You are on page 1of 23

LEIS DE INTERFERÊNCIA LITERÁRIA

1. Procurando por leis de interferência Commented [LR1]: Em “Leis da Interferência Literária”,


na primeira parte de seu artigo: “Procurando por leis de
interferência”, Even-Zohar levanta a questão da
Estamos em posição de formular algumas leis gerais, ou pelo menos regularidades possibilidade de se formular leis, ou regularidades
demonstráveis, de interferência literária? A “Literatura comparada", como todos demonstráveis, de interferência literária.
O questionamento surge devido a divergências teóricas e
sabemos, tem sido relutante em fazê-lo, contentando-se com a vaga noção de "influência" metodológicas nos estudos comparativos.
Nesse ponto o autor faz referência direta a “Literatura
e limitando-se a comparações acríticas de casos isolados. Milhares de trabalhos que lidam comparada”.
Commented [LR2]: “estabelecer conceitos operatórios
com um grande número de casos particulares foram produzidos, mas, infelizmente, estes capazes de explicar os processos e suas implicações
dificilmente se acumulam para gerar conhecimento generalizado que poderia transcender no desenvolvimento de uma literatura.

os detalhes com os quais eles estão preocupados.

Esta relutância em lidar com certas questões básicas é incompreensível quando


em comparação com qualquer outro campo de conhecimento. Tais questões básicas são,
por exemplo: o que é a interferência, por que ela surge, quais são suas principais
características, como funciona, quando e sob quais condições ela pode emergir, funcionar
por mais tempo e declinar? É inconcebível que essas questões sejam deliberadamente
ignoradas apenas porque as pessoas são céticas quanto à acessibilidade de respostas
adequadas. Ninguém argumentaria - em qualquer ciência, mesmo a mais "exata" - que
"leis" ou "regularidades" são noções simples, ou que formulá-las é uma questão fácil.
Além disso, ninguém argumentaria, pelo menos não dentro da tradição do Funcionalismo
Dinâmico, que a variedade de casos e os contextos históricos flutuantes são facilmente
reduzíveis a princípios de governo simples. E o estado lamentável do nosso
conhecimento, apesar de todo o trabalho feito em casos particulares, é também principal
impedimento no caminho para generalizações. No entanto, não devemos decidir
abandonar esse tipo de empreendimento. É por causa desse mau estado de coisas que
parece valioso formular um conjunto de hipóteses, o que pode forçar as especulações
metodológicas e a pesquisa a uma posição em que essa questão não pode mais ser
negligenciada.

A interferência não pode ser divorciada da história literária, pois faz parte da Commented [LR3]: Interferência – história literária –
sistemas culturais distintos – contexto histórico.
existência histórica de qualquer sistema cultural. Isso não significa que o papel da
interferência seja sempre importante para a literatura em qualquer momento de sua
existência. Pelo contrário, significa que a interferência não pode ser analisada como uma
questão per se (em si mesmo), desconectada do contexto histórico1. Uma teoria da
literatura que tente lidar com a interferência sem noções de história literária
provavelmente não será capaz de explicar questões como as formuladas acima. É no
quadro das teorias que se esforçam para dar conta do processo histórico que as noções
mais avançadas de interferência literária têm sido sugeridas e o trabalho de pesquisa mais
valioso foi realizado. Poucos estudos em "Literatura Comparada" são comparáveis aos de
Zhirmunskij sobre o surgimento do Byronismo na literatura russa. (Zhirmunskij 1924).
Menos ainda entenderam a necessidade de desenvolver estudos de tradução para poder
lidar de forma mais adequada com os processos e procedimentos reais de interferência.
Tynjanov foi um pioneiro notável nesse campo também, não apenas porque transformou
a tradução em um objeto totalmente legítimo para a ciência da literatura, mas porque,
desde o início, integrou esse campo à questão geral da história literária2.

A interferência pode ser definida como uma (relação) entre literaturas, em que
uma certa literatura A (uma literatura fonte [origem]) pode se tornar uma fonte de
empréstimos diretos ou indiretos para outra literatura B (uma literatura alvo [destino]).

Mais uma vez deve ser enfatizado que, com a "literatura", é a totalidade das
atividades envolvidas com o sistema literário que se entende. Assim, ao contrário das
visões tradicionais, o que pode se mover, ser emprestado, tomado de uma "literatura"
para outra não é apenas um item de repertório, mas também uma série de outras
características / itens. Frequentemente, nem mesmo o repertório é o componente mais
decisivo que participa de uma relação de interferência específica. O papel e função da
literatura, a regra do jogo da instituição literária, a natureza da crítica literária e do
erudito, as relações entre atividades religiosas, políticas e outras dentro da cultura e
produção literária - tudo pode ser modelado em uma dada cultura em relação a alguns
outros sistemas.

Seria, portanto, inadequado reduzir a interferência apenas ao nível


aparentemente mais visível do texto ou mesmo do(s) modelo(s) por trás dele. Digo

1
Enquanto em alguns períodos de sua existência tudo o que ocorre na literatura é esmagadoramente
condicionado pela interferência, em alguns outros períodos o seu papel é evidentemente menor. Estudar
qualquer literatura a qualquer momento com a mesma atenção dada à interferência é obviamente
injustificado, mesmo ridículo.
2
O mérito da contribuição de Tynjanov para este campo deve ser avaliado não apenas em termos de seus
próprios estudos, mas pelo menos tanto em termos do trabalho que ele dirigiu e supervisionou (no
Instituto para a História da Arte em Leningrado).
"aparentemente" porque, em muitos casos específicos de interferência na história das
literaturas, quando se procura outro lugar, outros fenômenos pertinentes tornam-se não
menos "visíveis".

A interferência pode ser unilateral ou bilateral, o que significa que pode funcionar Commented [LR4]: 1.2. A interferência é na maior parte
das vezes unilateral.
para uma literatura ou para ambas. Pode funcionar para uma ou outra parte ou setor do
sistema, principalmente para o repertório (que é o processo mais "visível" ou
"transparente") ou para outros componentes do sistema. Com cada setor, ele pode
funcionar em um grande número ou em um número restrito de níveis, por um tempo
limitado ou mais longo. Naturalmente, não pode ocorrer sem algum tipo de contato(s)
entre as respectivas literaturas, mas esses contatos podem ser de diversos tipos, incluindo
contatos que não causam nenhuma interferência real. É geralmente aceito que a natureza
dos fenômenos mencionados acima, bem como de outros fenômenos, depende do estado
de cada um dos sistemas envolvidos. Seria talvez de alguma ajuda distinguir entre dois
estados principais de sistemas literários e, subsequentemente, entre os diferentes tipos de
contatos - e eventualmente interferências - que ocorrem entre eles. O primeiro estado é o
de um sistema relativamente estabelecido, que é consequentemente relativamente
independente, enquanto o segundo é o de um sistema não estabelecido, que
consequentemente se torna dependente de algum outro sistema fora de si.

Em primeiro lugar, uma literatura se desenvolve dentro de suas próprias esferas.


Às vezes, um sistema externo ou individual pode ser de alguma importância para ela, mas
nunca quando se trata de sua capacidade de existir por um longo período de tempo. Esse
tem sido o caso, por exemplo, das literaturas francesa e inglesa há quase duzentos anos. Commented [LR5]:
Sistemas dependentes e independentes.
Nenhuma delas existiu isoladamente do resto do mundo, cada uma delas tendo
De exemplo para sistemas independentes o autor cita as
desenvolvido seu repertório usando uma variedade de fontes externas – entre elas ou com literaturas francesa e inglesa:
 São literaturas que se desenvolvem dentro de suas
a literatura escandinava, russa, alemã e talvez italiana (para citar apenas as mais próprias esferas;
Nenhuma delas existiu isoladamente do resto do mundo;
conspícuas – facilmente percebidas – literaturas). Contudo, para nenhuma delas podemos Às vezes, um sistema externo ou individual pode ser de
afirmar que a interferência tem sido uma condição indispensável para sua própria alguma importância para elas;
Contudo, para nenhuma delas podemos afirmar que a
existência. Qualquer interferência que tenha ocorrido com alguma outra literatura foi interferência tem sido uma condição indispensável para
sua própria existência.
condicionada pelo seu estado como sistemas "independentes".

