You are on page 1of 22
Museus de arqueologia e sitios arqueologicos musealizados — identidades e diferengas Luis Raposo * Resumo Nos tempos actuais, com a globalizagio da vida social e a facilidade de viajar, esbatem-se cada vez mais as fronteiras geogrificas. Este facto favorece 0 turismo de massas dirigido para monumentos hist6ricos € sitios arqueolégicos, locais onde frequentemente se encenam representagdes mais ou menos realistas (lo de “saltarem no tempo", vendo o do passado, dando aos visitantes a. sei sado “tal como ele foi”. Nesta Gptica, os sitios musealizados tealidades préximas, actuais, populares e auténticas Inversamente, tende a atribuir-se aos museus — lugares de descontextualiza- cao ou nao lugares, para usar 0 jargao pds-moderno — o estatuto de entidades distantes, anacrénicas € elitistas oposicao € neste artigo analisada criticamente. A partir do estudo dos latisticos portugueses referentes ao ano de 1995, demonstra-se que sitios possuem publicos distintos, Considera-se também que ambos diferenciadas, Os sitios musealizados proporcionam a descida do observador a “realidade do passado”, tirando partido de todo o tipo de apelos sensoriais; os museus devem suscitar a subida do visitante aos discursos interpretativos do passado, fazendo sobretudo apelo & razao. Sendo assim, combate-se a ideia de que o modelo cultural subj cente 2 musealizacio de sitios arqueolégicos ou monumentos histéricos pe servir de base aos museus. Ou © contrario. Finalmente, considera-se que a consolidagdo social dos museus requer a sua organizagao em plataf sucessivas de exigéncia e integracao, corres- pondentes também a esferas crescentes de intervencao e responsabilizagao do Estado. Neste Aambito estabelece-se a distincao entre “universo dos museus”, “rede portuguesa de museus” e “plano museolégico nacional”, Indicam-se con- tetidos possiveis para cada um destes conceitos, inserindo-os numa Optica mais abrangente de organizagao do conjunto das actividades culturais. 10 vistos Como. museus e cumprem, e devem continuar a cumprir, fungdes sociais * Arquedlogo. Director do Museu Nacional cle Arqueologit © Arquedlogo Portugués, Série IV, 17, 1999, p. 51-72 Luis Raposo ~ Museus de arqueologia e sitios arqueologicos musealizados Abstract Nowadays, the process of globalization is contributing dramatically to the atte- nuation of all geographic frontiers. This fact promotes mass tourism, directed towards historical monuments and archaeological sites, places where the past is Srequently staged in more or less realistic forms. Visitors are invited to “jump into time”, in order to see the past “as it really was”. Musealized sites are to be consi- dered closer realities, actual, popular and autbentic in nature. Inversely, museums — places of descontextualisation or even non-places, using the post-modern jargon — tend to be viewed as spurious, distant, anachro- nistic and elitist entities, In this paper the supra-referred opposition is critically analyzed. Taking into account the statistic data available for the Portuguese museums and sites, refer- ring to 1995, it is proved that they have both different publics. It is also argued that both of them, museums and sites, perform, and should continue to perform, two basically diverse social functions. Musealized sites provide visitors with des- cents to “past reality”, taking advantage of all kind of sensorial appeals; museums shall excite the climb of visitors to different (controversial or even con- tradictory) discursive views of the past, appealing mainly to reason. In this terms, it is rejected the idea that the cultural model inherent to the musealization of archaeological sites or historical monumenis should be used as a valid frame- work for museums. Or the opposite. Finally, it is put forward the idea that, if museums are to be considered a specific domain, they must be organized in successive integrated and deman- ding platforms, corresponding to equally increasing areas of state intervention and responsibility. In this sense and taking in mind particularly the Portuguese present reality, distinction is made between three successive concepts: “the uni- verse of museums”, “the inclusion of museums in net systems” and “the organi- zation of museums in planned state strategies”, along with other related cultural activities and within more encompassing cultural politics. © Anquedlogo Portugués, Série IV, 17, 1999. p. SI a 72 Luts Raposo— Museus de arqueologia e sitios arqueoligicos musealizados 53 “Tudo parece real, € por isso € real; seia como for, © facto de parecer real é real, € 1 coisa é real mesmo se, como em Alice no Pais das Marwvilhas, nunca tenha existido", Umberto Eco, Viagens na Hiper Realidade, 1986 Uma das teses da chamada “Nova Arqueologia” dos anos 60 que porven- tura mais incomodou toda uma percepeao secular, e muito tradicional, da disci- plina foi a de pretender que os dados arqueolégicos (sitios e colecg¢des) consti- tuem realidades do presente. Lewis Binford, por exemplo, afirmou-o repetidamente ao longo de décadas: “o registo arqueolégico é um fendmeno contemporineo. E acima de tudo um fenémeno estitico” (v., por exemplo, 1983, p. 23). Compreende-se a inquietagao que uma tal postura haveria de provocar em certa arqueologia, porventura maioritaria na Velha Europa, a qual, nado obstante © passar do tempo, continuava ainda, na segunda metade do século XX, dema- siado préxima das suas raizes antiquaristas e historicistas, para as quais a cul- tura material representava uma espécie de livro a que, depois de aberto, isto é depois de desenterrado, apenas bastaria limpar o pO ¢ ler, ler como se léem velhos cartularios. Esta postura da “Nova Arqueologia”, tida por profundamente inovadora, continha, porém, um vicio e uma consequéncia, ambos nefastos. O vicio era o de julgar a parte pelo todo, revelando uma evidente ma avaliacao, senao um puro e simples desconhecimento, do que na primeira metade do século tinha sido 0 crescimento disciplinar da hist6ria e, dentro dela, de pelo menos alguma arqueologia. Com efeito, pode dizer-se que, no plano metodoldgico, os princi- pios tafonomistas (chamemos-lhes “critica das fontes”, se preferirmos), inerentes a abordagem de todas as disciplinas hist6ricas (desde a paleontologia e da geo- logia até A arqueologia © 2 historia), longe de terem sido descobertos pelas cha- madas “teorias de nivel intermédio” tio populares desde os anos 60, so afinal quase tao velhos quanto os respectivos saberes. Ou sera que qualquer daquelas disciplinas poderia ter emergido autonomamente, nos séculos XVIII ou XIX, conforme os casos, se nao tivesse j4 entao atingindo niveis de maturidade t 0 Arquedlogo Portugu is, Série IV, 17, 1999, p. 51-72