You are on page 1of 71

PC-MG

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS

NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL


Princípios Processuais Penais

Livro Eletrônico
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

SUMÁRIO
Princípios...................................................................................................7
1. Princípios do Direito Processual Penal....................................................... 10
1.1. Princípio do devido processo legal ou due process of law.......................... 11
1.2. Princípio da presunção de inocência ou da não culpabilidade..................... 12
1.3. Princípio do juiz natural....................................................................... 19
1.4. Princípio da ampla defesa..................................................................... 21
1.5. Princípio do favor rei, favor libertatis ou in dubio pro reo.......................... 24
1.6. Princípio da duração razoável do processo.............................................. 24
1.7. Princípio da intranscendência................................................................ 26
1.8. Princípio da autoritariedade.................................................................. 26
1.9. Princípio do duplo grau de jurisdição...................................................... 27
1.10. Princípio da vedação da dupla punição ou ne bis in idem......................... 30
1.11. Princípio da publicidade...................................................................... 31
1.12. Princípio da vedação das provas ilícitas................................................ 33
1.13. Princípio da plenitude de defesa.......................................................... 35
1.14. Princípio da paridade de armas ou igualdade processual......................... 36
1.15. Princípio do contraditório.................................................................... 37
1.16. Princípio da demanda ou da iniciativa das partes................................... 38
1.17. Princípio da não autoincriminação ou nemo tenetur se detegere.............. 39
1.18. Princípios da Oficiosidade e Oficialidade................................................ 40
Resumo.................................................................................................... 42
Questões de Concurso................................................................................ 45
Questões Comentadas................................................................................ 53
Gabarito................................................................................................... 71

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 2 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

DOUGLAS DE ARAÚJO VARGAS


Agente da Polícia Civil do Distrito Federal, aprovado em 6º lugar no con-
curso realizado em 2013. Aprovado em vários concursos, como Polícia
Federal (Escrivão), PCDF (Escrivão e Agente), PRF (Agente), Ministério
da Integração, Ministério da Justiça, BRB e PMDF (Soldado – 2012 e
Oficial – 2017).

Introdução

Querido(a) futuro(a) colega de profissão!

Não tenho palavras para definir a responsabilidade – e a felicidade – de integrar

a equipe que vai ministrar as disciplinas contidas em um edital para futuros policiais

civis, profissão que exerço com muito orgulho há quatro anos, no Distrito Federal.

E já vou tomar a liberdade de começar nosso material te dando um conselho:

já comece a se preparar para o TAF. Redobre os estudos, e quando se cansar, vá

treinar! Não caia no erro de só treinar depois da aprovação na objetiva, beleza?

Outra dica: não subestime o certame. Respeite a prova, respeite a banca, e

principalmente – respeite a sua capacidade e seu desejo de ser aprovado. É hora

de estudar com MUITO FOCO.

Nessa esteira de raciocínio, o edital já foi publicado. Coloque na sua cabeça

que estamos correndo contra o tempo!

A preparação para concursos públicos, em regra, é um projeto de longo pra-

zo – o que venho defendendo desde sempre. Entretanto, nunca, nunca devemos

subestimar o nosso potencial, nossa capacidade e a nossa dedicação! Eu sei que o

que você fez até agora, em relação aos seus estudos, pode ter variado. Você pode

ter se preparado de forma antecipada (recomendável) ou mesmo ter começado a

se preparar agora. Talvez você já estivesse muito focado, ou sem foco algum, es-

perando algo acontecer.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 3 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Nesse exato momento, sabe qual a diferença prática entre esses dois casos?

Nenhuma.

Se você estava estudando muito, vai redobrar o seu foco. Se não estava, adivi-

nha? Vai também redobrar o seu foco! É hora de estudar mais e mais, tanto para o

candidato veterano quanto para o iniciante!

Vamos dar tudo de nós, e fazer o possível para atingir nossa aprovação. Faça-

mos nossa parte – e se for a nossa vez, as coisas irão dar certo. Acredito fielmente

nisso.

O que você não pode é não levar a sério os seus estudos. Independentemente

do que fez até agora, não arrume uma desculpa. Se organize, se prepare e dê tudo

de si, pois não há outro caminho.

Dito isso, é meu objetivo como professor te apoiar ao longo dessa caminha-

da – ainda mais nesse momento crucial, quando já sabemos a data da prova e o

conteúdo que devemos dominar. E estaremos juntos durante esse percurso! Vamos

fazer exercícios e caprichar na parte teórica, sempre que possível utilizando ques-

tões da FUMARC, complementadas por exercícios de outras organizadoras quando

necessário for.

Um dos meus maiores orgulhos é ser servidor público. E outro dos meus maio-

res orgulhos é ser policial. Portar um distintivo, fazer a coisa certa e poder ajudar

pessoas no seu dia a dia é um privilégio, o qual desejo a cada um de vocês. Se de-

dique e conte comigo, pois quando menos você esperar, estará utilizando essa tão

desejada blusa preta que só os dedicados alcançam. E te digo, sem medo de errar:

Chegou a sua vez.

“Sonhos não se tornam realidade através de mágica, e sim de suor, determi-

nação e trabalho duro. ”

Colin Powell
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 4 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

“Você não conquista a montanha. Você conquista a si mesmo. ”

Sobre o professor

Pois bem, gostaria agora de me apresentar. Considero que a aula se tornará

muito mais interessante se vocês me conhecerem um pouco!

Meu nome é Douglas de Araújo Vargas, tenho 30 anos, e sou Agente da Polícia

Civil do Distrito Federal desde 2014. Tenho uma certa experiência em concursos

públicos, dentre os quais destaco:

• 6º lugar no certame Agente PCDF 2013;

• 24º lugar no certame Escrivão PCDF 2013;

• 350º lugar no certame Agente PRF 2013;

• 36º lugar no certame Soldado PMDF 2012;

• 11º lugar na objetiva e 20º lugar geral no certame CFO PMDF 2017 (em an-

damento);

Outras aprovações: Ministério da Integração, Ministério da Justiça, BRB, CEF.

São resultados até razoáveis, certo? Mas eles não estão aqui para criar uma

estatística sobre mim, e sim para validar algo em que eu acredito: se eu consegui,

você também consegue!

Digo isso porque o primeiro concurso para o qual realmente me dediquei foi

o de Agente da Polícia Federal, em 2012. Naquela prova, organizada pelo CESPE,

meu resultado foi praticamente negativo, e eu errei quase tantas questões quanto

acertei....

Então não sou aquele concurseiro “que estudou duas semanas e passou”. Tam-

bém não sou um gênio desses que passa em 1º lugar para Juiz Federal estudando

seis meses.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 5 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Meus resultados são fruto apenas de esforço e foco nos estudos, que me leva-

ram ao sonho de ser nomeado, empossado e de atuar na área com a qual eu tanto

sonhei. E é isso que eu desejo para vocês.

“Nunca deixe o medo decidir seu futuro. ”

Sobre o curso

Gostaria de iniciar nosso curso dizendo o seguinte: disciplinas relacionadas ao

Direito (tais como Direito Penal e Direito Processual Penal) são cobradas tanto em

cargos privativos de Bacharéis em Direito quanto em cargos para outras áreas de

formação, e seu professor sabe disso!

Digo isso pois nossas aulas serão estruturadas para atender a todos os tipos de

alunos:

• Alunos formados em outras áreas e que nunca estudaram Direito Penal;

• Alunos Bacharéis em Direito que estão voltando a estudar e estão enferruja-

dos e desatualizados;

• Alunos Bacharéis em Direito que já estão com um ótimo ritmo de estudos,

mas que precisam manter seu conhecimento atualizado.

Dessa forma, nosso objetivo será o de nivelar e dar condições de gabaritar nos-

sas disciplinas à todos vocês – seja qual for o nível de estudo e área de formação!

Mas chega de amenidades. Vamos ao que interessa!

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 6 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

PRINCÍPIOS

“Você não conquista a montanha. Você conquista a si mesmo. ”

A legislação brasileira, na esfera penal, está dividida em dois códigos: Código

Penal (CP) e Código de Processo Penal (CPP).

É claro que o foco do curso estará no CPP. Afinal de contas, nossa disciplina é o

Direito Processual Penal. Entretanto, antes que possamos iniciar o nosso estudo, é

fundamental entender por qual motivo a legislação está dividida nesses dois códi-

gos.

O primeiro passo para isso é entender os conceitos de direito substantivo e

direito adjetivo.

Vamos trabalhar de uma forma prática: provavelmente você concorda que a

norma mais famosa do Direito Penal é, de longe, o art. 121 do Código Penal:
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 7 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Homicídio simples
Art. 121. Matar alguém:
Pena – reclusão, de seis a vinte anos.

Mas o que essa norma faz? Apresenta um determinado comportamento proibido

e informa que uma pena será aplicada caso o indivíduo o pratique. Se você matar

alguém, poderá ser apenado com reclusão de seis a 20 anos.

É fácil notar que o art. 121 do Código Penal Brasileiro tem um caráter clara-

mente material ou substantivo. Afinal de contas, define uma relação concreta,

focada no que fazer e não em como fazê-lo.

Veja que o legislador define apenas que o autor de um homicídio simples será

apenado com a reclusão de seis a 20 anos... e só!

O texto da norma não explica como se dará a aplicação da pena. Não trata de

pontos importantes como o processo de escolha do juiz responsável para julgar o

caso ou se compete à Justiça Federal ou Estadual julgar os casos de homicídio.

Isso acontece porque o Código Penal tem um caráter fundamentalmente ma-

terial. Não cabe a ele tratar de como fazer as coisas: isso é assunto de Direito

adjetivo!

Dessa forma, as normas formais e adjetivas do Direito Penal foram separadas

e, via de regra, estão concentradas em um outro Código: o CPP, sendo objeto de

estudo de outra disciplina, o Direito Processual Penal.

Agora, sim, podemos começar a falar da disciplina. Para iniciar, vejamos dois

conceitos introdutórios, ambos muito importantes para o nosso aprendizado:

“O Direito Processual Penal é o conjunto de princípios e normas que regulam a

aplicação jurisdicional do Direito Penal, bem como as atividades persecutórias da

Polícia Judiciária, e a estruturação dos órgãos da função jurisdicional e respectivos

auxiliares.” (José Frederico Marques).


