You are on page 1of 8

Publicação da Fundação Meridional de Apoio à Pesquisa Agropecuária

www.fundacaomeridional.com.br JUNHO de 2014 • Ano 14 • Nº 50

Soja
Ajuste Fitotécnico
Giros técnicos
Pesquisadores
personalizadosrelatam como se
apresentam
define o melhor
as novas manejo para
variedades
cada cultivarEmbrapa e
da parceria
Página 6 Meridional
Fundação
Página 2

Trigo
Mofo eBranco
Triticale
Novas variedades
Especialista terão
da Embrapa
destaque nos Dias de
indica qual é o manejo
Campo da parceria
mais correto para oEmbrapa/
Fundação Meridional/Iapar
controle da doença
Página
Página73

BRS 378RR é a novidade Qualidade de


Trigo e Triticale
Sementes
para a Safra 2014/2015
VI RBPTT foianalisam
Especialistas promovida
A nova cultivar desenvolvida pela parceria Embrapa e Fundação Meridional tem emefeitos
os Londrina e discutiu os
da semente
se destacado pela precocidade e pela versatilidade nos sistemas de produção, na
esverdeada de sojado setor
últimos avanços
Macrorregião Sojícola 1 Página85
Página
Saiba mais na página 4

Fundação Meridional | Administração Central: Av. Higienópolis, 1.100, 4º andar, cep 86020-911, Londrina - PR | (43) 3323-7171
Editorial

Valorizar mais o
agronegócio brasileiro Notas Meridional
Luiz Meneghel Neto
Diretor-Presidente da Fundação Meridional

O Governo Federal - por meio do Ministério da Agricultura, Pesquisa de Trigo em debate no RS


Pecuária e Abastecimento - lançou no mês de maio, o Plano O Rio Grande do Sul será palco de grandes discussões da ca-
Safra 2014/2015, que vai destinar R$ 156,1 bilhões em cré- deia produtiva do trigo. No período de 5 a 7 de agosto, em Canela - RS,
ditos para o agronegócio brasileiro. Apesar deste montante serão realizados três importantes eventos: a 8ª Reunião da Comissão
ser superior em 14% ao valor apresentado no ano passado, Brasileira de Pesquisa de Trigo e Triticale, o 9º Seminário Técnico do
Trigo e a 44ª Reunião da Câmara Setorial dos Cereais de Inverno do
outros avanços precisam ser feitos em prol do setor.
MAPA.
É preciso que haja uma maior rapidez dos investimentos Debates sobre os desafios do trigo como os entraves na comercializa-
estatais em infraestrutura. Outro ponto crucial é o gargalo ção, a criação de uma entidade para a produção nacional, as opiniões
da logística – com a necessidade de aplicação de recursos dos diversos segmentos (indústria, cerealistas, obtentores, produtores),
o lançamento de novas cultivares, as novidades tecnológicas na área
em áreas essenciais, como no transporte (hidrovias, ferro-
de insumos e manejos, serão os grandes destaques na programação.
vias e malha rodoviária) e na armazenagem, especialmente As inscrições podem ser feitas em separado para cada evento pelo we-
de grãos. Além disso, falta o reconhecimento, pelo governo, bsite: www.reuniaodetrigo2014.com.br
da importância do setor agropecuário e da garantia da se-
gurança da propriedade privada, que é um princípio básico
Reunião de Pesquisa de Soja está com
para novos investimentos.
inscrições abertas
Outra questão importante é direcionar mais recursos, do A XXXIV Reunião de Pesquisa de Soja, que será realizada nos dias 14 e
âmbito federal, para a pesquisa agropecuária. Por exemplo, 15 de agosto em Londrina - PR, está com as inscrições abertas. O evento
investir hoje em novas tecnologias de sementes é garantir terá discussões nas seguintes subcomissões: Genética e Melhoramento;
um crescimento nos índices de produtividade para os próxi- Ecologia, Fisiologia e Práticas Culturais; Nutrição Vegetal, Fertilidade
mos anos, ou melhor, para as futuras décadas. e Biologia dos Solos; Entomologia; Plantas Daninhas; Fitopatologia;
Tecnologia de Sementes; Pós-Colheita e Segurança Alimentar e
A parceria Embrapa/Fundação Meridional/Iapar, tem pro- Difusão de Tecnologia e Economia Rural. Mais informações sobre
movido esta iniciativa com eficácia ao longo dos últimos 15 inscrições, normas para a elaboração dos resumos e a programa-
anos e já conseguiu grandes resultados no campo, seja na ção técnica estão disponíveis no site: www.cnpso.embrapa.br/rps
cultura da soja ou do trigo. Dezenas de variedades já foram
lançadas e novas linhagens estão em estudo. Todas com ín- XXXIII Ciclo de Reuniões Conjuntas
dices de produtividade igual ou superior às das suas concor-
A Comissão de Sementes e Mudas do Paraná (CSM/PR) realiza
rentes de mercado.
entre os dias 25 a 28 de agosto, em Foz do Iguaçu - PR, o XXXIII Ciclo
E só assim, valorizando o trabalho dos profissionais do cam- de Reuniões Conjuntas - com o tema “Tecnologia da semente: Plante
esta ideia”.
po, é que iremos ter o prestígio nacional e também mun-
“O evento vai reunir centenas de produtores de sementes e responsá-
dial pela grande capacidade de inovação tecnológica. Sem
veis técnicos de diversas regiões do País e abordar tópicos importantes
contar que sempre teremos, também, a responsabilidade da para o setor sementeiro, como a qualidade das cultivares, o manejo,
garantia do alimento na mesa das futuras gerações. tratamento, beneficiamento e armazenamento, entre outros”, afirma
Scylla Cézar Peixoto Filho, presidente da CSM/PR.
Durante o Ciclo, a Fundação Meridional vai promover a vitrine tecno-
lógica: “Fundação Meridional: 15 anos apoiando a pesquisa e o desen-
volvimento de cultivares”.
Mais informações sobre o evento podem ser obtidas pelo e-mail:
EXPEDIENTE

