You are on page 1of 67

UNINOVE

DISCIPLINA: PROCESSOS
PSICOLÓGICOS BÁSICOS - PPB

DOCENTE: Andreia Cristina Correia


Neurônios
• Cada célula nervosa recebe informações
de milhares de outros neurônios e
transmite-as, por sua vez, para outros
milhares de neurônios.

• Os neurônios são capazes de receber,


integrar e transmitir informações
eletroquímicas. Tal capacidade é
essencial para o funcionamento do
Sistema Nervoso.
• Células Gliais (grego=cola). Menores
que os neurônios, sua função é dar
sustentação ao neurônio (apoiar sua
estrutura).

• Também nutrem e melhoram a


velocidade de comunicação entre os
neurônios.

• Removem resíduos, inclusive neurônios


mortos.
3 Tipos básicos de neurônios
• Transmitem informações diferentes:
– Neurônios Sensitivos: transmitem informações sobre o
meio, como luz e som, para o cérebro por meio de
receptores especiais da superfície celular nos órgãos do
sentido. Também transmitem informações da pele e de
órgãos para o cérebro.

– Neurônios Motores: transmitem impulsos para os


músculos e glândulas do corpo. O simples movimento de
piscar os olhos ativa milhares de neurônios motores.

– Neurônios de Associação: transmitem impulsos entre


os neurônios.
Características do Neurônio
1. Corpo celular: Contém o núcleo que
fornece energia para o neurônio
desempenhar suas funções. Também
contém estruturas que são encontradas
em todas as células do corpo e material
genético.
2. Dendritos: ramificações que recebem
mensagens de outros neurônios e de
células específicas.
3. Axônio: Tubo alongado que saí do corpo
celular. Levam informações para outros
neurônios e outras células, glândulas e
músculos. É na arborização terminal
que as informações são transmitidas
aos alvos. Alguns neurônios não
possuem axônios.
4. Nodos de Ranvier: Intervalos no axônio
que não são recobertos pela bainha de
mielina.
5. Bainha de Mielina: Cobertura cilíndrica,
composta de camadas de gordura, derivada das
células gliais. Ajuda a isolar um neurônio do
outro.
Neurônios envolvidos com mielina
conduzem as informações 20 vezes mais
rápido.
Sua degeneração pode gerar redução da
velocidade ou interrupção na transmissão das
mensagens o que resulta em distúrbios motores
ou sensoriais. Ex: esclerose múltipla - apresenta
sintomas como fraqueza, perda da
coordenação, perturbação da fala e da visão.
Neurônio mielinizado
A comunicação dentro do neurônio

• Potencial de ação: impulso elétrico


breve, no qual a informação viaja pelo
axônio de um neurônio.
• A membrana do axônio é quem faz o
controle da quantidade de íons de sódio
e potássio.
• Para se ativar um neurônio é necessário
um estímulo mínimo (limiar do neurônio).
Comunicação entre os neurônios
SINAPSES
• Sinapse é a junção entre dois neurônios.

• É pela sinapse que os sinais são transmitidos


de um neurônio para outro (neurotransmissão
química).

• Os neurônios se organizam de maneira a


enviar informações sinápticas para outros
neurônios e também de modo a receber
informações sinápticas de outros neurônios.
SINAPSES QUÍMICAS
• O impulso nervoso, ao atingir os
terminais sinápticos, provoca liberação
de neurotransmissores, que interagem
com receptores localizados nas
membranas pós e pré-sináptica.

• A Transmissão é unidirecional.

• A maior parte dos psicofármacos exerce


seus efeitos por modificar a transmissão
sináptica.
Comunicação entre os neurônios

• Pré-sináptico: que envia a mensagem


• Pós-sináptico: que recebe
• Fenda sináptica: espaço que separa um
neurônio do outro.
• A maior parte da comunicação entre os
neurônios é química, embora possa
ocorrer a elétrica.
SINAPSES
• Terminal Pré-sináptico (neurônio pré-sináptico);
• Fenda sináptica (conexão entre o neurônio pré-
sináptico e o neurônio pós-sináptico);
• Membrana Pós-sináptica (neurônio pós-
sináptico)

OBS: Os receptores estão presentes em ambos


os lados da fenda sináptica e são elementos
chave na neurotransmissão química.
Sinapse
Neurotransmissores
• Cada pensamento, ação e emoção
envolve liberação de
neurotransmissores.