No segundo caso, o de sistemas "dependentes", a situação é diferente. Um sistema


externo pode ser uma condição importante para a própria existência e desenvolvimento
de tal sistema literário. Isso normalmente ocorre quando a literatura é jovem, está em
processo de emergência (surgimento?), ou quando as condições dentro dela criaram uma
certa situação que não pode ser tratada pela literatura relevante exclusivamente - ou
principalmente - por meio de suas próprias fontes. Nenhuma literatura conhecida nos
parece ter conseguido evitar tais situações em um ou outro ponto de sua história. Todas
as literaturas começaram como "jovens" e, portanto, tiveram que lidar com condições já
geralmente alheias a seus contemporâneos mais estabelecidos. Contudo, para algumas
literaturas, a situação de dependência pode ser mais longa ou mais frequente, por razões
que vão muito além do estado do sistema literário como tal.

Um caso atual de dependência é o das literaturas minoritárias. Estas são


produzidas por grupos minoritários, ou por grupos geograficamente ligados ou
politicamente subjugados por algum grupo (politicamente, economicamente) mais
poderoso. Exemplos incluem o flamengo contra o francês, o ucraniano contra o russo, ou Commented [LR6]: Desenvolvido no tópico 2. Condições
para a emergência e ocorrência de interferência.
o norueguês contra o dinamarquês no século XIX, o hebraico contra o árabe na Espanha
medieval, o tcheco e o alemão até a Segunda Guerra Mundial. Em alguns casos,
especialmente quando o grupo minoritário é capaz de participar (em vários graus) na
literatura da maioria3, a interferência intraliterária pode ser substituída por interferência
interliterária. Como resultado, o que costumava ser apenas um sistema dentro de um Commented [LR7]: Conceitos não aprofundados no
4 artigo.
polissistema maior torna-se um polissistema por si só . Nesses casos, é apenas
retrospectivamente justificado supor relações interssistêmicas. Se esses sistemas de peças
não se tornassem sistemas em si mesmos num estágio posterior, não pareceria justificável
considerá-los separados em primeiro lugar.

Além de norueguês e dinamarquês, uma série de outras literaturas pode servir


como exemplos: flamengo vs. holandês, austríaco vs. alemão, americano x britânico.
Outros casos seriam quase todas as literaturas europeias da Idade Média, onde o latim
constituía uma importante linguagem de produção literária. O inglês medieval também
pode exemplificar um polissistema trilíngue, com inglês, latim e francês como veículos

3
Isso é possível, por exemplo, quando os escritores se desenvolvem bilíngue, contribuindo, ao mesmo
tempo, para dois sistemas. Cânones linguísticos instáveis, ou "pluralistas", também podem tornar
possível, por algum tempo, que uma minoria faça parte de uma maioria, antes que uma padronização
mais forte prevaleça em uma delas ou em outra comunidade. (Naturalmente, a padronização, por sua
vez, é frequentemente motivada também por aspirações de distanciamento da própria língua da "língua
alheia"; norueguês-dinamarquês ou hindi-urdu são casos claros de distanciamento, enquanto o italiano
seria um caso válido para estudar aspirações para a unificação.)
4
Sem dúvida, a interferência intra-literária tem muito em comum com interferência inter-literária, mas
há diferenças notáveis para justificar uma discussão separada. Do ponto de vista funcionalista, a diferença
entre relações inter-sistêmicas e intra-sistêmicas reside principalmente no que poderíamos chamar de
distância e grau.
de atividade literária. Hebraico e iídiche, os relacionamentos entre os quais são discutidos
com alguma extensão nesta coleção, são outro exemplo notável.

A relação "dependência" - "independência" é naturalmente diferente em cada


caso. Por exemplo, enquanto a América se estabeleceu como um polissistema claramente
separado, ainda conectado, mas não mais parte do sistema britânico, o flamengo
recentemente parece se integrar mais e mais com o holandês, revitalizando uma
literatura holandesa comum. O austríaco, por outro lado, nunca se tornou uma entidade
separada do alemão, embora sempre mantendo uma estratificação diferente (com muitos
produtos não compartilhados por ambos os sistemas), em parte usando seu repertório
diferente e até mesmo mobilizando até certo ponto sua variante linguística particular.
Infelizmente, a historiografia literária tendenciosa nacionalista impediu uma análise
adequada da relação em relação ao latim para quase todas as literaturas envolvidas.

Canais de Interferência

Os canais de interferência são vários, dependendo principalmente se a


interferência é direta ou indireta. No caso de interferência direta, uma literatura fonte está
disponível para, e acessada por agentes da literatura alvo, sem intermediários. Eles
conhecem a linguagem da literatura de origem e podem ter melhor acesso a seus recursos
do que no caso do segundo tipo. Neste segundo tipo (indireta), a interferência é
intermediada por algum canal, como a tradução. Embora em ambos os casos a tradução Commented [LR8]: Em ambos os casos não se trata de
tradução?
possa ser um canal importante para a transferência real, é óbvio que, neste último caso, o Ou seria a literatura de origem uma “influência” no trabalho
desses “tradutores”?
seu papel é mais crucial. Por "tradução" quero dizer um conjunto de textos traduzidos,
em vez da atividade geral de tradução, já que é claro que tal atividade ocorre mesmo
quando nenhum produto real é produzido, isto é, no caso de interferência direta. Os
procedimentos seguidos pelos agentes de transferência em casos de contatos diretos são
menos visíveis do que no caso de produtos traduzidos observáveis, que muitas vezes
podem ser comparados com os textos originais. Mas também é possível fornecer
exemplos de casos em que alguma literatura fonte é acessada por meio de algum outro
terceiro - como um terceiro idioma e literatura - que filtra os modelos para o alvo. Se esta
for uma língua conhecida por um grande número de produtores literários, nesse sentido
para a "instituição", pode haver poucos produtos de tradução reais necessários aqui
também.
Isso nos leva a outra questão crucial sobre a natureza dos contatos que se obtêm
em situações de interferência - a questão do grau de exposição do alvo à fonte. Pois
normalmente, quando falamos de cultura geral ou interferência linguística, supomos
alguma exposição maciça do (membros do) alvo à fonte. Assim, a interferência de uma
língua com outra normalmente não é discutida em termos de falantes individuais. Isso
não se justifica, embora haja obviamente uma grande diferença entre os casos em que os
membros alvo estão amplamente familiarizados com a fonte e os casos em que essa fonte
é acessada por meio de alguns grupos relativamente restritos.

Observando o impacto do francês sobre a maioria das outras línguas europeias


entre os séculos XVII e XX, é claro que apenas uma pequena proporção dos membros
dos vários sistemas alvo envolvidos estava diretamente exposta ao francês. Por exemplo,
embora o francês possa ter se tornado uma linguagem regular, ou seja, amplamente
usada, da aristocracia russa, ele conseguiu interferir bastante notavelmente com o sueco
sem precisar atingir o mesmo grau de distribuição. O fato de o russo ter sido mais afetado
pelo francês do que pelo sueco não é resultado de uma exposição mais massiva ao
francês, mas do diferente estado de padronização que essas línguas alcançaram no
momento da interferência. O sueco estava muito mais próximo de tal padronização do
que o russo. Mas em ambos os casos, foi principalmente através do trabalho de um
pequeno grupo de agentes culturais que os sistemas alvo acessaram e usaram uma fonte
externa.