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 8 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

“O Direito Processual Penal é o conjunto de princípios e normas que disciplinam

a composição das lides penais, por meio da aplicação do Direito Penal objetivo. ”

(Fernando Capez).

Os ensinamentos acima não deixam dúvidas: o Direito Processual Penal tem um

caráter procedimental, instrumental. Ao estudá-lo, iremos entender como se aplica

o Direito material ao caso concreto. Quais os passos necessários para concretizar a

execução do que está previsto no Código Penal e em demais leis de natureza penal.

Finalidade do Direito Processual Penal

A finalidade do Direito Processual Penal é, basicamente, permitir a execução do

direito de punir (jus puniendi) estatal, ao passo que garante que o Estado respeite

o devido processo legal e os direitos e garantias fundamentais do cidadão.

Princípios

Agora que já possuímos esse conhecimento inicial, podemos passar para o es-

tudo da disciplina propriamente dita. E começaremos pelo assunto que servirá de

base para todo o nosso estudo: os princípios do Direito Processual Penal.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 9 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

“Algumas vezes você ganha. Nas outras, você aprende.”

1. Princípios do Direito Processual Penal

Caro aluno, antes de mais nada: você sabe dizer o que é um princípio?

Para Guilherme Nucci, “o princípio é um postulado que irradia por todo o siste-

ma de normas”.

Segundo Celso Antônio Bandeira de Mello, “princípio é o mandamento nuclear

de um sistema”.

Por mais detalhista que seja o legislador, não conseguirá escrever normas para

todos os casos que demandem a atuação estatal e a aplicação da lei. Nesse sentido,

é perfeitamente possível que ocorram situações em que não exista, na legislação,

a solução específica para um determinado caso.

O que pode ser feito quando isso acontece?

Uma das soluções, provavelmente a mais importante delas, é buscar orientação

nos fundamentos de um determinado sistema normativo, ou seja, devemos buscar

a resposta nos fundamentos que orientaram a edição de todas as demais normas!

É a essas bases que chamamos de princípios. São como verdadeiros maestros

que regem uma orquestra de normas. Eles cuidam do conjunto, garantido a har-

monia entre as normas e servindo como referência quando, porventura, surgirem

dúvidas.

Mas chega de conceitos abstratos. Vamos conhecer os princípios propriamente

ditos, pois na prática é muito mais fácil entendê-los!

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 10 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

1.1. Princípio do devido processo legal ou due process of law

O primeiro princípio que vamos estudar é um dos chamados princípios consti-

tucionais do Direito Processual Penal, visto que está inscrito em nossa CF/1988:

CF/1988
Art. 5º. LIV – ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido pro-
cesso legal;

O objetivo desse princípio é garantir que ninguém seja submetido às pesadas

sanções penais sem a tramitação de um processo que respeite a legalidade, o

que, infelizmente, era algo relativamente comum em nosso país antes da vigência

da Constituição Federal de 1988.

Tribunal Supremo de Justiça Venezuelano

Um exemplo de possível violação ao devido processo legal está na denúncia re-

alizada pela venezuelana Lilian Tintori no programa brasileiro Roda Viva. A cidadã

venezuelana é esposa do líder da oposição no país, Leopoldo Lopez, e afirmou aos


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 11 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

entrevistadores que seu marido foi condenado a 14 anos de prisão em “um julga-

mento a portas fechadas, sem direito ao contraditório e a ampla defesa, no qual

sequer a defesa foi autorizada a arrolar testemunhas em favor do acusado”.

Atualmente, chega a ser absurdo pensar em alguém detido e submetido a uma

pena de 14 anos de prisão sem direito a um julgamento que siga os ditames pre-

vistos na lei, o que se deve ao princípio do devido processo legal.

Note que esse é um princípio com um alcance bastante amplo, pois para que

seja respeitado em sua plenitude, todos os outros princípios relacionados ao

Direito Processual Penal também devem ser observados.

Dessa forma, se houver a observância dos demais princípios processuais penais,

a consequência natural é que estaremos diante de um processo penal legítimo.

1.2. Princípio da presunção de inocência ou da não culpabili-


dade

Aqui, temos outro princípio expressamente previsto em nossa Constituição Fe-

deral:

CF/1988
Art. 5º. LVII – ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de senten-
ça penal condenatória;

Com certeza você já ouviu a seguinte frase: “somos todos inocentes, até que se

prove o contrário”.

Essa afirmação é uma consequência direta da existência do princípio da pre-

sunção de inocência, segundo o qual, só seremos considerados culpados após o

trânsito em julgado da sentença penal condenatória.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 12 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Também por força desse princípio, temos três características básicas em nosso

sistema processual penal, a saber:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 13 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

A regra geral, quando tratamos de alegações jurídicas, é que o ônus da prova é


de quem alega. O princípio da presunção de inocência, sob esse ponto de vista,
oferece uma “colher de chá” para a defesa, que não precisa provar a sua alegação
de que o réu é inocente. É a acusação que precisa provar seus argumentos, posto
que se não o fizer, a inocência do acusado é presumida!

Embora essa afirmação pareça ser repetitiva, tem uma razão de ser. Deixe-me
mostrar um exemplo para vocês:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 14 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

No caso da reportagem acima, temos uma situação diferente. O réu não alegou

ser inocente, alegou que realmente matou a vítima, porém, em legítima defesa.

Quando isso ocorre, tudo muda. O acusado não está mais se baseando em sua

presunção de inocência para ser absolvido e sim em uma outra alegação. E adivi-

nha de quem é o ônus da prova nesse caso? Exatamente! Da própria defesa!

O princípio da presunção de inocência não garante ao acusado o direito de alegar

excludentes de ilicitude, tais como a legítima defesa ou o estado de necessidade.

Se ele o fizer, terá de provar suas alegações regularmente!

Professor, eu ouvi dizer que o STF agora autoriza que um indivíduo seja preso

após a condenação em segunda instância. O que significa isso? Essa decisão não

fere o princípio da presunção de inocência?

Excelente pergunta! Mas vamos contextualizar para que os alunos iniciantes

também entendam a questão.

Conforme acabamos de estudar, a Constituição Federal determina que nin-

guém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal con-

denatória.

Trânsito em julgado é a expressão utilizada para informar que não há mais

possibilidade de recurso de uma determinada decisão. Na esfera penal, ao

dizer que transitou em julgado uma determinada sentença, dizemos que chegou a

hora da execução das penas cominadas (se houver).

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 15 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Seguindo essa linha de raciocínio, o fluxo processual penal para um réu comum

é algo mais ou menos assim:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 16 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Até aí tudo certo. Entretanto, como os Ministros do STF não tem pena alguma

de nós concurseiros, vem a seguinte notícia:

Ou seja, o STF está dizendo o seguinte:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 17 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Veja que situação peculiar: a decisão ainda não transitou em julgado. Em tese,

o réu ainda possui a sua presunção de inocência, mas já pode ser preso!

Vejamos um breve trecho da decisão prolatada sobre o assunto:

STF. Plenário. HC 126292/SP, Rel. Min. Teori Zavascki, julgado em 17/02/2016.


É possível o início da execução da pena condenatória após a prolação de acórdão con-
denatório em 2º grau e isso não ofende o princípio constitucional da presunção da ino-
cência.

A decisão acima não deixa dúvidas: o STF entende que, mesmo que ainda não

exista trânsito em julgado, se houver um acórdão em 2º Grau (ou seja, uma de-

cisão de um colegiado de tribunal de 2ª Instância), o cumprimento da pena já pode

ser iniciado, e isso não fere o princípio da presunção de inocência.

Esse assunto é polêmico e necessita de um estudo mais aprofundado para que

possamos entender os motivos que levaram os Ministros do STF a decidir dessa

forma. A explicação mais elaborada para essa pergunta é matéria para uma outra

aula, específica de prisão e medidas cautelares, e não de uma aula introdutória

sobre princípios.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 18 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Por hora, o essencial é que você absorva o seguinte conceito: não fere o prin-

cípio da presunção de inocência o início da execução da pena condenatória

após a emissão de acórdão em 2º Grau, ou seja, decisão colegiada emana-

da por um Tribunal.

Esse entendimento despenca em prova e é fundamental que você o conheça

desde já, mesmo que esta seja uma aula com conceitos introdutórios da disciplina.

1.3. Princípio do juiz natural

Você já ouviu falar nos tribunais de exceção? Tribunais de exceção são aque-

les criados temporariamente para julgar um caso (ou alguns casos) após a prática

de um determinado delito.

Tribunal de Nuremberg

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 19 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Um exemplo de um tribunal de exceção está na foto acima: O Tribunal de Nu-

remberg, que foi o tribunal criado pelos aliados para julgar os nazistas por seus

crimes de guerra.

Independentemente das justificativas históricas para tal e dos horrendos crimes

praticados durante o nazismo, é bastante óbvio que um tribunal criado para

julgar um caso específico dificilmente terá garantida a sua imparcialidade.

Como consequência dessa parcialidade, historicamente, os tribunais de exceção

só costumam ser criados quando há interesse em direcionar o resultado das deci-

sões por ele tomadas.

E enquanto a guerra é uma situação peculiar e felizmente atípica, imagine as

consequências da criação de tribunais de exceção para julgar cidadãos de uma re-

pública, de acordo com o interesse político de uma determinada época? Seria uma

possibilidade bastante ameaçadora.

Para se contrapor a esse tipo de ameaça é que surge o princípio do juiz natu-

ral, que tem a função primordial de vedar a existência de tribunais de exceção.

Como consequência do princípio do juiz natural é que temos o direito de ser jul-

gados por autoridades determinadas pela lei e não de forma arbitrária, o que busca

garantir a imparcialidade do julgador.

Essa garantia tem tamanha importância que também está expressa na Consti-

tuição Federal:

CF/1988
Art. 5º. LIII – ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade
competente;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 20 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Uma questão recorrente em provas de concursos é a literalidade da Súmula 704 do

STF, que está diretamente relacionada com as garantias do princípio do juiz natural.

Súmula 704/STF
“Não viola as garantias do juiz natural, da ampla defesa e do devido processo legal a
atração por continência ou conexão do processo do corréu ao foro por prerrogativa de
função de um dos denunciados.”