Esta é uma publicação da Fundação Meridional de Apoio à Pesquisa Agrope-


cuária, entidade com sede em Londrina-PR. Av. Higienópolis, 1.100, 4º andar,
csm_pr@yahoo.com.br ou pelo telefone: (41) 9962-6780.
cep 86.020-911 | Fone (43) 3323-7171 | Fax (43) 3324-6742.
meridional@fundacaomeridional.com.br | www.fundacaomeridional.com.br

CONSELHO EXECUTIVO
Diretor-Presidente: Luiz Meneghel Neto | Diretor-Secretário: Luiz Vicente de
Fórum Nacional do Trigo
Souza Queiroz Ferraz | Diretor-Tesoureiro: Almir Montecelli | Produção e Edição:
A Fundação Meridional participou do Fórum Nacional do
Fundação Meridional | Jornalista Responsável: Olavo Alves (MTB-PR 4285/17)
Assessoria de Comunicação: Luciana Maria Machado Pires | Fotos: Embrapa Soja, Trigo - 2014, realizado nos dias 06 e 07 de maio, em Chapecó - SC.
Embrapa Trigo, Fundação Meridional e Iapar | Colaboração: Geraldo Estevam de Com o tema “Trigo - da Planta ao Alimento”, o evento contou com
Souza Carneiro e Thiago Ienco | Projeto Gráfico: Guerra Propaganda | Impressão:
debates de pontos importantes sobre a cadeia produtiva do trigo
Midiograf | Tiragem: 1.700 exemplares
Informações: (43) 3323-7171 - imprensa@fundacaomeridional.com.br (mercado, competitividade, qualidade, segregação e impactos de
contaminantes nos produtos finais). O gerente executivo, Ralf Udo
PARCEIROS: Dengler, e o coordenador técnico da transferência de tecnologia,
Milton Dalbosco, prestigiaram o evento.

2
Opinião do colaborador

I N STI TU C I ONAL
A Tradição na qualidade das
sementes Copercampos
Com tradição na produção de semente e a profissionalização da agricultura. Agrônomos, trabalhando juntamen-
de alta qualidade, a Copercampos co- “Todos os anos, novidades surgem e te com os associados multiplicadores
memora mais uma safra com excelen- os associados da cooperativa buscam, para atender com eficiência as exigên-
tes resultados. A tecnologia adotada através da aplicação destas tecnologias cias do mercado de sementes.
pelos cooperados, desde a semeadura, nas lavouras, as melhores opções para
passando pelo manejo até a colheita uma produção de sementes com quali- “Todos os anos,
da oleaginosa se reverte em produti- dade cada vez melhor”. Segundo o Co-
vidade e principalmente em qualidade ordenador do Departamento Técnico,
novidades surgem
das sementes. Atualmente, a Coper- Engenheiro Agrônomo Marcos Schle- e os associados da
campos possui 6 unidades de benefi- gel, o ano foi excelente para produção cooperativa buscam,
ciamento e recebimento de sementes, de sementes. “Tivemos uma ótima sa-
localizadas nas cidades de Campos No- fra, produzimos semente de excelente
através da aplicação
vos, Curitibanos e Campo Belo do Sul, qualidade, com alta germinação e vi- destas tecnologias nas
em Santa Catarina. A capacidade de gor. Através do Laboratório de Análise
lavouras, as melhores
classificação diária é de 25 mil sacos de de Sementes da Copercampos, reali-
40kg. Conta com 36 variedades e pro- zamos testes para que apenas os lotes opções para uma
dução de aproximadamente 1.968.000 com altos índices qualitativos possam produção de sementes
sacos. Em 2014 e 2015, a previsão de ser comercializados” comentou Schle-
investimento para a área de sementes, gel, ressaltando que o alto índice de
com qualidade cada
é de aproximadamente R$ 11 milhões, germinação obtido é influenciado pelo vez melhor”
com a reforma e a construção de mais clima, com temperaturas amenas e alti-
duas unidades de beneficiamento, uma tude ideal, encontrados na região.
Autor:
no município de Campos Novos - SC e Prezando sempre por uma semente de
Laerte Izaias
outra em São José do Ouro - RS. alto vigor e qualidade, a Copercampos Thibes Júnior
De acordo com o Diretor Executivo, La- conta com equipe técnica capacitada Diretor Executivo -
erte Izaias Thibes Júnior, a produção de e especializada. São 25 profissionais, Copercampos
sementes deste ano, reflete a técnica entre Técnicos Agrícolas e Engenheiros

