You are on page 1of 8

Dica Clínica

Bionator de Balters - Técnica


de Desgaste
Bionator of Balters - Grinding Technique
Danilo Furquim Siqueira*
Adriano Lia Mondelli**

Resumo
Esta dica clínica discorre sobre o correto manuseio do aparelho ortopédico funcional Bionator de
Balters. Este tipo de aparelho, muito utilizado na clínica ortodôntica/ortopédica apresenta algu-
mas características que devem ser observadas para torná-lo mais efetivo. Entre elas, destaca-se o
desgaste da resina na região póstero-inferior, com o intuito de auxiliar na correção da má oclusão
de Classe II.
Palavras-chave:.Bionator.de.Balters..Ortopedia.Funcional..Classe.II.

INTRODUÇÃO contínuo (Herbst, Jasper Jumper, MPA) ou de uso


A correta identificação das anormalidades intermitente (Ativador, Bionator de Balters) para a
dentofaciais combinada ao amplo conhecimento correção desta desarmonia dentoesquelética.
sobre o crescimento e desenvolvimento cranio-
facial propicia um adequado planejamento do Bionator de Balters
tratamento para cada paciente, independente do O Bionator de Balters é um aparelho ortopé-
tipo de má oclusão. dico funcional desenvolvido por Wilhelm Balters
As más oclusões de Classe II apresentam na década de 502,3 (BALTERS2, 1981; EIREW3,
uma etiologia diversificada, podendo resultar de 1981), indicado para pacientes na fase de cresci-
alterações esqueléticas, dentárias ou da combi- mento e desenvolvimento craniofacial, uma vez
nação destas1,5. Segundo Silva Filho7 (1990), ela que promove alterações dentárias e esqueléticas
representa 42% do total de más oclusões, sendo para a correção da má oclusão de Classe II, caracte-
que 26,61% são relacionados à Classe II dentária rizada pela deficiência no crescimento mandibular,
e 15,39% esquelética. Estas más oclusões esquelé- trespasse horizontal acentuado, sobremordida e
ticas podem ser caracterizadas por uma protrusão curva de Spee profundas. Este tipo de aparelho,
dentoalveolar superior, uma retrusão mandibular muito utilizado na prática clínica, apresenta-se
ou uma associação de ambos os fatores1,5. bastante efetivo e com algumas vantagens em re-
Assim, o diagnóstico correto do problema lação aos outros aparelhos ortopédicos funcionais
inerente de cada paciente e o estágio de maturação (Bimler, Frankel): a) fácil manuseio; b) resistente;
esquelética, promovem a eleição do método de tra- c) fácil adaptação do paciente; d) fácil confecção;
tamento adequado para cada tipo de má oclusão. e) resultados previsíveis.
Nos casos de más oclusões de Classe II esque- O aparelho original de Balters sofreu
léticas, com retrognatismo mandibular, pode-se algumas modificações, como as sugeridas por
utilizar uma gama muito grande de aparelhos Janson e Noachtar6, (1998), que indicaram o
ortopédicos propulsores da mandíbula, de uso recobrimento dos incisivos inferiores com acrílico

.*..Mestre.e.Doutorando.em.Ortodontia.pela.FOB-USP
.**.Mestre.em.Dentística.Restauradora,.opção.“Materiais.Dentários”.-.FOB-USP;.Doutorando.em.Ortodontia.-.FOB-USP

R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002 •.9
Bionator de Balters - Técnica de Desgaste

FIGURA 1.-.Visão.inicial.do.Bionator. FIGURA 2.-.Visão.inicial.do.Bionator. FIGURA 3.-.Visão.inicial.do.Bionator.

FIGURA 4.-.Visão.inicial.do.Bionator. FIGURA 5.-.Visão.inicial.do.Bionator.

para: a) restrição do desenvolvimento vertical; b) inferiores. O desgaste deverá englobar todos os