Normalmente, quando a Súmula 704 é cobrada, o examinador simplesmente

utiliza a literalidade de seu conteúdo. De toda forma, cabe esclarecer que a Súmula

quer dizer é o seguinte: nos casos em que um réu comum (que não possui foro por

prerrogativa de função) for julgado em conjunto com uma autoridade que tem tal

prerrogativa (portanto seu processo será remetido para o tribunal competente para

julgar a autoridade), não haverá violação ao princípio do juiz natural.

1.4. Princípio da ampla defesa

Este princípio é importantíssimo. Em primeiro lugar, note que o princípio da am-

pla defesa também está previsto de forma expressa na Constituição Federal:

CF/1988
Art. 5º. LV – aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em
geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela
inerentes;

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 21 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

A ampla defesa é um princípio essencial ao devido processo legal, pois garante

que o acusado disponha de todos os meios lícitos para defender seus direitos. É

divido em dois elementos: a autodefesa e a defesa técnica.

É interessante notar que o elemento da autodefesa acaba resultando em ou-

tras duas prerrogativas do acusado:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 22 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Você sabe o que é a revisão criminal? A revisão criminal é uma espécie de ação
judicial na qual um condenado, cuja sentença inclusive já transitou em julgado,
requer ao tribunal que o condenou a revisão de sua sentença, sob alegação de que
houve um erro, por exemplo.

Graças ao princípio da ampla defesa é que o condenado possui o direito de soli-


citar a revisão criminal. É interessante notar que, no entanto, o Estado (por meio
do Ministério Público) não tem o direito de pedir a revisão criminal em desfavor do
condenado.
Outra consequência importante da ampla defesa é o dever do magistrado de
fiscalizar a eficiência da defesa técnica do réu. Caso o juiz perceba que a defe-
sa técnica está causando prejuízo à situação do réu, pode ele próprio nomear outro
defensor ou fazer com que o acusado encontre um.

Quanto ao princípio da ampla defesa, temos uma jurisprudência recorrente em


provas de concursos:

Súmula 523/STF
No processo penal, a falta da defesa constitui nulidade absoluta, mas a sua deficiência
só o anulará se houver prova de prejuízo para o réu.

Essa súmula apenas materializa o que já falamos: quando a defesa técnica é


deficiente, só acarretará nulidade se houver prova de que o réu foi efetivamente
prejudicado pela deficiência em sua defesa. No entanto, se simplesmente não hou-

ve defesa técnica (ausência de defesa técnica), a nulidade será absoluta.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 23 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

1.5. Princípio do favor rei, favor libertatis ou in dubio pro reo

Também conhecido como princípio da prevalência do interesse do réu, este é um

dos princípios mais famosos do Direito Processual Penal.

Com certeza você já sabe qual a garantia proposta por esse princípio: havendo

dúvida entre a tese da acusação e da defesa, prevalecerão os interesses do réu.

Aqui se torna interessante retomar a situação do réu que alega ter matado al-

guém em legítima defesa. Quando abordamos o assunto, afirmei que o réu, ao

assumir que matou e alegar que o fez para se defender (de forma legítima), deverá

provar sua alegação.

Entretanto, o que acontece se ao final do julgamento, os jurados não tiverem

certeza se o acusado agiu ou não em legítima defesa?

A resposta, você já sabe: por força do princípio do favor rei, o réu deverá ser

absolvido.

Além disso, existe uma outra consequência interessante desse princípio. Imagine

que um juiz, ao interpretar a lei, chegue a duas respostas distintas, ou seja, houve

dúvida na interpretação da lei, e ele deverá escolher entre duas hipóteses diferen-

tes. Nesse caso, a escolha é simples: o juiz deverá utilizar a interpretação que

seja mais benéfica ao réu, ou seja, a interpretação favorável ao acusado.

1.6. Princípio da duração razoável do processo

Temos aqui mais um princípio para o qual o constituinte deu grande importân-

cia, visto que o inseriu de forma expressa no art. 5º da CF/1988:

CF/1988
Art. 5º. LXXVIII – a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a ra-
zoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 24 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

O princípio da duração razoável do processo, na verdade, é praticamente auto-


explicativo. Para que a prestação jurisdicional seja efetiva, deve ser realizada em
um tempo razoável.
Como já asseverou a própria presidente do Supremo Tribunal Federal: “O cida-
dão já sabe que essa história de que a Justiça tarda, mas não falha, não é verda-
deira. Justiça que tarda, falha.” (Ministra Carmen Lúcia).
Nesse sentido, percebe-se que a duração razoável do processo está intimamen-
te relacionada com outros princípios, como o da economia processual e da cele-
ridade, no sentido de que o Estado deve atuar sempre de forma eficiente e rápida.
Além disso, temos ainda um outro princípio subsidiário, que é o chamado prin-
cípio da duração razoável das prisões cautelares.
Vejamos um exemplo prático da aplicação desse princípio:

No caso acima, o STF utilizou justamente a previsão do princípio da duração


razoável das prisões cautelares como fundamentação para a revogação de uma
prisão preventiva que se estendia por um prazo superior a um ano.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 25 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

1.7. Princípio da intranscendência

O princípio da intranscendência é bem mais simples do que os que estudamos

até agora. Sua premissa é a de vedar a instauração de qualquer procedimento pe-

nal contra pessoa que não seja a que praticou a conduta criminosa.

Seria absurdo, por exemplo, que um processo penal fosse instaurado para punir

o filho por um crime praticado por seu pai e é esse o tipo de abuso que o princípio

da intranscendência visa coibir.

1.8. Princípio da autoritariedade

A persecução penal é algo muito sério. Afinal de contas, meramente acusar um

indivíduo da prática de um ilícito penal já é capaz de gerar sérias consequências

para sua vida particular.

Por conta dessa seriedade é que se restringe a capacidade de iniciar os procedi-

mentos relacionados à persecução penal a autoridades públicas.

Nesse sentido, apenas a autoridade policial (delegado de polícia) e os promoto-

res e procuradores de justiça tem legitimidade para atuar propondo a instauração,

respectivamente, de inquéritos policiais e de processos penais.

Existe uma exceção ao princípio da autoritariedade, na chamada ação penal pri-

vada. Neste tipo de ação penal, o direito de queixa é de um particular, e não da

autoridade pública.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 26 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Quanto à ação penal privada, não iremos aprofundar muito, pois essa é uma

matéria que também deve ser abordada em um outro contexto e não na aula de

princípios. Por hora, confie em mim: basta que você saiba que existe essa exceção.

1.9. Princípio do duplo grau de jurisdição

Antes de falar desse princípio, é necessário apresentar o chamado Pacto de San

José da Costa Rica.

A Convenção Interamericana de Direitos Humanos, também chamada de Pacto de

San José da Costa Rica, é um tratado internacional de direitos humanos promulga-

do pelo Decreto n. 678/1992.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 27 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

É essencial conhecer sua existência, pois tal diploma, na qualidade de tratado

internacional de direitos humanos, tem eficácia supralegal segundo o STF, ou

seja, em nosso país, está acima das leis ordinárias e abaixo da Constituição

Federal.

Esse pacto possui inúmeras consequências importantes em nosso ordenamento

jurídico. Vejamos uma delas:

Pacto de San José da Costa Rica


7. Ninguém deve ser detido por dívidas. Este princípio não limita os mandados de au-
toridade judiciária competente expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação
alimentar.

Esse inciso, previsto no art. 7º do pacto, ensejou a elaboração da Súmula Vin-

culante 25 do STF, que tornou ilícita a prisão do depositário infiel, anteriormente

prevista em nossa legislação:

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 28 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Agora que já conhecemos o Pacto de San José e algumas de suas consequ-

ências jurídicas em nosso país, podemos, finalmente, apresentar outra previsão

importante nele contida: a do direito ao duplo grau de jurisdição. Veja só:

Pacto de San José da Costa Rica


“Toda pessoa privada da liberdade tem direito a recorrer a um juiz ou tribu-
nal competente, a fim de que este decida, sem demora, sobre a legalidade de sua
prisão ou detenção e ordene sua soltura, se a prisão ou a detenção forem ilegais.
Nos Estados-partes cujas leis preveem que toda pessoa que se vir ameaçada de ser
privada de sua liberdade tem direito a recorrer a um juiz ou tribunal competente,
a fim de que este decida sobre a legalidade de tal ameaça, tal recurso não pode ser
restringido nem abolido. O recurso pode ser interposto pela própria pessoa ou por
outra pessoa. “

O duplo grau de jurisdição, portanto, é o princípio do direito processual

penal, expressamente reconhecido na Convenção Interamericana de Direitos

Humanos, que garante ao indivíduo o direito de revisão de sua causa em

uma instância superior.

Por força desse princípio, não há que se falar em um julgamento único, todo

indivíduo tem direito à reavaliação de seu pleito perante a Justiça.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 29 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

1.10. Princípio da vedação da dupla punição ou ne bis in idem

Também previsto no Pacto de San José da Costa Rica, este é um princípio tão

importante quanto é simples de entender: existe para impedir que um indivíduo

responda judicialmente duas vezes por um mesmo fato delitivo.

Na imagem acima, temos um exemplo prático da aplicação do princípio do ne

bis in idem. A autora já havia sido julgada pelo fato perante a Justiça Militar e es-

tava respondendo novamente a um processo judicial pelos mesmos fatos, o que é

vedado pelo princípio em comento.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 30 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Existem duas consequências práticas da observação do princípio da vedação da

dupla punição:

• Segundo o STF, caso duas ações penais sobre o mesmo fato estejam trami-

tando ao mesmo tempo, a segunda ação penal será considerada nula;

• Veda-se a instauração de novo processo após o trânsito em julgado de sua

absolvição.

1.11. Princípio da publicidade

O princípio da publicidade garante que os atos processuais – mesmo relaciona-

dos à aplicação do direito penal – sejam em regra, públicos. O cidadão, em um

contexto democrático como o estruturado pela CF/1988, tem o direito de ser comu-

nicado de todos os atos que são praticados pelo Estado.

Apenas excepcionalmente é que, estando presentes alguns requisitos, um de-

terminado procedimento pode ser considerado sigiloso, como é o caso, por exem-

plo, de um inquérito policial.

