You are on page 1of 4

Os protestantes, mais notoriamente

Lutero, de olho em Tetzel, desprezavam a


teoria do purgatório.

O purgatório é uma doutrina perigosa que


torna insuficiente a cruz de Cristo, exigindo
que a pessoa sofra o sofrimento para se
tornar digna de estar com Deus. Este é um
falso ensinamento e deve ser evitado.
Somos justificados pela fé (Rm 5: 1) - não
pela fé e obras (Rm 3:28).

O que a Bíblia diz sobre o purgatório?


Pergunta: O que a Bíblia diz sobre o purgatório ?

Resposta: A resposta simples para essa pergunta é que a Bíblia não diz nada sobre o
purgatório. A doutrina do purgatório não é um conceito bíblico. No entanto, vemos
muita discussão na Palavra de Deus sobre os dois únicos destinos para aqueles que
morreram: céu e inferno .

Jesus falou significativamente de ambos, e ainda assim nunca há uma menção a um


terceiro lugar, um local provisório onde o homem passa por uma purificação adicional.
O conceito de purgatório implica que a obra de Cristo na cruz foi incompleta e
insuficiente para nos salvar do julgamento pelos nossos pecados. Sabemos, no entanto,
que toda a obra redentora de Cristo foi realizada na cruz , assim como o próprio Cristo
declarou: “Está consumado” (João 19:30).

Para os crentes, o fim desta vida será o começo de nossa vida eterna com o Senhor.
Podemos ver isso na parábola de Jesus sobre o homem rico e Lázaro em Lucas 16: 19-
31, segundo a qual Lázaro foi levado imediatamente após sua morte para o "lado de
Abraão", uma figura de linguagem comum para o Céu, e o homem rico foi
imediatamente lançado em tormento em Hades . Paulo assegura aos crentes em 2
Coríntios 5: 6-8 que estar “longe do corpo” é estar “em casa com o Senhor”. Aqueles
que foram salvos pela fé em Jesus Cristo podem ter certeza de que sua dívida foi paga.
pelo próprio Cristo, e que a sua morte os encontrará em pé diante de Deus justificados e
glorificados, e acolhidos em Seu reino.

[31] “Quando o Filho do Homem vier em sua glória, e todos os anjos com ele,
então ele se assentará em seu trono glorioso. [32] Antes dele serão reunidas
todas as nações, e ele separará as pessoas umas das outras como um pastor
separa as ovelhas das cabras. [33] E ele colocará as ovelhas à sua direita, mas
os bodes à esquerda. [34] Então o rei dirá aos que estão à sua direita: 'Vem, tu
que és abençoado por meu Pai, herda o reino preparado para ti desde a
fundação do mundo. (Mateus 25: 31-34)

___________________________
Purgatório

por Matt Slick


12/03/08

"Sustento constantemente que há um purgatório e que as almas detidas são


ajudadas pelos sufrágios dos fiéis." 1

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica, parágrafo 1030, "Todos os que morrem
na graça e amizade de Deus, mas ainda imperfeitamente purificados, estão de fato
seguros de sua salvação eterna, mas após a morte sofrem purificação, a fim de alcançar
a santidade necessária entre na alegria do céu ".

O Concílio Vaticano II, p. 63, diz: "A verdade foi divinamente revelada que os pecados
são seguidos de punições. A santidade e a justiça de Deus os infligem. Pecados devem
ser expiados. Isso pode ser feito nesta terra através das tristezas, misérias e provações
desta vida e, acima de tudo, através da morte. Caso contrário, a expiação deve ser feita
na próxima vida através de fogo e tormentos ou punições purificadoras ".
Este processo de purificação ocorre em um lugar designado pela igreja católica como
purgatório. Segundo a doutrina católica, o purgatório não deveria ser um lugar de
punição, mas de purificação. A natureza dessa purificação, de acordo com diferentes
teólogos católicos, varia de uma consciência extrema de perda a um "fogo purificador"
intenso e dolorosamente intenso.

De acordo com a Doutrina Católica Romana, embora uma pessoa possa estar em estado
de graça, ela não pode entrar no céu até que seja purificada dos pecados que não foram
tratados na Terra. O batismo remete os pecados cometidos até aquele ponto; mas as
orações, as indulgências, a penitência, a absolvição e a missa são meios pelos quais o
pecador é capaz de expiar os pecados cometidos após o batismo. Se os pecados não são
remidos, após a morte ele deve sofrer as chamas da purificação até que esteja
suficientemente limpo e puro para entrar na presença de Deus. Além disso, a intercessão
pode ser feita por católicos em nome daqueles que estão atualmente no purgatório. Isso
também é feito dizendo a missa, certos atos de penitência, dizendo o rosário, ou por
indulgências onde o benefício é aplicado aos mortos no purgatório.

Mas o purgatório não é para todos. Os bebês batizados que morreram antes da idade da
responsabilidade e os santos católicos que viveram vidas tão sagradas são dispensados
dos "fogos purificadores".

O tempo que alguém deve sofrer neste estado nunca é conhecido, mas é considerado
proporcional à natureza e severidade dos pecados cometidos. Portanto, pode ser de
algumas horas a milhões de anos.

Problemas com a doutrina do purgatório

Como cristão que baseia a verdade espiritual somente na Bíblia, vejo problemas com a
doutrina do purgatório. Por exemplo:

1. Não é explicitamente encontrado na Bíblia.


2. Isso implica que a justiça de Cristo não purifica de todo pecado.
3. Isso implica que a justificação não é somente pela fé.
4. Isso implica que há algo que devemos fazer para sermos purificados do pecado.

Os católicos discordarão dos meus problemas percebidos da doutrina do purgatório. Isso


é de se esperar. Eles irão citar os Padres da Igreja, os Apócrifos e várias referências
bíblicas ao fogo e purificação. Qualquer que seja o lado do argumento em que você se
enquadre, meu objetivo aqui é apresentar um argumento bíblico que examine a doutrina
na tentativa de determinar se ela é bíblica ou não.

É claro que os católicos dirão que, como protestante, chego ao argumento com a crença
preconcebida de que (1) o Purgatório é antibíblico, (2) que sou parcial contra ele e (3)
que tenho uma agenda a cumprir. . Para cada uma dessas acusações, admito culpa.
Nenhum de nós é perfeitamente imparcial e quase todos têm crenças pessoais que se
refletem em suas ações e palavras. Neste caso, tendo lido e estudado a Bíblia
completamente, não encontro lugar nela para a doutrina católica romana do Purgatório.
 1. O Credo Trentino , de Pio IV, AD 1564, encontrado em Roberts, A., J. Donaldson, e
AC Coxe, The Ante-Nicene Fathers Vol. VIII: Traduções dos Escritos dos Padres até 325
dC , 1997, p. 643.