You are on page 1of 26

Índice

Abreviaturas…………………………………………………………………………………………...I

Introdução........................................................................................................................2
Objectivos........................................................................................................................3
Determinação do Sexo em Répteis..................................................................................3
1.1 Influência dos Factores Ambientais (Temperatura).................................................3
1.2 Influência dos Factores genéticos na Determinação...............................................9
1.2.1 Genes Envolvidos na Determinação do sexo Gonadal nos Mamíferos..................14

1.2.1.1 Genes Localizados nos Cromossomas Sexuais..................................................14

1.2.1.2 Genes Localizados nos Autossomas...................................................................14

1.3 Influência de Factores Ambientais e Genotípicos..................................................16


Influência do Ambiente Materno no Dimorfismo Sexual.................................................18
Evolução e Determinação dos Cromossomas Sexuais...................................................20
Transição Entre o Sistema GSD a TSD...........................................................................21
Conclusão.......................................................................................................................24
Referências Bibliográficas..............................................................................................25
Introdução
Reprodução é a função através da qual os seres vivos produzem descendentes. Existem dois
tipos básicos de reprodução: assexuada e sexuada. De grosso modo, todos vertebrados apresentam
reprodução sexuada (Storer, Usinger, Stebbins e Nybakken 2003).

Segundo Randall, Burggren e French, (2002) a reprodução tem como, em última analise,
garantir a sobrevivência do ADN na “germ-line”, pois a informação nela contida determina a espécie
e uma falha, pela espécie, de reproduzir esta informação leva à imediata extinção.

A existência de dois sexos (macho e fêmea) favorece a reprodução sexuada e por isso a
determinação do destino sexual é uma parte integrante de reprodução, usado como um dos meios
para enriquecer o genoma (Manolakou, Lavranos e Angelopoulou, 2006), sendo um processo
biológico fundamental de uma profunda importância para o desenvolvimento de indivíduos e
formação “ratio” sexual na população (Sarre, Georges e Quinn 2004).

Segundo Sarre, et al., (2004) a diferenciação sexual compreende todos processos da formação
de testículos ou ovários a partir de uma gónada indiferenciada (gónada bipotencial) e não deve ser
confundida com a determinação sexual, que é o principal assunto deste trabalho, o qual é o processo
que decide a diferenciação sexual a levar uma rota ou outra.

Existe, entre os vertebrados uma diversidade de mecanismos para a determinação sexual,


facto que se deve à influência de vários factores neste processo que podem ser externos sendo o mais
importante a temperatura (mudanças climáticas?) e internos, destes destacam se os de carácter
genotípico (cromossomas e genes). Neste âmbito são colocados aspectos tais como acção de
hormonas e enzimas (proteínas), ectotermia e endotermia (Manolakou, et al., 2006).

A Classe Reptilia (Répteis) compreende as ordens SQUAMATA (Lagartos e Cobras),


CHELÓNIA (Tartarugas e Jabutis), CROCODIALIA (Crocodilos, Jacares e Aligátor)
RHYNCHOCEPHALA (Tuatara da Nova Zelandia – Sphenodon punctatus), são dióicos com
dimorfismo sexual, animais ectotérmicos. A fecundação é interna por órgãos copuladores, a maioria
são ovíparos (ovos grandes com muito vitelo, em cascas córneas ou calcares), geralmente com
ovipostura, poucos são ovovíparos e vivíparos (Lacerta vivipara). Em algumas espécies há retenção
dos ovos quando as condições de ovipostura são desfavoráveis (Storer, et al., 2003).

2
Objectivos
 Estudar os factores que influenciam na determinação do sexo nos répteis;

 Identificar os factores que Influenciam no sexual nos répteis;

 Descrever os mecanismos da determinação do sexo nos répteis;

 Explorar a evolução dos cromossomas sexuais nos répteis.

Determinação do Sexo em Répteis


Existem dois factores principais que podem influenciar na determinação do sexo nos
vertebrados: factores ambientais (externos) e factores genéticos (internos) (Manolakou, et al., 2006).

Espécies diferentes de répteis apresentam uma variedade considerável de padrões de


determinação de sexo (Manolakou, et al., 2006). Sarre, et al., (2004), fazendo uma revisão sobre a
determinação do sexo em répteis, asseguraram que os répteis estão representados por espécies em
que o sexo é determinado primariamente pelo genótipo, espécies em que o mecanismo genético e
ambiental co-existem e interagem em menor ou maior escala para criar fenótipos sexuais e espécies
onde o sexo é determinado primariamente pelo ambiente (temperatura).

Segundo Grech, Vassallo-Agius e C. Savona-Ventura (2000) e Uller e Olsson (2003) os


factores, tais como ambiente interno materno (por exemplo: hormonas, posição do feto em relação
aos outros, tamanho dos ovos, etc.), tem influência nas características da descendência.

1.1 Influência dos Factores Ambientais (Temperatura)

Alterações ambientais decorrentes do aumento das temperaturas sobre animais terrestres são
mediados por interações complexas entre as variáveis climáticas, relevo e vegetação, bem como
morfologia, comportamento e fisiologia animal. As espécies ovíparas são mais vulneráveis às
alterações climáticas principalmente na fase embrionária, uma vez que os ovos são tipicamente
abandonados em locais fixos durante todo o seu desenvolvimento (Conceição, Almeida, Brasileiro,
Barros, Wiltshire e Sarment,o 2009)
Quando o sexo é primariamente determinado pelo ambiente, o factor mais importante e
extensivamente estudado em muitas espécies de vertebrados é a temperatura (Pieau, Dorizzi e
Richard-Mercier, 1999)

3
Muitas espécies de répteis mostram o mecanismo de determinação de sexo dependente da
temperatura (TSD, do inglês temperature-dependent sex determination) onde o sexo é determinado
depois da fertilização pelas condições ambientais que prevalecem durante incubação embrionária, e
largamente independente das influências directas dos factores genéticos (Sarre, et al., 2004).