Mesmo assim, a justificativa deve ser sólida o suficiente para justificar a nega-

tiva de informações por parte do Estado a seu povo. No caso do inquérito policial,

por exemplo, o sigilo se baseia na defesa da intimidade do investigado. Afinal

de contas, ele pode ser inocente e a mera divulgação de que está sendo alvo de um

inquérito policial já é suficiente para trazer consequências à sua vida.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 31 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Outro motivo capaz de justificar a vedação temporária do princípio da publicida-

de é o interesse social.

Audiência de terrorista preso na Suécia foi realizada a portas fechadas.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 32 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

No exemplo acima, veja que o magistrado decidiu realizar a audiência a portas

fechadas e sob forte esquema de segurança, ato que busca a preservação da ordem

pública (um interesse social) em detrimento da publicidade dos atos processuais,

caracterizando exceção perfeitamente lícita ao princípio da publicidade.

1.12. Princípio da vedação das provas ilícitas

Este princípio é um dos que despenca em provas de concursos, seja nas ques-

tões objetivas ou nas discursivas. Assim como alguns outros princípios do Direito

Processual Penal, ele é quase autoexplicativo: seu objetivo é proibir a utilização de

provas ilícitas nos processos.

Sua importância é tamanha que é citado de forma expressa tanto na Constitui-

ção Federal quanto no CPP:

Constituição Federal CPP


Art. 5º. LVI – são inadmissíveis, no processo, Art. 157. São inadmissíveis, devendo ser
as provas obtidas por meios ilícitos; desentranhadas do processo, as provas
ilícitas, assim entendidas as obtidas em
violação a normas constitucionais ou
legais.
§ 1º São também inadmissíveis as provas
derivadas das ilícitas, salvo quando não
evidenciado o nexo de causalidade entre
umas e outras, ou quando as derivadas
puderem ser obtidas por uma fonte inde-
pendente das primeiras.

Mas, professor, o que acontece quando o juiz identifica que há uma prova ilícita

no processo? Essa é uma questão muito pertinente. Via de regra, a solução é sim-

ples: a prova ilícita deve ser desentranhada (removida) do processo, e pronto.

Não poderá ser utilizada para embasar a condenação do acusado.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 33 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Caso uma prova ilícita não senha desentranhada do processo, mas o juiz não a

utilize para fundamentar sua decisão de condenar o réu, essa prova não irá con-

taminar a decisão prolatada, e nem o processo como um todo.

Ou seja: se a prova não for utilizada, não há problema, pois não haverá prejuízo

ao acusado. Entretanto, se a fundamentação contar com a prova ilícita identificada,

estaremos diante de uma nulidade absoluta da decisão.

Outro ponto importante sobre esse princípio está no § 1º do art. 157:

Art. 157. § 1º São também inadmissíveis as provas derivadas das ilícitas, salvo quando
não evidenciado o nexo de causalidade entre umas e outras, ou quando as derivadas
puderem ser obtidas por uma fonte independente das primeiras.

Aqui temos as chamadas provas ilícitas por derivação, cujo conteúdo é objeto

de estudo da aula de provas. Em uma abordagem inicial, basta saber que provas

ilícitas tem o poder de contaminar outras provas que derivarem delas.

É claro que existem condições que devem ser avaliadas para determinar se uma

determinada prova foi contaminada pela ilicitude de outra, mas isso é assunto para

outro momento, e não para uma aula introdutória.

Por hora, o importante é finalizar esse assunto sabendo o seguinte:

• O princípio de vedação das provas ilícitas impede a utilização deste tipo de

evidências no processo penal;

• Provas ilícitas devem ser, via de regra, desentranhadas do processo, e não

podem ser utilizadas para embasar uma condenação;

• Provas ilícitas podem contaminar provas derivadas.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 34 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Excepcionalmente, provas ilícitas podem ser utilizadas em favor do acusado, para


provar sua inocência (pro reo).

1.13. Princípio da plenitude de defesa

Antes mesmo de tratar do conceito deste princípio, já devemos deixar claro o


seguinte: o princípio da plenitude de defesa não se aplica a todo o tipo de
procedimento penal, mas apenas aos procedimentos do tribunal do júri!
Agora que você já sabe disso, podemos explicar esse princípio e a razão pela
qual ele não é aplicável em todas as esferas.
Quase todo mundo sabe que os crimes dolosos contra a vida, como o homi-
cídio doloso, por exemplo, receberam um tratamento especial em nossa Constitui-
ção, sendo direcionados para julgamento perante o tribunal do júri e não perante
um juiz comum.
Essa escolha denota a maior seriedade com que são tratadas as acusações de
crimes dolosos contra a vida, possibilitando que o réu seja julgado por seus seme-
lhantes (outros cidadãos brasileiros) e não por um único magistrado.
Essa mudança no procedimento traz consigo uma consequência que agrava um
pouco a situação do acusado: o voto dos jurados é sigiloso, o que dispensa a
fundamentação da decisão tomada. É o que chamamos de sistema da íntima
convicção.
Com isso, veja que o júri não depende de uma análise muito técnica do conjunto
probatório. Se os jurados se sentirem convencidos da materialidade e da autoria
do delito por parte do réu, poderão condená-lo sem estar vinculados a fundamen-
tar juridicamente sua escolha. O jurado decide conforme sua íntima convicção, e

pronto!
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 35 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Com isso, veja que o trabalho da defesa em desconstituir os argumentos da

acusação se torna mais pesado do que seria diante de um magistrado, que é espe-

cialista em Direito e que deve analisar o conjunto probatório de uma maneira mais

formal.

Diante desse cenário, surge a pergunta: Como fazer para tornar o procedi-

mento do júri mais equilibrado, garantindo ao réu meios de se defender

diante da maior autonomia dos jurados?

E a resposta está no princípio da plenitude de defesa, que permite ao réu, no

âmbito do tribunal do júri, a utilização de argumentos que não seriam válidos pe-

rante um juiz singular, tais como justificativas de cunho moral, social e até mesmo

sentimentais.

Em outras palavras: a plenitude de defesa assegura ao acusado o direito de uti-

lizar uma argumentação mais ampla para assegurar seu direito a liberdade do que

poderia ser feito em um tribunal comum, atendendo às peculiaridades do tribunal

do júri.

Por fim, é importante notar que esse princípio está previsto expressamente

em nossa CF:

CF/1988
Art. 5º. XXXVIII – é reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe der
a lei, assegurados:
a) a plenitude de defesa;

1.14. Princípio da paridade de armas ou igualdade processual

É fato que o Estado possui uma estrutura jurídica para amparar suas atividades,

por meio de órgãos como o Ministério Público, Advocacia Geral da União, seus tri-

bunais, entre tantos outros.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 36 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Além disso, via de regra, cabe a este mesmo Estado, como todo o seu aparato

jurídico, iniciar a persecução penal para punir aqueles que venham a transgredir a

Lei Penal.

Deste ponto de vista, veja que um cidadão comum, que muitas vezes sequer

possui um advogado, ao ter um processo penal instaurado contra si, fica numa si-

tuação de desigualdade perante o Estado, que possui muito mais recursos para

atuar do que um cidadão comum.

É de olho nessa desigualdade que surge o princípio da paridade de armas,

que visa assegurar que ambas as partes do processo (seja o acusador, na figura

do Ministério Público, quanto o réu) possuam iguais condições de defender suas

alegações, o que é absolutamente necessário para que o resultado do julgamento

seja verdadeiramente justo e imparcial.

Como consequência do princípio da paridade de armas é que surgem diversas

prerrogativas, tais como:

• Direito a tempos iguais para ambas as partes apresentarem suas alegações;

• Direito à defesa técnica ao acusado que não possuir dinheiro para pagar um

advogado, que será atendido por um defensor dativo ou por um defensor

público.

1.15. Princípio do contraditório

O princípio do contraditório, comumente abordado em conjunto com o princípio

da ampla defesa, está diretamente relacionado com o devido processo legal.

Para que o processo penal seja legítimo, é absolutamente necessária a existên-

cia do contraditório, ou seja, de ouvir a outra parte sobre os fatos e provas apre-

sentados no curso do processo.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 37 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Dessa forma, uma determinada prova da materialidade e de autoria de um cri-

me só será válida para condenar o acusado após submetida ao contraditório

em juízo. Ou seja: o réu deve ser intimado da prova apresentada contra ele e tam-

bém deve ter a oportunidade de se manifestar sobre ela. Só então haverá validade

de tal prova para fundamentar uma decisão sobre o caso.

É importante notar que este é mais um dos princípios previstos expressamen-

te na Constituição Federal:

CF/1988
Art. 5º. LV – Aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em
geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela
inerentes;

O princípio do contraditório é ponto chave no estudo do Direito Processual Pe-

nal, e no decorrer da abordagem dos demais assuntos de nossa disciplina, ainda

falaremos muito sobre ele.

1.16. Princípio da demanda ou da iniciativa das partes

Ao estudar o princípio da autoritariedade, verificamos que a persecução penal é

iniciada, via de regra, por meio da instauração de um inquérito policial ou mesmo

pelo oferecimento de uma denúncia, atos que são realizados respectivamente pelo

delegado de polícia e pelo promotor de justiça.

Dessa forma, temos a vigência do chamado sistema acusatório, em que a

função de acusar e de julgar é sempre exercida por pessoas distintas.

Um juiz não pode, ele próprio, investigar, oferecer a denúncia e condenar. Essa

atitude é própria de sistemas inquisitórios e que obviamente não são nada impar-

ciais. Afinal de contas, quão justo pode ser um julgamento proferido pela mesma

pessoa que investigou o e denunciou o acusado?


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 38 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

A prevalência do sistema acusatório e de julgamentos imparciais decorre justa-

mente do chamado princípio da demanda, que impede que o juiz inicie a perse-

cução penal de ofício, ou seja, sem ser provocado por um terceiro.

Outra consequência importante desse princípio é a limitação das ações do ma-

gistrado, que só pode julgar o caso nos limites da denúncia, não podendo

extrapolar seu conteúdo.

