You are on page 1of 1

Incremental vs.

Inovação Radical

É difícil avaliar que foi pioneiro a dicotomia Incremental-Radical, em parte porque o conceito foi usado por
muitos autores, muitas vezes com uma terminologia diferente, mas expressar o mesmo significado.
Abernathy diferenciado incremental inovação radical já em 1978, enquanto Porter em 1986 ilustrou um
conceito semelhante chamado mudanças tecnológicas contínuas e descontínuas. Também tivemos
autores definem Incremental vs. inovações (Tushman e Anderson) e conservadores vs. inovações radicais
(Abernathy e Clark).

Existem duas dimensões que podemos usar para separar um incremental de uma inovação radical:

1. A primeira é uma dimensão interna, com base no conhecimento e recursos


envolvidos. Uma inovação incremental vai construir sobre o conhecimento e os recursos existentes dentro de uma
determinada empresa, o que significa que será aumentando-competência.
Uma inovação radical, por outro lado, vai exigir completamente novo conhecimento e / ou recursos
e será, portanto, competência-destruindo.
2. A segunda dimensão, o externo, diferencia a inovação baseada em
as mudanças tecnológicas e sobre o impacto sobre a competitividade no mercado. Uma inovação
incremental envolverá mudanças tecnológicas modestos e os produtos existentes no mercado
permanecerá competitivo. Uma inovação radical, ao contrário, envolvem grandes avanços
tecnológicos, tornando os produtos existentes não-competitivo e obsoleto.

Neste quadro, é evidente que os operadores históricos estará em uma posição melhor se a inovação é
incremental, pois podem usar o conhecimento e os recursos existentes para alavancar todo o processo. Os
novos operadores, pelo contrário, terá uma grande vantagem se a inovação é radical porque eles não precisam
mudar seu fundo de conhecimento.

Além disso titulares pode ter um tempo duro de frente para a inovação radical tanto porque operam sob uma
restrição de “mentalidade gerencial” e porque estrategicamente eles têm menos incentivos para investir na
inovação se ele vai canibalizar seus produtos existentes. Kodak ilustra isso muito bem. A empresa domina o
mercado de fotografia ao longo de muitos anos, e durante todo este período todas as inovações incrementais
solidificou sua liderança. Assim como o mercado experimentou uma inovação radical, a entrada da tecnologia
digital, a Kodak se esforçou para defender o seu território contra os novos operadores. A nova tecnologia
necessária diferentes conhecimentos, recursos e mentalidades.

Em geral, podemos dizer que a dicotomia Incremental-Radical ajudou a explicar alguns padrões de inovação, e não havia
evidência favorável para o modelo dentro das indústrias mais maduras. Nas últimas décadas, no entanto, o modelo perdeu
alguma confiabilidade como o ritmo da mudança acelerada na maioria dos setores.

Houve casos em que novos operadores conseguiram deslocar titulares com inovações incrementais e outros casos em que
os operadores históricos mantiveram sua liderança explorando uma inovação radical. Considere a indústria de
computadores, por exemplo, a IBM foi capaz de manter a sua posição dominante, quando houve uma mudança de tubos de
vácuo para circuitos integrados, uma inovação radical.