Isso se aplica também aos nossos tempos, em que os círculos da mídia de massa
geralmente funcionam como o principal canal, enquanto o restante da comunidade afetada
não tem contato direto com a fonte. Em um grande número de casos de transferência, a Commented [LR9]: Discussão pode se estender aos novos
meios de comunicação (internet) e sobre predominância e o
aceitação ou rejeição de um determinado item de uma fonte externa não está acesso que as pessoas têm hoje a determinado tipo de arte.

necessariamente vinculada à sua origem, mas sim à posição que ele conseguiu adquirir
dentro do alvo. Para a maioria dos membros de uma comunidade, uma vez introduzidos Commented [LR10]: Aqui daria para aplicar o livro com o
qual trabalho? Capitães de areia, de Jorge Amado.
em seu repertório, a fortuna de um item em termos de sucesso ou fracasso torna-se uma
Aceitação devido ao viés político ideológico do escritor.
questão doméstica.
Commented [LR11]: Filmes hollywoodianos.

No caso de grupos minoritários que vivem fisicamente em grupos majoritários, Commented [LR12]: Pesquisar artigos e notícias.

sendo expostos diariamente à cultura da maioria, a interferência pode ser muito mais
poderosa do que naqueles casos em que o alvo pode, até certo ponto, evitar a fonte. Em
outras palavras, a exposição massiva pode suportar significativamente o impacto da
interferência. Mas essa exposição, por si só, não é uma condição suficiente nem
necessária para que ocorra interferência.

II. Leis da Interferência

Quando fui convidado por Frank Coppieters, em 1976, a me comprometer a


formular algumas das hipóteses aceitas de fato nos vários campos de interferência, decidi
esboçar uma série de hipóteses que dei deliberadamente ao rótulo presunçoso de
"universais" (Even-Zohar 1978b, 1978c). Minha intenção era estimular a discussão, mas
mais do que isso eu esperava que uma pesquisa verdadeiramente planejada, talvez até
coordenada, pudesse emergir de algumas de minhas proposições. Isso não aconteceu
realmente, embora algum avanço modesto possa ter ocorrido. Portanto, decidi reproduzir
aqui o que ainda acredito que pode ser argumentado como sendo leis que regem (com
vários graus de validade) a interferência. Apesar do grau insatisfatório de progresso neste
campo, trabalho suficiente foi realizado para permitir pelo menos alguma reformulação
dessas "leis", principalmente pela eliminação de alegações que não podem ser
substanciadas.

Como nas versões anteriores deste esboço, o que desejo demonstrar não é uma
lista final de leis de interferência, mas a possibilidade de formular e investigar tais leis.
Três grupos de aspectos podem ser tentativamente distinguidos:

1. Princípios gerais de interferência.


1.1. Literaturas nunca estão em não-interferência.
1.2. A interferência é na maior parte das vezes unilateral.
1.3. A interferência literária não está necessariamente ligada à
interferência em outros níveis:

2. Condições para a emergência e ocorrência de interferência.


2.1. Os contatos cedo ou tarde geram interferência se não surgirem
condições de resistência.
2.2. Uma literatura fonte é selecionada por prestígio.
2.3. Uma literatura fonte é selecionada por dominância.
2.4. A interferência ocorre quando um sistema está necessitando de itens
que estão indisponíveis nele mesmo.
3. Processos e procedimentos de interferência.
3.1. Contatos podem acontecer com apenas uma parte da literatura alvo,
eles podem então originar contatos para outras partes.
3.2. Um repertório apropriado não necessariamente mantém as mesmas
funções da literatura fonte.
3.3. A apropriação tende a ser implícita, regularizada, esquematizada.

1. Princípios Gerais da Interferência

N°. 1. As literaturas nunca são de não-interferência.

A onipresença da interferência nem sempre é óbvia. Uma vez que os canais de


transferência reais podem estar na periferia e, portanto, não "visíveis" (do ponto de vista
da cultura oficial), e como é frequentemente o caso, somos confrontados com os
resultados posteriores da interferência, e não com os estágios iniciais, parece "natural"
não supor a interferência como uma primeira opção para determinados casos. No entanto,
a pesquisa demonstrou que provavelmente todos os sistemas conhecidos por nós surgiram
e se desenvolveram com a interferência desempenhando um papel proeminente. Não
existe uma única literatura que não tenha surgido por interferência de uma literatura mais
estabelecida; e nenhuma literatura conseguiu administrar sem a interferência em um Commented [LR13]: “A literatura não é um fenômeno
isolado no contexto da cultura, assim como sistemas
momento ou outro durante sua história. Foi comprovado que a interferência é a regra mais literários não existem sem sofrer algum tipo de
interferência (ainda que possuam um grau de
do que a exceção, seja uma ocorrência maior ou menor para uma dada literatura. É autonomia maior em relação a sistemas mais jovens)
ou exercê-la em algum ponto de sua história.
somente quando os processos invisíveis de interferência são descobertos que sua presença
avassaladora pode ser plenamente reconhecida e estimada. Uma implicação dessa
hipótese é que, quando um pesquisador é confrontado com uma situação pouco clara, é
quando se deve escolher, para um determinado caso, entre a hipótese de desenvolvimento
separado versus a hipótese de interferência, a menos que seja refutável com fundamentos
muito claros, apesar de nossas inclinações aceitas, a prioridade deveria ser dada à hipótese
de interferência. O significado disso é que um pesquisador é encorajado a procurar por
interferência como uma opção altamente provável, e rejeitá-lo somente se uma solução
de não interferência puder se mostrar mais forte.

É verdade que nos faltam indícios de interferência em algumas culturas que


atualmente parecem remotas e isoladas, por exemplo, esquimó, inca ou chukchee. Mas, à
luz da esmagadora evidência de interferência para a maioria das culturas do mundo, a
falta de evidência nesses casos particulares pode sugerir que a evidência ainda não está
acessível e não que não houve interferência. O que parecia apenas um século atrás ser Commented [LR14]: Trabalho arqueológico.

civilizações díspares agora demonstrou ter sido inter-relacionadas e conectadas. Casos


como a não-invenção da roda pelos Incas certamente apoiam a hipótese de falta de
contatos, mas, por outro lado, também demonstra o papel central que a interferência deve
ter desempenhado na difusão de tais invenções. (E há realmente muitos casos de
reinvenções da roda na história do nosso globo?)

O fato de não sabermos, no momento, como surgiu a literatura suméria - a mais Commented [LR15]: Mesopotâmia.

antiga do mundo - não é prova de não-interferência. Alguns estudiosos já apresentaram


evidências que sugerem que alguma civilização mais antiga estava no plano de fundo dos
sumérios. Mas mesmo supondo que aceitemos o sumério como o progenitor da literatura
mundial (o que significa que estamos dispostos a interpretá-lo como uma literatura
interferida – que não sofreu interferência?), para quase todas as outras literaturas há evidências
contínuas de interferência5. Além disso, para a maioria dessas literaturas, pode-se
demonstrar descendência ou linhagem com sumério. Não há dúvida de que o acadiano
(assírio-babilônico) é o primeiro e mais notável herdeiro dos sumérios. De fato, os
processos que podem ser reconstruídos para o caso sumério-acadiano são
surpreendentemente semelhantes a muitos outros casos que ocorreram em várias
literaturas no curso da história posterior.