Espécies com padrão TSD não possuem nenhum cromossoma sexual discernível e o sexo não
é determinado pela presença ou ausência de genes específicos. Nestes organismos, é a temperatura
do ambiente em um período específico de incubação que pode determinar se o animal em questão
torna-se em um macho ou uma fêmea (Manolakou, et al., 2006).

Há um período específico de incubação que geralmente é considerado encontra-se no meio


do terceiro estágio de desenvolvimento durante qual a temperatura dos ovos controla com bastante
precisão o seu destino sexual. Este período particular também é conhecido como o período
termosensitivo (TSP - do inglês: thermosensitive period). É durante este período que uma enzima
muito específica entra em questão, a aromatase, uma enzima cytP450 responsável pela conversão do
androgénio em estrogénio, e é comum entre muitos organismos (Figura 1) (Pieau, et al., 1999 e
Manolakou, et al., 2006).

Figura 1. Aromatase. Aromatase é uma enzima de cytP450 que permite a conversão de andrógeno
em estrogénio (Manolakou, et al., 2006).

Nos répteis, a síntese de estrogénios depende da aromatização da testosterona e


androstenediona à estrogénios estrona e estradiol-17β (Sarre, et al., 2004).

Em répteis, enquanto a esteroidogénese começa muito cedo, até antes mesmo do TSP, a
actividade de aromatase permanece universalmente baixa. Com o início do TSP, porém, a actividade
de aromatase parece aumentar dentro certos intervalos de temperaturas que variam para cada espécie
(Pieau, et al., 1999). Por exemplo, em tartarugas marinhas e de água doce, temperaturas mais altas
causam um aumento exponencial de actividade de aromatase, por outro lado, em temperaturas mais
baixas a actividade da aromatase permanece baixa. Os diferentes níveis de actividade de aromatase
dão origem a diferenciação da gónada indiferenciada em um ovário ou testículos. Uma vez o TSP

4
tenha terminado e o destino da gónada estabelecido, mudanças adicionais em temperatura parece não
ter nenhum efeito (Figura 2) (Manolakou, et al., 2006).

Há consensos gerais de que a temperatura mostra sua influência em espécies com TSD
agindo nos mecanismos genéticos que governam enzimas esteroidogénicas ou receptores de
hormonas esteróides, assim alterando o ambiente hormonal do embrião sexualmente indiferenciado e
dirigindo o desenvolvimento em macho ou fêmea (Sarre, et al., 2004).

Foi sugerido recentemente que aromatase também pode ser regulado através de parâmetros
secundários, diferente de temperatura. Isto foi descrito por exemplo, no caso da Prostaglandina E2
que parece estar associado com o aumento da acção de aromatase (Manolakou, et al., 2006).

Figura 2. Mecanismo de determinação de sexo dependente da temperatura. Os níveis de


actividade de Aromatase durante o período termosensitivo (TSP) são regulados pela temperatura do
ambiente e controlam a diferenciação gonadal. Mudanças na temperatura ambiental antes e depois do
TSP não parece afectar sexo (Manolakou, et al., 2006).

Segundo (Sarre, et al., 2004), casos de TSD estabelecidos para tartarugas, apenas um sexo é
gerado a altas temperaturas (fêmea) e o outro sexo a baixas temperaturas (macho). Num intervalo
muito estreito de temperaturas (intervalo pivotal), ambos sexos são produzidos e este intervalo
pivotal separa os intervalos de produção de machos das fêmeas. Conceição et al., (2009) e Pieau, et
al., (1999), sustentam que, nos répteis com TSD, durante o intervalo pivotal, inter-sexos
(hermafroditas) podem ser também formados. A extensão do intervalo pivotal varia grandemente
entre as espécies e muitas espécies possuem um extremo superior e inferior do intervalo pivotal em
que as fêmeas são produzidas nos dois extremos de temperatura e os machos nas temperaturas
intermediárias (Pieau, et al., 1999 e Sarre, et al., 2004).

5
Segundo Conceição et al. (2009), em quelónios, com algumas excepções, a incubação dos
ovos sob baixa temperatura induz a formação de machos enquanto a incubação dos ovos sob
temperatura mais alta induz a formação de fêmeas.

A diferenciação gonadal como função da temperatura tem sido descrita em muitas espécies
de répteis. A figura 3 esquematiza alguns aspectos histológicos do processo de diferenciação gonadal
a partir da formação do primórdio gonadal até às estruturas das gónadas na eclosão. As principais
mudanças morfológicas que ocorrem durante este processo são similares em todas espécies de
tartarugas e alligators (Pieau, et al., 1999).

Figure 3. Diferenciação Gonadal em répteis com padrão TSD: a, albuginea; BcMc, cápsula
de Bowman de corpúsculo de Malpighi; bv, vaso sanguíneo; c, córtex; ca, córtex “anlage”; ce,

6
epitélio coelómico; dm, mesentério dorsal; gc, células germinais; ge, epitélio germinal; l, “lacunae”;
Lc, células de Leydig; m, medula; mc, cordas medullares; mm, mesenquima mesonéfririco; mt, tubo
mesonéfrico; oo, oocito; pf, folículo primordial; rc, cordão “rete”; rca, cordão “rete” de “anlage”;
sca, cordão seminífero de “anlage” (Pieau, et al., 1999).

Uma das hipóteses, sustentada por Sarre, et al., (2004), para a determinação do sexo nos
grupos especificados de répteis é a de que a temperatura poderia afectar directamente os genes que
controlam os harmónios específicos para a diferenciação das gónadas, e consequentemente, na
determinação do sexo dos indivíduos. A outra hipótese é a de que a temperatura poderia influenciar
na taxa de transcrição e tradução desses genes responsáveis pelos hormônios na determinação do
sexo.