referência para a protrusão mandibular; c) dimi- dentes posteriores presentes, ou seja, primeiros
nuição da tendência de protrusão dos incisivos e segundos pré-molares e primeiros e segundos
inferiores. molares inferiores. Este deverá ser realizado com
Este aparelho deve ser utilizado por um uma fresa específica, ilustrada nas figuras 6 a 8.
período mínimo de 18 meses4 (tempo de trata- Gradativamente desgasta-se a resina (Fig. 9
mento ativo) e após a sua instalação, indica-se um -10), lembrando que o alívio por lingual é impres-
procedimento de desgaste gradativo no acrílico cindível para o sucesso do tratamento.
que recobre os dentes póstero-inferiores, com o Após alguns meses de desgaste, a resina será
objetivo de: a) corrigir a curva de Spee; b) corrigir eliminada por inteiro, para que haja uma correta
a sobremordida; c) ajudar a corrigir a Classe II. intercuspidação dos dentes posteriores, aumen-
Todas estas alterações são baseadas no princípio tando assim, a estabilidade do tratamento (Fig.
de erupção diferencial de Harvold4, (GRABER; 11-13).
NEUMANN4, 1987) o qual promove o desen-
volvimento vertical e anterior (mesial) dos dentes Caso Clínico
póstero-inferiores e limita o desenvolvimento O caso clínico a seguir ilustra o procedimento
dos dentes póstero-superiores. Em alguns casos, descrito anteriormente.
pode-se desgastar o acrílico em locais específicos Paciente do gênero feminino, com 12 anos
para induzir um movimento distal dos dentes de idade ao início do tratamento, perfil facial
superiores, com o intuito de potencializar esta convexo, linha mento-pescoço diminuída, há-
correção4. bito de sucção digital e má oclusão de Classe II
esquelética, caracterizada por uma deficiência
Procedimento de Desgaste transversal da maxila, retrognatismo mandibular,
Após três meses da instalação do aparelho na trespasses horizontal acentuado e curva de Spee
cavidade bucal, inicia-se o desgaste do acrílico na profunda (Fig. 23-32). Inicialmente realizou-se
região póstero-inferior (Fig. 14-22). o procedimento de Expansão Rápida da Maxila
Observa-se nas figuras 1 a 5 o contato com o expansor tipo Hyrax, para a correção da
existente entre a resina e os dentes superiores e deficiência transversal superior.

10 •.R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002
Danilo Furquim Siqueira, Adriano Lia Mondelli

FIGURA 6.-.Desgaste.póstero-inferior. FIGURA 7.-.Desgaste.póstero-inferior. FIGURA 8.-.Desgaste.póstero-inferior.

FIGURA 9.-.Desgaste.Inicial.:.oclusal.e.lingual. FIGURA 10.-.Desgaste.Inicial.:.oclusal.e.lingual.

FIGURA 11.-.Desgaste.Total.

FIGURA 12.-.Desgaste.total. FIGURA 13.-.Desgaste.total.

R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002 •.11
Bionator de Balters - Técnica de Desgaste

FIGURA 14.-.Instalação.Bionator.Fechado.(Mordida. FIGURA 15. -. Instalação. Bionator. Fechado. (Mordida. FIGURA 16. -. Instalação. Bionator. Fechado. (Mordida.
Aberta.Anterior). Aberta.Anterior). Aberta.Anterior).

FIGURA 17. -. Instalação. Bionator. Fechado. (Mordida.


Aberta.Anterior).

FIGURA 18.-.Desgastes.póstero-inferiores.na.resina. FIGURA 19.-.Desgastes.póstero-inferiores.na.resina. FIGURA 20.-.Desgastes.póstero-inferiores.na.resina.

FIGURA 21.-.Desgastes.póstero-inferiores.na.resina. FIGURA 22.-.Desgastes.póstero-inferiores.na.resina.

Este aparelho permaneceu como conten- que a paciente apresenta uma sensível melhora na
ção por três meses na cavidade bucal, para que estética facial com o avanço mandibular (Fig. 25) e
houvesse a neoformação óssea na área da sutura estava na fase ascendente da curva de crescimento
palatina mediana (Fig. 33-38). Após estes meses e desenvolvimento craniofacial, confirmada pela
de contenção, instalou-se o Bionator de Balters radiografia periapical do polegar (Fig. 40).
(Fig. 39), aparelho indicado neste caso, uma vez As figuras 41 a 47 ilustram as características

12 •.R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002
Danilo Furquim Siqueira, Adriano Lia Mondelli

FIGURA 23.-.Aspectos.extrabucais.iniciais. FIGURA 24.-.Aspectos.extrabucais.iniciais.

FIGURA 25.-.Simulação.do.avanço.mandibular. FIGURA 26.-.Hábito.de.sucção.digital.

FIGURA 27.-.Aspectos.intrabucais.iniciais. FIGURA 28.-.Aspectos.intrabucais.iniciais. FIGURA 29.-.Aspectos.intrabucais.iniciais.

FIGURA 30.-.Aspectos.intrabucais.iniciais. FIGURA 31.-.Aspectos.intrabucais.iniciais. FIGURA 32.-.Aspectos.intrabucais.iniciais.

R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002.•.13
Bionator de Balters - Técnica de Desgaste

FIGURA 33.-.Expansão.rápida.da.maxila.-.expansor. FIGURA 34.-.Expansão.rápida.da.maxila.-.expansor. FIGURA 35.-.Expansão.rápida.da.maxila.-.expansor.


tipo.Hyrax. tipo.Hyrax. tipo.Hyrax.