• Capacidade de perceber, sentir, pensar,


movimentar-se, agir e reagir depende do
delicado equilíbrio dos NT no SN.
Neurotransmissores e seus efeitos
• São mensageiros químicos produzidos
por um neurônio.
• Eles tem um papel importante pois
carregam as informações que podem
ativar ou não outros neurônios (isso
dependerá do receptor que ele se
agregar).
• A quantidade é pequena.
• Níveis anormais estão associados a
problemas físicos e comportamentais.
Neurotransmissor Funções
Acetilcolina (Ach) Contrações musculares, aprendizagem, memória
Monoaminas constituídas de
aminoácidos
Dopamina Movimento (voluntários), atenção, aprendizagem,
sensações agradáveis e de gratidão
Serotonina Sono, humor, estados emocionais - depressão
Noradrenalina Excitação e vigilância / Alerta em situações de perigo
ou ameaça
Comportamento de comer
Aminoácidos
GABA – Ácido gama-aminobutírico Inibidor primário do SNC
Dupla função – regula ciclos do dormir e acordar
Glutamato Excitatório primário – Aprendizagem e memória
Peptídeos moduladores Modulam a Neurotransmissão
aminoácidos Prologam/encurtam ação/ influenciam receptores
pós-sinápticos
CCK - colecistocina Aprendizagem ,memória, transmissão da dor,
saciedade
Endorfinas Redução da dor, recompensa, humor eufórico
Substância P Percepção da dor
Neurotransmissores importantes

• Acetilcolina: Estimula a contração dos


músculos
• Todos os movimentos exigem
acelilcolina.
• É encontrada em muitos neurônios
• É importante também para a memória,
aprendizagem e trabalho intelectual
• Doença de Alzheimer - perda de
acetilcolina.
Neurotransmissores importantes
• Dopamina: envolvimento com movimentos,
atenção, aprendizagem, sensações
agradáveis ou de gratidão.
• Dependência de drogas: Uso de cocaína e
nicotina provocam aumento da dopamina
• Parkinson: causado pela degeneração dos
neurônios que produzem dopamina.
• Esquizofrenia: níveis excessivos
(eventualmente).
Neurotransmissores importantes
• Serotonina: sono (sonhar), humores e estados
emocionais, inclusive depressão, controle do
impulso.

• Anti-depressivos aumentam a disponibilidade


de serotonina em algumas áreas do cérebro.

• Noradrenalina: estimula os neurônios, dá alerta


de perigo ou ameaça em situações de perigo,
tem função importante na memória.
• Depressão – falta do NT
Neurotransmissores importantes

• Gaba: ácido gama aminobitírico: envia


mensagem inibitória a outros neurônios.
• Valium combate a ansiedade aumentando
atividade GABA.

• Glutamato: envia mensagem excitatória a


outros neurônios.
Neurotransmissores importantes
• Peptídeos: Modulam a Neurotransmissão
– Prologam/encurtam ação/ influenciam receptores pós-
sinápticos

• Endorfinas: Semelhante a morfina, é 100 vezes


mais potente, reduzem a sensação de dor.
• Recompensa
• Barato dos corredores: corredores de maratona
liberam 4 vezes mais endorfina.
Neurotransmissores importantes
• CCK - colecistocina: Transmissão da dor,
aprendizagem e memória. Saciedade
(hormônio).

• Substancia P: Percepção da dor. O excesso da


substância P no organismo resulta em maior
percepção da dor.
Neurotransmissores
• Substancias químicas liberadas na fenda sináptica

Substâncias
• Intensificam P.A
– AGONISTA: aumenta a ação do neurotransmissor
• Inibem P.A
– ANTAGONISTAS :diminuem a a ação do
neurotransmissor
Como as drogas afetam a transmissão
sináptica?
• Há drogas que aumentam ou diminuem a
quantidade de neurotransmissores liberados pelos
neurônios.
• Interferem no tempo que os neurotransmissores
ficam na fenda sináptica. Interferência na
reabsorção pelo neurônio transmissor.
• Ex: Prozac inibe a reabsorção da serotonina,
aumentando a disponibilidade de serotonina no
cérebro.
• Ex: Cocaína produz os efeitos excitatórios pois
interfere com a reabsorção de dopamina.
Como as drogas afetam a transmissão
sináptica?
• Simular o neurotransmissor: droga semelhante
ao neurotransmissor produzirá o mesmo efeito.
• Ex: nicotina. Estimulante. Semelhante à
acetilcolina e pode ocupar o sítio receptor de
seu receptor, estimulando os músculos
esqueléticos e aumentando as batidas
cardíacas.
• Bloquear ou simular efeitos de um
neurotransmissor (curare simula a acetilcolina e
bloqueia as superfícies receptoras, paralisa os
músculos quase que instantaneamente).
O Sistema Endócrino
• Sistema de comunicação – pensamento,
comportamento e ação.

• É composto por glândulas que transmitem informações


por meio de mensageiros químicos (hormônios).

• Um sistema de glândulas localizado por todo o corpo


que secreta hormônios na corrente sanguínea.

• Hormônios: mensageiros químicos secretados na


corrente sanguínea pelas glândulas endócrinas.
O Sistema Endócrino
• Integrado ao Sistema Nervoso, mas não faz
parte dele.