Pieau, et al., (1999), relata estudos laboratoriais com feitos com Emys orbicularis, Alligator
mississippiensis, Trachemys scripta e Malaclemys terrapin sobre os genes que codificam os
receptores de aromatase e astrogenos, onde notou-se que a diferenciação na actividade de aromatase
como uma função da temperatura de incubação dos embriões resulta da diferença na regulação do
gene da aromatase ao nível de transcrição e os genes receptores são expressos no início do TSP.

Como seria de esperar, o mecanismo TSD parece ser um fenómeno largamente distribuído
entre os vertebrados de sangue frio (ectotérmicos), provavelmente é o método de escolha para obter
espécies férteis com sexo reverso (Wallace, Badawy e Wallace, 1999).

Qual será a influencia da temperatura em aves e mamíferos, no que concerne ao aspecto


reprodutivo?

As aves e mamíferos mostram um mecanismo genético ou cromossomal de determinação do


sexo, chamado determinação genotípica de sexo ou GSD (do inglês - genotypic sex determination)
(Sarre, et al., 2004 e Manolakou, et al., 2006).

Recentes estudos de vários países mostraram um declínio no nascimento de machos


(mamíferos - homens), com uma queda no “ratio” tradicional (1.06:1) de nascimentos de macho em
ralação a fêmeas nas últimas três a cinco décadas (Grech, Vassallo-Agius e Savona-Ventura, 2000).

Grech, et al., (2000), fazendo um estudo demográfico em Malta, entre 1890 a 1995, e na
Europa ocidental, entre 1990 a 1995, verificaram que em Malta não houve tendência de declínio
durante o século 20; porém, para todos anos (1890-1899 e 1916-1995) a razão entre machos e fêmeas
foi de 0.519 (Figura 4), consistentemente maior que o esperado (0.515). Por outro lado, os países do
sul da Europa tiveram um maior número de nascimentos de machos que os países da Europa do norte
(Figura 5).

7
Figura 4. Relação de nascimentos masculinos e o total de nascimentos em Malta para
diferentes períodos (Grech, et al., 2000).

Figura 5. Relação de nascimentos masculinos e o total de nascimentos através de latitude


geográfica para o período de 1990 – 1995 (Grech, et al., 2000).
Os autores concordam que o feto masculino é mais susceptível às injúrias ambientais, e
realmente o feto masculino é mais frágil e propenso a ser natimorto. Produtos Tóxicos resultados da
industrialização, causando perdas crescidas de fetos masculinos tem sido colocado como uma causa
para o decréscimo observado no nascimento de machos.

Mas os resultados não puderam explicar a incidência mais alta de nascimentos masculinos
dentro o sul de Europa, especulando-se que temperaturas ambientais não só podem afectar a
fertilidade, mas também o “ratio” do sexo no nascimento.

8
Deste modo, as observações levaram à sugestão de que o potencial factor óbvio é
temperatura, e estudo relativo a relação de sexo ao nascimento, e não só para fertilidade, pode ajudar
elucidar os resultados do estudo.

A tabela 1 mostra, de uma maneira resumida, as diferenças existentes, entre os vertebrados,


sobre a influência da temperatura na determinação do sexo e seus mecanismos. Pode-se notar que os
peixes e répteis são as únicas classes de vertebrados que apresentam o mesmo mecanismo da acção
da temperatura na determinação sexual.

Tabela 1. Influência da temperatura na determinação do sexo nos vertebrados e seus mecanismos.

Classes Efeito da temperatura Mecanismo


Peixes Determina o sexo Similar dos répteis
Desconhecido, não similar a dos
Anfíbios Reversão sexual
répteis
Regulação de níveis de aromatase no
Répteis Determina o sexo
TSP
Aves Fertilidade e Proporção (ratio) do
Desconhecido
Mamíferos sexo no nascimento?

1.2 Influência dos Factores genéticos na Determinação

Quando o sexo é primariamente determinado pelos factores genéticos (internos) então as


espécies em causa mostram um mecanismo genético ou cromossomal de determinação de sexo,
chamado determinação genotípica de sexo ou GSD (do inglês - genotypic sex determination). Nestas
espécies com GSD, o sexo é considerado ser determinado por factores genéticos que operam
largamente independentemente do ambiente (Sarre, et al., 2004).

Geralmente, cromossomas sexuais são discerníveis e genes específicos relacionados com o


sexo e ou ligados aos cromossomas sexuais são conhecidos (Manolakou, et al., 2006).

Segundo Sarre, et al., (2004), os répteis tem um padrão complexo de GSD envolvendo tanto
o sistema XX/XY como ZZ/ZW. É improvável que um único mecanismo de GSD ou gene do sexo
seja conservado entre répteis. Nós podemos esperar genes determinantes do sexo equivalentes para
SRY e DMRT1 em répteis com sistemas XY e ZW, mas dado que GSD evoluiu muitas vezes,
provavelmente, podem ser esperadas numerosas formas de tais genes determinantes do sexo.

A maioria da compreensão de GSD em répteis passa por analogia a aves e mamíferos porque
houve uma investigação limitada do mecanismo GSD em répteis (Sarre, et al., 2004).

9
Todas aves apresentam GSD como padrão de determinação do sexo com sistema ZZ/ZW.
Põem, as fêmeas são heterogaméticas (dois tipos de gâmetas) carregando uma cópia de cada
cromossoma sexual (ZW), sendo os machos homogaméticos (todos gâmetas de com um tipo) ZZ. Os
cromossomas Z e W não têm nenhuma relação com os cromossomas X e Y dos mamíferos, e na
realidade, parecem terem evoluído de diferentes pares de autossomas (Manolakou, et al., 2006).