As características proeminentes neste caso são (1) uma adoção do sistema de


escrita sumério, (2) uma adoção parcial da língua suméria pelos acádios, a ser mantida
por um longo tempo lado a lado com o acadiano como uma língua altamente reverenciada,
(3) traduções interlineares (para acadiano) nos principais textos sumérios emprestados
pelos acádios, (4) traduções regulares, (5) adaptações e elaborações de textos sumérios e

5
Isso vale para quase todas as literaturas do hemisfério ocidental. Quanto ao Hemisfério Oriental,
reconhecidamente, o chinês ainda é um enigma quanto ao seu surgimento e desenvolvimento inicial.
Sugestões sobre a possível ligação entre o sumério e o chinês não foram seriamente substanciadas,
embora não seja improvável que isso possa se tornar uma direção frutífera. De qualquer forma, se
estamos dispostos a aceitar para os chineses o que estivemos dispostos a aceitar para os sumérios, a
interferência em um grande número de literaturas asiáticas também tem sido a regra aqui. O papel
desempenhado pelos chineses é muito parecido com o dos sumérios versus acadianos (de fato, no caso
chinês-japonês, seria um caso surpreendentemente paralelo), ou do latim versus todas as outras
literaturas europeias na Idade Média. Mas mesmo no que diz respeito às relações com o Hemisfério
Ocidental, é óbvio que a China não era tão isolada assim, e troca em vários níveis, incluindo em certa
medida a literatura, estava definitivamente presente em certos períodos. (Veja Needham 1981; também
para bibliografia.)
(6) novos textos baseados no novo repertório que surgiu e se desenvolveu no acadiano
através da interferência com o sumério.

Estou convencido de que tudo isso pareceria incrivelmente familiar para pessoas
que nunca estudaram a cultura mesopotâmica. Muitas dessas características podem ser
encontradas de um para um nas relações entre, por exemplo, o grego e o latim, assim
como entre estes e todas as literaturas medievais europeias.

O resto das literaturas do Crescente Fértil definitivamente deve seu repertório,


assim como outros componentes do sistema literário6, para acadiano. Para cada uma das
literaturas escritas em ugarítico (? - 1200) e hitita (1650-1200 A.C.), não apenas as
afinidades no repertório podem ser mostradas, mas muitas evidências diretas e indiretas
sobre as possíveis condições que devem ter gerado essa interferência. A literatura
hebraica antiga, disponível para nós através dos livros do Antigo Testamento (que,
embora certamente apenas uma parte do que foi produzido nesta literatura, ainda é muito
mais do que o que nos resta do fenício), é vinculável não apenas ao acadiano (e para
sumério via acádio), mas evidentemente também para ugarítico (como foi demonstrado
por Ginsberg [1936, 1946], Cassuto [1958, 1972], Gordon [1977], Caquot et al. [1974];
também Avishur 1979).

De ugaríticos, fenícios e hititas, o percurso segue para a Grécia. Não há disputa


sobre a origem fenícia do alfabeto grego, e há um grande consenso sobre a origem do
Oriente Médio de algumas características importantes da mitologia grega. Que nenhuma
evidência clara sobre o caso homérico possa ser fornecida não é de se admirar. Os textos
homéricos são obviamente produzidos por um repertório doméstico já avançado. Embora
possa nos lembrar de seus precedentes externos (possivelmente através da intermediação
de representações hititas dos textos clássicos da Mesopotâmia, pelo menos no que diz
respeito aos contatos com os antigos lonianos e aqueus )7, ele obviamente também tem

6
O termo "sistema literário" pode parecer anacrônico quando se pensa nas condições reais da produção
textual nas culturas do Crescente Fértil e as compara superficialmente com nossas próprias circunstâncias.
Mas se aceitarmos o termo "literário" como referindo-se a qualquer tipo de repertório semiótico
textualmente manifestado (ou manifesto) plenamente e visivelmente institucionalizado na sociedade, os
paralelos das relações sistêmicas com períodos posteriores tornam-se imediatamente notáveis.
7
Não seria adequado atribuir o surgimento e a perpetuação de revisões entre as culturas oriental e grega
aos hititas, embora o papel dos últimos em intermediar a tradição mesopotâmica clássica tenha se
tornado, até certo ponto, mais substanciado. O império hitita entrou em colapso, por volta de 1200 A.C.,
e surgiu uma era de relações entre os gregos na parte continental e os fenícios, que resultou
principalmente na transferência do alfabeto fenício (incluindo os nomes das letras) para o grego, bem
como partes da mitologia do pioneiro ("cananeu").
suas próprias particularidades que não podem ser rastreadas até qualquer fonte externa.
Como argumentei acima, na maioria dos casos é inútil estabelecer uma ligação direta
entre textos específicos. Mas quando provas circunstanciais, textuais e evidências diretas
são acumuladas, o que suporta a interferência neste caso de forma mais plausível que a
não-interferência, a pesquisa deve se concentrar melhor em enriquecer este tipo de
evidência ao invés de tentar comparar o que parece não ser proveitosamente comparável
como produtos finais de repertórios desenvolvidos.

Quanto à literatura egípcia, que há muito se acreditava ser a mais antiga devido às
espetaculares descobertas arqueológicas durante o século XIX, bem como devido à
decifração afortunada da escrita hieroglífica (precedendo por várias décadas a
decodificação de acadiano), as relações com o acadiano começam a desempenhar um
papel em um estágio muito posterior na história egípcia. Nessa fase posterior, no entanto,
há evidências suficientes para apoiar uma hipótese de transferência unilateral. Na
verdade, o conhecimento das cartas da Mesopotâmia era corrente entre os círculos
profissionais de escribas no Egito. Os egípcios tiveram que aceitar o acadiano como a
língua internacional da diplomacia, e até tendiam a preservar uma marca mais arcaica do
repertório acadiano (Kramer, 1963).

N°. 2. A interferência é na maior parte das vezes unilateral.

Não há simetria na interferência literária. Uma literatura alvo é, frequentemente,


interferida (sofre interferência de) por uma literatura fonte que a ignora completamente. Há Commented [LR16]: “Muitas vezes um determinado
sistema, escolhido como fonte, ignora completamente
também casos em que pode haver alguma interferência menor em uma direção e uma a existência do sistema alvo”.

grande diferença em outra. Por exemplo, a literatura russa teve algum impacto sobre a

Há muitas evidências adicionais que apoiam claramente a hipótese de transferências em grande escala
através do Mediterrâneo de culturas "semíticas". Aqui estão alguns detalhes: (1) A vasta colonização
fenícia do Mediterrâneo (Chipre, Sicília, Norte da África, Espanha e Provença [com Marselha como o
centro ]); (2) a perseverança de uma variedade arcaica do alfabeto, mais próxima da original fenícia, entre
os etruscos (que perseveraram por escrito da direita para a esquerda e usaram algumas letras que haviam
sido eliminadas pelos gregos do alfabeto fenício originalmente adotado) ; (3) a evidência do conhecimento
do fenício, mesmo em lugares onde não existiam colônias fenícias , como Anatolia (como refletido no
Inscrição de Karatepe); veja Tur-Sinai 1954: 66 - 80; Bron 1979), partes da Sicília, Itália, e provavelmente
outros lugares (para as partes ocidentais da Mediterrâneo - provas como a lâmina de ouro etrusca-fenícia
encontrada na Itália [. Mantida a Villa Giulia, Roma Ver Pallottino 1981]).
literatura francesa em relação ao final do século XIX, mas esse impacto não pode de
forma alguma ser comparado ao papel desempenhado pelo francês no russo. Commented [LR17]: “A literatura brasileira que passou
por um forte processo de interferência das literaturas
europeias, em especial da literatura francesa,
especialmente no século XIX, enquanto a literatura
francesa não sofreu nenhuma
interferência de importância visível da literatura
N°. 3. A interferência literária não está necessariamente ligada à brasileira. O Brasil construiu seu repertório transferindo
modelos tanto do centro desses sistemas, como o
interferência em outros níveis. romance e a poesia, quanto das periferias, como o
folhetim.
No caso de duas comunidades geograficamente contíguas ou mistas, ou ligadas de Commented [LR18]: N°. 1. As literaturas nunca são de
não-interferência: “a interferência é a regra mais do que a
outra forma8, a interferência pode ocorrer em vários níveis, mas não necessariamente no exceção”.
nível da literatura. No entanto, parece difícil fornecer evidências para casos em que a
interferência ocorre apenas na literatura, enquanto todos os outros setores da cultura
permanecem intactos. Por outro lado, com comunidades geograficamente separadas umas Commented [LR19]: “Comunidades contíguas, ou
comunidades fronteiriças, tendem a sofrer
das outras, a interferência literária é totalmente concebível sem qualquer outro tipo de interferências mútuas em diversos níveis, não
necessariamente no nível da literatura. Há, nesses
interferência. O papel desempenhado pela literatura russa no século XIX para o casos, uma mistura cultural que incentiva o processo
de interferência, o que torna muito difícil sustentar a
impressionismo dinamarquês não envolvia penetração, ou mesmo infiltração, de outros hipótese de uma interferência isolada no campo
literário”.
itens russos, em qualquer nível, na cultura dinamarquesa. Da mesma forma, o papel
Commented [LR20]: Novamente o exemplo da relação da
desempenhado pelas literaturas escandinavas na literatura russa dificilmente se expandiu literatura francesa servindo de literatura fonte para a
literatura brasileira.
para outros campos. Assim, a interferência literária pode fazer parte de alguns processos
de interferência mais amplos. Quando este é o caso, uma comunidade alvo pode adotar
padrões políticos e econômicos, bem como hábitos sociais e itens culturais. Se tal situação
foi alcançada por canais pacíficos ou pela violência, por exemplo, o colonialismo, não
importa do ponto de vista das consequências.

