You are on page 1of 13

Automação Comercial – P9B

Automatização do
Gerenciamento de Energia

Autor: Giovani Sasso Scarpati


Disciplina: Automação Comecrial
Curso de Engenharia Elétrica
Turma P9B - Noturno
Automação Comercial – P9B

Índice

1 – Introdução;
2 – Gerenciamento Energético e sua Automatização;
3 – Levantamento e estudo inicial de implementação;,
4 – Projetos e Soluções de automação;
4.1 – Medidor de Energia;
4.2 – Cabeamento Estruturado;
5 – COE – Centro de Operação e Controle;
6 – Conclusões;
7 – Referência Bibliográficas;
Automação Comercial – P9B

1 - Introdução
Com o grande aumento de energia elétrica, a escassez de recursos não renováveis fica
cada vez mais próxima, e aliado a isso temos o apelo ambiental pelo preservação das
reservas naturais que ainda nos restam, portanto foram determinadas diversas ações de
gerenciamento energético pelas empresas, a fim de eficientizar o uso desta energia.

2 - Gerenciamento Energético e a sua Automatização


Como foi apresentado acima, toda a mudança que ocorre surge de uma necessidade, e
não seria diferente com relação ao assunto que estamos abordando. A utilização da
energia elétrica consciente passou a ser um fator vital para o futuro de nossos filhos,
netos e demais sucessores.

Agora, avaliando no âmbito prático, como seria possível acompanhar em tempo real o
consumo energético de uma cidade como São Paulo, ou de uma planta industrial de
grandes proporções? Devemos levar em consideração que mais de 80% das instalações
elétrica existentes possuem um nível de tecnologia muito abaixo do que nossa
atualidade nos oferece, e por isso precisam sofrer diversas atualizações e reformas para
atenderem aos projetos de automatização do processo de gerenciamento e operação das
fontes de energia.

Uma vez compreendida as dificuldades para a implantação de tal tecnologia, devemos


avaliar dentre as diversas opções, a melhor, mais eficiente e que proporcione o menor
número de falhas possível, pois não estamos projetando um gerenciamento e controle de
apenas algumas cargas, mas sim, de plantas industriais inteiras, e até mesmo de cidades
do porte de São Paulo, por exemplo. Logo, qualquer falha que houver, irá causar
transtornos irreversíveis aos consumidores ligados à estas redes de abastecimento de
energia elétrica.

Neste documento será apresentando algumas topologias sugestivas para melhor


exemplificar as etapas de um processo de automação no gerenciamento de energia e no
controle eficiente de toda sua operação.

3 - Levantamento e estudo inicial de implementação


Na figura 1 abaixo, apresentamos diagrama em blocos com a apresentação dos painéis
elétricos oriundos de seus respectivos transformadores. Observamos que em cada painel
elétrico, existe um multimedidor de grandezas elétricas instantâneas, ou seja, um
registrador local, que apresenta valores instantaneos de Tensão, Corrente, Potências e
demais grandezas, porém sem nenhuma forma de armazenamento.
As figuras 2, 3 e 4 apresentam com detalhes cada parte da instalação
Automação Comercial – P9B

Figura 1 – Diagrama de Blocos da Instalação

Figura 2 – Detalhe 1 do Diagrama de Blocos da Instalação Figura 3 – Detalhe 2 do Diagrama de Blocos da Instalação

Figura 4 – Detalhe 3 do Diagrama de Blocos da Instalação


Automação Comercial – P9B

Realizado o levantamento conforme o diagrama de blocos apresentado, é possível iniciar os


estudos para implantação da topologia lógica mais adequada, e que atenda as necessidades
primárias do cliente.

4 - Projeto e soluções de automação

4.1-Medidor de Energia
Como sequência deste estudo de caso, entramos na etapa de projeto, onde será necessário
escolher as ferramentas e as soluções de tecnologia para viabilizar nossa implatação do sistema
de automação do gerenciamento de energia elétrica do cliente.