Mas qual dos cromossomas carrega o gene que despoleta a determinação do sexo? Hoje em
dia, existem duas maiores teorias sob investigação descritas por Manolakou, et al., (2006) (Tabela 2
e Figura 6):

1. O sexo pode depender da dosagem do cromossoma Z e um dos genes sugerido nesta


teoria é o DMRT1, o qual está localizado no cromossoma Z agindo por um mecanismo de
dosagem e é expresso especificamente nas gónadas, assim, é possível ligar o número dos
cromossomas Z com a diferenciação gonadal;

2. Por outro lado, sexo pode ser determinado pela presença do cromossoma feminizante
W, seguindo o exemplo do Y em mamíferos de euterianos. Existem dois diferentes mecanismos
que estão a ser estudados. (1) Um dos mecanismos incluem o gene FET1, isolado no
cromossoma W e não tem homologo no cromossoma Z e é expressado quase exclusivamente
no sistema urogenital fêmea; (2) o outro inclui o gene ASW, também conhecido como WPKCI,
e seu homólogo ZPKCI no cromossoma Z. Foi proposto que os produtos destes dois genes são
capazes de formar dímeros, com homodímeros ZPKCI agindo como um factor testicular e
heterodímero WPKCI/ZPKCI impedindo este efeito.

Tabela 2. Diferentes combinações dos cromossomas Z e W e aneuploidia relacionados com o sexo


(adaptado de Manolakou, et al., 2006).
Número de Cromossomas Z e W Sexo
ZZ Macho normal
ZW Fêmea normal
ZZZ Animal com testículos, mas infértil
ZWW Neonato morto
ZZW Animal manifesta-se como inter-sexo

10
Figura 6. O papel de ZPKCI e ASW (WPKCI) no sistema ZW para a determinação do sexo
em aves. De acordo com uma das teorias, as proteínas de ZPKCI formam homodímeros em machos
ZZ que estimulam um factor necessário para a diferenciação dos testículos. Considerando que em
fêmeas ZW, o ASW (também conhecido como WPKCI) as proteínas formam heterodímeros com
ZPKCI que pode prevenir a activação daquele factor ou pode estimular directamente a diferenciação
de ovários (Manolakou, et al., 2006).

Ainda não foi demonstrado que os mamíferos Monotrematas possuem o gene sexo-específico
SRY, sugerindo que o SRY evoluiu a sua função de activar a rota de desenvolvimento sexual
masculino antes da divergência dos Monotrematas e mamíferos euterianos a cerca de 170 milhões de
anos atrás (Figura 7) (Pask e Graves 1999).

Na maioria dos mamíferos euterianos, o sexo é determinado pela presença do gene SRY no
cromossoma Y. O SRY está presente no cromossoma Y dos Marsupianos mas não controla todas as
facetas de determinação de sexo neste grupo (Tabela 3). Parece estar ausente em todos os
vertebrados não mamíferos, e provavelmente evoluiu de um gene SOX. Estas observações sugerem
que o gene SRY evoluiu recentemente (Sarre, et al., 2004).

11
Figura 7. Filogenia da classe Mamállia, indicando a divergência dos Marsupianos,
Monotrematas, répteis e aves. Os números indicam tempos estimados da divergência em milhões de
anos atrás (Pask e Graves 1999).

Nos Marsupianos, a formação das glândulas mamárias e do escroto desenvolve antes da


diferenciação gonadal tomar lugar e é independente das hormonas gonadais. De facto, parece estar
sob controlo de genes localizados no cromossoma X. Assim, acontece que animais genotipicamente
XXY possuem testículos, mas em lugar do escroto, existe uma bolsa com glândulas mamarias, por
outro lado, em animais genotipicamente XO não possuem testículos, ma um escroto vazio no lugar
da bolsa. Esta ligação génica com o cromossoma X ainda está por ser identificada, mas a expressão
do gene autossómico SOX9 foi reportada ser expressa no primórdio do escroto e glândulas mamárias
(Manolakou, et al., 2006).

Tabela 3. Diferentes aspectos na diferenciação sexual em Marsupianos (Pask e Graves 1999).


Sem Cromossoma Y (ausência de
Cromossoma Y (Testículos)
testículos)
1 Cromossoma X (escroto) XY XO
Macho com escroto e Animal sem testículos e escroto
testículos vazio, em vez do saco
2 Cromossomas X (saco e
XXY XX
glândulas mamárias)
Animal com testículos e um
Fêmea com saco e glândulas
saco com glândulas mamárias,
mamárias
em vez de escroto

O cromossoma Y marsupiano tem a habilidade de tornar a gónada indiferenciada em


testículos, mas os outros aspectos da diferenciação parecem estar relacionados com o número dos
cromossomas X presente (Manolakou, et al., 2006).

O desenvolvimento sexual dos mamíferos euterianos é um processo de dois passos. A


constituição cromossómica do núcleo, primeiro determina a diferenciação sexual da gónada primitiva

12
indiferenciada que forma testículos (XY/2A) ou ovários (XX/2A). Se forem formados testículos, eles
segregam a hormona tetosterona, que circula através do embrião e induz às células somáticas para
seguirem a rota do desenvolvimento do macho. Alternativamente, se ovários forem formados, a
ausência da tetosterona permite às células somáticas a seguirem a rota do desenvolvimento da fêmea
(Figura 7.) (Ayala, e Kiger Jr. 1984).

Figura 7. Desenvolvimento do sistema urogenital dos mamíferos Fonte:(Griffiths et al.,


2000).