O significado dessas hipóteses é que é precisamente por causa da estrutura


sistêmica da cultura que uma cultura alvo pode ter contato e se transferir de apenas
algumas seções de uma cultura fonte. Uma cultura alvo nunca é exposta à totalidade de
alguma fonte, mesmo quando geograficamente próxima a ela ou misturada com ela.
Estudos sobre imigração, aculturação e assimilação fornecem evidências que apoiam isso.

2. Condições para Emergência e Ocorrência de Interferência


N°. 4. Os contatos cedo ou tarde geram interferência se não surgirem
condições de resistência ou Os contatos não geram interferência, a menos que
surjam condições favoráveis.

8
"Links geográficos" podem ser rotas comerciais, bem como alguma consciência estabelecida sobre "a
existência do outro".
Contatos entre comunidades não necessariamente geram interferências desde o Commented [LR21]: Relação de contatos entre
comunidades: não necessariamente gerará interferências.
início ou em todos os níveis. As comunidades podem trocar informações, apoio político
ou turismo sem serem posteriormente afetadas umas pelas outras. Espalhar a informação
recebida da fonte, familiarizar-se com a estrutura política da fonte para poder lidar com
ela (como é provavelmente o caso de nações menores e maiores) e trazer lembranças
(souvenirs) de uma viagem não necessariamente geram interferências. Além disso, as Commented [LR22]: Nota de rodapé.

comunidades podem viver lado a lado, mesmo misturadas entre si, aparentemente sem
interferência9.

Não é fácil, entretanto, determinar em que ponto concordamos que a interferência


ocorreu ou não, ou pelo menos começou a ocorrer. Contatos duradouros, embora não Commented [LR23]: Ponto interessante.
Essa interferência, a princípio, não afetaria a cultura
produzam interferências visíveis, podem, no entanto, gerar condições de disponibilidade, diretamente.
Mas de certa forma atinge a economia, interferindo
o que facilitará a interferência. Certas atitudes amplamente aceitas em relação a prováveis indiretamente a cultura, ou visão de mundo de uma
comunidade.
contatos e subsequentemente interferência, podem afetar os comportamentos reais
Commented [LR24]: Que tipos de contatos?
quando a interferência se torna iminente. Às vezes, sociedades altamente nacionalistas
Cultural, político, econômico...
rejeitam qualquer interferência, porque é sentida como uma ameaça à integridade
nacional. Em outros momentos, o desejo de mudança pode promover uma atitude
favorável em relação a ocorrências em outra sociedade, com a ajuda de que, se transferida,
pode-se esperar fugir de uma situação indesejada.

No último terço do século XIX, quando Paris se tornara um centro de cultura


internacional, vários escritores franceses perpetuaram e reforçaram atitudes
xenofóbicas. Por exemplo, Zola, Daudet e os Goncourts (para citar apenas alguns) se
opuseram violentamente à introdução de Ibsen, Strindberg ou Tolstoi na França e
tentaram demonstrar a incompatibilidade de tais escritores com "o espírito francês". Eles
entenderam que "aceitar" um escritor muitas vezes significa algum grau de adoção do
repertório no qual seus textos são baseados. Por isso, criticavam severamente até mesmo
as apropriações mais ingênuas. Zola, a quem normalmente nos lembramos como o
defensor humanista da justiça, combinou seu credo naturalista com sua atitude

9
A própria integração de itens de qualquer natureza em um sistema de destino claramente os torna uma
ocorrência de interferência. Se os americanos compram camisas feitas em Hong Kong, isso não faz com
que a cultura de Hong Kong interfira na cultura americana. Mas suponhamos que as camisas de Hong
Kong sejam diferentes das americanas e, a princípio, não aceitas imediatamente, mas gradualmente
adotadas pelos americanos. Embora isso não envolva mudanças no repertório das fábricas de camisas
americanas, o repertório americano teria realmente mudado com essa adoção. É claro que, quando os
próprios americanos passassem a produzir camisas do jeito de Hong Kong, não há dúvida de que uma
interferência notável teria de fato ocorrido.
desfavorável para com os estrangeiros ao criticar os escritores franceses que
localizaram sua pesquisa em algum sítio/local não francês10.

Por outro lado, outras comunidades não se ressentem tão violentamente do


exterior, e pode-se observar algum tipo de abertura cultural em relação a outras
literaturas (e culturas em geral). Em outras sociedades, “qualquer coisa que vem do
exterior deve ser boa”, então dizer que “isso já é corrente no exterior, por que estamos
atrasados” é bem aceito. (O simbolismo russo usou parcialmente esta linha de
argumentação; mas para algumas seções da elite russa, tal atitude poderia ser
normalmente aceita.)

Com contatos cada vez mais íntimos entre comunidades, como aquelas entre a
população polonesa e ucraniana no Império Austro-Húngaro Oriental, questiona-se se as
ideologias nacionais separatistas não nos cegaram para a interferência que de fato ocorreu.
No entanto, a questão difícil aqui permanece, se nos é permitido concluir que os contatos
são mais cedo ou mais tarde (e se desejado ou não) susceptível de gerar algum tipo de
interferência. Se alguém argumentar que tal interferência poderia ter ocorrido por causa
de algum tipo de vácuo, indiferença ou falta de resistência no alvo, isso equivaleria à
mesma hipótese.

Consequentemente, embora uma comunidade possa resistir à interferência,


mesmo em casos de contatos inevitáveis, ela não pode resistir a ela em todos os níveis de
seu sistema. Portanto, a questão evidentemente é quando a interferência se torna um fator
importante em um sistema, não se a interferência opera em um sistema ou não, ou seja,
no caso de contatos. À luz de nossa compreensão da estratificação, seria bastante plausível
supor, por exemplo, uma interferência durável na periferia do sistema. Isso pode ser
incubado por um longo tempo, mesmo por várias gerações, antes de surgir, por assim
dizer, na esfera da cultura oficial. Mas ela surge ou deixa de estar sujeita às condições

10
Em uma resenha de uma peça de Ernst Blum, Zola diz: " Além disso, que ideia estranha ter escolhido a
Suécia, que conta tão pouco nas simpatias populares do nosso país. Esta escolha infeliz é suficiente para
empurrar de volta a ação no nevoeiro. É dito que o Sr. Ernst Blum levou sua tragédia de nacionalidades
em nacionalidades, antes de plantar em Estocolmo. Ele tinha suas razões, sem dúvida; mas eu prevejo
que ele não se arrependerá menos por ter pressionado o desdém de nossas preocupações diárias a nos
conduzir em um país cuja grande maioria dos espectadores não pode indicar a posição exata no mapa da
Europa. Nós rimos e choramos onde está nosso coração” (Zola 1928: 187 ). Ver também Ahlström 1956:
164-165 e Nyholm 1957/59.
predominantes no centro do sistema, o que pode encorajar a interferência ou neutralizar
a resistência a ela.

