You are on page 1of 20

m  


   
m  
m
     


Ôm
M  
 

  

 
 
   
     
  
    
    
 
  
 


 

w 
  

Ä  
  
 ! 



 
Ä    
  
  
 
  !

  
   

    

    
› 



6 Ôm  !"#$!%&#
  7  '!()#
    
m   *#!&" +$
")#!&",!&-
$!.#$&-%/#0
"! !#&(#"
$!O  - 1"!!##
%!/()- $23$4
O
 !! +&$!/#
#"/# #"
5"
V V V VV V

Ö   
          
  
      
  
       
 ! 
  "  Sócrates
 
 
     
    ³Só sei que nada sei.´

 ! ´Uma coisa posso afirmar


   # $ e provar com palavras e
atos: é que nos tornamos
%&   '( melhores se cremos que é
nosso dever seguir em
% #)  
% #) busca da verdade
desconhecida.µ
(
+
 




!   , 

# 
     
 
     "#        
$%&'    
       
   
   

w (   
  -
   
    )
    .    

 
     
w        

  
  M  
*         
!
1###!"
!+&-  -" "
4$& 97
&)-
&")$$"
'! ''!-#''!
'4-"&"* !"&#"-#
.#'3!%"#
"!$!1##
!8)

1##-##! #!%#:'
#$&.-$! '!
'3!%"-#0
#8-5- #!'!0
!*8 "&/;"
V  

 !  
 

 
        

 V    
          

 
     
  


        

           
 " 
V 
   
 

       
       #    


racionalismo   
 
 
 
          
   
 "
     
 
Ô   Ô
- Ôm  6<7
$"#"$
!&/=!&/)-= !&/)!3##
"!$!()%4%&= #"/#$! "
&/ &%!-#!-
!!""'!&
%&#!/!
"-!8"-#
5'-#/!"
$!/!#!&=
1#"
GRANDES PENSADORES
Ô   MODERNOS:
 
 Ludwig Feuerbach (1804-1872):
tentou traduzir a verdade da
Na Idade Moderna (1.600 ...)
religião num estudo filosófico ao
encontramos duas
alcance de todos os homens
tendências:
instruídos. Teve muitos
1.A busca de uma ética seguidores.
racional pura ± subjetividade
humana;
2.Tentativa de unir a ética
religiosa às reflexões
filosóficas.
GRANDES PENSADORES
MODERNOS:
Karl Marx - desenvolveu uma
nova visão do mundo e da
história humana, que veio
substituir a da religião: a moral
revolucionária. ß 


A moral revolucionária foi muito  



2 
influenciada pela tradição ética    
cristã.   


   
 ´
O marxismo é uma grande
tradição de preocupações éticas, >?!&!.@
onde persistem elementos do
cristianismo.
m  

#   
##"& ?"- !' 
!  m"$()
!"&0 Ô  "!8
1#" * .!4# 
!# !!  ()
#!& !$!!%!A
"&$"#"
# () #!&#" %
'"
 *& * $ !
"'!&83'& .0 
!!
m    

‡ Para os cristãos da idade
  
 
 
média: o ideal ético é o da
Agir moralmente vida espiritual, de amor e
significa agir de acordo fraternidade (Santo
com a própria Agostinho).
consciência. ‡ Idade moderna
  

  (iluminismo e
 
 renascimento): ideal seria
viver de acordo com a
‡Para os gregos: a busca própria liberdade pessoal.
do bem supremo (Platão) Critério da moralidade é
e da felicidade, através de ser racional, autônomo,
uma vida virtuosa autodeterminado, agir
(Aristóteles). segundo a razão e a
liberdade (Kant).
A LIBERDADE A liberdade não pode ser
apenas exterior, nem apenas
interior. Ela se desenvolve na
Falar de ética significa falar de consciência e nas estruturas.
liberdade.
A liberdade aumenta com a
Liberdade para decidir entre o consciência que se tem dela.
bem e o mal.
(Hegel, 1770-1831)
Liberdade para decidir sobre o
certo e o errado.
A ética se preocupa com a
Liberdade de conduta.
forma humana de resolver as
Liberdade com contradições entre
responsabilidade necessidade e possibilidade
montradições
A ética se preocupa com a forma ³Meu dilema não significa,
humana de resolver as em primeiro lugar, que se
contradições entre: escolha entre o bem e o
mal; ele designa a escolha
necessidade e possibilidade;
pela qual se exclui ou se
tempo e eternidade; escolhe o bem e o mal´
o indivíduo e o social; (Kierkegaard, 1813-1855,
filósofo dinamarquês)
o econômico e o moral;
o corporal e o psíquico;
o natural e o cultural;
a inteligência e a vontade.
(  
   
   
> Se escrever: "Está chovendo", há um enunciando de um
acontecimento constatado e o juízo é juízo de fato. Se,
porém, falar: "A chuva é boa para as plantas" ou "A chuva é
bela", estará interpretando e avaliando o acontecimento.
Nesse caso, profere-
profere-se um juízo de valor.

> Juízos de fato são aqueles que dizem o que as coisas são,
como são e por que são. Na vida cotidiana, mas também na
metafísica e nas ciências, os juízos de fato estão presentes.
Diferentemente deles, os juízos de valor, avaliações sobre
coisas, pessoas, situações, são proferidos na moral, nas
artes, na política, na religião.

> Juízos de valor avaliam coisas, pessoas, ações,


experiências, acontecimentos, sentimentos, estados de
espírito, intenções e decisões como bons ou maus,
desejáveis ou indesejáveis.
 (    

> ws juízos éticos de valor são também normativos, isto é,


enunciam normas que determinam o dever ser de nossos
sentimentos, nossos atos, nossos comportamentos. São
juízos que enunciam obrigações e avaliam intenções e
ações segundo o critério do correto e do incorreto.

> ws juízos éticos de valor nos dizem o que são o bem, o


mal e a felicidade. ws juízos éticos normativos nos dizem
quais sentimentos, intenções, atos e comportamentos
devemos ter ou fazer para alcançar o bem e a felicidade.
Enunciam também que atos, sentimentos, intenções e
comportamentos são condenáveis ou incorretos do ponto
de vista moral.
 (    
> momo se pode observar, senso moral e consciência moral são inseparáveis
da vida cultural, pois esta define para seus membros os valores positivos e
negativos que devem respeitar ou detestar (Marilena mhauí, com adaptação).

Exemplos: minha indignação diante da violência e da pobreza


faz parte de meu senso moral. Uma pessoa querida com uma
doença terminal, está viva apenas porque seu corpo está ligado
à máquina que a conserva. Suas dores são intoleráveis. Não
seria melhor deixá-
deixá-la morrer? Podemos desligar os aparelhos?
Que fazer? Essas perguntas são de minha consciência moral.

> Saber diferenciar juízo de valor do de fato ajuda a raciocinar e redigir


contextos donde predominam juízos de valor, pois os sujeitos constantemente
emitem opiniões, julgando uma determinada situação.

*Hélio monsolaro é professor de Português, cronista diário da Folha da Região, Araçatuba, presidente da Academia Araçatubense
de Letras e coordenador do site Por Trás das Letras.