13
1.2.1 Genes Envolvidos na Determinação do sexo Gonadal nos Mamíferos
Segundo Domenice, Costa, Corrêa e Mendonça (2002), em humanos, os genes envolvidos na
determinação do sexo gonadal estão divididos em duas categorias: genes localizados nos
heterossomas e genes localizados nos autossomas.

1.2.1.1Genes Localizados nos Cromossomas Sexuais

1. Gene SRY (Gene da região determinante do sexo do cromossoma Y) - OMIM 480000. O gene
SRY humano está localizado próximo à região pseudoautossomal do braço curto do cromossoma
(Yp 11.3).

2. Locus DSS (Dosage Sensitive Sex reversal). Gene DAX1 (gene 1 da região crítica DSS –
Hipoplasia adrenal congénita do cromossoma X)/NR0B1 – OMIM 300200. O locus DSS está
localizado na região Xp21 adjacente ao locus da hipoplasia adrenal congénita (HAC);

3. Gene ATR-X (α-talassemia e retardo mental ligada ao X) – OMIM 300032. O gene ATRX (ou
gene da helicase 2 ligado ao X - H2X) está localizado no braço longo do cromossoma X (Xq13).

1.2.1.2Genes Localizados nos Autossomas

1. Gene SF-1 (Gene do Factor Esteroidogénico 1) /NR5A1 - OMIM 184757. O gene SF-1 humano
está localizado no braço longo do cromossoma 9 (9q34);

2. Gene WT1 (Gene supressor do tumor de Wilm’s) - OMIM 194070. O gene WT1 em humanos
está localizado no braço curto do cromossoma 11 (11p13);

3. Gene SOX9 (SRY-related HMG-box gene 9) - OMIM 114290. O gene SOX9 é um factor
transcriçional, membro da família dos genes SOX que contém um núcleo HMG box semelhante
ao do gene SRY. Em humanos o gene SOX9 está localizado no braço longo do cromossom 17
(17q24);

4. Gene WNT4 (Wingless-type mouse mammary tumor virus integration site member 4) - OMIM
603490. O gene WNT4 é membro da grande família de WNT, genes que codificam
glicoproteínas sinalizadoras extracelulares. O gene WNT4 humano está localizado no braço curto
do cromossoma 1 (1p31-p35);

5. Genes DMRT1 e DMRT2 (Doublesex and Mab-3 Related Transcription Factor 1 and 2) –OMIM
602424. Os genes DMRT1 e DMRT2 mapeados na região do braço curto do cromossoma 9
(9p24.3).

14
Segundo Pask e Graves (1999) a pobre conservação de sucessão de SRY entre espécies, tanto
dentro como nos flancos (lados) de HMG box sugere que SRY possa codificar um repressor em lugar
de um activador transcripçional. Por outro lado, a acção de SRY é dependente duma sequência
reguladora e também pode ser afectada através de interacções com SIP1 e Calmodulina. A co-
expressão de SOX3 e SRY no cume gonadal sugere que os dois genes competem para o mesmo local
de ligação. Foi sugerido que os ligantes de SRY bloqueiam SOX3 de iniciar desenvolvimento
feminino, e poderá conduzir possivelmente à activação de SOX9, essencial para a organização dos
testículos. SF1 é responsável pela activação da expressão de AMH pelas células pré-Sertoli,
conduzindo à regressão do ducto Mulleriano e à masculinização das gonadas. Em fêmeas a história é
mais vaga, com DAX1 que é o único gene identificado com um papel na determinação de ovário.
SOX3, como indicado acima, também pode ter um papel no desenvolvimento feminino. A que nível
acontece cada uma das interacções descritas acima ainda é indeterminado (Figuras 8 e 9).

Figure 7. Mecanismo proposto na determinação de sexo por SOX3, SOX9 e SRY. Na


presença de SRY, SOX3 é impedido de reprimir SOX9 que em troca resulta no desenvolvimento de
um testículo. Na ausência de SRY, SOX3 pode inibir SOX9 que em troca previne a formação de um
testículo conduzindo o desenvolvimento feminino (Pask e Graves 1999).

15
Figura 9. Interacção proposta entre os genes determinantes do sexo. A natureza exacta de
cada interacção ainda não é conhecida. As setas azuis indicam a rota do desenvolvimento do macho.
As setas rosas indicam a rota do desenvolvimento da fêmea (Pask e Graves 1999).

1.3 Influência de Factores Ambientais e Genotípicos

Como foi referido abaixo, existem espécies em que os mecanismos genéticos e ambientais
co-existem e interagem em menor ou maior escala para criar fenótipos sexuais. Este facto, nota-se
pelo conservantismo no ambiente hormonal no qual a gonada desenvolve é refletido na presença e
expressão de genes relacionados com o sexo (Sarre, et al., 2004).

Muitos genes originalmente descritos como parte da regulação genética do desenvolvimento


do sexo nos homens e outros mamíferos, foram também detectados nos repteis. Os genes descobertos
em mamíferos, com notável excepção do gene SRY, incluem SF1, DMRT1, SOX9, AMH, DAX1 e
WT-1, possuem homólogos em répteis com padrão TSD. DMRT1,SOX9, SF1, DAX1, AMH e WT-
1 foram encontrados no alligator e DMRT1, SOX9 e WT-1 em tartarugas e são expressados durante
gonadogénese Alguns genes relacionados com a diferenciação sexual conservados ao longo dos
vertebrados são sugeridos terem envolvimento no padrão TSD (Sarre, et al., 2004).