Se esperamos que os contatos gerem interferência sob quaisquer condições,


provavelmente ficaremos intrigados com casos que parecem "anômalos". Por exemplo,
alguém se pergunta como é que, depois de tantos anos de coexistência, vários grupos
étnicos ou nacionais em um território relativamente pequeno como a Europa ainda se
mantêm separados, apesar de uma herança cultural comum e contatos intensivos (bem Commented [LR25]: Em relação a quê? Língua...

como interferências em vários níveis). Somente a Suíça poderia ser motivo de


perplexidade, mas mesmo a França - o estado mais centralizado e aparentemente
homogeneizado da Europa - ainda tem minorias pequenas e grandes que resistiram à
interferência em diversos níveis culturais, como os bretões e, até certo ponto, os
occitanos. (cerca de 15 milhões de pessoas). Aqui estão algumas breves observações
sobre vários casos

(1) cultura judaica versus helenística-romana na Palestina. Demorou 200-400 Commented [LR26]: Culturas que operam certas
resistências a contatos com outras comunidades, mas que
anos, após forte resistência dos judeus, para que certas características da cultura no fim sofre algum tipo de interferência.

helenística fossem aceitas por eles. Só depois de se tornarem itens neutralizados não
poderiam mais constituir uma possível ameaça à cultura doméstica11.

(2) culturas hebraicas vs. árabes na Mesopotâmia após a conquista muçulmana


daquele território. A nova língua foi rapidamente adotada pela população local, embora
não à custa da total eliminação do vernáculo em grupo12. Mas foram necessários quase
trezentos anos para que a cultura judaica utilizasse a cultura árabe adjacente em seu modo
de produção cultural central, que poderia ser justificadamente rotulado de "literatura"
(Drory, 1988).

11
Estes envolviam uma variedade de culturemas (marcas culturais específicas de uma cultura), não apenas
em arquitetura e vestuário, mas também em padrões de sepultamento e linguagem. A descoberta da arte
pictórica helenística em várias sinagogas, na Galileia e na Síria (a mais famosa em Dura-Europos), foi uma
verdadeira surpresa para os historiadores. (Para um relato, ver Kraeling, 1956.) A absorção gradual de
componentes gregos na língua aramaica dos tempos romano e bizantino na Palestina é um fenômeno
reconhecido. No entanto, é surpreendente descobrir, mais tarde no aramaico judeu palestino, tais
palavras-chave na vida da comunidade palestina judaica como "kyrios" (deus) e "angelos" (anjo)! (Veja
Heineman 1973.) Para uma discussão de itens arquitetônicos como culturemas reais, ver Tsafrir 1981,
1984.
12
Na verdade, os judeus (assim como os cristãos) da Mesopotâmia (Iraque) adotaram uma variedade
linguística que mais tarde desapareceu na sociedade muçulmana, ao mesmo tempo em que a fundia com
seu vernáculo aramaico anterior para criar seus respectivos vernáculos particulares. (Ver Blanc 1964 e
Blau 1965, 1967 e 1988 para o árabe judaico e cristão.)
(3) árabe vs. siríaco. A cultura cristã siríaca tem sido em muitos aspectos ainda
mais resistente à cultura árabe do que a cultura judaica. Começou a perder força em favor
da língua árabe - e, com ela, do repertório literário árabe - em uma época em que o árabe
já havia ultrapassado o pico no século XIV. Mas parece que, em vez de usar o árabe como
fonte para renovar seu repertório, o povo siríaco13 ou adotaram o árabe, como os judeus
fizeram, para algumas seções de sua produção literária, ou perpetuaram seu repertório já
estabelecido por séculos14.

N°. 5. Uma literatura fonte é selecionada por prestígio.

Uma literatura pode ser selecionada como uma fonte de literatura porque é
considerado um modelo para emular (a ser reproduzido). (Cf. o status das literaturas grega Commented [LR27]: “Um polissistema alvo,
frequentemente jovem ou com dificuldades visíveis
e latina para todas as literaturas europeias, e depois francês, inglês e alemão para quase para desenvolver um repertório próprio, buscará uma
fonte que seja
todo o resto.) Nos casos de sistemas parcialmente desenvolvidos e culturas minoritárias, considerada modelar a partir dos contatos
estabelecidos entre os sistemas”.
uma literatura de prestígio pode funcionar como uma superestrela literária para uma
A literatura brasileira, por exemplo, tomou como fonte
literatura alvo. principal a literatura francesa no século XIX.
A força cultural dos modelos franceses, sua
abrangência e adaptabilidade ao contexto brasileiro e a
Vários fatores contribuem para tornar uma literatura de prestígio. Por exemplo, necessidade de uma literatura jovem, como a
brasileira, de uma nação recém independente, que
uma literatura estabelecida que se torna acessível através de contatos pode tornar-se buscava desvinculação do
domínio cultural da ex-metrópole, tornaram possíveis a
prestigiada para uma literatura que não teve a chance de desenvolver seu próprio seleção do polissistema francês e seu repertório como
fontes.
repertório. Esta foi claramente a posição da cultura grega versus romana, e de ambas
contra todas as literaturas europeias. O poder político e / ou econômico pode desempenhar
um papel no estabelecimento de tal prestígio, mas não necessariamente. O que mais conta
é o poder cultural do sistema de origem.

Se tomarmos, por exemplo, o caso do francês, não é de todo claro se devemos


atribuir sua posição central durante vários séculos entre as literaturas europeias ao poder

13
Eu estou usando este termo como um nome conveniente para todos os grupos de fé cristã que estavam
usando alguma marca da variedade aramaica conhecida como siríaco. Esses grupos consistem em
diferentes seitas. Seus descendentes são conhecidos hoje em dia sob vários nomes: assírios (geralmente
se referindo ao grupo mais oriental, nestorianos pela fé), sírios (suryoye; sírio-ortodoxos, jacobitas) e
maronitas.
14
Esta situação não mudou realmente ao longo dos tempos. É notável que o aramaico nunca tenha
realmente desaparecido, apesar de séculos de dominação árabe: ainda é uma língua viva no Oriente
Médio, embora devido às crescentes perseguições que culminaram no século XX, muitos membros da
comunidade siríaca morreram. As comunidades tiveram que fugir de seus territórios originais e encontrar
refúgio às vezes muito longe de casa (os assírios em Chicago [onde a maioria deles chegou após ao
massacre de 1934 no Iraque]; os jacobitas na Holanda e Suécia [onde eles chegaram até a década de 1960,
e continuam a migrar da Síria, Líbano e Turquia para as condições conturbadas; ver Björklund 1981]].
político da França. Embora isso possa ser verdade por alguns períodos, não é totalmente
assim para outros. A difusão de modelos e produtos culturais franceses (textos e artefatos)
durante a Alta Idade Média (1000-1400) não pode ser divorciada da centralidade da
França devido a sua posição no Império Carolíngio; no entanto, só mais tarde a França
alcançou sua posição de poder e pôde exercer políticas de poder com repercussões no
nível do consumo cultural. Acredito que temos que reconhecer que seu prestígio foi
estabelecido - em premissas culturais - muito mais cedo do que seus dias de grande poder,
e persistiu por muito tempo depois que esse poder declinou15.

O que a França poderia oferecer desde um estágio relativamente inicial era o


estabelecimento(establishedness). Já havia desenvolvido muitas instituições acessíveis em
uma grande variedade de níveis, quando outras culturas começaram a se organizar. Como
a Inglaterra, e antes da Irlanda, ela simplesmente poderia oferecer vários tipos de
especialização (linguística, teológica artesanal) que estava envolvida com a religião
recém-aceita em vastos territórios da Europa, que não faziam parte do Império Romano.
Nos termos de Bourdieu, seria apropriado reconhecer que, além de suas riquezas
mundanas (que tão fortemente haviam tentado a periferia durante os séculos IX e X), a
França acumulara um imenso capital cultural que nenhuma entidade emergente poderia
ignorar.