Reunião Técnica avalia o PATT Soja


Pesquisadores da Embrapa Soja, da Embrapa Agropecuária da pela Supervisora do Núcleo de Comunicação Organizacional
Oeste, da Embrapa Produtos e Mercado e Colaboradores da da Embrapa Soja, Carina Gomes Rufino.
Fundação Meridional, participaram, no último dia 30 de maio, No período da tarde, os participantes assistiram às palestras:
no auditório da Embrapa Soja, em Londrina - PR, da Reunião de “Apresentação dos resultados do ajuste fitotécnico das cultiva-
Apresentação dos Resultados do Plano Anual de Transferência res de soja BRS na safra 2013/2014”, com o Dr. José Salvador
de Tecnologia (PATT) Soja - Safra 2013/2014. Simoneti Foloni; e “Apresentação dos problemas da safra de
Os participantes avaliaram a execução geral do PATT, bem como soja 2013/2014 em relação ao MIP”, com o Dr. Samuel Roggia;
os resultados de produtividades das Unidades Demonstrativas ambos da Embrapa Soja.
(UD’s). Os presentes também puderam avaliar o desempenho “Outra novidade deste ano - por sugestão do Dr. Luiz Carlos
das cultivares BRS 359RR e BRS 378RR, no Projeto Lavouras Miranda, da Embrapa Produtos e Mercado - foi a montagem da
Expositivas, além dos resultados da nova cultivar BRS 388RR “Estação do Conhecimento” no saguão do auditório, onde foi
(em pré-lançamento), nas Unidades de Observação Especial apresentada uma coleção de pragas da soja e também de seus
(UOE) e nos Campos de Validação. inimigos naturais, com as devidas orientações para a identifica-
Uma das inovações no evento, foi a apresentação detalhada do ção e o manejo”, afirma Milton Dalbosco, coordenador da área
programa de comunicação com o mercado, dando ênfase às pe- de transferência de tecnologia da Fundação Meridional.
ças promocionais utilizadas nas ações do PATT e que foi realiza-

www.fundacaomeridional.com.br 3
Precocidade com Versatilidade:
BRS 378RR é a novidade da
LANÇAMENTO

Safra 2014/2015
A nova cultivar desenvolvida pela par- pesquisador na área de Soja/Herbologia
ceria Embrapa e Fundação Meridional da Fundação Agrária de Pesquisa Agro-
tem se destacado por seu bom poten- pecuária (FAPA).
cial produtivo, aliado à versatilidade na Spader, que realizou testes de pesquisa
época de semeadura, nos diversos sis- com a nova variedade nas últimas três
temas de produção, características da safras, acrescenta ainda outras vanta-
Macrorregião Sojícola 1. Por estes moti- gens. “Para produtores que buscam
vos, a BRS 378RR vem recebendo gran- precocidade aliada à produtividade, a
des elogios dos especialistas da área. BRS 378RR surge como uma opção
“A BRS 378RR é uma variedade de soja bastante interessante, pois apresenta
que apresenta arquitetura de planta ereta ciclo médio em torno de 110 dias, da
e de porte baixo, com alta tolerância ao emergência à maturação, além de apre-
acamamento, além de ter boa capacida- sentar um dos melhores potenciais de
de de ramificação, sanidade radicular, en- rendimento de grãos, principalmente na
tre outras características que conferem a semeadura após o trigo, quando com-
essa cultivar, boa adaptação para a região parada aos concorrentes de ciclo seme-
alta e fria do Centro-Sul do Paraná”, afir- lhante”, conclui o pesquisador.
ma Vitor Spader, engenheiro agrônomo e