• Os hormônios influenciam o metabolismo, a


taxa de crescimento, a digestão, a pressão
sanguínea, o desenvolvimento sexual,
reprodução etc.

• Estão envolvidos na resposta ao estresse.

• A liberação de hormônio pode ser estimulada ou


inibida por certas partes do sistema nervoso.
INTERAÇÃO

• Secreção, controlada pelo cérebro (hipotálamo) elo


entre SN e SE - importante na homeostase corporal, - ajustamento do organismo às
variações externas.

Controla a temperatura corporal, o apetite , a água no corpo, além de ser o principal


centro da expressão emocional e do comportamento sexual.
• Glândula pituitária - controla a produção de hormônios de
outras glândulas do SE

• Glândulas-supra-renais - atuam na resposta ao estresse


(lutar ou fugir) Córtex supra-renal - Medula supra-renal
• Secretam epinefrina (adrenalina) e norepinefrina
O Sistema Endócrino
• Glândulas Supra-renais – Interesse para
psicólogos
– Córtex Supra Renal
– Medula Supra-Renal “resposta de lutar ou fugir” produz
adrenalina (epinefrina) e norepinefrina que ocasiona a
estimulação física em resposta ao perigo, raiva, medo , estresse
e outras emoções fortes.

• Produzem hormônios que fazem parte da resposta


humana ao estresse
O Estudo do Cérebro
Os Processos cerebrais não podem ser observados diretamente.

Dificuldades encontradas:

• Localização impossibilita observação direta

• Complexidade (quantidade de neurônios estruturas intrincadas).

• Frenologia (Gall – Séc. XIX): teoria pseudocientífica sobre o cérebro


que afirmava que as características de personalidade, moral e
inteligência podiam ser determinadas pelo exame de protuberâncias
no crânio de uma pessoa.

• O que ficou da teoria de Gall? Idéia de que diferentes funções


psicológicas localizam-se em áreas diferentes do cérebro.
ALTERNATIVAS
• Estudo de caso;
• Produção de lesões;
• Estimulação elétrica;

Mapeamento do Cérebro
1 - Estrutura (tomografia, Ressonância magnética.
2 – Atividade elétrica (eletroencefalograma)-EEG
3 – Imagem da atividade cerebral (PET-scan e
fMRI).
Mapeamento do Cérebro
• Eletroencefalograma: registra atividade
elétricas do cérebro.
– muito indicado em suspeitas de alterações na
atividade elétrica do cérebro e em suspeitas
de alteração dos ritmos cerebrais
Mapeamento do Cérebro
• PET Scan: Tomografia por emissão de
pósitron gera imagens da atividade
cerebral.
mostra em cores brilhantes as regiões do
cérebro , onde as células nervosas estão
trabalhando durante alguma tarefa mental.
Mapeamento do Cérebro
• Ressonância Magnética
• não envolve dor, mas pode haver um
desconforto relacionado à sensação de
claustrofobia
FUNCIONAMENTO CEREBRAL

• Raramente funções específicas


correspondem a um único ponto do
cérebro. Atividades como andar, falar e
ler envolvem várias regiões e estruturas.

• Os neurônios ou uma rede deles é


responsável por transmitir informações,
lesões nestas redes podem afetar várias
funções.
ESTRUTURA CEREBRAL
• Tronco cerebral e Córtex cerebral
1- TRONCO CEREBRAL:
• cérebro posterior – liga o cérebro à medula
espinhal
– Medula oblonga (ou bulbo): controle da respiração,
os batimentos cardíacos e outras funções vitais como
digestão. Engolir, tossir, vomitar, espirrar. Lesões
podem causar morte.
– Cerebelo: controla o equilíbrio, o tônus muscular e a
coordenação dos mov. dos músculos. Responsável
pela aprendizagem de movimentos habituais ou
automáticos, ou habilidades motoras como digitar,
escrever ou jogar tênis. Área afetada pelo álcool.
ESTRUTURA CEREBRAL
• Tronco cerebral e Córtex cerebral

1- TRONCO CEREBRAL:
• cérebro posterior – liga o cérebro à medula
espinhal
– Formação Reticular: Controle da atenção e do sono.
– Ponte: auxilia na coordenação dos movimentos dos
lados direito e esquerdo do corpo.