Um caso esclarecedor, embora aparentemente excêntrico, seria o papel do francês


para a cristalização das literaturas norueguesa - norueguesa e islandesa. Embora o modelo
de cristianismo adotado nesses países derivasse principalmente da Inglaterra, a literatura
francesa desempenhou um papel importante para ambos. Parece que a França sediou um
dos fundadores de sua cultura literária - Sæmundr the Learned (1056-1133) - legitimando
assim novos contatos e criando consciência da cultura francesa como uma fonte e recurso
permanentemente disponíveis para várias medidas centrais tomadas pela igreja islandesa.
(Para fontes e mais detalhes ver Gelsinger 1981: 135-140.) Parece também que a França
poderia ter fornecido especialistas que eram necessários para ensinar na recém-criada
Escola do Norte de Hólar certas habilidades importantes da cultura europeia (ver Turville-

15
A perpetuação do poder cultural, apesar do declínio político, é bem atestada. As pessoas conquistadas
muitas vezes transmitiram sua cultura a seus conquistadores em virtude desse prestígio inerradicável.
Assim, as tribos germânicas conquistadoras adotaram os componentes mais fundamentais de sua cultura
oficial dos povos gaélicos e itálicos conquistados. Os colonizadores também podem comportar-se como
tais conquistadores, como é provavelmente o caso dos acádios que adotaram a cultura dos sumérios e
valorizaram a língua e a herança dos formadores por eras. A cultura helenística foi tratada com prazer
pelos romanos e pelas culturas romanas da Itália e da Gália por seus respectivos invasores germânicos.
Petre 197 5 111)16. Além disso, artefatos religiosos franceses, especialmente de Dinant,
Limoges e Rheims, foram importados para a Islândia e tiveram um grande impacto na
arte local (Björnsson 1975, 270). Não há provas, no entanto, de que estas foram trazidas
diretamente da França. (Gelsinger, por exemplo, favorece fortemente a ideia de que, em
vez de estabelecer laços diretos, os noruegueses atuaram como intermediários entre a
Islândia e a França.)

Assim, a posição da França na cultura nórdica (particularmente norueguês-


islandesa) foi estabelecida muito antes de começar a desempenhar um papel mais decisivo
para seções maiores da literatura nórdica. Com as fontes exegéticas franco-latinas,
também havia uma quantidade abundante de literatura cavalheiresca francesa. Embora
consumido principalmente na tradução, este repertório popular logo foi apropriado para
a produção de textos literários locais. Em um número notável de sagas posteriores, o
modelo de cavalaria do mundo, bem como uma série de princípios organizadores menos
poderosos, tornam-se muito visíveis. (Para uma extensa discussão veja Hallberg 1962;
Turville-Petre 1975: 82 [e referências lá]; Gelsinger 1981; Lönnroth 196 5, 1976; também
Stefánsson 1975)17.

16
A escola de Hólar foi fundada em 1106, quando Jón Ögmundarsson, se consagrou como bispo em Lund,
retornou à Islândia. "Entre os professores que Jón empregou estava Gísli Finsson, de Gautaland (Suécia),
que era diretor e ensinava latim. Outro professor se chamava Ríkini, e ele é descrito como um francês. Ele
ensinava canto e criação de versos, e era ele mesmo um expoente hábil de ambos "(Turville-Petre 1975:
111). Em Jóns saga helga (A Vida de São João), escrita durante os primeiros anos do século XIII pelo monge
Gunnlaugr Leifsson (falecido em 1218), um longo parágrafo é dedicado a Ríkini. Esta saga foi originalmente
escrita em latim e depois traduzida pelo autor para islandês, o único texto sobrevivente. Embora escrito
no estilo de estoque regular de hagiografia europeia padrão ("florescendo literatura, redundante e
sentimental fortaleza na tradição do estilo dizia florescer, com seus ditirambos, seus binários suicidas,
suas repetições, filho macaroonismo e suas imagens contornadas" [Boyer 1986: 63]), a descrição amigável
deste Ríkini, pelo menos em parte e indiretamente, demonstra a alta apreciação de suas habilidades
excepcionais. Embora seu colega estrangeiro da Suécia tenha sido nomeado diretor, cantar e fazer versos
parece ter definitivamente mais apelo para os estudantes do que o latim ("Grammatica"), e Ríkini
provavelmente gostava de pessoas e era querido por eles: "Ríkini eles [os estudantes em Hólar] todos
com alegria e compaixão [no espírito] de São João e os amavam como seus filhos únicos, os alimentavam
e educavam sob sua custódia e proteção, protegendo-os sob suas asas como um pássaro, seu filhote
"(Jóns saga helga [eldri ger], 1953, etc .: 42; ver Boyer 1986: 63 para uma tradução completa desta
passagem). É claro que a presença de Ríkini não é, por si só, evidência de uma presença maciça de
franceses na Islândia, mas associada a outros fatores de interferência, tanto diretos quanto indiretos, é
definitivamente um símbolo de uma consciência da cultura francesa na época.
17
O papel de uma poderosa visão de mundo organizadora na realização do trabalho de intervenção
através do prestígio é óbvio em todos os tipos de ideologias. Não há diferença a este respeito entre o
papel do cristianismo desempenhado na Alta Idade Média e o papel desempenhado pelas ideologias
posteriores, como a Revolução Francesa - e mais recentemente a Revolução Russa.
Não. 6. Uma literatura fonte é selecionada por dominância.

Uma literatura pode ser escolhida como fonte quando existe uma dominação para
além dos fatores culturais. Naturalmente, uma literatura dominante muitas vezes tem
prestígio, mas a posição dominante não resulta necessariamente desse prestígio. Um caso Commented [LR28]: “A dominação política e
econômica é um fator de grande importância para ao
atual nessa categoria é uma literatura tornada "inevitável" por um poder colonial, que estabelecimento de uma literatura como fonte”.

impõe sua linguagem e textos a uma comunidade subjugada. O fato de o inglês e o francês
dominarem muitas literaturas sob sua influência política é simplesmente devido a essa
influência. O mesmo parece ser verdade basicamente para a maioria dos casos de grupos
minoritários. Commented [LR29]: Camus na Argélia.

Coetzee – Vai além de uma linguagem (inglês). Escritor


As potências coloniais ou imperialistas nem sempre parecem ter o mesmo branco.

interesse em inculcar suas culturas no povo sujeito, mas os resultados podem


eventualmente ser quase os mesmos. Os respectivos comportamentos da França e da
Inglaterra em relação a essa questão foram diferentes. No entanto, o inglês conseguiu
criar raízes em países como a Índia, o Iraque ou a África negra, quase tão plenamente
quanto o francês no norte da África, no Líbano e na Indochina.

O domínio do poder do tipo imperialista, portanto, força os contatos em um


sistema e pode, portanto, gerar inferências, apesar da resistência do sistema. No entanto,
nos casos em que o sistema alvo ainda não está estabelecido - ou em crise -, pode não
desenvolver nenhum mecanismo de rejeição. Tal mecanismo pode, no entanto, evoluir
em um estágio posterior, quando muitos repertórios supostamente apropriados se
mostraram meramente temporários.

Não. 7. A interferência ocorre quando um sistema precisa de itens não


disponíveis nele mesmo Commented [LR30]: “O surgimento de uma nova
geração de produtores que considerem insuficiente, ou
inadequado, o repertório disponível cria a necessidade
Uma "necessidade" pode surgir quando uma nova geração sente que as normas de novos itens e modelos. Para tanto, tais itens serão
buscados em outro sistema literário, ou em outra
que governam o sistema não são mais efetivas e, portanto, devem ser substituídas. Se o seção do mesmo polissistema”.
repertório doméstico não oferece nenhuma opção nesse sentido, enquanto um sistema “a existência de um repertório mais vasto e
desenvolvido que esteja em condições de
adjacente acessível parece possuí-las, a interferência provavelmente ocorrerá. acessibilidade em outro sistema”.

