You are on page 1of 4

preço

dos
para partos
emagecer

Cada vez mais


mulheres escolhem
hospitais privados
para ter os filhos.
Os preços variam
consoante
as regiões e, em
Lisboa,
uma cesariana
pode custar
até 6000 euros

Quanto custa nascer


O nosso estudo O nascimento de um filho é um De acordo com um estudo da
momento especial para a mulher. União Europeia, uma boa parte é
Quer se trate do primeiro filho ou realizada por cesariana – prática
Contactámos 21 entidades privadas de uma mãe já experiente, o mo- que envolve riscos para a saúde da
• Para saber o custo de um parto nos serviços de saúde mento do parto é sempre prepara- mãe e do bebé. Entre 2004 e 2010,
privados, no início de outubro, enviámos questionários a do com antecedência. Atualmen- a prevalência de cesarianas foi de
21 instituições de saúde privadas. Além do preço – para
te, a maioria dos partos realizados 36%, um valor muito acima da
parto normal com dois dias de internamento e anestesia
em Portugal tem lugar em unida- meta traçada pelo Plano Nacional
epidural, parto distócico com dois dias de internamento
des do Serviço Nacional de Saúde de Saúde para 2010. De referir que,
e todas as intervenções (forceps ou ventosas), e cesaria-
(SNS). Uma das menores taxas no privado, esta percentagem dis-
teste saúde 107 fevereiro/março 2014

na com três dias de internamento – as instituições fo-


de mortalidade fetal, neonatal e para.
ram ainda questionadas sobre a existência de cuidados
intensivos de neonatologia.
infantil da Europa e um serviço Tendo em conta o aumento da op-
• Até meados de novembro, só obtivemos quatro respos- público de qualidade justificam a ção pelos serviços privados, qui-
tas. Por isso, fizemos uma nova tentativa: colocámo-nos escolha. Mas a verdade é que, de semos saber quanto custa nascer
no papel de uma grávida e telefonámos para as mesmas acordo com os dados do Institu- nestes serviços. Sendo esta uma
instituições, pedindo informações e o envio dos preços to Nacional de Estatística (INE), escolha muito pessoal, realizámos
por e-mail. Responderam 18. a procura de hospitais e clínicas também dois focus group – um
• Foram ainda constituídos dois focus group com mu- privados tem vindo a crescer. com mães que escolheram o pri-
lheres do distrito de Lisboa, para entender as razões que No ano de 2011, dos 95 149 par- vado, outro com mães que opta-
suportam a escolha de instituições públicas ou privadas. tos realizados, 82 mil (87%) tive- ram pelo SNS – para saber o que
ram lugar em hospitais públicos. motiva as escolhas.

