1995.“Três Modelos Normativos da Democracia”. Lua
Nova, n. 36, p. 39-53.
HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. (Liv Sovik, org.).
Belo Horizonte: Editora UFMG. 2003. p.131-246. (Parte II. Marcos para os
Estudos Culturais).
HALL, Stuart. Identidades Culturais na Pós-Modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro:
DP&A, 2006.
HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2009.
HARVEY, David. Condição Pós-Moderna: uma pesquisa sobre as origens da
mudança cultural. 2ª. ed. (Parte III pp. 185-290). São Paulo: Loyola, 1993.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo, Companhia das
Letras, 1995.
Honneth, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais.
São Paulo: Editora 34, (Capítulos 5 e 6; pp. 155-224).
IANNI, Octavio. Teorias da Globalização. 2ª ed. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1996 (Capítulo I – Metáforas da Globalização)
KUPER, Adam. “O retorno do nativo”, Horizontes Antropológicos, 2002, vol. 8
(17): 213-237.
LAMOUNIER. B. 1994.“ E no entanto se move: formação e evolução do Estado
democrático no Brasil, 1930-1994” In: Lamounier,B, Carneiro, D.D e Abreu,P.M
(orgs) 50 anos de Brasil-50 anos de FGV. São Paulo: Ed FGV.

LEVI-STRAUSS, Claude. 1981. As estruturas elementares do parentesco.


Petrópolis: Editora Vozes. [“Natureza e Cultura”(pp. 41-49); “O problema do
incesto”(pp. 50-68). ]

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2012. A Antropologia diante dos Problemas do Mundo


Moderno. São Paulo: Companhia das Letras.
LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história. In: ______. Antropologia estrutural
dois. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro, 1976. p. 328-66. (Biblioteca
tempo universitário, 45).
LIJPHART, Arendt - Modelos de Democracia, editora Civilização Brasileira. PP.
7-52

MALINOWSKI, Bronislaw. 1978. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo:


Ed. Abril. [“Introdução: tema, método e objeto desta pesquisa” (pp. 17-34);
Capítulo 3: “Características essenciais do Kula” (pp. 71-86).

MARSHALL, T. H. "Cidadania e classe social". In: Cidadania, classe social e


status. Rio de Janeiro. Zahar 1967).
MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã (Feuerbach). São Paulo:
Hucitec: 1977.
MARX, Karl. “O caráter fetichista da mercadoria e seu segredo”. In: O Capital –
Crítica da economia política (livro I – O processo de produção do capital, Capítulo
01- A Mercadoria, Seção 4). 7ª ed. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: BoiTempo,
2013. (pp. 204-218)
MARX, Karl. 1983. Introdução à crítica da economia política. In: Contribuição à
crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, p. 199-231

MARX, Karl. 2013. O Capital: crítica da Economia Política. Livro I. São Paulo:
Boitempo. [Capítulo 1: “A mercadoria”. (pp. 157-218)]
MARX, Karl. A mercadoria. In: MARX, Karl. O Capital: Crítica da economia
política. Livro I: O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São
Paulo: Boitempo, 2013, pp. 113-158.
MARX, Karl. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Organizador: Octavio Ianni.
São Paulo: Ática, 1987.
MARX, Karl. Grundrisse. Introdução (pp. 37-64). São Paulo: Boitempo: 2011.
MARX, Karl. Ilustração da lei geral da acumulação capitalista In: O Capital. São
Paulo: Nova Cultural, 1985. p. 45-78, (Livro I, cap.XIII, item 5).
MARX, Karl. MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. O Manifesto Comunista de 1848.
In: ______. O manifesto comunista e Cartas filosóficas. São Paulo: Centauro. p.
07-92.
MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo, Boitempo, 2011.
MARX, Karl. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo Editorial,
2011.
Marx, Karl. O 18 Brumário de Luiz Bonaparte. São Paulo, Boitempo, 2011.
Weber, Max. “Cap VII – Classe, Estamento, Partido”. Ensaios de Sociologia. Rio
de Janeiro, LTC, 1974, pp. 211-228.
MARX, Karl. O Capital. São Paulo: Abril Cultural, 1984 (Vol. 1, cap. I).

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Vol. I (tomos 1 e 2), O


processo de produção do capital. São Paulo: Nova Cultural, 1988. Capítulo I: A
mercadoria (itens: 1. Os dois fatores da mercadoria; 2. Duplo caráter do trabalho
representado nas mercadorias; 4. O caráter fetichista da mercadoria e
seusegredo); Capítulo V: Processo de trabalho e processo de valorização;
Capítulo XXI: Reprodução simples.
MARX, Karl. Prefácio. In: MARX, Karl. Contribuição à Crítica da Economia
Política. São Paulo, Martins Fontes, 1983.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 2007 (Teses sobre Feuerbach e Parte 1. Feuerbach).