Pode-se perguntar se tal "necessidade" pode de fato surgir não como consequência Modernismo no Brasil com a Geração de 22.

de algum desenvolvimento interno em uma literatura, mas como resultado da existência


de certas opções em uma literatura acessível adjacente. Isso deve permanecer uma questão
aberta neste estágio.

3. Processos e Procedimentos de Interferência

N°. 8. Os contatos podem ocorrer apenas com uma parte da literatura alvo;
eles podem então prosseguir para outras partes. Commented [LR31]: 1 - A ocorrência da interferência
não se dá necessariamente em todas as seções do
sistema alvo. Mesmo em casos de interferência em
Mesmo quando as apropriações são "pesadas", não há necessariamente uma grau elevado, algumas seções do sistema
permanecerão intocadas.
interferência geral. Geralmente, certas seções permanecem intocadas, enquanto outras
2 - Não há uma correspondência hierárquica entre os
passam por invasões massivas, ou são literalmente criadas por apropriações. Por exemplo, estratos que geram interferência a partir do contato
entre os sistemas. O repertório da literatura fonte pode,
um modelo que não existia na literatura alvo pode ser introduzido e incorporado nele por então, interferir em um estrato mais alto ou mais baixo
da literatura alvo.
apropriação.
3 - muitas vezes assumindo na literatura alvo posições
Da mesma forma, a interferência pode ser confinada a apenas um estrato, por hierarquicamente diferentes das que ocupava na
literatura.
exemplo, ao centro ou à periferia da literatura alvo. Um repertório da literatura fonte pode,
assim, primeiro interferir com um estrato inferior ou superior de uma literatura alvo e
depois passar para outros estratos. Embora inicialmente gerado por interferência, quando
esse repertório "passa", ele não é mais uma questão de interferência direta, mas já é um
processo interno da literatura alvo.

Uma vez que nos estudos literários tradicionais a interferência - entendida em


termos de "influência" - é considerada uma questão de superioridade vs. inferioridade,
não é provável que se aceite que a parte "influente" possa ser de natureza menos
"sofisticada" do que a "influenciada".

Muitas literaturas periféricas se apropriam de características do repertório literário


comumente aceito (como "Realismo", "Romantismo", "Simbolismo"), depois de estarem
bem estabelecidas nas literaturas centrais de uma época. Isso não é necessariamente
realizado por apropriação de uma fonte importante (como um grande escritor), mas
freqüentemente ocorre através de intermediários secundários, que elaboraram modelos
mais esquematizados e possivelmente digeríveis em termos de apropriabilidade.

Muitas vezes, torna-se muito mais proveitoso procurar modelos nas periferias da
literatura antes de traçar linhas diretas entre uma determinada figura individual
importante na literatura fonte e outra figura importante na literatura alvo. Quando o
modelo apropriado já é mais esquematizado que sua fonte, a esquematização pode ter
ocorrido já dentro dos limites da literatura de origem, e não no destino.

Essas suposições são fortemente apoiadas pela pesquisa de Yahalom. A hipótese


de Yahalom é que quando o centro do sistema perpetua um repertório secundário em um
período de mudança, a inovação não-canonizada é eventualmente engendrada na
periferia.

Yahalom estudou o intrincado caso da interferência inglesa com o francês no


século XVIII. Ela demonstrou que foram necessários cerca de setenta anos para que os
modelos ingleses se estabelecessem - depois de uma longa cadeia de transmutações - no
centro da literatura francesa no início do século XIX. (Veja Yahalom 1978, 1980, 1984.)

Não. 9. Um repertório apropriado não necessariamente mantém funções da


literatura fonte.

A hipótese sobre a regularidade da mutação de uma função transferida de sua


posição original dentro de um sistema, como pode ser formulada com base na obra de
Tynjanov (especialmente Tynjanov 1929), é suficientemente apoiada por estudos de
interferência. Qualquer item apropriado de uma fonte pode assumir, em vista da
superioridade das restrições domésticas, uma função diferente dentro do alvo.

Se tomadas dentro de uma estrutura maior, qualquer literatura - que pode ter
evoluído como um polissistema completo ou parcial - pode adquirir certos itens do
repertório (ou outros elementos do sistema) muito tempo depois de terem conseguido
institucionalizar-se na primeira instância. Desse ponto de vista, os produtos gerados em
qualquer literatura alvo em um estágio posterior ao seu primeiro caso são provavelmente
de natureza secundária quando comparados com os primários no sistema de inicialização.
Isso, no entanto, também não tem importância, pois o que conta é a posição assumida por
esses itens dentro do alvo, não seus itens comparáveis dentro de qualquer fonte. É
somente quando ocorre uma situação de reciprocidade, mesmo uma menor (por exemplo,
através de traduções periféricas), que tal estado de questões se revela. Esta é uma
evidência definitiva do valor dependente do sistema de qualquer item dentro de uma
determinada literatura.
Isto implica que uma literatura alvo frequentemente desconhece/ignora os
elementos contemporâneos de uma literatura fonte e remonta a uma fase diacrônica
anterior, muitas vezes ultrapassada do ponto de vista do centro da literatura fonte. Mas
enquanto em certos casos a direção da interferência pode ser uma única linha homogênea,
em outras instâncias várias tentativas concorrentes e não congruentes podem ser
realizadas por diferentes grupos dentro da literatura alvo. As características
contemporâneas podem, assim, ser misturadas com as das fases anteriores. Isto implica
claramente que a posição sistêmica de itens específicos na fonte não é necessariamente
consequência para o alvo. Esta posição na fonte não deve ser dada como certo quando o
problema do possível status do item no alvo é discutido. Se, em um caso específico, essa
posição for relevante, essa relevância deve ser fortemente apoiada por evidências
defensáveis.

No atual estágio da teoria da interferência, não parece possível concluir sob quais
condições uma literatura alvo tenderia a usar um repertório ultrapassado ou novo na fonte.
Os membros de um grupo minoritário, muitas vezes distante dos centros de inovação
(geralmente cidades capitais), adquirem seu conhecimento de literatura fonte de uma
maneira mais tradicional do que seus contemporâneos mais centralmente situados. Mas o
oposto mesmo pode às vezes ser verdade também. Por conseguinte, não se justifica
generalizar com base em casos restritos. Pelo menos devemos admitir que nenhuma
pesquisa foi realizada em uma escala suficientemente grande em um grande número de
literaturas para nos permitir o luxo de aventurar generalizações solidamente suportáveis.

Não. 10. A apropriação tende a ser simplificada, regularizada,


esquematizada.

É relativamente estabelecido que atividades periféricas usando um repertório


secundário tendem a regularizar padrões que são relativamente variados em uma
determinada fonte. Por implicação, entidades "regularizadas" também são
esquematizadas e simplificadas. Isso pode significar que, embora um determinado item
possa ter uma função intrincada ou plurívoca na literatura de origem, sua função dentro
da literatura alvo pode ser mais unívoca ou restrita.

Estudos de tradução fornecem ampla evidência dessa generalização. (Veja a


ilustração Even-Zohar 1971 ¡Toury 1977, 1980; Ben-Ari 1988.)
No entanto, o oposto também é verdadeiro, uma vez que a literatura alvo pode
adotar modelos simplificados e elaborá-los, com produtos gerados por eles em um
contexto não simplificado, não regularizado e não esquematizado.

Obviamente, padrões simplificados de comportamento são comuns, mas nos falta


conhecimento sobre as condições específicas que determinam quando são preferidas e
quando não são.