FIGURA 36.-.Expansão.rápida.da.maxila.-.expansor. FIGURA 37.-.Expansão.rápida.da.maxila.-.expansor. FIGURA 38.-.Expansão.rápida.da.maxila.-.expansor.


tipo.Hyrax. tipo.Hyrax. tipo.Hyrax.

FIGURA 39.-.Bionator.de.Balters.Padrão.(Classe.II).

FIGURA 40. -. Radiografia. periapical. do. polegar. -. início. do. tratamento.


ortopédico.

14 •.R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002
Danilo Furquim Siqueira, Adriano Lia Mondelli

FIGURA 41. -. Aspectos. extrabucais. -. aparelho. FIGURA 42. -. Aspectos. extrabucais. -. aparelho.
de.Balters. de.Balters.

FIGURA 43. -. Aspectos. extrabucais. -. aparelho. FIGURA 44. -. Aspectos. extrabucais. -. aparelho.
de.Balters. de.Balters.

FIGURA 45. -. Aspectos. intrabucais. -. aparelho. de. FIGURA 46. -. Aspectos. intrabucais. -. aparelho. de. FIGURA 47. -. Aspectos. intrabucais. -. aparelho. de.
Balters. Balters. Balters.

FIGURA 48.-.Desgastes.totais. FIGURA 49.-.Desgastes.totais. FIGURA 50.-.Desgastes.totais.

R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002.•.15
Bionator de Balters - Técnica de Desgaste

FIGURA 51.-.Aspectos.intrabucais.-.12.meses.após. FIGURA 52.-.Aspectos.intrabucais.-.12.meses.após. FIGURA 53.-.Aspectos.intrabucais.-.12.meses.após.

FIGURA 54.-.Desgaste.total.da.resina.posterior.

FIGURA 55.-.Aspectos.extrabucais.-.12.meses.após. FIGURA 56.-.Aspectos.extrabucais.-.12.meses.após.

intra e extrabucais da paciente com o aparelho REFERÊNCIAS


na cavidade bucal. Como preconizado, os des-
1. ALMEIDA, M. R. et al. Avaliação cefalométrica compara-
gastes foram realizados gradativamente e após tiva da interceptação da má oclusão de Classe II, 1a divisão
12 meses de uso, a resina estava totalmente utilizando os aparelhos de Fränkel e Bionator de Balters. R
desgastada na região posterior (Fig. 48-50) e Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 6, n. 6, p.
11-27, nov. /set.2001.
os dentes apresentavam uma intercuspidação 2. BALTERS, W. Guia de la tecnica del bionator: círculo
muito satisfatória (Fig. 51-54). O tratamento foi Argentino de Odontologia. Buenos Aires: Mundi, 1969.
3. EIREW, H. L. # e bionator. Br J Orthod, London, v. 8, p.
continuado com um outro Bionator (Fechado) 33-36, 1981.
mais avançado e finalizado com a Ortodontia 4. GRABER, T. M.; NEUMANN, B. Aparelhos ortodônti-
Corretiva. cos removíveis. 2. ed. São Paulo: Panamericana, 1987.
5. HENRIQUES, J. F. C. et al. Avaliação cefalométrica dos
efeitos do ativador combinado à ancoragem extrabucal (tra-
ABSTRACT ção média) em jovens com má oclusão de Classe II, 1a div.
This present article talks about the correct de Angle. R Dental Press de Ortodon Ortop Maxilar,
Maringá, v. 2, n. 5, set. /out. 1997.
hondling of the Bionator of Balters. # is type 6. JANSON, I. R.; NOACHTAR, R. Functional appliance
of appliance, very used in the orthodontic and therapy with the bionator. Sem Orthod, [S. l.], v. 4, no. 1,
orthopedic clinic, presents some characteristics p. 33-45, 1998.
7. SILVA FILHO, O. G. et al. Prevalência de oclusão normal
that should be observed to make it more e# ecti- e má oclusão em escolares da cidade de Bauru (São Paulo).
ve. Among them, we can call the attention to the Parte II: in# uência da estratificação sócio-econômica. Rev
Odontol Univ São Paulo, São Paulo, v. 4, n. 3, p. 189-
consume of the resin in the post-inferior area, 196, jul. /set. 1990.
with the intention of helping the correction of
the malocclusion of Class II.
Endereço para correspondência:
Dr..Danilo.Furquim.Siqueira
Key words: Bionator Appliance. Functional Av..Nossa.Senhora.de.Fátima,.12-16.-.Bauru.-.SP
Orthopedics. Class II. e-mail:.danilofurquim@ortodontista.com.br

16 •.R.Clín.Ortodon.Dental.Press,.Maringá,.v..1,.n..2,.p..9-16.-.abr./maio.2002