1.17. Princípio da não autoincriminação ou nemo tenetur se


detegere

Esse eu aposto que você conhece. Afinal de contas, falar desse princípio virou

moda por causa do etilômetro (vulgo bafômetro), objeto que tanto aterroriza os

motoristas que ainda insistem em dirigir embriagados.

Toda vez que um agente de trânsito aparece com o aparelho, já está pronto

para ouvir do condutor do veículo a velha alegação: “não vou assoprar – não sou

obrigado pois ninguém é obrigado a gerar prova contra si mesmo”.

Deixando a lei seca e suas implicações de lado, eu tenho que admitir que o

exemplo nos atende muito bem, pois demonstra justamente uma aplicação prática

do princípio do nemo tenetur se detegere.

Cuidado para não restringir a aplicação do princípio em comento apenas ao

âmbito dos delitos de trânsito. Este foi apenas um exemplo para contextualização.

O princípio da não autoincriminação é aplicável em toda a esfera penal, de for-

ma que ninguém é obrigado a fornecer material genético, assoprar etilômetro ou

mesmo a participar de qualquer ato que possa incriminá-lo (tal como uma reprodu-

ção simulada dos fatos) se não o quiser.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 39 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Observe que, no entanto, uma vez que o indivíduo se voluntariar a participar do

ato, por exemplo, um indivíduo que aceita fazer o teste do etilômetro, não poderá

mais voltar atrás para anular a prova que produziu contra si, ela será perfeitamente

válida.

1.18. Princípios da Oficiosidade e Oficialidade

E finalmente chegamos aos dois últimos princípios da aula de hoje!

Em primeiro lugar, temos o princípio da oficiosidade.

Você considera aceitável que a polícia judiciária, ao tomar conhecimento de um

homicídio, por exemplo, quando uma viatura se depara com um corpo no chão,

ferido por três disparos de arma de fogo, se omita e não faça nada para apurar o

caso? É claro que a resposta é negativa.

E quem garante que os órgãos estatais não possam se omitir e tenham o dever

de agir de ofício (sem serem provocados) em determinados casos é justamente o

princípio da oficiosidade!

Em segundo lugar, temos o princípio da oficialidade, que por sua vez, está

relacionado com o princípio da autoritariedade. Assim como a persecução penal

deve ser iniciada por autoridades públicas (delegados de polícia e promotores ou

procuradores), a persecução penal também deve ser exercida por órgãos oficiais

do Estado, o que veda sua delegação a particulares.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 40 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

“Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência não é um ato – é um hábito. ” (Aris-
tóteles)

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 41 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

RESUMO

Caro aluno, chegamos ao fim de nossa aula. Mas, antes que possamos seguir

para os exercícios, vamos revisar os conceitos aprendidos!

Direito substantivo:

• Define relações concretas de Direito;

• Também chamado de Direito material;

• Exemplo: Direito Penal.

Direito adjetivo:

• Define normas e procedimentos;

• Também chamado de Direito formal ou processual;

• Exemplo: Direito Processual Penal.

Conceito de Direito Processual Penal: conjunto de princípios e normas que

disciplinam a aplicação do Direito Penal material.

Finalidade do Direito Processual Penal: permitir ao Estado o exercício do

jus puniendi (do direito de punir).

Princípios

Conceitos:

• Mandamento nuclear de um sistema;

• Postulado que irradia por todas as normas que o compõem.

Princípios propriamente ditos:

• Due process of law: garante que a aplicação de punições penais só sejam

efetivadas se o réu foi submetido a um processo penal com todas as garantias


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 42 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

a ele inerentes;

• Presunção de inocência: determina que ninguém será considerado culpado

antes do transito em julgado da sentença penal condenatória;

• Juiz natural: veda a existência de tribunais de exceção, garantido que o

acusado seja julgado de forma imparcial e por uma autoridade determinada

previamente pela lei;

• Ampla defesa: divide-se em defesa técnica e autodefesa, e tem por premis-

sa garantir que o acusado disponha de todos os meios lícitos para se defender

da denúncia prestada contra ele;

• Favor rei: mandamento que garante que no caso de dúvida entre a tese da

defesa e da acusação, deve prevalecer o interesse do acusado;

• Princípio da duração razoável do processo: determina que o Estado, na

persecução penal, deve agir de forma eficiente em sua prestação jurisdicional;

• Princípio da intranscendência: veda que a persecução penal se estenda

para além da pessoa que praticou a conduta criminosa;

• Princípio da autoritariedade: princípio que restringe a instauração da per-

secução penal a autoridades públicas legalmente constituídas para esse fim;

• Duplo grau de jurisdição: garante o direito à revisão da causa, que deve

sempre ser reavaliada ao menos perante uma instância além da que original-

mente condenou o acusado;

• Ne bis in idem: veda que o acusado seja julgado e punido duas vezes pelo

mesmo fato;

• Publicidade: garante que, em regra, os atos processuais sejam públicos;

• Vedação das provas ilícitas: princípio que determina que provas ilícitas

sejam desentranhadas do processo e não sejam utilizadas para fundamentar

a condenação do réu;
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 43 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

• Plenitude de defesa: relacionado ao tribunal do júri, amplia os recursos

inerentes à argumentação da defesa, para garantir maior efetividade de sua

atuação perante jurados que podem decidir por meio da íntima convicção;

• Paridade de armas: princípio que preza pelo equilíbrio entre as partes, que

devem ter iguais condições de defender suas teses;

• Contraditório: determina que os atos processuais, em regra, devem ser

cientificados a ambas as partes, que terão o direito de se manifestar sobre

eles para que sejam considerados válidos;

• Princípio da demanda: veda que o magistrado inicie a persecução penal de

ofício, prezando pelo sistema acusatório, no qual o acusador e o julgador são

pessoas distintas;

• Princípio da não autoincriminação: garante ao cidadão o direito de não

gerar prova contra si;

• Princípio da oficiosidade: rege que os órgãos públicos, em regra, atuem de

ofício quando se depararem diante de situações que ensejam a persecução

penal;

• Princípio da oficialidade: rege que a persecução penal seja realizada por

órgãos oficiais do estado.


“É engraçado. Quanto mais eu pratico, mais sorte eu tenho!”
(Arnold Palmer, campeão mundial de Golfe)

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 44 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

QUESTÕES DE CONCURSO

1. (CESPE/CÂMARA DOS DEPUTADOS/TÉCNICO LEGISLATIVO) Ainda que o contra-

ditório e a ampla defesa não sejam observados durante a realização do inquérito

policial, não serão inválidas a investigação criminal e a ação penal subsequente.

2. (CESPE/PC-BA/INVESTIGADOR) A presunção de inocência da pessoa presa em

flagrante delito, ainda que pela prática de crime inafiançável e hediondo, é razão,

em regra, para que ela permaneça em liberdade.

3. (CESPE/TJDFT/TÉCNICO JUDICIÁRIO) O condenado pela prática do crime de

estupro que recorrer da sentença penal condenatória não poderá ser considerado

culpado da infração enquanto não transitar em julgado sua condenação.

4. (CESPE/TJDFT/TÉCNICO JUDICIÁRIO) Em processo penal, ninguém pode ser

forçado a produzir prova contra si mesmo. Por outro lado, a recusa em fazê-lo pode

acarretar presunção de culpabilidade pelo crime.

5. (CESPE/TJDFT/ANALISTA) A autodefesa, que, pelo princípio da ampla defesa, é

imposta ao réu, é irrenunciável.

6. (CESPE/TJ-AC/TÉCNICO JUDICIÁRIO) Aos litigantes, em processo judicial ou

administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla

defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.

7. (CESPE/TJ-AC/TÉCNICO JUDICIÁRIO) O princípio da presunção de inocência ou

da não culpabilidade subsiste durante todo o processo e tem o objetivo de garantir

o ônus da prova à acusação até declaração final de responsabilidade por sentença


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 45 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

penal condenatória transitada em julgado.

8. (CESPE/TJ-AC/TÉCNICO JUDICIÁRIO) É assegurado, de forma expressa, na nor-

ma fundamental, o direito de qualquer acusado à plenitude de defesa em toda e

qualquer espécie de procedimento criminal.

9. (CESPE/PC-ES/DELEGADO DE POLÍCIA) De acordo com a doutrina e a jurispru-

dência pátrias, são inadmissíveis, em qualquer hipótese, provas ilícitas ou ilegíti-

mas no processo penal brasileiro.

10. (CESPE/STM/ANALISTA) De acordo com doutrina e a jurisprudência, os princí-

pio da ampla defesa e da plenitude de defesa são sinônimos, visto que ambos têm

por escopo assegurar ao acusado o acesso aos instrumentos normativos hábeis ao

exercício da defesa.

11. (CESPE/STM/ANALISTA) Entende-se por devido processo legal a garantia do

acusado de não ser privado de sua liberdade em um processo que seguiu a forma

estabelecida na lei; desse princípio deriva o fato de o descumprimento de qualquer

formalidade pelo juiz ensejar a nulidade absoluta do processo, por ofensa a esse

princípio.

12. (CESPE/STM/ANALISTA JUDICIÁRIO) Os efeitos causados pelo princípio cons-

titucional da presunção de inocência no ordenamento jurídico nacional incluem a

inversão, no processo penal, do ônus da prova para o acusador.

13. (CESPE/MPU/ANALISTA JUDICIÁRIO) O sistema normativo processual penal e

a jurisprudência vedam, de forma absoluta, expressa e enfática, a utilização, pelas

partes, em qualquer hipótese, de prova ilícita no processo penal.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 46 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

14. (CESPE/DPU/DEFENSOR PÚBLICO) Parte da doutrina manifesta-se contraria-

mente à expressa previsão legal de cabimento da condução coercitiva determinada

para simples interrogatório do acusado, como corolário do direito ao silêncio.

15. (CESPE/DPU/DEFENSOR PÚBLICO) Segundo entendimento sumulado do STF, o

advogado de defesa não pode pedir, em alegações finais, a qualquer título, a con-

denação do acusado, sob pena de nulidade absoluta, por violação ao princípio da

ampla defesa.

16. (FCC/MPE-SE/TÉCNICO DO MP) A condenação de um réu sem defensor viola o

princípio

a) da oficialidade.

b) da publicidade.

c) do juiz natural.

d) da verdade real.

e) do contraditório.