Por exemplo, na tartaruga marinha Lepidochelys olivácea, diversos genes relacionados com a
determinação do sexo em mamíferos são expressos, incluindo o DAX1 e SOX9. DAX1 em particular
é conhecido como um regulador do desenvolvimento gonadal em ratos e outros mamíferos,
considerado como sendo gene “anti-testiculo”. Em repteis, o gene não é diferencialmente expresso
com a variação da temperatura durante o TSP, porem, seu papel na determinação do sexo em repteis
não é claro. O gene é também expressado em crocodialianos, como em Alligator mississipiensis. Não
se sabe ainda se este gene realmente pode ser alvo de acções relacionadas com androgenos ou

16
estrogenos seguindo o TSP. Porem, sabe-se que este gene é expresso exclusivamente nas gónadas
dos machos (Manolakou, et al., 2006).

Segundo Sarre, et al., (2004) em dois répteis com TSD, a tartaruga de orelhas vermelhas e o
alligator amaricano, DMRT1 é superregulado na gónada indiferenciada durante o TSP quando
incubado a temperaturas que produzem machos mas e menos regulada a temperaturas de produção de
fêmeas. Estes estudos e outros em humano sugerem que DMRT1 tem uma função central no
desenvolvimento do testículos. Em pássaros e répteis, a conversão de esteróides androgénicos para
esteróides estrogénios é regulada pelo gene de aromatase, transcrição da qual pode ser ativada pelo
gene SF1 ou pode ser reprimido pelo gene AMH. Este processo age para trocar do equilíbrio
endócrino entre a diferenciação em macho ou fêmea durante o desenvolvimento do embrião. Esta
diferença sugere que, ao nível molecular, entre répteis com diferentes mecanismos de determinação
do sexo pode ser pequena, envolvendo potencialmente poucos ou talvez só um gene.

Um esquema proposto por Pieau, et al., (1999), apresenta o possível mecanismo da acção da
temperatura resultando na activação ou repressão da transcrição do gene aromatase, incluindo genes
recentemente identificados nos répteis TSD; possíveis interacções com o gene aromatase e o
complexo de receptores de estrogénio. A transcrição da aromatase está sob controlo de factores
activadores e repressores (Figura 10).

17
Figure 10. Possíveis interacções de factores determinantes sexuais homólogos dos mamíferos
com o gene de aromatase em répteis de TSD. (+) Activação de transcrição; (-) repressão de
transcrição; A, androstenedione; E1, estrona; E2, estradiol-17β; ER, receptor de estrogénio; T,
testosterona; DHT, dihidrotestosterona; hsp, proteína de choque termossensíveis (Pieau, et al., 1999).

Influência do Ambiente Materno no Dimorfismo Sexual


Há evidências de que o ambiente pré-natal influencia nas características dos descendentes de
diversas maneiras e numa grande variedade de taxas. Por exemplo, em aves, a alocação de esteróides
nos ovos influencia os traços dos filhotes, em mamíferos, a posição intra-uterina influencia nas
características morfológicas, comportamentais e fisiológicas por causa da transferência dos
esteróides sexuais entre fetos irmãos (Uller e Olsson 2003)

O trabalho de Uller e Olsson (2003) mostra que os efeitos do ambiente pré-natal (maternal),
jogam um papel importante durante o desenvolvimento em formar uma variedade de características
na descendência. Estes autores trabalharam com o lagarto comum (Lacerda vivipara), um réptil
vivíparo; para demonstrar este fenómeno nesta classe de vertebrados.

O dimorfismo sexual foi baseado no comprimento relativo da cabeça porque esta alometria é
constantemente influenciada nos machos, tendo cabeças grandes na Sauria (incluindo Lacerda
vivipara).

18
As fêmeas que desenvolveram em “clutches” influenciados para o sexo masculino tiveram
uma alometria mais masculina (cabeça relativamente larga) durante o parto que fêmeas que
desenvolveram em “clutches” influenciados para o sexo feminino. Os machos foram
correspondentemente feminizados quando desenvolvidos entre fetos fêmeas. Este efeito pode ser por
causa da difusão dos esteróides produzidos pelos fetos ou por uma tendência geral para as fêmeas de
alocarem esteróides de acordo com a razão do sexo no seu útero.

As medidas do tamanho da cabeça foram feitas logo após ao parto e depois de 15 dias de
desenvolvimento.

Subsequente ao parto, os sexos diferem na sua trajectória do crescimento dependendo da


razão do sexo ambiental produzido. Nos machos, a diferença na alometria entre a razão do sexo
ambiental permaneceu durante o tempo experimental, enquanto nas fêmeas o efeito correspondente
desapareceu (Figura 11). Isto sugere que o efeito do ambiente de gestação tem efeito mais longo nos
machos que fêmeas.

Figura
11. Desenvolvimento relativo do comprimento da cabeça de ambos sexos e as razoes sexuais e
diferentes razoes de sexos pré-natais. As diferenças entre ”clutches” influenciados para o sexo oposto
e para o mesmo sexo são estatisticamente diferentes na nascença, com a diferença que permanece
significante depois de 15 dias de crescimento em machos. F=fêmeas; M=machos; Diff=”clutches”
influenciados para o sexo oposto e Same=”clutches” influenciado para o mesmo sexo (Uller e Olsson
2003).

Segundo Uller e Olsson (2003), não são nutrientes, mas também hormonas podem ser
transferidas da mãe para os embriões, a interacção entre as crias durante a gestação pode influenciar

19
o fenótipo, se a fêmea tiver mais fetos machos pode alocar mais tetosterona para todos embriões e
estrogénio se tiver mais fetos fêmeas em gestação.

Os lagartos fêmeas com cabeças mais grandes tem maior acesso às presas, o que resulta numa
alta fecundidade, por outro lado, machos com cabeças mais grandes serão mais sexualmente
selectivos. De um modo geral, lagartos com cabeças grandes têm maior sucesso reprodutivo (Uller e
Olsson 2003).