Pré-lançamento:
BRS 388RR - excelente opção
para a Safra 2015/2016
A nova cultivar de soja BRS 388RR, produtivo, sendo indicada para a
desenvolvida pela parceria Embrapa e Macrorregião Sojícola 2, nos estados
Fundação Meridional, já está em fase do Paraná (regiões norte e oeste), São
de pré-lançamento. A variedade apre- Paulo (regiões centro-sul, oeste e Vale
senta tolerância ao herbicida glifosato do Paranapanema) e Mato Grosso do
e resistência às principais doenças, com Sul (regiões centro-sul e sudoeste), in-
destaque para a fitóftora. clusive na semeadura antecipada.
Com tipo de crescimento indeter- Para maiores informações, entre em
minado e grupo de maturidade 6.5, contato com a equipe técnica da
a BRS 388RR é resistente ao aca- Fundação Meridional, através do tele-
mamento e apresenta alto potencial fone: (43) 3323-7171.

BRS 284 é tri-campeã de produtividade

BRS 284
A cultivar de soja BRS 284 é tri-campeã do Ranking de Produtividade de Laguna
Carapã, concurso realizado no último mês de abril, em Mato Grosso do Sul e que
já está em sua 5ª edição. Por três anos consecutivos, a cultivar convencional - que
tem entre suas muitas qualidades, a precocidade, o crescimento indeterminado e a
Vencedora do 3º e 4º Ranking de Produtividade da Cultura
da Soja promovido pela prefeitura de Laguna Carapã - MS tolerância ao nematoide de galha, Meloidogyne javanica; venceu o concurso. O 1º
Safra 2012/2013: 82,26 sacas/ha colocado do ranking foi o agricultor Nelson Peteck, com 78,92 sacas/hectare. Pela
de produtividade
Safra 2011/2012: 74,10 sacas/ha segunda safra consecutiva, o produtor Peteck cultiva a BRS 284 em 200 hectares.
“Até hoje, não tem soja que produza mais na região que a BRS 284”, afirma o
produtor. Além das regiões sul e centro-norte do Mato Grosso do Sul, a BRS 284
é indicada também para os Estados de São Paulo, Santa Catarina, Paraná, Minas
Gerais (Triângulo e Alto Paranaíba) e Goiás (sul e sudoeste).

4
BRS 359RR e BRS 378RR foram os destaques
do Projeto Lavouras Expositivas

R E SU LTADO S
O Projeto Lavouras Expositivas tem sido um dos avaliado. Em nossa empresa, a BRS 359RR foi a menta o técnico da Plantanense. E acrescenta:
grandes sucessos entre as muitas ferramentas cultivar mais produtiva entre todas”, destaca Flávio “A BRS 378RR atende exatamente esse interesse
de divulgação das novas cultivares da parceria Vieira, engenheiro agrônomo da Sementes Trimax. dos produtores. É uma cultivar bem precoce, que
Embrapa e Fundação Meridional. Na última sa- Luiz Tarcísio Behm, responsável técnico da desenvolve plantas de bom porte, com potencial
fra, o projeto promoveu mais duas variedades: Plantanense Agroindustrial, também elogia produtivo e que justamente se enquadra nessas
a BRS 359RR, lançamento para a Macrorregião esta iniciativa da parceria Embrapa e Fundação janelas de plantio. Os resultados que obtivemos
Sojícola 2; e também a BRS 378RR, pré-lança- Meridional. “Considero muito importante e com a cultivar nos confirmam que ela certamente
mento para a Macrorregião Sojícola 1. inovador. O mercado a cada ano lança novas cul- terá, se bem posicionada, um espaço considerá-
“Este projeto mostra que a empresa está preocupa- tivares. Por isso, é necessário que algo diferente vel nas áreas da região”.
da em atender bem o produtor. Com a produtivida- seja feito para chamar a atenção. Divulgar uma Sucesso e Homenagens
de obtida na lavoura, verificamos que a BRS 359RR variedade exige muito empenho para convencer Para Milton Dalbosco, coordenador da área
se apresentou igual ou superior às suas concorren- os produtores em adotá-la em seus sistemas de de transferência de tecnologia da Fundação
tes. Outro detalhe importante é que a época de produção. Na minha opinião, a BRS 378RR aten- Meridional, o sucesso deste trabalho se deu
plantio é muito boa, pois além da nossa região ser de o interesse do produtor. O trabalho que vem pela dedicação e comprometimento, tanto
mais fria, esta cultivar ajuda a antecipar a semea- sendo feito vai fazer o agricultor perceber isso”. da assistência técnica, quanto dos agricultores
dura do milho safrinha. Logo, as suas vantagens “Diante da proposta de recomendação da que conduziram as lavouras destas cultivares. “A
são muitas”, enfatiza Robson Arrias, técnico da BRS 378RR, para abertura de plantio ou se- Embrapa e a Fundação Meridional, como forma
Cocamar Cooperativa Agroindustrial. meadura antecipada, e para plantios tardios de agradecimento, estão homenageando to-
“O modo como vem sendo feito o Projeto Lavou- na região com altitudes superiores a 600 me- dos os técnicos e agricultores pela valiosa par-
ras Expositivas é muito válido, pois além de divul- tros, nós estamos tendo boas perspectivas, ticipação no acompanhamento e condução das
gar as cultivares Embrapa - em locais estratégicos justamente porque isso é uma tendência de áreas. O Projeto Lavouras Expositivas tem sido
- também a posiciona, lado a lado, com as con- muitos produtores em querer implantar uma de grande eficiência na divulgação das novas
correntes para que o seu potencial produtivo seja segunda cultura dentro do ano agrícola”, co- tecnologias”, conclui Dalbosco.