18
Aposta no conforto
■ A garantia de que seria o obste-
tra que acompanhou a gravidez a
ENTREVISTA
realizar o parto, a privacidade e os
níveis de conforto foram aspetos
considerados pelas mulheres que
optaram por ter os seus bebés no
SNS fez cair mortalidade
setor privado. "Eu queria ir para Lisa Vicente, da Direção-Geral de Saúde, explica
um sítio onde tivesse uma casa de as vantagens e desvantagens dos diferentes tipos
banho só para mim," admitiu uma
das participantes. Já outra valori-
de partos disponíveis em Portugal
zou a autonomia e a participação
no processo de decisão: "Poder es- O que explica as baixas taxas de mor-
colher foi essencial. Ser eu a dona talidade fetal e neonatal em Portugal?
do parto e não mais uma partu- Um conjunto de recursos, humanos e
riente que vai fazer tudo aquilo técnicos, no Serviço Nacional de Saúde,
que é expectado, sem espírito na saúde da mulher, no apoio ao parto,
crítico e sem contestar." Entre as ao recém-nascido, que se concretizam
mães que optaram pelo privado, a nesta diminuição. Desde a vacinação aos
presença constante de um acom- melhores cuidados de higiene, passan-
panhante também foi valorizada. do pela aposta no planeamento familiar,
■ Quem optou pelo serviço públi- que permite espaçar gravidezes, diminuir
co teve como principais preocu- o número de filhos e de gravidezes em
pações a segurança, a existência mulheres mais velhas. E a evolução dos
de um serviço de cuidados inten- cuidados neonatais, com a ventilação ou
sivos e o preço. "Quer eu, quer o a aplicação de corticoides.
meu companheiro sempre acre-
ditámos no SNS. De certa forma, Há vantagens no parto programado?
tranquilizou-me ter um conjunto É importante salientar que o parto pode
de pessoas que pertenciam ao ser programado por razões médicas, Lisa Vicente,
como a hipertensão da mãe ou restrições Responsável do Departamento
hospital público. É uma referência
de crescimento do bebé. Nestes casos, os de Saúde Reprodutiva da DGS
de qualidade e prestígio que tran-
quiliza", explicou uma das mães. riscos de um parto programado são so-
■ Na escolha pelo privado tam- brepostos pelos riscos de deixar avançar Há que referir que uma das grandes cau-
bém pesa a questão da seguran- a gravidez. No entanto, esta opção não ex- sas do decréscimo da mortalidade neona-
ça e a ocorrência de imprevistos. clui riscos, como o aumento da taxa de ce- tal e materna foram os cuidados médicos
Aliás, como neste grupo a decisão sarianas, de prematuridade e consequen- durante o parto, em meio hospitalar.
sobre o local de nascimento do te aumento de dificuldades respiratórias
bebé foi tomada com antecedên- na criança. Quando o parto não é progra- Que profissionais fazem este trabalho?
cia (no início ou mesmo antes da mado por indicação médica, muitas ve- De acordo com os dados indiretos que te-
gravidez), a escolha do local teve zes, não estão assegurados os ganhos em mos, são sobretudo enfermeiras.
em conta critérios como a exis- relação aos riscos de complicações.
tência de equipamentos especia- Em Portugal é possível ter um parto na
lizados, a existência de urgência Os partos em casa aumentaram. Esta é água?
uma opção a considerar? O único hospital que os realiza é o hospi-
teste saúde 107 fevereiro/março 2014

de neonatologia ou a proximidade
de um hospital público com esta Houve, de facto, um aumento, mas os tal de Setúbal. É um meio de alívio da dor
valência. últimos números apontam para uma es- sem recurso a meios farmacológicos, em
tabilização. Há países, como a Holanda, grávidas com idade gestacional superior a
O que é obrigatório em que é possível fazer partos em casa 37 semanas, em fase ativa de trabalho de
no setor privado porque há condições para o fazer: há parto e gravidez de baixo risco. Fazer o tra-
■ De referir que, por lei, existem equipas inteiras que se deslocam a casa e balho de parto na água gera um maior re-
requisitos mínimos para as uni- há a possibilidade de transporte de mãe e laxamento, que reduz a dor, e a descontra-
dades privadas prestarem servi- filho para o hospital quando necessário. ção da musculatura do períneo. A expulsão
ços médicos e de enfermagem em Em Portugal não temos estas condições. do bebé na água gera mais discussão.
obstetrícia e neonatoligia. Assim,
consoante a existência, ou não,

19
preÇOS DOs partos
>
de urgência obstétrica aberta ao
Preço de partos, a particulares, no setor privado exterior, as unidades são conside-
radas de neonatologia ou obste-

de internamento (€)