17. (FCC/AL-SP/PROCURADOR) Constitui corolário do princípio do contraditório e

da ampla defesa:

a) a indisponibilidade do processo.

b) a imediatidade.

c) a isonomia processual.

d) a indeclinabilidade da jurisdição penal.

e) o duplo grau de jurisdição.

18. (FCC/DPE-PR/DEFENSOR) Os princípios constitucionais aplicáveis ao processo

penal incluem

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 47 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

a) indisponibilidade.

b) verdade real.

c) razoável duração do processo.

d) identidade física do juiz.

e) favor rei.

19. (FCC/MPE-AP/TÉCNICO ADMINISTRATIVO) O princípio constitucional que asse-

gura ao acusado o direito de ampla defesa, em processo em que seja assegurada a

igualdade das partes, denomina-se princípio

a) do juiz natural.

b) do estado de inocência.

c) da verdade real.

d) da obrigatoriedade.

e) do contraditório.

20. (FCC/DPE-PA/DEFENSOR PÚBLICO) O princípio da ampla defesa no processo

penal, de acordo com a Constituição Federal, aplica-se a todos os brasileiros

a) em gozo de seus direitos políticos.

b) sem distinção de qualquer natureza.

c) e estrangeiros amparados por tratados de reciprocidade.

d) natos.

e) e estrangeiros residentes no país.

21. (FCC/CAIXA/ADVOGADO) A regra que, no processo penal, atribui à acusação,

que apresenta a imputação em juízo através de denúncia ou de queixa- crime, o


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 48 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

ônus da prova é decorrência do princípio

a) do contraditório.

b) do devido processo legal.

c) do Promotor natural.

d) da ampla defesa.

e) da presunção de inocência.

22. (FCC/DPE-MA/DEFENSOR PÚBLICO) A necessidade de assegurar que as partes

gozem das mesmas oportunidades e faculdades processuais consiste o conteúdo

do princípio processual

a) da paridade de armas.

b) do contraditório.

c) da ampla defesa.

d) da identidade física do juiz.

e) do estado de inocência.

23. (FCC/MPU/ANALISTA) Dispõe o art. 5º, inciso XXXVII da Constituição da Repú-

blica Federativa do Brasil que “Não haverá juízo ou Tribunal de exceção; inciso LIII?

Ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente”.

Tais disposições consagram o princípio

a) da presunção de inocência.

b) da ampla defesa.

c) do devido processo legal.

d) da dignidade.

e) do juiz natural.

24. (FCC/PREFEITURA DE SP/AUDITOR FISCAL) O juiz de determinada comarca,

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 49 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

ao receber a denúncia formulada pelo Ministério Público contra o autor de um crime

de peculato, considerou desnecessária a produção de provas e o interrogatório do

réu e julgou antecipadamente a lide, condenando-o à pena de 6 anos de reclusão

e multa. Essa decisão violou o princípio constitucional

a) do devido processo legal.

b) da anterioridade da lei penal.

c) da presunção de inocência.

d) do juiz natural.

e) da intervenção mínima.

25. (FCC/MPE-CE/PROMOTOR DE JUSTIÇA) O art. 10 da Declaração Universal dos

Direitos do Homem, proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em Pa-

ris, aos 10 de dezembro de 1948, consagra que toda pessoa tem direito, em condi-

ções de plena igualdade, de ser ouvida publicamente e com justiça por um tribunal

independente e imparcial, para a determinação de seus direitos e obrigações ou

para exame de qualquer acusação contra ela em matéria penal.

O princípio do processo penal que se adequa a essa redação é o

a) do juiz natural.

b) da ampla defesa.

c) do contraditório.

d) do duplo grau de jurisdição.

e) da publicidade.

26. (FCC/MPE-CE/PROMOTOR DE JUSTIÇA) NÃO se trata de garantia processual


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 50 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

expressa na Constituição da República:


a) a liberdade provisória.
b) a identificação do responsável pelo interrogatório policial.
c) a publicidade restrita.
d) o cumprimento da pena em estabelecimento distinto em razão da natureza do
delito.
e) o duplo grau de jurisdição.

27. (CESPE/TJ-SE/JUIZ) Os princípios constitucionais aplicáveis ao processo penal


incluem
a) a publicidade.
b) a verdade real.
c) a identidade física do juiz.
d) o favor rei.
e) a indisponibilidade.

28. (FUNCAB/PC-PA/DELEGADO) Leia as frases a seguir e a partir dos respectivos


conteúdos responda.
1) “Esse princípio fundamental de civilidade representa o fruto de uma opção
garantista a favor da tutela da imunidade dos inocentes” (Luigi Ferrajoli).
2) “Basta ao corpo social que os culpados sejam geralmente punidos, pois é seu
maior interesse que todos os inocentes sem exceção sejam protegidos” (Lau-
zé di Peret).
3) “A metafísica do direito penal propriamente dita é destinada a proteger os
culpados dos excessos da autoridade social; a metafísica do direito processual
tem por missão proteger dos abusos e dos erros da autoridade todos os cida-
dãos inocentes e honestos” (Francesco Carrara).

Qual princípio a seguir melhor sintetiza o conteúdo, as idéias e as preocupações


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 51 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

acima expostas?

a) Princípio da verdade real

b) Devido processo penal

c) Ampla defesa contraditório

d) Nemo tenetur se detegere

e) Presunção de inocência

29. (VUNESP/TJ-SP/TITULAR DE SERVIÇOS NOTARIAIS) Dos princípios constitu-

cionais do processo penal a seguir enumerados, assinale o que admite que a legis-

lação infraconstitucional estabeleça exceções.

a) Princípio do contraditório.

b) Princípio da publicidade.

c) Princípio da presunção da inocência.

d) Princípio da imunidade à autoacusação.

30. (VUNESP/TJ-PA/JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO) Em matéria processual penal,

o duplo grau de jurisdição

a) não é previsto expressamente pela Convenção Americana de Direitos Humanos,

mas é pela CR/88.

b) não é previsto expressamente pela CR/88, mas é pela Convenção Americana de

Direitos Humanos

c) não é previsto expressamente nem pela CR/88 nem pela Convenção Americana

de Direitos Humanos.

d) é direito fundamental previsto expressamente tanto pela CR/88 quanto pela

Convenção Americana de Direitos Humanos.

e) é garantia fundamental prevista expressamente tanto pela CR/88 quanto pela

Convenção Americana de Direitos Humanos.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 52 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

QUESTÕES COMENTADAS

1. (CESPE/CÂMARA DOS DEPUTADOS/TÉCNICO LEGISLATIVO) Ainda que o contra-

ditório e a ampla defesa não sejam observados durante a realização do inquérito

policial, não serão inválidas a investigação criminal e a ação penal subsequente.

Embora ainda não tenhamos estudado o inquérito policial, já é importante ressal-

tar essa exceção. O IP, ao contrário da ação penal que este poderá embasar, é um

procedimento inquisitório (e não acusatório), caso em que não está submetido aos

princípios do contraditório e ampla defesa. Veja que tal característica é uma exceção

à regra em nosso processo penal – que desde já você precisa conhecer – mas que

é normalmente estudada em detalhes quando estamos tratando do tema Inquérito.

2. (CESPE/PC-BA/INVESTIGADOR) A presunção de inocência da pessoa presa em

flagrante delito, ainda que pela prática de crime inafiançável e hediondo, é razão,

em regra, para que ela permaneça em liberdade.

É exatamente isso. Embora essa situação, via de regra, cause revolta na sociedade,

visto que as pessoas em geral não conhecem o princípio do processo penal, a liber-

dade provisória daqueles que são encontrados em flagrante acaba se fundamen-

tando no princípio da presunção de inocência. O acusado, nessa situação, ainda não

teve uma sentença condenatória transitada em julgado, e como determina nossa

CF/1988, até que isso ocorra, deve ser considerado inocente, por mais absurdo que

isso possa parecer.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 53 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

3. (CESPE/TJDFT/TÉCNICO JUDICIÁRIO) O condenado pela prática do crime de

estupro que recorrer da sentença penal condenatória não poderá ser considerado

culpado da infração enquanto não transitar em julgado sua condenação.

Assim como observado na questão anterior, por mais que já exista uma conde-

nação, se essa ainda não tiver transitado em julgado, ainda não cessa o efeito do

princípio da presunção de inocência.

4. (CESPE/TJDFT/TÉCNICO JUDICIÁRIO) Em processo penal, ninguém pode ser

forçado a produzir prova contra si mesmo. Por outro lado, a recusa em fazê-lo pode

acarretar presunção de culpabilidade pelo crime.

A recusa em produzir prova contra si é direito do acusado, baseada no princípio do

nemo tenetur se detegere. Nesse sentido, a utilização desse direito não pode ser

interpretada em desfavor do acusado de forma alguma.

5. (CESPE/TJDFT/ANALISTA) A autodefesa, que, pelo princípio da ampla defesa, é

imposta ao réu, é irrenunciável.

Lembre-se de que a ampla defesa resulta em direito a duas espécies de defesa:

autodefesa e defesa técnica. Nesse sentido, apenas a defesa técnica é indisponível.

A autodefesa (que pode ser exercida, por exemplo, durante o interrogatório), é

perfeitamente disponível e renunciável – o réu só a exercerá se quiser.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 54 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

6. (CESPE/TJ-AC/TÉCNICO JUDICIÁRIO) Aos litigantes, em processo judicial ou

administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla

defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.

Questão bem fácil, sequer elaborou muito sobre os princípios, o examinador sim-

plesmente copiou e colou a letra da CF/1988, art. 5º, LV.

7. (CESPE/TJ-AC/TÉCNICO JUDICIÁRIO) O princípio da presunção de inocência ou

da não culpabilidade subsiste durante todo o processo e tem o objetivo de garantir

o ônus da prova à acusação até declaração final de responsabilidade por sentença

penal condenatória transitada em julgado.

Enquanto tramita o processo, ou seja, a sentença não transitou em julgado e ainda

é possível algum tipo de recurso, subsistirá o princípio da presunção da inocência.

8. (CESPE/TJ-AC/TÉCNICO JUDICIÁRIO) É assegurado, de forma expressa, na nor-

ma fundamental, o direito de qualquer acusado à plenitude de defesa em toda e

qualquer espécie de procedimento criminal.