Mauss, Marcel. "Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa. a de


eu". In: Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2015, 2ª ed., pp. 365-
395

MAUSS, Marcel. 2005. Sociologia e Antropologia. São Paulo: CosacNaify.


[“Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas” (pp.
183-314).]

MAUSS, Marcel. A Prece. In: ______. Ensaios de sociologia. São Paulo:


Perspectiva, 2005. p. 229-324. (Estudos; 47)
MAUSS, Marcel: Ensaio Sobre a Dádiva. in Mauss, Marcel: Sociologia e
Antropologia., SP, Cosac Naif, 2003
NEIBURG, Federico e WAIZBORT, Leopoldo (orgs). Escritos & Ensaios. Vol 1.
Estado, processo, opinião pública. Norbert Elias. Rio de Janeiro, Jorge Zahar,
2006.
ORTIZ, Renato. Universalismo e diversidade. São Paulo: Boitempo, 2015.
PEIRANO, Mariza Gomes e Souza. Uma antropologia no plural. Brasília: Editora
da UnB, 1992. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São
Paulo: Pioneira, 1996.
ROSANVALLON, Pierre. Por uma história do político. (Capítulos II, III pp. 37-
101). São Paulo: Alameda, 2010.
SAHLINS, Marshall. 1997. “O pessimismo sentimental” e a experiência
etnográfica: por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção (Parte I).
Mana. Estudos de Antropologia Social. Vol. 3, nº 1. Rio de Janeiro: Museu
Nacional/Contra Capa, pp: 41-73.
SANTOS, Wanderley Guilherme dos. A democracia impedida: o Brasil no século
XXI. (Capítulos I, II, III e IV pp. 11-128). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2017.
SCALON, Celi. Desigualdade, pobreza e políticas públicas: notas para um
debate. Contemporânea. São Carlos: UFSCar, n. 1 p. 49-68 Jan.-Jun. 2011.

SIMMEL, Georg. “Para a psicologia do dinheiro” (pp. 11-28); “O dinheiro na


cultura moderna” (pp. 51-70). In: BUENO, Arthur (org.). Georg Simmel: o conflito
da cultura moderna e outros escritos. São Paulo: SENAC, 2013.

SIMMEL, Georg. Conflict. On Interaction and its social forms. Chicago, University
of Chicago Press, 1971. Tradução: O conflito como sociação. (Tradução de
Mauro Guilherme Pinheiro Koury). RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da
Emoção, v. 10, n. 30: 568-573.
SIMMEL, George. Questões fundamentais de sociologia: indivíduo e sociedade.
Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
TILLY, Charles. Democracia. (Capítulos I, II e III pp. 15-92). Petrópolis: Vozes,
2013.
TOCQUEVILLE, A. 1977. "Da influência que as ideias e os sentimentos
democráticos exercem sobre a sociedade política". In: A democracia na América.
(Quarta parte) 2ª ed. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia/ São Paulo: EDUSP, p. 511-542.
WALLERSTEIN, Immanuel. O universalismo europeu: a retórica do poder. São
Paulo: Boitempo, 2007.
WANDERLEY, Maria de Nazareth B. O mundo rural como espaço de vida:
reflexões sobre a propriedade da terra, agricultura familiar e ruralidade. Porto
Alegre: Editora da UFRGS, 2009.
WEBER, M. A “objetividade” do conhecimento nas Ciências Sociais. In: COHN,
Gabriel (org.). Max Weber: Sociologia. São Paulo, Ática, 1979. (p.79-127)
WEBER, Max 2004. “A política como vocação”. IN: Ciência e Política – duas
vocações. São Paulo: Cultrix

WEBER, Max. 1991. Economia e Sociedade, vol 1. Brasília: Editora UnB, 1991.
[“Conceitos sociológicos fundamentais” (pp. 3-35)]

WEBER, Max. 2004. “ A ciência como vocação”. In: Ciência e Política – duas
vocações. São Paulo: Cultrix.
WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Cia
das
Letras, 2004.

WEBER, Max. A Objetividade do Conhecimento nas Ciências Sociais. São


Paulo: Ática: 2006.
WEBER, Max. Ciência e Política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 1991.
WEBER, Max. Coleção Grandes Cientistas Sociais. Organizador: Gabriel Cohn.
São Paulo: Ática, 1986.
WEBER, Max. Conceitos Sociológicos Fundamentais. In: WEBER, M. Economia
e Sociedade. Vol. 1. Brasília: UNB, 1991.
WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia
compreensiva. Volume 1, 4.a.ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília,
2000. (Capítulos 1 e 2).
WEBER, Max. Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo:
Companhia das Letras. 2004.
WEBER, Max. Volume I, Capítulo I. Conceitos sociológicos fundamentais. In:
Economia e sociedade. Brasília, Ed. UnB, 1991.
WOOD, Ellen Meiksins. Capitalismo e emancipação humana: raça, gênero e
democracia. In:_____. Democracia contra o capitalismo: a renovação do
materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, 2011. p. 227-42.