• Mesencéfalo- (processamento de informações


sensoriais, visuais e auditivas).
– Substância Negra: controle motor/ grande
concentração de dopamina. Parkinson.
ESTRUTURA CEREBRAL
• Tronco cerebral e Córtex cerebral

2- CÓRTEX CEREBRAL: Composto pelo


cérebro anterior (córtex cerebral e estrutura
do sistema límbico).
- É a maior região do cérebro. 90%
- Córtex Cerebral: divide o cérebro em 2
hemisférios.
LOBOS CEREBRAIS
ESTRUTURAS DO SISTEMA
LIMBICO
• Tálamo: massa arredondada localizada
entre os hemisférios. Processa e distribui
informações motoras (exceto olfato).
Nele há várias rotas de neurônios que se
dirigem a outros lobos.
Função: Central de distribuição
sensorial. Acredita-se que regule níveis
de motivação, percepção, atenção e
aspectos emocionais de sensação
• Hipotálamo: Abaixo do tálamo. Possui
muitas conexões neurais (outras áreas
do cérebro, mesencéfalo, cérebro
posterior e medula espinhal)
Função: Regula as divisões do sistema
nervoso autonomo, funções ligadas à
sobrevivência, sono vigilia e outros
ritmos do corpo. Controle considerável
sobre a secreção de hormônios, através
da influência direta sobre a glândula
pituitária (hipófise).
• Hipocampo: Estrutura grande encerrada
no lobo temporal de cada hemisfério
Função: importante na formação de
novas memórias.

• Amigdala: Localizada na base do lobo


temporal, formato de amendoa .
Função: controla uma variedade de
respostas emocionais como raiva, medo
e aversão. Participa na formação de
memórias (em emoções fortes) e
aprendizagem.
SISTEMA LIMBICO
HEMISFÉRIOS CEREBRAIS
• Os hemisférios são iguais?

• Há diferenças no funcionamento?

Embora com funções simétricas, tem


habilidades específicas e a rede que os
une é o corpo caloso.
• Inicio do século XIX – ideia de
localização de funções cerebrais
específicas (frenologia)
• Pierre Broca (1824-1880) – pacientes
com dificuldades em falar, mas que
entendiam e podiam escrever. Após
autópsia verificou-se lesão cerebral na
parte inferior do lobo frontal esquerdo.
área de Broca: Produção da fala.
• Karl Wernicke (1848-1905): pacientes
com dificuldade em entender a
linguagem oral e escrita, mas
conseguiam falar, às vezes usavam
palavras sem sentido. Após autópsia
verificou-se lesões no lobo temporal do
hemisfério esquerdo.

• Área de Wernicke: dificuldade em


selecionar as palavras e compreensão
do que ouvimos
• Corpo caloso

• Lateralização de função: um hemisfério


exerce maior controle sobre uma função
psicológica ou cognitiva específica.

• Localização cortical: diferentes funções


encontram-se localizadas em áreas
diferentes do cérebro.
Hemisfério Direito
• Respostas emocionais, não verbais
• Tarefas visuais e espaciais que
envolvem decifrar sinais visuais
complexos, montar quebra-cabeças
• Reconhecimento de rostos e expressões
faciais emocionais
• Sensibilidade para música
Hemisfério Esquerdo
• Predominância nas habilidades da fala,
• Linguagem
• Leitura
• Escrita

• DIFERENÇAS RELATIVAS:Em qualquer


atividade os dois hemisférios são
ativados, trocam informações. Áreas
motoras e sensoriais são ativadas
igualmente.
A Especialização do Hemisférios
Cerebrais
• Broca e Wernicke: primeiras evidências de os
hemisférios direito e esquerdo eram
especializados para funções diferentes.

• Lesões no hemisfério esquerdo afetava a fala e


a linguagem (Afasia: incapacidade parcial ou
total de articular idéias ou entender linguagem
escrita e oral devido a lesões ou acidentes
cerebrais).

• As mesmas Lesões no Hemisfério Direito não


causariam afasia.
A Especialização do Hemisférios
Cerebrais
• Lateralização de Função: A noção de
que funções psicológicas ou cognitivas
específicas são processadas
principalmente em um lado do cérebro.

• Fala e Linguagem são lateralizadas no


lado esquerdo.
A Especialização do Hemisférios
Cerebrais
• Afasia de Broca: dificuldade me falar,
mas compreensão oral e escrita é
intacta.

• Afasia de Wernicke: podem falar, mas


têm dificuldades em achar a palavras
certas e entender a linguagem orla e
escrita. CASOS GRAVES- envolvem uso
de palavras em sentido.
A Especialização do Hemisférios
Cerebrais: hemisférios cerebrais
separados
• Sperry (1940) - Divisão do Cérebro através do
corte do corpo Caloso.

• Hemisfério Esquerdo é especializado em tarefas


para a linguagem, fala e escrita e o direito em
tarefas de percepção visual e espacial,
emoções não verbais. Reconhecer rostos, ler
mapas, copiar formas e desenhar.

• Corpo Caloso permite troca de informações


entre os 2 hemisférios.
Plasticidade funcional
• Cérebros têm a capacidade de mudar e
crescer ao longo da vida

• Plasticidade Neuronal

• Rosenzweig (1960) – Experimento


mostrando que ambiente enriquecido
afeta o tamanho do cérebro