O conceito principal de gerenciamento de energia elétrica é a aquisição das grandezas elétricas,


a apresentação destes valores em forma digital e o armazenamento a fim de geração de
relatórios e confecção de um histórico de demanda e consumo.
Segundo a ANEEL, através do PRODIST – Módulo 8 um equipamento multimedidor deve
atender os seguintes requisitos:

- taxa de amostragem de 16 amostras/ciclo;


- conversor A/D (analógico/digital) de sinal de tensão e corrente de 12 bits;
- precisão de até 1% da leitura;
- apresentar os valores calculados dos indicadores individualmente;
- apresentar uma tabela de medição;
- apresentar um histograma da tensão;

Diante destes requisítos mínimos, escolhemos como solução um Medidor de Qualidade de


Energia, do fabricante Elspec, série G4400, modelo G4430. Este medidor de energia atende
com folga a todos os requisistos estabelecidos pela ANEEL através de seu PRODIST.
Abaixo apresentamos algumas de suas principais características:

- taxa de amostragem de 1024 amostras/ciclo;


- conversor A/D (analógico/digital) de sinal de tensão e corrente de 20 bits;
- memória interna de 8GB;
- comunicação via TCP/IP, RS482/422;

G4400 – Medidor de Qualidade de Energia


Automação Comercial – P9B
Entre outras demais características, o G4430 se destaca por tratar-se de um medidor de
qualidade de energia, e não simplesmente um multimedidor de grandezas elétricas.

4.2-Cabeamento Estruturado
A escolha do G4430, possibilitou a inclusão de memória de massa integrada no medidor de
energia, o que possibilita uma forma de amarzenar as informações que o equipamento registra
em tempo real. Tornando necessário o projeto de uma rede lógica, através de cabeamento
estruturado, composto por:

- Equipamentos ativos de rede (switch, roteadores);


- Equiapamentos passivos de rede ( patch panel, DIO, conversores UTP/FO);
- Cabos UTP cat. 5E;
- Fibra Óptica Monomodo (50u);
- Acessórios em geral;
Portanto, cada sala elétrica, será considerado em nossa topologia como um ponto de rede, e o
núcleo desta instalação será o COE (Centro de Operação Energético), que abrigará um CPD
que receberá toda a infraestrura lógica, centralizando e disponibilizando todas estas
informações para os operadores do COE.

Devido a algumas limitações que o cabo UTP cat. 5e possui, com relação a distância máxima,
estamos considerando a instalação de conversores UTP/FO, a fim de solucionar o problema da
distância utilizando a fibra óptica, que possui uma tolerância maior com relação a distância
máxima.

Toda a centralização de nossa topologia está sendo realizada na Cabine 6, através de um switch
24 portas. Após a centralização de todas os lances de cabo UTP, o switch segue com um cabo
UTP para o conversor UTP/FO, e o cordão óptico que é originado deste conversor passa por
uma fusão com a fibra óptica indoor/outdoor monomodo (50u).

Todo lance de fibra óptica indoor/outdoor segue para um respectivo DIO, até chegar no COE,
onde é feita a conversão para UTP e conectada no switch servidor (Cisco Catalyst), que irá
conectar o computador servidor com rede estruturada dos medidores de energia.

Em nossos levantamentos encontramos uma infra existente de FO, conhecida como OPGW,
trata-se de uma cordoalha de SPDA, que acompanha as linhas de transmissão aéreas, e que
intermamente a esta cordoalha, passa a FO monomodo (50u).
E através desta fibra existente, iremos conectar o equipamento na SE440kV, uma das
subestações mais distantes do COE.

Temos outro equipamento instalado na CTEEP – Cabreúva, cerca de 37km de distância, e


adotamos como solução a instalação do equipamento em conjunto com um roteador adsl, e
através de uma operadora de telefônia, o equipamento terá acesso a uma rede WAN, que será
conectada também com a rede do COE, através da rede administrativa do cliente.

Todo os protocos de comunicações serão realizados via TCP/IP, adotando uma topologia de
estrela, conforme apresentado na figura 5 abaixo:
CABINE 6 CABINE 7 CABINE 19
SE230kV SE230kV SE440kV
SE 230kV SE 88kV
TR.40MVA TR.37,5MVA PAINEL ITUPERARANGA PAINEL ALECRIM PAINEL CTEEP 1 PAINEL CTEEP 2 TR. 440kV

Medidor de Multimedidor
Qualidade de
Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor Medidor de Multimedidor de Energia Grandezas
Qualidade de Qualidade de Qualidade de Qualidade de Qualidade de Qualidade de Qualidade de Qualidade de G4430
de Energia Grandezas de Energia Grandezas de Energia Grandezas de Energia Grandezas de Energia Grandezas de Energia Grandezas de Energia Grandezas de Energia Grandezas
G4430 G4430 G4430 G4430 G4430 G4430 G4430 G4430