www.fundacaomeridional.com.br 5
Ajuste Fitotécnico
MANEJO

na Soja

Autores:
José Salvador Simoneti Foloni Antonio Eduardo Pípolo
Pesquisador da Área de Manejo do Solo e da Cultura - Embrapa Soja Pesquisador da Área de Melhoramento e Genética - Embrapa Soja
Contato: salvador.foloni@embrapa.br Contato: antonio.pipolo@embrapa.br
Geraldo Estevam de Souza Carneiro Fernando Bernardo Gomide
Pesquisador da Área de Melhoramento e Genética - Embrapa Soja Coordenador Técnico de Soja - Fundação Meridional
Contato: geraldo.carneiro@embrapa.br Contato: gomide@fundacaomeridional.com.br

Há uma lógica inerente a todas as áreas do maioria das cultivares de soja comercializa- Para cada uma dessas regiões é necessá-
conhecimento técnico-científico: quase ne- das no Brasil apresentava hábito de cresci- rio estabelecer critérios para o posiciona-
nhuma ideia vira informação; poucas infor- mento determinado, mas na atualidade tem mento agronômico das cultivares, inten-
mações são transformadas em tecnologia; e prevalecido as indeterminadas; (2) Com o sificando fortemente o trabalho em rede
boa parte das tecnologias não agrega valor advento da soja transgênica Roundup Ready para a experimentação de ajuste fitotécni-
de fato às culturas. Sendo assim, no âmbito (RR) simplificou-se o controle químico de co. Significa que, quando se comercializa
da pesquisa agronômica, encaixa-se na eta- plantas daninhas, mas alguns biótipos re- uma cultivar, é imprescindível fornecer aos
pa final desse processo, a chamada fitotec- sistentes ao glifosato passaram a ser ampla- agricultores um manual com informações
nia, que tem por objetivo definir a aplicabi- mente problemáticos; (3) A ferrugem asiática sobre o seu comportamento fenotípico;
lidade das tecnologias concebidas, para que (Phakopsora pachyrhizi), nos últimos anos, reação a doenças; épocas preferenciais e
possam contribuir consistentemente para o tem pressionado os sojicultores a evitarem restritivas de semeadura; populações ade-
avanço dos sistemas produtivos. o escalonamento das épocas de semeadura, quadas de plantas; desempenho perante a
No que se refere ao desenvolvimento de assim como a preferirem os genótipos mais fertilidade do solo; exigências climáticas;
cultivares, o ajuste fitotécnico visa gerar in- precoces, visando escapar da doença. Diante entre outras.
formações que possibilitem ao agricultor ex- dessas imposições, criam-se novas linhas de No contexto geral do desenvolvimento
plorar ao máximo o potencial genético ofer- pesquisa em fitotecnia e tudo aquilo que foi técnico-científico, é comum a mídia enalte-
tado, bem como evitar ou minimizar desvios estudado até poucos anos atrás, passa a ser cer linhas de pesquisa de maior visibilidade,
de conduta (leia-se manejo), que por ventura acervo histórico. comumente denominadas de “fronteira do
possam comprometer a lavoura. A soja é uma cultura rápida, que dispõe de conhecimento”, como a biotecnologia, infor-
Os desafios para a fitotecnia são ainda mais um período relativamente curto para se de- mática, etc. Contudo, nenhuma tecnologia
complexos quando se trata da soja, por ser senvolver vegetativamente, florescer, fruti- agronômica torna-se realmente benéfica aos
amplamente cultivada em extensas regiões ficar e encher os grãos. Ou seja, há pouca agricultores, e à sociedade em geral, se não
brasileiras, as quais são caracterizadas pela margem para manobras, caso ocorram erros. for testada exaustivamente em condições de
expressiva distinção de clima e solo. Nesse sentido, tal como num jogo de fu- lavoura.
Além dos fatores ambientais, é necessário tebol, é fundamental escalar corretamente Diante da necessidade elementar de se reali-
considerar as demandas oriundas dos siste- cada cultivar, para as diferentes situações de zar o ajuste fitotécnico das tecnologias ofer-
mas integrados de produção. Por exemplo: campo. Alguns genótipos de soja, por exem- tadas, há que se valorizar o enorme esforço
em determinadas situações, há pressão para plo, destacam-se na chamada abertura de logístico que os trabalhos a campo deman-
que a soja seja ajustada para viabilizar o “mi- safra ou semeadura antecipada, quando a la- dam, assim como a longa espera para se ob-
lho safrinha”. Em outros casos, a soja é vista voura é instalada em meados de setembro a ter resultados consistentes. Além disso, em
como um componente de sustentabilidade início de outubro. Outros genótipos são mais se tratando de um país com dimensões con-
para a pecuária extensiva. Há regiões em que produtivos nas épocas de semeadura de final tinentais como o Brasil, e uma cultura como
é necessário semear a soja tardiamente, para de outubro a início de novembro. a soja de amplo interesse socioeconômico,
que o trigo antecessor escape das geadas, Em termos de ambiente de produção, há é fundamental ter consenso acerca da com-
entre outras muitas demandas. no Brasil cinco macrorregiões sojícolas de- plexidade e elevado dispêndio das linhas de
Outro complicador é que, recorrentemente, nominadas de Sul, Centro-Sul, Sudeste, pesquisa em fitotecnia.
surgem mudanças nos modelos tecnológi- Centro-Oeste e Norte/Nordeste, subdividi- É neste sentido que se iniciou, na Safra
cos, que implicam em desdobramentos po- das em 20 regiões de aptidão edafoclimática 2013/2014, este importante trabalho focado
sitivos e negativos, os quais também pres- (Kaster & Farias, 2012; Embrapa Soja, Série nas cultivares de soja, desenvolvidas no âm-
sionam para que se faça o realinhamento do Documentos, 330). Há, portanto, intensa va- bito da parceria da Embrapa com a Fundação
ajuste fitotécnico. Seguem alguns casos: (1) riação de fotoperíodo, temperatura, distri- Meridional.
Até o início da década de 2.000, a grande buição de chuvas, tipos de solo, etc.

