You are on page 1of 62

Universidade Estadual de Feira de Santana

Departamento de Tecnologia
TEC 207 : Fisica do Solo

GRANULOMETRIA E TEXTURA DO SOLO


Aula 1

Profa. Rosangela Leal


Superfície específica
• Vamos imaginar um dados de tamanho de 4m
x 4m...
4m 4m
4m x 4 m = 16m2

Como um dado tem 6 faces... 4m 4m

Seriam 16m2 x 6 lados = 96 m2


Se eu dividir o dado ao meio (nas TRÊS DIMENSÕES!!), eu
ficaria com 8 dados, mas cada um teria 2cm de lado.

Calcule:
1) A área de cada face do dado;
2) A área de cada dado;
3) A área TOTAL de TODOS os dados.
Quanto maior a ASE → maior será a reatividade
das partículas do solo.
TERRA FINA SECA AO AR (TFSA)
&
ESQUELETO DO SOLO
FRAÇÕES GRANULOMÉTRICAS
DA TFSA
• Não existe uma concordância universal quanto
ao intervalo de variação dos diâmetros de cada
uma das frações que compõem os solos.
• Vejam-se a seguir algumas escalas
granulométricas:
Escalas de tamanho
Escalas de Tamanho
• No Brasil, na área de Solos (Agronomia e
Pedologia), utilizam-se basciamente 2 escalas:
– Escala de Atterberg ou Internacional
– Escala do departamento de Agricultura dos EUA
Escala de Atterberg

Fração Diâmetro

Argila < 0,002 mm


Silte 0,002 - 0,02 mm
Areia Fina 0,02- 0,2 mm
Areia Grossa 0,2-2,0 mm
No Brasil, segundo a ABNT NBR 6502/95, temos a seguinte classificação dos solos de
acordo com sua granulometria:
Classificação granulométrica de um solo:

• Apenas nos solos grossos a distribuição granulométrica


dita o comportamento do solo.
• Apesar disto, classificações baseadas na granulometria
tornaram-se universalmente empregadas, ainda que
sua utilidade geotécnica seja pequena.
• A classificação granulométrica de solos (pela textura)
pode ser auxiliada pelo diagrama triangular de Feret,
desde que mencionada a versão (ou origem) do
diagrama.
• Existem outras classificações: geológicas, geotécnicas,
pedológicas.
Classificação granulométrica de um solo:

• Embora hoje seja usada quase exclusivamente na


agronomia, comentamos a seguir uma das
versões do triangulo de Feret:
– Em um solo constituído apenas por areia, silte e argila,
a soma das porcentagens destas três frações é 100%.
– Entrando no gráfico com a porcentagem com que
cada uma destas frações compõe o solo, obtém se a
localização de um ponto em uma das áreas
demarcadas, obtendo assim a classificação conforme
esta versão do triângulo de Feret.
Triângulo de Feret.
Triângulo de Feret
• Observar que a linha que representa a porcentagem de
argila é paralela à escala do silte, a que representa a
porcentagem de areia é paralela à escala da argila e a linha
que representa a porcentagem de silte é paralela à escala
da areia.
• Verifique que um solo com 28% de argila, 23% de silte e
49% de areia será classificado “lemo argiloso”. (o
comportamento do lemo é menos previsível que o da
areia).

O termo “LEMO” é uma adaptação do inglês “LOAM” (cujo significado literal


“barro”ou “terra” designa uma mistura em proporção variável de areia, silte
e argila, com propriedades mal definidas).
Triângulo de Feret
• Se as porcentagens de areia,
silte e argila, obtidas no ensaio
de granulometria, forem
divididas pela porcentagem de
material passante na peneira
de 2,0 mm, para que sua soma
seja 100%, a classificação
deverá então mencionar ser
referente “à fração fina do
solo”.
• No caso, a peneira de 2,0mm
foi usada para excluir a fração
pedregulho da amostra.
E daí???
• Dessas frações, a argila é a que possui maior
superfície específica e é de natureza coloidal
com alta retenção de cátions e adsorção de
fósforo.
• A fração argila representa a maior parte da fase
sólida do solo e é constituída de uma gama
variada de minerais (minerais de argila) que
apresentam cargas elétricas negativas
responsáveis pela capacidade de troca de cátions
(CTC).
E daí???
• Não só a classificação do solo depende
diretamente do teor de argila ao longo do
perfil, mas também o manejo de solo.
– Na classificação do solo no nível hierárquico
de ordem examina-se o gradiente textural como
um dos itens principais;
– No manejo do solo (doses de fertilizantes,
corretivos e herbicidas) depende do grau de
compactação, da disponibilidade de água e da
capacidade de troca de cátions da fração argila.
Generalidades do Brasil...
• O teor de silte geralmente não são elevado
exceto para a maioria dos Cambissolos.
• Os solos arenosos apresentam menor
disponibilidade de água ao longo do perfil, mas
não significa que os solos argilosos ou muito
argilosos possuem a maior disponibilidade
hídrica.
– Os Latossolos ácricos possuem elevado teor de
argila e são muito ressecados por causa da forte
microagregação da argila, que é consequência do
elevado grau de floculação dessa fração.
Latossolos ácricos
• Latossolos ácricos são muito
velhos e extremamente
intemperizados .
• Tem grande expressão
territorial somente no
Brasil, principalmente nos
Estados de Goiás, Minas
Gerais (Triângulo Mineiro),
no Distrito Federal, e na
região nordeste do Estado
de São Paulo.
• Derivam do basalto ou
diabásio e quando não
possuem altos teores de
ferro total derivam de
material argiloso (Latossolos
ácricos).
Latossolos ácricos
• São muito permeáveis,
Apresentam a seqüência de
horizontes A-B-C, geralmente são
avermelhados, muito profundos,
de textura argilosa ou muito
argilosa, a estrutura é do tipo
subangular, a consistência úmida
friável ou muito friável, e quando
molhados ligeiramente plásticos e
ligeiramente pegajosos.
• Nunca são muito consistentes
geneticamente, ou seja não são
adensados como nos Vertissolos,
mas podem ficar consistentes
quando ocorre a compactação.
• A subsolagem deve ser feita
nesses Latossolos quando a
densidade do solo for crítica.
Continuando...
• Os teores de areia fina quando são muito
maiores do que os de areia grossa contribuem
para o aumento da disponibilidade de água no
perfil.
...e aqui começa a diversão!!!
Vamos somente até aqui, hoje...