Evolução e Determinação dos Cromossomas Sexuais


Segundo Modi e Crews (2005), espécies de aves e mamíferos apresentam os cromossomas
sexuais bem diferenciados na sua base filogenética. A hipótese da evolução dos cromossomas
sexuais de vertebrados é que o sistema XY de mamíferos pode ter sido originado directamente do
sistema ZW do ancestral réptil e não do ambiente. A maioria dos vertebrados tem os indivíduos
separados sexualmente, mas o sexo é determinado por dois diferentes caminhos, pelo ambiente e
pelo genótipo. Muitas espécies de peixes e répteis utilizam a temperatura do ambiente para a
determinação do sexo. No entanto, em outras espécies dessas mesmas classes de vertebrados bem
como em todos os anfíbios, aves e mamíferos, o sexo é determinado geneticamente.

A transição entre a determinação genética do sexo e a determinação pela


temperatura/ambiente pode ocorrer rapidamente e durante o estágio intermediário ou transitório,
sendo que tanto os factores genéticos quanto os ambientais influenciam na determinação de sexo
(Uller, Wapstra, Beukeboom e Komdeur, 2007).

A árvore filogenética de determinação do sexo (Figura 12) mostra que espécies de peixes,
quelónios e lagartos têm o sexo determinado tanto de forma genética (GSD) quanto dependente da
temperatura (TSD), podendo ser pelos sistemas XY ou ZW, enquanto os anfíbios possuem o sexo
determinado apenas geneticamente e também apresentam ambos os sistemas. Os crocodilos têm
padrão TSD, enquanto serpentes e aves (sistema ZW) e mamíferos (sistema XY) têm o sexo definido
geneticamente (Modi e Crews 2005).

Entre as espécies que usam a genética como determinante do sexo, os machos podem ser
heterogaméticos (XY) ou homogaméticos (ZZ), enquanto as fêmeas podem ser homogaméticas (XX)
e heterogaméticas (XY) (Griffiths et al., 1998).

As espécies com cromossomas sexuais heterogaméticas têm níveis iguais da expressão de


cada gene, pois um sexo tem somente uma cópia, ZW ou XY, e o outro sexo tem duas cópias de um
cromossoma em particular, ZZ ou XX (Griffiths et al., 1998). Os cromossomas sexuais Y e W,

20
determinantes do sexo masculino e feminino, respectivamente, são altamente heterocromáticos e,
consequentemente, menores que os X e Z, respectivamente (Vieira et al., 2009).

Figura 12. A
filogenia dos vertebrados que ilustra as formas da determinação de sexo. “Fêmea” e “macho” têm a
determinação genética do sexo (GSD) com fêmeas e machos heterogaméticos, respectivamente. O
ESD/STD representa a determinação de sexo dependente da temperatura (Modi e Crews 2005).

Transição Entre o Sistema GSD a TSD


Um modelo sobre a transição entre estes dois sistemas de determinação do sexo, proposto por
Sarre, et al., (2004), mostra os possíveis eventos que terão ocorrido, no tempo e espaço, e suas
implicações.

Segundo estes autores, as mudanças necessárias para levar uma transição de um sistema para
o outro não são bem conhecidas. Por ouro lado, nem o sistema GSD ou TSD pode ser reconhecido
como o estado derivado num grupo de organismos com os dois sistemas. Existe uma distribuição
quase aleatória do sistema TSD ao longo da filogenia dos répteis com taxas irmãs a exibirem modos
alternados de determinação do sexo em todos os níveis.

Será que a transição entre os dois modos foi afectada pela evolução independente de um
único mecanismo genético ou algum mecanismo mais subtil conservado e possivelmente com
modificações reversíveis?

A Figura 13 mostra um exemplo hipotético da transição do estado GSD para TSD. Pode se
notar a determinação do sexo pode ser “capturada” pelas influências dos factores ambientais tais
como a temperatura em diversos pontos das rotas que levam à formação do macho ou fêmea.

21
Figura 13. Rota hipotética para diferenciação sexual num réptil GSD, mostrando que existem
muitos pontos onde a sensibilidade à temperatura pode ser afectado para formar TSD. A acção de
alguns genes (WNT4, DAX1) foi demonstrado em mamíferos, não em répteis, foram incluídos para
uma simples ilustração. Genes identificados pelas setas, são largamente distribuídos nos vertebrados
e causam reversão do sexo em mamíferos (WNT1) ou em repteis (aromatase) ou quando os genes ou
seus produtos são manipulados

Suponhamos que o estado ancestral seja um GSD com sistema XY com os genes
determinantes do sexo ou um complexo de genes localizados somente no cromossoma Y. A
expressão deste gene ou genes em indivíduos XY leva, através de uma rota ou rede de influência de
genes sexuais para uma hiporegulação do gene da aromatase, reduzindo a actividade da aromatase, e
consequentemente a produção de machos. A ausência de genes determinantes sexuais em indivíduos
XX leva ultimamente à alta actividade da aromatase e produção de fêmeas.

Neste exemplo hipotético, a determinação sexual pode ser capturada pelas mutações
genéticas resultando num efeito de influência ambiental em numerosos pontos da cascata da
diferenciação sexual.

O gene determinante do sexo pode se tornar por si só, sensível à temperatura na sua
expressão. Essa sensibilidade pode ser expressada apenas em indivíduos XY e não XX. Há registos
de que em alguns lagartos e crocodilos, as fêmeas podem ser produzidas em todas faixas de

22
temperaturas, o que não se observa em espécies TSD. Sob este cenário, fêmeas XY podem ser
produzidas em algumas temperaturas levando à possibilidade de produzir-se indivíduos YY em
gerações subsequentes.

Alternativamente, um gene autossómico que tem influência na cascata da determinação do


sexo, pode tornar-se sensível à temperatura na sua expressão.