CONVERSOR SWITCH
CONVERSOR CONVERSOR TCP/FO
TCP/FO TCP/FO

CONVERSOR
FO/TCP

CONVERSOR
FO/TCP
SWITCH

CONVERSOR WAN
TCP/FO

DIO

DIO DIO SWITCH

CONVERSOR CONVERSOR
FO/TCP FO/TCP

SWITCH

SERVIDOR
Automação Comercial – P9B

5 - COE – Operação e Controle


Com toda a infraestrutura realizada, seguimos com a etapa dos softwares aplicados para fins de
automatização, operação e controle. Estes softwares são:

- PQSCADA;
- Investigator;
- WEBSERVER;
- ElspecSearch;

De autoria do fabricante do medidor de energia, a aplicação destes softwares é o ponto mais


importante neste processo de automatização do gerenciamento de energia, pois, são através
destes softwares que podemos obter diversas informações em tempo real de cada painel elétrico
supervisionado.

Na figura 6 abaixo, apresentamos um exemplo da tabela inicial apresentanda por cada


equipamento.

Figura 6 – Tela de Monitoramento com valores padrões monitorados em tempo real.


Automação Comercial – P9B

Na figura 7 abaixo apresentamos uma tabela mais detalhada, típica de um sistema estrela 4 fios:

Figura 7 – Tabela completa com todas as grandezas de tensão e corrente.

Na figura 8 abaixo, temos a apresentação dos valores de Potência Ativa, Reativa , Aparente e o
Fator de Potência que cada medidor vai apresentar do ponto que esteja supervisionando:

Figura 8 – Tabela de potências e fator de potência.


Automação Comercial – P9B

Na figura 9 abaixo, é apresentada a tabela de Consumo e Demanda, que controla o consumo do


painel elétrico em que o medidor está instalado:

Figura 9 – Tabela de Consumos e Demandas.

Como forma de automação e controle, apresentamos na figura 10, o sistema de controle de


eventos do equipamento de medição, onde o mesmo monitora as variáveis elétricas
selecionadas, e caso estas saiam dos limites de controle estabelecidos o equipamento pode atuar
e gerar uma série de eventos:

Figura 10 – Sistema de Lógica e controle de eventos.


Automação Comercial – P9B
Portanto, como forma de automatizar processos, o medidor é incorporado de uma unidade
lógica de programação (CLP), não necessariamente um CLP, porém com a filosofia de
interpretação de eventos bem parecida, e que através de um módulo I/O adicional, possibilita
uma série de entradas e saídas analógicas e digitais.
Além de todo controle que o medidor pode exercer analisando e gerenciando a energia elétrica,
este equipamento por trata-se de um medidor de qualidade de energia, analisa as perturbações
que as correntes harmônicas geram na tensão e na corrente. Na figura 11 apresentamos um
modelo típico de histograma de harmônicas:

Figura 11 – Sistema de Lógica e controle de eventos.

6 - Conclusão
Concluimos que toda a infraestrutura disponibilizada, agregada ao uso de softwares de
gerenciamento SCADA, a fim de obter informações dos equipamentos em tempo real, e como
consulta de forma armazenada em memória de massa interna do equipamento, visto que uma
resolução de amostragem de 1.024 amostras/ciclo necessita de uma avaliação minuciosa,
principalmente com eventos vinculados a partidas de equipamentos e variações na forma de
onda da tensão.
Automação Comercial – P9B
A possibilidade de gerenciar a aquisição de dados, selecionando intervalos de tempos
específicps em dias determinados, assegura ao cliente a possibilidade de não perder nenhum
evento, mesmo que este ocorra num instante em que não exista atenções voltadas para
determinado ponto onde existe a instalação de um destes medidores.

O software PQSCADA possibilita este gerenciamento, de uma forma extremamente segura,


utilizando a plataforma SQL, da Microsoft.

Na figura 12 e 13, encerramos este documento apresentando a tela principal do software


PQSCADA, principal gerenciador do banco de dados de informações adquiridas dos medidores
instalados pela planta industrial inteira:

Figura 12 – PQSCADA – Gerenciamento do banco de dados das medições armazenadas.

Figura 1 – PQSCADA – Schedule – Definição de data/hora para aquisição de informações.


Automação Comercial – P9B

7 – Referência Bibliográficas

- PRODIST – Módulo 8 – Aneel;


- Artigo “A crise de energia – possíveis impactos”, do Departamento Intersindical de Estatísticas e
Estados Socioeconômicos;
- MD012-11 – Memoria Descritivo de Instalações Elétricas e Lógicas – Companhia Brasileira de
Alumínio, da Empresa Ação Engenharia e Instalações Ltda.