Se você errou essa questão, não fique chateado(a). O texto ficou bem capcioso.

Veja que o princípio da plenitude de defesa é específico do tribunal do júri, e não

de toda espécie de procedimento criminal. Ele não se confunde com o princípio da

ampla defesa (que por sua vez se aplica a todo procedimento criminal).
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 55 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

9. (CESPE/PC-ES/DELEGADO DE POLÍCIA) De acordo com a doutrina e a jurispru-

dência pátrias, são inadmissíveis, em qualquer hipótese, provas ilícitas ou ilegíti-

mas no processo penal brasileiro.

A regra, conforme estudamos, é que as provas ilícitas sejam desentranhadas do

processo (vedação das provas ilícitas). Entretanto, existe uma exceção: a utilização

de provas ilícitas em favor do acusado inocente, que as utiliza para se defender.

10. (CESPE/STM/ANALISTA) De acordo com doutrina e a jurisprudência, os princí-

pio da ampla defesa e da plenitude de defesa são sinônimos, visto que ambos têm

por escopo assegurar ao acusado o acesso aos instrumentos normativos hábeis ao

exercício da defesa.

Veja como os examinadores adoram essa comparação entre ampla defesa e pleni-

tude de defesa, para induzir o candidato em erro. Mas você não vai cair nessa! Ple-

nitude de defesa é o princípio relacionado à maior possibilidade de argumentação

no tribunal do júri, enquanto que a ampla defesa é um princípio aplicável a todo e

qualquer processo criminal. Ambos não se confundem!

11. (CESPE/STM/ANALISTA) Entende-se por devido processo legal a garantia do

acusado de não ser privado de sua liberdade em um processo que seguiu a forma

estabelecida na lei; desse princípio deriva o fato de o descumprimento de qualquer

formalidade pelo juiz ensejar a nulidade absoluta do processo, por ofensa a esse

princípio.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 56 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

As nulidades advindas de descumprimentos de formalidades no processo penal

devem ser avaliadas. Algumas serão absolutas, e outras, relativas, a depender da

comprovação de que houve prejuízo para o acusado. Nesse sentido, não é qual-

quer formalidade que irá ensejar a chamada nulidade absoluta! Um exemplo é o

da presença de prova ilícita que não foi desentranhada do processo. Se ela não for

utilizada na fundamentação da condenação do acusado, ensejará nulidade apenas

relativa, não causando a anulação de tal decisão.

12. (CESPE/STM/ANALISTA JUDICIÁRIO) Os efeitos causados pelo princípio cons-

titucional da presunção de inocência no ordenamento jurídico nacional incluem a

inversão, no processo penal, do ônus da prova para o acusador.

Outro assunto que é um dos favoritos dos examinadores: a questão do ônus da

prova. Via de regra o ônus da prova é de quem alega, entretanto, o princípio da

presunção de inocência tem realmente o condão de obrigar que o ônus da prova

fique inicialmente nas mãos da acusação.

13. (CESPE/MPU/ANALISTA JUDICIÁRIO) O sistema normativo processual penal e

a jurisprudência vedam, de forma absoluta, expressa e enfática, a utilização, pelas

partes, em qualquer hipótese, de prova ilícita no processo penal.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 57 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Nossa... “de forma absoluta, expressa e enfática”. Até quem não estudou essa aula

ficaria desconfiado depois de tanta ênfase. E de fato, como você já está cansado de

saber, provas ilícitas podem ser utilizadas na defesa de réu inocente, para compro-

var sua inocência, de modo que existe exceção ao princípio da vedação das provas

ilícitas.

14. (CESPE/DPU/DEFENSOR PÚBLICO) Parte da doutrina manifesta-se contraria-

mente à expressa previsão legal de cabimento da condução coercitiva determinada

para simples interrogatório do acusado, como corolário do direito ao silêncio.

Questão que parece ser muito complexa, mas não se assuste. Analisando deva-

gar veremos que, na verdade, não tem segredo nenhum nessa questão! O que a

doutrina debate é o seguinte: como pode o juiz mandar conduzir coercitivamente

um acusado para seu interrogatório (ou seja, mandar que a polícia ou o oficial de

justiça conduza o réu à força para a audiência), se este tem o direito de nada di-

zer? Se ele pode ficar calado, deveria também ter a opção de simplesmente não

comparecer ao seu interrogatório, haja vista que não faz sentido conduzir alguém

coercitivamente para que este meramente fique calado. Embora, é claro, na prática

o juiz possa mandar conduzir coercitivamente o réu nesses casos, a doutrina apon-

ta para a incoerência dessa situação.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 58 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

15. (CESPE/DPU/DEFENSOR PÚBLICO) Segundo entendimento sumulado do STF, o

advogado de defesa não pode pedir, em alegações finais, a qualquer título, a con-

denação do acusado, sob pena de nulidade absoluta, por violação ao princípio da

ampla defesa.

Essa questão extrapola um pouco o estudo dos princípios, mas é muito interessante

para que possamos treinar nosso raciocínio e evoluir nos estudos. Veja que o advo-

gado de defesa tem que trabalhar no intuito de garantir a melhor defesa possível

para o acusado. Entretanto, isso não significa que ele não possa pedir a condenação

de seu cliente! Imagine que em um determinado caso, existam provas cabais de

um homicídio contra um determinado réu. Nesse sentido, pode o defensor optar

por uma estratégia que não envolva pedir a absolvição de seu cliente e sim uma

condenação mais branda (como, por exemplo, argumentar pela condenação do réu

por homicídio simples, e não por homicídio qualificado). Ao traçar uma estratégia

assim, o advogado estará trabalhando no interesse de seu cliente, e não desrespei-

tará a ampla defesa só por não pedir que o acusado seja inocentado.

16. (FCC/MPE-SE/TÉCNICO DO MP) A condenação de um réu sem defensor viola o

princípio

a) da oficialidade.

b) da publicidade.

c) do juiz natural.

d) da verdade real.

e) do contraditório.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 59 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Essa questão não ficou – na humilde opinião de seu professor – muito bem ela-
borada. Pois a condenação do réu sem defensor viola o direito a defesa técnica
(diretamente relacionado ao princípio da ampla defesa e não ao do contraditório).
Entretanto, de forma indireta, tal condenação também viola o contraditório. E como
nenhuma das outras opções faz sentido, essa é a alternativa correta.

17. (FCC/AL-SP/PROCURADOR) Constitui corolário do princípio do contraditório e


da ampla defesa:
a) a indisponibilidade do processo.
b) a imediatidade.
c) a isonomia processual.
d) a indeclinabilidade da jurisdição penal.
e) o duplo grau de jurisdição.

Essa questão apresenta um português rebuscado e é para um cargo de alto nível


de capacitação jurídica (procurador), entretanto é muito boa para o nosso treina-
mento e aprendizado. E você tem todas as condições de responder essa questão.
Pense comigo: o contraditório e a ampla defesa existem para garantir que o acusa-
do tenha recursos diante da ânsia punitiva do estado, para que possa se defender
adequadamente. Isso porque o legislador considera que a relação acusação – acu-
sado é desigual (em regra, o Estado dispõe de o mais recursos para a persecução
penal do que o acusado). Nesse sentido, para equilibrar a balança, existem as ga-
rantias de ampla defesa e do contraditório. Pensando dessa forma, fica claro: tais
princípios possuem como resultado (ou seja, como corolário), portanto, a isonomia

(igualdade) processual.
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 60 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

18. (FCC/DPE-PR/DEFENSOR) Os princípios constitucionais aplicáveis ao processo

penal incluem

a) indisponibilidade.

b) verdade real.

c) razoável duração do processo.

d) identidade física do juiz.

e) favor rei.

Veja que não é à toa que eu costumo observar quando um princípio está expressa-

mente previsto na Constituição Federal, ou quando um princípio está previsto em

outro lugar (como o Pacto de San José ou na legislação ordinária). Algumas vezes

o examinador bate exatamente nessa tecla! Conforme estudamos, o princípio está

expressamente previsto na CF/1988, em seu art. 5º, LXXVIII.

19. (FCC/MPE-AP/TÉCNICO ADMINISTRATIVO) O princípio constitucional que asse-

gura ao acusado o direito de ampla defesa, em processo em que seja assegurada a

igualdade das partes, denomina-se princípio

a) do juiz natural.

b) do estado de inocência.

c) da verdade real.

d) da obrigatoriedade.

e) do contraditório.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 61 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

De novo essa mania feia do examinador de misturar a ampla defesa com o con-

traditório. Mas é importante que tenhamos contato com esse modo de explorar o

assunto, pois ele pode ser utilizado na sua prova. A ampla defesa é um princípio por

si só. Mas do modo como foi cobrado, novamente o examinador buscou a ligação

indireta que existe entre a ampla defesa e o contraditório (voltada à isonomia entre

acusação e defesa).

20. (FCC/DPE-PA/DEFENSOR PÚBLICO) O princípio da ampla defesa no processo

penal, de acordo com a Constituição Federal, aplica-se a todos os brasileiros

a) em gozo de seus direitos políticos.

b) sem distinção de qualquer natureza.

c) e estrangeiros amparados por tratados de reciprocidade.

d) natos.

e) e estrangeiros residentes no país.

Essa questão é polêmica, elaborada com um jogo de palavras altamente questio-

nável. Entretanto, eu sempre repito aos meus alunos: não estamos aqui para dis-

putar uma queda de braço com as bancas, estamos aqui para entender como elas

trabalham, de modo que possamos minimizar nossos erros.

Nesse sentido, embora essa questão envolva também um pouco de Direito Constitu-

cional, veja que o examinador extraiu a resposta diretamente do art. 5º da CF/1988:

Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza,
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviola-
bilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos
termos seguintes
O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 62 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Veja que essa questão não trata de princípio da ampla defesa propriamente, e sim

do caput do art. 5º, com o qual o examinador fez um jogo de palavras. Não gosto

de questões assim. Mas temos que vencê-las também. Com base no enunciado

(que determina que você responda de acordo com a CF/1988), a única resposta

aceitável é a de que o princípio da ampla defesa está garantido a todos os brasilei-

ros e estrangeiros residentes no país, que é o que prevê expressamente o caput do

art. 5º, não apenas para esse princípio, mas para todas as garantias fundamentais

inerentes a esse artigo.