6
Novas variedades de Trigo e Triticale
são promissoras

NOV I DAD E
A parceria Embrapa/Iapar/Fundação Meridional espigamento e 103 dias, em média, da emer- LANÇAMENTO
apresenta as novidades da safra, nos dias de cam- gência à maturação fisiológica. Ela apresenta
TRITICALE - IPR Aimoré
po de trigo e triticale. São mais duas excelentes va- estatura baixa (88 cm, em média), boa resistên-
riedades de trigo - BRS Sabiá e IPR Taquari TM, cia ao acamamento e à debulha natural, bem
além do lançamento do primeiro triticale desen- como moderada tolerância ao crestamento.
volvido pelo Iapar em parceria com a Fundação “O valor médio da força de glúten (W) foi de
Meridional: IPR Aimoré. 282 x 10-4 joules, caracterizando um trigo da
“A maior novidade é o lançamento do primeiro classe Pão. A relação P/L foi de 1,0, em média,
triticale, IPR Aimoré. Além deste, serão apre- caracterizando um glúten balanceado. Por-
sentadas as cultivares de trigo, da Embrapa e tanto, a BRS Sabiá possibilita a fabricação do
do Iapar, que tem expressiva participação no tradicional pão francês”, conclui o pesquisa- A cultivar de triticale IPR Aimoré traz como no-
mercado, enfatizando todas as qualidades de dor da Embrapa Soja. vidade a sua precocidade, aliada ao bom rendi-
cada uma, com seus respectivos posiciona- mento de grãos. A produtividade média em 33
mentos fitotécnicos”, afirma Milton Dalbosco, PRÉ-LANÇAMENTO experimentos foi de 4.955 kg/ha - superando a
coordenador da área de transferência de tec- média das duas melhores testemunhas, IPR 111
TriGO - IPR TAQUARI TM
nologia da Fundação Meridional. e BRS 203, em 4%. O rendimento médio na re-
gião de VCU 1 foi de 5.077 kg/ha, na região 2 de
LANÇAMENTO 5.800 kg/ha e na região 3, de 3.980 kg/ha.
Trigo - BRS Sabiá “O espigamento médio se deu com 53 dias e a ma-
turação com 114 dias. A altura média das plantas
foi de 97 cm. Com relação ao peso do hectolitro
(PH), IPR Aimoré variou de 61 a 81 com média de
75 kg/hl, em todos os ensaios avaliados. Quanto
A cultivar IPR Taquari TM será previamente ao peso de mil sementes (PMS) variou de 36 a 55,
apresentada nesta safra, em Unidades Demons- com média de 46 g, o que representa um valor óti-
trativas da parceria. O objetivo é dar conheci- mo para a espécie triticale”, afirma Carlos Roberto
mento aos produtores de sementes e de grãos Riede, consultor técnico da Fundação Meridional.
“Para o ano de 2014, a Embrapa está indican- as suas principais características. A indicação de semeadura da IPR Aimoré é
do a BRS Sabiá para cultivo nas regiões tri- “Trata-se de uma cultivar com alto rendimen- para as regiões tritícolas de cultivo 1, 2 e 3, dos
tícolas 1, 2 e 3 do Paraná; região 3 do Mato to de grãos, ampla adaptação, ótima quali- estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do