Cesariana eletiva -

acompanhante (€)
anestesia - 2 dias
trícia. São consideradas unidades

internamento (€)

internamento (€)
Parto distócico
com anestesia
Parto eutócico
com urgência aberta aquelas que

forceps), com
(ventosas ou
recebem grávidas com mais de 32

- 2 dias de
(normal),

Diária do
3 dias de
semanas de gestação. As unidades
sem urgência aberta recebem grá-
Estabelecimento
vidas referenciadas diretamente
Hospital da Cruz Vermelha Lisboa 1 900 2 100 2 900
por obstetra privado e, obrigato-
Hospital CUF Descobertas Lisboa 2 700 * 3 250 * 57 riamente, com mais de 34 sema-
Hospital da Luz Lisboa 3 250 - 3750 5 000 - 6 000 55 nas de gestação e uma gravidez de
Hospital dos Lusíadas Lisboa 4 500 4 500 5 500 45 - 50 baixo risco.
Clínica de Santo António Reboleira 3 500 3 500 5 000 ■ Caso venha a ser necessária a
Hospital da Boavista Porto 2 850 3 000 4 000 transferência do bebé para um
hospital público, esta tem sempre
Hospital Ordem da Trindade Porto cerca de 900 * 1 950 * de ser feita pelo serviço de Trans-
Casa de Saúde da Boavista Porto 880 * 1 320 * 40
porte Inter-Hospitalar Pediátrico,
Hospital CUF Porto Porto 2 850 3 480 4 400 60
também conhecido como INEM-
Hospital de N.ª Sr.ª da Lapa Porto 1 000 1 000 2 000 40,30
-Recém-Nascidos.
Hospital da Arrábida V. N. de Gaia 2 885 3 035 4 035 40 ■ Três das entidades privadas que
Clínica de Santa Tecla Braga 1 900 2 800 contactámos – Hospital da Ordem
Hospital Privado de Braga Braga 2 780 3 650 da Trindade, no Porto, Hospital
Hospital Privado de Guimarães Guimarães 1 950 3 500 35 Privado de Guimarães e Clínica
Hospital Privado da Boa Nova Matosinhos 2 505 2 604,1 3 622 Médico-Cirúrgica de Santa Tecla,
Hospital Privado da Trofa Trofa 2 780 3 650 55 em Braga –, não esclareceram se
Clínica da Santa Casa Espinho 3 300 cerca de 4 200
tinham neonatologia. O serviço
de cuidados intensivos na neo-
Hospital Privado de Alfena Alfena 2 780 3 650
natologia foi mencionado por 16
Clipóvoa Hospital Privado P. do Varzim 2 130 2 330 3 195 40
entidades.
Hospital Particular do Algarve Portimão 3 900 5 500
*Não inclui os honorários da equipa médica. Norte mais barato
■ A localização é outro aspeto va-
lorizado pelas mães. As unidades
parto em casa na proximidade da residência são
preferidas. Salvo em casos exce-
Conheça os riscos cionais, uma grávida de Lisboa
não terá o parto no Porto, ou vice-
Tendência ou moda? -versa.
O número de partos em casa tem vindo a aumentar em ■ Contudo, resultado do nosso
Portugal. A análise da natalidade e mortalidade infantil inquérito, é possível ver que é no
da Fundação Francisco Manuel dos Santos mostra que Norte que surgem os preços mais
passámos de 480 partos não hospitalares, em 2000, baratos. Um parto normal, com
para quase 900 em 2008. Mas, esta opção, que não ul- dois dias de internamento custa,
trapassa 1% do total dos partos, é controversa. no Hospital da Venerável Irman-
teste saúde 107 fevereiro/março 2014

dade de N.ª Sr.ª da Lapa, no Porto,


Riscos
1000 euros. Em Lisboa, o privado
Mesmo com o apoio de obstetras ou parteiras, o parto
mais barato é o Hospital da Cruz
em casa tem riscos. Exaustão da mãe, hemorragias,
Vermelha, onde o mesmo parto e
prolapso do cordão umbilical, hipertensão arterial da
com o mesmo tempo de interna-
mãe e até morte fetal ou materna são os maiores.
mento custa 1900 euros. Entre os
Quem fizer esta opção tem de estar a 30 minutos de Cada vez mais portuguesas
um hospital, ser saudável e ter tido uma gravidez sem escolhem ter os filhos em casa. estabelecimentos mais caros, a
risco. O bebé deve estar totalmente formado, em po- Mas esta é uma opção que capital continua a ter custos mais
sição cefálica e ter tido uma gestação sem problemas. acarreta riscos elevados: um parto normal no
Hospital dos Lusíadas, incluindo
internamento, pode chegar aos

20
6
ponha na agenda

conselhos para escolha da maternidade


1 E m Portugal, a maioria dos bebés nasce em maternidades ou hospitais públicos (87%
dos partos realizados em 2011 teve lugar no sistema público). São instituições equi-
padas com unidades de cuidados neonatais, bem apetrechadas para fazer face a com-
plicações e bons recursos humanos.