Tem se demonstrado em outras classes de que genes sensíveis à dosagem (DMRT1) e a


inactivação de outros genes (SOX9 e WNT4) leva à reversão sexual, porem, este fenómeno ainda
não dói demonstrado em répteis. Pensa se que estes genes, presentes em alguns repteis, estão
envolvidos no mecanismo de mudança do sexo.

Ainda, em répteis, o gene da aromatase pode tornar-se sensível à temperatura na sua


expressão ou uma mutação pode tornar a proteína aromatase sensível à temperatura na sua eficácia.

Em cada um dos cenários, a determinação do sexo pode ser capturada pelas mutações genicas
na cascata abaixo.

Muitos outros pontos na diferenciação sexual tem sido identificados como possíveis
potenciais candidatos em que os genes podem ou os seus produtos podem tornar-se sensíveis à
temperatura com efeitos diferentes devido à presença ou ausência do gene ligado ao cromossoma Y.

Se mutações genéticas podem ocorre na cascata da determinação do sexo, a maquinaria


genética pode levar à predisposição para um sexo ou outro por serem anulados pelas condições
ambientais.

Um caminho reverso pode ocorrer de uma maneira relativamente simples, envolvendo perdas
ou diminuição da sensibilidade através de mutações dos genes sensíveis à temperatura.

Se a combinação YY é letal, favorecerá à selecção para a eliminação do cromossoma Y e no


mecanismo genético da determinação sexual. Se o Y for eliminado, todos os indivíduos serão
(autossómicos) XX com o sexo determinado pela sensibilidade à temperatura dos novos genes
determinantes do sexo ou dos seus produtos. A reversão para a condição GSD precisará de uma
evolução de um único mecanismo genético independente que pode ocorrer em um autossoma.

23
Conclusão
A temperatura e o genoma são os principais factores que influenciam na determinação do
sexo em répteis; os dois factores podem agir independentemente ou Co-existirem.

Geralmente, sob altas temperaturas de incubação produz-se fêmeas e baixas temperaturas


produz machos.

No intervalo pivotal pode se formar machos e fêmeas e em alguns casos hermafroditas.

A Temperatura age regulando a actividade da enzima aromatase, em temperaturas altas


aumenta a actividade enzimática e em temperaturas baixas a actividade enzimática permanece baixa;

Dois sistemas de cromossomas podem ser encontrados nos répteis:

 XX/XY com o macho heterogamético, similar ao dos mamíferos;

 ZZ/ZW com a fêmea heterogamética, similar ao das aves.

Quando a temperatura e o genoma co-existem, os genes relacionados com o sexo são


sensíveis à temperatura na sua expressão.

O ambiente materno tem influência nas características dos descendentes e estas no acesso à
presa, fecundidade, selecção sexual e sucesso reprodutivo.

24
Referências Bibliográficas
Ayala, F. J. e J. A. Kiger Jr. (1984). Modern Genetics. 2nd Edition. 585 pp. London. The
Benjamin/Cummings Publiching Company, Inc.
Conceição, A.M., B. M. Almeida, M. T. R. Brasileiro; L. E. D. Barros, S. A. Wiltshire e C. A. P.
Sarmento (2009). Hermafroditismo em jabuti piranga (Geochelone carbonaria). Arquivo Brassileiro
de Medicina Veternária e Zootécnica. 61 (6): 1478-1481.

Domenice S., E. M. F. Costa, R. V. Corrêa e B. B. Mendonça (2002). Aspectos Moleculares da


Determinação e Diferenciação Sexual. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo. 46 (4):
433 – 443.

Grech, V., P. Vassallo-Agius, C. Savona-Ventura (2000). Declining male births with increasing
geographical latitude in Europe. J Epidemiol Community Health, 54: 244–246.

Griffiths, A. J. F., J. H. Milller, D. T. Suzuki. R. C. Lewontin e W. M. Gelbart (1996), An


Introduction to Genetic Analysis, 6ª Edição, 916 pp. Nova York, W. H. Freeman And Company.

Manolakou. P., G. Lavranos e R. Angelopoulou (2006). Molecular patterns of sex determination in


the animal kingdom: a comparative study of the biology of reproduction. Reproductive Biology and
Endocrinology, 4: 59.

Modi W. S. e D. Crews (2005). Sex chromosomes and sex determination in reptiles. Current Opinion
in Genetics & Development. 15:660–665.

Pask A. e J. A. M. Graves (1999). Sex chromosomes and sex-determining genes: insights from
marsupials and monotremes Celular and Molecular Life Sciences 55: 864–875

Pieau C., M. Dorizzi e N. Richard-Mercier (1999). Temperature-dependent sex determination and


gonadal differentiation in reptiles. Celular and Molecular Life Sciences. 55: 887–900

Randall, D., W. Burggren e K. French (2002). Animal Physiology. 5th Edition. 736 pp. New York.
W. H. Freeman and Company.

Sarre, S. D., A. Georges e A. Quinn (2004). The ends of a continuum: genetic and temperature-
dependent sex determination in reptiles. BioEssays, 26: 639–645.

Storer, T. I., R. L. Usinger, R. C. Stebbins e J. W. Nybakken (2003). Zoologia Geral. 6ª Edição, 816
pp. São Paulo, Editora Nacional.

25
Uller, T. e M. Olsson (2003). Prenatal Sex Ratios Influence Sexual Dimorphism in a Reptile. Journal
of Experimental Zoology, 295 (A): 183–187.

Uller, T P., I. Wapstra, E. Beukeboom e L. W. J. Komdeur (2007) The evolution of sex ratios and
sex-determining systems. Trends in Ecology and Evolution. 22 (6): 292-297.

Wallace H., G. M. I. Badawy e B. M. N. Wallace (1999). Amphibian sex determination and sex
reversal. Celular and Molecular Life Sciences. 55: 901–909.

26