21. (FCC/CAIXA/ADVOGADO) A regra que, no processo penal, atribui à acusação,

que apresenta a imputação em juízo através de denúncia ou de queixa- crime, o

ônus da prova é decorrência do princípio

a) do contraditório.

b) do devido processo legal.

c) do Promotor natural.

d) da ampla defesa.

e) da presunção de inocência.

Essa questão é bem mais fácil que as anteriores. Conforme estudamos, lembre-se

de que, em regra, o ônus da prova é de quem alega. Entretanto, somos presu-

midamente inocentes, até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória,

o que faz com que caiba a acusação reverter essa nossa condição original. Logo,

decorre da presunção de inocência essa transferência do ônus da prova para a

acusação.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 63 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

22. (FCC/DPE-MA/DEFENSOR PÚBLICO) A necessidade de assegurar que as partes

gozem das mesmas oportunidades e faculdades processuais consiste o conteúdo

do princípio processual

a) da paridade de armas.

b) do contraditório.

c) da ampla defesa.

d) da identidade física do juiz.

e) do estado de inocência.

Essa é muito fácil! Conforme estudamos, o princípio que vela pela igualdade de

condições entre as partes é o da paridade de armas ou da igualdade processual.

23. (FCC/MPU/ANALISTA) Dispõe o art. 5º, inciso XXXVII da Constituição da Repú-

blica Federativa do Brasil que “Não haverá juízo ou Tribunal de exceção; inciso LIII?

Ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente”.

Tais disposições consagram o princípio

a) da presunção de inocência.

b) da ampla defesa.

c) do devido processo legal.

d) da dignidade.

e) do juiz natural.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 64 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Essa você já consegue tirar de letra. É só lembrar do Tribunal de Nuremberg! Vol-

tando ao assunto da questão, o princípio que determina que devemos ser julgados

com imparcialidade, por um julgador determinado por lei – e não constituído es-

pecificamente para um determinado caso – é o princípio do juiz natural, que tem

como objetivo maior evitar a existência de tribunais de exceção.

24. (FCC/PREFEITURA DE SP/AUDITOR FISCAL) O juiz de determinada comarca,

ao receber a denúncia formulada pelo Ministério Público contra o autor de um crime

de peculato, considerou desnecessária a produção de provas e o interrogatório do

réu e julgou antecipadamente a lide, condenando-o à pena de 6 anos de reclusão

e multa. Essa decisão violou o princípio constitucional

a) do devido processo legal.

b) da anterioridade da lei penal.

c) da presunção de inocência.

d) do juiz natural.

e) da intervenção mínima.

O respeito a todas as garantias e a todos os princípios do direito processual penal

se consolidam em um princípio maior, que tem o objetivo de garantir que ninguém

será julgado de uma forma inquisitiva ou autoritária, a partir da observação dos

ditames legais da persecução penal. Esse princípio, é claro, é o princípio do devido

processo legal, que no caso da questão, foi totalmente desrespeitado pelo juiz, que

simplesmente não seguiu o trâmite processual regular para a condenação do réu.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 65 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

25. (FCC/MPE-CE/PROMOTOR DE JUSTIÇA) O art. 10 da Declaração Universal dos

Direitos do Homem, proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em Pa-

ris, aos 10 de dezembro de 1948, consagra que toda pessoa tem direito, em condi-

ções de plena igualdade, de ser ouvida publicamente e com justiça por um tribunal

independente e imparcial, para a determinação de seus direitos e obrigações ou

para exame de qualquer acusação contra ela em matéria penal.

O princípio do processo penal que se adequa a essa redação é o

a) do juiz natural.

b) da ampla defesa.

c) do contraditório.

d) do duplo grau de jurisdição.

e) da publicidade.

Veja como os examinadores adoram esse assunto! Ao dizer que as pessoas têm

direito a um tribunal independente e imparcial para examinar qualquer acusação,

revela-se a preocupação da norma com evitar tribunais criados para julgar causas

específicas (o que resulta invariavelmente em sua parcialidade). Como já estuda-

mos, o princípio relacionado a essa preocupação é o princípio do juiz natural, que

se opõe diretamente à existência de tribunais de exceção.

26. (FCC/MPE-CE/PROMOTOR DE JUSTIÇA) NÃO se trata de garantia processual

expressa na Constituição da República:

a) a liberdade provisória.

b) a identificação do responsável pelo interrogatório policial.


O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 66 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

c) a publicidade restrita.

d) o cumprimento da pena em estabelecimento distinto em razão da natureza do

delito.

e) o duplo grau de jurisdição.

Esse tipo de questão mostra o motivo pelo qual eu sempre cito onde está previs-

to um determinado princípio, se é na Constituição, em legislação ordinária ou em

outro tipo de norma. Os examinadores adoram cobrar esse tipo de coisa, o que eu

considero injusto, porque não basta o candidato saber o conteúdo, tem também

que dominar a fonte de cada conhecimento adquirido. Entretanto, como não pode-

mos controlar as bancas, temos que nos adaptar, certo? Nesse sentido, lembre-se

de que o duplo grau de jurisdição, embora reconhecido em nosso ordenamento

jurídico, não está previsto diretamente na CF/1988, e sim no Pacto de San José da

Costa Rica!

27. (CESPE/TJ-SE/JUIZ) Os princípios constitucionais aplicáveis ao processo penal

incluem

a) a publicidade.

b) a verdade real.

c) a identidade física do juiz.

d) o favor rei.

e) a indisponibilidade.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 67 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

Essa questão, mesmo sendo para juiz, é relativamente fácil. Perceba que as as-

sertivas apresentadas trazem princípios relativos ao processo penal em geral, ou a

matérias específicas como princípios relacionados com a ação penal, por exemplo.

Entretanto, o examinador pediu um princípio constitucional, e o único listado na

questão acima que está efetivamente expresso na Constituição é o princípio da

publicidade.

28. (FUNCAB/PC-PA/DELEGADO) Leia as frases a seguir e a partir dos respectivos

conteúdos responda.

1) “Esse princípio fundamental de civilidade representa o fruto de uma opção

garantista a favor da tutela da imunidade dos inocentes” (Luigi Ferrajoli).

2) “Basta ao corpo social que os culpados sejam geralmente punidos, pois é seu

maior interesse que todos os inocentes sem exceção sejam protegidos” (Lau-

zé di Peret).

3) “A metafísica do direito penal propriamente dita é destinada a proteger os

culpados dos excessos da autoridade social; a metafísica do direito processual

tem por missão proteger dos abusos e dos erros da autoridade todos os cida-

dãos inocentes e honestos” (Francesco Carrara).

Qual princípio a seguir melhor sintetiza o conteúdo, as idéias e as preocupações

acima expostas?

a) Princípio da verdade real

b) Devido processo penal

c) Ampla defesa contraditório

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 68 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

d) Nemo tenetur se detegere

e) Presunção de inocência

O bom e velho português rebuscado, tentando transformar uma questão fácil em

difícil. Mas basta ler com calma para responder sem erro! Veja que as três premis-

sas e ideias apresentadas pelo examinador trabalharam em cima de uma mesma

preocupação: a de não condenar inocentes e de protegê-los a todo custo (ao ponto

de afirmar que é melhor deixar culpados escaparem do que condenar inocentes).

Nesse sentido, o princípio que melhor se relaciona com tais ideias é, sem dúvidas,

o da presunção de inocência.

29. (VUNESP/TJ-SP/TITULAR DE SERVIÇOS NOTARIAIS) Dos princípios constitu-

cionais do processo penal a seguir enumerados, assinale o que admite que a legis-

lação infraconstitucional estabeleça exceções.

a) Princípio do contraditório.

b) Princípio da publicidade.

c) Princípio da presunção da inocência.

d) Princípio da imunidade à autoacusação.

Conforme estudamos, o princípio da publicidade, em alguns casos (como o interesse

social e a garantia da ordem pública) pode ser mitigado por legislação infraconsti-

tucional, que poderá lhe estabelecer exceções sem que isso seja considerado ilícito

ou que tal medida invalidade o processo penal para o qual a medida for decretada.

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 69 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

30. (VUNESP/TJ-PA/JUIZ DE DIREITO SUBSTITUTO) Em matéria processual penal,

o duplo grau de jurisdição

a) não é previsto expressamente pela Convenção Americana de Direitos Humanos,

mas é pela CR/88.

b) não é previsto expressamente pela CR/88, mas é pela Convenção Americana de

Direitos Humanos

c) não é previsto expressamente nem pela CR/88 nem pela Convenção Americana

de Direitos Humanos.

d) é direito fundamental previsto expressamente tanto pela CR/88 quanto pela

Convenção Americana de Direitos Humanos.

e) é garantia fundamental prevista expressamente tanto pela CR/88 quanto pela

Convenção Americana de Direitos Humanos.

Novamente o examinador batendo nessa tecla de obrigar o candidato a demonstrar

não apenas que sabe o conteúdo, mas que também sabe a fonte da qual emana

quase todo princípio e conceito. Infelizmente, só nos cabe saber dessa prática e

tentar dominar o máximo de conhecimento para responder questões desse tipo.

Conforme observamos em nossa aula, o duplo grau de jurisdição não está previsto

expressamente na Constituição Federal e sim no Pacto de San José da Costa Rica

(que também é chamado de Convenção Americana de Direitos Humanos).

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 70 de 71
NOÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
Princípios Processuais Penais
Prof. Douglas de Araújo Vargas

GABARITO
1. C 26. E

2. C 27. A

3. C 28. E

4. E 29. B

5. E 30. B

6. C

7. C

8. E

9. E

10. E

11. E

12. C

13. E

14. C

15. E

16. E

17. C

18. C

19. E

20. E

21. E

22. A

23. E

24. A

25. A

O conteúdo deste livro eletrônico é licenciado para Nome do Concurseiro(a) - 000.000.000-00, vedada, por quaisquer meios e a qualquer título,
a sua reprodução, cópia, divulgação ou distribuição, sujeitando-se aos infratores à responsabilização civil e criminal.
www.grancursosonline.com.br 71 de 71