Grosso do Sul; região 2 de São Paulo; e regi- dade tecnológica e excelente resistência ao Sul e Santa Catarina.
ões 1 e 2 de Santa Catarina”, informa Manoel acamamento, além de boa sanidade geral. É “A cultivar IPR Aimoré representa uma excelen-
Carlos Bassoi, pesquisador da Embrapa Soja. uma variedade de ciclo e altura média, com te contribuição à cadeia produtiva do triticale,
“Nos ensaios de Valor de Cultivo e Uso (VCU), resistência a fatores adversos como: germina- trazendo maior retorno econômico ao agricul-
conduzidos no PR, no MS, em SP e em SC, ção em pré-colheita e toxidez de alumínio do tor. A indústria moageira contará com grãos
a cultivar BRS Sabiá apresentou boa resis- solo”, afirma Carlos Roberto Riede, consultor mais suaves e de baixo teor de glúten. A preco-
tência às principais doenças fúngicas e bom técnico da Fundação Meridional e pesquisa- cidade da variedade será de grande importân-
rendimento de grãos, caracterizando-se como dor colaborador do Iapar. cia para que a colheita ocorra antes do período
uma variedade de ampla adaptação”, comenta A IPR Taquari TM já está incluída, a partir de chuvas, salvaguardando assim a qualidade
Bassoi. A BRS Sabiá é de ciclo precoce, apre- deste ano, no Registro Nacional de Cultiva- do produto”, comenta Riede.
sentando 59 dias, em média, da emergência ao res (RNC/MAPA).

LAVOURAS EXPOSITVAS DE TRIGO SERÃO IMPLANTADAS COM BRS SABIÁ

Dando continuidade aos grandes resultados obtidos pelo Projeto Este trabalho contará ainda com a participação - além dos pes-
Lavouras Expositivas, nesta safra de inverno serão instaladas la- quisadores da Embrapa - dos profissionais de assistência técnica
vouras de aproximadamente 2,0 ha da cultivar BRS Sabiá. Com das empresas colaboradoras da Fundação Meridional.
o objetivo de divulgação visual e realização de dias de campo, “Reforçamos o convite para participarem nos dias de campo
serão conduzidas 12 áreas muito bem localizadas e próximas de mais próximos da sua região, acompanhando o calendário des-
rodovias, com agricultores previamente selecionados, que atuam tes eventos inserido no site: www.fundacaomeridional.com.br”,
regionalmente como influenciadores na formação de opinião. finaliza Dalbosco.

www.fundacaomeridional.com.br 7
SEMENTE ESVERDEADA DE
SOJA E SEUS EFEITOS SOBRE A
QUALIDADE DA SEMENTE
SEMENTES

Autores:
José B. França-Neto Francisco C. Krzyzanowski Ademir A. Henning
Eng. Agrônomo, Ph.D. - Embrapa Soja, Londrina, PR Eng. Agrônomo, Ph.D - Embrapa Soja, Londrina, PR Eng. Agrônomo, Ph.D - Embrapa Soja, Londrina, PR
Gilda P. de Pádua Maria Laene M. de Carvalho Irineu Lorini
Eng. Agrônomo, D. Sc. - Embrapa/EPAMIG, Uberaba, MG Eng. Agrônomo, D.Sc. - UFLA, Lavras, MG Eng. Agrônomo, Ph.D - Embrapa Soja, Londrina, PR