2 Durante a gravidez informe-se junto das várias maternidades sobre os preparativos


necessários e as condições em que se realiza o parto.

3 Se preferir uma unidade privada – onde terá maior privacidade – informe-se sobre a
existência de equipas de urgência e cuidados intensivos neonatais. Na ausência de
urgência neonatal, saiba qual o hospital de referência da unidade escolhida e a que
distância se encontra.

4 Ao optar pelo privado, e caso tenha seguro, informe-se junto da sua companhia sobre a
cobertura de parto e internamento hospitalar. As características dos seguros são mui-
to variáveis e, por regra, os pacotes básicos incluem a hospitalização, mas não o parto.

5 Faça uma escolha racional tendo em conta as suas prioridades: custos, segurança,
experiência da equipa médica, obstetra escolhido, privacidade, conforto...
Os serviços de neonatologia
6 Esta é uma escolha muito pessoal, mas pode sempre trocar impressões com amigas são indispensáveis em
ou familiares que tenham passado pela experiência há pouco tempo. situações de partos prematuros

€ 6000 do Algarve, em Portimão, um par-


to normal com dois dias de inter- Teste saúde aconselha
é o valor máximo namento custa 3900 e uma cesa-

de uma cesariana
riana eletiva pode chegar aos 5500.
■ Além de toda a componente téc-
Conheça os seus direitos
em Lisboa nica é o internamento mais pro-

´
Por vezes, em hospitais públicos, nomeada-
longado que encarece a cesariana.
mente hospitais universitários, estudantes ou
médicos residentes poderão assistir ao parto.
Seguro pensado É à grávida que cabe dar, ou não, o consentimen-
com antecedência to para que tal aconteça.
■ A maioria das mulheres que es-
4500 euros. No Porto, no Hospital colhe o privado fá-lo através de

´
A grávida tem direito a ser acompanhada
da CUF, custa 2850 euros. subsistemas ou seguros de saúde.
pelo companheiro, ou pessoa que designar, no
■ Quando há necessidade de uma Entre as participan tes do focus
momento do parto. Mas deve tentar perceber
cesariana eletiva (realizada antes group, a cobertura do seguro foi,
se tal presença é benéfica ou fonte de stresse.
do início do trabalho de parto), aliás, um fator chave na a escolha.
teste saúde 107 fevereiro/março 2014

os preços disparam. Em Lisboa, ■ Neste caso há que confirmar a

´
Ao longo do trabalho de parto, a equipa
no Hospital da Cruz Vermelha, o cobertura, a sua representação na
médica realizará diversas vezes o exame vaginal
preço mais barato atinge os 2900 área de residência e o período de
(toque). Contudo, a realização do mesmo por vá-
euros e o mais caro, no Hospital carência que, no caso da cobertura
rias pessoas e demasiadas vezes pode ser ques-
da Luz, pode chegar aos 6000. do parto, pode chegar aos 18 me-
tionada pela grávida.
No Porto, o Hospital da Venerável ses. Há também que ter em conta
Irmandade de N.ª Sr.ª da Lapa co- as modalidades de pagamento.

´
A grávida tem direito a contar com métodos
bra 2000, custo que na CUF sobe Alguns seguros são pagos contra
de alívio da dor, farmacológicos e não farmaco-
para os 4000 euros. reembolso e o segurado tem de
lógicos, durante o trabalho de parto.
■ O Algarve também tem custos avançar inicialmente com o paga-
elevados. No Hospital Particular mento das despesas.

21