Diversas regiões do Paraná sofreram as consequ- tintas de verde, desde um verde pálido até um amarelas, a classificação das mesmas por tama-
ências da severa seca ocorrida no início de 2014. verde intenso. Esse último sintoma caracteriza nho pode ser uma solução paliativa para o pro-
Isso propiciou reduções na produtividade da cul- problemas mais sérios de redução de qualida- blema: as sementes esverdeadas concentram-se
tura da soja, resultando também na produção de de. Em algumas situações, apenas o tegumento na porção das sementes menores, que deverão
sementes e grãos esverdeados. apresenta-se esverdeado e os cotilédones não. ser descartadas, e na porção de sementes maio-
O déficit hídrico, associado com as elevadas Os problemas de qualidade são mais sérios, res, esses índices tenderão a ser menores. A uti-
temperaturas registradas nessa safra duran- quando a semente está inteiramente verde, ou lização de máquinas que fazem a separação das
te as fases finais de enchimento de grãos e de seja, atingindo tanto o tegumento, quanto os sementes por cor apresenta bons resultados na
maturação da soja, causou a morte prematura cotilédones. separação das sementes esverdeadas. Todavia,
das plantas e a maturação forçada das semen- Sementes de soja esverdeadas estão associadas essas máquinas apresentam um baixo rendimen-
tes. Nessa situação, os processos metabólicos com redução do vigor e da germinação. Sementes to de operação (60 kg/hora por linha de sepa-
nas sementes são alterados, não havendo a de- esverdeadas recém-colhidas podem até germinar, ração), além de serem muito caras. Porém, se o
gradação das clorofilas, pela ação das enzimas mas têm o seu vigor afetado. Após três a quatro produtor de sementes dispõe destas máquinas,
clorofilase e magnésio-chelatase, resultando na meses de armazenamento, a germinação e o vigor a sua utilização deve ser considerada, para se re-
produção de sementes e grãos esverdeados. destas são reduzidos drasticamente, chegando a duzir o índice de sementes esverdeadas no lote.
Isso acarreta em acentuada redução das suas valores próximos de zero. Apesar de ter sido constatado que existe va-
qualidades fisiológica e organoléptica, além de Entretanto, pode-se tolerar a presença de algu- riação de resposta à retenção de clorofilas em
severa redução da produtividade da lavoura. mas sementes esverdeadas em um lote de se- diferentes cultivares de soja, produzidas em
Além da seca, outras fontes de estresse podem mentes. O ideal é a completa ausência destas, condições de estresse hídrico e térmico, deve-
ocasionar a produção de semente esverdeada: mas, em situações de emergência, pode-se to- -se enfatizar que não existem cultivares de soja
doenças de raiz, como fusariose e macrofomina; lerar até 9,0% de sementes com essa coloração. comerciais que sejam tolerantes ou resistentes
de colmo, como o cancro da haste; e de folhas, Nessa situação, a qualidade da semente, medida à ocorrência desse problema. Existem cultivares
como a ferrugem asiática; intenso ataque de in- pela germinação e vigor, deve estar dentro dos que são mais suscetíveis ao problema e outras
setos, principalmente percevejos sugadores; e, padrões mínimos legais e dos critérios estabele- que apresentam menores índices de sementes
ainda, uma dessecação em pré-colheita mal feita. cidos pela empresa produtora de sementes. esverdeadas sob a ação desse tipo de estresse.
Os índices de sementes esverdeadas são mais in- No processo de beneficiamento das sementes, As informações acima mencionadas foram extra-
tensos, principalmente se esses estresses estive- pouco se pode fazer para reduzir os índices de ídas da Circular Técnica No. 91 da Embrapa Soja,
rem associados com elevadas temperaturas. ocorrência de sementes de soja esverdeadas num intitulada “Semente esverdeada de soja: causas
Dependendo do nível do estresse sofrido, as lote. Uma vez que as sementes esverdeadas são e efeitos sobre o desempenho fisiológico - Série
sementes poderão apresentar intensidades dis- normalmente menores que as sementes normais Sementes” (França-Neto et al., 2012).

“El Niño”: Previsão Os prognósticos climáticos de mais longo acontecer o mesmo, ou seja, períodos quentes,
prazo - especialmente sobre o “El Niño” - in- intercalados com quedas acentuadas de tem-
de retorno no dicam a volta deste fenômeno a partir do se- peraturas, devido à entrada de massas de ar
segundo semestre gundo semestre de 2014. frio muito fortes.
Até lá, ainda estaremos numa fase neutra, que A partir de setembro, com a chegada do “El
deve durar até o mês de agosto. Com isto, o Niño”, as chuvas devem ser mais bem distribu-
clima ainda continua, com estes altos e baixos, ídas, mais abundantes e devem ficar acima da
Autor: intercalando períodos curtos com muita chuva média. As temperaturas devem ficar também
Luiz Renato Lazinski e momentos maiores com pouca ou nenhu- mais amenas sem grandes variações.
Meteorologista - INMET/MAPA ma precipitação. Com as temperaturas devem